Abordagem Estruturalista

69.057 visualizações

Publicada em

Teoria da Burocracia

Publicada em: Educação
2 comentários
18 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
69.057
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
69
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.080
Comentários
2
Gostaram
18
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Abordagem Estruturalista

  1. 1. Abordagem Estruturalista No início do século XX, Max Weber, um sociólogo alemão, publicou uma bibliografia a respeito das grandes organizações de sua época. Deu-lhes o nome de burocracia e passou a considerar o século XX como o século das burocracias, pois achava que essas eram as organizações características de uma nova época, plena de novos valores e de novas exigências. A palavra burocracia vem do: francês - bureau (escritório) e do grego – krátos (poder) O termo latino burrus , usado para indicar uma cor escura e triste, teria dado origem à palavra francesa bure , usada para designar um tipo de tecido posto sobre as escrivaninhas das repartições públicas. Daí a derivação da palavra bureau , primeiro para definir as mesas cobertas por este tecido e, posteriormente, para designar todo o escritório. A palavra burocracia dá a idéia do exercício do poder, por meio dos escritórios e das repartições públicas.
  2. 2. Abordagem Estruturalista <ul><li>O aparecimento das burocracias coincidem com o despontar do </li></ul><ul><li>capitalismo, graças a vários fatores como: </li></ul><ul><li>Economia do tipo monetária; </li></ul><ul><li>Mercado de mão-de-obra; </li></ul><ul><li>Estado (modelo centralizado); </li></ul><ul><li>Necessidade de organizações justas e imparciais; </li></ul><ul><li>Necessidade de organizações mais bem planejadas; </li></ul><ul><li>Necessidade de organizações mais racionais. </li></ul><ul><li>A abordagem estruturalista dá origem a Teoria da Burocracia e a Teoria Estruturalista. </li></ul>Abordagem Estruturalista Teoria da Burocracia Teoria Estruturalista Ênfase na estrutura Ênfase na estrutura, nas pessoas e no ambiente
  3. 3. Surge: a partir da era vitoriana (década de 40) como decorrência da necessidade que as organizações sentiram de ordem e de exatidão e das reivindicações dos trabalhadores por um tratamento justo e imparcial. Conceito: Visa tratar a organização sob o ponto de vista da estrutura, das pessoas e do ambiente. Seguidores da Abordagem Estruturalista Max Weber James Burnham Talcott Parsons Philip Selznick Amitai Etzioni Abordagem Estruturalista Nicos Mouzelis Alvin W. Gouldner Richard H. Hall Robert Merton
  4. 4. Teoria da Burocracia 1 - A fragilidade e parcialidade tanto da Teoria Clássica quanto da Teoria das Relações Humanas, que não possibilitam uma abordagem global e integrada dos problemas organizacionais. 2 - A necessidade de um modelo de organização racional capaz de caracterizar todas as variáveis envolvidas, bem como o comportamento dos membros dela participantes, e aplicável não somente à fábrica, mas a todas as formas de organização humana e principalmente às empresas. 3 - O crescente tamanho e complexidade das empresas passou a exigir modelos organizacionais mais bem definidos. 4 - O ressurgimento da Sociologia da Burocracia, a partir da descoberta dos trabalhos de Max Weber. Abordagem Estruturalista
  5. 5. <ul><li>Teoria da Burocracia </li></ul><ul><li>Weber identifica três tipos de sociedade: </li></ul><ul><li>Sociedade tradicional: onde predominam características patriarcais e patrimonialistas, como a família, o clã, a sociedade medieval etc. </li></ul><ul><li>Sociedade carismática: onde predominam características místicas, arbitrárias e personalísticas, como nos grupos revolucionários, nos partidos políticos, nas nações em revolução etc. </li></ul><ul><li>Sociedade legal, racional ou burocrática: onde predominam normas impessoais e racionalidade na escolha dos meios e dos fins, como nas grandes empresas, nos estados modernos, nos exércitos etc. </li></ul>Abordagem Estruturalista
