Av. Brig. Faria Lima, 1.234 ‐ 11º andar 
CEP 01451‐ 001 ‐ São Paulo ‐ SP 
Tel:  (11) 3812‐1392 
geral@prospectivaebepro.co...
P007_201
Fevereiro 2
ELABO
TRA
3– Auditor
2014
PRE
ORAÇÃO
ATAMEN
ia Financeir
EFEITU
DE PRO
TO E DIS
AUDIT
ra ao Projet
UR...
P007_201
Fevereiro 2
EL
TRATA
1º Fas
2ª Fas
3ª Fas
3– Auditor
2014
PR
LABORAÇ
AMENTO E
se...............
se..................
P007_201
Fevereiro 2
EL
TRATA
PLANO DE
ÍNDICE....
ÍNDICE DE
  APRES1
  NATUR2
2.1  NA
2.2  ÂM
2.3  OB
  FASES3
  CONDIC4
 ...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 4 de 97
9.1.5  – Escoramentos ..................
P007_201
Fevereiro 2
9.4.4 
9.4.5 
9.4.6 
9.4.7 
9.4.8 
9.4.9 
9.5  INT
9.5.1 
9.5.2 
9.5.3 
9.5.4 
9.5.5 
9.5.6 
9.5.7 
9...
P007_201
Fevereiro 2
10.1.7
10.1.8
10.2 INT
10.2.1
10.2.2
10.2.3
10.2.4
10.2.5
10.2.6
10.2.7
10.2.8
10.2.9
 PRINCI11
11.1 ...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 7 de 97
ÍNDICE DE ANEXOS
Anexo I: Resumo dos ...
P007_201
Fevereiro 2
APRE1
O presente
Sistema de
A ação ins
Ltda, e inc
Amparo e
desconform
3– Auditor
2014
ESENTAÇÃ
e rel...
P007_201
Fevereiro 2
PARTE
NATU2
2.1 NAT
A ação te
Tratamento
2.2 ÂMB
A ação tem
Quanto ao
decurso da
2.3 OBJ
A auditoria
...
P007_201
Fevereiro 2
(apresenta
executado
COND4
Na execuç
da ação, n
alterações
implantado
rodovias o
3– Auditor
2014
ado ...
P007_201
Fevereiro 2
PARTE
CARA5
A Obra de
do Municíp
trechos, c
interceptor
margens
denominad
Esta obra
contudo a
3– Audi...
P007_201
Fevereiro 2
INTER6
A obra foi
como os e
Contrato n
Objeto
Contrato n
Preço cont
Prazo de e
Dono da o
Projetista
E...
ITE
A
1 -
2 -
3 -
4 -
5 -
6 -
7 -
B
1 -
2 -
3 -
4 -
5 -
6 -
7 -
8 -
9 -
10
11
12
13
P007_201
Fevereiro 2
EXEC7
Da análise
...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 14 de 97
TOTAL GERAL
R$
13.088.200,61 R$ 14.0...
ITE
1
2
1 -
2 -
3 -
4 -
5 -
6 -
7 -
8 -
9 -
10
11
3
1 -
4 -
4
1 -
4 -
5
P007_201
Fevereiro 2
EXEC8
Da análise
à Empresa
fo...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 16 de 97
DRENAGEM
6 PRÉ-OPERAÇÃO E OPERAÇÃO A...
P007_201
Fevereiro 2
PARTE
MEDI9
Face aos e
por esta E
e aterro, e
escoramen
recarga do
Importa sa
previstas n
Foi igualm
...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 18 de 97
9.1.3 Serviços Preliminares
Quanto a...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 19 de 97
VOLUME DE ESCAVAÇÃO em qualquer terr...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 20 de 97
De referir que à presente data apena...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 21 de 97
Contudo, encontra-se faturado o tran...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 22 de 97
constatou-se as seguintes áreas de e...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 23 de 97
trabalhos decorreram no decurso da a...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 24 de 97
POÇOS VISITA – Diâmetro 1,0m para Tu...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 25 de 97
ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO
Apurados n...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 26 de 97
PAVIMENTAÇÃO
Apurados na Auditoria
P...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 27 de 97
FORNECIMENTO DE MATERIAIS
Apurados n...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 28 de 97
9.2.3 Serviços Preliminares
Quanto a...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 29 de 97
VOLUME DE ESCAVAÇÃO em qualquer terr...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 30 de 97
VOLUME DE ATERROS apurados na Audito...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 31 de 97
9.2.5 Escoramentos
Relativamente aos...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 32 de 97
9.2.6 Esgotamento
Relativamente aos ...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 33 de 97
POÇOS VISITA – Tubulações de 900mm
F...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 34 de 97
Em resumo, e face às quantidades apu...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 35 de 97
FORNECIMENTO DE MATERIAIS
Apurados n...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 36 de 97
9.3.1 Canteiro de Obras
Relativament...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 37 de 97
VOLUME DE ESCAVAÇÃO em qualquer terr...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 38 de 97
De referir que à presente data, apen...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 39 de 97
9.3.5 Escoramentos
Relativamente aos...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 40 de 97
até à Medição n.º31 sido alegadament...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 41 de 97
POÇOS VISITA – Diâmetro 1,0m para Tu...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 42 de 97
Contudo, e após analise às quantidad...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 43 de 97
PAVIMENTAÇÃO
Faturados até à Medição...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 44 de 97
FORNECIMENTO DE MATERIAIS
Apurados n...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 45 de 97
9.4.1 Canteiro de Obras
Relativament...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 46 de 97
VOLUME DE ESCAVAÇÃO em qualquer terr...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 47 de 97
VOLUME DE ATERROS apurados na Audito...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 48 de 97
ESCORAMENTO (m2)
Estimados na Audito...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 49 de 97
POÇOS VISITA – Diâmetro 1,2m para Tu...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 50 de 97
ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO
Apurados n...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 51 de 97
ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO
Faturados ...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 52 de 97
No entanto, e de acordo com as quant...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 53 de 97
Em resumo, e face aos volumes de ate...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 54 de 97
ESCORAMENTO (m2)
Faturados até à Med...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 55 de 97
Contudo e após analise às quantidade...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 56 de 97
Em resumo, e mediante às quantidades...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 57 de 97
9.6.2 Serviços Técnicos
Relativament...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 58 de 97
VOLUME DE ESCAVAÇÃO em qualquer terr...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 59 de 97
Contudo acresce referir que foram ig...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 60 de 97
ESCORAMENTO (m2)
Faturados até à Med...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 61 de 97
Face aos poços de visita realizados,...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 62 de 97
Em resumo, e face às quantidades apu...
P007_201
Fevereiro 2
FORNEC
Faturados
Tubos em
Em resum
quantidade
MEDI10
Face aos e
por esta E
e aterro, e
escoramen
reca...
P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0
Fevereiro 2014
Página 64 de 97
sido colocados 433,07m de sinalizaçã...
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Relatorio final produto c
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatorio final produto c

299 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
299
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
38
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatorio final produto c

  1. 1. Av. Brig. Faria Lima, 1.234 ‐ 11º andar  CEP 01451‐ 001 ‐ São Paulo ‐ SP  Tel:  (11) 3812‐1392  geral@prospectivaebepro.com  www.prospectivaebepro.com    PREFEITURA MUNICIPAL DE AMPARO  Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano  Consultoria e elaboração de auditoria a   PROJETO DE SANEAMENTO DA ESTAÇÃO  DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE AMPARO  Produto C – Auditoria Financeira ao Projeto          P_007_13 Fevereiro 2014 
  2. 2. P007_201 Fevereiro 2 ELABO TRA 3– Auditor 2014 PRE ORAÇÃO ATAMEN ia Financeir EFEITU DE PRO TO E DIS AUDIT ra ao Projet URA M A OJETO EX SPOSIÇÃ MUNIC TORIA FI RE F to – REVISÃ MUNIC AUDITOR XECUTIV ÃO FINA CÍPIO DE 3ª FAS NANCEI ELATÓRIO Fevereiro d ÃO 0 CIPAL RIA À VO DO S AL DOS E E AMPAR SE RA AO P O FINAL de 2014 DE AM ISTEMA ESGOTOS RO PROJECT MPARO DE AFA S URBA TO Página 1 d O STAMEN NOS DO de 97 NTO,
  3. 3. P007_201 Fevereiro 2 EL TRATA 1º Fas 2ª Fas 3ª Fas 3– Auditor 2014 PR LABORAÇ AMENTO E se............... se............... se ............. ia Financeir REFEIT ÇÃO DE PR E DISPOS ................. ................. .................. ra ao Projet TURA M ROJETO E SIÇÃO FIN PLA .................. .................. .................. to – REVISÃ MUNIC AUDITOR EXECUTIV AL DOS E AMPAR ANO DE TR .................. .................. .................. ÃO 0 CIPAL D RIA À VO DO SIS ESGOTOS RO RABALHO .................. .................. .................. DE AMP STEMA DE URBANO O ....... Audito ... Auditoria ....Auditori PARO E AFASTAM OS DO MU oria ao proje a à obra rec ia Finance Página 2 d MENTO, NICÍPIO D eto ebida ira de 97 DE
  4. 4. P007_201 Fevereiro 2 EL TRATA PLANO DE ÍNDICE.... ÍNDICE DE   APRES1   NATUR2 2.1  NA 2.2  ÂM 2.3  OB   FASES3   CONDIC4   CARAT5   INTERV6   EXECU7   EXECU8   MEDIÇÕ9 9.1  INT 9.1.1  9.1.2  9.1.3  9.1.4  3– Auditor 2014 PR LABORAÇ AMENTO E E TRABALH .................. E ANEXOS SENTAÇÃO REZA, ÂMBI TUREZA... MBITO......... JETIVOS .. DA AUDIT CIONANTE TERIZAÇÃO VENIENTES UÇÃO FINA UÇÃO FINA ÕES DOS T TERCEPTO Canteiro d Serviços T Serviços P Moviment ia Financeir REFEIT ÇÃO DE PR E DISPOS HO ............ ................. ................. ................. ITO E OBJE ................. ................. ................. ORIA E ME ES E LIMITA O DA OBRA S NA EMPR NCEIRA DA NCEIRA DA TRABALHO OR MARGE de Obras ... Técnicos ... Preliminares o de Terras ra ao Projet TURA M ROJETO E SIÇÃO FIN .................. .................. .................. .................. ETIVOS..... .................. .................. .................. ETODOLOG AÇÕES DA A................. REITADA E A EMPREIT A EMPREIT OS REALIZA M DIREITA .................. .................. s................ s ................ to – REVISÃ MUNIC AUDITOR EXECUTIV AL DOS E AMPAR ÍNDIC .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. GIA DE TRA A AÇÃO ...... .................. E ELEMENT TADA REFE TADA REFE ADOS SOB A - IMD-1 .... .................. .................. .................. .................. ÃO 0 CIPAL D RIA À VO DO SIS ESGOTOS RO CE .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. ABALHO ... .................. .................. TOS ESSEN ERENTE AO ERENTE AO BRE O CON .................. .................. .................. .................. .................. DE AMP STEMA DE URBANO .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. NCIAIS DO O CONTRA O CONTRA NTRATO N. .................. .................. .................. .................. .................. PARO E AFASTAM OS DO MU .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. CONTRAT ATO N.º 581 ATO N.º 142 .º 581/2006 .................. .................. .................. .................. .................. Página 3 d MENTO, NICÍPIO D .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. TO .............. 1/2006....... 2/2011....... ................. .................. .................. .................. .................. .................. de 97 DE ........2  ........3  ........7  ........8  ........9  ........9  ........9  ........9  ........9  ......10  ......11  ......12  ......13  ......15  ......17  ......17  ......17  ......17  ......18  ......18 
