A educação como processo para emancipar os cidadãos

3.989 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.989
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A educação como processo para emancipar os cidadãos

  1. 1. A EDUCAÇÃO COMO PROCESSO PARA EMANCIPAR OS CIDADÃOS Autoras:Carmen Prigol Cimi Dejanira Nevis Gabryela Kuffel Zarth Isaura Kuffel Zarth Margani ZarthRESUMO:Falar sobre educação é discorrer sobre a única alternativa política e social para que este paísencontre a dimensão de sua grandeza e que o povo encontre a dignidade almejada. A tarefa detodo educador é a de formar seres humanos felizes e equilibrados. A família é a base docidadão e tem o papel fundamental de formar o caráter, de educar para os desafios da vida.Essa formação será complementada pela escola cuja responsabilidade é proporcionar umensino de qualidade que desenvolva as competências e habilidades do indivíduo. Cada vezmais a educação vem sendo tratada como assunto prioritário de governos, organismosinternacionais e organizações da sociedade civil, por um numero crescente de países em todoo mundo. E não é pra menos que haja essa preocupação, pois da educação depende aqualidade de vida de toda a sociedade. Nesse sentido é que o estudo em questão se tornainteressante.Palavras – chave: alternativa política, dignidade, educação.1. INTRODUÇÃO A importância da educação para a formação da cidadania e para o desenvolvimentonacional, vem ganhando crescente reconhecimento nas duas ultimas décadas no Brasil. Essereconhecimento acompanha uma tendência mundial de defender a universalização daeducação básica como direito como direito humano fundamental, marcada pela ConferênciaMundial de Educação para Todos (JONTIEN, 1990). É preciso, no entanto, ressaltar a distância que há entre reconhecer a educação comoprioridade e praticar a educação como tal, é necessário que o educador exerça uma posturacrítica mas que contribua significativamente na tarefa de educar. Quando se fala em educadornão se refere apenas ao professor, mas a todos que fazem parte da vida do educando. Aeducação ocorre em todos os ambientes.*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  2. 2. A lei 9394, 20 de dezembro de 1996 – a LDB – tem enorme importância para aconcretização da educação. Vários artigos demonstram essa preocupação com a educaçãomais abrangente que desenvolva a autonomia do aluno, o conceito do “aprender a aprender”,referente a uma aprendizagem continuada. (Piaget) O ser humano vive em sociedade e não tem como evitar as influências das maisvariadas o que certamente interfere de forma positiva ou negativa na educação de todos.Nesse sentido formar cidadãos autônomos, passa a ser uma das tarefas mais difíceis, porémmais útil e compensatória uma vez que se pode ver o resultado do empenho e dedicaçãoquando o educador reconhece aquele cidadão que passou por suas mãos sendo umempreendedor emancipado e feliz. Conforme Rubem Alves: “Não existe nada mais fatal para o pensamento que o ensinodas respostas certas. As escolas existem para ensinar as perguntas. As respostas permitemandar sobre a terra firme. Mas somente as perguntas nos permitem entrar pelo mardesconhecido”. O objetivo maior é que as crianças adquiram o gosto pelo saber, que elasprocurem o conhecimento para desvendar os mistérios da vida. Que suas mentes estejamsempre despertas e ativas para fazerem perguntas, questionarem e encontrarem as respostascomo fruto de suas observações, reflexões e análises. Nesse perspectiva a educação deve ser vista como o ponto de partida possibilitandotodas as formas de trabalho multidisciplinar relacionados com o contexto em que se insere oaluno sabendo que existe uma (inter-relação) interação dos acontecimentos do mundo. Oeducando necessita essa compreensão para que seu estudo tenha significado e emconseqüência estimule o gosto pelo saber. “Na medida em que o homem integrado em seu contexto, reflete sobre este contexto ese compromete, constrói a si mesmo e chega a ser sujeito”. É assim que Paulo Freire semanifesta em seus estudos sobre a importância da linguagem, do ler e do escrever. Por meio da compreensão e da interpretação do que lê, vê, sente, observa o homem écapaz de mudar a si mesmo, dar maior extensão a sua consciência, discernir e reconhecer quenão existe um mundo pronto acabado, mas que, ao seu redor está um outro mundocontinuamente criado e recriado por ele. É pela ação e na ação que o homem constrói a simesmo, através da comunicação, o dialogo, a verdadeira interação com os outros homens, oambiente, o espaço, os materiais, o escrito e o mundo ao seu redor. Isso possibilita ao homemrefletir sobre a realidade exercendo algum controle sobre o futuro de forma a direcionar comqualidade a vida na medida das possibilidades oferecidas através do conhecimento.