20111111 aia cyane pacheco

320 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
320
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

20111111 aia cyane pacheco

  1. 1. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 1 de 11 Excelentíssimo  Senhor  Juiz  de  Direito  da                    Vara  da  Fazenda  Pública  da  Capital.                                   Ministério   Público   do   Estado   de   Pernambuco,   representado   pelo   Promotor   de   Justiça  que  a  presente  subscreve,  no  uso  de  suas  atribuições  legais  em  defesa  dos   interesses  difusos,  coletivos  e  individuais  indisponíveis,  notadamente  do  patrimônio   público,  diante  do  que  consta  das  peças  de  informação  em  anexo  (Inquérito  Civil  nº   1/2009),  na  forma  e  com  fundamento  nos  artigos  37,  127  e  129,  III,  da  Constituição  da   República  combinados  com  os  artigos  1º,  inciso  IV  e  5º  da  Lei  nº  7.347,  de  24  de  julho   de  1985  (Lei  da  Ação  Civil  Pública);  1º  e  25,  inciso  IV,  alínea  a  da  Lei  nº  8.625,  de  12  de   fevereiro   de   1993   (Lei   Orgânica   Nacional   do   Ministério   Público);   1º,   4º,   inciso   IV,   alínea  a,  6º,  inciso  I,  da  Lei  Complementar  nº  12,  de  27  de  dezembro  de  1994  (Lei   Orgânica  do  Ministério  Público  do  Estado  de  Pernambuco),  artigos  1º  e  17,  da  Lei  de   Improbidade   Administrativa   e   nos   dispositivos   legais   adiante   invocados,   vem   a   presença  de  Vossa  Excelência  propor  a  presente  AÇÃO  CIVIL  PÚBLICA  POR  ATO  DE   IMPROBIDADE  ADMINISTRATIVA  em  desfavor  de         Cyane   Pacheco   de   Albuquerque   Lins   Caldas,   brasileira,   casada,   substituta   no   exercício   da   Titularidade   do   Cartório   do   Registro   Civil   do   9º   Distrito   Judiciário   do   Recife,   Pernambuco,   portadora   da   Cédula   de   Identidade   nº   1.966.268   SSP/PE   e   inscrita   no   Cadastro   de   Pessoa   Física   do   Ministério   da   Fazenda   sob   o   número   340.393.684-­‐87;  pelas  razões  de  fato  e  de  direito  adiante  aduzidas:         1. DOS  FATOS      
  2. 2. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 2 de 11   Em  face  de  expediente  oriundo  da  Corregedoria  Geral  de  Justiça,  através  do  qual  foi   encaminhada  cópia  do  Processo  nº  301/08  -­‐  CA/E  (documento  1)  relativo  a  inspeção   realizada  no  âmbito  do  Cartório  de  Registro  Civil  das  Pessoas  Naturais  do  9º    Distrito   Judiciário  –  Madalena  –  Recife,  PE,  a  Promotoria  de  Justiça  de  Defesa  da  Cidadania   da   Capital   instaurou   o   Procedimento   de   Investigação   Preliminar   nº   01/2009,   posteriormente  convertido  no  Inquérito  Civil  nº  01/2009.     Do  conjunto  probatório,  é  possível  afirmar  que,  durante  a  inspeção  realizada  pela   Corregedoria  Auxiliar  dos  Serviços  Extrajudiciais,  conduzida  pelos  servidores  André   Carvalho   Salsa   e   José   Ricardo   Aranha   de   Oliveira,   foi   levantado   um   débito   de   R$   309.292,52  (trezentos  e  nove  mil,  duzentos  e  noventa  e  dois  reais  e  cinquenta  e  dois   centavos)  referente  à  Taxa  de  Serviço  Notarial  e  de  Registro,  decorrente  dos  atos   de  autenticações  de  cópias  no  valor  R$  179.170,00  (cento  e  setenta  e  nove  mil,  cento   e   setenta   reais);   reconhecimento   de   firma   no   valor   de   R$   94.248,00   (noventa   e   quatro  mil,  duzentos  e  quarenta  e  oito);  habilitação  de  casamento  no  valor  de  R$   7.757,02   (sete   mil,   setecentos   e   cinquenta   e   sete   reais   e   dois   centavos).   Sobre   o   total  acima  referido  foi  aplicado  uma  multa  correspondente  ao  valor  de  R$  28.117,50   (vinte  e  oito  mil,  cento  e  dezessete  reais  e  cinquenta  centavos).     