Biofertilizantes - Agroecologia.

849 visualizações

Publicada em

Aprenda a fazer seu próprio biofertilizantes em casa.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
849
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
54
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Biofertilizantes - Agroecologia.

  1. 1. Â' _m . ., , 1 QIUÊ», ' r ~~ , ›' . y s' . ev , u mais: . B¡ F5" ABA
  2. 2. APRESENTAÇÃO O Programa de Fortalecimento da Viticultura Familiar da Serra Gaúcha realizado Pelo Instituto Brasileiro do Vinho IBRAVlN, com apoio do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e da Secretaria de Agricultura Familiar (SAF) e' uma iniciativa que visa romper com as práticas difusionistas e verticalizadas, trabalhando a construção do conhecimento junto com o agricultor e os técnicos envolvidos na atividade. Este Programa trabalhou diversos aspectos da agricultura, não somente a produção, mas a produção de alimentos para segurança alimentar e nutricional, a organização da produção para a comercialização no mercado local e regional, objetivando aumentar a rendada unidade familiar. Também foram trabalhadas as Atividades Não Agrícolas, o Manejo Sustentável dos Recursos Naturais, a Organização Social, A Agricultura Orgânica, a Agregação de Valor, a Qualificação do Crédito Rural, a Diversiftcação da Produção, a Gestão da Propriedade, enfim, uma série de assuntos que perpassam a vida do agricultor e este quase não se dá conta da dimensão do desafio e da responsabilidade que tem. Portanto, o IBRAVIN buscou com esta ação de ATER (Assistência Técnica e Extensão Rural) fortalecer a importância da viticulmra trabalhando com os agricultores familiares que são os protagonistas desta cadeia produtiva que tanta riqueza trouxe, e traz, à Serra Gaúcha, ao Rio Grande do Sul e ao Brasil.
  3. 3. SUMÁRIO t. INTRODUÇÃO . ... ... ... ... ... ... ... .. . . 2. Agricultura Ecológica 3. Biofertilizantes . ... ... . . . 3.1 Tipos de biofertilizantes. 3.2 Não é mais fácil usar o esterco sem ser fermentado 3.3 Como preparar biofertilizante com esterco para fazer adubação de cobertura . ... ... .. . . 3.4 Cuidados necessários para fazer um biofertilizant 3.5 Quanto tempo leva para ficar pronto? .. ... ... ... ... ... .. 3.6 Depois de pronto, quanto tempo dá para guardar? 3.7 Pode acontecer do produto não fomentar? .. ... ... ... ... .. . . 3.8 Biofertilizantes para tratamentos nutricionais foliares. 3.9 Qual a ação dos biofertilimntes em tratamentos foliares? 3. l 0 Como se faz um biofertilizante enriquecido? .. ... ... ... ... ... .. 3.11 Mas o que é preciso para fazer este biofertilizante enriquecido? , 3.12 Quer dizer que o biofertilizante alimenta a planta? .. ... ... ... ... ... ... .. 3.13 Então o bíofettilizante age como um agrotóxico? 3.14 Tem que ter algum cuidado na aplicação? .. ... ... . . . 3.15 Tem algum produto importante de ser utilizado no biofertilizanteíl. 3.16 Qual o biofertilizante enriquecido mais conhecido? .. ... ... ... ... ... ... ... .. . . 3. l 7 Para que culturas e como ele tem sido usado? .. ... ... ... ... ... ... ... ... .. . . 3.18 Existem outras fomtas de preparar biofertilizantes enriquecidos? 3.19 Conclusão . ... ... ... ... ... ... ... ... . . . 1. INTRODUÇÃO 0 Brasil tem um enonne potencial para a produção de alimentos. Possui em tomo de 340 milhões de ha de terra agriculturáveis, sendo que destes, l72 milhões são de pastagens. A agricultura (patronal e familiar) representa 40% das exportações brasileiras, sendo que a agricultura familiar responde por 80% da produção de alimentos, em média. Segundo a FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação), até 2030, o mundo (em relação ao que produz hoje) terá um crescimento de demanda de 34% de came bovina, 47% de came suína, 55% de carne de frango, 59% de açúcar, l 9% de arroz_ 29% de milho e 49% de soja. Além do desafio de transpor a barreira da mera produção de commodities, que não agrega valor ao produto, nos tomando dependentes tecnologicamente, pois este não é processado, outro desafio está na manutenção e qualificação do solo e da água existentes, que indiretamente são exportados junto com o produto. 0 crescimento do uso dos fertilizantes convencionais é da ordem de 4,6% ao ano (Associação Nacional de Difusores de Adubo - ANDA). Além do custo elevado, também há implicações ambientais no uso excessivo dos fertilizantes convencionais, que são cada vez mais demandados. Uma das altemativas consistentes e cientificamente comprovadas é a utilização de biofertilizantes. Não se trata de demonizar ou pregar a não utilização do adubo quimico convencional. E sim, de propor uma nova visão, mais sistêmica e integradora da produção agricola, aproveitando ao máximo os resíduos gerados, com impacto reduzido ou zero. O biofertilizante tem condições de alimentar e proteger a planta, pois planta bem nutrida tem mais resistência propiciando condições de se defender do ataque de insetos, fungos, bactérias etc. , pois o biofertilizante é considerado um produto final de toda reação, e não somente um subproduto. Esta publicação trabalhará noções básicas sobre biofertilizantes, contendo algumas orientações que possibilitam ao agricultor fazer o seu próprio produto.
