Literatas                        Não conhecemos o preço da palavra. Envie esta revista a um amigo                         ...
2    BLA BLA BLA   Exero 01, 5555    Terça-feira, 23 de Agosto de 2011                                           https://l...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA        3 Terça-feira, 23 de Agosto de 2011                                                   ...
4    BLA BLA BLA   Exero 01, 5555    Terça-feira, 23 de Agosto de 2011                                              LITERA...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA       5Terça-feira, 23 de Agosto de 2011                                                     ...
6    BLA BLA BLA   Exero 01, 5555     Terça-feira, 23 de Agosto de 2011                                             https:...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA       7 Terça-feira, 23 de Agosto de 2011                                                 htt...
8   BLA BLA BLA   Exero 01, 5555Terça-feira, 23 de Agosto de 2011                                  https://literatas.blogs...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA   9Terça-feira, 23 de Agosto de 2011                                          https://literat...
Terça-feira, 23 de Agosto de 201110 BLA BLA BLA Exero 01, 5555                                                            ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revista literatas edição 7

833 visualizações

Publicada em

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
833
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista literatas edição 7

  1. 1. Literatas Não conhecemos o preço da palavra. Envie esta revista a um amigo Literatas agora é no SAPOSai às Terças-feiras literatas.blogs. sapo.mz Revista de Literatura Moçambicana e LusófonaDirector editorial: Eduardo Quive * Maputo * 23 de Agosto de 2011 * Ano 01 * Nº 07 * E-Mail: kuphaluxa@sapo.mzAtéAmAnhãCorAçãoNiassa sem livrarias pg. 10Loucura pela escrita “O homem sai da escuridão para a luz. O escritor faz o inverso, da luz para a escuridão. Talvez por isso queremos sempre voltar para esse mundo de luz, e procurámos como loucos um papel em branco para acender a escuridão que nos persegue.” Veja a entrevista com Lucílio Manjate na página. 3
  2. 2. 2 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 23 de Agosto de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 2Em primEira Uma poesia de alto risco------ Rubervam Du Nascimento exibiu seu livro através de “Konstantinos Kavafis”: “todasseu “Espólio” em Maputo essas coisas são muito velhas/o esboço, o barco e a tarde”.“Estrada da vitória não tem mais voz/ assiM Du Nascimento prepara-nos para o quesem rodas da máquina do horário podemos encontrar nesse “Espólio”. Mesmo antes da epígrafe, o poema (de) “introdução” já nosazul/acaba cantiga do relógio de chama atenção para toda a base (assim como ossol apressado” – é uma das estrofes detalhes) deste livro. “Não é fonte deste livro/meu dia perdido/ na con-extraídas do livro “Espólio”de fusão da noite/ nossa vida de cão/ passada a limpo/Rubervam Du Nascimento, lançado desde que o anjo rebelde/ a serviço do criador/ armado de lasca de sol/ nos expulsou do paraíso”,em Maputo, onde o autor parece-nos escreve em “introdução”.levar a visitar detalhes do tempo mas EstaNDo pREpaRaDo, parece- abrir-nos para uma leitura não pré-definida que nos sujeitaríamos sesem nenhum saudosismo. nos baseássemos simplesmente no título “Espólio”. Mas ele avisa que este não surge de “manuscritos salvos de um arquivo de areia redigido com tinta REDAçãO - O PAíS deagua...” E, quaNDo nos prendemos no poema “Herança”,DizEM quE anda por cá por outras razões que não sejam que abre “Livro 1 – Da Carne”, vamos perceber clara-poéticas. Mas Rubervam Du Nascimento está a aproveitar mente a linha que o poeta nos remete.as terras do índico para falar de Craveirinha; falar da poesia “MaRiDo apRoVEitou a demora da festa/ testoue lançar, como fez na sexta-feira, o seu “Espólio”. com indicador a castidade da mulher/ ajudado pelaDEsEMbaRCou CoMo um dos poetas brasileiros mais toalha da mesa cheia de rosas feias/ que cobria colopremiados – quatro prémios – e levou para o Centro Cul- e pernas dos convivas”.tural brasil- Moçambique o seu mais recente livro “Espólio”. Mas ao lermos os poemas de Rubervam Du Nas-izacyl Ferreira, que escreveria a apresentação desta obra, cimento temos sempre uma tendência de o vermos faz uma “visitação” religiosa a obra de Rubervam por suaa definiria como um livro de “desolação, de perdas, de fer- pelos olhos dos outros, daqueles que já o tinham lido antes, constante recorrência à religião, enquanto nos lembra querugens, coisas e pessoas gastas e perdidas”. começando do seu “debut” com “a profissão dos peixes”. Este este poeta já foi um servo de Deus.Esta FoRMa simplista de definir o “Espólio”de Du Nasci- parece ser o seu livro e marca. Melhor, como diz Dalila teles “... as referências religiosas, bíblicas e extra-bíblicas sãomento conduz-nos, de uma forma complexa, para um livro Veras, ele – Du Nascimento – já se auto-denominou “poeta abundantes no texto de Rubervam, veladas e claras. paraque, ao ler, parece estar constantemente a nos conduzir de um livro só”, referindo-se “a profissão dos peixes”, obra quem não sabe, o Rubervam é um ex-pregador adventistaao passado, ou melhor, ao que nos resta da vida. Ferreira que demonstrou o desejo de reeditá-la em edições revistas com vivência e formação cristã e grande familiaridade comdiz reiterar o dito arrulhos que defende a utilidade de e – cada vez mais – diminuídas. o texto bíblico.”reler as epígrafes de um livro para melhor entender o seu Mas EstáVaMos a falar dessa leitura que temos sempreconteúdo. Esta sugestão leva-nos a uma conclusão quase de fazer através dos olhos dos outros. Elias paz no artigo “oagressiva que Rubervam Du Nascimento busca para o engajamento p(r)o(f )ético em Rubervam Du Nascimento”Pão Amargo Finalmente chega um livro para a indústria dramaturga. Guilherme Silva é que escreve a obra “Pão Amargo” Um Livro de teatro como ções como “Mestre tamoda”, de Neto Mondlane, até linhas não surge há muito nas impressionantes de “aldeias dos Mistérios” de Dadivo José. prateleiras das livrarias são nomes que aparecem assim ao alto, mas podemos buscar nacionais é a sugestão de tantos outros que não aparecem em livro. Guilherme afonso e sua editora, “alcance”, em “pão mAs, contrA a corrente, Guilherme afonso, que chegou a amargo”. Nesta obra, o autor Maputo – ou é melhor dizer Lourenço Marques – em 1959 vai buscar pequenos detal- para ingressar no Corpo de polícia, curiosamente no período hes da vida desta sociedade em que se elevava a literatura nacionalista, oferece-nos “pão que é a moçambicana. amargo”, que sai pela alcance Editores. EstE é um país de actores – Há mUito que Guilherme afonso está na literatura, tendo de dramaturgos também. aparecido em 1988 com o livro de