Brasil 2º reinado - 1840 a 1889 pdf

3.405 visualizações

Publicada em

D. Pedro II: política interna/externa, economia, sociedade (imigração européia, abolicionismo).

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.405
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
83
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Brasil 2º reinado - 1840 a 1889 pdf

  1. 1. 2º REINADOGOVERNO D. PEDRO II1840 A 1889
  2. 2. D. Pedro II – 05 anos D. Pedro II – 15 anos
  3. 3. 1840 1889Golpe Maioridade ProclamaçãoD. Pedro II República
  4. 4. 1. Contextoo Agitações internas.o Revoltas Regenciais.o Liberais antecipam a idade legalpara D.Pedro II assumir o poder.o Estabilidade política.o Expansão cafeeira.o Surto industrial e modernização.o Imigração européia.o Abolicionismo.
  5. 5. 2. Política internaEleições do Caceteo Violência e repressão.o Maioria liberal.o Ministério dos Andradas.o Oposição dos Conservadores.o Anulação das eleições do cacete.
  6. 6. Conservadores no podero Anulação das eleições do cacete.o Penas severas contra subversão.o Conselho de Estado restabelecido.o Voto censitário mais rigoroso.o Chefe de polícia nas províncias.o Rígido controle militar no país.
  7. 7. Revoltas Liberais de 1842o Conservadores X Liberais.o Liberais rejeitaram conservadores.o Em São Paulo e Minas Gerais.o Líderes: T. Aguiar e Diogo Feijó.o Repressão da Guarda Nacional edo Exército.o Prisões e anistia aos envolvidos.
  8. 8. Revolução Praieira – 1848Contexto e fatoreso Tradição revolucionária Pernambuco.o Concentração de terras.o Exclusão social e política.o Antilusitanismo.o Ideais republicanos.o Ideais socialistas (França – 1848).
  9. 9. “Quem viver em PernambucoDeve estar desenganadoQue ou há de ser CavalcantiOu há de ser cavalgado.”
  10. 10. Manifesto ao mundoo Voto livre e universal.o Liberdade de imprensa.o Direito ao trabalho.o Reforma agrária.o Fim do poder moderador.o Livre comércio.o Reforma do Poder Judiciário.
  11. 11. Processoo Partido da Praia (Jornal DiárioNovo – reduto dos liberais ).o Conservadores anularam a possedo liberal Chichorro da Gama aoSenado.o Líderes: Borges da Fonseca,PedroIvo, Nunes Machado.
  12. 12. Consequênciaso Isolamento e deserções.o Repressão violenta.o Prisões e fuzilamentos.o “Ordem” venceu a contestação.o Inimigos do sistema dominados.o Fim das revoltas e pacificação.
  13. 13. Parlamentarismo às avessasClássico modelo inglêso Rei: chefe de Estado.o Reina mas não governa.o 1º Ministro: chefe de Governo.o Maioria no Parlamento.o Amplos poderes.
  14. 14. Parlamentarismo brasileiroPoder Moderadoro Rei concentrava amplos poderes.o Convocava e anulava eleições.o Nomeava Conselho de Ministros.o Nomeava Presidente do Conselhode Ministros ( 1º Ministro ).
  15. 15. Inglaterra:O rei reina mas não governa.Brasil:O rei reina, ri e rói.Reina sobre o Estado,Ri do Parlamento,Rói o povo.
  16. 16. Estrutura políticao Partidos Liberal e Conservador.o Sem diferenças ideológicas.o Projetos políticos indefinidos.o Representavam as elites.o Lutavam pelo poder.o “Farinha do mesmo saco.”
  17. 17. " Nada mais conservador do queum liberal no poder“.
  18. 18. Ministério da conciliaçãoo Liberais e conservadores no poder.o Resolver algumas divergências.o Aliança entre setores moderados.o Exclusão de setores radicais.Liga progressista (subgrupos)o Aliança interpartidária (grupos).
  19. 19. 3. Política externaBases estruturaisPolítica de prestígioo Posicionamento próprio emrelação à diplomacia externa.o Equilíbrio na América do Sul.o Acomodação com os interessesingleses.o Questões: Christie e Platina.