*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  3. 3. É interessante pensar sobre todos os aspectos referentes a educação. O ato de educarestá exclusivamente relacionado ao ato de viver, pois sem educação a vida pode tornar-sesem sentido, uma vez que a educação é parte integrante e fundamental do nosso cotidiano. Para Piaget o desenvolvimento do individuo está subordinado a hereditariedade eadaptação biológicas. O autor buscou, em suas investigações, determinar o papel da interaçãosocial sobre o desenvolvimento da inteligência do individuo. O que caracteriza o ser social é aqualidade das trocas intelectuais que os indivíduos estabelecem entre si. O desenvolvimento é uma passagem contínua de um estado de equilíbrio menor paraum equilíbrio superior. É, portanto a evolução do ser. A busca do conhecimento ocorre a partir de necessidades decorrentes da vida social,pois pressupõe a coordenação as operações de dois ou mais sujeitos, a discussão, a troca depontos de vista, o controle mutuo dos argumentos. A maioria das formas de comportamento é adquirida por transmissão exterior degeração em geração, isto é, através da educação, e só se desenvolve em função de interaçõessociais múltiplas e diferenciadas. A tarefa da educação consiste em formar o raciocínio. A educação é portanto,condição formadora necessária ao próprio desenvolvimento natural. Afirmar o direito da pessoa humana a educação é assumir uma responsabilidade quevai além do ensino da escrita, da leitura, do cálculo: significa garantir o plenodesenvolvimento das funções mentais e a aquisição dos conhecimentos, bem como dosvalores morais que correspondem ao exercício dessas funções, até a adaptação da vida socialatual. Conforme o Artigo 1º da LDB – A educação abrange os processos formativos que sedesenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensinoe pesquisa, nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestaçõesculturais. O trabalho é um espaço de realização pessoal e profissional, porém o processo deaprendizagem não para no mundo do trabalho, a atividade prática auxilia a aprendizagemsignificativa. “Só se aprende a fazer fazendo”. Aprende-se trabalhando e na aprendizagem setrabalha. A educação escolar não pode estar separada do mundo de trabalho e nem da práticasocial. É preciso que o professor aborde temas atuais e significativos para que o aluno sintaque a escola é um organismo vivo, oferecendo oportunidades de conhecimento para aautonomia idealizada.*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  4. 4. 2. METODOLOGIA O assunto em questão foi fundamentado em alguns referenciais teóricoscomplementados com idéias complementados com idéias pessoais, bem como em estudosrealizados no decorrer da formação acadêmica e também nas Leis de Diretrizes e BasesEducacionais para uma melhor compreensão da temática educação como processo deemancipar os cidadãos. Relacionou-se também os conhecimentos teóricos adquiridos no curso de pedagogiacomparando-os com a prática durante as observações e aplicações dos estágios curriculares. Após a busca de material bibliográfico, a seleção criteriosa, estudos, pesquisas,diálogos formais e informais com colegas educadores, abordou-se o assunto com ênfase aeducação emancipatória, no sentido de que o caminho se faz ao caminhar. E é nessaperspectiva que o educador deve buscar sua formação.3. DESENVOLVIMENTO Conforme o minidicionário de língua portuguesa Aurélio Educação é o processo dedesenvolvimento da capacidade física, intelectual, e moral do ser humano. Assim sendo o atode educar deve ser considerado o mais importante de todos, pois desenvolvendo capacidadesfísicas, intelectuais e morais no ser humano, outras capacidades virão em conseqüência dessase assim o ser torna-se capaz de agir com consciência desde que seja educado de formaadequada segundo as normas que regem uma sociedade, com o intuito de promover o bem detodos visando com isso uma melhor qualidade de vida. Muitas as preocupações a respeito da educação e centenas de milhares de pessoas járedigiram sobre. Entretanto os problemas relacionados a educação surgem em nível cada vezmais complexos e de difícil solução, pois pais e professores estão perdidos frente a tarefa deeducar, transformações estão ocorrendo cada vez mais depressa e não se consegueacompanhar por mais que haja esforço, existe na maioria das vezes uma barreira que quandopensa que chegou lá, novamente vem outros avanços (mudanças) o que proporciona umdesafio e ao mesmo tempo faz com que se considere o ser humano impotente. Vale lembrar que muitas experiências desenvolvidas e aplicadas nas escolas nãoderam certo, é preciso encontrar o foco, trabalhar questões emocionais, sociais, preparar oeducando para que ele tenha capacidade de trabalhar em grupo, como líder ou colaborador,*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  5. 