Aula de revisão de conteúdo – 7º ano

1.798 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.798
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
622
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula de revisão de conteúdo – 7º ano

  1. 1. AULA DE REVISÃO DE CONTEÚDO – 7º ano
  2. 2. Senso comum x ciência O senso comum constrói seu conhecimento com base na observação, aparência, na forma como as coisas parecem ser após uma rápida observação. Adriano Giglio nos diz que o senso comum são certezas e convicções sem a base de uma adequada compreensão, sendo ditas pelas pessoas a todo instante sobre as mais diversas coisas. Sendo assim, o que o senso comum concebe determinados fenômenos baseia-se em preconceitos construídos sobre algo desconhecido e misterioso para a maioria das pessoas. Já a atitude científica desconfia da veracidade das nossas certezas, da aceitação imediata das coisas, da ausência de crítica e da falta de curiosidade, diz Marilena Chauí. A ciência busca medidas, padrões, critérios de avaliação e comparação para avaliar fenômenos físicos e sociais; ela não se deixa levar por primeiras impressões, só estabelecendo relações causais depois de investigar a natureza ou estrutura de algum fato.
  3. 3. SOCIEDADE, CULTURA E SOCIALIZAÇÃO Para as ciências sociais os indivíduos são fortemente orientados pela sociedade – por isso há diversas formas de ser indivíduo. Somos resultados de processos sociais e históricos que possibilitam nossas formas de existência. Os indivíduos, sob a orientação da cultura, dão origem as relações que constroem os sistemas sociais formadores das sociedades. O processo pelo qual as pessoas aprendem a viver em sociedade é chamado de socialização, ou melhor, aprendem a ser tornar membros de uma dada coletividade. Para isso, as normas e os valores da sociedade precisam ser interiorizados. A socialização é, portanto, um processo de aprendizagem: as pessoas, a partir das várias interações, aprendem progressivamente a adotar um comportamento esperado pelos demais membros da coletividade.
  4. 4. SOCIALIZAÇÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA A socialização se divide em duas partes: socialização primária e socialização secundária. A socialização primária ocorre ao longo da infância, fornecendo à criança as primeiras referências sociais que serão determinantes por toda a vida. A socialização primária é essencialmente familiar. Por sua vez, a socialização secundária é aquela que se processa ao longo da vida social. Os espaços de sociabilidade como a escola, as igrejas, os grupos de amigos, a vizinhança, local de trabalho, etc., são responsáveis pela socialização secundária.
  5. 5. STATUS, PAPEL SOCIAL E ESPAÇOS DE SOCIABILIDADE Papel social – É um padrão de comportamento esperado, exigido de uma pessoa que ocupa um determinado status. Status social – É o lugar ou posição que a pessoa ocupa na estrutura social, de acordo com um julgamento coletivo ou consenso do grupo. Todo indivíduo ocupa, em um grupo social, uma determinada posição. Essa posição é chamada de status social. Espaços de sociabilidade – São espaços com regras, valores e hierarquias específicas onde ocorre o processo de socialização.
  6. 6. Cultura Para as Ciências Sociais, a cultura é um sistema de regras e normas de conduta que asseguram, sustentam, a existência e a conservação de determinado grupo. A cultura organizaria “toda a vida social dos indivíduos e da comunidade, tanto por determinar o modo de estabelecimento dos costumes e de sua transmissão de geração a geração como por presidir [comandar] ações que criam as instituições sociais (religião, família, formas de trabalho, guerra e paz, distribuição das tarefas, formas de poder etc.) A cultura… - Condiciona nossa visão de mundo; - É dinâmica; - Define nossa identidade: EU x OUTROS; - Interfere no plano biológico; Como a cultura é transmitida? - Processo de socialização: - Hábitos, costumes, regras, histórias (mitos), rituais, língua. Como a cultura se manifesta? - Festas; - Danças; - Música; - Vestimentas; - Artefatos; - Culinária; - Religiosidade; - Modo de vida;
  7. 7. IDENTIDADE SOCIAL E INDIVIDUAL Os indivíduos que são socializados em um mesmo ambiente cultural passam a possuir uma série de comportamentos, valores, práticas e crenças semelhantes. A essas semelhanças que conectam e fazem com que um grupo de indivíduos sintam-se identificados /parecidos uns com os outros damos o nome de identidade social. Em nossa sociedade, fazem parte da identidade individual o nosso nome, as impressões digitais, os dados genéticos, a personalidade, as feições físicas, os gostos e escolhas pessoais, os documentos de identificação, etc.