  20. 20. Questão Christieo Crise entre Brasil e Inglaterra.Causaso Afundamento e saque do navioinglês Príncipe de Gales (1861).o Prisão de 03 oficiais ingleses.o Indenização, desculpas, bloqueiose ameaças violentas.
  21. 21. Arbitramento externoo Leopoldo I da Bélgica.o Razão para o Brasil.Exigênciaso Pedido formal de desculpas.o Devolução de navios confiscados.o Inglaterra rompeu com o Brasil.o Relações restabelecidas em 1865.
  22. 22. Questão Platinao Conflitos na região platina:Brasil, Uruguai, Argentina, Paraguai.o Disputas econômicas/geopolíticaspelo controle da Bacia Platina.o Intervenção inglesa pressionandopor livre navegação e comércio.o Ex: Guerra do Paraguai.
  23. 23. Brasil X Uruguai (1851)o Oribe (Partido Blanco) aliou – seao Presidente Argentino (Rosas).o Rosas pretendia controlar a BaciaPlatina contrariando Brasil, França,Inglaterra e pecuaristas gaúchos.o Caudilhos argentinos com Urquiza ePartido Colorado (Rivera) opõem – sea Oribe e tentam derruba – lo.
  24. 24. o Oribe foi mantido no poder com oapoio de Rosas, que venceu asprovíncias rebeldes.o O exército brasileiro entrou noconflito apoiando os rebeldes:(Urquiza, caudilhos e colorados).o Oribe foi deposto e Rivera doPartido Colorado assumiu o poder.
  25. 25. Brasil X Argentina (1852)o Brasil, Urquiza (caudilho argentino)e o Rivera (Uruguai) voltam – secontra Rosas (Argentina).o Rosas foi deposto e exilado.o Urquiza assumiu a Presidência daArgentina e assinou com o Brasil oTratado de Amizade, Comércio eNavegação de 1856.
  26. 26. Brasil X Uruguai (1863 – 1865)o Partido Blanco (Bernardo Berro)aliou – se aos federalistas dasprovíncias de Corrientes e Entre –Rios (Argentina) em oposição aoPresidente Argentino Mitre.o Mitre aliou – se aos colorados einvadiram o Uruguai.
  27. 27. o O Blanco Berro buscou apoio noParaguai ( Solano Lopez ) queadvertiu o Presidente Mitre sobreo apoio aos colorados uruguaiosde Venâncio Flores.o Fazendeiros gaúchos possuíamterras no Uruguai, agredidos porblancos em protesto ao governobrasileiro que apoiava os colorados.
  28. 28. o Em 1864 assumiu Atanásio CruzAguirre (Blanco) e os problemascontinuaram.o Brasil e Argentina uniram – se eintervieram no Uruguai em apoioaos colorados contra os blancos eSolano Lopez.o Venâncio Flores assumiu o poder.
  29. 29. Guerra do Paraguai (1864 – 1870)o Símbolo da Questão Platina.o Guerra mais violenta da AméricaLatina.o Extensão da intervenção de Brasile Argentina no Uruguai.o Paraguai padece dos efeitos daguerra.
  30. 30. Contexto e fatoreso Reação de Solano Lopez dianteda intervenção no Uruguai.O Grande Paraguaio Solano Lopez ambicionava tomarterritórios platinos, abrindo umasaída para o Oceano Atlântico.o Pretendia formar uma potência.
  31. 31. Imperialismo inglêso O Paraguai, próspero e autônomoincomodava a Inglaterra.o Havia forte pressão pela livrenavegação na Bacia Platina.o A diplomacia inglesa não evitou aguerra, apoiou a saída estratégica.o Inglaterra financiou a TrípliceAliança (Brasil,Uruguai,Argentina).
  32. 32. Solano Lopez – Ditador Paraguaio
  33. 33. Fases da Guerra – 1864 a 1870o Solano Lopez aprisiona o naviobrasileiro Marques de Olinda emrepresália a invasão do Uruguai.o Invasão do Mato Grosso.o Invasão de Argentina e Uruguai.o Formação da Tríplice Aliança.o Brasil vence Batalha do Riachuelo.
  34. 34. Invasão do Paraguaio Batalhas: Humaitá, Itororó, Avaí eLomas Valentinas.o Caxias comanda vitória nasDezembradas.o Assunção cercada, Lopez foge.o Conde D’ Eu comanda o cerco aCerro Corá e morte de S. Lopez.o Fim da Guerra do Paraguai.