contos “Circuito”, pela a frase pode não ser nova associação dos Escritores Moçambicanos, e com poemas em e já deve ter cansado, mas “Memória inconsumível”, pela imprensa universitária. quando se volta à criativi- dade teatral em termos de Em “pão amargo”, aborda a problemática social, começando produção de livros parece pela confusão nas filas de “chapa”, como quem nos lembra que ganhar um outro sentido. a partida para a vida começa numa paragem. quando Lindo Lhongo, para EstA é a imagem que nos salta à vista quando começamos a alguns a maior referência folhear o livro e nos deparamos com este diálogo que acontece da dramaturgia nacional, na paragem: lançou “o Lobolo”, criou-se “mULHEr por momento um pequeno - EH! senhor... o seu lugar não é aqui. Chegou agora e quer ficar debate sobre a ausência de à frente! o que é isso?... livros de peças teatrais. inDivÍDUo intErpELADo A pAr da poesia e prosa – ou - orA essa! quem é que lhe disse isso? a senhora está muito romances – existiu sempre enganada...” uma clandestina vaga de dramaturgos, mas poucos EstE DiáLogo decorre perante a passividade dos outros pas- fizeram a aventura em livro. sageiros, o que desencadeia a ira da senhora devido à inca- podíamos recolher belas pacidade das pessoas de reagirem perante actos anormais. peças de teatro nacionais Este “pão amargo” é uma história da vida que foram seguindo o seu crescimento, entre adapta- tExto E Foto: JornAL o pAÍs
  3. 3. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 3 Terça-feira, 23 de Agosto de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 3Em primEira“A poesia não está fora de nós,nós é que inventamo-la” AMOSSE MucAvELE LUcÍLio mAnJAtE: Não há bases em literatura. Mesmo quando queremos vincular determinado escritor a um estilo determinado, não poderia o homem encontrar melhor forma esse é o nosso esforço, a nossa angústia de querer uma base, umaLiteratas: O Lucílio Manjate começa a escrever referência, um ponto de apoio a partir do qual o mundo possa fazer de perpetuar a espécie. sentido. o problema é que esses sentidos, às vezes, são perniciosos,em 1996. Porquê, para quê e para quem? quando não valorizamos também a experiência vivencial do escri- Ainda não estamos em vias tor, como se o seu estilo se fizesse sentido somente em função das leituras que fez. obviamente que sim, mas isto significa que de extinção. Ou estamos?LUcÍLio mAnJAtE: penso que os escritores nunca sabem quando observar, cheirar, sentir, etc., são formas de ler, também. Mas ok, éé que começam a escrever, porque sendo o acto da escrita um como disse. isso foi o que, de facto, li primeiro. Mas li também poesia Precisamos da imag-processo, que se liga a um outro processo, o da leitura, nós vamos de Combate. Foi importante porque essa poesia tem uma força deescrevendo enquanto lemos, mas não registamos. é uma escrita expressão tal que me lembro que foi depois dela que estoirou a inação, da criatividadeao nível do subconsciente, do íntimo, e que vai ganhando forma bolsa que me guardava durante esse tempo de gestação.durante um tempo também impreciso, o tempo de gestação do Literatas: Mas essa poesia é questionada hoje para viver, e o livro dá-nosescritor. é o tempo da criação da forma e que um dia vem cá parafora; no meu caso isso aconteceu em 96. penso que nessa altura enquanto poesia? isso. O que o nosso paíseu escrevia porque tinha que me situar, em termos geográficos,culturais, políticos, ideológicos, etc. talvez seja o primeiro passo, precisa é pessoas criativas,esse. Essa é a leitura que faço hoje, lendo os meus textos umpouco mais crescido; escrevia para, a partir desse pressuposto LUcÍLio mAnJAtE: questionar a poesia é uma questão estética, que constroem imagens eidentitário, inventar os meus sonhos, como todos os outros escri- equivale a questionar as noções do belo. Então essa discussão podetores inventam, e comunicar esses sonhos aos receptores dos não acabar. o que é belo para ti não o é para mim. podemos pergun- as experimentam nos seusmeus textos. partilhar um mundo possível. tar se não é belo exaltar a pátria liberta, cantar os seus rios, os seus montes, as suas vitórias, a coragem do seu povo, o som das armasLiteratas: Sugere que o escritor não nasce sectores de actividade. A da liberdade. a poesia não está fora de nós, nós é que inventamo-numa folha em branco cheia de gatafunhos? la, a partir dos nossos ideais. posso concordar que nem toda essa literatura dá isso tudo, e poesia seja bela, mas então existe aí alguma poesia, algo de belo. Mas é preciso, de facto, questionarmos as coisas, para avançarmos, muito mais, dá-te amor,LUcÍLio mAnJAtE: Exacto. podemos entender essa questão e a geração charrua, que propôs outras formas, entendeu isso.como quisermos, eu penso que no papel ele apenas acontece. Literatas: A geração charrua foi, aliás, objecto outra carência entre nós…perguntar quando é que o escritor nasce é sugerir uma discussãofilosófica interessante, porque o texto primeiro acontece enquan- da tua análise enquanto estudante de litera-to ideia, o embrião, e isso é na nossa mente e não fora dela. ametáfora de “nascer” aqui não pega, porque o ser humano vem tura na universidade Eduardo Mondlane (uEM).para a luz, mas a luz do escritor está dentro dele, nunca fora. o Literatas: O teu olhar sobre a literaturahomem sai da escuridão para a luz. o escritor faz o inverso, da luz LUcÍLio mAnJAtE: sim. Foi, porque achei que não existia umpara a escuridão. talvez por isso queremos sempre voltar para estudo sistemático a respeito dessa geração… moçambicana?esse mundo de luz, e procurámos como loucos um papel em LUcÍLio mAnJAtE: positivo. pena é que essa crise alcançoubranco para acender a escuridão que nos persegue. por isso o também as artes. ainda não fui a um lançamento, este ano. Etempo de nascimento é um tempo mental, psicológico, à procura Literatas: Que já não existe… nós ainda precisamos desse momento mágico, o do lançamen-de um signo que lhe dê a forma… Mesmo quando me pergunto to… a nossa literatura está muito boa. sinto que nos próximosquando é que nós, seres humanos, nascemos, penso que é já Lucílio Manjate: Há várias formas de existir. Existem escritores sem 5 anos teremos grandes revelações. Muitos dos escritores dano acto de amor que um dia uniu os nossos pais. Nascemos a livros publicados como existem músicos anónimos. Não são escri- minha geração, por exemplo, estará mais crescida nestas coisaspartir daí. tores? Não são músicos? Existem correntes de pensamento que só da escrita e isso vai emprestar `a nossa literatura outro ar, e daqui a algum tempo tomaremos consciência delas porque alguém talvez outro destino. é verdade que, do que essa geração produ-Literatas: Falaste do signo. Que signo foi o ira analisar determinados fenómenos e verificar o seu compor- ziu, há boas coisas, mas penso que virão propostas melhores. tamento e os seus actores. Depois de identificadas, talvez já nãoque apagou essa