O DIREITO ÀO DIREITO À
LITERATURALITERATURA
Tema - direito à literatura.Tema - direito à literatura.
Base teórica – artigo...
11
 Parte do tema “direitos humanos e literatura”Parte do tema “direitos humanos e literatura”
 Tece inicialmente alguma...
A motivação inicial das reflexões de Hannah Arendt aA motivação inicial das reflexões de Hannah Arendt a
respeito das ativ...
 Medo do rompimento do estado dasMedo do rompimento do estado das
coisas.coisas.
 Brasil, quanto mais cresce a riqueza,B...
Por exemplo, que não é mais possível tolerar asPor exemplo, que não é mais possível tolerar as
grandes diferenças econômic...
De um ângulo otimista, tudo isto poderia serDe um ângulo otimista, tudo isto poderia ser
encarado como manifestação infusa...
22
 Direitos humanos: reconhecer que o queDireitos humanos: reconhecer que o que
é indispensável para nós é indispensável...
 Os obviamente incompressíveis: alimento, casa,Os obviamente incompressíveis: alimento, casa,
roupa.roupa.
 Obviamente c...
Ao se pensar no futuro dos homens, todas asAo se pensar no futuro dos homens, todas as
perspectivas são negativas com rela...
Mas a fruição da arte e da literatura estariaMas a fruição da arte e da literatura estaria
mesmo nesta categoria? Como nou...
33
 Literatura – todas as criações de toque poético,Literatura – todas as criações de toque poético,
ficcional ou dramáti...
 Otto Ranke – mito. Literatura – sonho acordadoOtto Ranke – mito. Literatura – sonho acordado
das civilizações.das civili...
““Ela nãoEla não corrompecorrompe nemnem edificaedifica, portanto; mas,, portanto; mas,
trazendo livremente em si o que ch...
44
 A função da literatura está ligada àA função da literatura está ligada à
complexidade da sua natureza, que explicacom...
 A sua atuação se dá na confluência dos três aspectos.A sua atuação se dá na confluência dos três aspectos.
 Forma.Forma...
 O conteúdo só atua por causa da forma.O conteúdo só atua por causa da forma.
A forma traz em si, virtualmente, umaA form...
 LiraLira de Tomáz Antônio Gonzagade Tomáz Antônio Gonzaga
Propunha-me a dormir no teu regaçoPropunha-me a dormir no teu ...
Pois o teor [Pois o teor [GehaltGehalt] de um poema não é a mera expressão] de um poema não é a mera expressão
de emoções ...
 O conteúdo, atuante graças à forma, constitui com elaO conteúdo, atuante graças à forma, constitui com ela
um par indiss...
55
 Obras que tratam das iniqüidades sociais. Relação comObras que tratam das iniqüidades sociais. Relação com
os direito...
 1820-1830 – aparecimento de um romance social com1820-1830 – aparecimento de um romance social com
corte humanitário e t...
 NaturalismoNaturalismo
 Émile ZolaÉmile Zola
 Inspirado pela colossal obraInspirado pela colossal obra A ComédiaA Comé...
 A força política latente dos seus textos o levouA força política latente dos seus textos o levou
à ação, tornando-o um d...
Então porque um sem-vergonha desordeiroEntão porque um sem-vergonha desordeiro
se arrelia, bota-se um cabra na cadeia, dá-...
66
 Relação entre a literatura e os direitos humanos de doisRelação entre a literatura e os direitos humanos de dois
ângu...
 Brasil. População analfabeta ou quase.Brasil. População analfabeta ou quase.
 Não possuem o tempo de lazerNão possuem o...
 Mário de Andrade chefiou o Departamento deMário de Andrade chefiou o Departamento de
Cultura da Cidade de São Paulo, de ...
 Experiência de Jean Géhenno: o povo preferiuExperiência de Jean Géhenno: o povo preferiu
os grandes romances aos romance...
—— Se quiserem insistir na subjetividade da leitura, possoSe quiserem insistir na subjetividade da leitura, posso
concorda...
 Divina comédiaDivina comédia quantidade de pessoas quequantidade de pessoas que
sabem os cantos de cor na Itália.sabem o...
77
Portanto, a luta pelos direitos humanos abrange aPortanto, a luta pelos direitos humanos abrange a
luta por um estado d...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O direito à literatura

1.353 visualizações

Publicada em

1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.353
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O direito à literatura

  1. 1. O DIREITO ÀO DIREITO À LITERATURALITERATURA Tema - direito à literatura.Tema - direito à literatura. Base teórica – artigo “O direito àBase teórica – artigo “O direito à literatura” de 1988.literatura” de 1988. CÂNDIDO, Antônio.CÂNDIDO, Antônio. Vários escritosVários escritos. 4. ed. Rio de. 4. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre o azul / São Paulo: Duas Cidades,Janeiro: Ouro sobre o azul / São Paulo: Duas Cidades, 2004.2004.