  5. 5. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 4 de 97 9.1.5  – Escoramentos .....................................................................................................................21  9.1.6  – Esgotamento .......................................................................................................................22  9.1.7  – Fundações e Estruturas ......................................................................................................23  9.1.8  Assentamento ........................................................................................................................24  9.1.9  Pavimentação.........................................................................................................................25  9.1.10 Travessias – 3 Travessias sob cursos d´agua .......................................................................26  9.1.11 Fornecimento de Materiais.....................................................................................................26  9.2  INTERCEPTOR MARGEM DIREITA - IMD-2 ...............................................................................27  9.2.1  Canteiro de Obras ..................................................................................................................27  9.2.2  Serviços Técnicos ..................................................................................................................27  9.2.3  Serviços Preliminares.............................................................................................................28  9.2.4  Movimento de Terras .............................................................................................................28  9.2.5  Escoramentos ........................................................................................................................31  9.2.6  Esgotamento ..........................................................................................................................32  9.2.7  Fundações e Estruturas .........................................................................................................32  9.2.8  Assentamento ........................................................................................................................33  9.2.9  Pavimentação.........................................................................................................................34  9.2.10 – Fornecimento de Materiais..................................................................................................34  9.3  INTERCEPTOR MARGEM DIREITA - IMD-3 ...............................................................................35  9.3.1  Canteiro de Obras ..................................................................................................................36  9.3.2  Serviços Técnicos ..................................................................................................................36  9.3.3  Serviços Preliminares.............................................................................................................36  9.3.4  Movimento de Terras .............................................................................................................36  9.3.5  Escoramentos ........................................................................................................................39  9.3.6  Esgotamento ..........................................................................................................................39  9.3.7  Fundações e Estruturas .........................................................................................................40  9.3.8  Assentamento ........................................................................................................................41  9.3.9  Pavimentação.........................................................................................................................42  9.3.10 Travessias – 2 Travessias sob cursos d´agua .......................................................................43  9.3.11 Fornecimento de Materiais.....................................................................................................43  9.4  INTERCEPTOR MARGEM ESQUERDA - IME-1A .......................................................................44  9.4.1  Canteiro de Obras ..................................................................................................................45  9.4.2  Serviços Técnicos ..................................................................................................................45  9.4.3  Serviços Preliminares.............................................................................................................45 
  6. 6. P007_201 Fevereiro 2 9.4.4  9.4.5  9.4.6  9.4.7  9.4.8  9.4.9  9.5  INT 9.5.1  9.5.2  9.5.3  9.5.4  9.5.5  9.5.6  9.5.7  9.5.8  9.6  INT 9.6.1  9.6.2  9.6.3  9.6.4  9.6.5  9.6.6  9.6.7  9.6.8  9.6.9  9.6.10  MEDIÇÕ10 10.1 INT 10.1.1 10.1.2 10.1.3 10.1.4 10.1.5 10.1.6 3– Auditor 2014 Moviment Escorame – Esgotam Fundaçõe Assentam Fornecime TERCEPTO Canteiro d Serviços T Moviment – Escoram Esgotame Fundaçõe Assentam Fornecime TERCEPTO Canteiro d Serviços T Serviços P Moviment Escorame Esgotame Fundaçõe – Assenta – Pavimen 0 Fornecime ÕES DOS T TERCEPTO  Serviços T 2 Serviços P 3 Moviment 4 Escorame 5 Fundaçõe 6 – Assenta ia Financeir o de Terras entos ......... mento ........ es e Estrutu mento ......... ento de Mat OR MARGE de Obras ... Técnicos ... o de Terras mentos ...... ento ........... es e Estrutu mento ......... ento de Mat OR MARGE de Obras ... Técnicos ... Preliminares o de Terras entos ......... ento ........... es e Estrutu amento ...... ntação....... ento de Mat TRABALHO OR MARGE Técnicos ... Preliminares o de Terras entos ......... es e Estrutu amento ...... ra ao Projet s ................ .................. .................. ras ............ .................. teriais........ M ESQUER .................. .................. s ................ .................. .................. ras ............ .................. teriais........ M ESQUER .................. .................. s................ s ................ .................. .................. ras ............ .................. .................. teriais........ OS REALIZA M DIREITA .................. s................ s ................ .................. ras ............ .................. to – REVISÃ .................. .................. .................. .................. .................. .................. RDA - IME-2 .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. RDA - IME-3 .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. ADOS SOB A - IMD-1 .... .................. .................. .................. .................. .................. .................. ÃO 0 .................. .................. .................. .................. .................. .................. 2 ............... .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. 3 ............... .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. BRE O CON .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. NTRATO N. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .º 142/2011 .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. Página 5 d .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. ................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. de 97 ......45  ......47  ......48  ......48  ......49  ......50  ......51  ......51  ......51  ......51  ......53  ......54  ......54  ......55  ......56  ......56  ......56  ......57  ......57  ......57  ......59  ......60  ......60  ......61  ......62  ......62  ......63  ......63  ......63  ......63  ......64  ......66  ......67  ......68 
  7. 7. P007_201 Fevereiro 2 10.1.7 10.1.8 10.2 INT 10.2.1 10.2.2 10.2.3 10.2.4 10.2.5 10.2.6 10.2.7 10.2.8 10.2.9  PRINCI11 11.1 TR 11.2 TR 11.3 – T 11.4 – T 11.5 - TR 11.6 - TR 11.7 - TR  PRINCI12 12.1 TR 12.2 TR 3– Auditor 2014 7 Fornecime 8 Aditivo..... TERCEPTO  Serviços T 2 Moviment 3 Escorame 4 Esgotame 5 Fundaçõe 6 Assentam 7 Pavimenta 8 Fornecime 9 Aditivo..... PAIS CON ECHO IMD ECHO IMD TRECHO IM TRECHO - I RECHO IM RECHO IM RECHO IM PAIS CON ECHO IMD ECHO IME ia Financeir ento de Mat ................. OR MARGE Técnicos ... o de Terras entos ......... ento ........... es e Estrutu mento ......... ação.......... ento de Mat ................. CLUSÕES -1 ............. -2 ............. MD-3 .......... ME-1 ........ E – 1A ...... E – 2......... E – 3......... CLUSÕES -1 ............. - 1............. ra ao Projet teriais........ .................. M DIREITA .................. s ................ .................. .................. ras ............ .................. .................. teriais........ .................. REFEREN .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. REFEREN .................. .................. to – REVISÃ .................. .................. A - IME-1 .... .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. TES AO CO .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. TES AO CO .................. .................. ÃO 0 .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. ONTRATO .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. ONTRATO .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. N.º 581/200 .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. N.º 142/201 .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. 06 ............. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. 11 ............. .................. .................. Página 6 d .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. .................. de 97 ......69  ......69  ......70  ......70  ......70  ......72  ......73  ......73  ......74  ......75  ......75  ......76  ......77  ......77  ......78  ......78  ......79  ......80  ......80  ......81  ......82  ......82  ......82 
  8. 8. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 7 de 97 ÍNDICE DE ANEXOS Anexo I: Resumo dos documentos entregues pela Prefeitura de Amparo Anexo II: Sondagens (IMD-1 e IME-1) Anexo III: Levantamento topográfico Anexo IV: Planilha de medições do contrato n.º 581/2006 Anexo V: Planilha de resumo do faturamento do contrato n.º 581/2006 Anexo VI: Planilha de medições do contrato n.º 142/2011 Anexo VII: Planilha de resumo da faturamento do contrato n.º 142/2011