  4. 4. 2. AGRICULTURAECOLÓGICA A agricultura ecológica consiste em um conjunto de práticas que visa um trabalho harmônico e de acordo com as leis da Natureza. A base de toda a produção agricolaéo solo que, por sua veL é um organismo vivo. Devemos dar a esse organismo vivo todas as condiçôes para que as plantas nele manejadas possam se desenvolver com saúde. Isto significa estimular ao máximo a vida do solo, protegendo contra as intempéries e agregando o máximo possível de matéria orgânica. Para qualquer ação mal feita a natureza se encarrega de nos mostrar o erro no manejo. Ações mal feitas são, por exemplo, o uso de adubos como NPK, a falta de matéria orgânica, falta ou excesso de água, falta de luz, uso de agrotóxicos ou tratos culturais errados ou fora de época. E nos mostra o erro através de indicadores como, por exemplo, ataques de insetos, de ácaros, de nematoides e de doenças. A maneira correta de proteger as plantas dos insetos e das doenças é prevenir o ataque desses agentes da natureza, dando a essas plantas, através do solo, uma alimentação saudável e equilibrada. A forma mais fácil e barata de se conseguir isso é através da adubação orgânica, ou seja, aplicando compostos, estercos, palhas, residuos, adubos verdes, cascas, restos de colheita, etc. Devemos aprender a dialogar com a natureza, observando seus indicadores biológicos e trabalharjunto com ela, a favor de nossas culturas. O importante e' manter uma paisagem diversificada e equilibrada, onde cada árvore, cada pássaro, o pomar, a horta, a lavoura, a capineira, sejam como os órgãos de um corpo: todos dependem entre si e a saúde de um é a saúde de todo o conjunto, incluindo o homem. 3. BIOFERTILIZANTES Os biofertilizantes são uma ferramenta importante para nos auxiliar a ter plantas cultivadas sadias, mas o uso de uma técnica isolada pode não ser suficiente para atingir os resultados que se busca. A palavra biofertilizante tem bio no começo e, depois, fertilizante. Bio é uma palavra grega que significa vida. Fertilizante, todo agricultor sabe o que é. Normalmente se chama de adubo. Tem adubos de origem orgânica (como esterco, cama de aviário, composto, chorume etc. ) e outros de origem industrial, chamadosdeadubos químicos ouNPK. Os biofertilizantes são adubos orgânicos líquidos que passam por um processo de fermentação. Eles podem ser feitos com qualquer tipo de matéria orgânica fresca e são usados em adubação de cobertura ou como tratamento nutricional sobre os cultivos desejados. 3.1 Tipos de biofertílinntes Existem inúmeras formas de fazer biofertilizantes. Na maioria das vezes se utiliza estercos, mas também é possivel usar só plantas ainda frescas. Nos livros, em geral, encontramos que biofertilizante é o produto resultante da fennenlação da matéria orgânica na ausência total de oxigênio (do ar). Aqui, estamos trabalhando com uma definição mais ampliada, que envolve também a fermentação na presença de ar. 0 esterco de gado é o que apresenta mais fácil fermentação, porjá estar inoculado com bactérias decompositoras muito eficientes. O biofertilizante feito com esterco misturado com água pode ter um processo de fermentação aeróbica(na presença de oxigênio) ou anaeróbica (na ausência de oxigênio). Há duas maneiras de fazer uma fennentação aeróbica. Uma delas é forçando a incorporação de ar no líquido, seja remexendo ou por ventilação. Outra é construindo um tanque com uma grande superficie em relação ao volume, para aumentar-o contato da mistura com o ar. Na prática, sempre teremos bactérias aeróbicas e anaeróbica. : atuando ao mesmo tempo, com uma eventual predominância de uma sobre a outra, em função da maior ou menor presença de ar. Não podemos esquecer que estas reações acontecem em escalas microscópicas e em microssítios que podem se apresentar com mais ou menos ar do que o resto do ambiente.