tua escuridão? existam, terão existido. Literatas: Quais são os teus escritores, nessa nADA nos pode assegurar que o facto do grupo daqueles outrora geração? jovens da charrua não organizarem hoje as mesmas tardes e noita-LUcÍLio mAnJAtE: das, os mesmos saraus onde se discutia literatura e até o país, oO meu foi primeiro poético. facto desse grupo não se concentrar não significa que já não exista a LUcÍLio mAnJAtE: Rui Ligeiro. Mbate pedro. Celso Manguana. geração, até mesmo o grupo, porque a questão de nós pertencemos aurélio Furdela. sangare okapi. Clemente bata. Jesus. ChagasPrimeiro escrevi versos que a um grupo é antes mental, de adesão e de comunhão de valores. Levene. tânia tomé. Dércio pedro. Dom Midó das Dores. Rogério o cErto é que ainda hoje, quando se encontram, nós, os mais Manjate. andes Chivangue. Domi Chirongo. Repare que nunca mostrei a ninguém jovens, ouvimos histórias, aprendemos algo. E isso, o que é? é preciso nenhum destes autores tem 3 livros publicados, eu, enquanto considerar também que grupos enquanto tal torna-se hoje difícil, apreciador, estou a espera. porque eram decalques da as pessoas não param, muito menos para discutir ideias. Estamos cada vez mais fechados em nós mesmos. E o homem é tão pequeno! Literatas: Para fechar: como vês o projecto da nossa revista? elegia de Craveirinha em Falemos talvez em grupos virtuais. Encontramo-nos no correio electrónico que me mandas de paris ou no facebook e por ai fora. Maria. Mas antes tinha LUcÍLio mAnJAtE: parabéns! admiro essa vossa maneira de Literatas: Hoje tu dás aulas de literatura. Qual divulgar as artes e cultura irmanadas no cruzamento entre essas é o teu sonho, considerando essa fraca adesão andando a decalcar as oceânicas águas, a água, a única coisa que nos une, a vida. das pessoas para a leitura?muitas vozes do Caliban, do Biografia Manuel Ferreira. Funda- LUcÍLio mAnJAtE: LUciLio mAnJAtE nAscEU Em mApUto Aos A 13 DE JAnEi- mentalmente essas duas O meu sonho é de que as ro DE 1981,é Escritor, EnsAÍstA, critico LitErário, E DocEntE DE LitErAtUrA nA UnivErsiDADE EDUArDo vertentes. pessoas acabem por desco- monDLAnE, tEm DUAs oBrAs pUBLicADAs: -mAniFEsto-prémio t.D.m-2006 brir que o livro é uma das -siLêncios Do nArrADor-prémio 10 DE novEmBro-Literatas: E essas leituras deram-te as bas- 2010es… maiores invenções do homem,
  4. 4. 4 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 23 de Agosto de 2011 LITERATuRA MOçAMBIcANA 4Heliodoro BaptistaHELioDoro BAptistA nasceu a 19 de Maio. AlegoriaFaria este mês 65 anos. Era casado com a jor- HELIODORO BAPTISTAnalista Celeste Mac-artur, editora fotográfica doDiário de Moçambique, diário que se publica na Em inhaminga, meu amor, estão as armas apontadas para o céubeira. Deixa viúva e quatro filhos. mas só há pássaros.o JornAListA, escritor e poeta nasceu em E como as armas pensam no canudo do seu cérebro que as aves são inofensivos passarinhosGonhame, cidade de quelimane, capital da estes aproveitam a confusão dos pára-quedistas já cansados.província da zambézia. Deixou escritas várias por isso cada pássaro que voa pelo céuobras não publicadas e publicou «por cima de (luminoso como uma palavra boa) deixa cair melancolicamentetoda a folha», «Nos joelhos do silêncio», «a filha o seu depósito de agradecimento sobre as armasde tandy», entre outras peças dispersas. e a estupidez dos generais.Foi jornalista do «Notícias da beira» onde chegou Vorazmente, meu amor, o destino da terra passaa ser chefe da redacção. Deixou de exercer a e cria-se entre o ventre das armas HELIODORO BAPTISTA e o círculo da esquadrilha voadoraprofissão de jornalista quando se incompatibi- o futuro desta terra que alarga e fermenta.lizou com a direcção do «Notícias” que se pub- ao Rui Knopfli e ao Eugénio de andrade tudo isto em inhaminga,lica em Maputo, jornal de que na altura era o sim, de facto, «uma só e várias línguas com o tamanho deste país, eram faladas e a isso, meu amordelegado na beira. trabalhou ainda no «Diário por estranho que pareça, também chamávamos pátria».de Moçambique». outros vieram e estão na curva ambulatória do terreno, entrecortando a escrita ao sol com a que, na bruma, lascivo lugar Presságio, minha Avecomo um cão dos malditos de esgares cínicos mas persuasivos, HELIODORO BAPTISTA HELIODORO BAPTISTA estrangula, subverte também a repulsa.Como um cão curvo-mee procuro ler nas marcas alguns reencarnam, voltam a nascer (ao Gringas e à Maria,que a noite não pôde de uma emoção que, anos atrás, poetas de outro blue-jazz)recolher o tempo. os condicionou, e isso tem sido notícia, curiosidade incorporada Estou doente como um cãoanima-me a superfície fabulária na astúcia discreta dos que triunfam num barco içado pela babugemonde o olhar do dia revolve pelos propósitos trazidos no ritmo Índico puro da monção;o que foi alvoroço vida há um quarto de século.ou sinal ténue. o homem que eu disse ser, palmeiras, casuarinas, eucaliptos, inescrupuloso, de rara penugem,Detenho-me na pegada junto à cama micaias, planuras, mangueiras, enfim, é o capitão deste barco a ardere a mão precavida incha a memo’ria a ainda inacabada totalidade do país amado, no seu cachimbo em forma de coração;nenhuma sensação acende tudo existe, não é mitológica passagemo que já está perdido. de forças cujo núcleo, por estranho, também, Longe, a ilha de seu destino, é vaga ideia que pareça, é uma ordem desordenada, em qualquer privado jardim da consolação:(perdidos os meus passos? a minha voz? uma certeza de mil incertezas, céu, mar, gaivotas de fogo, o pé-de-meiaé assim tão terrível o amor ao homem? mas isenta já de prodígios, de quando eu ainda pensava ter razão.a justiça foi calcinada em que ritual?) confusa e humana. Este homem recorta-se no vosso céu de aço;pouso então devagarinho Nós outros, como vós, os que virão, Ventos temporais, estrelas caídas de fronte,o ouvido na parede húmida baixos-relevos das mais remotas o cachimbo sem tabaco, o declinado horizontee eis que uma sombra volta-se e tranquilas paisagens onde o tempo urge E o coqueiro híbrido na mão insurrecta, largo o espaço.num largo aceno de simpatia. propostas originais, desencadearemos talvez a infidelidade Já não estou, afinal, doente; para sempre fui e morri.Na paz indizível sopra a outros mitos que a escrita, impressiva, Mas pela noite áfrica, oceânica, regresso. Renascia fina aragem desanoitecida esconjura nos significantes.a leve impressão suportemos, como compensação, os impulsos dos nésciosde um cochicharuma porta entreabertaonde pulsa uma esperançaFicHA técnicA Propriedade do Movimento Literário Kuphaluxa Sede: Centro Cultural Brasil-Moçambique* AV. 25 de Setembro nº 1728, Maputo, Caixa Postal nº 1167 * Celulares: (+258) 82 27 17 645 e (+258) 84 57 78 117 * Fax: (+258) 21 02 05 84 * E-mail: kuphaluxa@sapo.mzDirector Editorial: Eduardo Quive (eduardoquive@gmail.com)Coordenador: Amosse Mucavele (amosse1987@yahoo.com.br)Editor - Canto da Poesia: Rafael Inguane (inguane.rafael@hotmail.com)Redacção: David Bamo, Nelson Lineu, Mauro Brito, Izidine Jaime, Japone Arijuane.Colaboradores: Maputo: Osório Chembene Júnior * Xai-Xai: Deusa D´África * Tete: Ruth Boane * Nampula: Jessemusse Cacinda * Lichinga: Mukurruza*Brasil: Itapema - Pedro Du Bois * Santa Catarina: Samuel da Costa * Nilton Pavin * Marcelo Soriano * Portugal: Victor Eustaquio e Joana Ruas.Design e páginação: Eduardo Quive
