O PRAZER DA LEITURA SE ENSINA

479 visualizações

Publicada em

ARTIGO

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
479
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
110
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O PRAZER DA LEITURA SE ENSINA

  1. 1. O PRAZER DA LEITURA SE ENSINA Rejane Lieberknecht1 Geovane Alves Barros 2 Rosane Maria Liberknecht³ Schaiane Pasquali Machado Resumo: O presente artigo trata de uma pesquisa bibliográfica sobre a leitura e os caminhos por onde passam a formação do leitor. Com intuito de compreender melhor o processo de leitura e sua importância para a formação do leitor e de sua cidadania, far-se-á um estudo sobre o ato de ler e os aspectos do processo da leitura um ato mais prazeroso. Adicionalmente, reflete-se sobre a importância da leitura para a formação da cidadania e a capacitação profissional dos professores como elementos indispensáveis ao ensino ao ensino de leitura. E, com a finalidade de contribuir para a prática pedagógica pretende-se sugerir atividades para transformar as aulas de leitura em momentos de prazer e satisfação das necessidades de conhecimentos. Neste trabalho, procura-se evidenciar a importância da leitura nos vários aspectos como ferramenta de formação e transformação social, a partir do contexto escolar. Para tanto, foi desenvolvido um projeto de leitura, análise e produção textual tendo como foco a leitura e interpretação de textos e registros, em seus diversos gêneros. Os resultados alcançados são analisados e apresentam-se as conclusões obtidas. Palavras-chave: Leitura. Importância da leitura. Prazer de ler. Conquista do leitor. Abstract: This article is a literature on reading and the ways through which the formation of the reader. In order to better understand the reading process and its importance to the formation of the reader and its citizenship far will a study on the act of reading and aspects of the process of reading a more pleasurable act. Additionally, reflects on the importance of reading for citizenship training and professional development of teachers as indispensable elements to education to teach reading. And, in order to contribute to the teaching practice is intended to suggest activities to transform the reading classes in moments of pleasure and satisfaction of the needs of knowledge. This work aims to highlight the importance of reading in various 1 Especializando em Psicopedagogia pela Faculdade de Ciências e Tecnologia Equipe Darwim 2 Professor Orientador
  2. 2. aspects as training tool and social transformation, from the school context. To this end, a project was developed reading, textual analysis and production with a focus on reading and interpreting texts and records in its various genres. The results are analyzed and present the findings. Keywords: Reading. Importance of reading. Pleasure to read. Conquest of the reader. Introdução Todos fazem leituras, analfabetos ou não, independentemente do grau de sapiência. Aprende-se a ler independente da presença de professores, necessitando apenas de algumas informações, estabelecendo relações entre a língua, o conhecimento e as circunstâncias, levantando hipóteses e vivenciando, conforme o contexto existencial. Lemos com os sentidos, com a emoção, com o raciocínio e cada uma dessas leituras indica o nosso nível de aproximação com o que é lido. A reação de cada indivíduo frente a leitura é diferente, assim como a linguagem em uso também se diferencia. Nesse trabalho, são considerados os aspectos do processo de leitura que tornam o ato de ler mais prazeroso. Adicionalmente, reflete-se sobre a importância da leitura para a formação da cidadania e a capacitação profissional dos professores como elementos indispensáveis ao ensino de leitura. Por fim, são apresentadas algumas atividades para conquistar o jovem leitor. 1. O Que é Leitura Quando se pensa em leitura remete-se à modalidade ligada a palavra escrita e, enquanto leitor, o indivíduo é visto como decodificador de letras, embora não baste decodificar para que a leitura ocorra. Na maioria das vezes, convive-se com objetos, obras de arte, livros, coisas enfim e não e não se percebe, até que algo chame a atenção e passa- se a percebê-las, a pensar sobre sua criação e quem as criou, é quando elas passam a fazer sentido e se estabelece uma ligação entre o eu e o objeto.