5. sabendo atuar na família e na comunidade. Refletir sobre o ser humano, esquecer um poucodas máquinas tão utilizadas hoje, onde sobra pouco espaço para trabalhar valores que sempreacompanharam o ser humano através da história, mas que com a correria do cotidiano estão seperdendo e com isso dificultando o ato de educar. Os pais precisam tirar tempo paraacompanhar a vida escolar de seus filhos. A família é a instituição mais importante nessatarefa. As drogas, a violência, a agressividade estão presentes na sociedade e se existe afalência da instituição familiar, o não acompanhamento dos pais, a carência afetiva somando-se aos maus exemplos é muito provável que o ser humano se lance nesse mundo desconhecidoou melhor nessa viagem quase sempre sem volta, que são as drogas acompanhadas daviolência, agressividade, furto, assassinatos, entre outros horrores que se vê diariamente nosnoticiários. Na família moderna, em muitos casos, falta o amor, peça fundamental para obter dosseres vivos a preservação da vida. Ninguém vive sem amor. Conforme Rousseau: “O homemnasce bom, a sociedade o corrompe”. Para ele o homem bom é aquele que se encontra noestágio primitivo, que não foi “contaminado pela civilização”. Mas não se pode voltar aoestágio primitivo, é preciso melhorar a sociedade e não permitir que o ser humano que nascelivre acaba por encontrar-se em toda parte acorrentado. Existe uma busca desenfreada para ter os melhores objetos que os outros (carros, casa,roupa, etc.). É a sociedade dos competitivos que faz com que o ser humano nunca se contentecom aquilo que possui, querendo sempre mais, não se importando a quem irá prejudicar, écada um para si. Como se a felicidade se compra e sendo o melhor em tudo, será feliz. Quebobagem a felicidade existe nas coisas simples da vida, no saber que é possível buscar e teralmejado sem prejudicar ninguém. Isso é ser educado. A preparação para a vida, a formação de pessoas, a construção do ser sãoresponsabilidades da família. É essa a célula mãe da sociedade, em que os conflitosnecessários não destroem um ambiente saudável. Nem a indiferença, nem o amor exagerado,opressor; a grande conquista é o equilíbrio, a serenidade, o bom senso, o respeito entre todos.A vida em grupo poderá ser de estrema riqueza para o crescimento e o amadurecimento decada um. A família é o porto seguro, é nela que encontraremos o ruma da vida. Diversidade hoje é uma palavra muito usada em situação escolar. Especialmente naescola pública, existe alunos de diferentes credos religiosos, cor, raça, pluralidade cultural. Atolerância e o respeito pelo diferente são fundamentais e vivenciadas a todo o momento, todossomos diferentes, cada um com seu jeito de ser e suas especialidades, porém todos sãoimportantes e acima de tudo seres humanos que tem sentimentos e precisam respeitar e serem*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  6. 6. respeitados na mesma medida para não colocar em risco o caráter e a dignidade da pessoa,uma vez que por mais arredio que aparenta ser um individuo, ele necessita de afeto ecompreensão para que possa viver com dignidade de cidadão. A educação enfrenta hoje, no Brasil, um momento difícil. Falar em qualidade naeducação passou a ser uma expressão vazia de sentido. Os obstáculos encontrados para a alfabetização do direito de todos a educação é oabismo existente entre as palavras, o discurso, os fatos e as atitudes. Se um sistemaeducacional pretende garantir esse direito, o primeiro passo deve ser sempre praticá-lo. Épreciso um compromisso social de torná-lo realidade, seu cumprimento se da no dia a dia, emnossas maneiras de agir e de conquistar espaços democráticos, em que a vida pessoal ecoletiva se expressa plenamente na liberdade, na solidariedade e na participação cidadã. A educação é o ponto em que decidimos se amamos o mundo o bastante para assumir a responsabilidade por ele e, com tal gesto, salvá-lo da ruína que seria inevitável, não fosse a renovação dos pequenos e dos jovens. A educação é, também, onde decidimos se amamos nossas crianças o bastante para não expulsá-las do nosso mundo e abandoná-las a seus próprios recursos, tampouco arrancar de suas mãos a oportunidade de aprender em algo novo e imprevisto para