Sociedade em Rede

0 visualizações

Publicada em

Apresentação de Ana M. e Michelli S. sobre a Sociedade em Rede - McLuhan e Castells

Publicada em: Educação, Negócios, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
0
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
141
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sociedade em Rede

  1. 1. Sociedade em Rede – começo, meio e... Ana M. e Michelli Sasaki
  2. 2. Marshall McLuhan <ul><li>Nasceu em 21 de julho de 1911 </li></ul><ul><li>Filósofo e educador canadense </li></ul><ul><li>Se formou em Literatura Inglesa Moderna </li></ul><ul><li>Ensinou na Universidade de Wisconsin, entre 1936 e 1937 </li></ul><ul><li>Fez o mestrado em Cambridge, em 1939 </li></ul><ul><li>Fez doutorado em filosofia, em 1943 </li></ul><ul><li>Entre 1944 e 1946, foi professor de literatura em três universidades nos Estados Unidos, e na Universidade de Toronto, entre 1946 e 1979. </li></ul><ul><li>Faleceu em 31 de dezembro de 1980 </li></ul>
  3. 3. Principais obras 1952 - A noiva mecânica: folclore do homem industrial 1962 - A Galáxia de Gutenberg: a formação do homem tipografico 1964 - Os meios de comunicação como extensões do homem 1967 - O meio são as massagens 1968 - Guerra e Paz na Aldeia Global 1970 - Do Clichê ao Arquétipo
  4. 4. Contexto <ul><li>anos 60 </li></ul><ul><li>a guerra fria não havia acabado </li></ul><ul><li>o homem desce na lua </li></ul><ul><li>a guerra do Vietnã está no auge </li></ul><ul><li>os Beatles estão prestes a declarar “o sonho acabou” </li></ul>
  5. 5. “ Eu não explico, eu exploro” <ul><li>A partir dos anos 60, alguns autores procuraram abordar, sob um novo ângulo, o fenômeno da comunicação de massa. </li></ul><ul><li>McLuhan se propunha a estudar o presente e não o passado. </li></ul><ul><li>Não se baseava em dados e pesquisas passadas para comprovar suas hipóteses. </li></ul><ul><li>Os trabalhos de McLuhan se incluem no gênero ‘ensaios’ </li></ul><ul><li>Dedicou sua vida acadêmica a pesquisar a influência da eletricidade nas formas de comunicação, seu impacto nas relações humanas </li></ul>
  6. 6. “ A descent into the Maelström”, Allan Poe http://vimeo.com/23890132
  7. 7. Principais ideias <ul><li>McLuhan, rompendo com a galáxia de Gutenberg, propõe-se interpretar a História Contemporânea a partir dos meios de comunicação de massa. </li></ul><ul><li>Não via com bons olhos a apropriação cognitiva das mídias de massa </li></ul><ul><li>Foi o primeiro a dividir esses meios em dois grupos: os quentes e os frios </li></ul>
  8. 8. Principais ideias <ul><li>As três galáxias </li></ul><ul><li>cultura oral ou acústica </li></ul><ul><li>cultura tipográfica </li></ul><ul><li>cultura eletrônica </li></ul>
  9. 9. Principais ideias “ como extensões de nosso próprio corpo, de nossas próprias faculdades, quer se trate das roupas, habitação, quer se trate dos tipos mais familiares de tecnologias, como as rodas, os estribos, que são extensões de várias partes do corpo. A necessidade de amplificar as capacidades humanas para lidar com vários ambientes dá lugar a essas extensões tanto de ferramentas quanto de mobiliário. Essas amplificações de nossas capacidades, espécies de deificações do homem, eu as defino como tecnologias.” Os meios de comunicação como extensões do homem
  10. 10. Principais ideias O meio é a mensagem “ a recepção de uma mesma mensagem por diferentes sistemas não é garantia de mesmos significados”.
  11. 11. Principais ideias &quot;a nova interdependência eletrônica cria o mundo à imagem de uma aldeia global&quot; Aldeia global
  12. 12. McLuhan hoje <ul><li>O pensamento de Marshall McLuhan continua a ser muito importante para o estudo da comunicação </li></ul><ul><li>Ninguém previu o advento da internet de modo tão enfático quanto McLuhan </li></ul><ul><li>“ O nosso é um mundo inteiramente novo de simultaneidade. O ‘tempo’ cessou, o ‘espaço’ sumiu. Vivemos agora numa aldeia global... um acontecer simultâneo. Estamos de volta ao espaço acústico. Recomeçamos a estruturar o sentimento primordial, as emoções tribais das quais fomos separados por alguns séculos de comunicação escrita” </li></ul>
  13. 13. Mcluhan na educação “ Ou aluno está engajado na aprendizagem ou não há ensino possível. Não basta, como supõem os devotos da comunicação de massa, saturar o ambiente de informação: se o aluno não estiver mobilizado para recebe-la é como se a informação não existisse. Um banquete não estimula o apetite se o indivíduo não estiver com fome.” (OLIVEIRA LIMA, 1985:36)
  14. 14. Manuel Castells O sociólogo Manuel Castells, nasceu em Hellín, na Espanha em 1942. É professor emérito da Universidade de Berkeley na Califórnia e diretor do Internet Interdisciplinary Institute na UOC em Barcelona. Dedicou grande parte de seu trabalho estudando a sociedade de informação, analisando seus aspectos econômicos, sociais e culturais que vem transformando o mundo.