  9. 9. P007_201 Fevereiro 2 APRE1 O presente Sistema de A ação ins Ltda, e inc Amparo e desconform 3– Auditor 2014 ESENTAÇÃ e relatório c e Afastame sere-se no cidiu sobre respetivas mes entre o ia Financeir ÃO contém os nto, Tratam âmbito do as mediçõ faturações o realizado e ra ao Projet resultados mento e Disp contrato re ões constan s da obra, a em obra e r to – REVISÃ da auditoria posição Fin realizado co ntes nas pla a fim de se respetiva fa ÃO 0 a financeira al dos Esgo om a Prosp anilhas de e verificar a aturação. a ao contrat otos Urbano pectiva Ebe medição en eventual e to de Obra os do Munic epro Engen ntregues p existência d Página 8 d de execuç cípio de Am nharia e Pr ela Prefeitu de circunstâ de 97 ção do mparo. rojetos ura de âncias
  10. 10. P007_201 Fevereiro 2 PARTE NATU2 2.1 NAT A ação te Tratamento 2.2 ÂMB A ação tem Quanto ao decurso da 2.3 OBJ A auditoria - Apreciar - Equipara faturadas n FASE3 A realizaç levantame Em cada realizados A técnica d documento por esta 3– Auditor 2014 I - INTRO UREZA, ÂM TUREZA em a natur o e Disposi BITO m como âmb o âmbito tem a obra. JETIVOS a teve como e apurar as ar os valore no decurso ES DA AUD ção da au ntos topogr fase foram e respectiv de verificaç os (anexo I Empresa, ia Financeir ODUÇÃO MBITO E O reza de au ção Final d bito materia mporal, a a o objetivos: s medições es de mediç da obra. DITORIA E uditoria co ráficos, med m adotados vo projeto d ção utilizada ) entregues com a e ra ao Projet O OBJETIVO uditoria fina os Esgotos al os atos re ção abrang dos trabalh ções obtido E METODO mpreendeu dições, aval s os devido e execução a na fase de s pela Pref execução d to – REVISÃ OS anceira à o s Urbanos d elativos à ex ge os atos p hos realizad os na sequ OLOGIA D u as fases liação e ela os procedim o da obra. e execução feitura de A de sondag ÃO 0 obra de ex o Município xecução ma praticados d dos; ência da a DE TRABA s de plan aboração do mentos com o da auditor Amparo e re gens (Anex xecução do o de Amparo aterial e fina de mediçõe uditoria com ALHO neamento, o relatório. m base na ria financeir espectivo tr xo II) e le o Sistema o. anceira do c es e faturaç m as mediç execução a verificaçã ra teve com rabalho de evantamen Página 9 d de Afastam contrato da ções ao lon ções apura de sonda ão dos trab mo base os campo rea tos topogr de 97 mento, obra. ngo do adas e agens, balhos vários alizado ráficos
  11. 11. P007_201 Fevereiro 2 (apresenta executado COND4 Na execuç da ação, n alterações implantado rodovias o 3– Auditor 2014 ado no pro s. DICIONAN ção dos trab nomeadame do traçado os os interc u na quais ia Financeir oduto B de NTES E LIM balhos de c ente a exist o dos interc ceptores (v foram impla ra ao Projet este trabal MITAÇÕES campo, fora ência de ta ceptores e a vias que er antadas cic to – REVISÃ ho referen S DA AÇÃ am verificad ampões de alteração n ram pedon lovias). ÃO 0 te à Audit ÃO dos alguns o poços de v a tipologia ais ou terr oria à obr obstáculos isita coberto das vias so ra e foram ra recebida ao normal tos com pav obre as qua afetas ao Página 10 a) dos cole desenvolvim vimento asf ais se enco alargamen de 97 etores mento fáltico, ontram nto de
  12. 12. P007_201 Fevereiro 2 PARTE CARA5 A Obra de do Municíp trechos, c interceptor margens denominad Esta obra contudo a 3– Auditor 2014 II - OBS ATERIZAÇ execução pio de Amp contudo foi res possuem do Rio Ca dos IME – I inclui igua presente au ia Financeir ERVAÇÕ ÇÃO DA O do Sistema aro, consis anulado o m diâmetro amanducaia nterceptor p lmente uma uditoria fina ra ao Projet ÕES DA A BRA a de Afasta tiu na exec o IMD3 e os que varia a, ora por pela Margem a ETE com anceira ape to – REVISÃ AUDITO mento, Trat cução de 6 construído aram entre r logradour m Esquerda mposta por nas incidiu ÃO 0 RIA tamento e D interceptore o apenas 300 a 800 ros público a e IMD – In lagoa aera sobre os tra Disposição es, sendo q o IME-1A 0 mm e se os, ora po nterceptor M ada seguida abalhos dos Final dos E que o projet na marge desenvolve or faixa de Margem Dir a por lagoa s intercepto Página 11 Esgotos Ur to inicial pre m direita. eram pelas e servidão. reita. a de decant ores. de 97 banos evia 7 Estes s duas . São tação,
  13. 13. P007_201 Fevereiro 2 INTER6 A obra foi como os e Contrato n Objeto Contrato n Preço cont Prazo de e Dono da o Projetista Empreiteiro Fiscalizaçã Contrato n Objeto Contrato n Preço cont Prazo de e Dono da o Projetista Empreiteiro Fiscalizaçã 3– Auditor 2014 RVENIENT alvo de do lementos e n.º581/2006 n.º tratual execução bra o ão n.º142/2011 n.º tratual execução bra o ão ia Financeir TES NA EM is contratos ssenciais d Sist dos 581 R$ 24 m Pref G.C BOP Sist dos 142 R$ 3 360 Pref G.C Frei ra ao Projet MPREITAD s com Emp os contrato ema de Af Esgotos U /2006 13.088.200 meses feitura Mun C.A. Consult P, Construto tema de Af Esgotos U /2011 3.966.171,2 dias feitura Mun C.A. Consult itas Guimar to – REVISÃ DA E ELE presas distin os, são os s fastamento rbanos do M ,61,00 icipal de Am tores assoc ora Ltda. fastamento rbanos do M 27, 00 icipal de Am tores assoc rães Projeto ÃO 0 MENTOS ntas, sendo eguintes: , Tratamen Município d mparo ciados S/S L , Tratamen Município d mparo ciados S/S L os e Constru ESSENCIA o que os pri to e Dispo e Amparo Ltda. to e Dispo e Amparo Ltda ução Ltda AIS DO CO incipais inte osição Fina osição Fina Página 12 ONTRATO ervenientes al al de 97 O s, bem
  14. 14. ITE A 1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - B 1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - 8 - 9 - 10 11 12 13 P007_201 Fevereiro 2 EXEC7 Da análise à BOP C reprogram era de R$ acumulado EM Desc INTE - INTE - INTE - INTE - INTE - INTE - INTE - INTE TOTA ESTA - ESTA - SAL - LINHA - CAIX - LAGO - PRÉD - ADEN - CENT - SISTE - TANQ EMIS - SUB - PRÉD - IMPL - DREN TOTA 3– Auditor 2014 CUÇÃO FI e aos eleme onstrutora ações ao lo 14.064.42 o faturado fo rição dos Se RCEPTORE RCEPTOR M RCEPTOR M RCEPTOR M RCEPTOR M RCEPTOR M RCEPTOR M RCEPTOR M AL GERAL IN AÇÃO DE TR AÇÃO ELEVA LA DO GERA A DE RECA XA DE AREIA OAS AERAD DIO DOS SO NSADOR DE TRÍFUGA EMA DE CLO QUE DE CO SSÁRIO FINA ESTAÇÃO E DIO DA ADM LANTAÇÃO G NAGEM: DE AL GERAL E ia Financeir NANCEIR entos entreg Ltda sobre ongo do de 6,59. Porém oi apenas R erviços ES MARGEM DI MARGEM DI MARGEM DI MARGEM ES MARGEM ES MARGEM ES MARGEM ES NTERCEPTO RATAMENTO ATÓRIA DE ADOR LQUE DA EE A DAS E DE DE OPRADORES E LODO ORAÇÃO E ONTATO - AL ELÉTRICA MINISTRAÇÃ GERAL E INS ESVIO DO CÓ TE ra ao Projet A DA EMP gues pela P e um valo curso obra, m, deste va R$11.042.66 IREITA - IMD IREITA - IMD IREITA - IMD SQUERDA - SQUERDA - SQUERDA - SQUERDA - ORES O DE ESGOT ESGOTOS B EE FINAL ECANTAÇAO S + SIST. AR EFLUENTE MEDIÇÃO ÃO E LABOR STALAÇÕES ÓRREGO to – REVISÃ PREITADA Prefeitura da r de R$ 1 , sendo que alor e de a 68,00. D-1 D-2 D-3 IME-1 IME-1A IME-2 IME-3 TOS BRUTO FINA O R DIFUSO FINAL DE VAZÃO RATÓRIO S ELÉTRICA ÃO 0 A REFERE a Amparo, c 13.088.200, e no final d cordo com Valor inic contrato 2.444.347 1.129.287 70.146,31 1.843.821 642.334,3 346.648,0 122.288,5 R$ 6.598. AL 865.604,2 50.107,55 243.565,9 1.700.097 1.574.537 237.054,3 O - 265.306,2 73.420,18 172.141,8 AS1.109.431 198.059,5 R$ 6.489. NTE AO C constatou-s 61; contud a 7ª reprog a Planilha cial doValo Repr 7,61 2.71 7,56 1.04 388, ,12 2.54 32 407. 09 325. 59 108. 873,60 R$ 7 23 855. 5 48.8 91 243. 7,56 2.21 7,87 1.57 34 234. 21 225. 8 68.7 83 183. ,81 1.10 52 159. 327,01 R$ 6 CONTRATO se que a ob do foram r gramação o de mediçã or após rogramação 6.643,55 45.693,05 03 49.679,21 901,18 263,77 094,80 7.153.663,59 181,68 810,47 453,66 1.389,17 70.732,58 327,61 552,08 707,65 631,14 09.307,53 669,43 6.910.763,00 Página 13 O N.º 581/ bra foi adjud realizadas valor contr ão n.º 31, o 7ªValor Fatu (Medição 2.261.594 1.045.693 388,03 2.211.158 406.538,5 253.427,5 107.125,6 9 R$ 6.285 511.296,9 613,40 117.398,1 2.028.697 1.516.547 35.227,15 117.175,5 38.935,82 117.554,3 54.274,37 159.022,2 0 R$ 4.756 de 97 /2006 dicada várias ratado o valor urado 31) 4,27 3,05 8,07 59 55 69 .925,25 90 13 7,18 7,71 5 50 2 36 7 23 .742,75
  15. 15. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 14 de 97 TOTAL GERAL R$ 13.088.200,61 R$ 14.064.426,59 R$ 11.042.668,00
  16. 16. ITE 1 2 1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - 8 - 9 - 10 11 3 1 - 4 - 4 1 - 4 - 5 P007_201 Fevereiro 2 EXEC8 Da análise à Empresa foram reali estava em valor acum EM Desc CANT TOTA ESTA - ESTA MECÂ - LINHA - DESA - LAGO - PRÉD - SISTE - TANQ EMIS - SUB - PRÉD - IMPL - INSTA TOTA INTE - INTE - INTE TOTA TRAV - SIFÃO - SIFÃO TOTA RECU TOTA 3– Auditor 2014 CUÇÃO FI e aos eleme a Freitas Gu izadas vária m R$ 4.352. mulado fatur rição dos Se TEIRO DE O AL CANTEIR AÇÃO DE TR AÇÃO ELEV ÂNICO- SAL A DE RECA ARENAÇÃO OAS AERAD DIO DOS SO EMA DE CLO QUE DE CO SSÁRIO FINA ESTAÇÃO E DIO DA ADM LANTAÇÃO G ALAÇÕES E AL ETE RCEPTORE RCEPTOR M RCEPTOR M AL INTERCE VESSIAS O 6 O 7 AL TRAVESS UPERAÇÃO AL RECUP ia Financeir NANCEIR entos entreg uimarães P as reprogra 393,88. En rado foi R$ erviços OBRAS RO DE OBRA RATAMENTO VATÓRIA FI LA DO GERA LQUE DAS E DE DE OPRADORES ORAÇÃO ONTATO - AL ELÉTRICA MINISTRAÇÃ GERAL ELÉTRICAS ES MARGEM DI MARGEM ES EPTORES SIAS O DO CÓRRE PERAÇÃO ra ao Projet A DA EMP gues pela P Projeto e Co mações ao ntretanto, de 3.941.219,1 AS O DE ESGOT NAL E GR ADOR ECANTAÇAO S + SIST. AR MEDIÇÃO ÃO E LABOR IREITA - IMD SQUERDA - EGO DE DRE DO CÓR to – REVISÃ PREITADA Prefeitura de onstrução L o longo do d este valor e 12. TOS RADEAMENT O R DIFUSO DE VAZÃO RATÓRIO D-1 IME-1 ENAGEM RREGO D ÃO 0 A REFERE e Amparo, c Ltda. sobre decurso obr e de acordo Valor inic contrato 36.025,42 36.025,42 TO 497.760,8 59.836,00 153.156,1 193.506,0 89.088,48 120.194,7 O - 57.887,13 56.832,75 96.707,20 249.277,0 909.282,0 R$ 2.483. 505.207,9 273.747,6 R$ 778.95 84.779,64 69.978,75 R$ 154.75 15.991,70 DE15.991,70 NTE AO C constatou-s um valor de a sendo qu o com a Pl cial doValo Repr 2 36.0 2 36.0 86 512. 0 59.8 0 154. 03 168. 8 92.6 79 120. 3 57.2 5 47.8 0 102. 04 461. 00 913. 528,38 R$ 2 90 595. 65 353. 55,55 R$ 9 4 73.3 5 84.5 58,39 R$ 1 0 20.4 0 20.4 CONTRATO se que a ob e R$ 3.966 ue no final o lanilha de m or ap rogramação 025,42 025,42 617,99 836,00 309,36 996,77 657,23 831,04 273,73 855,63 506,45 776,75 170,00 2.691.830,94 562,37 780,00 949.342,37 350,60 508,56 157.859,16 424,15 424,15 Página 15 O N.º 142/ bra foi adjud 6.171,27; co o valor contr medição n.º pósValor Fatu (Medição 36.025,42 36.025,42 512.617,9 59.836,00 154.309,3 168.996,7 92.657,23 120.831,0 57.273,73 47.855,63 102.506,4 461.776,7 913.170,0 4 R$ 2.691 595.562,3 353.780,0 R$ 949.34 73.350,60 84.508,56 R$ 157.85 20.424,15 20.424,15 de 97 /2011 dicada ontudo ratado º 13 o urado 31) 2 2 99 0 36 77 3 04 3 3 45 75 00 .830,94 37 00 42,37 0 6 59,16 5 5
  17. 17. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 16 de 97 DRENAGEM 6 PRÉ-OPERAÇÃO E OPERAÇÃO ASSISTIDA 496.911,84 496.911,84 85.737,08 TOTAL PRÉ-OPERAÇÃO E OPERAÇÃO ASSISTIDA 496.911,84 496.911,84 85.737,08 TOTAL GERAL R$ 3.966.171,27 R$ 4.352.393,88 R$ 3.941.219,12