  6. 6. <ul><li>Teoria da Burocracia </li></ul><ul><li>Weber define autoridade como sendo a probabilidade de que um comando ou ordem específica seja obedecido. Ele define também diferentes tipos de autoridade: </li></ul><ul><li>Autoridade tradicional: quando os subordinados aceitam as ordens dos superiores como justificadas, porque essa sempre foi a maneira pela qual as coisas foram feitas. Divide em duas formas: a.1 Patrimonial, na qual os funcionários que preservam a dominação tradicional são os servidores pessoais do senhor – parentes, favoritos, empregados etc. – e são geralmente dependentes economicamente dele. </li></ul><ul><li>a.2: Feudal, na qual o aparato administrativo apresenta maior grau de autonomia em relação ao senhor. </li></ul><ul><li>Autoridade carismática: quando os subordinados aceitam as ordens do superior como justificadas, por causa da influência da personalidade e da liderança do superior com o qual se identificam. </li></ul><ul><li>Autoridade legal, racional ou burocrática: quando os subordinados aceitam as ordens dos superiores como justificadas, porque concordam com certos preceitos ou normas que consideram legítima e dos quais deriva o comando. </li></ul>Abordagem Estruturalista
  7. 7. <ul><li>Teoria da Burocracia </li></ul><ul><li>Segundo o conceito popular, a burocracia é entendia como uma organização onde o papelório se multiplica e se avoluma, impedindo soluções rápidas ou eficientes. Para Weber é exatamente o contrário. Para ele burocracia é a organização eficiente por excelência. Weber apresenta as seguintes características: </li></ul><ul><ul><li>Caráter legal das normas e regulamentos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Caráter formal das comunicações. </li></ul></ul><ul><ul><li>Caráter racional e divisão do trabalho. </li></ul></ul><ul><ul><li>Impessoalidade nas relações. </li></ul></ul><ul><ul><li>Hierarquia de autoridade. </li></ul></ul><ul><ul><li>Rotinas e procedimentos padronizados. </li></ul></ul><ul><ul><li>Competência técnica e meritocracia. </li></ul></ul><ul><ul><li>Especialização da administração. </li></ul></ul><ul><ul><li>Profissionalização dos participantes. </li></ul></ul><ul><ul><li>Completa previsibilidade do funcionamento. </li></ul></ul>Abordagem Estruturalista
  8. 8. <ul><li>Teoria da Burocracia </li></ul><ul><li>Caráter legal das normas e regulamentos.É uma organização ligada por normas e regulamentos previamente estabelecidos por escrito. É baseada em legislação própria que define com antecedência como a organização deve funcionar. </li></ul><ul><li>Caráter formal das comunicações. </li></ul><ul><li>A burocracia é uma organização ligada por comunicação escrita. Todas as ações e procedimentos são feitos por escrito para proporcionar a comprovação e documentação adequadas. </li></ul><ul><li>3. Caráter racional e divisão do trabalho. </li></ul><ul><li>A Burocracia é uma organização que se caracteriza por uma sistemática divisão do trabalho. Esta divisão do trabalho atende a uma racionalidade, é adequada ao objetivo a ser atingido: a eficiência da organização. </li></ul>Abordagem Estruturalista
  9. 9. Teoria da Burocracia 4. Impessoalidade nas relações . Essa distribuição das atividades é feita impessoalmente, ou seja é feita em termos de cargos e funções e não de pessoas envolvidas. 5. Hierarquia da autoridade. A burocracia é uma organização que estabelece os cargos segundo o princípio da hierarquia. Cada inferior deve estar sobre a supervisão de um superior. Nenhum cargo fica sem controle ou supervisão. 6. Rotinas e procedimentos padronizados. A burocracia é uma organização que fixa as regras e normas técnicas para o desempenho de cada cargo. O ocupante de um cargo – o funcionário – não faz o que deseja, mas o que a burocracia impõe que ele faça. Abordagem Estruturalista
