Aula alunos graduação

692 visualizações

Publicada em

Aula periodontia graduação.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
692
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula alunos graduação

  1. 1. Periodonto de ProteçãoPeriodonto de Proteção Quantidade Mínima de M. Ceratinizada:Quantidade Mínima de M. Ceratinizada:  Ainamo e LöeAinamo e Löe (1966)(1966)  AinamoAinamo (1978)(1978)  LindheLindhe (1999)(1999) Não há valor mínimo absoluto de M. ceratinizada para saúde periodontal
  2. 2. Mucosa CeratinizadaMucosa Ceratinizada Hall (1977)Hall (1977) -- Adicionou diferente perspectiva aoAdicionou diferente perspectiva ao termotermo “gengiva inserida adequada”“gengiva inserida adequada”  Quantidade mínima de 1mm não deve ser o únicoQuantidade mínima de 1mm não deve ser o único critério considerado - avaliar para decisão dacritério considerado - avaliar para decisão da necessidade cirúrgica:necessidade cirúrgica:  Idade do pacienteIdade do paciente  Tipo de dente envolvidoTipo de dente envolvido  Problema estético potencialProblema estético potencial  Presença de recessãoPresença de recessão  Qualidade de higiene oralQualidade de higiene oral JulgamentoJulgamento clínico éclínico é essencialessencial
  3. 3. CIRURGIA PLÁSTICA PERIODONTALCIRURGIA PLÁSTICA PERIODONTAL Dimensões da M. CeratinizadaDimensões da M. Ceratinizada  Dimensão críticaDimensão crítica 2mm2mm
  4. 4. CIRURGIA PLÁSTICA PERIODONTALCIRURGIA PLÁSTICA PERIODONTAL Dimensões da M. CeratinizadaDimensões da M. Ceratinizada  DiagnósticoDiagnóstico  inflamação constante na áreainflamação constante na área  dificuldade de higienização localdificuldade de higienização local  manobra de Bowersmanobra de Bowers  tração bi-digital dos lábiostração bi-digital dos lábios  mobilidade da margem gengivalmobilidade da margem gengival
  5. 5. Mucosa CeratinizadaMucosa Ceratinizada Aumento da Faixa deAumento da Faixa de Gengiva InseridaGengiva Inserida  IdadeIdade  Movimentação ortodônticaMovimentação ortodôntica coronalcoronal  ““Creeping attachment”Creeping attachment”  Cirurgia periodontalCirurgia periodontal
  6. 6. Aumento da Mucosa CeratinizadaAumento da Mucosa Ceratinizada  IndicaçõesIndicações  Homeostasia marginalHomeostasia marginal  Motivos estéticosMotivos estéticos  Presença de recessões gengivaisPresença de recessões gengivais  Necessidade de tratamento ortodônticoNecessidade de tratamento ortodôntico
  7. 7. Aumento da Mucosa CeratinizadaAumento da Mucosa Ceratinizada  IndicaçõesIndicações  Necessidade de tratamentoNecessidade de tratamento restauradorrestaurador  Desconforto na mastigação/escovaçãoDesconforto na mastigação/escovação devido interferência da m. dedevido interferência da m. de revestimentorevestimento
  8. 8. ENXERTOENXERTO GENGIVALGENGIVAL LIVRELIVRE
  9. 9. Enxerto Gengival LivreEnxerto Gengival Livre  IndicaçõesIndicações  aumentar/criar tecido ceratinizadoaumentar/criar tecido ceratinizado  estabilização da margem gengivalestabilização da margem gengival  eliminar/corrigir efeitos de freios aberranteseliminar/corrigir efeitos de freios aberrantes  aumento de vestíbuloaumento de vestíbulo  eliminação de tatuagem de amalgamaeliminação de tatuagem de amalgama
  10. 10. Enxerto Gengival LivreEnxerto Gengival Livre  IndicaçõesIndicações  finalidade pré tratamento odontológicofinalidade pré tratamento odontológico  reconstrução do rebordo alveolarreconstrução do rebordo alveolar  recobrir raízes desnudasrecobrir raízes desnudas  coadjuvante de outras terapias periodontaiscoadjuvante de outras terapias periodontais
  11. 11. Enxerto Gengival LivreEnxerto Gengival Livre  Áreas doadorasÁreas doadoras  área palatinaárea palatina  área retro-molarárea retro-molar  área de túberárea de túber  área edêntulaárea edêntula
  12. 12. Enxerto Gengival LivreEnxerto Gengival Livre  Etapas da cicatrizaçãoEtapas da cicatrização  fase inicialfase inicial 0 a 3 dias0 a 3 dias  fase de revascularizaçãofase de revascularização 2 a 11 dias2 a 11 dias  fase de maturação do tecidofase de maturação do tecido 11 a 42 dias11 a 42 dias
  13. 13. Enxerto Gengival LivreEnxerto Gengival Livre  Vantagens (epitélio+ conjuntivo)Vantagens (epitélio+ conjuntivo)  facilidade de técnicafacilidade de técnica  alta previsibilidadealta previsibilidade  baixo custo operacionalbaixo custo operacional
  14. 14. Enxerto Gengival LivreEnxerto Gengival Livre  Desvantagens (epitélio+ conjuntivo)Desvantagens (epitélio+ conjuntivo)  alterações estéticasalterações estéticas  duas áreas cirúrgicasduas áreas cirúrgicas  processo cicatricialprocesso cicatricial  pós operatório na área doadorapós operatório na área doadora
  15. 15. Enxerto Gengival LivreEnxerto Gengival Livre  Vantagens (conjuntivo)Vantagens (conjuntivo)  estética controle deestética controle de espessuraespessura  cicatrização mais rápidacicatrização mais rápida  maior conforto da área doadoramaior conforto da área doadora  fácil estabilização e manutenção defácil estabilização e manutenção de vascularizaçãovascularização
  16. 16. Enxerto Gengival LivreEnxerto Gengival Livre  DesvantagensDesvantagens (conjuntivo)(conjuntivo)  complexidade de técnicacomplexidade de técnica  tempo cirúrgicotempo cirúrgico  contração de cicatrizaçãocontração de cicatrização  espessura do tecido palatinoespessura do tecido palatino
  17. 17. Enxerto Gengival LivreEnxerto Gengival Livre  ComplicaçõesComplicações  hemorragia no trans e pós-operatóriohemorragia no trans e pós-operatório  dordor  necrose na área doadoranecrose na área doadora  recessão gengivalrecessão gengival  exposição e reabsorção do tecidoexposição e reabsorção do tecido ósseoósseo
  18. 18. Enxerto Gengival LivreEnxerto Gengival Livre  FracassoFracasso  reabsorção total do enxertoreabsorção total do enxerto  mobilidade do tecido formadomobilidade do tecido formado  morfologia aberrantemorfologia aberrante  alterações anatômicas no leitoalterações anatômicas no leito receptorreceptor
  19. 19. Enxerto Gengival LivreEnxerto Gengival Livre  SucessoSucesso  aumento/formação de tecidoaumento/formação de tecido ceratinizadoceratinizado  imobilidade do tecido formadoimobilidade do tecido formado  restituição da anatomia localrestituição da anatomia local  favorecimento das técnicas de HFOfavorecimento das técnicas de HFO
  20. 20. Enxerto gengival livre
  21. 21. 75% 25%
  22. 22. Mapa cirúrgico Papel alumínio esterilizado
  23. 23. Sutura
  24. 24. Cicatrização – fase inicial

×