  18. 18. P007_201 Fevereiro 2 PARTE MEDI9 Face aos e por esta E e aterro, e escoramen recarga do Importa sa previstas n Foi igualm faturadas a Em resum seguir des 9.1 INTE Relativame Amparo, n 65, pelo qu 9.1.1 Ca Relativame nas espec mesmas fo 9.1.2 Ser Relativame tendo esta 3– Auditor 2014 III - ANA IÇÕES DO elementos mpresa, ap extensões e nto necessá os solos fac alientar que nas mediçõe mente elabo até à última o, e com b criminados ERCEPTO ente ao IMD o âmbito do ue os mesm nteiro de ente a este cificações g oram faturad rviços Téc ente a este a Empresa a ia Financeir ALISE ÀS OS TRABA enviados p puraram-se e diâmetros árias, face e às zonas e as fórmula es do projet orada uma p a Medição n ase nos ele : OR MARGE D-1, importa o presente c mos não fora Obras e item, não gerais e se das e esgot cnicos e item, reg apurado na ra ao Projet S MEDIÇ ALHOS RE pela Prefeitu medições ( s de coleto às profund intervencio as de cálcu to. planilha de n.º31 com a ementos ap EM DIREIT a referir que contrato, fic am conside nos é poss as instalaç tadas face a istra-se qu auditoria u to – REVISÃ ÇÕES DO EALIZADO ura de Amp (ver anexo ores, númer didades apu onadas. ulo utilizada medição ( BOP. purados, co TA - IMD-1 e de acordo caram por r erados nas p sível, à pre ções e ope ao inicialme e foram fa m valor lige ÃO 0 OS INTER OS SOBRE paro e resp IV), nos vár ro e profun uradas, bem as no cálcu (ver anexo ontatou-se o o com os e ealizar os t presentes m esente data eração de c ente previst turados 4.2 eiramente in RCEPTO E O CONTR ectivos trab rios trechos didade dos m como as lo dos mov V), com o o seguinte r elementos e rechos entr medições. , averiguar canteiro for to em contra 242,97m de nferior de 4. ORES RATO N.º balhos de c s, de volum s poços de áreas de p vimentos de somatório relativamen entregues p re os poços o cumprim ram realiza ato. e locação d .230,56m. Página 17 581/2006 campo reali es de esca visita e ár pavimentaç e terras fora das quanti nte aos trec pela Prefeitu de visita P mneto do pr das. Contu de intercep de 97 zados vação rea de ção ou am as dades chos a ura de PV54 e revisto do as ptores,
  19. 19. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 18 de 97 9.1.3 Serviços Preliminares Quanto aos serviços preliminares realizados, informamos que não nos é possível, à presente data, averiguar os serviços realizados na medida em que os mesmos foram mobilizados para a execução dos interceptores e desmobilizados após a conclusão dos trabalhos. Contudo e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, alegadamente foi utilizada sinalização numa extensão de 5.240,41m e colocados 1.671,14m de tapumes contínuos com iluminação de segurança. No entanto, e conforme já referido, estas quantidades não são passíveis de averiguação. 9.1.4 Movimento de Terras Escavação Relativamente aos movimentos de terras, registrados que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes volumes totais de escavações, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. VOLUME DE ESCAVAÇÃO apurados na Auditoria (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 12.918m3 11.029m3 6.139m3 1.966m3 32.052,00m3 De acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que o somatório dos valores medidos e faturados foram os seguintes:
  20. 20. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 19 de 97 VOLUME DE ESCAVAÇÃO em qualquer terreno, exceto rocha Faturados até à Medição nº31 (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 12.822,40m3 11.228,78m3 5.965,29m3 1.278,32m3 31.294,79m3 Contudo, para além dos itens de escavação em solos de qualquer natureza, exceto rochas, encontra-se medido e faturado, escavação em jazida de solo, em rocha com recurso a explosivo, rocha branda e escavação manual. No entanto não é possível à presente data averiguar a realização destes trabalhos, que de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, perfazem os seguintes valores: ESCAVAÇÃO GERAL Faturados até à Medição nº31 (m3) Escavação Geral Escavação de jazida de solo 1.211,00m3 Escavação em rocha dura com explosivo 2.957,62m3 Escavação em rocha branda ou moledo, a frio 905,18m3 Escavação Manual de Valas Até 2,0 m de profundidade 161,75m3 SOMATÓRIO 5.235,55m3 Em resumo e face aos volumes de escavação, apenas podemos constar que os volumes totais de escavação apurados na auditoria são 32.052,00m3, e os totais faturados até à medição n.º 31 são (31.294,79m3 + 5.235,55m3) = 36.530,34m3, existindo um diferencial apurado de mais 4.478,34m3. Aterros Relativamente aos movimentos de terras, registrados que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes volumes totais de aterros, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV.
  21. 21. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 20 de 97 De referir que à presente data apenas podemos averiguar o volume de aterros realizados, não sendo possível verificar se os mesmos foram com ou sem controle de compactação. VOLUME DE ATERROS apurados na Auditoria (m3) Totais de volumes de aterro realizados 30.381,00m3 Contudo, e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: VOLUME DE ATERROS Faturados até à Medição nº31 (m3) Reaterro sem controle do grau de compactação 29.651,23m3 Reaterro com G.C. >=95% do P.N. 3.448,80m3 Aterro com areia 18,89m3 SOMATÓRIO 33.118,92m3 Em resumo e face aos volumes de aterro, apenas podemos constar que os volumes totais de aterro apurados na auditoria são 30,381,00m3, e os totais faturados até à medição n.º 31 são 33.118,92m3, existindo um diferencial apurado de 2.737,92m3. Cabe referir que de acordo com as sondagens realizadas (Anexo II), constatamos que os solos utilizados nos aterros das valas eram similares aos solos escavados e que inclusive existem trechos aterrados com misturas de pedregulhos e entulhos, pelo que aparentemente parte dos aterros das valas foram realizados com solos provenientes da escavação, não existindo solos de empréstimo, nomeadamente nas áreas das sondagens ST.01, ST.02 e ST.04.
  22. 22. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 21 de 97 Contudo, encontra-se faturado o transporte de material escavado e o fornecimento de terras de empréstimo, sendo que estes trabalhos representam valores financeiros consideravelmente altos. CARGA, TRANSPORTE E DESCARGA Faturados até à Medição nº31 (m3) Carga e descarga de solo 2.350,46 m3 Transporte de material escavado – solo (bota- fora) e fornecimento de terra 15.087,69 m3xKm Carga e descarga de rocha 1.170,73m3 Transporte de material escavado – rocha (bota- fora) 2.745,43 m3xKm 9.1.5 – Escoramentos Relativamente aos escoramentos, registramos que à presente data não nos é possível verificar ou validar a utilização de escoramentos ou o tipo de solução utilizada. Contudo, e de acordo com as especificações, as valas poderiam, ou não, serem escoradas em função das condições de estabilidade do material e das condições do terreno quanto a sua coesão, o período de seca ou estiagem em que se realizarão os trabalhos e a profundidade da vala e as Normas de Segurança do Trabalho Contudo, para valas com profundidades maiores que 1,50 m, as Normas de Segurança do Trabalho exigem escoramento, independente das condições do parágrafo anterior, devendo, por cautela, serem atendidas. De acordo com as especificações, os escoramentos a utilizar poderiam ser do tipo escoramento descontínuo, escoramento contínuo, escoramento especial ou por blindagem metálica, consoante a profundidade das valas, mas no entanto nas medições apenas se refere a escoramento continuo com blindagem que consiste na introdução de módulos metálicos, com largura igual à da vala, constituídos por “gaiolas” pré-fabricadas, posicionadas com a lança de trator e que deslizam, puxadas por cabos de aço. Em resumo e tendo em conta que, devido à profundidade das valas, se tornava obrigatória a utilização de escoramento. Face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas,
  23. 23. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 22 de 97 constatou-se as seguintes áreas de escoramento, estimadas necessárias face aos trabalhos realizados, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. ESCORAMENTO (m2) Estimados na Auditoria FAIXA DE PROFUNDIDADE (m) 3 4 5 6 7 8 3.976 m2 4.757m2 5.465m2 8.593m2 11.576m2 7.815m2 Cabe a enfatizar que estas medições são meramente indicativas e que apenas servem de termo de comparação para os valores faturados. Em análise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: ESCORAMENTO (m2) Faturados até à Medição nº31 FAIXA DE PROFUNDIDADE (m) 3 4 5 6 7 8 422,41 m2 6.924,84m2 6.058,99m2 10.493,69m2 8.889,67m2 5.221,00m2 Em resumo e face aos escoramentos, constata-se que os valores estimados diferem consideravelmente para valas com profundidades até os 3 metros, pelo que podemos eventualmente concluir que, para as valas de menores profundidades, não foram utilizados escoramentos. Na globalidade, e caso tenham sido utilizados escoramentos, os somatórios globais dos mesmos encontram-se dentro dos valores apurados. 9.1.6 – Esgotamento Relativamente aos esgotamentos, registramos que à presente data não nos é possível verificar ou validar a execução de esgotamentos de águas de superfície ou submersas, na medida em que estes
  24. 24. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 23 de 97 trabalhos decorreram no decurso da abertura das valas, tendo de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, sido esgotadas 7.685hpxh. 9.1.7 – Fundações e Estruturas Relativamente a este item, registramos que à presente data não nos é possível verificar as zonas de aplicação dos lastros de brita, contudo e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, foram alegadamente aplicados 302,92m3 de lastro de brita. Quanto aos poços de visita e de acordo com os levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes números de poços, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. POÇOS VISITA – Diâmetro 1,0m para Tubulações até 400mm Apurados na Auditoria PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 12 un 1un 16un POÇOS VISITA – Diâmetro 1,2m para Tubulações a partir 500mm Apurados na Auditoria PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 2un 3 un 15un 8un 7un 7un Considerando-se a a quantidade de poços de visita apontada, existem 71 unidades de tampões em FF DN600. Após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes:
  25. 25. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 24 de 97 POÇOS VISITA – Diâmetro 1,0m para Tubulações até 400mm Faturados até à Medição nº31 PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 9 un 3 un 2 un 9un 13un POÇOS VISITA – Diâmetro 1,2m para Tubulações a partir 500mm Faturados até à Medição nº31 PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 2 un 15un 7un 8un 2un POÇOS VISITA – Tubulações de 900mm Faturados até à Medição nº31 Balão: 1,6x1,6x2,0 1 un Chaminé do poço de visita 2 m Mediante à indicação destes poços de visita, foram faturadas 72 unidades de tampões em FF DN600. Em resumo existem diferenças entre os tipos de poços de visita apurados na auditoria e os faturados no âmbito da obra, contudo em termos globais, apenas existe diferença de 1 unidade. 9.1.8 Assentamento Relativamente a este item, registramos que mediante aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes diâmetros e respectivos comprimentos de tubulação, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV.