  10. 10. Teoria da Burocracia 7. Competência técnica e meritocracia. A burocracia é uma organização na qual a escolha das pessoas é baseada no mérito e na competência técnica. E não nas preferências pessoais. 8. Especialização da administração. A burocracia é uma organização que se baseia na separação entre a propriedade e a administração. Os membros do corpo administrativo estão separados da propriedade dos meios de produção. Em outros termos, os administradores da burocracia não são seus donos, acionistas ou proprietários. Abordagem Estruturalista
  11. 11. <ul><li>Teoria da Burocracia </li></ul><ul><li>9. Profissionalização dos participantes. </li></ul><ul><li>A burocracia é uma organização que se caracteriza pela </li></ul><ul><li>profissionalização dos seus participantes. Cada funcionário é um profissional, pois: </li></ul><ul><ul><li>É um especialista; </li></ul></ul><ul><ul><li>É assalariado; </li></ul></ul><ul><ul><li>É ocupante de cargo; </li></ul></ul><ul><ul><li>É nomeado pelo supervisor hierárquico; </li></ul></ul><ul><ul><li>Seu mandato é por tempo indeterminado; </li></ul></ul><ul><ul><li>Segue carreira dentro da organização; </li></ul></ul><ul><ul><li>Não possui a propriedade dos meios de produção e administração; </li></ul></ul><ul><ul><li>É fiel ao cargo e identifica-se com os objetivos da empresa; </li></ul></ul><ul><ul><li>Administrador profissional tende a controlar cada vez mais as burocracias. </li></ul></ul><ul><li>10. Completa previsibilidade do funcionamento. </li></ul><ul><li>O modelo burocrático de Weber pressupõe que o comportamento dos </li></ul><ul><li>membros da organização é perfeitamente previsível, pois todos os </li></ul><ul><li>funcionários devem comportar-se de acordo com as normas e </li></ul><ul><li>regulamentos da organização. </li></ul>Abordagem Estruturalista
  12. 12. Abordagem Estruturalista <ul><li>A burocracia é baseada em: </li></ul><ul><li>Caráter legal das normas </li></ul><ul><li>Caráter formal das comunicações </li></ul><ul><li>Divisão do trabalho </li></ul><ul><li>Impessoalidade no relacionamento </li></ul><ul><li>Hierarquização da autoridade </li></ul><ul><li>Rotinas e procedimentos </li></ul><ul><li>Competência técnica e mérito </li></ul><ul><li>Especialização da administração </li></ul><ul><li>Profissionalização </li></ul><ul><li>Previsibilidade do funcionamento </li></ul>Conseqüências previstas: Previsibilidade do comportamento humano. Padronização do desempenho dos participantes. Objetivo: Máxima eficiência da organização. Características da Burocracia
  13. 13. <ul><li>Vantagens da Burocracia </li></ul><ul><li>Racionalidade em relação ao alcance dos objetivos da organização. </li></ul><ul><li>Precisão na definição do cargo e na operação, pelo conhecimento exato dos deveres. </li></ul><ul><li>Rapidez nas decisões, pois cada um conhece o que deve ser feito e por quem e as ordens e papéis tramitam através de canais preestabelecidos. </li></ul><ul><li>Univocidade de interpretação garantida pela regulamentação específica e escrita. </li></ul><ul><li>Uniformidade de rotinas e procedimentos que favorece a padronização, a redução de custos e erros, pois as rotinas são definidas por escrito. </li></ul><ul><li>Continuidade da organização por meio da substituição do pessoal que é afastado. </li></ul>Abordagem Estruturalista
