20111005 acp policial civil extorsão boa viagem

513 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
513
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

20111005 acp policial civil extorsão boa viagem

  1. 1. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7265 1 de 8 Excelentíssimo  Senhor  Juiz  de  Direito  da          Vara  da  Fazenda  Pública  da  Capital.                                         Ministério   Público   do   Estado   de   Pernambuco,   representado   pelo   Promotor   de   Justiça  que  a  presente  subscreve,  no  uso  de  suas  atribuições  legais  em  defesa  dos   interesses  difusos,  coletivos  e  individuais  indisponíveis,  notadamente  do  patrimônio   público,  diante  do  que  consta  das  peças  de  informação  em  anexo  (Procedimento  de   Investigação  Preliminar  nº  28/2011),  na  forma  e  com  fundamento  nos  artigos  37,  127   e  129,  III,  da  Constituição  da  República  combinados  com  os  artigos  1º,  inciso  IV  e  5º   da  Lei  nº  7.347,  de  24  de  julho  de  1985  (Lei  da  Ação  Civil  Pública);  1º  e  25,  inciso  IV,   alínea   a   da   Lei   nº   8.625,   de   12   de   fevereiro   de   1993   (Lei   Orgânica   Nacional   do   Ministério  Público);  1º  e  4º,  inciso  IV,  alínea  a  da  Lei  Complementar  nº  12,  de  27  de   dezembro  de  1994  (Lei  Orgânica  do  Ministério  Público  do  Estado  de  Pernambuco)  e   nos   dispositivos   legais   adiante   invocados,   vem   a   presença   de   Vossa   Excelência   propor   a   presente   AÇÃO   CIVIL   PÚBLICA   POR   ATO   DE   IMPROBIDADE   ADMINISTRATIVA  pelas  razões  de  fato  e  de  direito  adiante  aduzidas  contra       GILSSIENE   CARLA   BEZERRA   BORGES,   brasileira,   solteira,   natural   de   Recife/PE,   nascida  em  22  de  junho  de  1972,  Policial  Civil  do  Estado  de  Pernambuco,  matrícula   221.171-­‐8,   portadora   da   RG   nº   4.230.310   SDS/PE,   filha   de   Gilberto   Borges   e   de   Missiene  Bezerra  Borges;     PAULO  DA  COSTA  LEÃO,  brasileiro,  divorciado,  natural  de  Paulista/PE,  nascido  em   05  de  dezembro  de  1958,  com  41  anos  de  idade,  portador  da  RG  nº  1.584.743  SDS/PE,  
  2. 2. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7265 2 de 8 empresário,  filho  de  Leobaldo  da  Costa  Leão  e  Severino  Pereira  Leão.,  residente  na   Avenida  Rosa  e  Silva,  nº  707,  apt.  1802,  Aflitos,  Recife/PE       1. DOS  FATOS       Em   face   de   expediente   oriundo   do   36º   Promotor   de   Justiça   Criminal   da   Capital,   através   do   qual   foi   encaminhada   cópia   do   Processo   Administrativo   Disciplinar   nº   017/2011   da   3ª   Comissão   Permanente   de   Disciplina/PC/CGSDS,   instaurado   em   desfavor  de  Gilssiene  Carla  Bezerra  Borges,  bem  como  dando  notícia  da  Ação  Penal   nº   0145729-­‐94.2009.8.17.0001,   ora   em   tramitação   na   Vara   de   Crimes   Contra   a   Administração  Pública  da  Capital,  a  Promotoria  de  Justiça  de  Defesa  da  Cidadania  da   Capital  instaurou  o  Procedimento  de  Investigação  Preliminar  nº  028/2011.     Na  referida  denúncia-­‐crime  consta  que:     No  dia  de  04  de  novembro  de  2009,  por  volta  das  13:50  horas,  no  restaurante  Carcará,   Boa   Viagem,   nesta   cidade,   policiais   civis,   prenderam   em   flagrante   os   denunciados   PAULO  DA  COSTA  LEÃO  e  GILSSIENE  CARLA  BEZERRA  BORGES  que  em  comunhão  de   desígnios  e  ações  e  homogeneidade  de  condutas,  solicitaram  para  si,  diretamente,  a   vantagem  indevida  no  valor  de  R$  1.500,00  (hum  mil  e  quinhentos  reais)  de  NILSON   ERNESTO  BEZERRA  DE  ARAÚJO,  consoante  depoimentos  de  fls.  02/11,  além  do  auto  de   Apresentação  e  Apreensão  de  fls.  14.     Narra  o  caderno  Policial  que  a  vítima  Nilson  Ernesto  a  cerca  de  dois  meses  estava  à   procura  de  um  ponto  para  abrir  uma  casa  de  Bingo,  lastreado  em  uma  liminar  de  uma   confederação   de   esportes.   