  2. 2. 11  Parte do tema “direitos humanos e literatura”Parte do tema “direitos humanos e literatura”  Tece inicialmente algumas reflexões sobre osTece inicialmente algumas reflexões sobre os direitos humanos.direitos humanos.  Possibilidade tecnológica de acabar com a misériaPossibilidade tecnológica de acabar com a miséria e a injustiça.e a injustiça.  Perspectiva esperançosa.Perspectiva esperançosa.  Freud –Freud – O futuro de uma ilusãoO futuro de uma ilusão  Possibilidade de acabar com toda a vida humana.Possibilidade de acabar com toda a vida humana.  Barbárie ligada à própria tecnologia.Barbárie ligada à própria tecnologia.  Não se vê mais o elogio da barbárie.Não se vê mais o elogio da barbárie.  O mal é praticado mas não mais proclamado.O mal é praticado mas não mais proclamado.  Hannah Arendt.Hannah Arendt. A vida do espíritoA vida do espírito
  3. 3. A motivação inicial das reflexões de Hannah Arendt aA motivação inicial das reflexões de Hannah Arendt a respeito das atividades do espírito humano é arespeito das atividades do espírito humano é a banalidade do mal, constatada por ela ao assistir aobanalidade do mal, constatada por ela ao assistir ao julgamento de Eichmann, em Jerusalém. A questãojulgamento de Eichmann, em Jerusalém. A questão básica seria a possibilidade de que a atividade debásica seria a possibilidade de que a atividade de pensar, examinar os acontecimentos, fosse uma daspensar, examinar os acontecimentos, fosse uma das condições que fizesse o homem se abster de fazer ocondições que fizesse o homem se abster de fazer o mal.mal. E a atualidade da pergunta é impressionante. BastaE a atualidade da pergunta é impressionante. Basta lembrarmos do episódio de 2004 em que soldadoslembrarmos do episódio de 2004 em que soldados americanos, de ambos os sexos, torturaram eamericanos, de ambos os sexos, torturaram e fotografaram prisioneiros de guerra. Para piorar afotografaram prisioneiros de guerra. Para piorar a situação, apareceram nas fotos com grandes sorrisossituação, apareceram nas fotos com grandes sorrisos nos lábios, ao lado de suas vítimas. Antes destesnos lábios, ao lado de suas vítimas. Antes destes acontecimentos, eram considerados normais eacontecimentos, eram considerados normais e pacatos. Será que jamais raciocinaram sobre o quepacatos. Será que jamais raciocinaram sobre o que estavam fazendo? A idéia de praticar tais atos éestavam fazendo? A idéia de praticar tais atos é cruel, mas a de registrá-los como troféus parece porcruel, mas a de registrá-los como troféus parece por demais estúpida, pois a condenação pública seriademais estúpida, pois a condenação pública seria imediata.imediata.
  4. 4.  Medo do rompimento do estado dasMedo do rompimento do estado das coisas.coisas.  Brasil, quanto mais cresce a riqueza,Brasil, quanto mais cresce a riqueza, mais cresce a desigualdade.mais cresce a desigualdade.  Os problemas têm solução, masOs problemas têm solução, mas ninguém se empenha de fato nestaninguém se empenha de fato nesta solução.solução.  Até o presidente da república, na épocaAté o presidente da república, na época José Sarney, mudou seu discurso (1ºJosé Sarney, mudou seu discurso (1º governo após os militares, cujo últimogoverno após os militares, cujo último governo foi o do General João Batistagoverno foi o do General João Batista de Oliveira Figueiredo).de Oliveira Figueiredo).
  5. 5. Por exemplo, que não é mais possível tolerar asPor exemplo, que não é mais possível tolerar as grandes diferenças econômicas, sendograndes diferenças econômicas, sendo necessário promover uma distribuiçãonecessário promover uma distribuição eqüitativa. É claro que ninguém se empenhaeqüitativa. É claro que ninguém se empenha para que de fato isto aconteça, mas taispara que de fato isto aconteça, mas tais atitudes e pronunciamentos parecem mostraratitudes e pronunciamentos parecem mostrar que agora a imagem da injustiça socialque agora a imagem da injustiça social constrange, e que a insensibilidade em face daconstrange, e que a insensibilidade em face da miséria deve ser pelo menos disfarçada,miséria deve ser pelo menos disfarçada, porque pode comprometer a imagem dosporque pode comprometer a imagem dos dirigentes. Esta hipocrisia generalizada, tributodirigentes. Esta hipocrisia generalizada, tributo que a iniqüidade paga à justiça, é um modo deque a iniqüidade paga à justiça, é um modo de mostrar que o sofrimento já não deixa tãomostrar que o sofrimento já não deixa tão indiferente a média da opinião.indiferente a média da opinião.