  3. 3. O homem começa a ler desde o momento que sai do ventre e entra em contato, com o ar, com a claridade, com o mundo, passa da respiração pelo cordão umbilical a respiração pelas narinas, experimenta e percebe o aconchego do berço e dos braços da mãe. Este é um aprendizado natural, mas solitário e complexo como a leitura, porque faz parte das experiências individuais, embora ocorra na convivência com os outros e com o ambiente. Aprende-se a ler independente da presença de professores, pode-se ser autodidata necessitando apenas de algumas informações, estabelecendo relações entre a língua o conhecimento e as circunstâncias, levantando hipóteses e vivenciando. O problema de aprender a ler sozinho, na infância, é o fato de não saber como ler e o que ler. Quando o leitor consegue organizar os conhecimentos adquiridos, relacioná-lo com suas experiências e solucionar problemas é que a leitura se efetiva e o individuo passa a poder realizar leituras do que quiser. A aprendizagem da leitura está ligada a formação do indivíduo e sua qualificação para desempenhar seu papel social no grupo em que vive. Paulo Freire chama a atenção essa educação em que o aluno (sem saber) silencia-se para receber o conhecimento do professor (sábio). Entre os problemas que acarretam a crise na leitura estão o poder aquisitivo e a precariedade de ensino, fatores que determinam e limitam as opções de leitura. E como a leitura está restringida ao âmbito escolar a maioria das crianças só tem contato com os livros pedagógicos, material de caráter científico, condensado e não muito incentivador ao gosto de ler. Para mudar essa situação é preciso investir na melhoria da qualidade de vida dos menos favorecidos, bem como repensar a prática docente, ampliando inclusive a noção de leitura para além das salas de aulas e do texto escrito, incentivando o aluno a leituras que permitam uma visão de mundo muito maior. Durante o ato de ler o leitor pode realizar leitura sensorial, emocional e racional. São a história, as experiências de vida de cada leitor, as circunstâncias no ato de ler, que evidenciam o nível de leitura de cada leitor. É difícil o leitor realizar um tipo de leitura separada das demais, porque o homem
  4. 4. não consegue separar o momento de sentir do de se emocionar ou de raciocinar. As condições ambientais, os recursos materiais e as primeiras experiências de vida influenciam na efetivação dos níveis de leitura, e mesmo às vezes precários podem favorecer. Assim como há variação do tipo de leitura, há variação na existência de leitores e cada leitura uma aproximação maior do leitor ao texto. Para se compreender o processo de leitura e para que ela se realize, é preciso que tenhamos a necessidade dela, de que tenhamos o desejo de sentir, se emocionar, ou raciocinar algo. Cada leitor, dentro de suas necessidades criará seu modo de se aproximar e realizar a leitura, como por exemplo: procurando ambientes adequados, lendo em uma fila de banco, no ônibus, etc. Já na escola, o professor deve ser criativo para proporcionar ao aluno um momento prazeroso para a realização da leitura. 2. O Prazer do Texto Segundo Roland Barthes (1974), se as palavras são lidas com prazer é porque foram escritas no prazer, porém isso não garantirá ao escritor o prazer do seu leitor. Há uma relação de necessidades entre autor e leitor, o escritor seleciona o léxico, as referências, expõe sua opinião e isso pode atrair ou não o leitor para a leitura. O ritmo da leitura é estabelecido diferentemente, não se lê tudo com a mesma intensidade de leitura, desrespeitamos a integridade do texto, o conhecimento do leitor o leva a sobrevoar ou a saltar certas páginas. O autor não pode prever o que será lido, entretanto é o poder escolher que proporciona o prazer das grandes narrativas. O julgar o texto segundo o seu prazer, não permite valorar, dizer se é bom ou mau, até porque será diferente para cada leitor. A sociedade é marcada por lados opostos de poder, de ideais, isso é cultural e aparece no texto. Um texto sem essas marcas torna-se estéril, sem presença de ideologia, sem ângulos opostos, geralmente presentes na palavra,
