Pr. Paulo MoralPr. Paulo Moral
No domingo passado, na mensagem,
fiz uma afirmação:
“A nossa fidelidade não nos faz
merecedores de nenhuma benção de
Deus. Se pensarmos que sim, isso seria um
pecado tão noje...
É errado pensar que nossa fidelidade nos
faz merecedores de alguma benção.
Quando isso acontece é porque estamos
confundin...
Vou explicar:
1- Quando sou fiel orando todos os dias, ou
dizimando fielmente, ou freqüentando
fielmente todos os cultos e...
2- Quando sou fiel nos dízimos, por que o sou?
Qual a minha motivação para dizimar?
Qual o propósito que tenho em dizimar?...
Segundo Ml 3:10-12, a benção é
conseqüência dessa fidelidade.
- O propósito não é a benção pessoal, e sim a
gratidão a Deu...
3- O exemplo de Caim e Abel em Gn 4:1-7
-Caim ofertou por obrigação, não foram as
primícias, sem fé – não foi aceito.
- Ab...
4- O exemplo da viúva pobre – Mc 12:41-44
A viuva deu dois leptons equivalente a um
quadrante, que é = a R$ 0,40
4- O exemplo da viúva pobre – Mc 12:41-44
-Os ricos – Do que sobra. Isso não é culto, não
é gratidão, é exibição.
4- O exemplo da viúva pobre – Mc 12:41-44
- A viúva – Deu mais. Deus olha o coração, a
motivação. Quem dá tudo que possui ...
5- O ensino de Paulo sobre o se apropriar das
promessas em 2Co 1:20.
- O cumprimento de todas as promessas de
Deus está em...
-Por nossa fidelidade a Deus não recebemos o
direito da benção, no entanto;
-Quando nosso coração e nossos olhos estão
em ...
Em resumo:
1- A diferença entre direito e promessa.
Nossa fidelidade não nos dá o direito às bênçãos.
Nossa fidelidade, qu...
2- A diferença entre propósito e conseqüência.
Quando nossa fidelidade tem o propósito de
sermos abençoados, corrompemos o...
3- Quanto às bênçãos.
ERRAMOS quando buscamos as bênçãos de
Deus, através de atos de fidelidade, pensando
que esses atos d...
3- Quanto às bênçãos.
ACERTAMOS quando buscamos mais o abençoador
do que as bênçãos, quando o amor a Deus nos leva
à fidel...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Série Gerar: igreja - O Povo da Promessa e da Graça - 15 mar15 - dvs textos

289 visualizações

Publicada em

Mensagem de Pr. Paulo Moral pregada na INACP. Tema: Igreja - O Povo da Promessa e da Graça.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
289
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Série Gerar: igreja - O Povo da Promessa e da Graça - 15 mar15 - dvs textos

  1. 1. Pr. Paulo MoralPr. Paulo Moral
  2. 2. No domingo passado, na mensagem, fiz uma afirmação:
  3. 3. “A nossa fidelidade não nos faz merecedores de nenhuma benção de Deus. Se pensarmos que sim, isso seria um pecado tão nojento quanto à idolatria, pois estaríamos anulando o sacrifício e os méritos de Cristo na Cruz do Calvário, ao pensar que algum ato de fidelidade de nossa parte nos faria merecedores ou termos direito a alguma benção divina”.
  4. 4. É errado pensar que nossa fidelidade nos faz merecedores de alguma benção. Quando isso acontece é porque estamos confundindo DIREITO com PROMESSA ou PROPÓSITO com CONSEQUÊNCIA.
  5. 5. Vou explicar: 1- Quando sou fiel orando todos os dias, ou dizimando fielmente, ou freqüentando fielmente todos os cultos e reuniões; -Isso me dá direito de ser abençoado? Não. -Sou abençoado por essa fidelidade? Sim. Por causa das promessas, baseadas no amor, bondade e misericórdia de Deus e nos méritos de Jesus.
  6. 6. 2- Quando sou fiel nos dízimos, por que o sou? Qual a minha motivação para dizimar? Qual o propósito que tenho em dizimar? - Veja o texto de Ml 3:10-12
  7. 7. Segundo Ml 3:10-12, a benção é conseqüência dessa fidelidade. - O propósito não é a benção pessoal, e sim a gratidão a Deus por tudo que nos dá e a provisão da Casa de Deus. - Se dizimarmos para sermos abençoados, corrompemos nosso coração, pois as bênçãos são conseqüência e não propósito.
  8. 8. 3- O exemplo de Caim e Abel em Gn 4:1-7 -Caim ofertou por obrigação, não foram as primícias, sem fé – não foi aceito. - Abel ofertou as primícias, por fé (Hb 11:4) – foi aceito.
  9. 9. 4- O exemplo da viúva pobre – Mc 12:41-44 A viuva deu dois leptons equivalente a um quadrante, que é = a R$ 0,40
  10. 10. 4- O exemplo da viúva pobre – Mc 12:41-44 -Os ricos – Do que sobra. Isso não é culto, não é gratidão, é exibição.
  11. 11. 4- O exemplo da viúva pobre – Mc 12:41-44 - A viúva – Deu mais. Deus olha o coração, a motivação. Quem dá tudo que possui está com o coração e os olhos em Deus. - O que há no coração da viúva é culto, sacrifício agradável a Deus. Seus olhos estão em Deus.
  12. 12. 5- O ensino de Paulo sobre o se apropriar das promessas em 2Co 1:20. - O cumprimento de todas as promessas de Deus está em Jesus. - É preciso estar Nele para nos apropriarmos das promessas. - Estando Nele, em Jesus, pelos méritos Dele somos agraciados pelas promessas de Deus. = Não confundir promessa com direito.
  13. 13. -Por nossa fidelidade a Deus não recebemos o direito da benção, no entanto; -Quando nosso coração e nossos olhos estão em Jesus, somos abençoados por todas as promessas de Deus, por causa de Jesus. - O segredo é estar em Jesus, andar com Ele e obedecê-LO. - Dt 28:1,2
  14. 14. Em resumo: 1- A diferença entre direito e promessa. Nossa fidelidade não nos dá o direito às bênçãos. Nossa fidelidade, quando nossos olhos e coração estão voltados para Deus com gratidão e dependência, com o fim de glorificar a Deus, aí então nos encontramos em Jesus e, por isso, estando em Cristo somos abençoados por todas as promessas de Deus.
  15. 15. 2- A diferença entre propósito e conseqüência. Quando nossa fidelidade tem o propósito de sermos abençoados, corrompemos o coração e ofendemos a graça de Deus. Quando somos fieis a Deus por gratidão, amor e plena consciência de dependência, a conseqüência será a benção.
  16. 16. 3- Quanto às bênçãos. ERRAMOS quando buscamos as bênçãos de Deus, através de atos de fidelidade, pensando que esses atos de fidelidade nos farão merecedores das bênçãos.
  17. 17. 3- Quanto às bênçãos. ACERTAMOS quando buscamos mais o abençoador do que as bênçãos, quando o amor a Deus nos leva à fidelidade, quando temos a consciência de que precisamos de Deus e de suas bênçãos, que elas são resultado da graça de Deus, que não as merecemos, que as encontramos em Jesus, que estando em Jesus seremos alcançados pelas bênçãos, pois em Jesus está o SIM para cada promessa de benção.

×