Neste   período   a   vítima   foi   abordada   pelo   denunciado   PAULO  DA  COSTA  que  apresentou  a  denunciada  GILSSIENE  CARLA.     Em   um   encontro   a   denunciada   GILSSIENE   CARLA   se   apresentou   como   Delegada   de   Polícia  de  Prazeres.  A  mesma  solicitou  a  quantia  de  R$  15.000,00  (quinze  mil  reais)  para   Nilson   Ernesto   poder   abrir   novamente   o   Bingo.   A   denunciada   ainda   afirmou   que   a   referida   quantia   seria   devida   entre   o   seu   “sócio”   o   Delegado   de   Boa   Viagem,   o   Delegado   do   Turista   e   um   Capitão   da   PM,   onde   os   mesmo   não   importunariam   o   comércio  de  Nilson  Ernesto.     Passados   alguns   dias   o   denunciado   PAULO   DA   COSTA   ligou   para   Nilson   Ernesto   afirmando  que  a  DRA.  CARLA  queria  um  prazo  do  mesmo  com  a  resposta.  Após  tal   ligação  Nilson  Ernesto  achou  estranha  a  proposta  dos  denunciado  e  decidiu  procurar  a   Autoridade  Policial  para  relatar  o  ocorrido  quando  foi  informando  que  não  procediam   as  solicitações  do  denunciados.    
  3. 3. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7265 3 de 8 Os   denunciados   quando   inquiridos   pela   Autoridade   Policial   apresentam   versões   desconexas.   O   primeiro   denunciado   nega   o   fato   apesar   de   conhecer   as   partes   envolvidas   e   a   denunciada   afirma   que   o   denunciado   PAULO   DA   COSTA   lhe   devia   a   quantia  de  R$  1.500,00  (hum  mil  e  quinhentos  reais)  e  não  sabe  informa  por  Nilson   Ernesto  estava  lhe  entregando  a  referida  quantia.     Desse  modo,  resta  inconteste  a  autoria,  inclusive  devido  à  confissão  dos  denunciados   em   seus   depoimentos   do   caderno   policial,   bem   como   a   materialidade   delitiva,   conforme  Auto  de  Prisão  em  Flagrante  Delito  de  fls.  02/11  dos  autos,  além  do  Auto  de   Apresentação  e  Apreensão  de  fls.  14.     Ao  final  conclui  o  Promotor  de  Justiça:     Ante   o   exposto,   encontra-­‐se   PAULO   DA   COSTA   LEÃO   e   GILSSIENE   CARLA   BEZERRA   BORGES  incurso  no  artigo  317,  caput  c/c  artigo  29,  ambos  do  Código  Penal  Brasileiro,   razão   pela   qual   oferece   a   presente   denúncia   para   que,   recebida   e   autuada,   seja   instaurado  o  devido  processo  legal,  nos  moldes  do  art.  396  e  seguintes  do  CPP  (com   redação  modificada  pela  Lei  nº.  11.719/08)  e  em  conformidade  ao  estabelecido  na  Lei  nº.   11.343/06,   requerendo   desde   já   a   CITAÇÃO   dos   denunciados   para   responderem,   por   escrito,  à  acusação,  a  fim  de  exercer  a  ampla  defesa,  além  de  sua  intimação,  bem  como   das   testemunhas   abaixo   arroladas,   para   virem   a   juízo,   prosseguindo   o   feito   até   sentença  condenatória,  de  tudo  ciente  o  Ministério  Público.     De  igual  modo,  a  ré  respondeu  também  ao  Processo  Administrativo  Disciplinar  nº   17/2011,  pelos  fatos  que  embasam  a  presente  a  ação.     Em  resumo,  tem-­‐se  que  a  demandada,  prevalecendo-­‐se  de  sua  condição  de  policial   civil,  buscou  auferir  vantagem  patrimonial  indevida  para  tolerar  a  prática  de  jogos   de  azar.     Assim   agindo,   cometeu   ato   de   improbidade   administrativa   que   importa   em   enriquecimento  ilícito  ao  tempo  em  que  desobedeceu  aos  princípios  norteadores  da   Administração  Pública,  conforme  a  seguir  demonstrado.       2. DO  DIREITO       O   constituinte   originário   estabeleceu,   no   artigo   37,   que   a   administração   pública   direta  e  indireta  de  qualquer  dos  Poderes  da  União,  dos  Estados,  do  Distrito  Federal   e   dos   Municípios   obedecerá   aos   princípios   de   legalidade,   impessoalidade,   moralidade,  publicidade  e  eficiência  –  grifos  nossos.    