nós, preparando-as, em vez disso, com antecedência para a tarefa de renovar um mundo comum. (HANNAH ARENDT) . As ações educacionais interagem com uma infinidade de situações que determinam emovimentam-se na composição de uma dada realidade. Existe no momento um mundocompletamente diferente daquele que conhecemos na nossa infância, onde a boa educação sefazia mais presente. O tempo dedicado a essa tarefa também era maior e sem tantasinterferências que existem hoje e que deixa pais e ao mesmo tempo professores perdidos,tentando achar uma saída para melhorar a função de educadores para dar conta de interpretar ecompreender os motivos da falta de educação de algumas pessoas para poder interferir demaneira positiva, influenciando e melhorando a qualidade de vida. Amar a vida é acima detudo uma conseqüência de uma educação de qualidade. Só se ama aquilo que se conhece ededicando afeto também podemos melhorar a educação. A educação especial traz a realidade da inclusão escolar que inclui o aluno comnecessidades educacionais especiais em escolas comuns. A experiência da diferença precisaser vivida nas escolas, para que se exercite o equilíbrio entre os processos educativos e sepossa vencer os desafios da escola inclusiva de fato que respeitem todas as diferençasexistentes. Sendo essas uma forma de enriquecimento do conhecimento e respeito a dignidadedo ser humano em todas as suas especificidades, contribuindo na vida de todo cidadão.*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  7. 7. Quando existe o respeito e o reconhecimento de que todos tem sua potencialidade basta que seproporcione as competências necessárias para exercer a cidadania. As propostas educacionais inclusivas exigem uma atenção constante dos professorespara que não seja ferido o direito humano e indisponível de todos os alunos ao ensino escolarcomum. Um direito que envolve uma reorganização pedagógica nas escolas. Esse é umdesafio a todos os educadores. Buscar conhecimento necessário para dar atendimento dequalidade a esses educandos, de forma a possibilitar o acesso e a permanência dos portadoresde deficiência nas escolas comuns. Uma ação que deve marcar as políticas públicas de educação é a formação dosprofissionais de educação para trabalhar com o atendimento do aluno com necessidadeseducacionais especiais no sistema regular de ensino. Conforme a LDB/96. Nessa perspectivaa formação continuada do professor também deve ser um compromisso dos sistemas deensino comprometidos com a qualidade do ensino. A inclusão é uma inovação que implica um esforço de modernização e de reestruturação das condições atuais da maioria de nossas escolas, ao assumirem que as (diferenças) dificuldades dos alunos não são apenas deles, mas resultam, em grande parte, do mundo como o ensino é ministrado e de como a aprendizagem é concebida e avaliada. (MONTOAN, 2003, pg 57). O objetivo da escola não é levar todos os alunos a um nível de desenvolvimentopadrão. Os alunos não podem sofrer as conseqüências da reprovação. Por mais que se tenhasido imposta a idéia de homogeneização das turmas, o que as move é a heterogeneidade, amultiplicidade e a complexidade. Considerar as diferenças intelectuais é trabalhar a favor daemancipação dos alunos. É preciso que se organize o currículo levando em consideração acriação, a multidimencionalidade da condição humana, considerando o saber local e odesempenho de cada um dentro de suas limitações. Temos o direito a sermos iguais quando a diferença nos inferioriza, temos o direito a sermos diferentes quando a igualdade nos descaracteriza. (SANTOS, 1995). Ver na inclusão uma inovação na educação e buscar caminhar para tornar possível oacesso e permanência de alunos inclusos, é sentir que a possibilidade de contribuir com todosde maneira significativa faz a diferença em todos os sentidos, inclusive o de superar aspráticas pedagógicas que discriminam, segregam e excluem por práticas educativas detransformação social, solidariedade e cidadania. É preciso ter competência para respondercom qualidade as necessidades educacionais especiais.*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  8. 