  6. 6. De um ângulo otimista, tudo isto poderia serDe um ângulo otimista, tudo isto poderia ser encarado como manifestação infusa daencarado como manifestação infusa da consciência cada vez mais generalizada deconsciência cada vez mais generalizada de que a desigualdade é insuportável e pode serque a desigualdade é insuportável e pode ser atenuada consideravelmente no estágio atualatenuada consideravelmente no estágio atual dos recursos técnicos e de organização. Nessedos recursos técnicos e de organização. Nesse sentido, talvez se possa falar de um progressosentido, talvez se possa falar de um progresso no sentimento do próximo, mesmo sem ano sentimento do próximo, mesmo sem a disposição correspondente de agir emdisposição correspondente de agir em consonância. E aí entra o problema dos queconsonância. E aí entra o problema dos que lutam para que isso aconteça, ou seja: entra olutam para que isso aconteça, ou seja: entra o problema dos direitos humanos.problema dos direitos humanos.
  7. 7. 22  Direitos humanos: reconhecer que o queDireitos humanos: reconhecer que o que é indispensável para nós é indispensávelé indispensável para nós é indispensável para o outro.para o outro.  Direito à casa, comida, instrução e saúdeDireito à casa, comida, instrução e saúde – reconhecido.– reconhecido.  Direito à Dostoievski – não reconhecido.Direito à Dostoievski – não reconhecido.  Conceito do padre Louis-Joseph Lebret,Conceito do padre Louis-Joseph Lebret, sociólogo francês fundador do movimentosociólogo francês fundador do movimento Economia e Humanismo.Economia e Humanismo.  Bens compressíveis e bensBens compressíveis e bens incompressíveis.incompressíveis.
  8. 8.  Os obviamente incompressíveis: alimento, casa,Os obviamente incompressíveis: alimento, casa, roupa.roupa.  Obviamente compressíveis: cosméticos enfeites,Obviamente compressíveis: cosméticos enfeites, roupas supérfluas.roupas supérfluas.  Fronteira difícil de determinar.Fronteira difícil de determinar.  ““A gente não quer só comida, a gente querA gente não quer só comida, a gente quer comida diversão e arte.” Titãscomida diversão e arte.” Titãs  ““A liberdade é mais importante que o pão.”A liberdade é mais importante que o pão.” Nelson RodriguesNelson Rodrigues  Ponto de vista individual: reconhecer os direitosPonto de vista individual: reconhecer os direitos dos pobres aos bens materiais e das minorias àdos pobres aos bens materiais e das minorias à igualdade de tratamento.igualdade de tratamento.  Ponto de vista social: leis específicas.Ponto de vista social: leis específicas.  Bens incompressíveis: sobrevivência física eBens incompressíveis: sobrevivência física e integridade espiritual.integridade espiritual.
  9. 9. Ao se pensar no futuro dos homens, todas asAo se pensar no futuro dos homens, todas as perspectivas são negativas com relação ao limiteperspectivas são negativas com relação ao limite dos recursos naturais. A fome, a sede, a doençados recursos naturais. A fome, a sede, a doença e a ruína, que já fazem parte do cotidiano dose a ruína, que já fazem parte do cotidiano dos povos mais pobres, espreitam todos os outros.povos mais pobres, espreitam todos os outros. Há um profundo desequilíbrio entre o que éHá um profundo desequilíbrio entre o que é realmente necessário à vida e o que se gasta.realmente necessário à vida e o que se gasta. Por conta das profundas desigualdades, asPor conta das profundas desigualdades, as comodidades não estão ao alcance da maioria,comodidades não estão ao alcance da maioria, que vive alienada dos progressos que facilitariamque vive alienada dos progressos que facilitariam seu cotidiano, numa situação de miséria queseu cotidiano, numa situação de miséria que converte sua existência em experiência trágica.converte sua existência em experiência trágica. Porque enquanto a completa dimensão humanaPorque enquanto a completa dimensão humana de qualquer pessoa for negada na prática, nãode qualquer pessoa for negada na prática, não pode haver nenhuma ordem construída por nóspode haver nenhuma ordem construída por nós que seja aceitável.que seja aceitável.
