Para uma pedagogia do conflito

2.865 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.865
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
65
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Para uma pedagogia do conflito

  1. 1. Para uma pedagogia do conflitoVivemos em um tempo paradoxal.Tempo de mudanças vertiginosas produzidas pela globalização, a sociedade doconsumo e a sociedade de informação.Mas também um tempo de estagnação, para na impossibilidade de pensar atransformação social radical.Vivemos de fato, num tempo simultaneamente de conflito e de repetição.Teoria do Fim da Historia: Visão da burguesia internacional, que entende o tempo transformado na repetição automática e infinita de seu domínio. O longo prazo colapsa assim no curto prazo e este, que foi sempre o quadro temporal do capitalismo, permite finalmente a burguesia produzir a única teoria da historia verdadeiramente burguesa. Slogan celebração – versão capitulista do pensamento pós- moderno. Hoje a burguesia sente que sua vitória histórica esta consumada e ao vencedor consumado não interessa senão a repetição do presente. Teoria da historia da modernidade desvalorizou sistematicamente o passado em beneficio do futuro. Contribuiu para trivializar, banalizar os conflitos e o sofrimento humano de que é feita a repetição do presente neste fim de século. – Essa trivialização traduz-se na morte do espanto e da indignação, e esta na morte do conformismo e da rebeldia.O passado foi sempre concebido como reacionários e o futuro como progressista.Futuro – modernidade ocidental – progressoOs grandes vencidos do processo histórico capitalista, os trabalhadores e os povos doterceiro mundo, descreem hoje do progresso porque foi em nome dele que viram sedegradar-se as suas condições de vida e as suas perspectivas de libertação.O sofrimento humano mediatizado pela sociedade da informação esta transformadonuma telenovela interminável em que as cenas dos próximos capítulos são semprediferentes e iguais as cenas dos capítulos anteriores.A necessidade de outra teoria da historia: Devolva ao passado sua capacidade de revelação reanime o nosso olhar para as imagens desestabilizadoras. Será através dessas imagens desestabilizadoras que será possível recuperar a nossa capacidade de indignação e espanto e de através dela, recuperar o nosso inconformismo e a nossa rebeldia.
  2. 2. Projeto educativo emancipatório: Projeto orientado para combater a trivialização do sofrimento, por via de produzir imagens desestabilizadoras a partir do passado concebido não como fatalidade, mas como produto da iniciativa humana. Objetivo principal consiste em recuperar a capacidade de espanto e de indignação e orienta-la para a formação de subjetividades inconformistas e rebeldes. Só o passado como opção e como conflito é capaz de desestabilizar a repetição do presente. Maximizar essa desestabilização. Projeto de memoria e denuncia e projeto de comunicação e cumplicidade.Perfil epistemológico do projeto: Não há uma, mas muitas formas ou tipos de conhecimento. Todo conhecimento é uma pratica social de conhecimento. Conflitos sociais – conhecimentos de conhecimentos. O projeto educativo emancipatório é um projeto de aprendizagem de conhecimentos conflituantes, com o objetivo de através dele produzir imagens radicais e desestabilizadoras dos conflitos sociais em que se traduziram o passado, imagens capazes de potenciar a indignação e a rebeldia.A educação para o inconformismo tem de ser ela própria inconformista.A aprendizagem da conflitualidade dos conhecimentos tem de ser ela própria conflitual.A sala de aula tem de se transformar em um campo de possibilidades de conhecimentodentro do qual há que optar. Transformar a educação, convertendo-a no processo de aquisição daquilo que seaprende, mas não se ensina o senso comum.O conhecimento só suscita o inconformismo na medida em que se torna senso comum,o saber evidente que não existe separado das praticas que o confirmam.Uma educação que parte da conflitualidade dos conhecimentos visará, em ultimainstancia conduzir a conflitualidade entre sensos comuns alternativos, entre saberespráticos que trivializam o sofrimento humano e saberes práticos que se inconformamcom ele....Três conflitos de conhecimento: - Aplicação técnica e a aplicação edificante da ciência. -conhecimento como regulação e conhecimento com emancipação -imperialismo cultural e multiculturalismo.
