António ramos rosa

2.972 visualizações

Publicada em

Pequena biografia do poeta António Ramos Rosa

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.972
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
818
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

António ramos rosa

  1. 1. BIOGRAFIA RESUMIDA ANTÓNIO RAMOS ROSA
  2. 2. António Ramos Rosa Poeta Nasceu em 17 de Outubro de 1924, Morreu a 23 de Setembro de 2013, com 88 anos. Recebeu o Prémio Pessoa em 1988, Grande Prémio de Poesia da APE, 1989, Prémio Sophia de Mello Breyner, 2005.
  3. 3. «O dia é alto quando na mesa nada espera que não seja poesia.» António Ramos Rosa O último livro que editou intitula-se : “Cada árvore é um ser para ser em nós”
  4. 4. Não Posso Adiar o Amor Não posso adiar o amor para outro século não posso ainda que o grito sufoque na garganta ainda que o ódio estale e crepite e arda sob montanhas cinzentas e montanhas cinzentas Não posso adiar este abraço que é uma arma de dois gumes amor e ódio Não posso adiar ainda que a noite pese séculos sobre as costas e a aurora indecisa demore não posso adiar para outro século a minha vida nem o meu amor nem o meu grito de libertação Não posso adiar o coração António Ramos Rosa, in "Viagem Através de uma Nebulosa"
  5. 5. Para um Amigo Tenho sempre Para um amigo tenho sempre um relógio esquecido em qualquer fundo de algibeira. Mas esse relógio não marca o tempo inútil. São restos de tabaco e de ternura rápida. É um arco-íris de sombra, quente e trémulo. É um copo de vinho com o meu sangue e o sol. António Ramos Rosa, in "Viagem Através de uma Nebulosa"
  6. 6. A Festa do Silêncio Escuto na palavra a festa do silêncio. Tudo está no seu sítio. As aparências apagaram-se. As coisas vacilam tão próximas de si mesmas. Concentram-se, dilatam-se as ondas silenciosas. É o vazio ou o cimo? É um pomar de espuma. Uma criança brinca nas dunas, o tempo acaricia, o ar prolonga. A brancura é o caminho. No centro do dia há uma fonte de água clara. Se digo árvore a árvore em mim respira. António Ramos Rosa, in "Volante Verde"
  7. 7. OBRA POÉTICA DE ANTÓNIO RAMOS ROSA • Cada árvore é um ser para ser em nós; • Viagem através duma nebulosa; • Sobre o rosto da terra; • Ocupação do espaço; • Estou vivo e escrevo sol; • A pedra nua; • As marcas no deserto; • A nuvem sobre a página; • Círculo aberto; Clareiras; • Volante verde; • A rosa esquerda; • Facilidade do ar; • A intacta ferida; (…)

×