CPR in prone position

447 visualizações

Publicada em

CPR in prone position

Publicada em: Ciências
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
447
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CPR in prone position

  1. 1. CET DO HOSPITAL FEDERAL DA LAGOA SILVIA KANGUSSU RIOS ME3 CARLOS DARCY BERSOT RESP CET PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA EM POSIÇÃO PRONA
  2. 2. CASO CLÍNICO  C. S.C.A., Feminina, Católica, Aposentada, 77 anos, Peso= 53kg, IMC= 22kg/m2  Encaminhada ao serviço de Neurocirurgia do Hospital Federal da Lagoa.  HDA: Há 1 ano com hemiparesia e hemianopsia à esquerda + crise convulsiva.
  3. 3. CASO CLÍNICO  TC de crânio(11/04/2011): Volumosa lesão expansiva, ovalada, de limites definidos e contorno regular, medindo 5.9 x 5.0 x 4.4cm em região parieto-occipital direita, com desvio de linha média a esquerda(0.6 cm).  Hipótese Diagnóstica: Meningioma
  4. 4. TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE CRÂNIO
  5. 5. CASO CLÍNICO  HPP: Depressão  Medicações em uso: Paroxetina 20mg 1 x ao dia e Clonazepam 0,5mg 1 x ao dia.  Fenitoína 100mg VO 8/8h.  Nega tabagismo, etilismo e alergias.  Cirurgia prévia: hemorroidectomia há 10 anos.  Capacidade funcional : > 4Mets
  6. 6. CASO CLÍNICO  Proposta: EMBOLIZAÇÃO  Artéria carótida externa à direita tortuosa e ateromatosa, impedindo ancoragem segura de um cateter no óstio deste vaso impossibilitando a embolização.  CIRURGIA PROPOSTA: Excisão de tumor parieto- occipital a direita.
  7. 7. EXAMES LABORATORIAIS  HB= 13,6 g/dL TAP=15s  HTO= 40% PTT= 28.9s  Leucometria= 8210 INR= 1.06  Sódio= 143 mEq/L Uréia= 33mg/dL  Potássio= 4.3 mEq/L Creatinina= 0.6mg/dL  Cálcio= 9.3mg/dL  Clearence de creatinina= 65mL/min
  8. 8. ECO TRANSTORÁCICO  VE com dimensão, espessura e contratilidade preservada.  Função sistólica global de VE preservada  Valva mitral com leve refluxo  Pericárdio e VCI normais.  FE=79%
  9. 9. FICHA PRÉ ANESTÉSICA  SCCANEAR
  10. 10. NO CENTRO CIRÚRICO..  MONITORIZAÇÃO BÁSICA  Venóclise Jelco 14G MSE + Revisão de venóclise Jelco 18G MSD.  Midazolam 2mg + Fentanil 50 mcg IV.  Puncão de Artéria radial à direita.  Punção de veia subclávia à direita.  TOF, PAI, CVD (diurese horária), GSA seriadas, Delta PP e PVC.
  11. 11. NO CENTRO CIRÚRGICO..  INDUÇÃO: Xilocaína 60mg + Propofol 110mg + Vecurônio 40mg + Fentanil 250mcg IV  IOT com tubo aramado 7,5 com cuff, filtro bacteriano, fixação e proteção ocular.  Manutenção: Remifentanil BI + Sevoflurane.  Kefazol 2g + dexametasona 4mg 12/12h + hidantal 100mg IV 8/8h.  Manitol 25g IV
  12. 12. NO CENTRO CIRÚRGICO  Paciente foi colocada em posição prona, coxins foram colocados no tronco e a cabeça foi fixada no mayfield.  Após 5 horas de cirurgia houve lesão focal acidental do seio sagital Hemorragia aguda .  Sangramento estimado = 3000ml
  13. 13. CIRURGIA  Bradicardia severa + queda da PetCO2 PAI não detectada e ausência de pulso central.  Massagem cardíaca foi prontamente iniciada em posição prona.  Reposição volêmica vigorosa + adrenalina 1mg.
  14. 14. CIRURGIA  Parâmetros: Frequência > 100 por min., PetCO2 acima de 10mmHg Pressão arterial diastólica acima de 25 mmHg.  Após 2 minutos de massagem houve retorno da circulação espontânea e melhora dos parâmetros hemodinâmicos.  Total: 7000ml de cristalóide + 3 concentrados de hemácia.  Início de noradrenalina baixas doses.
  15. 15. CIRURGIA  A Cirurgia foi completada após 3h30min sem outras complicações.  Tempo cirúrgico total: 510 min(8h 30min).  Paciente foi transferida para o CTI intubada, sedada e com baixa dose de noradrenalina.  Recebeu alta do CTI no terceiro dia de pós operatório, sem sequelas.
  16. 16. O QUE DIZ A LITERATURA?? PARADA CARDÍACA EM POSIÇÃO PRONA
  17. 17. REFERÊNCIAS 2010 American Heart Association Guidelines for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care “When the patient cannot be placed in the supine position, it may be reasonable for rescuers to provide CPR with the patient in the prone position, particularly in hospitalized patients with an advanced airway in place .”
  18. 18. REFERÊNCIAS 2010 European Resuscitation Council Guidelines for Resuscitation Não há nada descrito sobre parada cardíaca em posição prona.
  19. 19. REFERÊNCIAS MEDLINE and SCIENCE DIRECT 18 artigos – 22 casos
  20. 20. Primeiro relato de casos em humanos: •Craniotomia de fossa posterior – lesão de seio transverso. •Laminectomia cervical – obstrução do TOT por coágulo. Força direta X Força Indireta Importância do mecanismo de contrapressão