  5. 5. 3.2 Não é mais fácil usar o esterco sem ser fermentadn? Mais fácil, até pode ser. Mas o resultado obtido é muito pior. A fermentação faz com que ocorra uma série de transformações químicas e biológicas que melhoram a qualidade do produto. lsto tudo faz parte do ciclo de vida da natureza, cada parte e' importante para que a outra se desenvolva - isto pode ser chamado de escada da evolução. Vamos pensar juntos. Quando o esterco da vaca cai no chão, ele não é absorvido diretamente pelas plantas. O que acontece é que este esterco é decomposto por diversos microrganismos e, junto com os minerais e rochas do solo, faz com que sejam liberados nutrientes para aplanta. Esta planta, aproveitando a luz do sol, a água, o ar e os nutrientes do solo, cresce e produz comida para os animais (vaca, ovelha, cabra, etc. ) e estes, por sua vez, podem alimentar outros animais. É um ciclo, como tantos outros que existem na natureza. Na fermentação, transfomramos produtos que não poderiam ser comidos pelas plantas em produtos que elas conseguem assimilar facilmente. Por exemplo, nós não temos capacidade de “pastar", pois nosso organismo não assimila a celulose (que é um dos principais componentes do pasto). Porém, a vaca consegue digerir o pasto devido aos microrganismos que tem em seu rúmen. Por isso, aqueles que comem came de certa fomia comem pasto, tendo a vaca como intemiediária. 3.3 Como preparar biofertilizante com esterco para fazer adubaçãodecobertura São muitas as misturas que podem ser feitas. E não há limites de tamanho do tanque onde se faz o biofertilizante. Dá para usar uma parte de esterco para 1,5 a 2 partes de água, em uma mistura homogênea (bem mexida). Dependendo do tipo de manejo que o agricultor for dar a este fermentado, é conveniente ter um tanque menor, de mistura, antes de o material ser colocado no tanque maior, de fermentação. Se houver disponibilidade, é conveniente acrescentar soro de leite ou caldo de cana para favorecer a velocidade de desenvolvimento das bactérias fermentadoras. O biofertilizante pode ser enriquecido com alguns minerais, presentes em cinzas ou em pós de rochas ñnamente moídas. Estes minerais favorecem uma fermentação mais eficiente, além de melhorara qualidade do produto final. 08 _›_. _. _, "Í l Depois de prontos, os biofertilizantes podem ser utilimdos no solo, como uma adubação de cobertura. As quantidades usadas variam muito. Como referência, indicamos de 10 mil a 20 mil litros por hectare para adubação de cobertura. _ Outra possibilidade de biofertilizante é, em um tonel de 200 litros, misturar 100 litros de água e 70 litros de esterco de gado. Se houver disponibilidade, acrescentar 5 kg de esterco fresco de galinha poedeíra (para aumentar o teor de nitrogênio) e l kg de açúcar (para acelerar a fennentação). Depois de misturado tudo de uma só vez, esperar uma semana. Pode usar a 50%, colocado no solo com regador sem crivo, junto aos pés das plantas a serem adubadas, como por exemplo, tomateiros. 3.4 Cuidados necessários para fazer um biofertilizante Não tem grandes mistérios, basta compreender os principios da fermentação e tomar alguns cuidados. Se for fazer um biofertilizante com esterco este deve ser fresco, pois é mais rico em microrganismos e nitrogênio. A água para fazer a mistura deve ser a mais pura possível. Água do sistema de abastecimento público, tratada com cloro e flúor não é aconselhável. O recipiente onde é feita a fermentação não deve receber luz direta do sol, pois este pode destruir parte dos componentes do biofertilizante. Não deve, também, estar exposto à chuva, pois pode haver uma diluição acima do desejável. 3.5 Quanto tempo leva para ñcar pronto? Depende. Um dos fatores importantes para esta fermentação é a temperatura. Para o biofertilizante com esterco de gado a melhor temperatura é 38°C, que e' a temperatura da pança (rúmen) dos herbivoros, seja camelo, vaca ou veado. Em regiões onde a temperatura média do dia é de l 8° C pode levar até 90 dias. Quando a fermentação estiver pmma, o produto apresenta um odor agradável e uma separação daparte sólidae da líquida.
