Programa de Alimentação do
Trabalhador - PAT
Nutricionista Débora Razera Peluffo
Perfil nutricional brasileiro
Nas últimas décadas observou-se uma mudança no
perfil epidemiológico da população brasileira...
Obesidade
Organização Mundial da Saúde (OMS):
• Em 2005 o mundo teria 1,6 bilhões
de pessoas acima de 15 anos de
idade com...
Enfermidades do coração, câncer,
diabetes, acidente vascular cerebral e
doenças pulmonares crônicas matam
cerca de 36 milh...
E agora???
“O controle dessas doenças só pode ser alcançado por meio de
esforços concentrados na prevenção e controle dos fatores de
...
Ambiente de trabalho
Modificações de comportamento
precursor de doenças
Função
ocupacional
Dieta
Atividade
física
Tabagismo
Estratégia Global da OMS para alimentação saudável,
atividade física e saúde
OBJETIVO:
Estimular hábitos saudáveis de alim...
• Considera as empresas que fornecem alimentação coletiva
como protagonistas importantes na promoção de uma
alimentação sa...
O que é o PAT?
Criado pela Lei nº 6.321 de 14 de abril de 1976 (regulamentada
em 1991), o Programa de Alimentação do Traba...
O atendimento ao trabalhador de baixa renda, melhorando suas
condições nutricionais gerando, consequentemente, saúde, bem
...
A melhoria da situação nutricional dos trabalhadores,
prioritariamente os de baixa renda, visando promover a sua
saúde e p...
• Aumento na produtividade;
• Maior integração entre trabalhadores e a empresa;
• Redução dos atrasos e faltas (absenteísm...
Em 28 DE AGOSTO DE 2006, portaria que altera os parâmetros
nutricionais do PAT:
• § 1º Entende-se por alimentação saudável...
Parâmetros - PAT
• § 3º Os parâmetros nutricionais para a alimentação do
trabalhador estabelecidos nesta Portaria:
Nutrien...
I - refeições principais (almoço, jantar e ceia) deverão conter de
600 a 800 kilocalorias, admitindo-se um acréscimo de 20...
E a saúde do trabalhador??
• § 4º Os estabelecimentos vinculados ao PAT deverão
promover EDUCAÇÃO NUTRICIONAL, inclusive mediante a
disponibilização,...
• § 10º Os cardápios deverão oferecer, pelo menos, uma porção
de frutas e uma porção de legumes ou verduras, nas refeições...
Importante:
• O ambiente de trabalho é reconhecido como um local
estratégico de promoção da saúde e alimentação saudável.
...
Qual o objetivo do PAT?
Melhoria do Estado
Nutricional do
trabalhador
Resgate de
mudanças desejáveis
e aspectos positivos
...
De que forma?
• Redução da quantidade de gorduras;
• Redução da quantidade de açúcar;
• Redução da quantidade de sal dos a...
Outras considerações para a melhoria do
Estado Nutricional
• Estímulo a realização de exercício físico regular;
• Diagnóst...
Dificuldades
• Conhecimento do PAT, pelos gestores, como potencial promotor
de saúde;
• Tempo disponibilizado pela empresa...
Concluindo
O PAT é chave para as políticas de alimentação e nutrição
voltadas para a população adulta brasileira, podendo ...
Muito obrigada!
derpnutri@gmail.com
“Se pudermos dar a cada indivíduo a
quantidade exata de nutrientes e de
exercício, que...
Referências
• Chu C, Breucker G, Harris N, Stitzel A, Xingfa G, Gu X, et al. Health promoting workplaces – international s...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

31 07 2012_18_35_56_palestra_sexta basica_pat_ educacao_ nutricional

388 visualizações

Publicada em

PAt

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
388
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