  26. 26. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 25 de 97 ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO Apurados na Auditoria Tubos em PVC DN300 738,63m Tubos em Concreto DN 400mm 825,53m DN 700mm 2.666,40m Somatório total da TUBULAÇÃO 4.230,56m Após análise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO Faturados até à Medição nº31 Tubos em PVC DN300 922,28m Tubos em Concreto DN 400mm 748,23m DN 700mm 2.577,46m Somatório total da TUBULAÇÃO 4.247,97m Em resumo e de acordo com às quantidades apuradas, constatamos que existem diferenças nas quantidades apuradas ao nível dos diâmetros, contudo e em termos de somatório total as diferenças são de apenas 17,41ml. 9.1.9 Pavimentação Relativamente a este item, registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes valores de pavimentação asfáltica e regularização de superfícies de terras, contudo estes valores poderão não ser exatos na medida em que após a conclusão das obras, já foram realizados trabalhos de alargamento de vias, pavimentações, implantação de ciclovia. Cabe ainda referir que os pequenos trabalhos de reposição de guias e sarjetas não foram apurados.
  27. 27. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 26 de 97 PAVIMENTAÇÃO Apurados na Auditoria Pavimentação asfáltica 4.976,00m2 Regularização mecanizada de superfícies – Ruas de terra 5.631,00m2 Após análise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: PAVIMENTAÇÃO Faturados até à Medição nº31 Pavimentação asfáltica 6.055,58m2 Regularização mecanizada de superfícies – Ruas de terra 5.561,63m2 Recomposição de passeios cimentados 48m2 Construção de sarjetas 6m3 Em resumo e face às quantidades apuradas, constatamos que existem diferenças nas quantidades apuradas ao nível da pavimentação asfáltica na ordem dos 1.079,58m2 9.1.10 Travessias – 3 Travessias sob cursos d´agua Relativamente a este item, registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se a existência de um poço de visita especial, encontrando-se igualmente faturado. 9.1.11 Fornecimento de Materiais Relativamente a este item e conforme mencionado no ponto 8), registramos que, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, registam-se as mesmas quantidades apuradas para o assentamento de TUBULAÇÃO, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV.
  28. 28. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 27 de 97 FORNECIMENTO DE MATERIAIS Apurados na Auditoria Tubos em PVC DN300 738,63m Tubos em Concreto DN 400mm 825,53m DN 700mm 2.666,40m Somatório total da TUBULAÇÃO 4.230,56m Após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, verificamos que os valores medidos e faturados são os seguintes: FORNECIMENTO DE MATERIAIS Faturados até à Medição nº31 Tubos em PVC DN300 922,28m Tubos em Concreto DN 400mm 748,23m DN 700mm 2.577,46m Somatório total da TUBULAÇÃO 4.247,97m Em resumo, e face às quantidades apuradas, constatamos que existem diferenças nas quantidades apuradas ao nível dos diâmetros. Contudo, e em termos de somatório total, as diferenças são apenas de 17,41ml. 9.2 INTERCEPTOR MARGEM DIREITA - IMD-2 9.2.1 Canteiro de Obras Relativamente a este item, não nos é possível à presente data averiguar se foi cumprido o previsto nas especificações gerais e se as instalações e operação de canteiro de obras foram realizadas; contudo as mesmas foram faturadas e esgotadas na totalidade face ao previsto em contrato. 9.2.2 Serviços Técnicos Designadamente a este item, registra-se que foram faturados 2.238,93m de locação de interceptores, tendo esta Empresa apurado na auditoria um valor de 2.218,47m.
  29. 29. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 28 de 97 9.2.3 Serviços Preliminares Quanto aos serviços preliminares, informamos que não nos é possível, à presente data, averiguar parte dos serviços realizados, na medida em que os mesmos foram mobilizados para a execução dos interceptores e desmobilizados após a conclusão dos trabalhos, tendo de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, sido utilizados 114m de passadiços em chapa de aço e removidos 1.933m2 de terra vegetal; no entanto e quanto à remoção de terra vegetal registrados que, tendo o trecho decorrido em zona de terra, podemos informar com base na largura das valas que eventualmente existiram até 2.124m2 de remoção de terra vegetal. 9.2.4 Movimento de Terras Escavação Relativamente aos movimentos de terras, registramos que, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, foram constatados os seguintes volumes totais de escavações, adquiridos do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. VOLUME DE ESCAVAÇÃO apurados na Auditoria (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 8.652m3 8.052m3 1.710m3 92m3 18.506,00m3 No entanto e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes:
  30. 30. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 29 de 97 VOLUME DE ESCAVAÇÃO em qualquer terreno, exceto rocha Faturados até à Medição nº31 (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 8.631,93m3 7.807,70m3 1.462,35m3 6,75m3 17.908,73m3 Contudo, para além dos itens de escavação em solos de qualquer natureza, exceto rochas, encontra-se medida e faturada escavação em rocha dura com recurso a explosivo, o que não é passível de averiguação à presente data. Entretanto, e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, perfazem os seguintes valores: ESCAVAÇÃO GERAL Faturados até à Medição nº31 (m3) Escavação Geral Escavação em rocha dura com explosivo 352,25m3 SOMATÓRIO 352,25m3 Em resumo, e face aos volumes de escavação, apenas podemos constar que os volumes totais de escavação apurados na auditoria são 18.506,00m3, e os totais faturados até à medição n.º 31 são (17.908,73m3+ 352,25m3) = 18.260,98m3, existindo um diferencial apurado de menos 245,02m3. Aterros Relativamente aos movimentos de terras, registramos que, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes volumes totais de aterros, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV.
  31. 31. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 30 de 97 VOLUME DE ATERROS apurados na Auditoria (m3) Totais de volumes de aterro realizados 16.900,00m3 Cabe acrescentar que não foram realizadas sondagens no trecho em questão, pelo que não dispomos de informações acerca do tipo de solos utilizados nos aterros. Contudo e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados no decurso da obra são os seguintes: VOLUME DE ATERROS Faturados até à Medição nº31 (m3) Reaterro sem controle do grau de compactação 15.045,19m3 Aterro com areia 23,58m3 SOMATÓRIO 15.068,77m3 Em resumo, e face aos volumes de aterro, apenas podemos constar que os volumes totais de aterro apurados na auditoria são 16.900,00m3, e os totais faturados até à medição n.º 31 são 15.068,77m3, existindo um diferencial apurado de menos 1.831,23m3. No entanto, cabe referir que foi igualmente faturado o transporte de material escavado e fornecimento de terras de empréstimo, contudo e conforme referido anteriormente, não dispomos de sondagens neste trecho, pelo que não podemos tecer comentários acerca do tipo de solos utilizados nos aterros. CARGA, TRANSPORTE E DESCARGA Faturados até à Medição nº31 (m3) Carga e descarga de solo 1.752,23 m3 Transporte de material escavado – solo (bota- fora) e fornecimento de terra 4.963,67 m3xKm
  32. 32. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 31 de 97 9.2.5 Escoramentos Relativamente aos escoramentos, mantém-se o descrito no ponto 5) do trecho IMD-1, pelo que, e tendo em conta que face à profundidade das valas se tornava obrigatória a utilização de escoramento, devido aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se as seguintes áreas de escoramento necessárias de acordo com trabalhos realizados, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. ESCORAMENTO (m2) Estimados na Auditoria FAIXA DE PROFUNDIDADE (m) 3 4 5 6 7 8 5.949m2 11.164m2 668m2 1.200m2 Cabe referir que estas medições são meramente indicativas e que apenas servem de termo de comparação com os valores faturados. Contudo, e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: ESCORAMENTO (m2) Faturados até à Medição nº31 FAIXA DE PROFUNDIDADE (m) 3 4 5 6 7 8 6.139,95m2 8.711,68m2 4.029,43m2 186m2 Em resumo, e face aos escoramentos, constata-se que os valores estimados diferem dos valores medidos e faturados no decurso da obra, no entanto no geral verifica-se medições inferiores às legalmente exigidas em questões de segurança, exceto para escoramentos de valas até 6m, que se encontram faturados muito acima do estimado.
  33. 33. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 32 de 97 9.2.6 Esgotamento Relativamente aos esgotamentos, registramos que, à presente data, não nos é possível verificar ou validar a execução de esgotamentos de águas de superfície ou submersas, na medida em que estes trabalhos realizaram-se no decurso da abertura das valas, tendo de acordo com as quantidades faturadas, até à Medição n.º31, sido esgotadas 4.659hpxh. 9.2.7 Fundações e Estruturas Relativamente a este item, registramos que, à presente data, não nos é possível verificar as zonas de aplicação dos lastros de brita; contudo e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, foram alegadamente aplicados 355,69m3 de lastro de brita. Quanto aos poços de visita, e de acordo com os levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes números de poços, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. POÇOS VISITA – Diâmetro 1,2m para Tubulações a partir 500mm Apurados na Auditoria PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 1 un 17un 10un 5un 1un Face aos poços de visita realizados, existem 34 unidades de tampões em FF DN600. Após análise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registrados que os valores medidos e faturados são os seguintes: POÇOS VISITA – Diâmetro 1,2m para Tubulações a partir 500mm Faturados até à Medição nº31 PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 2 un 14 un 16 un 1un
  34. 34. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 33 de 97 POÇOS VISITA – Tubulações de 900mm Faturados até à Medição nº31 Balão: 1,6x1,6x2,0 1 un Face aos poços de visita faturados, foram faturadas 35 unidades de tampões em FF DN600. Em resumo, existem diferenças entre os tipos de poços de visita verificados na auditoria e os faturados no âmbito da obra, contudo, em termos globais, existe diferença de apenas 1 unidade adicional. 9.2.8 Assentamento Relativamente a este item, registramos que, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes diâmetros e respectivos comprimentos de tubulacao, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO Apurados na Auditoria Tubos em Concreto DN 800mm 2.218,47m Somatório total da tubulacao 2.218,47m Após análise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: ASSENTAMENTO DE TUBULACAO Faturados até à Medição nº31 Tubos em Concreto DN 700mm 49,11m DN 800mm 2.145,93m DN 900mm 113,00m Somatório total da tubulacao 2.308,04m
  35. 35. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 34 de 97 Em resumo, e face às quantidades apuradas, constatamos que existem diferenças nas quantidades apuradas ao nível dos diâmetros; contudo e em termos de somatório total as diferenças são de mais 89,57ml. 9.2.9 Pavimentação Relativamente a este item, registramos que, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, não se verificaram levantamentos e reposições de pavimentos, uma vez que o trecho IMD-2 se desenvolveu em caminho de terra, à exceção do trecho entre o poço de visita PV8 e PV10, sendo este em paralelo. Cabe informar que os pequenos trabalhos de reposição de guias e sarjetas não foram apurados. Após análise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: PAVIMENTAÇÃO Faturados até à Medição nº31 Levantamento e reposição de pavimentação 1.964,89m2 Recomposição de passeios cimentados 42m2 Assentamento de guias 28m Construção de sarjetas 0,67m3 Face ao atrás mencionado, verificamos que se encontra faturado levantamento e reposição de pavimentação, contudo e de acordo os levantamentos realizados, não existem pavimentações asfálticas nas zonas intervencionadas. 9.2.10 – Fornecimento de Materiais Relativamente a este item e conforme mencionado no ponto 8), registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, registam-se as mesmas quantidades apuradas para o assentamento de tubulação, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV.
