Apresentação PF

269 visualizações

Publicada em

Implantação do Processo Gerência de Requisitos no MPS.BR em uma Empresa de Desenvolvimento de Software

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
269
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação PF

  1. 1. Implantação do Processo de Gerência de Requisitos do MPS.BR em uma Empresa de Desenvolvimento de Software Autora: Camila Teodoro da Silva Orientadora: Vera Maria Benjamim Werneck Co-orientador: Orlando Bernardo Filho
  2. 2. Roteiro Objetivos Fundamentação Teórica Crise do Software Engenharia de Software MPS.BR Gerência de Requisitos A empresa e o cenário atual Metodologia Proposta Ferramentas Análise de Conformidade
  3. 3. Objetivos Estabelecer um Processo de Gerência de Requisitos (GRE) Implantar o processo de Gerência de Requisitos Atender aos requisitos do MPS.BR para o Processo de Gerência de Requisitos Atender aos atributos de processo (AP’s) do GRE exigidos para o nível G
  4. 4. Crise do Software Preço do hardware diminuiu Demanda por software aumentou Softwares mais complexos Dificuldade de manutenção Estimativas imprecisas de prazo e custo Muitos erros e falta de confiabilidade Falta de métodos, ferramentas e procedimentos Crise do SoftwareCrise do Software Engenharia deEngenharia de SoftwareSoftware
  5. 5. Engenharia de Software Métodos Detalhes de como desenvolver o software Planejamento e estimativas Análise de requisitos Projeto de arquitetura e dos dados Codificação e teste Manutenção Ferramentas Maneira automatizada ou semi-automatizada para apoiar os métodos Procedimentos Define a ordem em que os métodos serão utilizados Normas e Modelos de QualidadeNormas e Modelos de Qualidade ISSO/IEC 12207ISSO/IEC 12207 ISSO/IEC 15504ISSO/IEC 15504 CMMICMMI MPS.BRMPS.BR
  6. 6. MPS.BR Programa de Melhoria do Processo de Software Brasileiro Em desenvolvimento desde 2003 Coordenado pela SOFTEX Apoio Ministério da Ciência e Tecnologia FINEP SEBRAE Banco Interamericano de Desenvolvimento De acordo com a realidade das empresas brasileiras (micro, pequenas e médias) Objetivo Principal: Disseminação e adoção do modelo MPS
  7. 7. Modelo MPS Baseado nos conceitos de maturidade e capacidade de processos.
  8. 8. Processos
  9. 9. Gerência de Requisitos O objetivo do gerenciamento de requisitos é documentar, organizar, e rastrear os requisitos, além de controlar o seu desenvolvimento e as mudanças. É garantir que não haja inconsistênciasnão haja inconsistências entre o que foi especificado e o que está sendo desenvolvido e garantir que não haja inconsistências entre um requisito e outro. Além de garantir que os requisitos tenham sido entendidosentendidos e possam ser identificadosidentificados, validadosvalidados, testadostestados e rastreadosrastreados.
  10. 10. A Empresa Uma empresa de Tecnologia da Decisão que desenvolve soluções que auxiliam decisores a definir estratégias, planejar operações, reduzir custos, diminuir riscos e fazer o planejamento a curto, médio e longo prazo.
  11. 11. Cenário Atual Casos de Uso confeccionados em documento Word ou na Wiki Mudanças nos requisitos -> Documentos desatualizados Solicitações de Mudança não documentadas Dificuldade de encontrar origem dos erros Atrasos no cronograma Re-trabalho, custos elevados Insatisfação dos clientes e usuários
  12. 12. Metodologia Proposta Alteração na estrutura organizacional
  13. 13. Política do Processo de GRE O objetivo da política é descrever as expectativas da empresa para o gerenciamento de requisitos dos projetos de desenvolvimento.
  14. 14. Plano de Gerência de Requisitos O objetivo do plano é descrever como será realizado o gerenciamento dos requisitos do projeto. Glossário Papéis e Responsabilidades Critérios de Aceitação e Avaliação de Requisitos Ferramentas, Documentos Estratégia de Rastreabilidade
  15. 15. Ferramentas
  16. 16. Confluence Aplicativo Wiki Edição de página Web Colaboração no ambiente corporativo Compartilhamento de conteúdo Plug-ins Integração Confecção de documentos Rastreabilidade Horizontal
  17. 17. JIRA Issue Tracking Gerenciamento de projetos Customizável Atribuições de tarefas Notificações por email Gerenciamento de bugs Plug-ins
  18. 18. Use Case Issue Plano de Estrutura de Issues
  19. 19. Supplementary Requirement Issue Plano de Estrutura de Issues
  20. 20. Change Request Issue Plano de Estrutura de Issues
  21. 21. JIRA Subversion Plugin Integração JIRA + Subversion Informações sobre os commits Rastreabilidade vertical
  22. 22. Clone and Move Plugin
  23. 23. Trackback
  24. 24. Mylyn Plug-in do Eclipse Gerenciamento de Tarefas Integração do Eclipse com o JIRA