  14. 14. Vantagens da Burocracia 7. Redução do atrito entre as pessoas, pois cada funcionário conhece o que é exigido dele e quais os limites entre suas responsabilidades e as dos outros. 8. Constância, pois os mesmos tipos de decisão devem ser tomados entre suas responsabilidades e as dos outros. 9. Confiabilidade, pois o negócio é conduzido através de regras conhecidas, e os casos similares são metodicamente tratados dentro da mesma maneira sistemática. 10. Benefícios para as pessoas na organização, pois a hierarquia é fomalizada, o trabalho é dividido entre as pessoas de maneira ordenada, as pessoas são treinadas para se tornarem especialistas, podendo encarreirar-se na organização em função de seu mérito pessoal e competência técnica. Abordagem Estruturalista
  15. 15. Abordagem Estruturalista <ul><li>Caráter legal das normas </li></ul><ul><li>Caráter formal das comunicações </li></ul><ul><li>Divisão do trabalho </li></ul><ul><li>Impessoalidade no relacionamento </li></ul><ul><li>Hierarquização da autoridade </li></ul><ul><li>Rotinas e procedimentos </li></ul><ul><li>Competência técnica e mérito </li></ul><ul><li>Especialização da administração </li></ul><ul><li>Profissionalização </li></ul><ul><li>Previsibilidade do funcionamento </li></ul><ul><li>Internalização das normas </li></ul><ul><li>Excesso de formalismo e papelório </li></ul><ul><li>Resistência a mudanças </li></ul><ul><li>Despersonalização do relacionamento </li></ul><ul><li>Categorização do relacionamento </li></ul><ul><li>Superconformidade </li></ul><ul><li>Exibição de sinais de autoridade </li></ul><ul><li>Dificuldades com clientes </li></ul>Características da Burocracia Disfunções da Burocracia Previsibilidade do funcionamento Imprevisibilidade do funcionamento
  16. 16. Abordagem Estruturalista Teoria da Burocracia Weber/ Merton Ênfase na eficiência da estrutura Período: 1940 <ul><li>Princípios: </li></ul><ul><li>Modelo Racional </li></ul><ul><li>Complexidade das empresas </li></ul><ul><li>Sociedade legal </li></ul><ul><li>Formalização </li></ul><ul><li>Hierarquia e autoridade </li></ul><ul><li>Meritocracia </li></ul><ul><li>Caráter legal das normas </li></ul><ul><li>Rotinas e procedimentos </li></ul><ul><li>Previsibilidade do funcionamento </li></ul><ul><li>Organização formal </li></ul><ul><li>Críticas: </li></ul><ul><li>Excesso de formalismo </li></ul><ul><li>Ênfase nos cargos </li></ul><ul><li>Excesso de exigências </li></ul><ul><li>Processos lentos </li></ul><ul><li>Surgem Estudos: </li></ul><ul><li>Autoridade organizacional </li></ul><ul><li>Rotinas e procedimentos </li></ul><ul><li>padronizados </li></ul><ul><li>Comunicação formalizada </li></ul><ul><li>Racionalidade de </li></ul><ul><li>processos </li></ul><ul><li>Normalização e </li></ul><ul><li>especificações </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Teoria Estruturalista da Administração </li></ul><ul><li>A origem da Teoria Estruturalista na Administração ocorreu ao final como um desdobramento da Teoria da Burocracia e de uma leve aproximação à Teoria das Relações Humanas. A Teoria Estruturalista, portanto, é uma tentativa de reunir aspectos relevantes das abordagens Clássicas e Humanística. </li></ul><ul><li>Alguns aspectos importantes: </li></ul><ul><li>A oposição surgida entre a Teoria Tradicional e a Teoria das Relações Humanas; </li></ul><ul><li>A necessidade de visualizar “a organização como uma unidade complexa, onde interagem grupos sociais” que compartilham alguns objetivos da organização, mas que podem incompatibilizar com outros; </li></ul><ul><li>A influência do estruturalismo nas Ciências Sociais e sua repercussão no estudo das organizações; </li></ul><ul><li>Novo conceito de estrutura. O estruturalismo está voltado para o todo e para o relacionamento das partes da constituição do todo. A totalidade, a interdependência das partes e o fato de que o o todo é maior do que a simples soma das partes são as características básicas do estruturalismo. </li></ul>Abordagem Estruturalista