  6. 6. 3.6 Depois de pronto, quanto tempo da para guardar? Não tem prazo de validade. O importante é guardar preferencialmente em um recipiente de inox, madeira ou vidro. Não convém fechar hermeticamente, já que o produto pode seguir fermentando, e o gás resultante pode criar pressão e explodir. 3.7 Pode acontecer do produto não fermentar? Sim, pode. Mas, então, temos que faze-lo ferrnentar de qualquer jeito. A forma de preparo e a qualidade dos produtos utilizados são importantes para ter uma boa fennentação. Por exemplo, o esterco de vacas recém-tratadas com antibióticos pode apresentar baixa fennentação, pois os remédios matam microrganismos. E a fermentação é um processo realizado por seres vivos. Portanto, qualquer contaminação ou alteração brusca na composição do produto pode paralisar a fermentação. Se isto acontecer, se pode procurar adicionar um pouco mais de esterco fresco, melaço, leite, cinza ou algum outro elemento orgânico de fácil fermentação. Altemativa é fazer outro biofertilizante e ir adicionando lentamente neste segundo, o primeiro que não fermentou. 3.8 Biofertilinntes para tratamentos nutricionais follares São biofertilizantes pulverizados sobre as folhas, que pelas substâncias orgânicas e pela diversidade de micronutrientes que têm, exercem uma ação benéfica sobre o metabolismo das plantas, deixando-as mais vigorosas. Entre eles, estão biofertilizantes feitos a partir de esterco, ou a partir de plantas, enriquecidos com cinzas, leite ou soro de leite, vennicomposto, pós de rochas, calcários, ou com macro e micronutrientes de origem mineral. No caso de utilizar outro tipo de esterco, ou sós restos de plantas, é interessante adicionar um pouco de esterco de gado para inocular a mistura com bactérias eficientes para a fermentação. Os biofertilizantes enriquecidos são, sem dúvida, a melhor altemativa para alcançarmos um suplemento alirnentarque mantenha aplanta equilibrada. f** "J -1› é; 3.9 Qual a ação dos bíofertilinntes em tratamentos foliares? O esterco ou plantas que são fennentados têm uma ação sobre as plantas que ainda não é totalmente conhecida. Além dos minerais propriamente ditos, são capazes de fomecer à planta cultivada substâncias frtoneguladoras, tais como ácido indol-acético, giberelinas, citoquininas, além de vários outros aminoácidos que melhoram a taxa e a eficiência da fotossíntese. Muito se questiona sobre a necessidade de trabalhar com pulverizações foliares em agricultura ecológica. Teoricamente, um solo bem equilibrado deveria ser plenamente capaz de ter culturas sadias e produtivas. Para esclarecer esta questão é interessante pensar no que é a tilosfera. Filosfera é a área da superficie de uma folha. Está demonstrado que ao redor de uma folha, na tilosfera, acontece uma série de reações bioqulmicas, bem como convivem dezenas de microrganismos. Estas reações bioqulmicas acabam liberando nutrientes importantes, tanto minerais quanto orgânicos, diretamente para as plantas. A análise dos ecossistemas de florestas tem mostrado que a água da chuva que escorre desde as camadas superiores da vegetação, da copa das árvores, é muito rica em nutrientes, tanto de elementos químicos quanto em formas mais complexas, como aminoácidos, enzimas, açúcares, ácidos húmicos, hormônios vegetais e etc. Ao alcançar o solo, o que não tiver sido absorvido pela vida nas diferentes camadas das plantas será absorvido pela imensa atividade na rizosfera (zona onde estão as raízes). As pulverizações foliares, na agricultura ecológica, tentam imitar este recurso que a natureza desenvolveu para partilhar o alimento entre as diversas plantas. 3.10 Como se faz um biofertilizante enriquecido? É importante que o agricultor possa entender o processo de fermentação c seja capaz de fabricar biofertilizantes enriquecidos na sua propriedade. Por isto, se procura utilizar materiais facilmente acessíveis e de baixo custo, fazendo uma transferência de poder dos cientistas para os agricultores. Normalmente, o que acontece com as descobertas cientificas é que elas ficam nos próprios centros de pesquisas ou se transformam em mercadorias de grande valor para as multinacionais e empresas de agroquimicos. Formulações caseiras de bíofertilizantes enriquecidos têm exatamente o mérito de serem ll
