Ser e não Parecer II

459 visualizações

Publicada em

sdf

Publicada em: Espiritual, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
459
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ser e não Parecer II

  1. 1. Palestra: SER, E NÃO PARECER.<br />Expositor: Clóvis Leite<br />
  2. 2. Procura ser, e não parecer.<br />Se observarmos atentamente o que se passa na sociedade, verificamos que tudo o que se faz, na maioria das vezes, é no sentido de parecer, não no de ser.<br />
  3. 3. Por que os costumes nem sempre são compatíveis com a justiça e a ética? <br />Por que eles interferem na transmissão de ensinamentos para aquisição de hábitos salutares.<br />
  4. 4. O que precisamos fazer?<br />Transformar o ato de educar, numa missão para o desenvolvimento deles.<br />
  5. 5. A educação moral é transmitida, não no sentido de ser, mas no de parecer.  <br />Assim transformamos a religião em acervos de dogmas obscuros e numa série de determinadas cerimônias que se executam maquinalmente. <br />O Civismo, em toque de caixa de cornetas, executados por indivíduos trajando uniformes.<br />O Patriotismo, em discursos ocos e traiçoeiras promessas. Formuladas já com o propósito de se não cumprirem.<br />A Política, finalmente, em processo de explorar o povo.<br />
  6. 6. Afinal o que fazer?<br />Não nos deixarmos entusiasmar por estilos e preconceitos de certos ambientes sociais.<br />Não sentirmos esse modo de viver se transformar em hábito, condicionando-nos e estabelecendo estreitos limites para nossa evolução espiritual.<br />
  7. 7. Sendo cúmplice sistemático das ações da maioria. <br />Nos indispondo contra o erro.<br /> Só dizendo “sim” para tudo e para todos.<br />Seguindo despreocupadamente, sem o exame dos próprios atos.<br />Subir contra a corrente do mundo é mais difícil.<br />
  8. 8. Ação exemplificada e promovida no ato de corrigir (ensinar) para tomada de consciência daqueles que educamos.<br />A ética do homem se forma a partir do hábito, que significa familiaridade. <br />E essa ética se adquire, primeiramente, no interior da família.<br />
  9. 9. Aquisição das virtudes que o Cristo nos ensinou<br />Quem é esta mulher de ar distinto, de traje tão simples, embora bem cuidado, e que traz em sua companhia uma mocinha tão modestamente vestida? <br />Entra numa casa de indigna aparência, onde sem dúvida é conhecida a sua chegada, refulge a alegria naqueles rostos emagrecidos.<br />É que ela vai acalmar ali todas as dores.<br />Traz o de que necessitam de meigas e consoladoras palavras.<br />
  10. 10. Por que se faz acompanhar da filha? <br />Para que aprenda como se deve praticar a beneficência. <br />A mocinha também quer fazer a caridade. <br />A mãe, porém, lhe diz:<br />Quando visitamos os doentes, tu me ajudas a tratá-los. <br />Ora, dispensar cuidados é dar alguma coisa. <br />Aprende a fazer obras úteis e confeccionarás roupas para essas criancinhas. <br />Desse modo, darás alguma coisa que vem de ti.<br />
  11. 11. Hipócritas disse Jesus: <br />Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. <br />E chamando lhes disse: <br />Ouvi e entendei. <br />
  12. 12. CONCLUSÃO<br />Toda religião, portanto, que não melhorar o homem, não atinge a sua finalidade. <br />Não é suficiente ter as aparências da pureza, é necessário antes de tudo ter a pureza de coração.<br />

×