31 07 2012_18_35_56_palestra_sexta basica_pat_ educacao_ nutricional

  1. 1. Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo
  2. 2. Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:  diminuição da mortalidade por doenças infecciosas;  aumento de óbitos causados por doenças cardiovasculares, neoplasias e causas externas ;  crescimento das doenças crônicas não transmissíveis (hipertensão, diabetes, excesso de peso).
  3. 3. Obesidade Organização Mundial da Saúde (OMS): • Em 2005 o mundo teria 1,6 bilhões de pessoas acima de 15 anos de idade com excesso de peso (IMC ≥ 25kg/m²) e 400 milhões de obesos (IMC ≥ 30 kg/m²). • A projeção para 2015 é ainda mais pessimista: 2,3 bilhões de pessoas com excesso de peso e 700 milhões de obesos. Indicando um aumento de 75% nos casos de obesidade em 10 anos.
  4. 4. Enfermidades do coração, câncer, diabetes, acidente vascular cerebral e doenças pulmonares crônicas matam cerca de 36 milhões de pessoas por ano, em grande parte influenciados pelo fumo, a má alimentação, o consumo de álcool, a obesidade e a falta de exercício. A OMS estima um aumento de 17% na taxa de mortalidade nos próximos 10 anos. OMS, 2011 Doenças decorrentes da Obesidade
  5. 5. E agora???
  6. 6. “O controle dessas doenças só pode ser alcançado por meio de esforços concentrados na prevenção e controle dos fatores de risco associados, e na melhoria das condições e qualidade de vida.” Nascimento & Mendes, 2002 Prevenção e controle
  7. 7. Ambiente de trabalho Modificações de comportamento precursor de doenças Função ocupacional Dieta Atividade física Tabagismo
  8. 8. Estratégia Global da OMS para alimentação saudável, atividade física e saúde OBJETIVO: Estimular hábitos saudáveis de alimentação e atividade física para a prevenção de doenças crônicas. RECOMENDAÇÕES: • Manter o peso normal; • Aumentar o consumo de frutas, vegetais, oleaginosas e grãos; • Praticar exercício físico diário de intensidade moderada; • Trocar gordura animal saturada por gorduras vegetais poliinsaturadas; • Diminuir a quantidade de alimentos gordurosos, salgados e doces; • Não fumar; • Controlar o consumo de bebidas alcoólicas.
  9. 9. • Considera as empresas que fornecem alimentação coletiva como protagonistas importantes na promoção de uma alimentação saudável. Estratégia Global da OMS para alimentação saudável, atividade física e saúde
  10. 10. O que é o PAT? Criado pela Lei nº 6.321 de 14 de abril de 1976 (regulamentada em 1991), o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) é um programa de complementação alimentar no qual o governo, empresa e trabalhadores partilham responsabilidades. O acesso à alimentação é viabilizado por refeições servidas no local de trabalho ou pelo fornecimento de tíquetes e cestas básicas.
  11. 11. O atendimento ao trabalhador de baixa renda, melhorando suas condições nutricionais gerando, consequentemente, saúde, bem estar e maior produtividade!! Princípio
  12. 12. A melhoria da situação nutricional dos trabalhadores, prioritariamente os de baixa renda, visando promover a sua saúde e prevenir as doenças relacionadas ao trabalho. Objetivo
  13. 13. • Aumento na produtividade; • Maior integração entre trabalhadores e a empresa; • Redução dos atrasos e faltas (absenteísmo); • Redução da rotatividade; • Redução do número de doenças e acidentes de trabalho; • Isenção de encargos sociais sobre o valor da alimentação fornecida; • Incentivo fiscal (dedução de até 4% no imposto de renda devido). Vantagens do PAT para as empresas
  14. 14. Em 28 DE AGOSTO DE 2006, portaria que altera os parâmetros nutricionais do PAT: • § 1º Entende-se por alimentação saudável, o direito humano a um padrão alimentar adequado às necessidades biológicas e sociais dos indivíduos, respeitando os princípios da variedade, da moderação e do equilíbrio, dando-se ênfase aos alimentos regionais e respeito ao seu significado socioeconômico e cultural, no contexto da Segurança Alimentar e Nutricional. Parâmetros Nutricionais do PAT
  15. 15. Parâmetros - PAT • § 3º Os parâmetros nutricionais para a alimentação do trabalhador estabelecidos nesta Portaria: Nutrientes e valores diários: • VALOR ENERGÉTICO TOTAL: 2.000 kilocalorias • CARBOIDRATO: 55 - 75% • PROTEÍNA: 10 - 15% • GORDURA TOTAL: 15 - 30% • GORDURA SATURADA: < 10% • FIBRA: > 25 g • SODIO: ≤ 2.400mg (6g sal) Recomendações não previstas anteriormente
  16. 16. I - refeições principais (almoço, jantar e ceia) deverão conter de 600 a 800 kilocalorias, admitindo-se um acréscimo de 20% (400 cal) do VET 2000 calorias/dia. Deverão corresponder a faixa de 30 - 40% do VET diário. II - as refeições menores (desjejum e lanche) deverão conter de 300 a 400 kilocalorias, admitindo-se um acréscimo de 20% (quatrocentas calorias) do VET de 2000 calorias/dia. Deverão corresponder a faixa de 15 - 20 % do VET diário; IV - o percentual proteico - calórico (NdPCal) das refeições deverá ser de no mínimo 6% e no máximo 10 %. Portaria - PAT