  5. 5. na fala, na escrita e que são objetos de estudo da linguística que é a ciência da linguagem. A linguagem e conteúdos são repetidos constantemente pelas escolas, filmes, livros. O novo é fundamentado na crítica, em cima de algo já existente. Em alguns casos a palavra pode ser prazerosa pela repetição forçada, ou ao contrário, se for uma novidade. Um texto pode proporcionar prazer a um leitor e a outro não, assim como pode ocorrer de não sentir-se prazer lendo-o pela segunda vez. E na leitura de um texto fruição, tudo se vai no primeiro contato, após ser compreendido é preciso passar para outra atividade. Existe uma dependência mutua entre escritor e leitor. Essa dependência pressupõe uma ação diferenciada do escritor e do leitor diante do texto. O primeiro, a ação de conquistar o leitor, oferecendo-lhe uma leitura prazerosa e o segundo uma ação livre de ler o que lhe agradar, inclusive o direito de não ler todo o texto. Sendo que a atitude do escritor não garantirá o seu sucesso, pois poderá atrair ou não o seu leitor e ainda há de se pensar em qualquer leitor, pois o que agrada a um indivíduo pode não agradar a outro. 3. Importância da leitura e da Escrita O texto “Ler, Pensar e Escrever” de Gabriel Perissé (1998) proporciona acerca de três ações que ocorrem simultaneamente à existência humana: ler, pensar e escrever. Exige uma certa doação para que aconteça o aprendizado, pois é uma leitura comprometedora que pretende conquistar o leitor a praticar mais a escrita, ler mais e pensar melhor. O autor afirma que o único modo de aprender a escrever é praticando a escrita, dentro das possibilidades e limitações de cada indivíduo. Escrever bem exige dedicação e vontade, pois para essa prática o sujeito necessita dispensar energia intelectual, criativa e emocional. Trabalhar a linguagem possibilita, a quem escreve, maior intimidade com o meio de expressão oral e escrito. Portanto, saber usar as palavras é ter
  6. 6. um grande poder em mãos, pois elas permitem que nada seja esquecido, nos reportemos ao passado ou ao futuro. Além disto, são muito perigosas já que se pode usá-las para o bem ou para o mal, de acordo com o equilíbrio mental de cada um. Um bom texto é construído com reflexão e raciocínio tranquilo, para não deixar margem à obscuridade e contradições. As palavras têm que ter significados precisos. Se assim realizada, a escrita transforma-se em uma pequena obra de arte devido a dedicação do escritor na construção de parágrafos com ritmo agradável e equilíbrio lógico. Escrevemos o que pensamos, então, algo de nós está no texto. Por isso o estilo é pessoal, único, porém podemos expressar as mesmas ideias de varias formas e, para isso, faz-se necessário ter domínio dos recursos do idioma. Para dominar a gramática não necessariamente precisamos estudar uma. Podemos, também, fazer leitura de bons autores, pois os estudiosos da língua fazem uso de obras consagradas para o que se deve ou não usar. Como já foi mencionado, um pouco de quem escreve fica impregnado no texto. Então, pode-se dizer que o escritor se doa ao seu leitor e esse merece o melhor. Sendo assim, o ato da escrita exige responsabilidade daquele que escreve para com os que dedicam parte de seu tempo à leitura. Ler bem proporciona ao homem uma transformação, um aperfeiçoamento, pois ao pensamento individual, acrescentam-se contribuições de outras pessoas e isso repercutirá nas ações. O homem se modifica, mas não deixa de ser ele mesmo. A leitura influencia o indivíduo, leva-o a pensar e reformular ideias, a melhorar a comunicação, a elevação intelectual e, por conseguinte, melhora a escrita, pois ela resulta do que somos interiormente. Quem não lê fica estagnado no tempo, não acompanha a época em que vive, embora muitos consigam superar a falta de leitura com amigos, diálogos edificantes e uma convivência intensa, isso se dá pelo fato de se poder perceber a realidade que nos cerca fazendo leitura pelo olhar, pelo tato, pela audição.
