Expansão marítima cp2

8.047 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.047
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
107
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
527
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Expansão marítima cp2

  1. 1. Expansão Marítima e Comercial
  2. 2. <ul><li>“ Ó mar salgado, quanto do teu sal </li></ul><ul><li>São lágrimas de Portugal </li></ul><ul><li>Por te cruzarmos, quantas mães choraram, </li></ul><ul><li>Quantos filhos em vão rezaram! </li></ul><ul><li>Para que fosses nosso, ó mar </li></ul><ul><li>Valeu a pena? Tudo vale a pena </li></ul><ul><li>Se a alma não é pequena </li></ul><ul><li>Quem quer passar além do Bojador </li></ul><ul><li>Tem que passar além da dor. </li></ul><ul><li>Deus ao mar o perigo e o abismo deu. </li></ul><ul><li>Mas nele é que espelhou o céu.” </li></ul><ul><li>(Fernando Pessoa, Mar Português) </li></ul>
  3. 3. <ul><li>A expansão marítima e comercial foi o momento em que os países recém formados da Europa Ocidental se esforçam em buscar rotas alternativas pelo Oceano Atlântico para chegar ao tão sonhado Oriente (Índia) e lucrar diretamente com o comércio de especiarias. </li></ul><ul><li>Como sabemos, o caminho mais curto pelo Mar Mediterrâneo era monopólio de comércio dos burgueses das cidades italianas e os muçulmanos árabes e turcos. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Podemos concluir portanto que a causa central para a expansão era a necessidade para os países europeus recém formados de romper o monopólio árabe-veneziano (cidades italianas e muçulmanos) e lucrar diretamente com as especiarias. </li></ul>Causas Gerais
  5. 5. <ul><li>O termo especiaria, a partir dos séculos XIV e XV na Europa, designou diversos produtos de origem vegetal (flor, fruto, semente, casca, caule, raiz), de aroma ou sabor acentuados. Além de utilizadas na culinária, com fins de tempero e de conservação de alimentos, as especiarias eram utilizadas ainda na preparação de óleos, unguentos, cosméticos, incensos e medicamentos . </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Como vimos, o mercantilismo, ou seja, sistema econômico dos países europeus durante a Idade Moderna, era baseado no metalismo. Assim, a nova concepção de riqueza era o acúmulo de metais preciosos através de um comércio lucrativo. A idéia era manter uma balança comercial favorável, ou seja, os lucros com as exportações deveriam superar as importações. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Comprar especiarias diretamente com o Oriente, em Calicute na Índia por exemplo, siginificava comprar mais barato e poder revender muito mais caro para toda a Europa, garantindo assim o lucro. É desta forma que podemos relacionar a Expansão marítima aos seus objetivos mercantins, ou seja, comerciais. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Assim, estimulados pelos altos lucros dos italianos no Oriente, setores burgueses de diversos países europeus se aliam aos monarcas para a montagem de empresas marítimas. A expansão marítima, assim, era capaz de buscar novas rotas para o comércio com o oriente e ainda descobrir novos territórios além mar. O novo mundo desconhecido traria ainda mais metais preciosos e produtos tropicais exóticos e lucrativos. </li></ul><ul><li>Mas claro, era preciso atravessar oceanos nunca antes desbravados. O mar desconhecido era ameaçador nas histórias dos navegadores. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Navegar pelo Atlântico era aventurar-se no “mar tenebroso”, era dar um salto no desconhecido: monstros e seres fantásticos eram alguns dos perigos esperados. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Expansão possível graças a união poder político dos reis + capital da burguesia , produzindo condições necessárias à expansão: </li></ul><ul><li>centralização política – era necessário um Estado forte e centralizado capaz de apoiar e investir nos projetos marítimos </li></ul><ul><li>acumulação de capital e grupo mercantil forte – com o mercantilismo, a burguesia européia enriquecia e buscava cada vez mais lucratividade em seu comércio, daí o interesse pelo comércio direto de especiarias e todo o investimento de capitais dos burgueses nestes projetos. </li></ul><ul><li>Desenvolvimento náutico, além de descobertas tecnológicas (bússola, astrolábio, caravelas, naus) </li></ul>Principais pré-condições