  5. 5. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 5Terça-feira, 23 de Agosto de 2011 cRÓNIcA / cONTO 5 FiLosoFonias rapsódicas ALERTA vERMELHOS MARcELO SORIANO - BRASIL m.m.soriano@gmail.com Nota preliminar: Antes de JAPONE ARAuTO - MAPuTO prosseguir com este artigo, lembro ao leitor que me dirijo àComeço por proferir uma expressão que adoro: “Olhem para Ver”, Olhem CPLP (Comunidade dos Paísespara esta dissertação e vêem (entendam) de maneira mais lúcida, de modo de Língua Portuguesa), portanto,que por menos flexíveis mentais que forem a compreendam de forma podemos encontrar gerúndios,simples. Os que desta inundarem-se de dúvidas a gotas do indico, perdoe-me, assim como, também peço perdão os que acharem esta dissertação futuros do pretérito, expressõesimoral, desprovida de patriotismo, um verdadeiro contra-senso, ou etnocêntricas, familiares a certos leitores, porém, inusitadas a outros.mesmo, um atentado ao ritual professado pelos homens trajados de casaco Oxalá, que esta peculiaridade não seja pretexto para correções, mase gravata. para integrações e enriquecimentos léxicos e culturais entre nós.Espero que a provável inquietação não seja a sina preconcebida para que Marcelo Soriano. Santa Maria - RS - BR. 14/07/2011.os homens de casaco e gravata mostrem os seus dotes de censura carraçaa essa dissertação, que por convicção própria pretende chamar de “AlertaVermelhos”. E os que compreenderem, votos para que tirem bom proveitonisso, aliás, que tenham melhor repreensão do conteúdo aqui abordado. 1. microcontos à BrAsiLEirADando azo a causa primordial deste pobre gesto de exercitar a dita ...................................liberdade de expressão, que o mesmo concebo embriagado por elevadograu de legitimidade patriotica, arisco-me a afirmar que: Moçambique O AlíviO de OlíviA... Duas vogais que mudavam de lugar...ainda não é um país, muito menos uma nação, mas sim um lugar que podevir a ser, se realmente queremos, então podemos, como diz o bagágio ...................................popular: “Querer é Puder”. Espero não criar espanto em dizer que amoçambicanidade, a unidade de nacional, são ainda sementes no celeiro,por tanto ainda não foram lançadas e não se sabe em que época da história Quebrou a cara com um soco no espelho.isto a conterá. São, portanto, lindas utopias, que a sua aplicabilidade aindaé um verdadeiro mito, igual ao mito da liberdade de expressão, no qual me ...................................inspiro. Lindas mitológicas teorias nas quais se comparam àquelas lindasfrases (políticas) que fazem parte do nosso léxico quotidiano, como é caso Cobriu as idéias com palavras para que ficassem nuas...da Jatrofa, Distrito pólo de Desenvolvimento, O registo do Cartões SIM, áInspecção de viaturas, o recém nado morto Cesta Básica, sem querer tirar o ...................................desmérito a teoria – mãe: A Luta contra Pobreza Absoluta, esta que dizemser um problema mental, eu saudavelmente concordo plenamente, pois, Morreu de não rir.esta insonhável luta sempre foi e é proferida por um punhado de gente,aliás, sai sempre na mente de algumas pessoas, cá por nós conhecidas. ...................................Espero que sejam estes os principais patológicos.O que não espero é que passa nalgumas mentes usados por outras mentes, Doce menina se fez bela dona, que se fez linda senhora, que se fez sereno cadáver,neste coitado momento a seguinte questão: Porque é que Moçambique que se fez livre pó... E se refez nas tintas de Renoir.é um lugar, é não um país? Por uma razão muito óbvia, primeiro deixemme dizer que: os que já estiverem com esta questão pairando na sua ...................................desautónoma mente, eu acho que isto é, sem dúvida alguma, umaactividade desprovida de rácio.Bom, não quero em nenhum momento persuadir-vos para que usemas vossas mentes vós mesmos, ou convencer-vos a acreditarem nesta 2. LitErAtUrA visUALpremissa só para parecerem autónomos das vossas próprias mentes,isto é um processo, um processo como alguns justificam o fracasso naaplicabilidade de políticas. Pós concordo que todo aquele que se julgacidadão moçambicano sabe mais do que ninguém que a sua pertença; aforça que lhe “governa”, para não dizer desgoverna, é um fiasco. Os quecontinuarem à achar esta premissa inundada de disfunção, pensem noseguinte: pelo memos este tem opinião num lugar onde a liberdade deexpressão é um mito. E se realmente disconcordão com premissa, mostre-me pelo menos um dos ministérios a vossa escolha, que esteja melhor ouque seja no mínimo sério. Ou que tragam evidências claras de políticastraçadas e acabadas, sejam elas do governo dia (da noite), ou mesmo daoposição. Sem querer entrar em detalhes, lembrem-se que alguém uma vezdisse “este país vai arder, arder mesmo!”, o mesmo disse que iria mobilizaruma manifestação a escala nacional, pós para me são todos farinha domesmo parlamento, aliás puxadores do mesmo saco. E lembrem-se que somos viventes dum lugar da máfia (Moçambique umdos maiores narco-estado do mundo), onde os crimes desorganizadosfazem manchetes nos jornais (por em quanto os publicados), onde é 3.monóLogos póstUmos com QUintAnA - pArtE vbem sucedida à corrupção, o enriquecimento ilícito da minoria, abusode puder, estou sem tinta suficiente para enumerar todos monstros quea apoquentam a nossa procissão ruma a transformação deste lugar numpaís. Acredito em excepções, sem querer tira mérito a alguns que ousados “ Esquece todos os poemas que fizeste. Que cada poema seja o número um.”que tentaram dirigir esta marcha, e tiveram o final que todos sabemos, Mário Quintanano caso de Samora, Mondlane e outros. Isto mostra-nos claramente queexiste um grupo (à tal Máfia) que se sente bem nesta condição de Não-País, de Não-Nação, de Não-República, e fazem questão de lutar à todo Eu a ele: O Escritor é o verdadeiro mestre-cuca. Alimentos para as cucas.custo para manterem este lugar assim como se encontra. As questões que Macarronadas esferográficas.vos faço são: quem são estes que se sentem muito bem com estas situação?E o que fazem aqueles que pretendem transformar isto num país, num Ele a mim: Assim como um louco que fala sozinho, os escritores são aqueles tiposMoçambique nação, num Moçambique República? Que tal e qual numa que vivem escrevendo consigo mesmos.República: com igualdade de direito, justiça, paz, democracia, etc. Ondeestão estes? Se é que existem, e você de que lado esta? Espero que nãodeixa sua mente ser usada por outros nas respostas destas questões, espero (3.) continUA nA próximA EDição..que seja você comum cidadão moçambicano