O  período  de  apuração  na  autenticação  de  cópia  e  no  reconhecimento  de  firma  foi   de   03/01/2005   até   12/11/2008;   e,   nas   habilitações   de   casamento,   no   período   de   janeiro  de  2005  até  outubro  de  2008.     No  início  da  inspeção,  no  dia  11  de  novembro  de  2008,  a  responsável  foi  notificada   para  que  não  recolhesse  a  Taxa  de  Serviço  Notarial  e  Registro  e  o  Ferc  referente  aos   meses  que  antecederam  a  referida  inspeção.     O  cálculo  da  TSNR  e  do  FERC  incidentes  sobre  os  ato  de  reconhecimento  de  firma  e   autenticações  de  cópia  foi  feito  com  base  no  relatório  de  consulta  de  Selo/Livro  da   RR  Donnelley.  O  estoque  de  selo  de  autenticidade  e  fiscalização,  no  dia  12/11/2008,   eram  os  seguintes:     l 9.000   selos   de   autenticação   de   cópias   séries:   BAQ073001/BAQ077000   e   BAQ77001/BAQ082000;   l 4.500  selos  de  reconhecimento  de  firma  séries:  AGX036501/AGX041000;   l 500  selos  de  reconhecimento  de  firma  2,  de  séries  ABM025751/ABM026250.     Constatou-­‐se,   em   vários   processos   de   habilitação   de   casamento   que   a   guia   de   recolhimento  da  TSNR  estava  inserida  nos  autos,  todas  as  três  (03)  vidas  do  DARJ,   mas  sem  a  devida  autenticação  bancária  ou  comprovante  de  pagamento  da  Loteria   Federal.    
  3. 3. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 3 de 11 Verificou-­‐se,   ainda,   o   não   recolhimento   do   fundo   de   gratuidade   no   valor   de   R$   120.500,60   (cento   e   vinte   mil,   quinhentos   reais   e   sessenta   reais),   sendo   o   valor   principal  de  R$  109.546,00  (cento  e  nove  mil,  quinhentos  e  quarenta  e  seis  reais),   acrescido   de   multa   de   10%,   no   valor   de   R$   10.954,60   (dez   mil,   novecentos   e   cinquenta  e  quatro  reais  e  sessenta  centavos).     O   período   de   apuração   do   Fundo   de   Gratuidade   foi   de   abril   de   2006   até   12   de   novembro  de  2008.     À   guisa   de   conclusão,   tem-­‐se   que   a   demandada   Cyane   Pacheco   de   Albuquerque   Lins   Caldas,   a   toda   evidência,   se   apropriou,   em   razão   do   exercício   do   cargo,   de   valores   de   tributos   cobrados   de   terceiros,   os   quais   deveriam   ter   sido   repassados   para  o  Estado  de  Pernambuco.     Cumpre  destacar  que,  por  força  da  conduta  acima  referida  e  através  da  Portaria  nº   169/2008,  a  demandada  foi  afastada  das  funções  desempenhadas  junto  à  serventia   do   Registro   Civil   das   Pessoas   Naturais   do   9º   Distrito   Judiciário   da   Comarca   da   Capital,  por  prazo  indeterminado.     Merece   registro   ainda   que,   a   demandada   responde   criminalmente   em   face   da   mesma   conduta   –   Processo   nº   0004445-­‐64.2010.8.17.0001,   atualmente   em   tramitação  na  Vara  dos  Crimes  contra  a  Administração  Pública  e  a  Ordem  Tributária   da  Capital.         2. DO  DIREITO         A  Lei  Federal  nº  8.935/94,  que  dispõe  sobre  serviços  notariais  e  de  registro,  dispõe   em   seu   artigo   30   que   são   deveres   dos   notários   e   dos   oficiais   de   registro:   XI   -­‐   fiscalizar  o  recolhimento  dos  impostos  incidentes  sobre  os  atos  que  devem  praticar;   e  XIV  -­‐  observar  as  normas  técnicas  estabelecidas  pelo  juízo  competente.     Por  seu  turno,  a  Lei  Estadual  nº  11.404,  de  19  de  dezembro  de  1996,  consolidou  as   normas   relativas   às   Taxas,   Custas   e   aos   Emolumentos,   no   âmbito   do   Poder   Judiciário.     Em   seu   artigo   29,   determina   que   constitui   hipótese   de   incidência   da   Taxa   pela   Utilização   de   Serviços   Públicos   Notariais   ou   de   Registro   (TSNR),   a   pratica   do   ato   notarial  ou  de  registro,  em  qualquer  de  suas  formas.    