  7. 7. Deve-se pensar também na leitura de poemas que não leva o leitor simplesmente a acumular informações, porém os leva a uma nova compreensão da realidade. Pela linguagem conhecemos o mundo material que existe a nossa volta, refletimos as questões inerentes à existência humana. Segundo Gabriel Perissé, a falta de leitura não é acarretada somente pelo baixo domínio gramatical, ou pelo desconhecimento de uma boa literatura, ou pelo vocabulário pobre, ou pelas dificuldades na vida cotidiana, mas, principalmente, pela pobreza e insegurança existencial. Fazer uso de boas leituras proporciona o enriquecimento existencial e, paralelamente, o desenvolvimento gramatical e vocabular, fatores necessários para uma boa comunicação oral ou verbal. É necessário conhecer o assunto sobre o qual se vai escrever. Ter boas ideias para a construção do texto e criar intimidade com a escrita. E aos professores cabe o papel de refletir na atuação profissional, pois devemos mostrar ao aluno que o bem escrever exige um esforço caracterizado pela aquisição de conhecimento intelectual, criativo e emocional. Selecionar o que se lê é um dever de todo leitor crítico e sensato, pois nem tudo que se lê acrescenta algo de bom. Como em outras atividades, só se torna bom na escrita praticando. Pessoas convictas de que podem ser bons escritores ao praticara escrita, se sentem mais inspiradas para esse tipo de atividade. Logo, percebe-se que o conhecimento e a inspiração nascem do esforço do indivíduo e do incentivo à prática, os quais lhe permitem expressar- se com convicções conquistadoras, a fazer um bom uso da linguagem e isso inspira a ler e escrever mais e mais. 4. Como Conquistar o Jovem Leitor Segundo GAGLIARI (1989), tudo o que a escola pode oferecer de bom aos alunos é a leitura, sem dúvida, a melhor herança da educação. É na escola que o aluno efetivamente terá maior contato com o mundo dos livros. Entretanto, percebe-se que muitos alunos não gostam quando lhes é proposto leitura de livros e textos em sala de aula. Nesse caso, é necessário rever como
  8. 8. se está procedendo ao oferecer a leitura aos alunos, pois o professor precisa ir além dos limites da escola, para que o aluno faça a leitura do mundo real libertando-se de moldes pré-estabelecidos e se forme cidadão consciente através do ato de ler. Se quisermos conquistar o aluno é preciso que se faça da leitura uma atividade livre, lúdica, prazerosa, pois o que é feito por obrigação tende a ficar desmotivador. E é importante também sugerir que os alunos falem sobre os livros que leem e escrevam a respeito. E como o professor é exemplo para seus alunos, ler para eles de forma expressiva, comentar entusiasmadamente os livros que leu são maneiras de cativar a leitura, de provocar interesse e contagiá-los. Sendo assim, o professor que gosta de ler terá mais facilidade para despertar no aluno o interesse e o prazer de ler. Naturalmente, é preciso dar ao aluno a oportunidade de viver a plenitude da vida, abrindo espaço para o seu entretenimento, mas também de enfrentar os desafios da sua idade. E para cativá-los à leitura é preciso oferecer a eles uma boa variedade de livros, como por exemplo: obras cômicas, dramáticas, poesias, ficção. Para os livros mais complicados, cria-se um horário de leitura em classe. Assim os alunos poderão pedir auxílio, bem como o professor poderá ler em voz alta e comentá-los com seus alunos. Tendo em vista tudo o exposto, fica perceptível que é necessário usar, durante o processo de ensino de leitura, meios adequados para levar o aluno a criar o hábito de ler. Para tanto, algumas técnicas que podem conquistar o jovem leitor, são sugeridas por mim, conforme segue:  Promover atividades de leitura espontânea e de contar aos colegas o livro lido;  Proporcionar, ao aluno, leitura de livros com a quantidade de páginas e assuntos adequados a faixa etária;  Transformar a leitura em uma dramatização junto com os alunos, fazendo uma reinterpretação do texto;  Levar os alunos a comentar sobre o enredo, as personagens e trechos que mais lhe chamaram a atenção;
