Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen

46.866 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
46.866
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17.521
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
705
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen

  1. 1. Olhar Sophia é um nome que rima com poesia “ Manuel Alegre” A Fada azul
  2. 2. Nasceu no Porto, a 6 de Novembro de 1919, e aí passou a primeira infância.
  3. 3. Aos três anos tem o primeiro contacto com a poesia, quando uma criada lhe recita a “Nau Catrineta” que aprenderia de cor. Ainda antes de aprender a ler, o avô ensinou-a a recitar Camões e Antero .
  4. 4. As férias, na companhia dos irmãos, eram passadas numa casa branca, com enormes jardins, voltada para o mar. Essa casa aparece referenciada em muitas das suas obras, sobretudo nas de literatura infanto-juvenil.
  5. 5. Aos doze anos escreve os primeiros poemas e, entre os dezasseis e os vinte e três anos, tem uma fase excepcionalmente fértil na sua produção poética.
  6. 6. Apenas com vinte e cinco anos, publica o seu primeiro livro, “ Poesia”, uma edição de autor, de trezentos exemplares, paga pelo pai.
  7. 7. Em 1946 casou com o advogado e jornalista Francisco Sousa Tavares a quem se diz ter ficado a dever a consciência política. Dedicou-lhe o seu livro “Contos Exemplares” escrevendo: “Para o Francisco que me ensinou a coragem e a alegria do combate desigu al.”
  8. 8. Nos anos em que foi vendo nascer os filhos Sophia escreveu relativamente pouco. “Não sentia necessidade” mas estreou-se na literatura para crianças porque “Uma criança é uma criança não é um pateta…” Desejava histórias onde predominasse o maravilhoso, a fantasia e a alegoria do real para uma leitura de encantamento.
  9. 9. Sobre Sophia mãe, disse Maria Sousa Tavares em seu nome e em nome dos irmãos “ Transmitiu-nos, desde a infância, o apego intransigente às coisas essenciais da alegria de viver: o bom pão, o bom vinho, o mar, o Verão, a luz” .
  10. 10. Querendo despertar em vós o desejo de ler Sophia, vejamos uma breve síntese das suas obras infanto-juvenis.
  11. 11. <ul><li>Em “A Floresta” (1968) um anão pede ajuda à Isabel na tarefa de distribuir o seu tesouro. Fica então a conhecer os benefícios e os malefícios do dinheiro e a dor da separação. </li></ul>
  12. 12. Em “A Fada Oriana” (1958) há uma fada que perde o dom de voar .Envaidecida pelos elogios de um peixe Oriana esquece-se dos outros e apaga do seu íntimo a generosidade. Para voltar à harmonia a fada terá de recuperar a justiça no tratamento com todos os seres. O bem e o mal segundo Sophia.
  13. 13. <ul><li>Em “A menina do mar” (1958) conta-se a aproximação entre uma menina que vive no mar e um menino que vive na terra. Nenhum pode sobreviver no mundo do outro mas vão desvendando mutuamente os mundos que habitam e aceitam-se nas diferenças. </li></ul>
  14. 14. Em “A noite de Natal” (1959) chegam-nos o sagrado e o divino. Joana segue a estrela com os Reis Magos e vai à procura do seu amigo, um garoto “todo vestido de remendos”. “No mundo todos nós somos pessoas que vão atrás da estrela e por isso a estrela não é uma fantasia, é o símbolo de uma realidade.”
  15. 15. Em “A árvore” e “O Espelho ou o Retrato Vivo” Sophia homenageia a transformação que os homens imprimem aos objectos e o conhecimento das sucessivas gerações
  16. 16. Em “O Rapaz de Bronze” (1966) uma estátua salta do seu pedestal e conversa com as flores. É a descoberta dos mistérios da noite e do crescimento. As coisas extraordinárias e as coisas fantásticas também são verdadeiras .
  17. 17. Também em “O cavaleiro da Dinamarca” (1964) a religião e o Natal estão presentes. Um cavaleiro nórdico que tinha ido à Terra Santa, no caminho é posto à prova e regressa a casa na noite em que Jesus nasceu.
  18. 18. Não foi com o 25 de Abril que o seu empenho político se manifestou. Vinha já de longa data participando no combate ao regime Salazarista e sobretudo como sócia-fundadora da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos. Após o 25 de Abril foi deputada à Assembleia Constituinte, com participação activa sobretudo em debates culturais.
  19. 19. “ O velho abutre é sábio e alisa as suas penas. A podridão lhe agrada e seus discursos têm o dom de tornar as almas mais pequenas. ”
  20. 20. “ Esta é a madrugada que e u esperava O dia inicial inteir o e limpo Onde em ergimos da noite e do silêncio E livres hab itamos a substâ nci a do tempo” 25 de Abril