  4. 4. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 4 de 11 Já   em   seu   Art.   30,   consta   que   das   certidões   de   autenticação   de   documentos   e   reconhecimento  de  firmas  ou  assinaturas,  constarão  o  registro  dos  valores  referentes   aos  emolumentos  do  ato  praticado  e  do  percentual,  em  valores  monetários,  da  Taxa   pela  Utilização  dos  Serviços  Públicos  Notariais  ou  de  Registro  (TSNR).     Em   outra   mão,   a   Resolução   nº   131/99,   do   Tribunal   de   Justiça   de   Pernambuco   determina  em  seu  artigo  8º  que:     Art.   8º   -­‐   As   serventias   extrajudiciais   manterão   registros   permanentes   da   movimentação   diária   dos   selos,   lançando   as   entradas,   saídas   e   saldo   remanescente,   e   prestarão   contas,   mensalmente,   dos   selos   recebidos,   discriminando   o   estoque   inicial,   os   selos   utilizados,   o   estoque   remanescente  e  os  selos  extraviados,  avariados  ou  inutilizados.   §  1º  -­‐  A  Corregedoria  Geral  da  Justiça  definirá  os  modelos  e  formulários  de   registro  de  movimentação  e  de  prestação  de  contas,  a  qual  poderá  ser  feita   em  meio  magnético  ou  "on-­‐line",  no  caso  das  serventias  informatizadas,  e   fixará  os  prazos  para  sua  apresentação  ao  Tribunal  de  Justiça.   §  2º  -­‐  As  serventias  que  não  procederem  à  prestação  de  contas  nos  prazos   determinados,  ou  que  a  fizerem  de  modo  irregular,  ficarão  impedidas  de   requisitar   novos   lotes   de   selos   até   a   regularização   das   pendências,   independentemente  da  aplicação  das  penalidades  administrativas  cabíveis.   §  3º  -­‐  A  Corregedoria  Geral  da  Justiça  publicará,  no  Diário  Oficial  da  Justiça,   edital  de  cancelamento  dos  selos  extraviados,  avariados  ou  inutilizados.     Ora,  no  caso  vertente,  se  vê  cristalinamente  que  a  demandada  descumpriu  com  tais   obrigações.   Deixando   de   repassar   ao   erário   estadual   os   valores   de   tributo   de   terceiros   por   ela   recolhidos.   A   aposição   de   guias   de   recolhimento   da   TSNR   nos   autos   de   habilitação   de   casamento   sem   a   devida   autenticação   bancária   ou   comprovante   de   pagamento   da   Loteria   Federal   bem   demonstra   o   intuito   de   transparecer   uma   aparente   regularidade   nesses   procedimentos   quando,   na   realidade,  se  deixou  de  recolher  os  tributos  cobrados  de  terceiros.         Da  improbidade  administrativa         O   artigo   37,   da   Constituição   Federal   dispõe   que   a   administração   pública   direta,   indireta   ou   fundacional   de   qualquer   dos   poderes   da   União,   dos   Estados   e   dos   Municípios   obedecerá   aos   princípios   da   legalidade,   impessoalidade,   moralidade,   publicidade  e  também  que  (...)      
