RICARDO ANGÉLICO | Freak Out

294 visualizações

Publicada em

Ricardo Angélico solo show at Carlos Carvalho contemporary art gallery, January / February 2013

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
294
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

RICARDO ANGÉLICO | Freak Out

  1. 1. RICARDO ANGÉLICO Freak Out 13/02 -02/03 2013
  2. 2. Imagens da exposição Views from the exhibition
  3. 3. Imagens da exposição Views from the exhibition
  4. 4. Imagens da exposição Views from the exhibition
  5. 5. Imagens da exposição Views from the exhibition
  6. 6. Imagens da exposição Views from the exhibition
  7. 7. Imagens da exposição Views from the exhibition
  8. 8. Redecur, 2012 Óleo, acrílico e carvão s/ linho Oil, acrylic, graphite on linen, , 155 x 143 cm
  9. 9. Paisagem com autómato, 2012Óleo, acrílico, carvão, pastel e lápis s/ linho Oil, acrylic, carbon, oil pastel and graphite on linen, 160 x 180 cm
  10. 10. Redecur, 2012 Óleo, acrílico e carvão s/ linho Oil acrylic on linen, 155 x 143 cm
  11. 11. Sono, 2012 Óleo, acrílico, colagens e pastel s/ tela Oil, acrylic, collage and oil pastel on canvas, 143 x 160 cm
  12. 12. The existentialist 200, 2012 Pastel de óleo sobre papel preparado Oil pastel on prepared paper 113 x 104 cm
  13. 13. Michel Ferdinand-Strauss, Série Freak Out Freak Out series, 2012Pastel e carvão s/ papel Oil pastel and graphite on paper, 65 x 50 cm
  14. 14. Série Freak Out Freak Out series, 2012 Pastel e carvão s/ papel Oil pastel and graphite on paper, 65 x 50 cm
  15. 15. Série Freak Out Freak Out series, 2012 Pastel e carvão s/ papel Oil pastel and graphite on paper, 65 x 50 cm
  16. 16. RICARDO ANGÉLICOFreak Out13/02 -02/03 2013Ricardo Angélico utiliza a desconstrução como janela propagandística fundamental para justificar a separação Ricardo Angélicode observação dos modos de representação e a de classes. Este conjunto de trabalhos são exercícios Textos introdutórios à exposição Freak Outformação do conhecimento, chamando a atenção para que pretendem prender os traços fisionómicos de umo modo como apreendemos as coisas fora do pré- conjunto de personalidades escolhidas pelo artista e Freak outconcebido. Para isso, monta uma rede de fios narrativos e que constituem o seu próprio quadro de notáveis. É Série inspirada nas sobreposições fotográficasque resulta da multiplicação e da sobreposição de através do desenho e da sua condição subjectiva que forenses de Galton e, por associação, naspequenos fragmentos desconexos entre si, porque advém uma preocupação em estabelecer proximidades, especulações científicas do séc. XIX ligadas àsão retirados do seu contexto original, mas que têm não apenas no plano físico mas no plano imaterial, comoum acentuado significado individual. Estas referências por exemplo, aproximações de ordem criativa, biográfica, psicologia (frenologia, eugenismo), episódios remotosà literatura ou ao cinema são envoltas em estratégias geográfica, de nome ou de aparência. Com este amplo na arqueologia da genética. Do mesmo modoficcionadas e ilógicas que, desdobrando novas formas painel de figuras célebres, Ricardo Angélico elabora que Galton (polímato vitoriano e primo de Darwin,de observação próprias do subjectivo, contribuem para um jogo de ocultação e de descoberta, desafiando o obcecado, entre muitas outras coisas, com a recolha ereflectir sobre as formas da representação. Logo, para sentido único do retrato individual – deixando em aberto tratamento de informação), procurou uma fisionomia-o artista a superfície da obra converte-se num conjunto a criação de uma nova personagem. tipo para o sujeito criminal, sobrepondo fotografias dede referências, de índices descontextualizados do 3,6 ou mais cadastrados na busca de caraterísticasseu cenário habitual, mas que, ao ligarem universos comuns e legíveis, propõe-se aqui uma espéciediferenciados, definem um discurso a partir das suas de jogo-homenagem, uma lúdica investigação dasrelações. Nesta acção de deslocamento do contexto diversas fisionomias do génio; daquilo que as aproximaestá subjacente a capacidade de colocar linguagens quetêm origens diferentes numa superfície bidimensional ou diferencia, num exercício