  21. 21. Porque Porque os outros se mascaram e tu não Porque os outros usam a virtude Para comprar o que não tem perdão. Porque os outros têm medo mas tu não. Porque os outros são os túmulos caiados Onde germina calada a podridão. Porque os outros se calam mas tu não. Porque os outros se compram e se vendem E os seus gestos dão sempre dividendo. Porque os outros são hábeis mas tu não. Porque os outros vão à sombra dos abrigos E tu vais de mãos dadas com os perigos. Porque os outros calculam mas tu não.
  22. 22. A escrita de Sofia está carregada de sabores, de cheiros, de um ângulo de luz da janela, de um reflexo de sol ou de sombra que de repente atravessa o quarto, dos rumores da casa onde há sempre um deus fantástico … de memórias, vivências e até ausências.
  23. 23. Sophia Gostava de luz, pedras, brisas, ondas e búzios. Gostava do ritmo das paisagens, do perfume da tília e do respirar da noite. Não gostava das pessoas que não têm dentro. Só têm fora. Não gostava de burocracias e injustiças.
  24. 24. A sua poesia, como toda a verdadeira poesia, pode ser dita, cantada e até dançada. Sophia com Vinicius de Moraes
  25. 25. Para Sophia a poesia é “uma incessante perseguição do real , do concreto e a sua explicação com o universo”. “ No quadro sensível do poema vejo para onde vou, reconheço o meu caminho, o meu reino, a minha vida”.
  26. 26. A melhor homenagem a Sophia é ler, olhar ou ouvir os seus poemas, apreciando cada palavra e cada verso.
  27. 27. Cidade Cidade, rumor e vaivém sem paz das ruas, Ó vida suja, hostil, inutilmente gasta, Saber que existe o mar e as praias nuas, Montanhas sem nome e planícies mais vastas Que o mais vasto desejo, E eu estou em ti fechada e apenas vejo Os muros e as paredes, e não vejo Nem o crescer do mar, nem o mudar das luas. Saber que tomas em ti a minha vida E que arrastas pela sombra das paredes A minha alma que fora prometida Às ondas brancas e às florestas verdes.
  28. 28. AS VOZES DO MAR Este búzio não o encontrei eu própria numa praia Mas na mediterrânica noite azul e preta Em Cós o comprei na venda junto ao cais E comigo trouxe o ressoar dos temporais Porém nele não oiço Nem o marulho de Cós nem o de Egina Mas sim o cântico da longa vasta praia Atlântica e sagrada Onde para sempre minha alma foi criada.
  29. 29. Aqui nesta praia onde Não há nenhum vestígio de impureza, Aqui onde há somente Ondas tombando ininterruptamente, Puro espaço e lúcida unidade, Aqui o tempo apaixonadamente Encontra a própria liberdade. L I B E R D A D E
  30. 30. A sua poesia é um permanente hino à natureza. “ De todos os cantos do mundo Amo com amor mais forte e mais profundo Aquela praia extasiada e nua Onde me uni ao mar, ao vento e à lua”. MAR
  31. 31. Mar, Metade da minha alma é feita de maresia … Atlântico
  32. 32. Mar sonoro Mar sonoro, mar sem fundo, mar sem fim, A tua beleza aumenta quando estamos sós E tão fundo intimamente a tua voz Segue o mais secreto bailar do meu sonho, Que momentos há em que eu suponho Seres um milagre criado só para mim.
  33. 33. <ul><li>Liberdade </li></ul><ul><li>O poema é </li></ul><ul><li>A liberdade </li></ul><ul><li>Um poema não se programa </li></ul><ul><li>Porém a disciplina </li></ul><ul><li>-Sílaba por sílaba- </li></ul><ul><li>O acompanha </li></ul><ul><li>Sílaba por sílaba </li></ul><ul><li>O poema emerge </li></ul><ul><li>Como se os deuses o </li></ul><ul><li>dessem </li></ul><ul><li>O fazemos </li></ul>
  34. 34. Escuto Escuto mas não sei Se o que oiço é silêncio Ou Deus Escuto sem saber se estou ouvindo O ressoar das planícies do vazio Ou a consciência atenta Que nos confins do universo Me decifra e fita Apenas sei que caminho como quem É olhado amado e conhecido E por isso em cada gesto ponho Solenidade e risco
  35. 35. Tive amigos que morriam, amigos que partiam Outros quebravam o seu rosto contra o tempo. Biografia Odiei o que era fácil Procurei-me na luz, no mar, no vento.
  36. 36. Sophia morreu a 2 de Julho de 2004.Vivamo-la em cada história, em cada verso e acreditemos no seu poema, que diz: “ Quando eu morrer voltarei para buscar os instantes que não vivi junto do mar”.
  37. 37. Ficha Técnica : Concepção : José Capitão (Prof.) Gracinda Castanheira (Profª) Fotografia: José Capitão (Prof.) Gracinda Castanheira (Profª) Arranjo Técnico: Eva Campos Costa, Gracinda Castanheira, José Capitão, Mário Pinhal (Profs) e Alberto Cerqueira (AAE) Música de fundo: Allegro non troppo de Brahms Poema “Porque” cantado por F. Fanhais Poemas de Sophia ditos por Luis Miguel Cintra

×