Conectando o “value chain” e o “supply chain”.
Armando Cavanha F. e Ronaldo M. L. Martins
Abstract
Uma das grandes lacunas...
Em seguida, devem ser observadas as atividades transversais,
aquelas que de formam similar perpassam por toda as funções
d...
Além dos processos verticais, os desdobramentos da sequência
produtiva e das camadas de fornecedores, para sistemas
comple...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Conectando o “value chain” e o “supply chain” Armando Cavanha F. (M.Sc.) & Ronaldo Martins (M.Sc.)

147 visualizações

Publicada em

Conectando o “value chain” e o “supply chain”
Armando Cavanha F. (M.Sc.) & Ronaldo Martins (M.Sc.)

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
147
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conectando o “value chain” e o “supply chain” Armando Cavanha F. (M.Sc.) & Ronaldo Martins (M.Sc.)

  1. 1. Conectando o “value chain” e o “supply chain”. Armando Cavanha F. e Ronaldo M. L. Martins Abstract Uma das grandes lacunas de um sistema produtivo e sua rede de fornecedores está na conexão ajustada destas duas funções. A cadeia de valor, “value chain”, se concentra na sequência de insumos, processos, produtos, perfazendo os negócios. A cadeia de suprimentos, conhecida como “supply chain”, caracteriza-se pelas diversas camadas de fornecedores, os de primeiro contato e os demais níveis, em uma organização complexa e dinâmica que necessita estar funcionando harmonicamente. Este estudo pretende discutir a conexão destas duas grandes sequências e traçar uma metodologia de conexão. Metodologia A essência desta forma de abordar um segmento da indústria é transformar as demandas da áreas superiores da cadeia em informação de fácil acesso aos demais elos da cadeia. O objetivo é permitir que os elos inferiores da cadeia possam interpretar as demandas e identificar suas competências individuais de forma a suprir estas necessidades. O olhar sobre a estrutura de funcionamento da atividade deve ser de tal natureza que possa descrevê-la de forma clara e inteligível mesmo por aqueles que não fazem parte dela. Descritas as principais atividades da indústria de referência, se desdobram na sequência, e verticalmente, as demais funções, para que seja mais fácil identificar cada uma delas e se permita a sua conexão com as capacidades e competências disponíveis nos elos inferiores da cadeia.
  2. 2. Em seguida, devem ser observadas as atividades transversais, aquelas que de formam similar perpassam por toda as funções descritas e organizadas verticalmente, mesmo que com características distintas em cada etapa. Esta forma de organizar o segmento industrial de referência busca desmistificar os conteúdos técnicos e os jargões que em muitos casos blindam a chegada de novos entrantes na cadeia de suprimento. Permite também identificar as lacunas de suprimento e a elaboração (e a implementação) de ações estruturantes para desenvolver (e resolver) os gaps identificados, sejam eles de natureza tecnológica, de conteúdo local ou comercial. Assim, poderão ser propostas e implementadas ações estruturantes nas atividades transversais, de forma a que melhorem a sua eficiência, sua eficácia e sua abrangência no segmento. A primeira etapa da metodologia consiste em se posicionar os 10 ou 15 processos mais importantes da sequência produtiva, ainda em uma visão macro, desde o início até o final do grande processo, da esquerda para a direita, como no exemplo a seguir: Uma vez feita esta primeira etapa, uma segunda sequência, derivada da primeira, deve desdobrar, obtendo-se 3 a 4 atividades para cada uma acima, anteriormente identificada. E assim por diante, até a terceira ou quarta camada de atividades da cadeia produtiva, caracterizando o conhecimento razoável dos processos e seus detalhes suficientes para a compreensão e discussão com desdobramentos. Após esta etapa, atrela-se a esta última camada da sequência produtiva a primeira camada de fornecedores, conhecidos como os fornecedores de primeiro contato. Para cada fornecedor de primeira camada, são atrelados os fornecedores de segunda camada, e assim por diante, até o nível suficiente para o objeto dos estudos.
  3. 3. Além dos processos verticais, os desdobramentos da sequência produtiva e das camadas de fornecedores, para sistemas complexos surgem as funções transversais, que cruzam a sequência produtiva e as camadas de fornecedores na horizontal. Funções como logística, tecnologia da informação, treinamento, hotelaria, etc. Um dos objetivos finais da metodologia trata da análise de lacunas comerciais, lacunas tecnológicas e a formação de arranjos produtivos horizontais. Conclusões O mapeamento do “supply chain” conectado ao “value chain” e os estudos correlacionados permite uma forma organizada de entender, comunicar, desdobrar e planejar ações de correção, movimentos industriais, reorganização, trabalhos de lacunas e arranjos produtivos.

×