Brasil república economia política crise e queda parte iii

1.018 visualizações

Publicada em

República: economia, crise e queda.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.018
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Brasil república economia política crise e queda parte iii

  1. 1. BRASIL REPÚBLICA IIIECONOMIA – POLÍTICA CRISE E QUEDA
  2. 2. 1. Sistema econômico:Características geraiso Agroexportação: carro – chefe da economia.o Mercado interno: crescimento do comércio, indústria, transporte.o Novas classes: burguesia, classe média, proletariado.
  3. 3. Importante:o O Estado esteve a serviço dos grupos agroexportadores (café).o Cafeicultores apropriaram – se do Estado em esfera federal.o Demais grupos dominavam os governos estaduais.
  4. 4. 2. Contexto:Heranças do Encilhamentoo Desvalorização da moeda.o Dívida externa.o Inflação.o Desequilíbrio orçamentário ou “Déficit público”. O Estado, deficitário, não conseguia pagar os juros e as parcelas da dívida externa.
  5. 5. Campos Sales(1898 – 1902)
  6. 6. Funding Loan (Acordo financeiro)o Suspensão pagamento de juros e parcelas da dívida externa.o Não pagamento de juros (03 anos) e parcelas da dívida (13 anos) aumentaria o valor da dívida.o Total a ser pago a partir de 1911 com prazo de 63 anos a 5% a.a..
  7. 7. Saneamento financeiroo Controle do volume de crédito.o Controle do déficit público: corte no orçamento do Estado, aumento de impostos.o Aumento na taxa de juros.o Controle na emissão de moeda, aumento do saldo em ouro.
  8. 8. Socialização das perdaso Para compensar a queda nos preços de produtos nacionais os exportadores pressionavam para desvalorizar o mil-réis/libra.o Com mais moeda nacional e os prejuízos externos amenizados, aumentava o poder de compra da elite.
  9. 9. Transferindo os prejuízoso Desvalorizando a libra esterlina, os importados ficavam mais caros, afetando os consumidores.o A população pagava mais para comprar os importados, enquanto os empresários lucravam. O Estado também perdia: impostos eram cobrados em mil-réis e os juros e empréstimos em moeda estrangeira, valorizada. O volume da dívida aumentou consideravelmente.
  10. 10. Consequências:Consequências:o Controle da inflação.o Equilíbrio orçamentário.o Valorização da moeda.o Pagamento de dívidas passadas.o Saneamento financeiro. Apesar do saneamento financeiro, houve vários problemas: queda no valor da renda, crise no mercado interno, falências, desemprego, aumento da dívida externa. Greves, agitações abalaram o país. Os problemas voltaram com força.
  11. 11. Rodrigues Alves (1902 – 1906)
  12. 12. 3. Quadriênio progressista:o Estabilidade financeira.o Excelente administração.o Exportações de café e borracha.o Obras: modernização de portos, ampliação da rede ferroviária, modernização e saneamento do Rio de Janeiro.
  13. 13. Questões de fronteira:Acre – Tratado de Petrópolis: 1903o Disputas com a Bolívia, região de borracha.o Brasil pagou à Bolívia 2 milhões de libras esterlinas.o Construção da Ferrovia Madeira – Mamoré para escoar a borracha boliviana.
  14. 14. Ferrovia Madeira – Mamoré (Ferrovia da morte)
  15. 15. Convênio de Taubaté (1906)Política de valorização de caféo Acordo entre São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.o Preços mínimos, compra do café excedente, formação de estoques reguladores, controle de novos plantios, propaganda externa.
  16. 16. Afonso Pena(1906 – 1909)
  17. 17. Consequênciaso Empréstimos externos mantinham a Caixa de Conversão, a emissão de moedas e o câmbio baixo.o Elevação dos preços do café.o Aumento nos estoques.o Aumento da inflação, da dívida externa e da concorrência.
  18. 18. NILO PEÇANHA(1909 – 1910)
  19. 19. 4. Campanha civilistao Rui Barbosa defendia o voto ético e secreto, com o rompimento do cabresto e do café – com – leite.o Hermes da Fonseca foi eleito com o apoio da máquina governista.o Teve um governo conturbado, em constantes estados de sítio.