  5. 5. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 5 de 11 §   4º   -­‐   Os   atos   de   improbidade   administrativa   importarão   a   suspensão   dos   direitos   políticos,  a  perda  da  função  pública,  a  indisponibilidade  dos  bens  e  o  ressarcimento  ao   erário,  na  forma  e  gradação  previstas  em  lei,  sem  prejuízo  da  ação  penal  cabível.       No  espectro  infraconstitucional,  foi  promulgada  a  Lei  nº  8.429/92  que  dispõe  sobre   as   sanções   aplicáveis   aos   agentes   públicos   nos   casos   de   enriquecimento   ilícito   no   exercício   de   mandato,   cargo,   emprego   ou   função   na   administração   pública   direta,   indireta  ou  fundacional.     No  tocante  à  delimitação  dos  sujeitos  ativos  da  improbidade  administrativa,  têm-­‐se   no  artigo  2º  que  reputa-­‐se  agente  público,  para  os  efeitos  desta  lei,  todo  aquele  que   exerce,   ainda   que   transitoriamente   ou   sem   remuneração,   por   eleição,   nomeação,   designação,  contratação  ou  qualquer  outra  forma  de  investidura  ou  vínculo,  mandato,   cargo,  emprego  ou  função  nas  entidades  mencionadas  no  artigo  anterior.     Na   outra   ponta,   são   passíveis   de   sofrer   ato   de   improbidade   administrativa,   nos   termos  do  artigo  1º  da  citada  lei,  a  administração  direta,  indireta  ou  fundacional  de   qualquer  dos  Poderes  da  União,  dos  Estados,  do  Distrito  Federal,  dos  Municípios,  de   Território,  de  empresa  incorporada  ao  patrimônio  público  ou  de  entidade  para  cuja   criação  ou  custeio  o  erário  haja  concorrido  ou  concorra  com  mais  de  cinqüenta  por   cento  do  patrimônio  ou  da  receita  anual.     A   conduta   de   Cyane   Pacheco   de   Albuquerque   Lins   Caldas   demonstra   que   ela   é   sujeito  ativo  de  ato  de  improbidade  administrativa.     A  demandada,  na  qualidade  de  delegatária  de  serviço  público,  responde  por  ato  de   improbidade  administrativa  praticado  por  força  dos  artigos  1º  e  2º  da  Lei  nº  8.429/92.       Assente  a  pertinência  subjetiva,  cabe-­‐nos  a  demonstração  da  ocorrência  de  ato  de   improbidade  administrativa.  É  o  que  se  segue.     Da   leitura   do   seu   artigo   9º,   inciso   XI,   têm-­‐se   que   constitui   ato   de   improbidade   administrativa  importando  enriquecimento  ilícito  auferir  qualquer  tipo  de  vantagem   patrimonial  indevida  em  razão  do  exercício  de  cargo,  mandato,  função,  emprego  ou   atividade   nas   entidades   mencionadas   no   art.   1°   desta   lei,   e   notadamente:   XI   -­‐   incorporar,   por   qualquer   forma,   ao   seu   patrimônio   bens,   rendas,   verbas   ou   valores   integrantes  do  acervo  patrimonial  das  entidades  mencionadas  no  art.  1°  desta  lei.     Aqui   é   necessário   se   ter   em   mente   que   a   Atividade   Notarial   é   regulada   pela   Lei   Federal  nº  8.935/94,  que  regulamenta  o  art.  236  da  Constituição  da  República.  Dito   diploma  normativo,  em  seu  artigo  3º  estabelece  que  Notário,  ou  tabelião,  e  oficial  de   registro,  ou  registrador,  são  profissionais  do  direito,  dotados  de  fé  pública,  a  quem  é   delegado  o  exercício  da  atividade  notarial  e  de  registro.  