  6. 6. 6 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 23 de Agosto de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 6 - discurso dirEcto Até amanhã coração FONTE: JORNAL O PAíS que está cansado de o ver foi aquele massacre. impressionaram-me tanto as capulanas que iam embrulhar os corpos nas valas comuns. Foi impres- sionante como ele conseguiu captar a tristeza profunda,um país travado pela burocracia e um bater, de tomar as rédeas a brutalidade da guerra. Fizemos o acordo de paz com ospoeta que acredita que o amor é capaz de sua vida. Ele desiste e nossos vivos, mas nunca o fizemos com os nossos mortos. Este país ainda vive uma grande dívida para com os seusde vencer guerras. Eduardo White é dos mortos. Não os enterrámos condignamente nem fizemospoetas que mostra como o lirismo pode diz que não quer mais esse um acordo de paz com eles em relação a esta guerra que eu sempre disse que não tinha razão de ser. Depois, levou-seser uma forma de vida, apesar de ter eterno apaixonado: “já muito tempo para se fazer um acordo. Essa coisa da mortecerteza que fazer cultura é um acto de bateste muito na minha impressionou-me, por isso, que escrevi “Homoíne”, mas sempre com essa constante de que era preciso retomar asloucos. armas do amor. o amor tem as suas armas que são o beijo, vida”. Provavelmente, se o sexo... tem todas essas armas que são importantes, que falam melhor, que disparam melhor e têm outra pólvora.“ELE é poeta!” – repetíamos mentalmente antes da entrevista, for a fazer a sua contabili- CREio quE a guerra é um fenómeno que incomoda qualquerpara não confundirmos esse lado com tantas outras áreas pessoa que tenha sensibilidade. a guerra é atrofiadora.em que ele se decidiu meter. No ano passado, escreveu uma dade, será o homem que para além de nos dizimar fisicamente, também nos dizimaópera juntando stars como Chico antónio, Graça silva, Mário em termos de alma e de sentimentos. Há um poeta, JorgeMabjaia e adelino branquinho. Este ano, voltou a colocar-se o terá ficado sempre só entre Rebelo, que durante a luta de libertação nacional escreveumesmo desafio, mas para a dança. Voltou ao seu companheiro um poema lindíssimo que se chama “Liberdade pode Chegarde longas viagens, Chico antónio, “entendemo-nos”, diz ele, e ele e o coração. Esta carta um Dia”. Essa carga de amor está sempre presente, nãochamou pérola “Deusa” Jaime por uma velha admiração: “é uma pelas razões da guerra, porque acho que não podemosbela bailarina e coreógrafa. sempre a admirei”, disse, antes de é um pouco a história do ter amor por uma coisa que nos pode levar à guerra, mascomeçarmos a entrevista para o “Entre Letras”. Mas era uma pelos objectivos que nós pretendemos atingir. No amor háentrevista sobre literatura. Era preciso repetir o pensamento poeta e o seu coração, uma violência, há gente que faz guerra por amor e com amor.“ele é poeta!” e organizar as ideias com base nos títulos de Não sou de fazer guerra com amor, acho que o amor temalguns dos seus livros. carta de despedida, mas que fazer guerra à guerra. sempre a dizer “vou viverpoDia tER-sE contentado em “amar sobre o Índico”, mas omassacre de “Homoíne” fez com que desse uma pausa a versosde amor e contemplasse as fotografias de Jorge tomé e chorar com outro coração”. Poetas da políticapelas mortes. No entanto, diferente de Knopfli, aqui onde Podemos falar dos “poetas de combate”, neste caso, Jorgehavia dor não era “o país dos outros”, mas sim “o país de Mim”, Isso leva-nos a Rui Knopfli, no poema “A Despedida”, Rebelo, de quem falou, e podemos acrescentar Kalunganoo que obrigava a aprender “poemas da Ciência de Voar e da onde evoca essa questão do silêncio. como é que Rui (Marcelino dos Santos), Sérgio vieira (…) cujos poemasEngenharia de ser ave”. Knopfli entra na sua literatura? são mais de esperança. como podemos, hoje, olhar paraEDuaRDo WHitE é esse poeta que podia oferecer-nos “os sou REsuLtaDo de muitas leituras(…). Rui Knopfli não esses poemas e poetas?Materiais de amor seguido de Desafio à tristeza”, para depois é o poeta que me influencia. Mas acho que o amor tem a EspERaNça é um sentimento muito bonito. Com essaficar na “Janela para oriente”, ler pensamentos de Gandhi antes sempre essa pequena indefinição, se é com a cabeça que mensagem de esperança, encontramos poesia digna e láde “Dormir com Deus” e ouvir “as Falas do Escorpião”. podíamos se vive ou se é com coração, e acaba por prevalecer o está o amor à terra, amor à liberdade. é uma fase bonitafalar longamente dos seus livros enquanto folheávamos “o coração. quando acaba o amor, é no coração onde a dor essa, e há boa literatura. Nem tudo o que se escreveu nesseManual das Mãos”, observando “o Homem a sombra a Flor e pesa mais, apesar da cabeça ser esse roteiro de memórias. período é bom, mas há boa literatura e bons escritores.algumas Cartas do interior” antes de nos despedirmos: “até o amor é diário, mas é sempre uma memória de ontem, penso que nos países africanos de língua portuguesa aamanhã, Coração”. de hoje, com aquele encanto do futuro. Nunca se sabe esperança marca esse percurso histórico da literatura. o que vai ser, mas sabe-se muito do que já foi. o amor é agora, gostava de saber como é que essas pessoas queEDuaRDo WHitE toma uma base romântica. “todos nós somos sempre uma despedida, mal se começa, já se sonha com ainda estão vivas e que escreveram tanto sobre a esperançaromânticos, ou pelo menos devíamos ser”, acredita. Mas é a despedida. principias a amar, já principias a despedir-te. vêem hoje essa mesma esperança que cantaram. às vezes, ésobre a esperança de que fala, ou melhor, das pessoas que Lembro-me de um poema do angolano almeida santos, engraçado como uma pessoa escreve sobre a esperança e asempre “cantaram sobre a esperança” no período da luta de “Meu amor da Rua 11”, que é uma música lindíssima da retira aos outros. a guerra não devia ser uma aprendizagemlibertação, mas que “hoje a retiram” ao povo. Esta entrevista, banda Maravilha, que define esta coisa do amor estar para a continuar, mas sim para não a repetir. penso que semais do que um rítmico caminhar pelos versos deste poeta, é permanentemente a bater. passou assim no nosso processo histórico, a guerra veioum olhar à literatura moçambicana e à forma como a buroc- e continuou, porque, infelizmente, a guerra é um granderacia pode parar um país. A sua poesia é marcada por versos de amor, entre a dor negócio para os que a fazem e os que a patrocinam. Gos- e a sua exaltação. É assumidamente um poeta român- taria de saber como é que esses escritores, hoje, vêem essaDespedida de um poeta tico? esperança que cantaram, o futuro que foi ontem e que é presente hoje. e seria interessante, porque hoje eles deix- EM pRiNCÍpio todos deveriam ser (…) todos nós somos aram de escrever.como é que um poeta consegue convocar toda a coragem românticos. o amor