  7. 7. l l l facilmente apropriadas e reproduzidas pelos agricultores. Estes biofertilizantes são uma tecnologia de ponta, que irá mostrando seus efeitos benéficos quanto mais os agricultores inovarem e adaptarem o seu uso e fabricação às suas necessidades. 3.11 Mas o que é preciso para fazer este biofertilizante enriquecido? Então, como dissemos, para fazer um biofertilizante precisamos de microrganismos (leveduras, bactérias e fungos), um alimento para estes microrganismos se desenvolverem e água. Um material que a maior parte dos agricultores tem em abundância é o esterco. 0 de gado é particularmente interessante porquejá vem inoculado com os microrganismos necessários para a fermentação. Além disto, quando o pasto passa pela digestão do bovino, o animal não retira todos os compostos, restando ainda muita coisa útil para o uso da planta. lsto a maior parte dos agricultores sabe, pois uma planta que recebe esterco tende a ser bem mais Viçosa do que outra sem nada. Porém, se um solo tem uma carência de um mineral como, por exemplo, ferro, o esterco deste animal tende a ser pobre em ferm. Então, se pegarmos o esterco e utilizamos como adubo, a nossa planta poderá ficar com carência de ferro. A ideia de enriquecer o biofertilizante é, entre outras coisas, exatamente para romper com este ciclo de carências. No caso deste exemplo, deveriamos, além de água e matéria orgânica, colocar ferro, e deixar fermentar pelos microrganismos. Assim, ao final deste processo teremos um biofertilizante capaz de matar a fome da planta. Mas ainda tem mais! Sabemos que a planta tem capacidade de absorver substâncias tanto pelas folhas, quanto pelas raizes. E muitas vezes um solo pode até ter determinado adubo, mas a planta não consegue absorve-lo pelas raizes. Nestes casos a solução mais barata e eficiente pode estar em aplicar o que está faltando por via foliar. Este tipo de aplicação é o que denominamos de biofertilizante foliar. Apesar de o esterco ser de fácil acesso, na maior parte das propriedades, também podem ser utilizados outros materiais como: resíduo de poda verde, soro de leite, aguapés, plantas aquáticas, restos de pescado, bagaço de cana, etc. O importante é que se utilize material existente em abundância e baixo custo na região. 3.12 Quer dizerque o biofertilizante alimenta a planta? Sim, alimenta com comida de ótima qualidade. Mas não faz só isso! Uma das importantes propriedades descobertas nos biofertilizantes e' que ele protege a planta, age como um defensivo. Esta defesa se deve a diversos fatores. Um deles é que a planta melhor nun-ida tem maior resistência. Se uma planta têm à sua disposição tudo o que necessita, na quantidade e no momento corretos, tem todas as condições de se defender, por si só, de algum ataque de insetos, ácaros, doenças, etc. Por outro lado, como o biofertilizante é um produto vivo, os microrganismos do biofertilinnte podem entrar em luta com os que estão atacando a planta e destruí- los ou paralisa-los. 3.13 Então o biofertilizante age como um agrotóxico? Não, a ação é diferente. Ele até pode produzir um efeito parecido com o do agrotóxico, acabando com o ataque de insetos ou com a doença que a planta tem, porém a sua ação e seus efeitos são muito superiores. Primeiro, o biofertil izante atua fortalecendo a planta, enquanto o agrotóxico a deixa mais fraca. E, segundo, o agrotóxico contamina o solo, a água, os alimentos e o próprio agricultor. 