  6. 6. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 6 de 11   No  caso  em  comento,  têm-­‐se  a  incidência  do  citado  dispositivo:  ato  de  improbidade   administrativa  consubstanciado  em  enriquecimento  ilícito.     Sustenta   Emerson   Garcia1   que   quatro   são   os   elementos   formadores   do   enriquecimento  ilícito  sob  a  ótica  da  Improbidade  Administrativa:     1) O  enriquecimento  do  agente;     2) Que   se   trate   de   agente   que   ocupe   cargo,   mandato,   função,   emprego   ou   atividade   nas   entidades   elencadas   no   artigo   1º,   ou   mesmo   o   extraneus   que   concorra  para  a  prática  do  ato  ou  dele  se  beneficie;     3) A   ausência   de   justa   causa,   devendo   se   tratar   de   vantagem   indevida,   sem   qualquer   correspondência   com   os   subsídios   ou   vencimentos   recebidos   pelo   agente  público;     4) Relação  de  causalidade  entre  a  vantagem  indevida  e  o  exercício  da  atividade.     Temos   que   tais   elementos   estão   plenamente   configurados   no   presente   caso:   a   demandada   –   delegatária   de   serviço   público   -­‐   incorporou   a   seu   patrimônio   bem   público  –  tributos  recolhidos  de  terceiros,  com  isto  gerando  o  seu  enriquecimento,   não   havendo   justa   causa   para   que   ela   dispusesse   do   referido   numerário   e   sendo   certo   que   o   seu   acesso   ao   dito   enriquecimento   decorreu   do   exercício   do   cargo,   posto   que,   não   sendo   Substituta   do   Registro   Civil   de   Pessoas   Naturais,   não   teria   acesso  aos  selos  e  respectivos  tributos.     Neste   ponto,   cumpre   evidenciar   o   significativo   Acórdão   do   Tribunal   Regional   Federal  da  5ª  Região  acerca  de  hipótese  similar  a  da  presente  demanda:     AC  Nº  357235  -­‐  RN  (2002.84.00.005125-­‐0)   APTE:  MARCELINO  DA  SILVA  ANDRADE   ADV:  EDUARDO  SERRANO  DA  ROCHA  E  OUTRO   APDO:  MINISTÉRIO  PÚBLICO  FEDERAL   APDO:  CAIXA  ECONÔMICA  FEDERAL   RELATOR:   DESEMBARGADOR   FEDERAL   CESAR   CARVALHO   (CONVOCADO)   EMENTA   APELAÇÃO.  AÇÃO  DE  IMPROBIDADE  ADMINISTRATIVA.  ART.  9º,  XI,  DA   LEI   N.º   8.429/92.   ENRIQUECIMENTO   ILÍCITO   ADVINDO   DA   APROPRIAÇÃO  DE  VALORES  AOS  QUAIS  SE  TEM  ACESSO  EM  RAZÃO  DO   CARGO   OCUPADO.   ALEGADO   ESTADO   DE   NECESSIDADE.   NÃO   1 Emerson Garcia, in Improbidade Administrativa, Lúmen Júris, 2ª Edição, 2004, página 270
  7. 7. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 7 de 11 COMPROVAÇÃO.   RESSARCIMENTO   EFETUADO   APENAS   QUANDO   DESCOBERTO   O   ATO   DE   IMPROBIDADE.   COMINAÇÃO   DE   PENAS   CUMULATIVAS   TENDO   EM   CONTA   O   GRAU   DE   CULPABILIDADE   E   REPROVABILIDADE   DA   CONDUTA.   OBEDIÊNCIA   AOS   PRINCÍPIOS   DA   RAZOABILIDADE   E   PROPORCIONALIDADE.   INDEPENDÊNCIA   ENTRE   AS   SEARAS   CRIMINAL   E   NÃO-­‐CRIMINAL.   VALOR   DA   MULTA   FIXADO   DENTRO  DO  PERMISSIVO  LEGAL  ESCULPIDO  PELO  ART.  12,  III,  DA  LEI  N.º   8.429/92.   SENTENÇA   QUE   SE   MANTÉM   POR   SEUS   PRÓPRIOS   FUNDAMENTOS.  RECURSO  IMPROVIDO.   -­‐  Funcionário  público  que,  valendo-­‐se  do  cargo  ocupado,  apropria-­‐se  de   montante   do   qual   tinha   posse   pratica   o   ato   de   improbidade   previsto   pelo  art.  9º,  XI,  da  Lei  n.º  8.429/92.   -­‐  Estado  de  necessidade  não  configurado  por  inexistência  de  provas  do   perigo  eminente  aventado.  Ademais,  ainda  que  houvesse  comprovação,   a  existência  de  alternativas  legais  para  saldar  as  supostas  dívidas  seria   evento  apto  a  afastar  o  estado  de  necessidade  nos  moldes  em  que  foi   sugerido.   -­‐   No   caso   dos   autos,   dadas   as   peculiaridades   observadas,   o   grau   de   culpabilidade   do   agente   e   de   reprovabilidade   do   ato   perpetrado,   consistente  no  enriquecimento  ilícito,  mais  do  que  cabível  a  cominação   cumulativa   de   sanções,   sendo   irrelevante   a   resposta   dada   na   seara   criminal.   -­‐   A   independência   entre   as   searas   criminal   e   não-­‐criminal   inviabiliza   a   exigência  de  tratamento  simétrico.   -­‐  As  penalidades  aplicadas  prestigiaram  os  princípios  da  razoabilidade  e   proporcionalidade  e  não  o  contrário.   -­‐  Sentença  que  se  mantém  por  seus  próprios  fundamentos.   -­‐  Apelação  improvida.   ACÓRDÃO   Vistos   e   relatados   estes   autos   em   que   são   partes   as   acima   indicadas,   decide   a   Primeira   Turma   do   egrégio   Tribunal   Regional   Federal   da   5ª   Região,  por  maioria,  negar  provimento  à  apelação,  nos  termos  do  voto   do  relator  e  notas  taquigráficas  constantes  dos  autos,  que  integram  o   presente  julgado.   Recife,  06  de  setembro  de  2007  (data  do  julgamento).   DESEMBARGADOR  FEDERAL  CESAR  CARVALHO   RELATOR  (CONVOCADO).         Da  Responsabilidade  da  Ré      
  8. 8. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 8 de 11   Conforme   ensinamento   de   Emerson   Garcia,   o   dolo   necessário   à   configuração   da   improbidade   administrativa   corresponde   à   vontade   livre   e   consciente   dirigida   ao   resultado  ilícito2   A   demandada,   consciente   e   voluntariamente,   aproveitou-­‐se   do   exercício   da   atividade  notarial  e  de  registro,  para  se  apropriar  de  rendas  públicas  relativas  à  Taxa   de   Serviço   Notarial   e   de   Registro   e   ao   Fundo   de   Gratuidade   incidentes   sobre   as   ações   de   autenticação   de   cópia   e   no   reconhecimento   de   firma   no   período   compreendido   entre   03   de   janeiro   de   2005   até   12   de   novembro   de   2008;   e,   nas   habilitações  de  casamento,  no  período  de  janeiro  de  2005  até  outubro  de  2008.     Assim  é  que  temos  os  elementos  necessários  para  o  enquadramento  do  presente   caso  como  ato  de  improbidade  administrativa.           3. DOS  PEDIDOS         Da  necessidade  de  decretação  da  Indisponibilidade  de  bens         Os  fatos  narrados  na  presente  exordial  evidenciam  a  prática  de  ato  de  improbidade   administrativa,   que   embora   tenha   importado   no   enriquecimento   ilícito   da   Ré,   causaram   lesão   ao   patrimônio   público,   consistente   na   falto   do   recolhimento   do   tributo   recebido   de   terceiros   atividade   notorial   e   de   registro.     O   prejuízo   a   ser   reparado  atinge  o  valor  histórico  de  R$  309.292,52  (trezentos  e  nove  mil,  duzentos  e   noventa  e  dois  reais  e  cinqüenta  e  dois  centavos),  além  da  multa  prevista  em  lei  e   demais  sanções  aplicáveis  ao  caso.     O  artigo  7º  da  Lei  nº  8.429/92  prevê  a  possibilidade  de  deferimento  do  pedido  de   indisponibilidade   de   bens   como   meio   de   garantir   o   ressarcimento   do   prejuízo   causado  ao  Erário  e  o  pagamento  da  multa  a  ser  imposta  judicialmente.       Os   requisitos   para   a   concessão   da   medida   restam   incontestes   na   presente   ação,   posto  que  os  fatos  narrados  e  a  legislação  invocada  revelam  a  existência  de  efetivo   2 Emerson Garcia, in Improbidade Administrativa, Editora Lumen Júris, 2ª Edição, página 296
  9. 9. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 9 de 11 dano  ao  erário,  assim  como  o  provável  julgamento  procedente  do  pedido  objeto  da   presente   demanda,   satisfazendo,   portanto,   o   requisito   do   fumus   bonis   iuris   necessário  à  concessão  da  liminar  requerida.     Quanto  ao  periculum  in  mora,  encontra-­‐se  o  mesmo  consubstanciado  no  fato  de  que   a   demora   na   prestação   jurisdicional   através   da   ação   que   ora   se   propõe,   enseja   a   tomada   de   medidas   urgentes   e   necessárias   visando   garantir   o   ressarcimento   dos   danos   causados   ao   Erário,   impedindo   que   os   Réus   dilapidem   seus   respectivos   patrimônios,   alienando-­‐os   ou   transferindo-­‐os   a   terceiros,   impossibilitando,   dessa   forma,  a  recomposição  dos  prejuízos  ocasionados  ao  Patrimônio  Público.       