  4. 4. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7265 4 de 8 Segundo   Celso   Antonio   Bandeira   de   Mello,   “o   princípio   da   legalidade   explicita   a   subordinação  da  atividade  administrativa  à  lei  e  surge  como  decorrência  natural  da   indisponibilidade  do  interesse  público,  noção  esta  que,  conforme  foi  visto,  informa  o   caráter  da  relação  de  administração”.       Em   outra   oportunidade,   obtempera:   “fora   da   lei,   portanto,   não   há   espaço   para   atuação  regular  da  Administração.  Donde,  todos  os  agentes  do  Executivo,  desde  o  que   lhe   ocupa   a   cúspede   até   o   mais   modesto   dos   servidores   que   detenha   algum   poder   decisório,  hão  de  ter  perante  a  lei  -­‐  para  cumprirem  corretamente  seus  misteres  -­‐  a   mesma   humildade   e   a   mesma   obsequiosa   reverência   para   com   os   desígnios   normativos.  É  que  todos  exercem  função  administrativa,  a  dizer,  função  subalterna  à   lei,  ancilar  -­‐  que  vem  de  ancilla,  serva,  escrava”1 .       No   tocante   ao   princípio   da   moralidade   é   necessário   observar   o   ensinamento   de   Maria  Sylvia  Zanella  de  Pietro  no  sentido  em  que  “não  é  preciso  penetrar  na  intenção   do   agente,   porque   do   próprio   objeto   resulta   a   imoralidade.   Isto   ocorre   quando   o   conteúdo   de   determinado   ato   contrariar   o   senso   comum   de   honestidade,   retidão,   equilíbrio,  justiça,  respeito  à  dignidade  do  ser  humano,  à  boa-­‐fé,  ao  trabalho,  à  ética   das   instituições.   A   moralidade   exige   proporcionalidade   entre   os   meios   e   os   fins   a   atingir;   entre   os   sacrifícios   impostos   à   coletividade   e   os   benefícios   por   ela   auferidos;  entre  as  vantagens  usufruídas    pelas  autoridades  públicas  e  os  encargos   impostos   à   maioria   dos   cidadãos.   Por   isso   mesmo,   a   imoralidade   salta   aos   olhos   quando  a  Administração  Pública  é  pródiga  em  despesas  legais,  porém  inúteis,  como   propaganda   ou   mordomia,   quando   a   população   precisa   de   assistência   médica,   alimentação,  moradia,  segurança,  educação,  isso  sem  falar  no  mínimo  indispensável  à   existência   digna.   Não   é   preciso,   para   invalidar   despesas   desse   tipo,   entrar   na   difícil   análise  dos  fins  que  inspiraram  a  autoridade;  o  ato  em  si,  o  seu  objeto,  o  seu  conteúdo,   contraria  a  ética  da  instituição,  afronta  a  norma  de  conduta  aceita  como  legítima  pela   coletividade   administrada.   Na   aferição   da   imoralidade   administrativa,   é   essencial   o   princípio  da  razoabilidade”.2       Assim  é  que,  ao  servidor  público  não  é  possível,  ao  seu  escrutínio,  cobrar  valores  de   um  cidadão  para  tolerar  a  prática  de  jogos  de  azar.  É  necessário  que  a  atuação  do   Estado,   através   de   seus   agentes,   se   encontre   em   perfeito   alinhamento   com   os   princípios   estabelecidos   no   artigo   37   e,   em   especial   na   presente   hipótese,   os   da   legalidade  e  moralidade.       1 Celso Antonio Bandeira de Mello in “Desvio de Poder”, in RDP 89/24, p. 24. e “Discricionariedade e Controle Jurisdicional”, Malheiros Editores, 2ª ed., 1993, p. 50. 2 Maria Sylvia Zanella di Pietro, in Discricionariedade administrativa na Constituição de 1998. São Paulo, Atlas, 1991, pagina 111