  10. 10. Mas a fruição da arte e da literatura estariaMas a fruição da arte e da literatura estaria mesmo nesta categoria? Como noutros casos, amesmo nesta categoria? Como noutros casos, a resposta só pode ser dada se pudermosresposta só pode ser dada se pudermos responder a uma questão prévia, isto é, elas sóresponder a uma questão prévia, isto é, elas só poderão ser consideradas bens incompressíveispoderão ser consideradas bens incompressíveis segundo uma organização justa da sociedadesegundo uma organização justa da sociedade se corresponderem a necessidades profundasse corresponderem a necessidades profundas do ser humano, a necessidades que não podemdo ser humano, a necessidades que não podem deixar de ser satisfeitas sob pena dedeixar de ser satisfeitas sob pena de desorganização pessoal, ou pelo menos dedesorganização pessoal, ou pelo menos de frustração mutiladora. A nossa questão básica,frustração mutiladora. A nossa questão básica, portanto, é saber se a literatura é umaportanto, é saber se a literatura é uma necessidade deste tipo. Só então estaremos emnecessidade deste tipo. Só então estaremos em condições de concluir a respeito.condições de concluir a respeito.
  11. 11. 33  Literatura – todas as criações de toque poético,Literatura – todas as criações de toque poético, ficcional ou dramático em todos os níveis deficcional ou dramático em todos os níveis de uma sociedade.uma sociedade.  Vista deste modo a literatura apareceVista deste modo a literatura aparece claramente como manifestação universal declaramente como manifestação universal de todos os homens em todos os tempos. Não hátodos os homens em todos os tempos. Não há povo e não há homem que possa viver sem ela,povo e não há homem que possa viver sem ela, isto é, sem a possibilidade de entrar em contatoisto é, sem a possibilidade de entrar em contato com alguma espécie de fabulação.com alguma espécie de fabulação.  Correspondência da necessidade do sonho comCorrespondência da necessidade do sonho com a necessidade de um universo fabulado.a necessidade de um universo fabulado.  Criação ficcional ou poética – mola da literaturaCriação ficcional ou poética – mola da literatura em todos os níveis e modalidades.em todos os níveis e modalidades.
  12. 12.  Otto Ranke – mito. Literatura – sonho acordadoOtto Ranke – mito. Literatura – sonho acordado das civilizações.das civilizações.  Equilíbrio psíquico com o sonho, equilíbrio socialEquilíbrio psíquico com o sonho, equilíbrio social com a literatura.com a literatura.  Fator indispensável na humanização – confirmaFator indispensável na humanização – confirma o homem na sua humanidade.o homem na sua humanidade.  Na sociedade – instrumento poderoso deNa sociedade – instrumento poderoso de instrução e educação.instrução e educação.  Equipamento intelectual e afetivo.Equipamento intelectual e afetivo.  Possibilidade de viver dialeticamente osPossibilidade de viver dialeticamente os problemas.problemas.  Necessidade da literatura sancionada e daNecessidade da literatura sancionada e da literatura proscrita.literatura proscrita.  Não é uma experiência inofensiva.Não é uma experiência inofensiva.
  13. 13. ““Ela nãoEla não corrompecorrompe nemnem edificaedifica, portanto; mas,, portanto; mas, trazendo livremente em si o que chamamos otrazendo livremente em si o que chamamos o bem e o que chamamos o mal, humaniza embem e o que chamamos o mal, humaniza em sentido profundo, porque faz viver.”sentido profundo, porque faz viver.” O campo literário é imenso, porque imensas sãoO campo literário é imenso, porque imensas são as possibilidades da palavra com que lutam oas possibilidades da palavra com que lutam o poeta e o crítico. Impossível definir literatura,poeta e o crítico. Impossível definir literatura, porque definir, já sabia o velho Aurélio, é traçarporque definir, já sabia o velho Aurélio, é traçar limites. Mas ao mesmo tempo ela exige de nóslimites. Mas ao mesmo tempo ela exige de nós uma busca constante, na tentativa sempreuma busca constante, na tentativa sempre recomeçada por uma definição, definição essarecomeçada por uma definição, definição essa que nos foge a cada vez como a asa de umaque nos foge a cada vez como a asa de uma abelha ou como borboletas no ar. (p. 260)abelha ou como borboletas no ar. (p. 260) CHIAPPINI, Ligia.CHIAPPINI, Ligia. Reinvenção da catedral.Reinvenção da catedral. São Paulo, Cortez, 2005.São Paulo, Cortez, 2005.