8. O ato de educar não pode ser visto apenas como depositar informações nem transmitirconhecimento. Esse ato só se concretiza com carinho e amor. O respeito a história de cadaum, a troca de experiências, a motivação entre querer ensinar e se permitir aprender.Complicado se torna o educador que já não acredita na capacidade de educar, que nãoconsidera as diferenças de cada um. Aquele que não acredita na sua intervenção para a amelhoria da humanidade, é dominado pelo pessimismo. É valido ressaltar que todos tem acapacidade de educar com qualidade, basta querer e buscar sempre o melhor caminho e nãoesmorecer nunca diante dos fracassos. Lembrando cada vez que se erra e se reconhece ouretoma a caminhada, se conhece melhor a jornada e há como evitar alguns obstáculos,tornando-a mais pratica e aumentando a possibilidade de acertos. Dizia o escritor francês Vitor Hugo (1802 -1885) que “Deus abençoa não aquele queacha, mas aquele que procura”. E procurar significa ter boas intenções. Procurar sempre amelhor forma de conduzir a educação. Não esquecendo de muitos pensadores que buscaramentender as razões de acontecimentos, fatos e comportamento de seres vivos, bem como demuito mais e até mesmo a própria existência. Esses não desistiram nunca, e suas idéias eexemplos continuam fortalecendo nossa própria existência e também motivando a todos quetem interesse a buscar o conhecimento para poder somar as suas idéias e contribuir comcompetência no mundo em que vive. Garra, paixão, entusiasmo. Eis as marcas da juventude. Fazer bem feito e sem medo. Colocar toda a força a serviço de grandes e pequenas causas. Construir um mundo mais solidário, mais fraterno. A garra que se espera do atleta ou do sambista, ou do músico, espera- se também do estudante, aquele que lê, que escreve, que produz. A beleza está em viver intensamente cada momento como se fosse único. (CHALITA, Educação a solução está no afeto, pag. 38 e 39). Atualmente as preocupações com as questões ambientais, vem sendo pauta de váriosestudos, eventos e assuntos diários nas classes escolares. O mundo está vivendo um momentomuito especial no que diz respeito ao meio ambiente. As atenções estão voltadas para ostransgênicos, o desmatamento, os incêndios florestais, a biodiversidade, relacionadas aosacontecimentos climáticos trágicos que vem acontecendo. Constatando-se que o meio ambiente se modifica para melhor ou para pior,dependendo do tipo de intervenção que o homem realiza sobre ele, a educação ambiental deveser vista como estratégia a fim de garantir ações eficazes na relação homem/natureza. Essaeducação vai alem dos limites da escola formal. Ela deve sensibilizar a todos sem restriçõeshavendo parcerias entre escola e comunidade. Proporcionar aos educandos experiências com anatureza, para que possam relacionar os acontecimentos ruins com a utilização inadequada*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  9. 9. que o homem faz do uso dos recursos naturais. Isso só é possível quando desenvolve-sesentimento de amor e preocupação com a vida na terra. Como dizia a escritora norte-americana Hellen Keller, deficiente física e auditivadesde os 19 meses de idade: “Sendo cega permito-me dar um conselho aqueles que podem ver. Procurem olhar para todas as coisas como se fossem ficar cegos amanhã. O mesmo para os cinco sentidos. Ouçam a melodia das vozes, o canto dos pássaros, os sons poderosos de uma orquestra, como se fossem ficar surdos. Apalpem os objetos, como se o sentido do tato lhes fosse faltar. Respirem o perfume das flores, e apreciem o sabor dos alimentos, como se amanhã fosse perder para sempre o paladar e o olfato”. Essa citação é forma de refletir sobre a necessidade da valorização das “pequenas”,porém fundamentais coisas existentes e que não se da conta do quanto existe o desperdício e avalorização de ter em detrimento do ser.isso esta cada vez mais deteriorando o meio ambientee em conseqüência toda geração sofre. Nesse sentido o conhecimento e a educação se fazemprimordial para uma convivência harmoniosa entre home/natureza e homens entre si, devido apreocupação com o ter que torna o individuo submisso e ganancioso esquecendo na maioriadas vezes de valorizar as pequenas coisas da vida que se fazem grandes diante da utilidadeque tem e que não é reconhecida. A educação vem no sentido de formar cidadãos emancipados, críticos e capazes deintervir para uma melhor qualidade de vida. Nessa perspectiva somam-se os valores e oconhecimento como bases estratégicas que conduzem o caminho direcionando para a soluçãode muitos problemas ao mesmo tempo prevenindo problemas futuros que poderão acontecer senão houver a sensibilização começada na base ou no berço como queira que seja. É dessa baseque depende toda a existência humana. O futuro da humanidade esta em jogo e é preciso quese jogue com competência e consciência para que todos saiam ganhando. Esse todo se refere anós e exclusivamente ao meio ambiente do qual fazemos parte. “Os problemas pelos quais passam os sistemas de ensino no país são grandes, mas há muitas possibilidades de se quebrarem paradigmas e de se construir um outro conceito de educação, de forma a assegurar, por meio de ações simples, resultados concretos e positivos. São pequenos gestos que provocam as mudanças, e a intervenção de cada um de nós, mesmo que numa tímida esfera de atuação, produz resultados alentadores”. (CHALITA, 2008) No decorrer da formação pedagógica o acadêmico vivenciou várias experiênciaspráticas no momento da aplicação das teorias estudadas através dos estágios curriculares.Comparou a teoria com a prática e teve a oportunidade de ampliar o conhecimentorelacionando-o com as observações e a aplicabilidade, vivenciou a profissão escolhida,*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  10. 