  18. 18. <ul><li>Teoria Estruturalista da Administração </li></ul><ul><li>Sociedade de Organizações </li></ul><ul><li>Para os estruturalistas, a sociedade moderna e industrializada é uma sociedade de organização das quais o homem passa a depender para nascer, viver e morrer. </li></ul><ul><li>As organizações passaram por um processo de desenvolvimento ao longo de quatro etapas, a saber: </li></ul><ul><ul><li>Etapa da natureza; </li></ul></ul><ul><ul><li>Etapa do trabalho; </li></ul></ul><ul><ul><li>Etapa do Capital; </li></ul></ul><ul><ul><li>Etapa da Organização. </li></ul></ul>Abordagem Estruturalista
  19. 19. <ul><li>Teoria Estruturalista da Administração </li></ul><ul><li>Etapa da natureza: </li></ul><ul><li>É a etapa inicial, na qual os fatores naturais, ou seja, os elementos da natureza, constituíam a base única de subsistência da Humanidade. O papel do capital e do trabalho é irrelevante nessa etapa da história da civilização. </li></ul><ul><li>2. Etapa do trabalho: </li></ul><ul><li>A partir da natureza, surge um fator perturbador que inicia verdadeira revolução no desenvolvimento da Humanidade: o trabalho. O trabalho passa a condicionar as formas de organização da sociedade. </li></ul>Abordagem Estruturalista
  20. 20. Teoria Estruturalista da Administração 3. Etapa do capital: O capital prepondera sobre a natureza e o trabalho, tornando-se um dos fatores básicos da vida social. 4. Etapa da organização: A natureza, o trabalho e o capital se submetem à organização. A organização, sob uma forma rudimentar, já existia desde os primórdios da evolução humana, do mesmo modo que o capital existira antes da fase capitalista. Abordagem Estruturalista
  21. 21. Teoria Estruturalista da Administração As Organizações Constituem a forma dominante de instituição da moderna sociedade: são a manifestação de uma sociedade altamente especializada e interdependente que se caracteriza por um crescente padrão de vida. As organizações permeiam todos os aspectos da vida moderna e envolvem a participação de numerosas pessoas. Cada organização é limitada por recursos escassos e, por isso, não pode tirar vantagens de todas as oportunidades que surgem: daí o problema de determinar a melhor alocação de recursos. A eficiência é obtida quando a organização aplica seus recursos naquela alternativa que produz o melhor resultado. Abordagem Estruturalista
  22. 22. <ul><li>Teoria Estruturalista da Administração </li></ul><ul><li>O Homem Organizacional </li></ul><ul><li>O homem que desempenha diferentes papéis em várias organizações. O homem organizacional necessita ter as seguintes características: </li></ul><ul><ul><li>Flexibilidade - em face das constantes mudanças que ocorrem na vida moderna, bem como da diversidade dos papéis desempenhados nas diversas organizações. </li></ul></ul><ul><ul><li>2. Tolerância às frustrações – para evitar o desgaste emocional decorrente do conflito entre necessidades organizacionais e necessidades individuais. </li></ul></ul><ul><ul><li>3. Capacidade de adiar as recompensas – e poder compensar o trabalho rotineiro dentro da organização, em detrimento das preferências e vocações pessoais por outros tipos de atividade profissional. </li></ul></ul><ul><ul><li>4. Permanente desejo de realização – para garantir a conformidade e a cooperação com as normas que controlam e asseguram o acesso às posições de carreira dentro da organização, proporcionando recompensas e sansões sociais e materiais. </li></ul></ul>Abordagem Estruturalista