  36. 36. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 35 de 97 FORNECIMENTO DE MATERIAIS Apurados na Auditoria Tubos em Concreto DN 800mm 2.218,47m Somatório total da TUBULAÇÃO 2.218,47m Contudo e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registrados que os valores medidos e faturados são os seguintes: FORNECIMENTO DE MATERIAIS Faturados até à Medição nº31 Tubos em Concreto DN 700mm 49,11m DN 800mm 2.145,93m DN 900mm 113,00m Somatório total da TUBULAÇÃO 2.308,04m Em resumo, e face às quantidades apuradas, constatamos que existem diferenças nas quantidades apuradas ao nível dos diâmetros, sendo que e em termos de somatório total as diferenças são de 89,57ml. 9.3 INTERCEPTOR MARGEM DIREITA - IMD-3 Registra-se que este interceptor não foi realizado, tendo o mesmo sido substituído pelo IME-1A, trasladado para a margem direita do rio. 8.4 – Interceptor Margem Esquerda - IME-1A Relativamente ao IME-1A, cabe referir que de acordo com os elementos entregues pela Prefeitura de Amparo no âmbito do presente contrato, ficaram por realizar os trechos entre os poços de visita PV58 e 60 e PV63 e 68, pelo que os mesmos não foram considerados nas presentes medições.
  37. 37. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 36 de 97 9.3.1 Canteiro de Obras Relativamente a este item, não nos é possível, à presente data, averiguar se foi cumprido o previsto nas especificações gerais e se as instalações e operação de canteiro foram realizadas; contudo as mesmas foram faturadas e esgotadas na globalidade face ao previsto em contrato. 9.3.2 Serviços Técnicos Relativamente a este item, registra-se que foram faturados 2.716,95m de locação de interceptores, tendo esta Empresa apurado na auditoria um valor de 3.265,87m. 9.3.3 Serviços Preliminares Quanto aos serviços preliminares realizados, informamos que não nos é possível à presente data averiguar os serviços realizados, na medida em que os mesmos foram mobilizados para a execução dos interceptores e desmobilizados após a conclusão dos trabalhos, tendo de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, sido utilizada sinalização numa extensão de 3.015,20m e colocados 3.253,34m de tapumes contínuos com iluminação de segurança, 4,81m2 de sustentação de estruturas existentes e 400m2 de remoção de terra vegetal. No entanto, e conforme já referido, estas quantidades não são passíveis de averiguação. 9.3.4 Movimento de Terras Escavação Relativamente aos movimentos de terras, registramos que, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes volumes totais de escavações, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. VOLUME DE ESCAVAÇÃO apurados na Auditoria (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 7.807m3 7.655m3 6.053m3 924m3 22.438,00m3 No entanto e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes:
  38. 38. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 37 de 97 VOLUME DE ESCAVAÇÃO em qualquer terreno, exceto rocha Faturados até à Medição nº31 (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 13.293,67m3 7.081,32m3 5.465,14m3 665,43m3 26.505,60m3 Contudo, para além dos itens de escavação em solos de qualquer natureza, exceto rochas, encontra-se medido e faturado escavação em jazida de solo, rocha dura com recurso a explosivo e escavação manual, não sendo possível à presente data averiguar a realização destes trabalhos, que de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, perfazem os seguintes valores: ESCAVAÇÃO GERAL Faturados até à Medição nº31 (m3) Escavação Geral Escavação em jazida de solo 4.198,00m3 Escavação em rocha dura com explosivo 3,00m3 Escavação Manual de Valas Até 2,0 m de profundidade 119,00m3 SOMATÓRIO 4.320,00m3 Em resumo, e face aos volumes de escavação, apenas podemos constar que os volumes totais de escavação apurados na auditoria são 22.438,00m3, e os totais faturados até à medição n.º 31 são (25.505,60m3+ 4.320,00m3) = 30.825,60m3, existindo um diferencial apurado de mais 8.387,60m3. Aterros Relativamente aos movimentos de terras, registramos que, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes volumes totais de aterros, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV.
  39. 39. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 38 de 97 De referir que à presente data, apenas podemos averiguar o volume de aterros realizados, não sendo possível verificar se os mesmos foram executados com ou sem controle de compactação. VOLUME DE ATERROS apurados na Auditoria (m3) Totais de volumes de aterro realizados 21.469,00m3 Contudo, e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados no decurso da obra são os seguintes: VOLUME DE ATERROS Faturados até à Medição nº31 (m3) Reaterro sem controle do grau de compactação 24.620,41m3 Reaterro com G.C. >=95% do P.N. 8.732,77m3 SOMATÓRIO 33.353,18m3 Em resumo, e face aos volumes de escavação, apenas podemos constar que os volumes totais de aterro apurados na auditoria são 21.469,00m3, e os totais faturados até à medição n.º 31 são 33.353,18m3 , existindo um diferencial apurado de mais 11.884,18m3. Acresce referir que na inexistência de sondagens neste interceptor não é possível averiguar a utililização de solos de substituição no aterro das valas. No entanto encontra-se faturado o transporte de material escavado e o fornecimento de terras de empréstimo, sendo importante salientar que estes trabalhos representam montantes financeiros consideravelmente altos. CARGA, TRANSPORTE E DESCARGA Faturados até à Medição nº31 (m3) Carga e descarga de solo 7.263,77 m3 Transporte de material escavado – solo (bota- fora) e fornecimento de terra 114.861 m3xKm
  40. 40. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 39 de 97 9.3.5 Escoramentos Relativamente aos escoramentos, mantém-se o descrito no ponto 5) do trecho IMD1, pelo que e tendo em conta que face à profundidade das valas se tornava obrigatória a utilização de escoramento, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, apurou-se as seguintes áreas de escoramento necessárias face aos trabalhos realizados, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. ESCORAMENTO (m2) Estimados na Auditoria FAIXA DE PROFUNDIDADE (m) 3 4 5 6 7 8 1.321m2 4.506m2 15.015m2 12.705m2 3.737m2 Após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: ESCORAMENTO (m2) Faturados até à Medição nº31 FAIXA DE PROFUNDIDADE (m) 3 4 5 6 7 8 343,36m2 1.750,18m2 4.720,99m2 15.162,78m2 8.786,35m2 2.038m2 Em resumo, e face aos escoramentos, constata-se que os valores estimados diferem consideravelmente dos valores medidos e faturados no decurso da obra. No entanto, no geral, verificam-se medições inferiores às legalmente exigidas. 9.3.6 Esgotamento Relativamente aos esgotamentos, registramos que à presente data não nos é possível verificar ou validar a execução de esgotamentos de águas de superfície ou submersas, na medida em que estes trabalhos decorreram no decurso da abertura das valas, tendo de acordo com as quantidades faturadas
  41. 41. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 40 de 97 até à Medição n.º31 sido alegadamente esgotadas águas de superfície 8.612hpxh e realizados rebaixamentos do nível freático. 9.3.7 Fundações e Estruturas Relativamente a este item, registramos que à presente data não nos é possível verificar as zonas de aplicação dos lastros de brita, contudo e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, foram alegadamente aplicados 389,90m3 de lastro de brita. Quanto aos poços de visita e de acordo com os levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes números de poços, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. POÇOS VISITA – Diâmetro 1,0m para Tubulações até 400mm Apurados na Auditoria PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 2 un 3un 9un 2un 1un POÇOS VISITA – Diâmetro 1,2m para Tubulações a partir 500mm Apurados na Auditoria PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 22un 19un Face a estes poços de visita, existem 58 unidades de tampões em FF DN600. Contudo e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes:
  42. 42. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 41 de 97 POÇOS VISITA – Diâmetro 1,0m para Tubulações até 400mm Faturados até à Medição nº31 PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 1 un 4 un 4 un 5un 1un POÇOS VISITA – Diâmetro 1,2m para Tubulações a partir 500mm Faturados até à Medição nº31 PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 25un 12un Face a estes poços de visita, foram faturadas 52 unidades de tampões em FF DN600. Em resumo registra-se que existem diferenças entre os tipos de poços de visita verificados na auditoria e os faturados no âmbito da obra, sendo que em termos de somatório global existe uma diferença de menos 6 unidades faturadas, face ao apurado. 9.3.8 Assentamento Relativamente a este item, registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes diâmetros e respectivos comprimentos de tubulação, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO Apurados na Auditoria Tubos em Concreto DN 400mm 882,50m DN 500mm 1.552,60m DN 600mm 778,57m Somatório total da TUBULAÇÃO 3.213,67m
  43. 43. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 42 de 97 Contudo, e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO Faturados até à Medição nº31 52,74m Tubos em PVC DN300 Tubos em Concreto DN 400mm 841,99m DN 500mm 1.471,67m DN 600mm 775,71m Somatório total da TUBULAÇÃO 3.142,11m Em resumo, e face às quantidades apuradas, constatamos que existem diferenças nas quantidades apuradas ao nível dos diâmetros. Contudo e em termos de somatório total as diferenças são de menos 71,56ml. 9.3.9 Pavimentação Relativamente a este item, registramos que, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes valores de pavimentações, tendo por base a largura das valas intervencionadas. Mais acresce referir que os pequenos trabalhos de reposição de guias e sarjetas não foram apurados. PAVIMENTAÇÃO Apurados na Auditoria Levantamento e reposição de pavimentação 4.017,00m2 Após análise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes:
  44. 44. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 43 de 97 PAVIMENTAÇÃO Faturados até à Medição nº31 Levantamento e reposição de pavimentação 20536,39m2 247m2 Recomposição de passeios cimentados Assentamento de guias 247m Construção de sarjetas 11,11m3 Em resumo, e face às quantidades apuradas, constatamos que existem diferenças consideráveis nível da pavimentação asfáltica. No entanto, tal poderá se dever ao fato de as vias terem sido alargadas, sendo que no actual momento não existirem dados objectivos que permitam a avaliação deste diferencial. 9.3.10 Travessias – 2 Travessias sob cursos d´agua Relativamente a este item, registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se a existência de um poço de visita especial, encontrando-se igualmente faturado. Encontra-se igualmente faturado a execução de trecho pelo método não destrutivo DN600 no valor de R$ 96.556,14, não tendo sido possível apurar por esta Empresa a correspondência deste trecho no terreno de forma objetiva. 9.3.11 Fornecimento de Materiais Relativamente a este item e conforme mencionado no ponto 8), registramos que, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, verificam-se as mesmas quantidades apuradas para o assentamento de tubulação, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV.
  45. 45. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 44 de 97 FORNECIMENTO DE MATERIAIS Apurados na Auditoria Tubos em Concreto DN 400mm 882,50m DN 500mm 1.552,60m DN 600mm 778,57m Somatório total da TUBULAÇÃO 3.213,67m Contudo e após em analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: FORNECIMENTO DE MATERIAIS Faturados até à Medição nº31 Tubos em PVC DN300 52,74m Tubos em Concreto DN 400mm 506,83m DN 500mm 1.471,67m DN 600mm 775,71m DN 800mm 775,71m Travessias sob curso d´água 25,00m DN 400mm 136,00m Somatório total da TUBULAÇÃO 2.967,95m Em resumo, e face às quantidades apuradas, constatamos que existem diferenças nas quantidades apuradas ao nível dos diâmetros, sendo que não se compreende a razão de existirem quantidades faturadas para assentamento superiores aos tubos fornecidos de DN400, em termos de somatório total entre os valores apurados na auditoria e os faturados registam-se diferenças de menos 247,72ml. 9.4 INTERCEPTOR MARGEM ESQUERDA - IME-1A Registra-se que este trecho foi realizado na margem direita do rio, em substituição do trecho IMD-3.