de desenho que tambéme, estabelecendo contactos entre os diversos se alimenta da ideia de sobreposição, da fusão deelementos, fornecer-lhes outros pontos de vista, outros três imagens individuais (quantidade consideradaentendimentos, o que configura uma problematização mínima para uma aspiração credível à cientificidadeface aos conteúdos das referências recolhidas. do exercício, ainda que em termos meramente declarados) que convergem numa quarta, sugestiva deNa sua série mais recente também apresentada um somatório de virtudes que permanecem invisíveis,nesta exposição, Ricardo Angélico elabora um banco pois todos os retratados são escolhas pessoais, heróisde registos fisionómicos, baseado também nas culturais de uma virtual e subjectiva galeria de elite.aproximações biográficas, que forma um compêndio de Cada retrato resulta da sobreposição de 3sobreposições de três figuras notáveis, tendencialmente personalidades de áreas preferencialmente distintas,de áreas culturais diferentes. Parte de um processo de algum modo relacionadas entre si, culminandode registo e de circunscrição de determinadascaracterísticas físicas pessoais, desenvolvido por numa nova figura, uma inofensiva hipótese de super-Galton no século XIX, a que correspondia um sistema homem, retrato-robot de uma figura imaginária quede valoração que reflectia o tipo de educação, de combina características de outros grandes génios (ouexperiências e de vivências da geração em que simples heróis privativos). Se o jogo é uma fantasiao indivíduo se inseria – tornando-se uma base pessoal de excelência, podia ser também uma
  17. 17. caderneta idealizada por algum cientista louco, amante da virgem em torradas e subsequente mistura de para celebrar novos poderes. Berenson transportavadas ideias e ávido de experimentar no laboratório a histeria religiosa e aproveitamento mediático nas um selo de autoridade que garantia aos magnataspossibilidade de reunir capacidades fenomenais em suas variadas formas (instantânea celebridade, americanos, aspirantes a Médicis contemporâneos,novas caprichosas criaturas, inesperados e fascinantes espectáculo nos subúrbios, irracionalidade, estarem a comprar pinturas originais; e se é fácil hojefreaks. autopromoção, vaidade e competição, culto do denunciar atribuições erradas, no seu tempo BerensonO título provém do disco de estreia de Frank Zappa. excêntrico, peregrinação, exploração comercial, etc,). foi um sério especialista em arte italiana, e elementoAí, em notas explicativas, Zappa nomeia uma extensa Ensaio visual que mistura ficção e documentário em central no flirt dessa nação emergente com o patrimóniolista de pessoas que o inspiraram, referências da pequenas vinhetas individuais, como fragmentos artístico europeu e o italiano em particular, de que estecultura popular e erudita numa mistura heterogénea, aleatoriamente dispersos de uma reportagem por trabalho faz eco.violentamente livre, que espelhava a própria natureza montar, prelúdio de uma ópera cómica ou musicalimpura da música, desconcertante na absorção de weird com muito transcendente pão tostado. Paisagem com autómatoestilos, direções, proveniências; citando rock, blues Incursão pela erudição pastoral de Poussin e umae serialismo na mesma linha. Esta galeria é uma Sono das suas melhores paisagens, a que serve de fundohomenagem análoga à lista de Zappa, incompleta, Inspirado numa história de ficção por sua vez ao passeio de Diógenes. Poussin é hoje um artistasempre em expansão e redefinição, fiel apenas ao génio baseada em ocorrências reais. Um recém-viúvo pouco lembrado num mundo que privilegia a superfíciecriativo nas suas múltiplas manifestações. encontra consolação na proximidade com animais, reluzente da aparência à estrutura que a possibilita e interessando-se pelo seu estado, pelas espécies em suporta. Francês apaixonado por Itália e Grécia, tratouBaco em Londres perigo de extinção, pela sua companhia empática a herança clássica como nenhum outro, praticamenteRemake, passado num campus universitário, de Dionísio a um nível profundo de consciência. Como outros inventando a paisagem enquanto género pelo caminho.e Ariadne, a incomparável obra de Ticiano. Pintura irmã antes