A sociedade medieval parte 2 a

2.221 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.221
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
556
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A sociedade medieval parte 2 a

  1. 1. A sociedade Medieval Parte II
  2. 2. Indicadores de aprendizagem <ul><li>Explicar o papel da igreja na sociedade medieval </li></ul><ul><li>Caracterizar os poderes da Nobreza </li></ul><ul><li>Descrever um senhorio </li></ul><ul><li>Descrever as obrigações dos camponeses </li></ul>Vídeo- “O nome da rosa”
  3. 3. Sociedade Medieval A sociedade era hierarquizada, estática (com pouca mobilidade social).
  4. 4. A razão de ser dos carneiros é fornecer a lã, a dos bois , trabalhar a terra ; a dos cães de defender dos lobos , os carneiros e os bois. Se cada espécie destes animais cumprir o seu ofício , Deus protege-os. Fez ordens em vista dos ofícios a cumprir neste mundo. Estabeleceu uns - os clérigos e os monges - para que peçam pelos outros e lhes dêem o leite da pregação e lhes inspiram , pela lã do bom exemplo, um fervente amor de Deus. Estabeleceu os camponeses para que eles façam viver - como os bois pelo seu trabalho - não só a sua pessoa como a dos outros. Os guerreiros estabeleceu-os para que os defendam os que rezam e os que cultivam a terra. Eadmer de Canterbury Com base neste documento, explica a expressão “ sociedade trifuncional”.
  5. 5. Na sociedade feudal, não havia mobilidade social. Cada ordem estava encarregada de exercer sua função: -Os oratores (os que oram ou rezam – o clero); -Os bellatores ( os que lutam ou guerreiam – os nobres); -Os laboratores ( os que labutam ou trabalham – os servos) .
  6. 6. Logo a seguir ao Ano Mil, duas figuras parecem conduzir os destinos da cristandade: o Papa e o imperador. O conflito entre ambos vai ocupar o primeiro plano ao longo de todo o período A Reforma Gregoriana- do nome do Papa Gregório VII- não é senão o aspeto mais exterior do grande movimento que levou a igreja a regressar às suas origens. Havia que restaurar , perante a classe dos guerreiros , a autonomia e o poder da classe dos sacerdotes. Daí a tentativa de fundar a independência do Papado, reservando aos cardeais a eleição do pontífice máximo . Daí , os esforços para subtrair o clero aos arbítrios da aristocracia , para retirar ao imperador e por isso, aos senhores a nomeação e a investidura dos bispos e para ao mesmo tempo , submeter o poder temporal ao poder espiritual. Jacques Le Goff Por que razão os Papas e os imperadores entraram em conflito? Lê os documentos da pág 20 e a imagem da pág 21
  7. 7. Com a queda do Imp é rio Romano do Ocidente em 476, a igreja cristã passou a ser a ú nica ponte entre o mundo antigo e o mundo medieval, a Igreja tornou-se a ú nica institui ç ão da Antiguidade a manter-se intacta ap ó s a queda de Roma. Foi a Igreja que manteve a cultura e a lei romana preservada mesmo com a queda do Imp é rio. A Igreja refor ç ou o seu estilo pastoral, incentivando as peregrina ç ões aos lugares santos ( Terra Santa,) e organizou as cruzadas, Com a expansão do feudalismo por toda a Europa Medieval, a Igreja Católica viu o seu poder a crescer. Estabelecida numa sociedade marcada pelo pensamento religioso, a Igreja esteve nos mais diferentes extratos da sociedade medieval. A própria organização da sociedade medieval (dividida em Clero, Nobreza e Servos) era um reflexo da Santíssima Trindade.
  8. 8. <ul><li>O seu poder, além de político, já que exercia influência sobre os senhores e monarquias feudais, também era económico. Os mosteiros das diferentes ordens da Igreja (beneditinos, dominicanos, etc.) eram enormes feudos com muitos servos. </li></ul><ul><li>O clero beneficiava ainda de vários privilégios: </li></ul><ul><li>Não pagavam impostos </li></ul><ul><li>regia-se por um direito próprio e tinha tribunais específicos; </li></ul><ul><li>Recebiam a dízima </li></ul><ul><li>Tinham cargos políticos </li></ul>
  9. 9. <ul><li>A Igreja exercia ainda um forte controle sobre o conhecimento, sobre o saber. </li></ul><ul><li> Praticamente só membros da Igreja sabiam ler e escrever e as bibliotecas ficavam nos mosteiros, onde só os seus membros tinham acesso. Os monges viviam em mosteiros e eram responsáveis pela proteção espiritual da sociedade. Passavam grande parte do tempo rezando e copiando livros e a Bíblia. O pensamento ou mentalidade teocêntrica, ou seja, Deus como o centro de todas as explicações de mundo, favorecia ainda mais este controle e dominação. </li></ul>

×