  5. 5. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7265 5 de 8 No  caso  concreto,  é  inafastável  a  desconformidade  entre  a  atuação  da  demandada   e  os  princípios  e  regras  norteadores  da  atividade  pública.       Da  Improbidade  Administrativa         O   artigo   37,   da   Constituição   Federal   dispõe   que   a   administração   pública   direta,   indireta   ou   fundacional   de   qualquer   dos   poderes   da   União,   dos   Estados   e   dos   Municípios   obedecerá   aos   princípios   da   legalidade,   impessoalidade,   moralidade,   publicidade  e  também  que  (...)       §  4º  -­‐  Os  atos  de  improbidade  administrativa  importarão  a  suspensão  dos   direitos  políticos,  a  perda  da  função  pública,  a  indisponibilidade  dos  bens  e   o   ressarcimento   ao   erário,   na   forma   e   gradação   previstas   em   lei,   sem   prejuízo  da  ação  penal  cabível.       No  espectro  infraconstitucional,  foi  promulgada  a  Lei  nº  8.429/92  que  dispõe  sobre   as   sanções   aplicáveis   aos   agentes   públicos   nos   casos   de   enriquecimento   ilícito   no   exercício   de   mandato,   cargo,   emprego   ou   função   na   administração   pública   direta,   indireta  ou  fundacional.     No  tocante  à  delimitação  dos  sujeitos  ativos  da  improbidade  administrativa,  têm-­‐se   no  artigo  2º  que  reputa-­‐se  agente  público,  para  os  efeitos  desta  lei,  todo  aquele  que   exerce,   ainda   que   transitoriamente   ou   sem   remuneração,   por   eleição,   nomeação,   designação,  contratação  ou  qualquer  outra  forma  de  investidura  ou  vínculo,  mandato,   cargo,  emprego  ou  função  nas  entidades  mencionadas  no  artigo  anterior.     Na   outra   ponta,   são   passíveis   de   sofrer   ato   de   improbidade   administrativa,   nos   termos  do  artigo  1º  da  citada  lei,  a  administração  direta,  indireta  ou  fundacional  de   qualquer  dos  Poderes  da  União,  dos  Estados,  do  Distrito  Federal,  dos  Municípios,  de   Território,  de  empresa  incorporada  ao  patrimônio  público  ou  de  entidade  para  cuja   criação  ou  custeio  o  erário  haja  concorrido  ou  concorra  com  mais  de  cinqüenta  por   cento  do  patrimônio  ou  da  receita  anual.     A   conduta   de   GILSSIENE   CARLA   BEZERRA   BORGES   demonstra   que   ela   é   sujeito   ativo  de  ato  de  improbidade  administrativa.     A   demandada,   na   qualidade   de   policial   civil,   responde   por   ato   de   improbidade   administrativa  praticado  por  força  dos  artigos  1º  e  2º  da  Lei  nº  8.429/92.       Assente  a  pertinência  subjetiva,  cabe-­‐nos  a  demonstração  da  ocorrência  de  ato  de   improbidade  administrativa.  É  o  que  se  segue.  
  6. 6. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7265 6 de 8   Da   leitura   do   seu   artigo   9º,   inciso   V,   têm-­‐se   que   constitui   ato   de   improbidade   administrativa  importando  enriquecimento  ilícito  auferir  qualquer  tipo  de  vantagem   patrimonial  indevida  em  razão  do  exercício  de  cargo,  mandato,  função,  emprego  ou   atividade  nas  entidades  mencionadas  no  art.  1°  desta  lei,  e  notadamente:  V  -­‐  receber   vantagem   econômica   de   qualquer   natureza,   direta   ou   indireta,   para   tolerar   a   exploração   ou   a   prática   de   jogos   de   azar,   de   lenocínio,   de   narcotráfico,   de   contrabando,  de  usura  ou  de  qualquer  outra  atividade  ilícita,  ou  aceitar  promessa  de   tal  vantagem     No  caso  em  comento,  têm-­‐se  a  incidência  do  citado  dispositivo:  ato  de  improbidade   administrativa  consubstanciado  em  enriquecimento  ilícito.     Sustenta   Emerson   Garcia3   que   quatro   são   os   elementos   formadores   do   enriquecimento  ilícito  sob  a  ótica  da  Improbidade  Administrativa:     1. O  enriquecimento  do  agente;     2. Que   se   trate   de   agente   que   ocupe   cargo,   mandato,   função,   emprego   ou   atividade   nas   entidades   elencadas   no   artigo   1º,   ou   mesmo   o   extraneus   que   concorra  para  a  prática  do  ato  ou  dele  se  beneficie;     3. A   ausência   de   justa   causa,   devendo   se   tratar   de   vantagem   indevida,   sem   qualquer   correspondência   com   os   subsídios   ou   vencimentos   recebidos   pelo   agente  público;     4. Relação  de  causalidade  entre  a  vantagem  indevida  e  o  exercício  da  atividade  que   no  presente  caso  é  gritante,  posto  que  foi,  na  condição  de  policial  civil,  que  a  ré   exigiu   dinheiro   de   terceira   pessoa   e,   de   modo   escuso   e   oportunista,   buscou   obter  um  incremento  patrimonial.     