Reforma religiosa contrarreforma

1.938 visualizações

Publicada em

Reforma religiosa ou protestante: contexto religioso, econômico, político e social, luteranismo, calvinismo, anglicanismo, contrarreforma.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.938
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
54
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reforma religiosa contrarreforma

  1. 1. REFORMA RELIGIOSA
  2. 2. 1. Conceito:o Movimento de caráter religioso, em oposição aos desvios e abusos cometidos pela Igreja Católica.o Houve implicações econômicas, sociais e políticas.o Origem das Igrejas Evangélicas ou protestantes.
  3. 3. 2. OrigensSéc. XVI – XVIIo Alemanha, Suíça e Inglaterra.Personagenso Martinho Lutero.o João Calvino.o Henrique VIII.
  4. 4. 5. Contexto geral:o Idade Média Idade Moderna.o Renascimento Comercial.o Renascimento Urbano.o Ascensão da burguesia.o Renascimento Cultural.o Estados Nacionais.
  5. 5. Na passagem da Idade Média para a Idade Moderna, o comércio, a burguesia, aformação das Monarquias Nacionais e a Expansão Marítima geraram novos interesses. O Renascimento Cultural ( humanismo e racionalismo) fortaleceu o individualismo e estimulou o senso crítico.Tudo isso criou condições para que os dogmas e práticas da Igreja Católica fossem questionados e colocados em dúvida. A Reforma Religiosa ou Protestante foi produto desse contexto.
  6. 6. 6. Fatores motivadores:A – ReligiososSimonia:o Comércio de cargos e relíquias sagradas.Nicolaísmo:o Desvios sexuais do clero.
  7. 7. Nepotismo:o Proteção a parentes e amigos.Indulgências:o Comércio de perdão e remissão dos pecados. A Igreja Católica afastou – se da pobreza e simplicidade de Jesus Cristo. Tornou – se uma poderosa instituição que usava a fé em benefício próprio. Acumulou um patrimônio material que contradizia com a sua missão espiritual.
  8. 8. B – Econômicos:o A Igreja condenava a acumulação, a usura, os lucros e riquezas.o Por outro lado cobrava dízimos e ofertas e vendia salvação.o A burguesia sentia – se coagida e explorada.o Situação de forte oposição.
  9. 9. C – Políticos:o A Igreja e o Papa passaram a rivalizar – se com os Estados e os reis, intervindo em assuntos políticos.D – Culturais:o Racionalismo e humanismo.o Razão/senso crítico opunham-se ao misticismo e o humanismo valorizava o homem, não mais mero pecador.
  10. 10. Imprensa (Gutemberg – 1450):o A Bíblia e o conhecimento ao alcance do povo.Tomismo e Patrística:o O debate sobre fé e razão, livre arbítrio estimularam o debate no seio da Igreja.o Os dogmas eram questionados.
  11. 11. 7. Precursores:John Wicliffe (1324 – 1384)o Criticou o luxo, os bens materiais e a ostentação da Igreja.o Defendia a Bíblia para o povo.Jan Huss (1369 – 1415)o Condenou dogmas e propôs a reforma da Igreja na Boêmia.
  12. 12. John Wycliffe Jan Huss
  13. 13. 8. Declínio da Igreja:Reformas de Cluny (1073/1122)o Eleição do Papa, Celibato do clero e proibição de investidura leiga.Cisma do Ocidente (1379/1417)o A crise com Filipe, o Belo, dois Papas, duas sedes e o Cativeiro de Avignon.
  14. 14. 8. Luteranismo:o Martinho Lutero, agostiniano, advogado e teólogo, foi pioneiro da reforma.o Opôs – se às indulgências, ao Papa Leão X e ao Bispo Tetzel.o Lutero questionou também a autoridade do Papa Leão X.
  15. 15. 95 Teses (31/10/1517)o Críticas aos abusos cometidos pela Igreja Católica.o Questões sobre fé, penitência, indulgência, salvação, pecado foram colocadas em debate.o Marca o início da Reforma e dos problemas vividos por Lutero.
  16. 16. Teses:4ª O arrependimento e o pesar, isto é, a verdadeira penitência, perdura enquanto o homem se desagradar de si mesmo, a saber, até a entrada deste para a vida eterna.6ª O papa não pode perdoar dívida senão declarar e confirmar aquilo que já foi perdoado por Deus.19ª Ainda parece não ter sido provado que todas as almas do purgatório tenham certeza de salvação e não receiem por ela.