Assim,   tendo   por   fundamento   as   razões   acima   expostas,   fundadas   nas   provas   produzidas  no  curso  da  investigação  objeto  do  Inquérito  Civil  nº  1/2009,  cujas  peças   principais   seguem   em   anexo,   pugna   este   Órgão   Ministerial   pela   decretação   da   indisponibilidade  dos  bens  da  Ré.     Em  face  do  exposto,  requer  preliminarmente  seja  decretada  a  indisponibilidade  de   bens   da   ré   Cyane   Pacheco   de   Albuquerque   Lins   Caldas,   inscrita   no   Cadastro   de   Pessoa   Física   do   Ministério   da   Fazenda   sob   o   número   340.393.684-­‐87,   devendo,   para   tanto:   a)   ser   oficiado   aos   cartórios   de   registro   de   imóveis   desta   Comarca,   comunicando   a   impossibilidade   da   transferência   dos   imóveis   de   propriedade   daquela;   e   b)   ser   oficiado   ao   DETRAN/PE,   a   fim   de   impedir   a   transferência   do   registro  de  veículos  existentes  em  seu  nome.         Do  Pedido  de  Mérito         Ante  todo  o  exposto,  depois  de  autuada  e  recebida  a  presente  petição  inicial  com   os  documentos  que  a  instruem  (arts.  282/283  do  Código  de  Processo  Civil),  requer  o   Ministério  Público  a  Vossa  Excelência  seja  julgada  procedente  a  presente  ação  para,   nos   termos   do   artigo   12,   I,   da   Lei   nº   8.429/92,   condenar   a   ré   Cyane   Pacheco   de   Albuquerque   Lins   Caldas   na   perda   da   função   pública,   suspensão   dos   direitos   políticos   de   oito   a   dez   anos,   devolução   dos   valores   apropriados   indevidamente,   pagamento  de  multa  civil  e  proibição  de  contratar  com  o  Poder  Público  ou  receber   benefícios   ou   incentivos   fiscais   ou   creditícios,   direta   ou   indiretamente,   ainda   que   por  intermédio  de  pessoa  jurídica  da  qual  seja  sócio  majoritário,  pelo  prazo  de  dez   anos.     Seja  o  valor  relativo  à  multa  civil  destinados  aos  cofres  da  Fazenda  do  Estado  de   Pernambuco.  
  10. 10. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 10 de 11       Dos  Requerimentos  Finais         Como  medida  de  ordem  processual,  requer  a  notificação  e  posterior  citação  para   que,   querendo,   apresente   resposta,   no   prazo   legal,   sob   pena   de   presumirem-­‐se   verdadeiros  os  fatos  ora  alegados  (art.  17  da  Lei  n.  8.429/1992)  do  demandado:       Cyane  Pacheco  de  Albuquerque  Lins  Caldas,  residente  à  Rua  Augusto  Lins  e  Silva,   430,  apartamento  402,  Setúbal,  Recife;  e     A  intimação  do  Estado  de  Pernambuco,  na  pessoa  do  seu  Procurador-­‐Chefe,  para   que,  querendo,  intervenha  nos  presentes  autos;     Requer,  por  derradeiro:       • O  recebimento  da  presente  ação  sob  o  rito  ordinário;     • Isenção   de   custas,   emolumentos,   honorários   e   outras   despesas   na   conformidade  do  que  dispõe  o  artigo  18  da  LACP;     • Condenação   do   Ré   no   pagamento   das   custas   processuais,   honorários   advocatícios,  estes  calculados  à  base  de  20%  (vinte  por  cento)  sobre  o  valor   total   da   condenação   e   demais   cominações   de   direito   decorrentes   da   sucumbência;     • A  produção  de  todos  os  meios  de  prova  em  direito  permitidos.     Dá  à  causa  o  valor  de  R$  309.292,52  (trezentos  e  nove  mil,  duzentos  e  noventa  e   dois  reais  e  cinqüenta  e  dois  centavos).       Nestes  Termos   P.     Deferimento     Recife,  11  de  novembro  de  2011.         Charles  Hamilton  Santos  Lima   26º  Promotor  de  Justiça  de  Defesa  da    
  11. 11. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7273 11 de 11 Cidadania  da  Capital      

×