Cultura, ideologia e indústria cultural

3.418 visualizações

Publicada em

Aula

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.418
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
579
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cultura, ideologia e indústria cultural

  1. 1. + Mídia, consumo e indústria cultural Roberto Mosca Junior
  2. 2. + Objetivos Compreender o papel dos meios de comunicação na formação da nossa identidade social. Entender como o poder da mídia é determinante na formação da nossa maneira de pensar, agir e sentir. Analisar como alguns autores compreenderam este fenômeno.
  3. 3. + Liberdade ou controle?  Submetidos a uma sociedade de massa, aos poucos vamos perdendo nossa capacidade reflexiva e somos enganados por um jogo de imagens e sons que tomamos como verdadeiras. 
  4. 4. + A história dos meios de comunicação  Até 1440: conhecimentos restritos  1440: surgimento da imprensa e maior acesso à cultura escrita.  Século XIX: desenvolvimento da imprensa, jornais, livros, telefone e rádio.  Final do século XIX e início do XX: cinema e televisão; o ver passa a ter preponderância sobre o ouvir.  Década de 1960: internet, sistema de comunicação sem controle central, baseado numa rede  O século XX assistiu à explosão da publicidade.
  5. 5. + A vida “mercadoria” A busca por prazeres individuais articulada pelas mercadorias oferecidas está o tempo todo direcionada e orientada por campanhas publicitárias sucessivas. Podemos observar, de um lado, a mercadoria como centro das práticas cotidianas e, de outro, uma constante orientação para que o modelo de conduta seja sempre articulado através do ato de consumir.
  6. 6. + A avalanche publicitária  Através dos bens ofertados, a publicidade promete o bem-estar, o conforto, a eficiência, a felicidade e o sucesso.  A publicidade vende de tudo, sem distinção, como se a sociedade de massa fosse uma sociedade sem classes.  O prazer se compra: “Prazer de dirigir”, “prazer de comer”, “prazer de morar”, etc...
  7. 7. + Ideologia  Para Marx, a ideologia corresponde às representações da classe dominante que tentam se tornar válidas para todos.  Para ele, “as ideias dominantes em qualquer época são sempre as ideias da classe dominante.”  Para Marx, a ideologia inverte a realidade, na medida em que os indivíduos não conseguem desenvolver plena consciência de suas vidas.
  8. 8. + Expressões da Ideologia  Elabora um discurso homogêneo e universal que identifica a realidade social com o que as classes dominantes pensam sobre ela.  Defende a ideia de que vivemos em uma comunidade sem conflitos e contradições.  Atrela a ideia de felicidade ao amor romântico, à estabilidade financeira e profissional, bem-estar existencial e material.
  9. 9. + Dominação e controle  O pensador italiano Antonio Gramsci (1891-1937) analisa a questão da dominação com base no conceito de hegemonia e aparelhos de hegemonia.  Hegemonia é o processo pelo qual a classe dominante consegue fazer com que o seu estilo de vida seja aceito pelos dominados.  Isso é feito pelos aparelhos de hegemonia, práticas intelectuais, livros, jornais, escolas, música, teatro, etc...
  10. 10. + Dominação e controle  O sociólogo francês Pierre Bourdieu desenvolveu o conceito de violência simbólica para identificar formas culturais que se impõem como verdades.  A violência simbólica é um conjunto de regras não escritas nem ditas, mas que tem um efeito opressor sobre a vida das pessoas.
  11. 11. + Indústria Cultural  Para alguns teóricos, os meios de comunicação são alienantes, impedindo os indivíduos de levantar questionamentos, mascarando e manipulando a realidade.  Outros teorizam que a televisão, o rádio e o cinema podem democratizar as informações, facilitando o alcance destas.
  12. 12. + ESCOLA DE FRANKFURT (1924)  Max Horkheimer e Theodor Adorno utilizam o termo INDUSTRIA CULTURAL que:  Banaliza a arte e faz com que o público perca o senso crítico, tornando-se um mero receptor dos produtos ofertados.  Provoca uma fuga da realidade e faz com que o indivíduo se aliene para poder continuar aceitando passivamente a exploração do sistema capitalista.
  13. 13. + Outra visão da indústria cultural  Para outro autor, Walter Benjamim, a indústria cultural não tem apenas esse poder avassalador e manipulador.  Ela pode ajudar a desenvolver o conhecimento, pois leva a arte e a cultura a um maior número de pessoas.  Os indivíduos não só absorvem e reproduzem automaticamente o que recebem, mas pensam, criticam e reelaboram a informação.

×