Temos,   deste   modo,   que   tais   elementos   estão   plenamente   configurados   no   presente   caso:   a   demandada   –   servidora   pública   estadual   -­‐   recebeu   vantagem   econômica  paga  por  NILSON  ERNESTO  BEZERRA  DE  ARAÚJO,  com  isto  gerando  o  seu   enriquecimento,   não   havendo   justa   causa   para   que   ela   dispusesse   do   referido   numerário   e   sendo   certo   que   o   seu   acesso   ao   dito   enriquecimento   decorreu   do   exercício   do   cargo,   posto   que,   não   sendo   Policial   Civil,   não   teria   os   meios   necessários  para  obter  a  dita  vantagem  econômica.     Registre-­‐se  que  Paulo  da  Costa  Leão  também  deve  responder  pela  prática  de  ato  de   improbidade  administrativa  ex  vi  o  disposto  no  artigo  3º  da  Lei  nº  8.429/924 ,  vez  que   auxiliou  a  demanda  diretamente  no  seu  intento  de  auferir  vantagem  indevida.   3 Emerson Garcia, in Improbidade Administrativa, Lúmen Júris, 2ª Edição, 2004, página 270
  7. 7. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7265 7 de 8   Por   fim,   resta   patente   que   a   ré   também   não   cumpriu   com   os   deveres   de   honestidade,  legalidade  e  lealdade  às  instituições,  conforme  preceitua  o  caput  do   artigo  11  da  Lei  de  Improbidade  Administrativa.       3. DOS  PEDIDOS       3.1. Do  Pedido  de  Mérito       Ante  todo  o  exposto,  depois  de  autuada  e  recebida  a  presente  petição  inicial  com   os  documentos  que  a  instruem  (arts.  282/283  do  Código  de  Processo  Civil),  requer  o   Ministério  Público  a  Vossa  Excelência  seja  julgada  procedente  a  presente  ação  para,   nos   termos   do   artigo   12,   I,   da   Lei   nº   8.429/92,   condenar   os   réus   Gilssiene   Carla   Bezerra  Borges  e  Paulo  da  Costa  Leão.     Seja  o  valor  relativo  à  multa  civil  destinados  aos  cofres  da  Fazenda  do  Estado  de   Pernambuco.       3.2. Dos  Requerimentos  Finais       Como  medida  de  ordem  processual,  requer  a  notificação  e  posterior  citação  para   que,   querendo,   apresente   resposta,   no   prazo   legal,   sob   pena   de   presumirem-­‐se   verdadeiros  os  fatos  ora  alegados  (art.  17  da  Lei  n.  8.429/1992)  do  demandado:       Gilssiene  Carla  Bezerra  Borges,  residente  Rua  Jornalista  Paulo  Bittencourt,  nº  133,   Derby,  Recife;  e     Paulo  da  Costa  Leão,  residente  na  Avenida  Rosa  e  Silva,  nº  707,  apt.  1802,  Aflitos,   Recife/PE.   A  intimação  do  Estado  de  Pernambuco,  na  pessoa  do  seu  Procurador-­‐Chefe,  para   que,  querendo,  intervenha  nos  autos  no  pólo  ativo  ou  passivo  desta  ação;     Requer,  por  derradeiro:       4 Art. 3º. As disposições desta Lei são aplicáveis, no que couber, àquele que, mesmo não sendo agente público, induza ou concorra para a prática do ato de improbidade ou dele se beneficie sob qualquer forma direta ou indireta.
  8. 8. Ministério Público do Estado de Pernambuco Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital Rua 1º de Março nº 100 – Santo Antonio – Recife/PE – CEP: 50010-070 – Fone (81) 3182-7265 8 de 8 1) O  recebimento  da  presente  ação  sob  o  rito  ordinário;     2) Isenção   de   custas,   emolumentos,   honorários   e   outras   despesas   na   conformidade  do  que  dispõe  o  artigo  18  da  LACP;     3) Condenação   do   Réu   no   pagamento   das   custas   processuais,   honorários   advocatícios,  estes  calculados  à  base  de  20%  (vinte  por  cento)  sobre  o  valor   total   da   condenação   e   demais   cominações   de   direito   decorrentes   da   sucumbência;     4) A  produção  de  todos  os  meios  de  prova  em  direito  permitidos.     Dá  à  causa  o  valor  de  R$  1.000,00  (mil  reais)  para  efeitos  fiscais.       Nestes  Termos   P.     Deferimento     Recife,  04  de  janeiro  de  2012.         Charles  Hamilton  Santos  Lima   26º  Promotor  de  Justiça  de  Defesa  da   Cidadania  da  Capital                      

×