Serra de Mangues – uma nova icnojazida
do Jurássico superior que revela uma
elevada diversidade biológica
Carlos Marques –...
Em 1996, alunos do GP descobriram pegadas de
dinossáurios em rochas do Jurássico superior na praia
dos Salgados, na base d...
Em 2003, residentes locais encontram duas pegadas
muito semelhantes às descobertas na jazida da
praia dos Salgados, no top...
Saídas de campo em 2003 e 2004 permitiram a
descobertas de muito mais pegadas, algumas
atribuídas a saurópodes e a maioria...
Algumas das pegadas foram deixadas por
dinossáurios sauropodes.
A maioria das pegadas mostra uma origem em
dinossáurios carnívoros, do grupo dos teropodes.
Novas saídas à jazida permitiram inferir que alguma
pegadas tridátilas devem ter origem em
dinossáurios bípedes herbívoros...
Esta amostra é reduzida e estes herbívoros seriam
escassos neste antigo habitat.
As dimensões das pegadas dos teropodes, os
dinossáurios
mais
abundantes,
são
muito
variadas, chegando a alcançar os 73 cm ...
As dimensões das pegadas dos dinossáurios carnívoros
são variadas, mas a maioria tem comprimento superior
a 50 cm (altura ...
As dimensões das pegadas de saurópodes
encontram-se perto do limite máximo conhecido.
Pela primeira vez, descobrimos pegadas de mãos
de sauropodes.
A velocidade inferida para os carnívoros é reduzidacerca de 7 km/h.
E só encontrámos dois segmentos de
pista, formados por...
Há mesmo duas pegadas encontradas quase lado a
lado, como se o carnívoro tivesse parado.
Algumas pegadas mostram sinais de deslizamento.
Pegadas de dinossáurios tireoforanos, provavelmente
stegossaurianos, também co-existem neste mesmo
nível.
As pegadas dos pés são tridáctilas, alongadas, mas
em que as impressões dos dígitos são muito curtas.
O comprimento médio ...
Esquema de pares mão-pé
de pegadas atribuídas a
tireoforanos (retirado de
Xing L. e colegas 2013).
•

http://docentes.fct.unl.pt/omateus/files/mateu
s_et_al_2011__deltapodus_with_skin_impressions_from_por
tugal.pdf
A orientação e sentido das pegadas de terópodes
são muito variadas, evidenciando comportamentos
de deslocação errática.

h...
Pelo contrário, sauropodes e stegossáurios dirigiamse todos para Este.

Ao contrário do que tinha sido inferido, não
exist...
A amostra descoberta revela a passagem, num
intervalo de tempo curto, de dinossáurios de diferentes
grupos: terópodes, orn...
Serra de mangues   ciencia viva estremoz 2013 completo
Serra de mangues   ciencia viva estremoz 2013 completo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Serra de mangues ciencia viva estremoz 2013 completo

319 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
319
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Serra de mangues ciencia viva estremoz 2013 completo

  1. 1. Serra de Mangues – uma nova icnojazida do Jurássico superior que revela uma elevada diversidade biológica Carlos Marques – 8º Luana Gouveia – 8º Sofia Cruz – 8º Rui Ledesma – 8º Tomás Alvim – 8º Owen Zhou – 7º
  2. 2. Em 1996, alunos do GP descobriram pegadas de dinossáurios em rochas do Jurássico superior na praia dos Salgados, na base da arriba.
  3. 3. Em 2003, residentes locais encontram duas pegadas muito semelhantes às descobertas na jazida da praia dos Salgados, no topo da arriba, perto da sua casa.
  4. 4. Saídas de campo em 2003 e 2004 permitiram a descobertas de muito mais pegadas, algumas atribuídas a saurópodes e a maioria a terópodes.
  5. 5. Algumas das pegadas foram deixadas por dinossáurios sauropodes.
  6. 6. A maioria das pegadas mostra uma origem em dinossáurios carnívoros, do grupo dos teropodes.
  7. 7. Novas saídas à jazida permitiram inferir que alguma pegadas tridátilas devem ter origem em dinossáurios bípedes herbívoros, do grupo dos ornitopodes.
  8. 8. Esta amostra é reduzida e estes herbívoros seriam escassos neste antigo habitat.
  9. 9. As dimensões das pegadas dos teropodes, os dinossáurios mais abundantes, são muito variadas, chegando a alcançar os 73 cm de comprimento.
  10. 10. As dimensões das pegadas dos dinossáurios carnívoros são variadas, mas a maioria tem comprimento superior a 50 cm (altura da anca rondando os 2,40 m).
  11. 11. As dimensões das pegadas de saurópodes encontram-se perto do limite máximo conhecido.
  12. 12. Pela primeira vez, descobrimos pegadas de mãos de sauropodes.
  13. 13. A velocidade inferida para os carnívoros é reduzidacerca de 7 km/h. E só encontrámos dois segmentos de pista, formados portanto por pegadas consecutivas.
  14. 14. Há mesmo duas pegadas encontradas quase lado a lado, como se o carnívoro tivesse parado.
  15. 15. Algumas pegadas mostram sinais de deslizamento.
  16. 16. Pegadas de dinossáurios tireoforanos, provavelmente stegossaurianos, também co-existem neste mesmo nível.
  17. 17. As pegadas dos pés são tridáctilas, alongadas, mas em que as impressões dos dígitos são muito curtas. O comprimento médio ronda os 45 cm.
  18. 18. Esquema de pares mão-pé de pegadas atribuídas a tireoforanos (retirado de Xing L. e colegas 2013).
  19. 19. • http://docentes.fct.unl.pt/omateus/files/mateu s_et_al_2011__deltapodus_with_skin_impressions_from_por tugal.pdf
  20. 20. A orientação e sentido das pegadas de terópodes são muito variadas, evidenciando comportamentos de deslocação errática. http://www.igeo.ufrj.br/ismar/1/1_16.pdf
  21. 21. Pelo contrário, sauropodes e stegossáurios dirigiamse todos para Este. Ao contrário do que tinha sido inferido, não existe segregação entre pegadas de herbívoros e de carnívoros.
  22. 22. A amostra descoberta revela a passagem, num intervalo de tempo curto, de dinossáurios de diferentes grupos: terópodes, ornitópodes, saurópodes e tireoforanos. Esta coexistência é relativamente rara no registo fóssil mundial.

×