  14. 14. 44  A função da literatura está ligada àA função da literatura está ligada à complexidade da sua natureza, que explicacomplexidade da sua natureza, que explica inclusive o papel contraditório masinclusive o papel contraditório mas humanizador (talvez humanizador porquehumanizador (talvez humanizador porque contraditório). Analisando-a, podemos distinguircontraditório). Analisando-a, podemos distinguir pelo menos três faces.: (1) ela é umapelo menos três faces.: (1) ela é uma construção de objetos autônomos comoconstrução de objetos autônomos como estrutura e significado; (2) ela é uma forma deestrutura e significado; (2) ela é uma forma de expressão, isto é manifesta emoções e a visãoexpressão, isto é manifesta emoções e a visão do mundo dos indivíduos e grupos; (3) ela édo mundo dos indivíduos e grupos; (3) ela é uma forma de conhecimento, inclusive comouma forma de conhecimento, inclusive como incorporação difusa e inconsciente.incorporação difusa e inconsciente.
  15. 15.  A sua atuação se dá na confluência dos três aspectos.A sua atuação se dá na confluência dos três aspectos.  Forma.Forma.  Obra literária – objeto construído.Obra literária – objeto construído.  Grande poder humanizador desta construção.Grande poder humanizador desta construção.  Estrutura do texto - modelo de coerência gerado peloEstrutura do texto - modelo de coerência gerado pelo poder da palavra organizada.poder da palavra organizada.  Organização da obra literária – organização da nossaOrganização da obra literária – organização da nossa visão de mundo.visão de mundo.  Tira as palavras do nada e as dispõe como todoTira as palavras do nada e as dispõe como todo articulado.articulado.  Organização da palavra comunica-se ao nossoOrganização da palavra comunica-se ao nosso espírito e o leva a se organizar e a organizar o mundo.espírito e o leva a se organizar e a organizar o mundo.  A mensagem é inseparável do código, mas o código éA mensagem é inseparável do código, mas o código é a condição que assegura o seu efeito.a condição que assegura o seu efeito.
  16. 16.  O conteúdo só atua por causa da forma.O conteúdo só atua por causa da forma. A forma traz em si, virtualmente, umaA forma traz em si, virtualmente, uma capacidade de humanizar devido àcapacidade de humanizar devido à coerência mental que pressupõe e quecoerência mental que pressupõe e que sugere.sugere.  O caos originário se torna ordem – meuO caos originário se torna ordem – meu caos interior se ordena – a mensagemcaos interior se ordena – a mensagem pode atuar.pode atuar.  Obra literária – superação do caos.Obra literária – superação do caos.
  17. 17.  LiraLira de Tomáz Antônio Gonzagade Tomáz Antônio Gonzaga Propunha-me a dormir no teu regaçoPropunha-me a dormir no teu regaço As quentes horas da comprida sesta;As quentes horas da comprida sesta; Escrever teus louvores nos olmeiros,Escrever teus louvores nos olmeiros, Toucar-te de papoulas na florestaToucar-te de papoulas na floresta  Na experiência de cada um estes sentimentosNa experiência de cada um estes sentimentos são vagos.são vagos.  Na expressão literária os sentimentos passamNa expressão literária os sentimentos passam de mera emoção a forma construída, quede mera emoção a forma construída, que assegura a generalidade e permanência.assegura a generalidade e permanência.
  18. 18. Pois o teor [Pois o teor [GehaltGehalt] de um poema não é a mera expressão] de um poema não é a mera expressão de emoções e experiências individuais. Pelo contrário,de emoções e experiências individuais. Pelo contrário, estas só se tornam artísticas quando, justamente emestas só se tornam artísticas quando, justamente em virtude da especificação que adquirem ao ganhar formavirtude da especificação que adquirem ao ganhar forma estética, conquistam sua participação no universal. Nãoestética, conquistam sua participação no universal. Não que aquilo que o poema lírico exprime tenha de serque aquilo que o poema lírico exprime tenha de ser imediatamente aquilo que todos vivenciam. Suaimediatamente aquilo que todos vivenciam. Sua universalidade não é umauniversalidade não é uma volonté de tousvolonté de tous, não é a da, não é a da mera comunicação daquilo que os outros simplesmentemera comunicação daquilo que os outros simplesmente não são capazes de comunicar. Ao contrário, o mergulhonão são capazes de comunicar. Ao contrário, o mergulho no individuado eleva o poema lírico ao universal porno individuado eleva o poema lírico ao universal por tornar manifesto algo de não distorcido, de não captado,tornar manifesto algo de não distorcido, de não captado, de ainda não subsumido, anunciando desse modo, porde ainda não subsumido, anunciando desse modo, por antecipação, algo de um estado em que nenhumantecipação, algo de um estado em que nenhum universal ruim, ou seja, no fundo algo particular, acorrenteuniversal ruim, ou seja, no fundo algo particular, acorrente o outro, o universal humano. A composição lírica temo outro, o universal humano. A composição lírica tem esperança de extrair, da mais irrestrita individuação, oesperança de extrair, da mais irrestrita individuação, o universal. (universal. (p. 66-67)p. 66-67) ADORNO, T. W.ADORNO, T. W. Notas de literatura INotas de literatura I. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2003.. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2003.