  35. 35. D. Pedro II - Soldado
  36. 36. Batalha do Riachuelo
  37. 37. Consequências para o Paraguaio A população de 800 mil pessoas,baixou para 194 mil pessoas, comcerca de 80% de homens mortos.o A economia reduzida à agriculturacom sua indústria destruída.o Dívidas com Brasil,além de perderterritórios para Brasil e Argentina.
  38. 38. Consequências para a Argentinao Reconquista dos territórios de EntreRios e Corrientes e anexou parte doterritório paraguaio.o Ganhou muito dinheiro abastecendode suprimentos o Exército aliado.o A Inglaterra obteve grandes lucrosfazendo empréstimos e vendendoarmas aos países em guerra.
  39. 39. Consequências para o Brasilo Milhares de mortos.o Dívida externa foi elevada.o Anexação do Mato Grosso.o Fortalecimento político do Exército.o Abolicionismo através do Exército.o Ideais republicanos e crise doImpério.
  40. 40. 4. EconomiaDivisão Internacional do Trabalhoo Europa industrializando – se.o Periferia: fornecer primários paraabastecer a Europa.o Brasil: café, açúcar, algodão,fumo, cacau.o Açúcar e algodão em crise.
  41. 41. EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS ( 1830 – 1890 )1830 - 1840 1850 – 1860 1880 – 1890CAFÉ 43,8% 48,8% 61,5%AÇÚCAR 24,0% 21,2% 9,9%ALGODÃO 10,8% 7,5% 4,2%TABACO 1,9% 2,6% -COUROS 7,9% 7,2% 3,2%
  42. 42. Expansão cafeeirao Séc. XVIII – mercado interno.o Do Maranhão à Santa Catarina.o Crise: açúcar, algodão,mineração.o Séc.XIX: base econômica do país.o Rio de Janeiro, Vale do Paraíba,Minas Gerais, Oeste Paulista,Paraná.
  43. 43. OestePaulistaVale doParaíba
  44. 44. Características geraiso Exigência de pouco capital.o Tecnologias simples.o Terras abundantes.o Estrutura da mineração: escravos,tropas de mulas, estradas.o Regiões exportadoras: Vale doParaíba e Oeste Paulista.
  45. 45. O Lavrador de Café - Portinari
  46. 46. Café - Portinari
  47. 47. Vale do Paraíba (1830/1860)Estrutura do ouroo Terras, escravos, mulas, portos.Aspectos político – ideológicoso Fazendeiros escravistas.o Monarquistas.o Tecnologias precárias.o Solo massapê.
  48. 48. Oeste Paulista – Após 1850Infraestrutura e ideologiao Terra roxa.o Clima ameno.o EUA se abre como mercado.o Portos, ferrovias, escravos.o Fazendeiros: empreendedores,republicanos e pró imigração.
  49. 49. Surto IndustrialEra das Modernizaçõeso Portos e máquinas industriais.o Bancos e casas comerciais.o Telégrafo, telefone.o Urbanização.o Brasil – inserção na Europa.
  50. 50. Dificultadores à industrializaçãoo Sem burguesia sólida.o Sem mercado consumidor.o Sem autonomia em energia.o Mão – de – obra desqualificada.o Inviável a concorrência com aInglaterra.
  51. 51. Tarifa Alves Branco (1844)o Protecionista.o Incentivou atividades industriais.Tarifas estabelecidaso 30% “ad valorem” – sem similar.o 60% “ad valorem” – com similar.A Tarifa Alves Branco encarecia o custo dosimportados ingleses, barateando os produtosbrasileiros, beneficiando os empresários nacionais.
  52. 52. Barão de Mauá – Empreendedoro Banco Mauá.o Ferrovia Santos – Jundiaí.o Estaleiros e fundições.o Cabo telegráfico intercontinental.o Fábricas diversas.o Iluminação pública.
  53. 53. Barão de Mauá
  54. 54. Lei Silva Ferraz – 1860o Revogou Tarifa Alves Branco.o Fim das tarifas protecionistas.o Produtos ingleses mais baratos.o Falências e crise econômica.o Liberalismo inglês superou oprotecionismo de D. Pedro II.