  20. 20. Hermes da Fonseca (1910 – 1914)
  21. 21. 5. O Brasil e a 1ª Guerra Mundial:Venceslau Brás (1914 – 1918)o Com dificuldades de importação o Brasil foi forçado a produzir.o Adotou – se a substituição de importações, gerando um surto industrial no Brasil.o O contexto gerou profundas mudanças no Brasil.
  22. 22. Venceslau Bras(1914 – 1918)
  23. 23. Crescimento industrial:Fatores motivadoreso Crise na Europa em guerra.o Crescimento do mercado interno.o Mão – de – obra barata.o Pequenas fábricas exigiam pouco capital.
  24. 24. Ano Fábricas Operários1889 900 54.0001907 3.100 149.0001914 7.400 154.0001920 13.400 275.0001930 18.800 450.000
  25. 25. Setores:o Têxtil e de alimentos.o Comércio, transportes, bancos.Transformações:o Urbanização: São Paulo e Rio de Janeiro.o Novas classes: burguesia urbana, classe média e operariado.
  26. 26. 6. Tenentismo:Contextoo A urbanização e as novas classes sociais (classe média – burguesia) trouxeram novas reivindicações.o Reivindicavam voto secreto, eleições éticas, participação política.o Crise nos quartéis: disputas, oposição e punições.
  27. 27. Epitácio Pessoa (1919 – 1922)
  28. 28. Características gerais:Elitismoo Jovens de classe média ou de oligarquias tradicionais (Prestes, Joaquim e Juarez Távora, Eduardo Gomes, Isidoro dias,Miguel Costa).o Ideal salvacionista.o Opção armada para salvar o país.
  29. 29. Propostas de reformaso Centralização do Estado.o Moralização: fim do Coronelismo, do café – com – leite,voto secreto.o Nacionalismo indefinido.o Reforma da educação.o Reforma administrativa.
  30. 30. Os 18 do Forte de Copacabanao Exército dividido (Artur Bernardes ou Nilo Peçanha).o Hermes da Fonseca envolvido no episódio das cartas falsas, incitou os militares na oposição à E. Pessoa.o Hermes da Fonseca repreendido e preso e o Clube Militar fechado.o 17 tenentes/01 civil rebelaram-se.
  31. 31. Os 18 do Forte de Copacabana
  32. 32. Artur Bernardes (1922 – 1926)
  33. 33. A Revolta Paulista de 1924o Agitação política e repressão.o Violência policial generalizada.o 44 meses sob estado de sítio (suspensão de direitos legais).o Lei de Imprensa: severa censura.o Tenentes paulistas rebelaram – se e fugiram para o interior.
  34. 34. Coluna Prestes (1924/1927)o Fusão da Coluna Paulista com a Coluna Riograndense.o Liderados por Prestes e Miguel Costa, 1.500 homens marcharam 24.000 km² pelo país.o Reprimidos e famintos resistiram.o Houve mortes, prisões e exílios.
  35. 35. Luís Carlos Prestes
  36. 36. 7. Crise e queda das oligarquiasWashington Luís (1926 – 1930)o Não anistiou os tenentes.o Reprimiu operários com a Lei Celerada (censura e restrições).Política de Estabilizaçãoo Emissão de moeda com lastro em ouro ou moeda externa.
  37. 37. Washington Luís (1926 – 1930)
  38. 38. Crise de 1929o Cafeicultura em crise (excesso).o Mercado mundial em crise.o Estado negou socorro à crise.o Quebra da Bolsa de N. Iorque fechou os EUA ao café brasileiro.o Crise econômica somou – se à crise política.
  39. 39. Revolução de 1930o Tenentismo abalou a República.o Washington Luís apoiou Júlio Prestes (PRP – SP) quebrando a política do café – com – leite.Aliança Liberal (dissidentes)o Antônio Carlos (Minas Gerais) aliou – se com Rio Grande. do Sul e Paraíba: Vargas e João Pessoa.
  40. 40. “Façamos a Revolução antes que o povo a faça.” (Antônio Carlos)o Vargas perdeu para Júlio Prestes.o Denúncias de fraudes eleitorais.o Velhos políticos aceitaram compor com os vitoriosos.o João Pessoa assassinado (1930) precipitou a crise política.
  41. 41. o Jovens políticos optaram pela luta armada eclodindo em 03/10/1930.o Do Rio Grande do Sul, espalhou – se pelo Nordeste.o Washington Luís foi deposto em 24/10/1930 e a Junta Pacificadora colocou Getúlio Vargas no poder em 03/11/1930.

×