Cultura medieval parte 2

7.902 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.902
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5.911
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cultura medieval parte 2

  1. 1. Cantigas de amor “ Senhora minha, desde que vos vi, lutei para ocultar esta paixão que me tomou inteiro o coração; mas não o posso mais e decidi que saibam todos o meu grande amor, a tristeza que tenho, a imensa dor que sofro desde o dia em que vos vi.” 
  2. 2. As cantigas de amor exprimem a paixão infeliz, o amor não correspondido que um trovador dedica a sua senhora; O poeta dirige os seus elogios a uma dama de condição superior. A mulher assume uma posição divinizada.
  3. 3. Cantigas de amigo Ondas do mar de Vigo, se vistes meu amigo! E ai Deus, se verrá cedo! Ondas do mar levado, se vistes meu amado! E ai Deus, se verrá cedo! Se vistes meu amigo, o por que eu sospiro! E ai Deus, se verrá cedo! Se vistes meu amado, por que hei gran cuidado! E ai Deus, se verrá cedo!
  4. 4. As cantigas de amigo falam de uma relação amorosa que acontece entre camponeses. O tema central é a saudade; O eu-lírico é sempre feminino e representa a voz de uma mulher (amiga) que manifesta a saudade pela ausência do amigo (namorado ou amante); Expõe a visão feminina da saudade e do amor; O amor é real e ocorre entre pessoas de condição social semelhante.
  5. 5. Cantigas de escárnio e maldizer
  6. 6. Foi um dia Lopo jograr a casa duü infançon(1) cantar, e mandou-lhe ele por don(2( dar três couces na garganta, e foi-lhe escasso, a meu cuidar, segundo como el canta Escasso foi o infançon en seus couces partir' enton, ca non deu a Lopo enton mais de três na garganta, e mais merece o jograron, segundo como el canta. Martin Soarez, CV 974 ( 1)-Designação dada a um membro da nobreza (2)Prémio
  7. 7. <ul><li>Nas cantigas de escárnio , o trovador critica alguém por meio de palavras ambíguas (de duplo sentido), para que não sejam facilmente compreendidas. </li></ul><ul><li>ridicularizam o comportamento de nobres ou denunciam as mulheres que não seguem o código do amor cortês. </li></ul><ul><li>Nas cantigas de maldizer , o trovador faz suas críticas de modo direto, explícito, identificando a pessoa satirizada. Essas cantigas costumam apresentar linguagem ofensiva e calão. </li></ul><ul><li>Muitas vezes, tratam das indiscrições amorosas de nobres e membros do clero. </li></ul>
  8. 8. As novelas de cavalaria
  9. 9. As novelas de cavalaria são os primeiros romances, ou seja, longas narrativas em versos, surgidas no século XII. Relatam as aventuras vividas pelos cavaleiros andantes e tiveram origem no declínio do prestígio da poesia trovadoresca. Tiveram intensa circulação pelas cortes medievais e ajudaram a divulgar os valores e a visão de mundo da sociedade medieval.
  10. 10. <ul><li>As Novelas de Cavalaria são narrativas literárias que contam os grandes feitos de um herói (acompanhado de seus cavaleiros), entremeados de célebres histórias de amor. </li></ul><ul><li>As histórias de amor não são melancólicas e platónicas como nas cantigas: </li></ul><ul><li>o herói seduz a amada, mas não se contenta apenas em vê-la; ele quer e é correspondido pela amada, que por ser casada (ou religiosa: &quot;casada com Cristo&quot;), torna-se adúltera para concretizar o seu amor; </li></ul>
  11. 11. <ul><li>os obstáculos incentivam o herói na fase de conquista ao invés de torná-lo impotente como acontece nas cantigas; </li></ul><ul><li>a esse amor físico, adúltero, presente nas novelas, dá-se o nome de amor cortês, em que o casal central não tem final feliz e é severamente punido pelo pecado cometido. </li></ul>Os heróis medievais não têm a força física exagerada dos heróis da antiguidade clássica, mas são sempre jovens, belos e elegantes. Suas amadas são sempre &quot;as mais belas do reino&quot;.
  12. 12. Essas novelas são ricas em aventuras e heróis cavaleirescos valentes, sempre envolvidos numa vida também rica de perigos e malfeitores, que servem para enfatizar a coragem e decisão de heróis como Tristão, Lancelote…
  13. 13. O Rei Arthur Na Idade Média, época em que todas as mesas eram compridas, a Távola do Rei Arthur surpreendia as pessoas: &quot;Por ser redonda, todos sentavam em volta dela como iguais&quot;. A Távola Redonda foi um presente do mago Merlim ao rei Artur. Ao seu redor, sentaram-se doze cavaleiros que tinham um ponto em comum: juraram ser honrados em toda e qualquer situação e dedicar-se à busca do Graal, a taça misteriosa que havia contido o sangue de Cristo. Ser membro da ordem da cavalaria era o ideal de todos os jovens da nobreza.
  14. 15. A lenda de Tristão e Isolda é de origem celta e prende-se com a vida de um rei que viveu na Escócia, onde reinou de 780 a 785. Tristão ganha Isolda para seu tio, mas o amor entre Tristão e Isolda será maior que a guerra. “ Não sei se a vida é maior que a morte, mas o amor é maior que ambas.”

×