  23. 23. <ul><li>Teoria Estruturalista da Administração Envolve </li></ul><ul><ul><li>Tanto a organização formal como a organização informal; </li></ul></ul><ul><ul><li>Tanto as recompensas salariais e materiais como as recompensas sociais e simbólicas; </li></ul></ul><ul><ul><li>Todos os diferentes níveis hierárquicos de uma organização; </li></ul></ul><ul><ul><li>Todos os diferentes tipos de organizações; </li></ul></ul><ul><ul><li>A análise intra-organizacional e a análise interorganizacional . </li></ul></ul>Abordagem Estruturalista
  24. 24. <ul><li>Teoria Estruturalista da Administração Envolve </li></ul><ul><ul><li>Abordagem múltipla: organização formal e informal </li></ul></ul><ul><ul><li>Os estruturalistas não alteram os conceitos da organização formal </li></ul></ul><ul><ul><li>e informal (formal tudo o que estiver expresso no organograma </li></ul></ul><ul><ul><li>como hierarquia, regras, regulamentos, controle de qualidade e </li></ul></ul><ul><ul><li>informal as relações sociais). A Teoria Estruturalista tentar </li></ul></ul><ul><ul><li>encontrar o equilíbrio entre os elementos racionais e não racionais </li></ul></ul><ul><ul><li>do comportamento humano que constitui o ponto principal da </li></ul></ul><ul><ul><li>vida, da sociedade e do pensamento moderno. </li></ul></ul><ul><ul><li>2. Abordagem múltipla: recompensas materiais e sociais </li></ul></ul><ul><ul><li>O significado das recompensas salariais e sociais e tudo que se </li></ul></ul><ul><ul><li>inclui nos símbolos de posição (tamanho da mesa ou do escritório, </li></ul></ul><ul><ul><li>carros da companhia, etc.) é importante na vida de qualquer </li></ul></ul><ul><ul><li>organização. Embora as recompensas sociais sejam importantes, </li></ul></ul><ul><ul><li>elas não diminuem a importância das recompensas materiais e </li></ul></ul><ul><ul><li>salariais. </li></ul></ul>Abordagem Estruturalista
  25. 25. <ul><li>Teoria Estruturalista da Administração Envolve </li></ul><ul><li>3. Abordagem múltipla: os diferentes enfoques da organização </li></ul><ul><ul><li>Para os estruturalistas, as organizações podem ser concebidas </li></ul></ul><ul><ul><li>segundo duas diferentes concepções: </li></ul></ul><ul><ul><li>3.1 Modelo racional da organização: Concebe a organização com um meio </li></ul></ul><ul><ul><li>deliberado e racional de alcançar metas conhecidas. Os objetivos </li></ul></ul><ul><ul><li>organizacionais são explicitados – como a maximização dos lucros – </li></ul></ul><ul><ul><li>e todos os aspectos e componentes da organização são escolhidos em </li></ul></ul><ul><ul><li>função de sua contribuição ao objetivo e as estruturas organizacionais </li></ul></ul><ul><ul><li>são cuidadas para atingir a mais alta eficiência, os recursos são </li></ul></ul><ul><ul><li>adequados e alocados de acordo com um plano diretor, todas ações </li></ul></ul><ul><ul><li>são apropriadas e iniciadas por planos e seus resultados devem </li></ul></ul><ul><ul><li>coincidir com os planos. </li></ul></ul><ul><ul><li>3.2 Modelo natural de organização: Concebe a organização como um </li></ul></ul><ul><ul><li>conjunto de partes independentes que constituem o todo: cada parte </li></ul></ul><ul><ul><li>contribui com algo e recebe algo do todo, o qual, por sua vez, é </li></ul></ul><ul><ul><li>interdependente com uma ambiente mais amplo. O objetivo básico é a </li></ul></ul><ul><ul><li>sobrevivência do sistema. </li></ul></ul>Abordagem Estruturalista