  19. 19.  O conteúdo, atuante graças à forma, constitui com elaO conteúdo, atuante graças à forma, constitui com ela um par indissolúvel que redunda em certa modalidade deum par indissolúvel que redunda em certa modalidade de conhecimento.conhecimento.  Humaniza.Humaniza.  Exercício da reflexão, aquisição do saber, boaExercício da reflexão, aquisição do saber, boa disposição para com o próximo, afinamento dasdisposição para com o próximo, afinamento das emoções, capacidade de penetrar nos problemas daemoções, capacidade de penetrar nos problemas da vida, senso de beleza, percepção da complexidade dovida, senso de beleza, percepção da complexidade do mundo e dos seres, cultivo do humor.mundo e dos seres, cultivo do humor.  Conhecimento latente.Conhecimento latente.  Conhecimento intencional; ideologia, crença, revolta,Conhecimento intencional; ideologia, crença, revolta, adesão, etc.adesão, etc.  Riscos – as mensagens só são válidas em virtude daRiscos – as mensagens só são válidas em virtude da forma que lhes dá existência como um certo tipo deforma que lhes dá existência como um certo tipo de objeto.objeto.
  20. 20. 55  Obras que tratam das iniqüidades sociais. Relação comObras que tratam das iniqüidades sociais. Relação com os direitos humanos.os direitos humanos.  Castro Alves e Bernardo Guimarães.Castro Alves e Bernardo Guimarães.  A eficácia humana é função da eficácia estética.A eficácia humana é função da eficácia estética. Capacidade de criar formas pertinentes.Capacidade de criar formas pertinentes.  Movimento literário – obras de qualidade alta e deMovimento literário – obras de qualidade alta e de qualidade modesta.qualidade modesta.  Romance humanitário e social do começo do séculoRomance humanitário e social do começo do século XIX.XIX.  Resposta da literatura ao impacto da industrialização.Resposta da literatura ao impacto da industrialização.  A miséria se tornou um espetáculo inevitável.A miséria se tornou um espetáculo inevitável.  O pobre entra pela primeira vez na literatura comO pobre entra pela primeira vez na literatura com dignidade, não mais como marginal, personagemdignidade, não mais como marginal, personagem cômico ou pitoresco.cômico ou pitoresco.  Fenômeno ligado ao Romantismo.Fenômeno ligado ao Romantismo.
  21. 21.  1820-1830 – aparecimento de um romance social com1820-1830 – aparecimento de um romance social com corte humanitário e toques messiânicos.corte humanitário e toques messiânicos.  Victor Hugo –Victor Hugo – Os miseráveisOs miseráveis  Pobreza, ignorância e opressão geram o crime.Pobreza, ignorância e opressão geram o crime.  Crianças, mulheres, pobres.Crianças, mulheres, pobres.  Charles Dickens.Charles Dickens.  Órfão.Órfão.  Apesar de declamatória um travo amargo resiste emApesar de declamatória um travo amargo resiste em meio ao que envelheceu.meio ao que envelheceu.  A preocupação com os direitos humanos pode trazerA preocupação com os direitos humanos pode trazer uma força insuspeitada.uma força insuspeitada.  A literatura nos incute o senso de urgência dosA literatura nos incute o senso de urgência dos problemas sociais.problemas sociais.  Romantismo – momento relevante para os direitosRomantismo – momento relevante para os direitos humanos na literatura.humanos na literatura.
  22. 22.  NaturalismoNaturalismo  Émile ZolaÉmile Zola  Inspirado pela colossal obraInspirado pela colossal obra A ComédiaA Comédia HumanaHumana (constituída por 89 romances,(constituída por 89 romances, novelas e contos) de Honoré de Balzac,novelas e contos) de Honoré de Balzac, Zola iniciou, em 1871, seu grandeZola iniciou, em 1871, seu grande projeto: a sérieprojeto: a série Os Rougon-MacquartOs Rougon-Macquart ((Les Rougon-MacquartLes Rougon-Macquart) à qual deu o) à qual deu o subtítulo desubtítulo de história natural e social dehistória natural e social de uma família sob o segundo impériouma família sob o segundo império,, composta por 20 romances de cunhocomposta por 20 romances de cunho naturalista, escritas entre 1871 e 1893. –naturalista, escritas entre 1871 e 1893. – GerminalGerminal 1885.1885.