dele, entra clandestinamente no jardim Nesta paisagem, à tradição grega soma-se a japonesa,de ‘Promenade’. zoológico de noite para dormir perto dessas criaturas, revestindo de circuitos e armaduras mecânicas as relacionando-se com elas de uma maneira que parece personagens mitológicas ou da antiguidade quePromenade já difícil com as pessoas. Os textos são fragmentos povoam os bosques às portas de uma Roma imaginária,Cruzamento do ‘Bacanal’ de Ticiano com ‘The secret de um possível diário, registos fictícios de uma vida transformada em caótico cenário de um eventual anime.history’, romance de Donna Tart sobre jovens e brilhantes interior ou narrativa que existe virtualmente, fora dahelenistas que reencenam o bacanal grego, em busca imagem, completa ou em permanente actualização. Redecurda autêntica experiência de frenesi dionisíaco. É também Como um sonho recorrente. Redecur: cura pela fala. O termo foi inventado porum cruzamento de referências italianas, estilos, citações, Anna O., uma das pacientes de Breuer que faz partefragmentos ficcionais, banda desenhada, modelos de Being Bernard Berenson da mitologia freudiana e das origens da psicanálise.composição e outras sugestões mitológicas. Se havia quem pensasse que dinheiro não podia Passeio pela Viena de Freud e Klimt, pelos salões comprar prestígio e passado, Berenson foi dos mais aristocráticos onde se dança Strauss tanto quanto forMadonna of the toast astutos a provar o contrário, servindo de mediador preciso para resistir às convulsões da modernidade.Exploração de um fenómeno recente na América entre milionários do novo mundo e as pérolas Se havia doença em Viena na viragem do século, erafundamentalista do interior, o avistamento da figura renascentistas que o mercado tornava disponíveis mais política e social que científica ou artística, e nem
  18. 18. a psicanálise haveria de acudir a tempo a um corpo quehabitava uma redoma autista, enquanto fora começavaconfuso o novo século.Post-techno: lessons in advanced european anatomyCasting lynchiano pela manhã; aula de dança demanequins animados; contorcionismo extremoimportado de Ásia; sala de reabilitação pós-traumática;ginásio de fisioterapia espacial; laboratório de sujeitosgeneticamente modificados; plataforma para a defesadas minorias atléticas; plateau de rodagem de umaprodução futurista; catálogo de formas ao alcance daciência; adaptação motora de princípios de variaçãomusical; coreografia puritana de accionismo vienense;comício político em fase de aquecimento; salão deyoga e relaxamento ósseo; pintura de mestre chinêsinvertebrado. Ricardo Angélico nasceu em Angola em 1973. Das suas exposições individuais destacam-se There will be no safety zone e The Aronburg Mystery (galeria Carlos Carvalho Arte Contemporânea, Lisboa, Portugal, 2011 e 2008), Caro Jünger/Caro Nabokov (Museu Nacional de História Natural, Lisboa, Portugal, 2004) e Museu de Cera - Imagens da Colecção Christian D. Karloff (Fundação D. Luís, Cascais, Portugal, 2003). Em relação às suas exposições colectivas poderemos referir as realizadas na Casa da Cerca - Centro de Arte Contemporânea, Almada, Portugal (O Desenho Dito, 2008), no Centro de Arte Manuel de Brito (À Volta do Papel, 2008) e Culturgest, Lisboa, Portugal (V Prémio Fidelidade Jovens Pintores, Lisboa, Portugal). Está representado nas colecções Caixa Geral de Depósitos, Lisboa, Fundação D. Luís I, Cascais, Fundação PLMJ, Lisboa e Centro de Arte Manuel de Brito, Algés.
  19. 19. CARLOS CARVALHO ARTE CONTEMPORÂNEA Rua Joly Braga Santos, Lte. F - r/c + (351) 217 261 831 + (351) 217 210 874 carloscarvalho-ac@carloscarvalho-ac.com http://www.carloscarvalho-ac.com Seg a Sex das 10h às 19h30 / Sáb das 12h às 19h30 From Mon to Fri: 10am to 7:30pm / Sat: 12:00 to 7:30pmArtistas da galeria l Gallery artists: Ricardo Angélico | José Bechara | Daniel Blaufuks Catarina Campino | Mónica Capucho | Isabel Brison | Carla Cabanas Manuel Caeiro | Alexandra do Carmo | Paulo Catrica | Sandra Cinto Roland Fischer | Javier Núñez Gasco | Susana Gaudêncio José Lourenço | José Batista Marques | Mónica de Miranda | Antía Moure Álvaro Negro | Luís Nobre | Ana Luísa Ribeiro | Richard Schur Eurico Lino do Vale | Manuel Vilariño

×