  25. 25. TortoiseSVN Blame: Linha de código contém ID do responsável e número da revision
  26. 26. TortoiseSVN Show Log: Mostra o comentário do commit
  27. 27. Análise de Conformidade GRE1 – Os requisitos são entendidos, avaliadosGRE1 – Os requisitos são entendidos, avaliados e aceitos junto aos fornecedores dee aceitos junto aos fornecedores de requisitos, utilizando critérios objetivosrequisitos, utilizando critérios objetivos Evidências Plano de Gerência de Requisitos: Define quais os documentos de requisitos, como são avaliados, e deverá haver registro dos aceites dos requisitos. Agenda para Detalhamento dos Casos de Uso: Comprova que há um planejamento para que haja um entendimento dos requisitos.
  28. 28. Análise de Conformidade GRE1 – Os requisitos são entendidos, avaliadosGRE1 – Os requisitos são entendidos, avaliados e aceitos junto aos fornecedores dee aceitos junto aos fornecedores de requisitos, utilizando critérios objetivosrequisitos, utilizando critérios objetivos Evidências Casos de Uso, Especificações Suplementares e Solicitações de Mudança: Representam a comprovação do entendimento dos requisitos. Registro de Aceite: Garantia de que os requisitos propostos atendem às necessidades e expectativas do cliente e dos usuários. Critérios de Aceitação e Avaliação dos Requisitos: Evidência de que os requisitos são avaliados e aprovados com base em um conjunto de critérios objetivos, previamente estabelecidos.
  29. 29. Análise de Conformidade GRE2 – O comprometimento da equipe técnicaGRE2 – O comprometimento da equipe técnica com os requisitos aprovados é obtidocom os requisitos aprovados é obtido Evidência: Issues de Requisitos: Campos “Suggested by” e “Assignee” representam o fornecedor do requisito e o responsável por sua implementação, respectivamente.
  30. 30. Análise de Conformidade GRE3 – A rastreabilidade bidirecional entre osGRE3 – A rastreabilidade bidirecional entre os requisitos e os produtos de trabalho érequisitos e os produtos de trabalho é estabelecida e mantidaestabelecida e mantida Evidências: Plano de Gerência de Requisitos: Seção “Estratégia de Rastreabilidade”. Sub-Tasks das Issues: Geram os relacionamentos descritos na seção “Estratégia de Rastreabilidade”. Mylyn: Mantém a rastreabilidade entre requisito e código. Links entre casos de uso: Mantém a rastreabilidade entre requisitos.
  31. 31. Análise de Conformidade GRE4 – Revisões em planos e produtos deGRE4 – Revisões em planos e produtos de trabalho do projeto são realizadas visando atrabalho do projeto são realizadas visando a identificar e corrigir inconsistências emidentificar e corrigir inconsistências em relação aos requisitosrelação aos requisitos Evidências: Sub-tasks Validation, Documentation Test e Implementation Test: Representam revisões que verificam a consistência entre os requisitos e os produtos de trabalho. Plano de Gerência de Requisitos: Seção “Revisões em Planos e Produtos de Trabalho”.
  32. 32. Análise de Conformidade GRE5 – Mudanças nos requisitos sãoGRE5 – Mudanças nos requisitos são gerenciadas ao longo do projetogerenciadas ao longo do projeto Evidências: Issues do tipo Change Request: Acompanhamento de toda a vida de uma solicitação de mudança. Plano de Gerência de Requisitos: Seção “Revisão em planos e produtos de trabalho” apresenta a descrição do como proceder ao haver mudança nos requisitos, e seção “Itens de Rastreabilidade” apresenta as solicitações de mudança como itens a serem rastreados.
  33. 33. Análise de Conformidade RAP1 – O processo atinge seus resultadosRAP1 – O processo atinge seus resultados definidosdefinidos Evidências: Fluxos executados no JIRA: Os resultados dos processos geram os principais produtos requeridos. Casos de Uso, Especificações Suplementares e Solicitações de Mudança: Link de rastreabilidade e controle de versões garantem que o processo de gerência de requisitos está sendo executado corretamente.
  34. 34. Análise de Conformidade RAP2 – Existe uma política organizacionalRAP2 – Existe uma política organizacional estabelecida e mantida para o processoestabelecida e mantida para o processo Evidências: Política do Processo de Gerência de Requisitos
  35. 35. Análise de Conformidade RAP3 – A execução do processo é planejadaRAP3 – A execução do processo é planejada Evidências: Aplicação da Política do Processo de Gerência de Requisitos: Possui a descrição do processo, as responsabilidades e atividades para execução do mesmo. Plano de Gerência de Requisitos: Possui a descrição do processo, as responsabilidades e atividades para a execução do mesmo.