  17. 17. A – Doutrina Luterana:o As escrituras são o único dogma.o Livre interpretação da Bíblia.o A Bíblia deve ser traduzida no idioma nacional.o Salvação pela fé.o Não cultuar / adorar imagens.o Batismo e Eucaristia.
  18. 18. B – Problemas:o Excomungado pelo Papa Leão X.o Intimado a explicar – se na Dieta de Worms manteve suas idéias.o Foi expulso da Alemanha mas foi protegido no Castelo de Wartburg onde traduziu a Bíblia no alemão.o O Luteranismo espalhou – se.
  19. 19. C – Thomas Muntzer (1525)o Camponeses anabatistas não aceitavam a exclusão social e protestaram violentamente.o A reação dos príncipes foi violenta matando milhares de pessoas.o Lutero omitiu – se diante do vergonhoso massacre.
  20. 20. D – Dieta de Spira (1529):Confissão de Augsburgo Melanchton e a Liga de Smalkade pressionaram o Imperador Carlos V a aceitar a nova religião.o Os luteranos foram chamados de protestantes e o luteranismo foi aceito na maior parte da Alemanha.
  21. 21. Lutero e sua esposa Catarina Fim do celibato
  22. 22. Paz de Augsburg (1555):(Cujus regis, ejus religio)o Documento que consolidou a liberdade religiosa na Alemanha.o Cada Estado seria livre para optar pela religião que bem escolhesse.o A Alemanha tornou – se maioria protestante Luterana.
  23. 23. 9. Calvinismo:o João Calvino, teólogo francês que propagou o protestantismo: Suíça, Inglaterra, Escócia, América Norte.o Zwinglio, fiel a Lutero, iniciou na Suíça a pregação da nova religião.o Rejeitava o Papa, a missa, santos e o celibato.
  24. 24. Consistórioo Uma espécie de Tribunal do Santo Ofício (Inquisição) para controlar a vida dos fiéis.o Havia várias proibições: bailes, corte de cabelos, jogos, jantares.Penaso Multa, prisão, excomunhão, morte.
  25. 25. A – Bases doutrinárias:o O mundo depende da vontade absoluta de Deus.Predestinação absoluta:o Salvação ou condenação era definida no nascimento.o Riqueza e prosperidade eram os sinais de eleição à salvação.
  26. 26. ÉTICA CAPITALISTA CRISTÃ:o Deus criou o lucro e o mercado.o A riqueza vem de Deus.o O trabalho é símbolo da glória de Deus.o O preguiçoso não deve comer.o A poupança e a vida equilibrada são agradáveis a Deus.
  27. 27. Outros elementos doutrinários:o Batismo e Eucaristia.o Cultos simples.o Não cultuar imagens.o A Bíblia como dogma.Expansão: Escócia (presbiterianos), Inglaterra (puritanos) e na França (huguenotes).
  28. 28. 10. Anglicanismo:o Inglaterra – Henrique VIII queria um filho e sua esposa Catarina era estéril.o Para casar – se com Ana Bolena, solicitou ao Papa Clemente VII anulasse seu casamento.o O Papa negou a solicitação.
  29. 29. Nasce o Anglicanismoo Aliado de Carlos V (SIRG), tio de Catarina, o Papa recusou o pedido de Henrique VIII.o Henrique VIII rompeu com a Igreja Católica, criou a Igreja Anglicana e casou – se com Ana.Ato de Supremacia (1534)o Parlamento nomeou Henrique VIII chefe da Igreja Anglicana.
  30. 30. Doutrina Anglicanao Base – Bíblia sagrada.o Batismo, Eucaristia.o Crisma (confirmação).o Unção e bênção da saúde.o Penitência após a confissão.o Ordenação: homens e mulheres.o Não existe o celibato.
  31. 31. Consequenciaso Henrique VIII foi excomungado.o Os bens da Igreja Católica foram confiscados.o O Estado não pagava ofertas e dízimos para Roma.o O Ato de Supremacia fortaleceu o poder do rei (absolutismo).
  32. 32. 11. Contrarreforma:o Reforma católica para conter o avanço do Protestantismo.Concílio de Trento (1545/1563):o Adotou medidas para conter o avanço dos protestantes.o Confirmou e alterou dogmas.
  33. 33. Medidas:o Confirmou alguns dogmas.o Proibiu a venda de indulgências.o Criou seminários e a Cia de Jesus.o Criou o Index Librorum Proibitorum.o Criou o Catecismo e a Crisma.o Restaurou a Inquisição.
  34. 34. 12. Consequênciaso Abalou o poder da Igreja.o Ampliou o poder dos reis.o Fortaleceu a burguesia.o Fortaleceu o Capitalismo.o Atritos e guerras religiosas por divergências doutrinárias.

×