  17. 17. E a saúde do trabalhador??
  18. 18. • § 4º Os estabelecimentos vinculados ao PAT deverão promover EDUCAÇÃO NUTRICIONAL, inclusive mediante a disponibilização, em local visível ao público, de sugestão de cardápio saudável aos trabalhadores, em conformidade com o § 3° deste artigo. Portaria - PAT
  19. 19. • § 10º Os cardápios deverão oferecer, pelo menos, uma porção de frutas e uma porção de legumes ou verduras, nas refeições principais (almoço, jantar e ceia) e pelo menos uma porção de frutas nas refeições menores (desjejum e lanche). Portaria - PAT Ajustada à recomendação do Guia Alimentar para a População Brasileira
  20. 20. Importante: • O ambiente de trabalho é reconhecido como um local estratégico de promoção da saúde e alimentação saudável. • A Organização Mundial da Saúde considera que o local de trabalho deve dar a oportunidade e estimular os trabalhadores a fazerem escolhas saudáveis.
  21. 21. Qual o objetivo do PAT? Melhoria do Estado Nutricional do trabalhador Resgate de mudanças desejáveis e aspectos positivos do atual padrão do consumo alimentar Programa de educação alimentar (processo permanente)
  22. 22. De que forma? • Redução da quantidade de gorduras; • Redução da quantidade de açúcar; • Redução da quantidade de sal dos alimentos, elaborando opções inovadoras e saudáveis nos cardápios; • Promover o consumo de frutas, legumes e verduras; • Promover o consumo adequado de proteínas de origem animal.
  23. 23. Outras considerações para a melhoria do Estado Nutricional • Estímulo a realização de exercício físico regular; • Diagnóstico de saúde/doença e planejamento de intervenção local; • Interação das áreas médicas das empresas com a nutricionista responsável pelo PAT; • Realização de exames laboratoriais complementares para melhor avaliação de saúde dos colaboradores.
  24. 24. Dificuldades • Conhecimento do PAT, pelos gestores, como potencial promotor de saúde; • Tempo disponibilizado pela empresa para ações de educação nutricional junto aos colaboradores; • Meios de comunicação adequados para chamar a atenção dos colaboradores; • Adesão e entendimento dos colaboradores; • Inspeção do governo sobre o andamento do PAT; • Contexto socioeconômico e cultural do trabalhador; • Restaurantes tipo Fast food; • O prazer imediato do comer.
  25. 25. Concluindo O PAT é chave para as políticas de alimentação e nutrição voltadas para a população adulta brasileira, podendo contribuir efetivamente na transformação do atual panorama de aumento da prevalência de doenças crônicas não transmissíveis e da obesidade no País. Bandoni DH et al, 2006
  26. 26. Muito obrigada! derpnutri@gmail.com “Se pudermos dar a cada indivíduo a quantidade exata de nutrientes e de exercício, que não seja insuficiente nem excessiva, teremos encontrado o caminho mais seguro para a saúde”. Hipócrates (c.460-377 a.C)
  27. 27. Referências • Chu C, Breucker G, Harris N, Stitzel A, Xingfa G, Gu X, et al. Health promoting workplaces – international settings development. Health Promot Int. 2000;15:155-67. • WHO global strategy on diet, physical activity and health, 2004. Food Nutr Bull. 2004;25:292-302. • Prata PR. A transição epidemiológica no Brasil. Cad de Saúde Pública 1992; 8:168-75. • Patarra NL. Mudanças na dinâmica demográfica. In: Monteiro CA, organizador. Velhos e novos males da saúde no Brasil. São Paulo: Editora Hucitec/Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde, Universidade de São Paulo; 2000. p. 61-78. • Monteiro CA, Mondini L, Sousa ALM, Popkin BM. Da desnutrição para a obesidade: a transição nutricional no Brasil. In: Monteiro CA, organizador. Velhos e novos males da saúde no Brasil. São Paulo: Editora Hucitec/Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde, Universidade de São Paulo; 2000. p. 247-55. • World Health Organization. Global Strategy on diet, physical activity and health. Food Nutr Bull. 2004; 25(3):292-302. • Savio KEO et al. Avaliação do almoço servido a participantes do PAT. Rev Saúde Pública 2005, 39 (2): 148-55. • D.H. Bandoni & P.C. Jaime. A qualidade das refeições de empresas cadastradas no PAT na cidade de São Paulo. Rev. Nutr., Campinas, 21(2):177-184, mar./abr., 2008. • Stolte D et al. Sentidos da alimentação e da saúde: contribuições para a análise do PAT. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 22(9):1915-1924, set, 2006. • Nascimento LC, Mendes IJM. Perfil de saúde dos trabalhadores de um Centro de Saúde-Escola. Rev Latinoam nfermagem 2002; 10 Suppl 4:502-8. • PAT - PORTARIA INTERMINISTERIAL nº. 66, de 25 de agosto de 2006. Publicada no D.O.U de 28 de agosto de 2006. • Bandoni DH et al. PAT: representações sociais de gestores locais. Rev Saúde Pública 2006;40(5):837-42.

×