  9. 9.  Organizar um cantinho na sala de aula, onde os livros possam ficar à disposição das crianças;  Contar, com frequência, boas histórias da literatura para os alunos;  Estimular os alunos a criar e escreverem suas próprias histórias;  Pedir para os alunos contarem o que viram na TV, descrevendo, analisando, criticando e refletindo sobre a leitura feita;  Criar novos desfechos e ilustrações para histórias lidas individualmente ou em grupos;  Trabalhar com quadrinhas populares, sugerindo que os alunos criem outras rimas;  Combinar com os alunos as horas destinadas à leitura;  Desenhar, pintar, fazer máscaras, para encenar as leituras;  Estimular a leitura de textos que as crianças trazem de casa, comparando-os, classificando-os em um álbum, portfólios ou pequenos livros;  Interpretar textos de rótulos que lhe sejam familiares e deixar que o aluno recrie novos rótulos, organizando um mercado na sala de aula e fazer a leitura do valor do produto em questão;  Fazer brincadeiras envolvendo expressões faciais, gestuais e corporais;  Estimular os alunos a escrever cartas para os autores comentando sobre a obra lida. Enfim, podem ser criadas outras sugestões a partir dessas que foram elaboradas e usadas por mim, ao longo de minha prática docente, mas que, algumas delas, podem eventualmente terem sido já utilizadas por outros
  10. 10. professores em algum lugar, em algum momento, pois os mesmos pensamentos e ideias podem partir de várias mentes ao mesmo tempo, em diversos lugares e contextos. Considerações Finais O ser humano é dotado de várias capacidades, mas precisa se dedicar para desenvolver certas habilidades. Por isso frequenta institutos de ensino mesmo já tendo se desenvolvido, em maior ou menor grau. Até que se chegue a fase escolar, é no lar que se tem o primeiro contato com a leitura, ouvindo histórias contadas ao pé da cama ou tendo contato com livros dos pais. Mas é na escola que tudo se afirma e deve-se tomar cuidado para que o ler ou ouvir histórias não se torne algo cansativo com fins puramente didáticos, pois o professor tem a missão de educar os alunos para a vida social, levando a eles informações e conhecimentos que possibilitem sua formação para que sejam capazes de modificar a sua própria realidade. Percebe-se, pelo que foi exposto, que a aquisição normal do hábito de ler deve acontecer de forma natural sem imposições. Portanto, os educadores necessitam ter em mente que leitura, análise e produção de texto são atividades realizadas em todas as disciplinas e, para que os estudantes interpretem corretamente as informações, é necessário o desenvolvimento adequado de habilidades de leitura desde as primeiras séries iniciais. Logo, por meio da leitura, se conhece um pouco mais o próprio país, ou quem sabe o mundo, sem sair do lugar onde vivemos. Dessa maneira se realiza a democratização do conhecimento para que a língua não se torne um meio de discriminação social e sim um processo de construção de cidadania. Então, a aplicação de técnicas que auxiliem os educandos, por parte dos professores, resulta em um melhor desempenho na leitura de textos didáticos e auxiliares. A leitura deve ser resultado de uma relação afetiva entre leitor e o texto numa pedagogia de diálogo em que se estabelece relação entre o psicológico e o social. O amor pelos livros é algo
  11. 11. que não aparece repentinamente. É necessário ajudar a criança a descobrir as ideias novas, o prazer, enfim a sabedoria que a leitura pode lhe oferecer. Deseja-se que este trabalho possa contribuir para a ampliação dos conhecimentos, acerca das dificuldades em leitura e os caminhos para se desenvolver no aluno o gosto pelo hábito de ler. Assim como a prática realizada para a completude desse projeto de pesquisa, por todas as razões acima descritas, pode ser considerada de grande valia para professores em geral de forma a enriquecer suas propostas de intervenção pedagógica futuras. Referências Bibliográficas BARBOSA, Raquel Lazzari L. Dificuldades de leitura: a busca da chave do segredo. São Paulo: Arte & Ciência, 1998. Coleção Universidade Aberta. BARTHES, Roland. O Prazer do Texto. Tradução: Maria Margarida Barahona. Coleção Signos. Lisboa: Edições 70, 1974. FREIRE, Paulo. A importância do Ato de ler: em três artigos que se completam. 22 edição. São Paulo: Cortez, 1988. 80p. MARTINS, Maria Helena. O que é leitura. 19ª edição. São Paulo: Brasiliense, 2007. PENNAC, Daniel. Como um romance. Tradução de Leny Werneck. Rio de Janeiro: ed. Rocco, 1993. PERISSÉ, Gabriel. Ler, pensar e escrever. 2ª ed. Pelotas: Arte e Ciência, 1998. SILVA, Ezequiel Theodoro da. Unidades de Leitura - Trilogia pedagógica. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2003. Linguagens e sociedade.

×