é a melhor maneira com que com-para ir embora? Melhor, por que um poeta decidi ir embora? bato as tristezas e desavenças que tenho com o presente É possível um poeta deixar de o ser? Existe um ex-poeta? e que tive com o passado. quando decidi pela linha do amor, foi exactamente no período em que prevalecia na aCHo quE não. penso que eles não pararam de escrever, nossa condição literária a questão da guerra e da morte. provavelmente pararam de publicar. Não é nada disso de “Até Amanha, Coração” é acho que muito embora não fôssemos soldados, todos processo político(...). se se envolveram muito no processo os dias eu acreditava que as armas se calariam, para se político, devo dizer que não foi muito bom, porque poetas carta de amor de alguém fazer amor. acho que as armas acabam sempre por se a fazerem política não são muito bons, são as borradas que calar, para se fazer amor. o coração é uma grande bateria, sabemos. a utopia é boa até onde termina o argumento que está cansado dos deva- dá-lhe aquele compasso, acho que fazes melhor uso a para fazer política, mas depois deixa de o ser. a política tem trabalhar apaixonado, do que a despedir-se do grande os seus próprios poetas, que são os políticos, e normalmente neios do seu coração, que pôs amor. são maus poetas como também maus políticos. sempre o amor em primeiro plano; de alguém que o Parar a guerra para É normal olhar-se para a sua geração como aquela que veio dar uma outra viragem à literatura. vocês têm essa seguiu fielmente, e como o fazer amor consciência de terem definido a literatura nacional? a LitERatuRa moçambicana nunca foi definida, é um pro- Faz uMa referência à guerra, que, curiosamente, vai cesso que está em construção, é um processo que vai sendo. dono se cansou. É um pouco recuperá-la no livro “Homoíne”, onde olha para a morte Evidentemente que esse processo tem seus altos e baixos. com todo o pesar que se pode imaginar... Mas a geração Charrua não marca definitivamente qual o a história de alguém que se EssE LiVRo, escrevo depois de ter visto fotografias de estilo que a literatura moçambicana vai tomar, mas marcou Jorge tomé, fotojornalista do “o país”, quando trabalhava uma ruptura com aquilo que se fazia no momento. Foi despede do seu coração e diz na revista tempo. Ele tinha ido cobrir o resquício do que
  7. 7. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 7 Terça-feira, 23 de Agosto de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 7- discurso dirEctoimportante que a geração Charrua tenha aparecido para preso?demarcar essa cisão com a literatura que se fazia. A sua literatura tem uma espécie de solidão permanente. isso é de Gandhi. (o poema) nasce dessa coisa de ler como se constrói essa imagem de poeta solitário?Rompimento e buroc- Ghandi. Do meu ponto de vista, há muita gente que está livre, mesmo presa. Mas há muitas causas que têm feito os a soLiDão é uma coisa de que tenho pavor enorme, porque sou uma pessoa que normalmente se recolhe muito interior-racia prisioneiros mais livres do que as pessoas que andam nas ruas. Nós somos um país que tem muita gente presa nas ruas, fechada nos limites que somos, sem acesso a tudo mente. Dentro de mim, passam-se muitos tratados e preciso de estar com os outros, gosto de estar com os outros. a solidão é um facto marcante na minha vida. Muitas vezes,O que vai diferenciar a literatura antes de charrua da o que é essencial. Voltamos mais uma vez à cultura, que os amores errados da minha vida, todas as paixões erradasque se seguiu? é uma particularidade chave para o desenvolvimento da da minha vida, são desse processo de não saber tratar bem cultura. tem que haver cultura de desenvolvimento. a solidão a nível pessoal. E gerem uma frustração com essaERa o lado ficcional, o lado da criatividade e, sobretudo, grande presença de solidão na minha vida.o rompimento com o lado temático. a literatura estavamuito agarrada à questão da guerra da libertação, da Parece não ter uma boa relação com a burocracia… É desta forma que conclui que o silêncio faz muito barulho?revolução, não era contestatária. a Charrua veio con-testar muitas coisas que precisavam de ser contesta- CoM a gravata! a grava não é uma coisa que me fica bem. ExaCtaMENtE, o silêncio tem muitos barulhos. acho quedas. Mas não gosto da burocracia e não tenho boa relação com há poucos barulhos que têm silêncios, mas o silêncio tem o poder. assusta-me o seu aparato, a sua demonstração muitos barulhos dentro e fora dele. a solidão é propensaO tema guerra de libertação não era só daliteratura, dominava igualmente a música,assim como o teatro e a dança. como é que aliteratura surge a querer isolar-se?aCHo quE isso aconteceu a nível de todas asartes. Há uma geração que marca essa cisãocom o que se tocava. a nível do teatro, há,e aparece com o grupo que dá origem aoMutumbela gogo, em que estavam Calane (dasilva), Manuela soeiro, João Manja, anabelaadrianoupolis. é um processo que se passa emqualquer sociedade que está em transformação,que está a nascer e que está a crescer, só que,no caso da literatura, somos muito menos emrelação a outras disciplinas artísticas, e talvezse tenha notado mais. a nossa confrontaçãocom o poder foi mais frontal. Nós temos essatarefa de não concordar que o poder tenha umagovernação quase bíblica, que diga “isto temque ser isto”. qualquer artista faz parte e con-strói a memória colectiva de um povo. o queestá a passar-se no nosso país, muito emborahaja muita coisa digna de se assinalar comopositiva em relação à grande parte de áfrica,é que há muita coisa má que não devemos tera vergonha de dizer isto está mal e não podecontinuar assim. Não podemos vir a cair numarelação feudal do poder. E foi isso que fizemos,ver um país nas suas múltiplas visões, nas suasmúltiplas maneiras de ser. um país é feito degente diferente, não é feito de gente igual.No período a que se refere, o escritor não seresumia simplesmente às suas produçõesliterárias, eram vozes sociais. Agora, pareceque eles se retiraram para o silencio? de força, e a burocracia é uma espada, é aquilo que pára ao silencio interior e exterior, como também é propensa ao tudo. a burocracia é aquele polvo enorme com o qual não barulho.Fazer cultura neste país me dou muito bem. acho que pouca gente se dá muito bem, a não ser os burocratas, que são sempre cinzentos, Quando olhamos para si, parece-nos que o Eduardo Whiteé um acto de loucos. Ser engravatados, tomam chá àquela hora, falam ao telefone poeta não se dissocia do indivíduo. como é que permite sempre das mesmas coisas. são sempre uns senhores quesujeito cultural é outro acto são bem comportadinhos, mas que fazem uma data de que essa sua personalidade interfira no poeta? coisas feias.ainda mais louco! Toda a O poeta é que interfere na A partir daqui, podemos olhar para “O País De Mim”. É ogente patrocina “pernas”, espreitar de um país dentro de nós mesmos ou vamos minha vida. Quase muitas“mamas” e “dreads”. Nos descobrindo pedaços de países por fora deste espaço que somos? vezes, alguma reputação quegovernos que tivemos, é aquELE país que está dentro de nós. para ser moçambica- me fazem questão de dar tem no, acho que nasci com esse Moçambique dentro de mim.no tempo de Samora de Nunca percebi essa coisa de original. origem de onde? a que ver com essa interfer- nossa primeira pátria é o útero da nossa mãe. acho que oMachel e um pouco no de nascermos num lugar, crescermos num lugar e gostarmos ência. Não tem nada que ver desse lugar é nos transmitido por dentro, tenha esse dentroJoaquim Alberto Chissano, as referências que tiver. Então, foi revisitar esse país. Cada o poeta com o Eduardo White um de nós tem um país dentro de si. “o país de mim” é essainvestiu-se na cultura como história. Muitas vezes, as pessoas associam-me ao livro de que sou eu. Rui Knopfli “o país dos outros”. acho, também, que existeuma coisa séria. A cultura o país de mim, se há países dos outros. quase sempre, a tEnHo pontos de vista muito diferentes da pessoa que minha escrita é muito interiorizante. ponho o que vejo escreve em mim. Não tem nada que ver com heterónimos,não é para vender imagem, cá dentro e transmito com uma nova roupagem e nova nem com desmultiplicação de personalidades. na verdade, o paisagem, de maneira a que cada livro seja uma rua do eu que escrevo não é muito o que eu vivo, e muitas vezes soué para mostrar um país. país que tenho dentro de mim. apanhado a viver o poeta que o poeta a viver o homemEm “Navio de Guerra Indiano” faz um trocadilho entrea liberdade e a prisão. como se pode estar mais livre Silêncio solitário
  8. 8. 8 BLA BLA BLA Exero 01, 5555Terça-feira, 23 de Agosto de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 8no rEcanto dE apoLo...Encantado silêncio dasareias de Maputo Poesia na árvore AmanhecerBáRBARA LIA - BRASIL PEDRO Du BOIS - BRASILEntre estrelas SAMuEL cOSTA - ITAJAí - BRASIL Eu prefiro frases feitas... amanheço em nuvens de inver-entre algas Lê-las, e pensar que são minhas! no.entre brancos lençóis Dizer: Eu te amo... No esfriar da hora sou corpoe paredes brancas. usando velhos clichês despertado. sigo o leito do rioVermelha viagem da vida nas veias. Finjo ser poeta ao largo: estrito ao peitoinstante que precede ao nascimento, Às vezes contista... da mulher amada no anunciartambém à morte. uso velhos clichés horas anteriores de refúgio. acordoa morte é um silêncio suspenso ‘’porque dizer eu te amo... e levanto em ensolarados passos.e o sol, um silêncio vermelho. Não é dizer bom dia!’’Nuvens em seu passeio Escuto velhas músicas! Da manhã retiro a necessidadediante da janela deste apartamento. E chego a pensar que a dor é minha. da utilidade. sou repositóriotem uma sinfonia em tons vários Mas não é!!! da inatividade.a gritar – silêncio! penso em ser prosador...silencio. para voltar para a minha infância...branca, como estrelas e algas. aonde corro e corro de novo... O preço e opasseio brancas areias de Maputo, Corro entre becos e vielas...olhando ao redor em busca de Mia Coutoansiando que ele me ensine a estrondar ...de braços abertos! sono Finjo ser poeta...o encanto. ...na pós-modernidade! a ignorar regras, rimas e métricas...in Noir (2006) NELSON LINEu a desdenhar de antigas elegias! todas as velhas fórmulas prontas e acabadas.Madrugada Madrugadora Velhas formas de amar musas intocadas... Finjo ser versejador... porquê tudo para mim Nos tempos modernos! tem que ter preço?cELSO MuNGuAMBE - MAPuTO E em meus versos! será esse o preço por eu viver? a noite ronca eternamente, e internamente dorme a escuridão sinto que não fosses embora... Friamente as madrugadas nascem, congelando e Gelando o universo, madrugadas silenciam-se Estas perdida...entre os meus versos... Estando a reclamar Diante de tanto frio Mais profanos... é pedir a minha morte?um ninho floresce com delicadezaa madrugada vomita a cacimba aconchegante Finjo...que não te perdi para sempre,Como um diamante delapidado e escaladoNum dos silêncios, a madrugada grita apelando Às vezes leio velhas poesias. o pior de tudopara lua Mas, só às vezes... tenho que ser eu a pagara madrugada delira de tanta solidão, sem exactidãoEla faz um sarau E penso que são meus... comprando ou vendendo.bisbilhotando na noite, ela procura afazeresDesfazendo o movimento rotativo aqueles idílios de saudade...a madrugada conversa com a manhã Eu gostaria ser um poeta. amigos eu não apanho sono,uma conversa rápida e fria, mas não sombriaLá esta ela, com uma cara murcha de solidão para pensar que não te perdi para sempre... eu compro o sono.a madrugada é muito sacrificada. imortalizar-te-ia em meus versos! Às vezes penso ser poeta! Na pós-modernidade! a usar velhos clichés! E digo: ’’Dizer te amo...não é dizer bom dia’’
  9. 9. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 9Terça-feira, 23 de Agosto de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 9cabo VErdE Poesia de António de NévadaAntónio de Névada, poeta cabo-verdiano, nasceu em 1967. viveu a infância e fez os estudos liceais em cabo verde(Mindelo) e os estudos universitários em coimbra. começa a publicar em periódicos literários em fins de oitenta. Duranteos primeiros anos da década de noventa faz teatro universitário em coimbra. Em 1993, é editado pelo IcLD (Institutocaboverdeano do Livro e do Disco) o seu primeiro livro de poesia, “Acto Primeiro ou o Desígnio das Paixões”. Em 1999,lança pela Angelus Novus Editora o segundo livro de poesia, “Esteira cheia ou o Abismo das coisas”. canção Terceira Na enseada onde os homens fazem as preces o bravo retorna ao mar. caem os homens moribundos. E o sol brilhando ANTÓNIO NÉvADA ao longo da estrada, lado a lado, acompanha a sementeira, o penhor e o prumo da semeadura o corpo e seiva, a bia Didial descrevem o campo, a alfarrobeira, porque a loucura o grão da mostarda, essa aflição dolente. perdura no âmago dos seres,(canto à semeadura) I troncos da mente folha gente sem semente. IIo caminho é longo, Ó deuses, ó cantos, ó bravos. Não venho para redimir ou semear, a estrada deserta. Ó imensidade negando a têmpera dos dias! não viemos para colher ou situar. a densidade das palavras o luar fragmenta-se, não encontra III vozes são agora perecíveis, as os momentos tecem o peso o discurso necessário. o abandono alenta a paisagem, e não viemos para escolher, corroer ou perpetuar, a magnanimidade vagueia sua sombra queda-se e nem as coisas preservam pela vida, convivendo na monotonia do horizonte, o caudal dos tempos, com as colinas agrestes do poente. seus dedos contornam ou inutilmente pensamos, estimamos o afluente da dor. E certamente, o renascer das cores. Não venho para criar ou garantir, os sonhos serão acessíveis as folhas cobrem os detritos da vida, não viemos para aumentar ou instaurar. Cada enxugo ou rega, na próxima alvorada, e as lágrimas a areia possui os corpos, cada filho dizendo, percorrerão as faces do cultivo: versos amorfos