0 agrotóxico age exterminando os seres vivos, enquanto o biofertilizante estimula a vida, atuando mais na própria resistência da planta, não permitindo que oequillbrio biológico seja afetado. Outra diferença importante é o custo: o biofertilizante diminui, e muito, o custo de produção. Além destes fatores, o biofertilizante tem em sua composição uma série de componentes quim icos (como, por exemplo, boro, magnésio, zinco, manganês, enxofre e nitrogênio), aminoácidos, vitaminas e hormônios, que são, todos, componentes importantes para o crescimento vegetal, enquanto a maioria dos agrotóxicos tem ação apenas tóxica. 3.l4Tem que teralgnm cuidado na aplicação? Na aplicação de biofertilizante não é necessário utilização de equipamentos de segurança individual como máscara, luvas ou macacão. O ideal para aplicação e melhor efeito do biofertilizante é conjugar o IJ
  8. 8. maior número de aplicações com a menor concentração. Por exemplo, se fosse possível aplicar 0,01% a cada três horas seria melhor do que usar 0,5% por dia. Porém, cada atividade tem um custo econômico, que o agricultor com bom senso e lápis na mão pode calcular. l Em pulverizações foliares, pode ser diluído de 2 a 10%. E um produto muito eficiente para o controle de diversas doenças e ataques de insetos, pois propiciaque as plantas funcionem de fon-namaisharmônicaeequilibrada. É importante que o agricultor entenda que o efeito não é diretamente relacionado com a concentração, pois o biofertilizante age de uma fonna em que é mais importanteaenergia do que amatéria envolvida. Para aplicação do biofertilizante com pulverizador ele deve ser previamente filtrado, impedindo que entupa o bico do pulverizador. Pode ser usada como filtro uma tela mosquiteiro de nylon, que é facilmente encontrada em ferragens. 3.15 Tem algum produto importante de ser utilizado no biofertilizante? De maneira geral podemos dizer que quanto maiora diversidade melhor fica, pois os componentes da fermentação são a alimentação dos micro- organismos. Desta forma, uma alimentação rica e diversificada gera uma comunidade de micro-organismos diversificados e mais eficazes. A cinza é um componente importante. A cinza é a nossa ligaçao com a term, pois se um corpo e' queimado o que resta é a cinza, sendo composta de fósforo, cálcio, potássio, manganês e etc. Com a lenha ocorrerá o mesmo processo, se queimada restam cinzas que contém uma série de elementos minerais daquele solo, importantes para fermentação. A cinza é uma forma de energia. As cinzas de diferentes plantas têm composição diferente. Por exemplo, o maricá, que é uma leguminosa, tem capacidade de retirar compostos químicos que outras plantas não retiram tão facilmente, como molibdênio e cobalto. As rochas moidas provenientes de rejeitos da extração de minérios, também são uma importante fonte de minerais para os microrganismos que fazem a fermentação. A adição dos materiais para enriquecer o biofertilizante deve ser feita de forma lenta. Se fosse possivel, seria aconselhável colocar com um conta-gotas, porém isto é inviável devido o tempo e o custo. A lentidão na adição dos compostos é para perturbar o mínimo possivel a fermentação. 14 Se identificamos que precisamos utilizar detenninado nutriente em uma planta, a prática da agricultura ecológica tem nos mostrado ser muito mais eñciente se passamos este nutriente por um processo de fermentação. Por tudo que já explicamos o efeito será muito melhor. Esta necessidade irá variar dependendo do tipo de solo e da cultura. 3.16 Qual o biofertilizante enriquecido mais conhecido? 0 super-magro é o biofertilizante mais difundido. É uma fórmula que iniciou sendo testada para acultura da maçã no município de lpê, RS. Tem sido usada com sucesso também em vários outros cultivos. A sua fórmula contém vários elementos úteis, mas devemos sempre fazer as adaptações necessárias à nossa realidade. O importante, como já foi dito, é o princípio da fennentação. Há diferentes maneiras de fazer o super-magro. Vamos apresentar uma maneira que demora menos tempo até estar pronta. Estas quantias são para l tonel com capacidade de 250 litros. Material básico necessário: 30 litros de esterco fresco de vaca. 60 litros de agua não tratada. l Ingredientes; 1) 2 kg de sulfato de Zinco 2) 2 kg de Sulfato de Magnésio 3) 2 kg de Calcário de Conchas moído (ou 1 kg de cal hidratado) l 4) 3 kg de Fosfato Natural I 5) 1,3 kg de Cinza ' 6) 300g de Sulfato de Manganês 7) 300g de Sulfato de Ferro ~ 8) 50g de sulfato de Cobalto l 9) 50g de Molibdato de Sódio 10) l,5 kg de Bórax i ll) 300g de Sulfato de Cobre 15