  46. 46. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 45 de 97 9.4.1 Canteiro de Obras Relativamente a este item, não nos é possível à presente data averiguar se foi cumprido o previsto nas especificações gerais e se as instalações e operação de canteiro foram realizadas, muito embora as mesmas foram faturadas e esgotadas na totalidade face ao previsto em contrato. 9.4.2 Serviços Técnicos Relativamente a este item, registra-se que foram faturados 1.034,04m de locação de interceptores, tendo esta Empresa apurado na auditoria um valor de 985,82m. 9.4.3 Serviços Preliminares Quanto aos serviços preliminares realizados, informamos que não nos é possível à presente data averiguar os serviços realizados, tendo de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, sido retiradas 50un de árvores com destocamento. No entanto, e conforme já referido anteriormente, estas quantidades não são passiveis de averiguação. 9.4.4 Movimento de Terras Escavação Relativamente aos movimentos de terras, registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes volumes totais de escavações, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. VOLUME DE ESCAVAÇÃO apurados na Auditoria (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 3.638m3 3.106m3 806m3 7.550,00m3 No entanto, e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes:
  47. 47. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 46 de 97 VOLUME DE ESCAVAÇÃO em qualquer terreno, exceto rocha Faturados até à Medição nº31 (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 3.694m3 3.332m3 854m3 7.880,00m3 Contudo, para além dos itens de escavação em solos de qualquer natureza, exceto rochas, encontra-se medido e faturado escavação em rocha dura com recurso a explosivo, não sendo possível à presente data averiguar a realização destes trabalhos, que de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, perfazem os seguintes valores: ESCAVAÇÃO GERAL Faturados até à Medição nº31 (m3) Escavação Geral Escavação em rocha dura com explosivo 141,05m3 SOMATÓRIO 141,05m3 Em resumo, e face aos volumes de escavação, apenas podemos constar que os volumes totais de escavação apurados na auditoria são 7.550,00m3, e os totais faturados até à medição n.º 31 são (7.880,00m3+ 141,05m3 ) = 8.021,05m3, existindo um diferencial apurado de mais 471,05m3. Aterros Relativamente aos movimentos de terras, registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes volumes totais de aterros, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV.
  48. 48. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 47 de 97 VOLUME DE ATERROS apurados na Auditoria (m3) Totais de volumes de aterro realizados 7.014,00m3 Contudo, e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados no decurso da obra são os seguintes: VOLUME DE ATERROS Faturados até à Medição nº31 (m3) Reaterro sem controle do grau de compactação 7.338,00m3 Em resumo, e face aos volumes de escavação, podemos constar que os volumes totais de aterro apurados na auditoria são 7.014,00m3, e os totais faturados até à medição n.º 31 são 7.338,00m3, existindo um diferencial apurado de mais 324m3. Contudo, carece referir que foram igualmente faturados os transportes de materiais escavados, contudo à presente data também não é possível averiguar a execução de este trabalho. CARGA, TRANSPORTE E DESCARGA Faturados até à Medição nº31 (m3) Carga e descarga de solo 543 m3 9.4.5 Escoramentos Relativamente aos escoramentos, mantém-se o descrito no ponto 5) do trecho IMD1. Face ao exposto e tendo em conta que devido à profundidade das valas se tornava obrigatória a utilização de escoramento, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se as seguintes áreas de escoramento necessárias face aos trabalhos realizados, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV.
  49. 49. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 48 de 97 ESCORAMENTO (m2) Estimados na Auditoria FAIXA DE PROFUNDIDADE (m) 3 4 5 6 7 8 782m2 2.340m2 2.914m2 2.412m2 Contudo e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: ESCORAMENTO (m2) Faturados até à Medição nº31 FAIXA DE PROFUNDIDADE (m) 3 4 5 6 7 8 465m2 1.120m2 5.143m2 1.791m2 Em resumo, e face aos escoramentos, constata-se que os valores apurados diferem consideravelmente dos valores medidos e faturados no decurso da obra. 9.4.6 – Esgotamento Relativamente aos esgotamentos, registramos que à presente data não nos é possível verificar ou validar a execução de esgotamentos de águas de superfície ou submersas, na medida em que estes trabalhos decorreram no decurso da abertura das valas, tendo de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, sido esgotadas 1.500hpxh. 9.4.7 Fundações e Estruturas Relativamente a este item, registramos que à presente data não nos é possível verificar as zonas de aplicação dos lastros de brita, porém e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, foram alegadamente aplicados 108,58m3 de lastro de brita. Quanto aos poços de visita e de acordo com os levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes números de poços, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV.
  50. 50. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 49 de 97 POÇOS VISITA – Diâmetro 1,2m para Tubulações a partir 500mm Apurados na Auditoria PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 4 un 2un 6un 1un 1un Face aos poços de visita realizados, existem 14 unidades de tampões em FF DN600. Contudo, e após em analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: POÇOS VISITA – Diâmetro 1,2m para Tubulações a partir 500mm Faturados até à Medição nº31 PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 1 un 1 un 4 un 6 un 1un 1un Em virtude dos poços de visita realizados, foram faturadas 14 unidades de tampões em FF DN600. Em resumo, existem diferenças entre os tipos de poços de visita verificados na auditoria e os faturados no âmbito da obra, no entanto, em termos globais, não existe diferença no número de poços faturados. 9.4.8 Assentamento Relativamente a este item, registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes diâmetros e respectivos comprimentos de TUBULAÇÃO, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV.
  51. 51. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 50 de 97 ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO Apurados na Auditoria Tubos em Concreto DN 700mm 985,92m Contudo, e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: FORNECIMENTO DE MATERIAIS Faturados até à Medição nº31 Tubos em Concreto DN 700mm 1034,00m Em resumo, e face às quantidades apuradas, constatamos que existem diferenças nas quantidades, existindo um diferencial de mais 48,04m de TUBULAÇÃO. 9.4.9 Fornecimento de Materiais Relativamente a este item, e conforme mencionado no ponto 8), registramos que devido aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, registam-se as mesmas quantidades apuradas para o assentamento de tubulação, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. FORNECIMENTO DE MATERIAIS Apurados na Auditoria Tubos em Concreto DN 700mm 985,92m Contudo, e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes:
  52. 52. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 51 de 97 ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO Faturados até à Medição nº31 Tubos em Concreto DN 700mm 1034,04m Em resumo, e face às quantidades apuradas, constatamos que existem diferenças nas quantidades, existindo um diferencial de mais 48,04m de TUBULAÇÃO. 9.5 INTERCEPTOR MARGEM ESQUERDA - IME-2 9.5.1 Canteiro de Obras Relativamente a este item, à presente data não nos é possível averiguar se foi cumprido o previsto nas especificações gerais e se as instalações e operação de canteiro foram realizadas, contudo as mesmas foram faturadas e esgotadas na totalidade face ao previsto em contrato. 9.5.2 Serviços Técnicos Relativamente a este item, registra-se que foram faturados 917,09m de locação de interceptores, tendo esta Empresa apurado na presente auditoria um valor de 910,17m 9.5.3 Movimento de Terras Escavação Relativamente aos movimentos de terras, registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes volumes totais de escavações, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. VOLUME DE ESCAVAÇÃO apurados na Auditoria (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 1.995m3 1.740m3 566m3 95m3 4.396,00m3
  53. 53. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 52 de 97 No entanto, e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: VOLUME DE ESCAVAÇÃO em qualquer terreno, exceto rocha Faturados até à Medição nº31 (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 2.017,60m3 2.001,60m3 544,34m3 4.563,54m3 Em resumo, e face aos volumes de escavação, podemos constar que os volumes totais de escavação apurados na auditoria são 4.396,00m3, e os totais faturados até à medição n.º 31, são 4.563,54m3, existindo um diferencial apurado de mais 167,54m3. Aterros Relativamente aos movimentos de terras, registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes volumes totais de aterros, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. VOLUME DE ATERROS apurados na Auditoria (m3) Totais de volumes de aterro realizados 4.217,00m3 Contudo, e após em analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados no decurso da obra são os seguintes: VOLUME DE ATERROS Faturados até à Medição nº31 (m3) Reaterro sem controle do grau de compactação 3.744,23m3 Aterro com areia 30,56m3 SOMATÓRIO 3.774,79m3
  54. 54. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 53 de 97 Em resumo, e face aos volumes de aterro, podemos constar que os volumes totais de aterro apurados na auditoria são 4.217,00m3, e os totais faturados até à medição n.º 31 são 3.774,79m3, existindo um diferencial apurado de menos 442,21m3. Contudo cabe referir que foram igualmente faturados os transportes de material escavado, entretanto á presente data também não é possível averiguar este trabalho.CARGA, TRANSPORTE E DESCARGA Faturados até à Medição nº31 (m3) Carga e descarga de solo 136,92 m3 9.5.4 – Escoramentos Relativamente aos escoramentos, mantém-se o descrito no ponto 5) do trecho IMD1. Não obstante e tendo em conta que em virtude à profundidade das valas se tornava obrigatória a utilização de escoramento, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se as seguintes áreas de escoramento necessárias devido aos trabalhos realizados, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. ESCORAMENTO (m2) Estimados na Auditoria FAIXA DE PROFUNDIDADE (m) 3 4 5 6 7 8 199m2 2.888m2 1.679m2 758m2 2.486m2 Contudo e após em analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes:
  55. 55. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 54 de 97 ESCORAMENTO (m2) Faturados até à Medição nº31 FAIXA DE PROFUNDIDADE (m) 3 4 5 6 7 8 2.849,27m2 2.633,05m2 3.207,00m2 Em resumo e mediante aos escoramentos, constata-se que os valores apurados diferem consideravelmente dos valores medidos e faturados no decurso da obra, contudo na globalidade são inferiores aos estimados na auditoria. 9.5.5 Esgotamento Relativamente aos esgotamentos, à presente data, registramos que não nos é possível verificar ou validar a execução de esgotamentos de águas de superfície ou submersas, na medida em que estes trabalhos decorreram no decurso da abertura das valas, tendo de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, sido alegadamente esgotadas 1.918hpxh. 9.5.6 Fundações e Estruturas Relativamente a este item, registramos que à presente data não nos é possível verificar as zonas de aplicação dos lastros de brita. Contudo e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, foram alegadamente aplicados 55,02m3 de lastro de brita. Quanto aos poços de visita e de acordo com os levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes números de poços, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. POÇOS VISITA – Diâmetro 1m para Tubulações até 400mm Apurados na Auditoria PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 1un 2 un 4un 2un 2un 2un Face aos poços de visita realizados, existem 13 unidades de tampões em FF DN600.