  55. 55. 5. Questão SocialEscravidão dos negros africanosPressões antitráfico inglesaso Formar mercado consumidor.o Falso humanitarismo.o 1808 – Acordos com D. João.o 1810 – Escravos somente dascolônias portuguesas na África.
  56. 56. O Mestiço - Portinari
  57. 57. o 1815 – Proibido capturar negrosao Norte do Equador.o 1830 – Lei proibindo o tráfico denegros.LEIS PARA INGLÊS VERAs leis eram impostas e aparentemente aceitas,numa suposta vontade política de pôr fim aotráfico e a escravidão de negros. Para os ingleses,mercado consumidor, mas para os portuguesesrepresentaria menos mão – de – obra para o café..
  58. 58. Bill Aberdeen ( 1845 )o Resposta inglesa à Tarifa AlvesBranco.o Navios negreiros seriam presospor navios ingleses.o Tripulação seria julgada naInglaterra e os negros devolvidosem colônias inglesas ou na África.
  59. 59. Lei Eusébio de Queirós - 1850o Determinava o fim do tráfico deescravos africanos.o As pressões inglesas funcionaram.NEGROS NO BRASIL1836/1840 ............ 240.6001841/1845 ............ 120.9001846/1850 ............ 257.5001851/1855 ............ 6.100
  60. 60. Crise de mão – de – obrao Lei Eusébio de Queirós cessou aentrada de escravos.o Café em expansão exigindo maismão – de – obra.o Resistência, mortalidade e baixaexpectativa de vida: agravantes.o Contrabando encarecia o negro.
  61. 61. Imigração européiaColônias de imigranteso Período Joanino.o Nordeste, Sudeste, Sul.o Colonos em regiões fronteiriças.Problemaso Estrutura colonial inviabilizou aagricultura familiar.
  62. 62. Sistema de Parceriao Fazendeiros garantiam todas asdespesas dos imigrantes.o Garantias: passagens, comida,hospedagem, parte na produção.“ VÁ PARA O BRASIL!TERRA DA ÁGUA CLARINHA,DO CLIMA MARAVILHOSO EDA MATA VERDINHA!VÁ PARA O BRASIL!VOCÊ TERÁ TERRA,CASA E COMIDA GRÁTIS.”
  63. 63. Problemaso Trabalho livre, mentalidadeescravista.o Custos sempre mais altos que areceita.o Muitos imigrantes enganados.o Escravidão por dívidas.
  64. 64. Imigração subvencionadao Subvenção – ajuda ou custeio.o Estado financiava as despesascom garantia de salários e partena renda.o Sistema combinava escravidãocom assalariamento.o Intensificada a imigração.
  65. 65. Lei de terras (1850)o Terras para quem tivesse dinheiropara compra – las.o Agravou a estrutura fundiária.o Pobres, negros, imigrantes nãotinham acesso à terra.o Situação feudal em algumasregiões do país.
  66. 66. Abolicionismoo Imigração crescente.o Escravidão tornou – se inviável.o Campanha para acabar com aescravidão no Brasil.o Políticos, advogados, médicos,intelectuais, clubes, imprensapolitizaram a campanha.
  67. 67. Leis AbolicionistasLei do Ventre Livre – 1871o Lei Rio Branco.o Negros nascidos a partir delaestariam livres.o Deveriam ficar na fazenda até 08anos, livres mediante indenizaçãoou trabalhariam até 21 anos.
  68. 68. Lei dos Sexagenários – 1885o Lei Saraiva – Cotegipe.o Libertava todos os negros aos 60anos mediante condições.o Deveriam permanecer na fazendaaté os 65 anos ou indenizar ofazendeiro em dinheiro.o Gargalhada nacional.
  69. 69. Lei Áurea (1888)o Lei João Alfredo.o Abolição legal da escravidão noBrasil.RACISMO CORDIALEm dois artigos a Lei Áurea pretendia resolver aquestão da escravidão no Brasil. Não houvenenhum debate ou projeto para inserção dosnegros no mercado de trabalho. Os negrossairam das senzalas para as favelas, numsistema preconceituoso e excludente.
  70. 70. “A abolição libertou os brancosdo fardo pesado daescravidão, abandonando osnegros à própria sorte.”

×