Hume causalidade

242 visualizações

Publicada em

hume

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
242
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hume causalidade

  1. 1. David Hume 1711- 1776
  2. 2. Hume, no seu livro “Tratado da natureza humana”, tem como uma das questões principais a causalidade, ou a relação entre causa e efeito. Para fazer a análise desta questão, Hume a considera tanto no âmbito da realidade quanto no âmbito da mente humana.
  3. 3. Os nossos raciocínios seguem uma relação de causa e efeito. Isso é visto quando pensamos a existência de um objeto pela existência de outro, ou então o um evento como decorrência de outro. O movimento de uma bola de bilhar que é ocasionado pelo choque com outra, Hume dirá que três elementos estão presentes.
  4. 4. O primeiro a contiguidade no tempo e no espaço; por isso é possível ocorrer o choque e o consequente movimento da segunda bola. Por conseguinte, a prioridade no tempo da causa também permitirá o evento, pois é evidente que o movimento que foi a causa antecede o efeito.
  5. 5. Ademais, a conjunção constante entre a causa e o efeito também está agregada ao caso. Esta conjunção é o que liga a causa e o efeito, vale dizer, uma determinada causa em determinadas circunstancias gerará comumente um mesmo efeito.
  6. 6. Assim, por mais que se analise baseado nos mais diferentes pontos de vista, não se encontrará nada além destes três elementos na relação de causa e efeito: a contiguidade, a prioridade no tempo da causa e a conjunção constante.
  7. 7. Já no âmbito da mente humana, Hume analisa como se dá o raciocínio, a inferência de causa e efeito, julgando sê-la possível já que possível foi na relação entre objetos.
  8. 8. Para se analisar como se dá a inferência, partimos da proposição supracitada de que os nossos raciocínios obedecem à relação de causa e efeito. Nós inferimos, deduzimos que o efeito se segue da causa, vale dizer que, necessariamente.
  9. 9. Esta dedução funciona de tal modo: eu vejo o objeto em determinada situação e, por experiência, deduzo o seu efeito; é assim que se dão os raciocínios, inclusive as crenças na história e filosofia, salvo a geometria e a aritmética.
  10. 10. É importante saber que, para deduzir algo é demandado experiência, pois só experiência fornece o material necessário de poder inferir, o fato.
  11. 11. Se imaginarmos uma pessoa adulta, mas sem experiência, ela não será capaz de inferir o efeito de uma objeto. Isto por que o efeito não é simplesmente enxergado na causa, nem é comparação de ideias, se assim fosse a inferência equivaleria a uma demonstração e já que a mente pode conceber qualquer efeito de qualquer causa, seria uma contradição pensar a inferência como uma
  12. 12. Assim fica clara a necessidade da experiência para a inferência. A experiência corresponde a presenciar a relação um número suficiente de vezes para possibilitar a dedução.
  13. 13. Para situar-nos melhor, vejamos como se dá esta dedução: “Na presença do objeto, o entendimento antecipa a visão, o que nos leva a uma conclusão”. É mister saber que, para acreditarmos que a conclusão, ou o efeito serão sempre o mesmo, é preciso crer que o curso da natureza é uniforme, ou seja, o futuro será igual ao passado.
  14. 14. Com base nesta crença da uniformidade da natureza é que são produzidos os conceitos, ou seja, todos os argumentos são baseados nela. Daí decorre que o hábito é que nos faz crer nesta uniformidade da natureza. A minha mente é induzida ao efeito costumeiro, simplesmente pela conjunção constante. Isto é, por hábito o entendimento antecipa a nossa visão e concebemos o efeito costumeiro.
  15. 15. É o hábito, quem conduz a vida humana, e não a razão. É o hábito quem determina a mente. É importante saber que não somente concebemos o efeito, mas também acreditamos nele. Uma crença!!
  16. 16. Esta crença não resulta de uma idéia peculiar que se apresenta anexada à idéia do objeto no qual se acredita, pois se isto fosse verdade, a imaginação teria a liberdade de crer no que quisesse, já que ela possui a faculdade de unir idéias. Sendo assim, a crença não acrescenta nenhuma idéia nova à nossa concepção.
  17. 17. Tudo se inicia na experiência e somente na experiência, pois somente através desta podemos predizer que um efeito segue uma causa. Por conseguinte, não é a razão quem nos determina a predizer este efeito, mas sim o hábito é quem o faz; isto se apóia na proposição de que o passado será igual ao futuro.
  18. 18. Fim

×