declamam a mudez do tempo. dizendo a morte e a sina nossa, a cana, a cevada e o milho, qual é o ente que colhe a alma triste? a cada filho o condão da rememoração. encontrarão a terra ferida. qual é a água que cala o abrasado cutelo1 E se dizemos hoje dizendo cantos, os braços, as pisadas desoladas, [da minha póvoa? é porque dizendo hoje temperamos o espírito! na paisagem entreaberta, apascentamos o destino, ontem encontrando o corpo doente. sina diminuta ou prenhez que nos arrebata, descemos as encostas oh! tal a fecundidade, incontestável culto e bebemos a água da fonte, Escolhemos a quietude, encolhemos a audácia. onde os pássaros poisam e semeamos a afronta. a semeadura foi abençoada pelo poente, E o caminhar aviva o desejo de audiência, seguimos rotos, famintos pelos campos da mente, pela poesia e pelo bater do tambor, de intermitência, inconsciente do seu dom e palmas e membros hasteados e bendizemos o corpo vago, que é dono da fugacidade. suplicam ao deus afónico? as fraquezas, - Rochas densas, elegias completas, - apuramos mais uma vez a grandiloquência! alguns troços de alma. como vos direi E exibimos pelas ruas as mágoas, Hoje que o poema não é a almenara do silêncio o nosso húmus, o que nos resta, sentamos à soleira da porta nem a obra o seu mundo? ou simplesmente mais um dia, e dizemos hoje dizendo cantos, Como vos direi, a lida e a aresta do dia, porque dizendo hoje diremos o vento ó eloquência arrebatadora, a vida. à porta da aldeia, que o verso que lhe falta Dúbios versos cantamos a terra ou o verso e rima. a serenidade toda que fluem no vazio da pena, Diremos a morte, a sensação de inexistência apascentará no seu leito? verbo que verga sob o vento, [que nos perturba. E a terra, a natureza sua, membros densos e sobretudo abraços, E o homem que nos vê nascer e crescer, braços da mesma quietude cultiva sobre a terra estéril, espera pacientemente a nossa morte e ventania brusca buscando as lágrimas, e sobre ela ajoelha-se para reedificar a substância telúrica ou mãos que empunham a magnitude. para louvar ou barafustar, [que lhe pertence. Lombos doridos, prantos nocturnos, para louvar ou possuir pelos vales, pela ribeira, sustentam a geometria das sombras. o dom dos deuses. o vento incansável, E caídas, sob o ripostar das ondas, Homem que espera a consumação o regadio, a água do poço. nossas almas seguem vazias e o volume da vida, os homens cavam, por entre os cascos dos navios. homem que habita os seios da madrugada cavam e cantam Ó homem brando de sonhos magos, ou os cios, cios nossos embebidos no sexo e na sede. homem lânguido que vagueia pelos tempos e do tempo horto. Nem horas nem palavras, sua mente sumarenta: será que vivemos, inalteráveis cantos. qual vento louco, sobrevivemos, E pergunto, o mar bate rouco, longo para estabelecer a causalidade da morte? que entranhas nos suportam, dentro do peito, sua ou o mundo é a rua toda, que entranhas matamos com os dias? vertente de tambor. o o regadio e a impunidade? será que cavamos a própria sepultura? mar bate tanto a rua toda, almas famintas, inventamos os sonhos, vivemo-los que no mastro outro mastro, o afluente da dor? com essa ânsia inexplicável, verosímil. na vela outra vela Nas palmeiras, observamos o quotidiano, procura o porto de permeio no oráculo e em voz branda, essa encadernação lenta, precisa. onde o peito dorme. assumimos o cântico, dispensamos o corpo, ah! Não construímos templos, e alagamos a ubiquidade. canto inválido, não louvamos o inexprimível. as ondas banham a alvorada, vozes mutiladas E a seu tempo, a areia reagrupa a linguagem, gemendo no redizer do vento: assemelhando-se à ribeira, e a terra semeia o ramo e o suco. a alma abarca a existência. encontraremos o mar, a alma vai com o vento, os olhos mergulham na nostalgia dos dias afagaremos as chagas, o ardor. o infindável manto oculta as imagens, e um Deus inútil envolve o rebanho, E direi mesmo: e as árvores da humanidade o estanho e a profunda tristeza - julgaremos o homem, sua essência, caminham sem frutos pelos movimentos da vida. como quem julga a negação dos deuses, sem raízes de imbondeiro. Encontra o homem, rebelde, o infinito ou a irreferência das coisas! Cantos, breves cantos arrastando o mar pela praia adentro: ó demência toda! boca ávida, seguimos desespero trágico as pisadas nocturnas da brisa, seus membros lânguidos, e a maré rasa sobre a terra grávida no rosto da maresia, e a secura do sal pela rua. Extraído da antologia de poesia Contempoânea de Cabo Verde. organizada por Ricardo Riso.
  10. 10. Terça-feira, 23 de Agosto de 201110 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 https://literatas.blogs.sapo.mz 10Em outras paLaVras NissaFalta de livrarias preocupa Associação Progresso MAuRO BRITO - MAPuTO então os estudante e professores pode comprar os o desenvolvimento das comunidades de base , com livros nestas feiras particu- No âmbito do programa de promoção de um ambi- pois os livros laridadeente de leitura a associação progresso em parceria estarão aces- a aten-com direcção provincial da educação e cultura do síveis”. ção asNiassa promovem a V feira de livro e lançam a V edição o objectivo criançasdo concurso literatura infantil na província de Niassa. da feira é pro- e mul-Na cidade de Lichinga a feira terá lugar de 23 a 25 do mover no seio heresmês corrente no balcão de informação turístico (bit) dos estudantes e Estase na cidade de Cuamba 26 a 28 de agosto. as comunidades activi- alem da província do Niassa a associação progresso em geral o gosto dades serealiza estas actividades na província de cabo del- pela leitura ,pois a encaix-egado e tem com apoio do Governo do Canadá leitura é uma base am no Conta com livros de editoras como Ndjinra, Kapicua, de aprendizagem vigési-JV, paulinas ,Minerva central ,plural e texto editoras para todas as m o Com cerca de 2.036 obras de entre didácticos, áreas de sabedoriainfanto-juvenis e literários. da nossa ciência e assim sendo a realização desta feira aniversário da associação progresso Em entrevista a revista Literatas, Maria Ema Miguel, livro é uma oportunidade para os estudantes desta E todos os cidadãos venha apreciar e crer comprar odisse esperar que aja muitos visitantes principalmente província de modo a adquirirem os matérias para a livro e também temos o concurso de literatura infantila camada juvenil de modo que venha apreciar as consulta e não só é também oportunidade para o podendo escrever histórias para crianças e submeterdiversas obras que lá estarão expostas na feira, “uma publico adquirir matérias para a leitura que é uma a associação progresso.vez que teremos várias obras entre didácticos ate fonte de aquisição de conhecimentos e de salien- o regulamento esta disponível na associação.literárias e dizer que esta é uma oportunidade uma tar que a associação é uma oNG sem fins lucrativosvez que na província do Niassa não temos livrarias mas como objectivo social geral de contribuir para

×