10. analisando os pontos positivos e negativos, buscando estratégias para melhorar sempre. Comodisse Chalita: “ações simples podem fazer a diferença”. O estágio curricular tem o objetivo de assegurar aos futuros profissionais da educaçãoa aquisição de experiências em ambientes escolares que ampliem e fortaleçam atitudes éticas,conhecimentos e competências em várias modalidades que vai desde a educação infantil,ensino fundamental, EJA, até a participação em planejamentos, avaliações e reuniões decunho pedagógico. Para que assim possa refletir sua atuação quando estiver executando aprofissão. Lembrando que é preciso que se faça a diferença, e todos podem dar sua parcela decontribuição, para um mundo mais justo e digno que é de merecimento daquele que seempenha na realização profissional, pessoal e visando que o fazer pedagógico é um trabalhocarregado de sentido em termos gerais e principalmente educacional. Os atos implicam em ação prática e teórica. Nesse sentido que o educador deve semprerefletir suas ações, pois para muitos educandos ele é visto como modelo. Então é necessárioque o pedagogo proporcione bons exemplos através de sua prática diária. Levar a sério aliberdade de planejar e a responsabilidade de agir buscando a coerência entre o planopedagógico e a prática das vivências. A educação oferece elementos de libertação assimiladoscom o passar dos anos. O autor da ULBRA, OTÁVIO JOSÉ WEBER comenta no livro( Ética, educação e trabalho pag. 71). O bem e o mal precisam ser pensados e analisados. Fazem parte da vida. Na educação é importante que os professores tenham um entendimento do bem e do mal, não como algo negativo, mas como uma potencialidade da aprendizagem. A educação é um momento e ético para desenvolver a potencialidade do bem, do certo e da verdade. Elabore um agir com sabedoria. O bem se expressa na verdade. Aprender a conviver com as pessoas, a educação e a ética devem estar presentes emtodos os momentos e ambientes da vida, o professor também é um produto da educação querecebeu de outros. Através das falhas que vivenciou de seus educadores, ele também podeaprender com a experiência e procurar não repetir as mesmas falhas do passado na geraçãopresente, lembrando que o amor é essencial no ato de educar. Como diz Paulo Freire: Mas é preciso, que, permanecendo e amorosamente cumprindo o seu dever, não deixe de lutar politicamente, por seus direitos e pelo respeito a dignidade de sua tarefa, assim como pelo zelo devido ao espaço pedagógico em que atua com seus alunos. (FREIRE, Pedagogia da autonomia, pag. 142) Cidadão emancipado é aquele que através da educação que possui, compreende epratica seus deveres e conhecendo seus direitos sabe lutar por eles de forma consciente.Através de argumentos consistentes não se deixa dominar por idéias submissas que tornam o*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  11. 11. ser passivo. Torna-se crítico construtivo, capaz de transformar situações de injustiça queocorrem na humanidade em soluções que contribuem para uma melhor qualidade de vida,abominando todo o tipo de exploração do ser humano. A educação acontece quando é possível transmitir ensinamentos e valores, englobandoos processos de ensinar e aprender. O essencial é a perspectiva, o modo e a relação do que fazcom a forma de prosseguir com critério na nobre arte de educar, não esquecer que a moral e aética devem estar presentes em todas as situações e especialmente nas relações interpessoaisvivenciadas em todos os ambientes. A prioridade da política educacional deve ser a melhoria na qualidade de ensino, poisa educação é o fator maia importante para avançar no crescimento econômico. E a melhorianessa qualidade deve vir acompanhada de valorização do profissional da educação redução donumero de alunos em sala de aula, boa preparação profissional, melhorar a infra-estruturaescolar, essas entre outras variáveis se observa a necessidade no cotidiano das instituições deensino. É difícil a