  56. 56. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 55 de 97 Contudo e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: POÇOS VISITA – Diâmetro 1m para Tubulações até 400mm Faturados até à Medição nº31 PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 1 un 5 un 3 un 4un Face aos poços de visita realizados, foram faturadas 13 unidades de tampões em FF DN600. Em resumo, existem diferenças entre os tipos de poços de visita verificados na auditoria e os faturados no âmbito da obra, no entanto em termos globais não existe diferença no somatório de poços faturados. 9.5.7 Assentamento Relativamente a este item, registramos que em virtude aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes diâmetros e respectivos comprimentos de tubulação, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO Apurados na Auditoria Tubos em Concreto DN 400mm 910,17m Contudo, e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO Faturados até à Medição nº31 Tubos em Concreto DN 400mm 917,09m
  57. 57. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 56 de 97 Em resumo, e mediante às quantidades apuradas, constatamos que existem pequenas diferenças nas quantidades, existindo um diferencial de apenas mais 6,92m de TUBULAÇÃO. 9.5.8 Fornecimento de Materiais Relativamente a este item e conforme mencionado no ponto 8), registramos que, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, registam-se as mesmas quantidades apuradas para o assentamento de tubulação, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. FORNECIMENTO DE MATERIAIS Apurados na Auditoria Tubos em Concreto DN 400mm 910,17m Contudo, e após em analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: FORNECIMENTO DE MATERIAIS Faturados até à Medição nº31 Tubos em Concreto DN 400mm 917,09m Em resumo, e face às quantidades apuradas, constatamos que existem pequenas diferenças nas quantidades, existindo um diferencial de apenas 6,92m de tubulação. 9.6 INTERCEPTOR MARGEM ESQUERDA - IME-3 9.6.1 Canteiro de Obras Relativamente a este item, à presente data, não nos é possível averiguar se foi cumprido o previsto nas especificações gerais e se as instalações e operação de canteiro foram realizadas, contudo as mesmas foram faturadas e esgotadas na totalidade conforme o previsto em contrato.
  58. 58. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 57 de 97 9.6.2 Serviços Técnicos Relativamente a este item, registra-se que foram faturados 585,54m de locação de interceptores, tendo esta Empresa apurado na auditoria um valor de 602,25m. 9.6.3 Serviços Preliminares Quanto aos serviços preliminares realizados, à presente data, informamos que não nos é possível averiguar os serviços realizados, tendo de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, sido removidas 745,97m2 de terra vegetal. No entanto, e tendo o trecho decorrido em zona de terra, podemos informar com base na largura das valas que eventualmente existiram na ordem dos 600m2 de remoção de terra vegetal. 9.6.4 Movimento de Terras Escavação Relativamente aos movimentos de terras, registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes volumes totais de escavações, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. VOLUME DE ESCAVAÇÃO apurados na Auditoria (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 1.163m3 810m3 14m3 1.986,00m3 No entanto, e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes:
  59. 59. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 58 de 97 VOLUME DE ESCAVAÇÃO em qualquer terreno, exceto rocha Faturados até à Medição nº31 (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 1.133,29m3 597,71m3 113,17m3 1.844,17m3 Em resumo, e face aos volumes de escavação, podemos constar que os volumes totais de escavação apurados na auditoria são 1.986,00m3, e os totais faturados até à medição n.º 31 são 1.844,17m3, existindo um diferencial apurado de menos 141,83m3. Aterros Relativamente aos movimentos de terras, registramos que, face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes volumes totais de aterros, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. VOLUME DE ATERROS apurados na Auditoria (m3) Totais de volumes de aterro realizados 1.938,00m3 Contudo, e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados no decurso da obra são os seguintes: VOLUME DE ATERROS Faturados até à Medição nº31 (m3) Reaterro sem controle do grau de compactação 1.764,59m3 Em resumo, e face aos volumes totais de aterro apurados na auditoria são 1.938,00m3, e os totais faturados até à medição n.º 31, são 1.764,59m3, existindo um diferencial apurado de menos 173,41m3.
  60. 60. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 59 de 97 Contudo acresce referir que foram igualmente faturados os transportes de material escavado, não sendo possível à presente data também averiguar este trabalho. CARGA, TRANSPORTE E DESCARGA Faturados até à Medição nº31 (m3) Carga e descarga de solo 66,44 m3 Transporte de material escavado – solo (bota- fora) e fornecimento de terra 63,33 m3xKm 9.6.5 Escoramentos Relativamente aos escoramentos, mantém-se o descrito no ponto 5) do trecho IMD1. Face ao exposto e tendo em conta que relativamente à profundidade das valas se tornava obrigatória a utilização de escoramento, devido aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se as seguintes áreas de escoramento necessárias emvirtude dos trabalhos realizados, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. ESCORAMENTO (m2) Estimados na Auditoria FAIXA DE PROFUNDIDADE (m) 3 4 5 6 7 8 737m2 2.276m2 1.055m2 Contudo, e após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes:
  61. 61. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 60 de 97 ESCORAMENTO (m2) Faturados até à Medição nº31 FAIXA DE PROFUNDIDADE (m) 3 4 5 6 7 8 859,10m2 1.295,04m2 1.534,18m2 Em resumo, e face aos escoramentos, constata-se que os valores apurados diferem consideravelmente dos valores medidos e faturados no decurso da obra, contudo na globalidade são inferiores aos estimados na auditoria. 9.6.6 Esgotamento Relativamente aos esgotamentos, à presente data registramos que não nos é possível verificar ou validar a execução de esgotamentos de águas de superfície ou submersas, na medida em que estes trabalhos decorreram no decurso da abertura das valas, tendo de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, sido alegadamente esgotadas 1.664hpxh. 9.6.7 Fundações e Estruturas Relativamente a este item, registramos que à presente data não nos é possível verificar as zonas de aplicação dos lastros de brita, contudo e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º31, foram aplicados 19,75m3 de lastro de brita. Quanto aos poços de visita e de acordo com os levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes números de poços, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. POÇOS VISITA – Diâmetro 1,2m para Tubulações a partir de 500mm Apurados na Auditoria PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 1un 2 un 6un 1un
  62. 62. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 61 de 97 Face aos poços de visita realizados, existem 10 unidades de tampões em FF DN600. Contudo, e apó analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: POÇOS VISITA – Diâmetro 1,2m para Tubulações a partir 500mm Faturados até à Medição nº31 PROFUNDIDADE 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 7,00 1 un 1 un 1 un 4 un Face aos poços de visita realizados, foram faturadas 7 unidades de tampões em FF DN600. Em resumo, existem diferenças entre os tipos de poços de visita verificados na auditoria e os faturados no âmbito da obra, sendo que em termos globais, existe diferença de menos 3 poços faturados. 9.6.8 – Assentamento Relativamente a este item, registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes diâmetros e respectivos comprimentos de tubulação, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO Apurados na Auditoria Tubos em PVC DN300 602,25m Contudo, e após em analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO Faturados até à Medição nº31 Tubos em PVC DN300 585,25m
  63. 63. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 62 de 97 Em resumo, e face às quantidades apuradas, constatamos que existem pequenas diferenças nas quantidades, existindo um diferencial de menos 16,71m. 9.6.9 – Pavimentação Relativamente a este item, e apesar de serem valores estimados, registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes valores de regularização de superfícies de terras, tendo por base o somatório da largura da vala. PAVIMENTAÇÃO Apurados na Auditoria Regularização mecanizada de superfícies – ruas de terras 602m2 Após analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: PAVIMENTAÇÃO Faturados até à Medição nº31 Regularização mecanizada de superfícies – ruas de terras 745,97m2 9.6.10 Fornecimento de Materiais Relativamente a este item e conforme mencionado no ponto 8), registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, registam-se as mesmas quantidades apuradas para o assentamento de TUBULAÇÃO, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo IV. FORNECIMENTO DE MATERIAIS Apurados na Auditoria Tubos em PVC DN300 602,25m Contudo, e após em analise às quantidades faturadas até à Medição n.º31, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes:
  64. 64. P007_201 Fevereiro 2 FORNEC Faturados Tubos em Em resum quantidade MEDI10 Face aos e por esta E e aterro, e escoramen recarga de Após a re anexo VII) Em resum seguir des 10.1 INTE Relativame Amparo, n PV54 e 65 10.1.1 Ser Relativame interceptor 10.1.2 Ser Quanto ao averiguar o 3– Auditor 2014 IMENTO DE s até à Med m PVC DN30 mo, e face es, existindo IÇÕES DO elementos mpresa, ap extensões e nto necessá e solos face alização da , com as qu o, e com b criminados ERCEPTO ente ao IM no âmbito d 5, pelo que a rviços Téc ente a est res, tendo e rviços Pre os serviços os serviços ia Financeir E MATERIA ição nº31 00 às quantid o um difere OS TRABA enviados p puraram-se e diâmetros árias face à e às zonas i as mediçõe uantidades f ase nos ele : OR MARGE D-1, cabe do contrato a presente a cnicos te item, re esta Empres eliminares s preliminar s realizados ra ao Projet AIS dades apur ncial de me ALHOS RE pela Prefeitu medições ( s de coleto às profundi ntervencion es e respec faturadas a ementos ap EM DIREIT referir que n.º 142/20 analise se r gistra-se q sa apurado s res realizad s, tendo de to – REVISÃ radas, cons enos 16,71m EALIZADO ura de Amp (ver anexo ores, númer idades apu nadas. ctivos cálcu até à Mediçã purados, co TA - IMD-1 de acordo 011, foram refere aos m que foram na auditori dos, inform acordo co ÃO 0 585,2 statamos q m. OS SOBRE paro e resp VI) nos vár ro e profun radas, bem ulos foi ela ão n.º13. ontatou-se o com os el executados mesmos. faturados a um valor amos que m as quan 25m ue existem E O CONTR ectivos trab rios trechos didade dos m como as borada um o seguinte r ementos en s os trecho 480,03m d de 521,85m à presente tidades fatu m pequenas RATO N.º balhos de c s, de volum s poços de áreas de p a planilha relativamen ntregues pe os entre os de locação m. e data não uradas até Página 63 s diferença 142/2011 campo reali es de esca visita e ár pavimentaç de medição nte aos trec ela Prefeitu s poços de o e cadast o nos é po à Medição de 97 s nas zados vação rea de ção ou o (ver chos a ura de visita tro de ossível n.º13
  65. 65. P007_2013– Auditoria Financeira ao Projeto – REVISÃO 0 Fevereiro 2014 Página 64 de 97 sido colocados 433,07m de sinalização de trânsito. No entanto e conforme já referido estas quantidades não são passiveis de averiguação. 10.1.3 Movimento de Terras Escavação Relativamente aos movimentos de terras, registramos que face aos levantamentos topográficos realizados e respetivas medições elaboradas, constatou-se os seguintes volumes totais de escavações, retirados do resumo das planilhas de medição constantes no Anexo VI. VOLUME DE ESCAVAÇÃO apurados na Auditoria (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 1.044m3 1.015m3 398m3 11m3 2.469m3 No entanto, e de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º13, registramos que os valores medidos e faturados são os seguintes: VOLUME DE ESCAVAÇÃO em qualquer terreno, exceto rocha Faturados até à Medição nº13 (m3) FAIXAS PROFUNDIDADE TOTAL 2 2-4 4-6 6-8 639,51m3 60,28m3 54,52m3 754,31m3 Contudo, para além dos itens de escavação em solos de qualquer natureza, exceto rochas, encontra-se medido e faturado escavação em rocha branda ou moledo, a frio não sendo possível à presente data averiguar a realização destes trabalhos, que de acordo com as quantidades faturadas até à Medição n.º13, perfazem os seguintes valores:

×