  36. 36. Análise de Conformidade RAP4 – (Para o nível G) A execução doRAP4 – (Para o nível G) A execução do processo é monitorada e ajustes sãoprocesso é monitorada e ajustes são realizadosrealizados Evidências: Aplicação da Política do Processo de Gerência de Requisitos: Possui a descrição do processo, as responsabilidades e atividades para execução do mesmo. Plano de Gerência de Requisitos: A seção “Revisões em Planos e Produtos de Trabalho” demonstra que há um monitoramento na execução do processo e que ações corretivas são tomadas sempre que necessário.
  37. 37. Análise de Conformidade RAP4 – (Para o nível G) A execução doRAP4 – (Para o nível G) A execução do processo é monitorada e ajustes sãoprocesso é monitorada e ajustes são realizadosrealizados Evidências: Reporte de Auditoria: Comprova o monitoramento da execução do processo. Plano de Gerência de Requisitos: A seção “Revisões em Planos e Produtos de Trabalho” demonstra que há um monitoramento na execução do processo e que ações corretivas são tomadas sempre que necessário.
  38. 38. Análise de Conformidade RAP5 – (Até o nível F) As informações e osRAP5 – (Até o nível F) As informações e os recursos necessários para a execução dorecursos necessários para a execução do processo são identificados e disponibilizadosprocesso são identificados e disponibilizados Evidências: Plano de Gerência de Requisitos: A seção “Ferramentas” mostra recursos (ferramentas) necessários para a execução do processo. A seção “Papéis e Responsabilidades” mostra as funções necessárias para execução do processo. Observações: Não foram apresentadas definições de recursos financeiros e de condições físicas adequadas, apenas ferramentas.
  39. 39. Análise de Conformidade RAP6 – (Até o nível F) As responsabilidades e aRAP6 – (Até o nível F) As responsabilidades e a autoridade para executar o processo sãoautoridade para executar o processo são definidas, atribuídas e comunicadasdefinidas, atribuídas e comunicadas Evidências: Plano de Gerência de Requisitos: Seção “Papéis e Responsabilidades”. Email de criação de issue.
  40. 40. Análise de Conformidade RAP7 – (Até o nível F) As pessoas queRAP7 – (Até o nível F) As pessoas que executam o processo são competentes emexecutam o processo são competentes em termos de formação, treinamento etermos de formação, treinamento e experiênciaexperiência Evidências: Plano de Gerência de Requisitos: A seção “Papéis e Responsabilidades” mostra as competências necessárias para a execução do processo. Observações: A empresa deve fazer um dossiê com o currículo de todos os funcionários, e, se possível, anexando cópia dos certificados dos colaboradores.
  41. 41. Análise de Conformidade RAP8 – A comunicação entre as partesRAP8 – A comunicação entre as partes interessadas no processo é gerenciada deinteressadas no processo é gerenciada de forma a garantir o seu envolvimentoforma a garantir o seu envolvimento Evidências: Não há Observações: A empresa pode estabelecer que cada projeto deva ter um Plano de Comunicação para identificar os interessados e permitir que se mantenha a comunicação entre eles.
  42. 42. Análise de Conformidade RAP9 – (Até o nível F) Os resultados doRAP9 – (Até o nível F) Os resultados do processo são revistos com a gerência de altoprocesso são revistos com a gerência de alto nível para fornecer visibilidade sobre a suanível para fornecer visibilidade sobre a sua situação na organizaçãosituação na organização Evidências: Não há Observações: O gerente de projeto poderá definir reuniões periódicas no Plano de Comunicação para comunicar o estado da execução do processo à gerência de alto nível.
  43. 43. Análise de Conformidade RAP10 – (Para o nível G) O processo planejadoRAP10 – (Para o nível G) O processo planejado para o projeto é executadopara o projeto é executado Evidências: Reporte de Auditoria: Garante que existem registros da execução do processo.
  44. 44. Conclusões Todos os Resultados Esperados do GRE foram totalmente implementados. O AP1.1 foi totalmente implementado 70% dos Resultados Esperados dos AP’s foram atingidos pela metodologia proposta Nível deNível de ImplementaçãoImplementação T 11 L 1 P 1 N 2 Trabalhos Futuros Implementar os RAP’s que foram classificados como P e N Implementar os demais Processos do MPS.BR, em especial do nível G
  45. 45. Principais Referências http://www.atlassian.com http://www.eclipse.org http://www.softex.br PFLEEGER, Shari Lawrence. Engenharia de Software: Teoria e Prática. PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software. SOMMERVILE, Ian. Engenharia de Software.
  46. 46. Obrigada Dúvidas?

×