tarefa do professor de formar seres autônomos e críticos capazes de lutarpelos seus direitos, quando de fato o próprio educador não está sabendo exigir seus direitos, epercebe outros profissionais que ele contribuiu na formação ganhando até dez vezes mais queo educador. É necessário que haja coerência entre a teoria e a prática para acontecer averdadeira evolução educacional. É preciso também criar ambientes favoráveis ás manifestações diante dasnecessidades de buscar uma melhor qualidade no que se refere às práticas educativas,oportunizando (a todos) os educandos o desenvolvimento de habilidades e competênciasfundamentais no processo de transformação da realidade. Formar seres críticos,argumentativos, enfim cidadãos competentes e criativos em prol de um mundo melhor. O ensino superior oferece oportunidades para os profissionais estudarem, refletiremcomparando a teoria com a prática. Através dos estudos o educador passa a ser mais crítico eargumentativo em busca de soluções para situações que ele considera de injustiça. Portanto oconhecimento ainda é o melhor caminho para encontrar a educação através dela adquirirestratégias para melhorias em todos os sentidos, seja na vida particular, profissional, nosmomentos de lazer, na saúde, entre outros, sendo que todos estão relacionados, e obtêm-sebom resultado de um em conseqüência do outro e assim sucessivamente. Para inovar a educação é necessário também que o educador saiba fazer uso dastecnologias que estão a seu dispor. Uma vez que as informações e transformações acontecemde forma tão rápida, dificultando o processo de acompanhamento. Por isso tem que haver*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  12. 12. mais tempo disponível para o professor se preparar para a utilização desses meios decomunicação. Esse tempo disponível citado, deve também ser remunerado para que realmenteo professor se dedique a essa aprendizagem e possa repassar o que aprendeu. No livro Tecnologias da informação e da comunicação na educação traz essaabordagem: “O professor deve estar atualizado e, conscientemente, optar por quais tecnologias utilizar nos projetos educativos, compreendendo o conhecimento cada vez mais como um processo continuo de colaboração construtiva, do qual ele é orientador. Com alunos motivados e ativos, os resultados da aprendizagem tendem a ser mais duradouros”. (ULBRA pag. 35) O ser humano alcança dignidade quando consegue através de seu conhecimentoaplicado melhorar a qualidade de vida, executando seus deveres e exigindo os direitos que édo seu merecimento. Os parâmetros curriculares nacionais tem tido grande repercussão nas idéias e naspráticas dos professores pelo país a fora, criando espaços de reflexão sobre as própriaspraticas. Mas as mudanças são lentas quando assumidas pelos educadores e pelas instituiçõescomo um todo. Paulo Freire diz: È preciso uma metodologia que tenha dialogo com sua essência, e que peça ao educador uma postura crítica de problematização constante, de distanciamento, de estar na ação; uma metodologia de trabalho que aponte na direção da participação, na discussão do coletivo e que, por isso exija uma certa disponibilidade de cada individuo. (S. Paulo, SME. Tema Gerador e a construção do Programa, 1991: 8) Muitas ferramentas hoje estão disponíveis para mudar o modo como se trabalha econsequentemente como se vive, pois é preciso gostar daquilo que se faz e fazer com amor.Porém como já foi citado é preciso tempo e persistência para se preparar na tarefa de utilizarcom competência esses meios. Essa competência é adquirida através do erro e do acerto e doequilíbrio entre conhecimento, educação e dignidade, os quais devem andar juntos, quando setrata de alternativas políticas sociais e educacionais. A qualidade do processo educativo é conquistada por vários meios e propostas cominúmeros exemplos dependendo das condições físicas, psicológicas, ambientais e sociais emque se insere o sujeito. O processo educativo é parte principal na emancipação do cidadão. Através da suaqualidade proporciona ao individuo a possibilidade de se libertar das dominações que o tornaescravo. Como defendia Paulo Freire: “A instrumentalização da educação para resolver a*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  13. 