  11. 11. <ul><li>Primeiro país europeu a conquistar centralização política, com a revolução de Avis (1383/85). Burguesia lusitana vence as pretensões da nobreza e coroa D. João I. Portugal se lança ao mar ainda no século XV. </li></ul><ul><li>Desenvolvimento das cidades portuguesas e da burguesia comercial por ser um ponto importante na rota do comércio das cidades italianas para o norte da Europa. </li></ul><ul><li>Posição Geográfica favorável da Península Ibérica em relação ao Oceano Atlântico. </li></ul><ul><li>Conhecimento devido a prática da pesca do bacalhau. </li></ul>Pioneirismo Português
  12. 12. <ul><li>O astrolábio é um antigo instrumento para medir a altura dos astros acima do horizonte. Atribui-se a Hiparco, o pai da astronomia e trigonometria, a sua invenção. Ptolomeu designa por astrolábio a esfera armilar, que os árabes combinaram com o globo celeste e aperfeiçoaram criando assim o astrolábio esférico . Aqui representado o astrolábio planisférico, uma simplificação que resulta numa projecção estereográfica polar da esfera celeste sobre um plano. Os gregos já o conheciam mas foi através dos árabes, que o introduziram na Península Ibérica, que chegou à Europa. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>A partir do uso da bússola magnética, foi possível a execução de cartas marítimas (conhecidas pelos portugueses como portulanos) com mapas mais detalhados. Esses mapas, juntamente com a bússola, fizeram o comércio no Mediterrâneo deslanchar, além de abrirem caminho para a exploração de oceanos antes inexplorados. A invenção da bússola e seu uso nas navegações trouxeram grande crescimento para o comércio marítimo. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Cartografia antiga – mapa mundi anterior às grandes descobertas </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Cartografia antiga – mapa mundi de 1627 (após as descobertas) </li></ul>
  16. 16. A Expansão Marítima Portuguesa
  17. 17. <ul><li>Mercantil  busca de metais e lucros para os setores burgueses, atendendo às necessidades do mercantilismo. Aqui se inserem os interesses pelo comércio direto de especiarias sem os atravessadores italianos. </li></ul><ul><li>Territorial  terras e títulos para a nobreza, além de ampliação dos domínios políticos dos reis, transformando o Estado Nacional em um grande Império colonial. Inicialmente o objetivo eram as especiarias, mas com as descobertas de territórios na África e todo o continente Americano, os interesses de domínio de territórios nestas regiões passa a ser grande. </li></ul><ul><li>Catequética  Imperativo católico para aumentar rebanho da Igreja. Aqui também após a descoberta das Américas e a necessidade da Igreja em firmar este continente como domínio da Igreja Católica através da catequese indígena. </li></ul>O caráter da expansão e seus objetivos
  18. 18. <ul><li>Como Portugal e Espanha foram os pioneiros na expansão marítima e principalmente na descoberta da América, trataram de dividir o território descoberto entre eles. Foi assim que nasceu o Tratado de Tordesilhas. </li></ul>
  19. 19. O Tratado de Tordesilhas e a divisão das novas terras
  20. 20. O Tratado de Tordesilhas e a divisão das novas terras – cartografia antiga
  21. 21. <ul><li>“ Gostaria de ver o testamento de Adão para saber de que forma este dividira o mundo. O sol brilha tatno para eles (ibéricos) como para os outros. São domínios estrangeiros unicamente os lugares habitados e defendidos e não simplesmente descobertos.” </li></ul><ul><li>(Francisco I, monarca francês em 1540) </li></ul>Os questionamentos ao Tratado de Tordesilhas
  22. 22. <ul><li>Com a descoberta das Américas e a assinatura do Tratado de Tordesilhas, os demais países europeus passaram a questionar o domínio de terras dos Portugueses e espanhóis nas Américas. Devido a estes questionamentos e invasões, veremos que os territórios americanos serão dominados por vários países. </li></ul>
  23. 23. <ul><li>Eixo econômico desloca-se do Mediterrâneo para o Atlântico, perda do monopólio comercial das cidades italianas, aumento das companhias de comércio, impérios coloniais, expansão e volume do comércio, diversificação dos produtos de consumo, envio de metais das colônias para a Europa, rotas comerciais se espalham para o mundo. </li></ul>Principais Conseqüências
  24. 24. <ul><li>Os europeus conquistaram assim o chamado Novo Mundo. Formavam e disputavam colônias para a exploração de suas riquezas atendendo às necessidades mercantis. Era imposto pelo governo europeu às colônias o comércio exclusivista, ou seja, um pacto comercial exclusivo entre colônias e metrópole, para garantir que o lucro com a exploração seja direcionado para a metrópole. </li></ul><ul><li>Mas aqui, já começa uma nova história... </li></ul>
  25. 25. As principais rotas das grandes navegações e a ampliação do Globo conhecido pelos euopeus

×