  23. 23.  A força política latente dos seus textos o levouA força política latente dos seus textos o levou à ação, tornando-o um dos maiores militantesà ação, tornando-o um dos maiores militantes na história da inteligência empenhada.na história da inteligência empenhada.  Assumiu posição contra a condenação injustaAssumiu posição contra a condenação injusta do capitão Alfred Dreyfus, cujo processo entroudo capitão Alfred Dreyfus, cujo processo entrou em fase de revisão graças ao seu panfletoem fase de revisão graças ao seu panfleto J’accuseJ’accuse, terminando pela absolvição., terminando pela absolvição.  No Brasil o grande momento do romance deNo Brasil o grande momento do romance de tonalidade social foi o decênio de 1930.tonalidade social foi o decênio de 1930.  Homem do povo em primeiro plano. CríticaHomem do povo em primeiro plano. Crítica corrosiva.corrosiva.  Graciliano Ramos.Graciliano Ramos.
  24. 24. Então porque um sem-vergonha desordeiroEntão porque um sem-vergonha desordeiro se arrelia, bota-se um cabra na cadeia, dá-se arrelia, bota-se um cabra na cadeia, dá- se pancada nele? Sabia perfeitamente quese pancada nele? Sabia perfeitamente que era assim, acostumara-se a todas asera assim, acostumara-se a todas as violências, a todas as injustiças. E aosviolências, a todas as injustiças. E aos conhecidos que dormiam no tronco econhecidos que dormiam no tronco e agüentavam cipó de boi ofereciaagüentavam cipó de boi oferecia consolações: — “Tenha paciência.consolações: — “Tenha paciência. Apanhar do governo não é desfeita.” (p.Apanhar do governo não é desfeita.” (p. 33)33) RAMOS, GracilianoRAMOS, Graciliano Vidas secasVidas secas. 45. ed. Rio de Janeiro,. 45. ed. Rio de Janeiro, São Paulo: Editora record, 1980.São Paulo: Editora record, 1980.
  25. 25. 66  Relação entre a literatura e os direitos humanos de doisRelação entre a literatura e os direitos humanos de dois ângulos diferentes.ângulos diferentes.  Necessidade universal que nos humaniza. Sua ausênciaNecessidade universal que nos humaniza. Sua ausência nos mutila.nos mutila.  Literatura instrumento consciente de desmascaramento.Literatura instrumento consciente de desmascaramento.  Organização da sociedade restringe ou amplia a fruiçãoOrganização da sociedade restringe ou amplia a fruição deste bem.deste bem.  Brasil trata como compressíveis os bensBrasil trata como compressíveis os bens incompressíveis.incompressíveis.  Fruição segundo as classes, impedimento de chegar àsFruição segundo as classes, impedimento de chegar às obras eruditas.obras eruditas.  Distribuição eqüitativa de bens para que a literaturaDistribuição eqüitativa de bens para que a literatura erudita deixe de ser privilégio.erudita deixe de ser privilégio.
  26. 26.  Brasil. População analfabeta ou quase.Brasil. População analfabeta ou quase.  Não possuem o tempo de lazerNão possuem o tempo de lazer necessário à leitura.necessário à leitura.  Tiragens das obras literárias na UniãoTiragens das obras literárias na União Soviética.Soviética.  Maior igualdade, maior tempo de lazer,Maior igualdade, maior tempo de lazer, maior difusão humanizadora das obrasmaior difusão humanizadora das obras literárias, maior amadurecimento deliterárias, maior amadurecimento de todos.todos.  Esforço para combater a falta deEsforço para combater a falta de oportunidades culturais.oportunidades culturais.
  27. 27.  Mário de Andrade chefiou o Departamento deMário de Andrade chefiou o Departamento de Cultura da Cidade de São Paulo, de 1935 aCultura da Cidade de São Paulo, de 1935 a 1938.1938.  Música, bibliotecas, pesquisa que valorizavaMúsica, bibliotecas, pesquisa que valorizava as culturas populares.as culturas populares.  Cultura popular e cultura erudita, corrente emCultura popular e cultura erudita, corrente em dois sentidos de troca de influências.dois sentidos de troca de influências.  Intercomunicação dos níveis culturais.Intercomunicação dos níveis culturais.  Passagem dos níveis populares para os níveisPassagem dos níveis populares para os níveis eruditos.eruditos.  Falta de oportunidade e não incapacidade.Falta de oportunidade e não incapacidade.