13. problemática da libertação das pessoas concretamente em suas vidas desumanizadas pelaopressão, e dominação social”. Na busca pela emancipação é preciso desenvolver o potencial criativo, pensar idéiasconsistentes, propor soluções inovadoras, enfim conquistar seu lugar no mundo para podertransformá-lo. As leis da educação estão voltadas para a transformação social. O próprio Projetopolítico Pedagógico da escola tem essa proposta, bem como o currículo é de acordo com aspráticas inovadoras, deixando inclusive espaço para que o professor através de sua autonomiaelabore a prática de acordo com sua concepção. Lembrando ainda a filosofia da escola que éformar cidadãos críticos, conscientes capazes de intervir na sociedade visando transformação. A proposta metodológica do projeto de trabalho aborda exatamente a questão depossibilitar ao educando ser crítico e construtivo que saiba buscar seus conhecimentos comoforma de poder intervir nas transformações sociais. As políticas públicas demonstram a preocupação com a temática. Os cursos superiorespara a formação de profissionais da educação oferecem oportunidades de conhecimento paraque através desse, o educador cumpra seus deveres e saiba lutar pelos seus direitos. Porém énecessário muito empenho, dedicação e responsabilidade no ato de conhecer, sendo assim aformação fará com que seja competente o suficiente para adaptar a teoria na prática.Lembrando que deve sempre estar aprendendo, pois nunca se sabe tudo a ponto de seacomodar. As mudanças estão sempre ocorrendo e quem não se atualizar perde o foco econsequentemente torna seu trabalho sem significado. O trabalho através de projeto faz com que o professor seja um orientador daaprendizagem, ao mesmo tempo em que também amplia o nível do seu conhecimento. Aoaluno, compete ir em busca e participar de todas as etapas do processo, desde o planejamentoaté a avaliação, permitindo ao aluno demonstrar suas potencialidades. Esse método instiga emotiva, tanto o educador quanto o educando ambos se envolvem ativamente na elaboração edemonstração dos resultados. É nesse sentido que acredita-se na educação como forma deemancipar cidadãos, esse talvez seja o caminho que lentamente vai tornando o sonho possívelde ser concretizado.4. CONCLUSÃO Realizar esse trabalho foi difícil, mas de extremo significado, pois relatar sobre essetema tão complexo e ao mesmo tempo útil e necessário, presente na vida de todos.*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  14. 14. Assunto este prioritário de governos, organismos internacionais e organizações dasociedade, por ser a educação a única alternativa política e social que possibilita ao paísencontrar o sentido de sua grandeza, proporcionando ao povo trabalhador a dignidademerecida. O estudo dos referenciais teóricos para a realização deste trabalho, aprofundou emmuito o conhecimento, bem como mudou a idéia que persistia sobre educação, visto que elafaz parte de toda a humanidade e não é adquirida apenas nos bancos escolares como a maioriapensa. É nesse sentido que se vê a importância do ato de educar na base, onde está a famíliaque contribuiu no desenvolvimento de comportamentos da criança. Portanto a educação é tida como ponto de partida e como muita a trilhada em direção aum mundo mais justo e fraterno. Através da educação se encontra o verdadeiro sentido deestar neste mundo. Preservar o meio ambiente também é condição necessária quando existepreocupação com as futuras gerações as quais dependem muito da nossa educação ambientalsendo que os atos inadequados que contribuem para a degradação ambiental,consequentemente quem vai sentir em maior profundidade serão as gerações futuras. O referido artigo abordou a responsabilidade que educadores (pais, professores, etc)tem frente ao seu papel no sentido de proporcionar aqueles que fazem parte do cotidiano, umaeducação de qualidade, como forma de emancipação do cidadão, tornando-o capaz deinteragir com autonomia e responsabilidade visando o bem de toda a sociedade e por que nãoo país ou o mundo, depende da dimensão de sua capacidade. No sentido de que todos tempotencialidades, basta que a educação lhes mostre o caminho.5. REFERÊNCIASALVES, Rubem. Navegando. Campinas: Papirus, 2000.CHALITA, Gabriel. Educação: a solução está no afeto. São Paulo – Editora Gente, 2002.FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia – Saberes necessários à prática Educativa – EditoraPaz e Terra – Coleção leitura.HERNANDEZ, Fernando. Transgressão e mudanças na Educação. Porto Alegre: ArtesMédicas, 1998.*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.
  15. 15. MONTOAN, Maria Tereza Eglér e Prieto, Rosangela Gavioli. Inclusão escolar – Summuseditorial – FNDE – MEC.MACHADO, Rosangela. Educação Especial na Escola Inclusiva. Políticas, Paradigmas ePráticas. Editora Cortez.*Artigo apresentado na Disciplina de Estágio Curricular IV ao Curso de Graduação em Pedagogia – EAD daUniversidade Luterana do Brasil, como requisito parcial para conclusão de Curso.

×