  15. 15. Principais obras 1996 – A Sociedade em Rede (Parte I da trilogia: “A era da informação”) 1997 – O Poder da Identidade (Parte II da trilogia: “A era da informação) 1998 – Fim de Milênio (Parte III da trilogia: “A era da informação”) 2001 – A Galáxia da internet 2009 – Communication Power
  16. 16. ‘’ Internet é muito mais que uma tecnologia. É um meio de comunicação, de interação e de organização social.’’ <ul><li>Castells dedica sua vida acadêmica à pesquisa do papel das novas tecnologias de informação, comunicação e interação social. </li></ul><ul><li>Na década de 70, apoiado num discurso marxista, enfatizou o papel dos movimentos sociais na transformação da paisagem urbana. </li></ul><ul><li>Com a introdução do conceito de “Consumo Coletivo” e o abandono das estruturas marxistas que sustentava, ele tentou justificar o papel das novas tecnologias de informação e comunicação em meio a reestruturação econômica. </li></ul><ul><li>Utiliza as teorias de McLuhan, que explicam o por quê da grande aceitação da televisão como mídia de massa: “lei do mínimo esforço” e “impacto social binário”. </li></ul><ul><li>Era da Internet: os problemas observados não são causados pela internet em si, mas pela INFO-EXCLUSÃO. Todos precisam ter acesso a internet para que uma “Sociedade em rede” (que inclui possibilidade de participação e interação democrática, entre governos e cidadãos, concretizando as premissas da famigerada Internet. (http://youpix.com.br/colunistas/o-muro-e-a-internet/) </li></ul>
  17. 17. ‘’ Internet é muito mais que uma tecnologia. É um meio de comunicação, de interação e de organização social.’’ <ul><li>Privacidade e liberdade na internet : Termos conflitantes no âmbito do ciberespaço. Redefinição do conceito de privacidade no âmbito da internet: NÃO EXISTE. Ex.: As pessoas se sentem muito mais confortáveis para postar comentários ofensivos anônimamente. </li></ul>
  18. 18. ‘’ Internet é muito mais que uma tecnologia. É um meio de comunicação, de interação e de organização social.’’ <ul><li>Movimentos sociais e internet : “A internet não muda comportamentos, mas os comportamentos mudam a internet”. Esse modelo de pensamento dá embasamento teórico: a partir de tarefas concretas, a transmissão de idéias é rápida e a mobilização das pessoas é feita com grande facilidade. Ex.: Movimento Zapatista. </li></ul>http://enlacezapatista.ezln.org.mx/
  19. 19. ‘’ Internet é muito mais que uma tecnologia. É um meio de comunicação, de interação e de organização social.’’ <ul><li>Relações políticas e internet : mostra a grande necessidade de se estabelecer uma relação direta/próxima entre os cidadãos e o governo. Ex.: Campanha presidencial de Barack Obama. </li></ul>
  20. 20. ‘’ Internet é muito mais que uma tecnologia. É um meio de comunicação, de interação e de organização social.’’ <ul><li>Comunicação e poder : O poder é baseado no controle da comunicação e da informação. Ex.: Foursquare sendo banido e o Google saindo da China. </li></ul>http://www.youtube.com/watch?v=vXvccVB9QRY
  21. 21. ‘’ Internet é muito mais que uma tecnologia. É um meio de comunicação, de interação e de organização social.’’ <ul><li>O Estado e a internet : O poder tem medo da internet, pois esta não pode ser controlada. Alto grau de viralização de conteúdos, sem filtros para definir a qualidade e veracidade dessas informações. Ex.: Campanha para salvação dos Galvão Birds. #calaabocagalvao. </li></ul>http://www.youtube.com/watch?v=bdTadK9p14A
  22. 22. Referências CASTELLS, Manuel. A Era da Informação: economia, sociedade e cultura, vol. 3, São Paulo: Paz e terra, 1999 CASTELLS, Manuel. Fim de milênio. São Paulo: Paz e terra, V. 3, 1999. CASTELLS, Manuel. A Galáxia Internet: Reflexões sobre Internet, Negócios e Sociedade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004. CASTELLS, Manuel. O Poder da Identidade. Tradução Klauss Brandini Gerhardt. 2.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000. 530p. CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v. 1.MCLUHAN, Marshall. A Galáxia de Gutenberg. São Paulo: Cultrix, 1967. MCLUHAN, Marshall. Os Meios de Comunicação como Extensões do Homem. São. Paulo: Cultrix, 1979. MCLUHAN. Marshall, Os meios são as massa-gens, 2a. edição, Rio de Janeiro, Record, 1979, POMBO, Olga. O meio é a mensagem. In: Cadernos de História e Filosofia da Educação. Lisboa: Universidade de Lisboa, 1994. Disponível em: <http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/opombo/hfe/cadernos/mcluhan/estudo_mcl_olga.pdf>. Acesso em: 14 jun 2011

×