Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)

1.449 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
535
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)

  1. 1. CPII- RMJ CAPITALISMO E SOCIEDADE
  2. 2. Modo de produção capitalista • Sistema econômico: justo ou injusto. • Economia: extração, produção, distribuição, consumo e descarte de bens e serviços. • Modo de vida e modo de produzir a vida material. • Autor de referência entre os clássicos da Ciências Sociais: Karl Marx. • Definição: • MODO DE PRODUÇÃO seria o modo das sociedades produzirem sua existência, sua vida material, ou seja, suas mercadorias ou bens para consumo, como explicitamos. E todo Modo de Produção, segundo este autor, apresentaria as seguintes características:
  3. 3. MODO DE PRODUÇÃO • •Meios de Produção, como máquinas, ferramentas e a própria fábrica: propriedades do patrão. •Força de Trabalho, que o trabalhador vende em troca de um salário. •Relações Sociais de Produção, entre aqueles que detém os meios de produção e os que detém a força de trabalho.
  4. 4. Modos de produção • Feudalismo: a produção em grande feudos, ou seja, em largas propriedades (meio de produção da época), onde os senhores feudais viviam com suas famílias e utilizavam a força de trabalho dos servos ou camponeses para a produção de alimentos, fundamentalmente. • Capitalismo: A PROPRIEDADE PRIVADA, segundo o autor, é a questão central para compreendê-las. Enquanto conceito, este termo pode ser definido como um direito, que assegura ao seu titular poderes de usar e dispor da mesma, a principio de modo absoluto, exclusivo e perpétuo. Seria este elemento que dividiria a sociedade em dois grandes blocos: aqueles que detém a propriedade privada dos meios de produção (Burguesia) e aqueles que NÃO detém propriedade, mas somente sua força de trabalho para vendê-la em troca de um salário (Proletariado) - a relação de dominação da burguesia para com o proletariado se inicia neste momento, bem como o conflito entre eles, sendo esta a função social da propriedade privada no contexto do modo de produção capitalista. • Socialismo • Comunismo
  5. 5. Propriedade privada • Se antes deste modelo de produção, o artesão ou trabalhador reconhecia o fruto do seu trabalho, uma vez que o produzia por inteiro, quase sempre sozinho ou somente com a ajuda de um aprendiz, agora a burguesia cria um novo mecanismo de dominação: ela divide o trabalho e especializa o trabalhador numa determinada função, o que faz com que ele considere que produz somente um “pedaço” da mercadoria, não merecendo ser remunerado pela produção da mercadoria como um todo, diminuindo o salário dos trabalhadores, sem que os mesmos questionem a decisão.
  6. 6. Alienação • A este processo, que decorre da DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO, Karl Marx denominou ALIENAÇÃO DO TRABALHADOR, uma vez que o mesmo não reconhece o fruto do mesmo ou o valor real da sua produção. O resultado disto não é somente salários mais baixos, como também maior rapidez na produção, maior produção em si, menos custos e mais LUCRO para o burguês: a fórmula de eficiência do capitalismo.
  7. 7. MAIS-VALIA • MAIS-VALIA, que consiste no LUCRO extraído da EXPLORAÇÃO do trabalhador em sua jornada de trabalho. • Uma reflexão importante a se fazer, tendo em vista esta noção, é a de que o trabalhador, neste contexto, além de produzir mercadorias, se torna também uma destas, contudo com uma característica peculiar: É A ÚNICA MERCADORIA CAPAZ DE GERAR MAIS-VALOR PARA O BURGUÊS, e por isso, é a mais necessária para alimentar este modo de produção.
  8. 8. A mais - valia •Uma coisa é o valor da força de trabalho, isto é, o salário, e outra é quanto esse trabalho rende ao capitalista. Esse valor excedente produzido pelo operário é o que Marx chama de mais- valia.
  9. 9. A mais - valia • Custo de um par de sapatos na jornada de trabalho de 3 horas • Meios de produção + salário → 120 + 30 = 150 • (100 moedas de matéria prima, mais 20 moedas com o desgaste dos instrumentos, mais 30 de salário diário pago a cada trabalhador).
  10. 10. A mais - valia •Custo de um par de sapatos na jornada de trabalho de 3 horas (numa jornada de 9h) Meios de produção + salário → 120 x 3 = 360 ; 360 + 30 = 390 ; 390 / 3 = 130 cálculo do valor dos três pares, a quantia investida em meios de produção também foi multiplicada por três, mas a quantia relativa ao salário – correspondente a um dia de trabalho – permaneceu constante. Desse modo o custo de cada par de sapatos se reduziu a 130 moedas.
  11. 11. A mais - valia • Acabamos de confirmar matematicamente que uma coisa é o valor da força de trabalho, isto é, o salário, e outra é o quanto esse trabalho rende à/ao capitalista. Esse valor excedente produzido pelo operário é o que Marx chama de mais-valia.
  12. 12. Propriedade privada • Ao refletirmos sobre as estratégias de manutenção do sistema capitalista de produção, nos deparamos com um fato essencial à reflexão: a propriedade privada, ao estabelecer uma relação entre aqueles que a detém, e aqueles que são explorados por não detê-la, cria, necessariamente, uma relação de desigualdade em nossa sociedade. A princípio de caráter material, essa desigualdade vai assumindo na dinâmica social, outras faces, se expressando, inclusive, na ocupação dos espaços na cidade.
  13. 13. Nosso mundo ontem e hoje “A Liberdade Guiando o Povo” de Delacroix
  14. 14. Nosso mundo ontem e hoje
  15. 15. Nosso mundo ontem e hoje
  16. 16. Nosso mundo ontem e hoje Il Quarto Stato, 1901 G. Pelliza da Volpeddo
  17. 17. Nosso mundo ontem e hoje O concerto , c. 1875, óleo sobre tela de James Jacques, Joseph Tissot. Galeria de arte de Manchester, Reino Unido.

×