  21. 21. 1994 Fusão espinhal para tratamento de escoliose
  22. 22. TÉCNICAS Dequin P-F, Hazouard E, Legras A, Lanotte R, Perrotin D. Cardiopulmonary resuscitation in the prone position: kouwenhove revisited. Intensive Care Med 1996;22:1272.
  23. 23. Descompresão torácica por tumor invasivo T11-L1 • Embolia aérea – Taquicardia ventricular • Desfibrilação
  24. 24. FATORES DE RISCO  PRÉ OPERATÓRIOS  Cardiopatias em pacientes submetidos à cirurgia de grande porte  PER OPERATÓRIOS  Hipovolemia  Arritmias cardíacas  Tração dural  Embolia aérea  Mal posicionamento e obstrução do retorno venoso.
  25. 25. MANEJO  Identificação de pacientes de alto risco  Posicionamento cuidadoso do paciente  Uso de monitorização invasiva  Colocação de pás do desfibrilador
  26. 26. VANTAGENS  Início imediato da massagem cardíaca;  Evita contaminação e/ou trauma do sítio cirúrgico;  Permite ao cirurgião reparar lesões
  27. 27. MONITORIZAÇÃO DURANTE CPR  ECG  PETCO2 > 10 mmHg  Pressão diastólica > 20mmHg  Scvo2 > 30%  Ecocardiograma
  28. 28. N= 6 (CTI e UC) - 30 MIN de RCP standard + 15 MIN PCR - 15 MIN DE RCP REVERSA DESFECHO PRIMÁRIO : PAS DESFECHOS SECUNDÁRIOS: PAM E PAD
  29. 29. Duas hipóteses: • Maior força de compressão • Movimento de estruturas abdominais
  30. 30. 2 casos – PCR em posição lateral e tentativas fracassadas de reanimaçao após reposicionamento em posição supina. • Tumor de base de crânio – lesão do seio sigmóide. • Corpectomia lombar e fusão – sangramento difuso
  31. 31. Homem, 69 anos Cardiomiopatia dilatada Craniotomia posterior Taquicardia ventricular Desfibrilação. “Prone resuscitation should always be considered as a first response in the event of cardiac arrest during prone surgery.”
  32. 32. CONCLUSÃO  Frequência de PCR em prona é desconhecida.  Tempo de PCR é o principal determinante no resultado final.  Estudos a respeito desse assunto é de difícil realização.
  33. 33. BIBLIOGRAFIA  W. B. Kuowenhoven, J. R. Jude and G. G. Knickerbocker, “Closed Chest Cardiac Massage”, Journal of the Ameri-can Medical Association, Vol. 173, No. 10, 1960, pp. 1064-1067. doi:10.1001/jama.1960.03020280004002  J. A. Stewart, “Resuscitating an Idea: Prone PCR”, Re-suscitation, Vol. 54, No. 3, 2002, pp. 231-234. doi:10.1016/S0300-9572(02)00145-4  S. P. Mazer et al., “Reverse CPR: A Pilot Study of CPR in the Prone Position”, Resuscitation, Vol. 57, No. 3, 2003, pp. 279-285. doi:10.1016/S0300- 9572(03)00037-6  J. Wei, “Cardiopulmonary Resuscitation in the Prone Position: A Simplified Method of Outpatients”, Resusci- tation, Vol. 62, No. 1, 2004, pp. 120-121. doi:10.1016/j.resuscitation.2004.03.007  D. Gomes and C. Bersot, "Cardiopulmonary Resuscitation in the Prone Position," Open Journal of Anesthesiology, Vol. 2 No. 5, 2012, pp. 199-201. doi: 10.4236/ojanes.2012.25045.
  34. 34. BIBLIOGRAFIA  W. Z. Sun et al., “Successful Cardiopulmonary Resusci- tation of Two Patients in the Prone Position Using Re- versed Precordial Compression”, Anesthesiology, Vol. 77, No. 1, 1992, pp. 202-204. doi:10.1097/00000542- 199207000-00027  J. Brown, J. Rogers and J. Soar, “Cardiac Arrest during Surgery and Ventilation in the Prone Position: A Case Report and Systematic Review”, Resuscitation, Vol. 50, No. 2, 2001, pp. 233-238. doi:10.1016/S0300- 9572(01)00362-8  N. M. Dooney, “Prone CPR for Transient Asystole during Lumbosacral Spinal Surgery”, Anaesthesia and Intensive Care, Vol. 38, No. 1, 2010, pp. 212-213.  E. Haffner, A. M. Sostarich and T. Fösel, “Successful Cardiopulmonary Resuscitation in Prone Position”, Der Anaesthesist, Vol. 59, No. 12, 2010, pp. 1099-1101.
  35. 35. BIBLIOGRAFIA  S. L. Beltran and G. A. Mashour, “Unsuccessful Cardio- pulmonary Resuscitation in Neurosurgery: Is the Supine Position Always Optimal?” Anesthesiology, Vol. 108, No. 1, 2008, pp. 163-164. doi:10.1097/01.anes.0000296716.56374.49  C. C. Miranda and D. C. Newton, “Successful Defibrilla- tion in the Prone Position”, British Journal of Anaesthesia, Vol. 87, No. 6, 2000, pp. 937-938. doi:10.1093/bja/87.6.937  ECC Committee, Subcommittees and Task Forces of the American Heart Association, “2005 American Heart As- sociation Guidelines for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care,” Circulation, Vol. 112, No. 24, 2005, p. 27.  American Heart Association, “2010 American Heart As-sociation Guidelines for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care,” Circulation, Vol. 122, No. 18, 2010, p. 721.

×