  9. 9. Material complementar: 28 litros de leite ou de soro de queijo sem sal l4 litros de melado ou 28 litros de caldo de cana Modo de preparar: a. Misturar bem todos os ingredientes dos itens 1 ao ll e depois dividir em 7 porções iguais; b. Num tonel ou recipiente de 250 | colocar os 30_ litros de esterco, * 60 litros de água sem cloro, 2 litros de leite (soro) e l litro de melado ou 2 litros de caldo de cana. Misturar bem; l 1 c. Com dois a três dias, quando estiver fomentando, num balde l colocar a l' porção da mistura, adicionar 2 litros de leite e mais 2 litros de melado (ou 4 litros de caldo de cana), colocar 10 litros de água e adicionar aos poucos c ir misturando com o conteúdo do tonel; d. Repetir este procedimento ate consumir os sais minerais do kit; e. Completar o tonel com água, se necessário, mas deixar pelo menos 20cm de espaço para fermentação; w l f. No invemo deixar o tonel num local que pegue sol o dia inteiro, mas sempre com uma tampa no tonel, para não chover dentro. Esta tampa não pode impedir a saída dos gases da fen-nentação; g. Quando não tiver mais cheiro, o BIOFERTILIZANTE ESTA PRONTO. 3.17 Para que culturas e como ele tem sido usado? Tem sido usado para diversas culturas, como beterraba, tomate, morango, milho, macae uva. Como exemplo de aplicação, temos: l o9'! '_*_“, " l Avance Í. ,_, , , _,_, , , l Beterraba ' De 2 a 4 tratamentos, a 4%, durante o ciclo. _ _V Tomate De 8 a 10 tratamentos, a 5%, durante o ciclo. l Morango í De s a 1o tratamentos, a awdíríré o ciclo. Pulverizar as sementes com uma solução a 10%. Deixar secar na sombra e efetuar o plantiornormalmente. Maçã De 10 a i5 tratamentos, a 3-5%, variando conforme a Época, a variedade e o clima. l De 4 a 8 tratamentos, a 34%, variando conforme a época. a variedade e o clima. Uva Este biofertilizante enriquecido também pode ser utílízadojunto com a Calda Bordalesa e a Calda Sulfocálcica, principalmente quando se quer o controle de doenças causadas por fungos. 3.18 Existem outras formas de preparar biofertilizante: enriquecidos? Existem muitas outras possibilidades de formulações. A sugestão a seguir de biofertilizante enriquecido é útil, principalmente, para regiões onde o acesso à compra de nutrientes não é tão fácil, ou que a realidade do cultivo e do solo não demonstram uma necessidade específica de determinado nutriente. Material básico necessário: 30 litros de esterco fresco de vaca. 60 litros de água não tratada. l7
  10. 10. Material complementar; l Uma recomendação geral para empregar este preparado pode ser o uso de 18 litros de leite ou de soro de queijo sem sal 5 ¡Ímsdâmístüfaem 95 litros de água. 1g mms de Camo de cana ou 9 um); de mehido Outra ideia é fazer um fennentado só com vegetais, sem usar estemos. Pode ser feito em um tonel ou recipiente de 250 litros. ingredientes( " É ll 2) 3 Kg de Farinha de osso, ou ossos torradas e moídos Mnterig] hmm neceasário: 3) 3 Kg de Calcário de Conchas moído (ou 1 kg de cal hidratado) 1 4) 3 KB de FOSMO Nñmñl¡ l 50 quilos de diferentes folhas verdes r - T r r_› ' 60 litros de água não tratada l)7KgdeCinzas o í_ , - Modo de preparar: a. Misturar bem todos os ingredientes dos itens l ao 4. Têm-se então 16 Kg de minerais. Dividir em 8 porções iguais, de 2 kg cada; b. Num tonel ou recipiente de 250 litros, colocar os 30 litros de esterco, 60 litros de água sem cloro, 2 litros de leite (soro) e l litro _wi-i”. " ' ' M. . l 7 1' w _ de melado (ou 2 litros de caldo de cana). Misturar bem e deixar tem¡ “mp ementa" descansar, sem contato com sol ou chuva; ' c. Com dois a três dias, quando estiver fer-montando, num balde , colocar 2 Kg da mistura, 2 litros de leite e l litro de melada de i cana e i0 litros de água. Colocar no recipiente maior, misturar l bem e deixar descansar sem contato com sol ou chuva. d. Repetir este procedimento mais 7 vezes até consumir toda a I mistura de ingredientes; _ e. Completa: o tonel com água, se necessário, mas deixar pelo menos 20 cm de espaço para fennentaçào; g l l l , 20 litros de leite ou de soro de queijo sem sal 20 litros de caldo de cana ou 10 litros de melada f No invemo deixar o tonel num local que pegue sol o dia inteiro, É Ingmdienm: mas sempre com uma tampa no tonel, para não chover dentro. Esta tampa não pode impedir a saida dos gases da fennentaçío; . ' ' h ' , l FERT NTE EST . g Quando nm "Ver mms c em) o B O "JZA 2) 4 Kg de Farinha de osso, ou ossos torrados e moídos PRONTO' 3) 3 Kg de Calcário de Conchas, ou 1 kg É ~ -- r de cal hidratado, ou cascas de ovo , 4) 3 Kg de F osfato Natural , 1) 10 KgdeCinzas l* 19
  11. 11. Modo de preparar: a. De preferencia, colher as ervas do próprio local que se pretende pulverizar depois. b. Misturar bem todos os ingredientes dos ítens l ao 4¡ Têm- se então 20 Kg de minerais. Dividir em 2 porções iguais, de 10 Kg cada; c. Num tonel ou recipiente de 250 litros, colocar as folhas, misturar mais a metade do leite e do caldo de cana, e a metade dos ingredientes secos (l0 ks), Completando com água completando com água. Mexer bem e deixar descansar, sem contato com sol ou chuva; d. Com seis a sete dias, quando estiver fermentando, misturar o resto dos ingredientes e mexer bem. e. No invemo deixar o tonel num local que pegue sol o dia inteiro, mas sempre com uma tampa no tonel, para não chover dentro. Esta tampa não pode impedir a saida dos gases da fermentação; _[1 Quando não tiver mais cheiro, o BIOFERTTLIZANTE ESTÁ PRONTO. Usar de 2 a 5%, em tratamentos foliares. 20 3.19 Conclusão Os fermentados enriquecidos são como receita de bolo, ou seja, cada um pode ter a sua. O importante é saber que a fermentação traz beneficios significativos para as culturas, como foi, em parte, apresentado aqui. Muitos ingredientes que não foram citados nesta publicação podem ser utilizados para enriquecer os biofertilizantes, como farinha de carne, restos moídos de ligado, restos de peixe, o próprio sangue de animais abatidos. São materiais ricos em minerais, em substâncias orgânicas e em microrganismos, que são exatamente o que procuramos para melhorar a saúde de nossas plantas e evitarperdas nas colheitas. A maneira correta de proteger as plantas dos ataques de insetos e de doenças é agindo de fonna preventiva, dando a essas plantas, através do solo, uma alimentação saudável e equilibrada. A forma mais fácil e barata de se conseguir uma nutrição saudável e equilibrada é através da adubação orgânica, ou seja, do uso de adubos verdes, de cobertura morta, de palhas, de residuos, de cascas, de restos de colheita, de estercos, composto, vermicomposto, complementada com o uso de biofertilizantes enriquecidos e outros tratamentos nutricionais.
  12. 12. BIOFERTILIZANTES
  13. 13. Edição e Revisão: Claudio Femando Lucca da Cunha Autor: Maria José Bocchese Guazzelli - Centro Ecológico Luis Carlos DieI Rupp - Centro Ecológico Leandro Venturini - Centro Ecológico Foto de Capa: Gilmar Gomes Editora: Grañsul - C. Camieluttí & Irmão Ltda Tiragem: 500 exemplares Programa: Ct 0204.302-51/2006 - MDNIBRAVIN -Assistência Técnica e Extensão Rural aos Agricultores Familiares -APL Serra Gaúcha Apolo: aovsnno FEDEIAL V* i ii Íli IJBKAVLN PAIS RICO E nus seu vosnszx INSTITUTO BRASILEIRODOWNHO , _ g_ Desenvolvimento Agrário F , J « Ministério do Desenvolvimento Agudo Samu”. d. Awhlmw_ ¡mnmu

×