  28. 28.  Experiência de Jean Géhenno: o povo preferiuExperiência de Jean Géhenno: o povo preferiu os grandes romances aos romancesos grandes romances aos romances populistas/ panfletários.populistas/ panfletários.  Experiência com Machado de Assis no ensinoExperiência com Machado de Assis no ensino fundamental.Cursos noturnos do escritorfundamental.Cursos noturnos do escritor português Agostinho da Silva sobre filósofos.português Agostinho da Silva sobre filósofos.  Operários de Milão preferiram aprender língua,Operários de Milão preferiram aprender língua, literatura e violino.literatura e violino.  Música e dança nas escolas. Pedidos dosMúsica e dança nas escolas. Pedidos dos alunos de livros de poesia nas salas de leitura.alunos de livros de poesia nas salas de leitura.  Poder universal dos grandes clássicos.Poder universal dos grandes clássicos.
  29. 29. —— Se quiserem insistir na subjetividade da leitura, possoSe quiserem insistir na subjetividade da leitura, posso concordar com vocês, mas não no sentido centrífugoconcordar com vocês, mas não no sentido centrífugo que vocês lhe atribuem. Cada novo livro que leioque vocês lhe atribuem. Cada novo livro que leio passa a fazer parte daquele livro abrangente e unitáriopassa a fazer parte daquele livro abrangente e unitário que é a soma de minhas leituras. Isso não aconteceque é a soma de minhas leituras. Isso não acontece sem esforço.; para compor esse livro geral, cada livrosem esforço.; para compor esse livro geral, cada livro particular deve transformar-se, relacionar-se com osparticular deve transformar-se, relacionar-se com os livros que li anteriormente, tornar-se o corolário ou olivros que li anteriormente, tornar-se o corolário ou o desenvolvimento ou a refutação ou a glosa ou o textodesenvolvimento ou a refutação ou a glosa ou o texto de referência. Há vários anos freqüento esta bibliotecade referência. Há vários anos freqüento esta biblioteca e a exploro volume por volume, prateleira pore a exploro volume por volume, prateleira por prateleira, mas poderia demonstrar-lhes que não fizprateleira, mas poderia demonstrar-lhes que não fiz outra coisa senão prosseguir na leitura de um únicooutra coisa senão prosseguir na leitura de um único livro. (p. 259)livro. (p. 259) CALVINO, Italo.CALVINO, Italo. Se um viajante numa noite de inverno. São Paulo:Se um viajante numa noite de inverno. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.Companhia das Letras, 1999.
  30. 30.  Divina comédiaDivina comédia quantidade de pessoas quequantidade de pessoas que sabem os cantos de cor na Itália.sabem os cantos de cor na Itália.  Obras que se sabe de cor.Obras que se sabe de cor.  Alunos que recitam a abertura deAlunos que recitam a abertura de Os lusíadasOs lusíadas, a, a cantiga de amigo de Martím Codax, “Ondas docantiga de amigo de Martím Codax, “Ondas do mar de Vigo”.mar de Vigo”.  Os grandes clássicos podem ser fruídos emOs grandes clássicos podem ser fruídos em todos os níveis.todos os níveis.  A desigualdade da nossa sociedade faz comA desigualdade da nossa sociedade faz com que os pobres só tenham direito e acesso àque os pobres só tenham direito e acesso à cultura popular.cultura popular.  Nem sempre aqueles que têm acesso à culturaNem sempre aqueles que têm acesso à cultura erudita conseguem apreciá-la.erudita conseguem apreciá-la.
  31. 31. 77 Portanto, a luta pelos direitos humanos abrange aPortanto, a luta pelos direitos humanos abrange a luta por um estado de coisas em que todosluta por um estado de coisas em que todos possam ter acesso aos diferentes níveis dapossam ter acesso aos diferentes níveis da cultura. A distinção entre cultura popular ecultura. A distinção entre cultura popular e cultura erudita não deve servir para justificar ecultura erudita não deve servir para justificar e manter uma separação iníqua, como se domanter uma separação iníqua, como se do ponto de vista cultural a sociedade fosse divididaponto de vista cultural a sociedade fosse dividida em esferas incomunicáveis, dando lugar a doisem esferas incomunicáveis, dando lugar a dois tipos incomunicáveis de fruidores. Umatipos incomunicáveis de fruidores. Uma sociedade justa pressupõe o respeito dossociedade justa pressupõe o respeito dos direitos humanos, e a fruição da arte e dadireitos humanos, e a fruição da arte e da literatura em todas as modalidades e em todosliteratura em todas as modalidades e em todos os níveis é um direito inalienável.os níveis é um direito inalienável.

×