  8. 8. Etnocentrismo O professor Everardo Rocha diz que “o etnocentrismo é uma visão do mundo onde o nosso próprio grupo é tomado como centro de tudo, e todos os outros são pensados e sentidos através dos nossos valores, nossos modelos, nossas definições do que é a existência.” A palavra etnocentrismo quer dizer “minha etnia no centro do mundo”. O conceito de etnocentrismo é usado para caracterizar comportamentos e formas de pensar de pessoas que repudiam, menosprezam e desqualificam culturas, costumes e povos que têm padrões culturais diferentes daqueles vivenciados por elas. O etnocentrismo é uma forma de pensamento que julga culturas diferentes – vistas como “o outro” – com o olhar dos seus próprios valores, dos seus próprios costumes.
  9. 9. ESTEREÓTIPO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO O estereótipo é uma generalização apressada, é uma forma de tornar universal (ou seja, válida para todo um grupo) uma característica particular. Os estereótipos são “imagens” criadas por um grupo, atribuindo comportamentos e “essências” a um grupo social. Estamos estereotipando grupos sociais quando dizemos: “todo judeu é pão duro!” ou “todo índio é preguiçoso”. Os estereótipos são produzidos e produzem preconceitos. Preconceito é um juízo, um julgamento pré-estabelecido, baseado em crenças, juízos de valor, opiniões que formamos sem conhecer devidamente a realidade sobre a qual nos manifestamos. Portanto, pré-conceito significa “conceito prévio”, formulado sem o cuidado de permitir que os fatos sejam investigados. O preconceito tem muitas consequências sociais, e uma delas é a discriminação - a qual já foi praticada por muitos governos em ações tornadas legítimas. A discriminação acontece quando colocamos em prática os nossos pensamentos preconceituosos.
  10. 10. RELATIVIZAÇÃO E DIVERSIDADE CULTURAL O esforço das Ciências Sociais se direciona no sentido de explicar que, em última instância, toda e qualquer cultura, a qualquer tempo, é apenas mais uma possibilidade dentre tantas outras possíveis. O relativismo cultural pressupõe a aceitação de que não há mais um centro, assim como não há um povo ou grupo privilegiado, superior dentre os demais; o outro pode tanto quanto eu, é tanto quanto eu. Enquanto o etnocentrismo é um preconceito ou uma forma de hierarquizar as culturas, o relativismo cultural procura analisar e compreender a diversidade de sociedades e culturas existentes. Quando relativizamos somos capazes de nos colocar no lugar do outro e compreender sua visão de mundo através da sua cultura.
  11. 11. RAÇA E RACISMO Podemos sintetizar o conceito de racismo como uma teoria que sustenta a superioridade de certas “raças” em relação a outras, defendendo ou não segregação racial ou até mesmo a extinção de determinados grupos subalternos. Racismo é uma ideia europeia (ocidental) excludente, porque defende a universalização do conceito de humanidade. A inexistência das raças biológicas ganhou força com as recentes pesquisas genéticas.  Os geneticistas descobriram que a constituição genética de todos os indivíduos é semelhante o suficiente para que a pequena porcentagem de genes que se distinguem (que inclui a aparência física, a cor da pele etc) não justifique a classificação da sociedade em raças. Essa pequena quantidade de genes diferentes está geralmente ligados à adaptação do indivíduo aos diferentes meio ambientes. Se é inegável concluir que o racismo ainda existe – e tem força – a ideia de que a espécie humana pode ser dividia em raças está cada vez mais ultrapassada. O Projeto Genoma Humano afirma que, biologicamente, não existem diferenças raciais entre os humanos, pois a diferença de uma pessoa para outra é pouco mais 0,01%. Não se justifica mais nenhum argumento dizendo que existem homens inferiores ou superiores devido a cor da pele, formato de nariz, tipo de cabelo
  12. 12. MISCIGENAÇÃO: TUDO JUNTO E MISTURADO? Vamos falar sobre a história do nosso país? No final do século XIX e início do XX se deu a política de branqueamento da população, baseada no racismo científico, que tinha como objetivo de acelerar o “desenvolvimento” do Brasil, que era considerada uma nação atrasada por conta dos negros e mestiços. Na década de 30, com a publicação da obra Casa Grande e Senzala de Gilberto Freyre, a miscigenação passa a ser considerada um fator positivo. Este discurso ao longo do século XX ganha força e enaltece a ideia de “democracia racial brasileira”. No entanto, o que visualizamos é uma realidade profundamente marcada pelas desigualdades baseadas na discriminação e no

×