  26. 26. <ul><li>Teoria Estruturalista da Administração Envolve </li></ul><ul><ul><li>4. Abordagem múltipla: os níveis da organização </li></ul></ul><ul><ul><li>As organizações caracterizam-se por uma hierarquia de </li></ul></ul><ul><ul><li>autoridade, isto é, pela diferenciação de poder. São considerados </li></ul></ul><ul><ul><li>três níveis organizacionais: </li></ul></ul><ul><ul><li>4.1 Nível Institucional: É o nível organizacional mais elevado, composto </li></ul></ul><ul><ul><li>dos dirigentes ou de altos funcionários. É também denominado nível </li></ul></ul><ul><ul><li>estratégico, pois é responsável pela definição dos principais objetivos </li></ul></ul><ul><ul><li>e das estratégias organizacionais. </li></ul></ul><ul><ul><li>4.2 Nível Gerencial: É o nível intermediário, situado entre o institucional </li></ul></ul><ul><ul><li>e o técnico, cuidando do relacionamento e da integração desses dois </li></ul></ul><ul><ul><li>níveis. Uma vez tomadas as decisões no nível institucional, o nível </li></ul></ul><ul><ul><li>gerencial é o responsável pela sua transformação em planos e em </li></ul></ul><ul><ul><li>programas para que o nível técnico os execute. </li></ul></ul><ul><ul><li>4.3 Nível Técnico: É o nível mais baixo da organização. Também </li></ul></ul><ul><ul><li>denominado nível operacional, é o nível em que as tarefas são </li></ul></ul><ul><ul><li>executadas, os programas são desenvolvidos e as técnicas são </li></ul></ul><ul><ul><li>aplicadas. </li></ul></ul>Abordagem Estruturalista
  27. 27. <ul><li>Teoria Estruturalista da Administração Envolve </li></ul><ul><ul><li>5. Abordagem múltipla: a diversidade de organizações </li></ul></ul><ul><ul><li>Enquanto a Administração Científica e a Escola das Relações Humanas </li></ul></ul><ul><ul><li>focalizaram as fábricas, a abordagem estruturalista ampliou o campo da </li></ul></ul><ul><ul><li>análise da organização, a fim de incluir outros tipos diferentes de </li></ul></ul><ul><ul><li>organizações além das fábricas: organizações pequenas, médias e </li></ul></ul><ul><ul><li>grandes, públicas e privadas, empresas dos mais diversos tipos </li></ul></ul><ul><ul><li>(industriais, comerciais, de serviços, agrícolas, etc.), organizações </li></ul></ul><ul><ul><li>militares, organizações religiosas, organizações filantrópicas, partidos </li></ul></ul><ul><ul><li>políticos, prisões, sindicatos, etc. </li></ul></ul><ul><ul><li>6. Abordagem múltipla: análise interorganizacional </li></ul></ul><ul><ul><li>Além da análise interna das organizações, os estruturalistas passam a </li></ul></ul><ul><ul><li>preocupar-se com aspectos interorganizacional. A análise organizacional </li></ul></ul><ul><ul><li>passa a ser feita através de uma abordagem múltipla, ou seja, através das </li></ul></ul><ul><ul><li>análises intra-organizacional (fenômenos internos) e interorganizacional </li></ul></ul><ul><ul><li>(fenômenos externos). </li></ul></ul>Abordagem Estruturalista
  28. 28. Abordagem Estruturalista Teoria Estruturalista da ADM Etzioni/ Blau e Scott Ênfase na estrutura organizacional, nas pessoas e no ambiente Período: 1950 <ul><li>Princípios: </li></ul><ul><li>Convergência de várias abordagens divergentes </li></ul><ul><li>Integrativa e Conflito (Tendências teóricas) </li></ul><ul><li>Análise organizacional mais ampla </li></ul><ul><li>Organizações formais e informais </li></ul><ul><li>Organizações complexas </li></ul><ul><li>Homem organizacional </li></ul><ul><li>Críticas: </li></ul><ul><li>Teoria de transição (para a teoria de sistemas) </li></ul><ul><li>Surgem Estudos: </li></ul><ul><li>Ambiente interno e externo </li></ul><ul><li>Conflitos organizacionais </li></ul><ul><li>Análise organizacional </li></ul><ul><li>Homem organizacional </li></ul><ul><li>Sistema Social </li></ul>
  29. 29. BIBLIOGRAFIA BÁSICA CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da Administração . 7.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003. 634p. LODI, J. B. História da Administração . São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003. 217p. MAXIMIANO, A. C. A. Teoria geral da Administração : da revolução urbana à revolução digital. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2004. 521p.

×