  3. 3. - Aplicação técnica e a aplicação edificante da ciência.Não é um conflito de conhecimento é de aplicação de conhecimento.Os sistemas educativos da modernidade ocidental foram moldados por um tipo único deconhecimento, o conhecimento cientifico, e por um tipo único da sua aplicação, aaplicação técnica.A criação moderna dos sistemas educativos coincide com a consolidação da ciênciamoderna enquanto modo hegemônico de racionalidade.Conversão progressiva da ciência em força produtiva.Os sistemas educativos pressupõem, que entre ciência e produção há uma distancia, eque essa distancia é medida pela aplicação técnica da ciência.As características da aplicação técnica da ciência:  - quem aplica o conhecimento esta fora da situação existencial em que incide a aplicação e não é afetado por ela.  - existe uma separação total entre fins e meios. Pressupõem-se definidos os fins e a aplicação incide sobre os meios.  - não existe mediação deliberativa entre o universal e o particular. A aplicação procede por demostraçõesnecessárias que dispensam argumentação.  - a aplicação assume como única a definição da realidadeda dada pelo grupo dominte e força-a. escamoteia os eventuais conflitos e silencia as definições alternativas.  - a aplicação do know-how técnico torna dispensável, e até absurda, qualquer discussão sobre um know-how ético. A naturalização técnica das relações sociais obscurece e reforça os desequilíbrios de poder que as constituem.  - A aplicação é unívoca e o seu pensamento é unidimensional. Os saberes locais ou são recusados ou são funcionalizados e em, qualquer caso, tendo sempre em vista a diminuição das resistências ao desenrolar da aplicação.  - os custos da apliação são sempre inferiores aos benefícios e uns e outro são avaliados quantitativamente a luz de efeitos imediatos do grupo que move a aplicação. Quanto mais fechado o horizonte contabilístico, tanto mais evidentes os fins e mais disponíveis os meios.Na sua origem, este modelo visou converter todos os problemas sociais e políticos emproblemas técnicos e resolve-los de modo cientifico, isto é, eficazmente com totalneutralidade social e politica.Problemas no século XIX: a desorganização da sociedade rural e a anomia urbanacausada pela urbanização caótica, a industrialização vertiginosa, a revolta das “classesperigosas” vivendo na miséria ao lado da abundancia, as rivalidades colonialistas eimperialistas entre os estado nacionais e a iminência da guerra, a degradação danatureza pelo uso selvagem dos recursos naturais.
  4. 4. Descredito para com esse modelo – dimensão do descredito com o futuro.O projeto educativo emancipatório tem de criar um campo epistemológico em que omodelo de aplicação técnica da ciência seja posto em conflito com um modeloalternativo. O conflito entre os dois modelos passara a constituir, neste domínio, o cernedo processo de ensino-aprendizagem.Modelo alternativo; modelo de aplicação edificante da ciência. Pautado pelas seguintescaracterísticas: - a aplicação tem sempre lugar numa situação concreta em que quem aplica esta existencial, ética e socialmente comprometido com o impacto da aplicação. - os meios e os fins não estão separados e a aplicação incide sobre ambos. Os fins são se concretizam na medida em que se discutem os meios adequados a situação concreta. - a aplicação é assim, um processo argumentativo e a adequação, maior ou menos da apliacação reside no equilíbrio, maior ou menor, das competências argumentativas entre os grupos que lutam pela decisão do conflito a seu favor (o consenso não é média, nem neutro). -O cientista deve, pois, envolver-se na luta pelo equilíbrio de poder, nos vários contextos de aplicação e para isso, terá de tomar o partido daqueles que tem menos poder. Cada mecanismo de poder cria a sua própria micro hegemonia. Quem tem menos desse poder tende, por isso a não ter argumentos para ter mais desse poder e muito menos para ter tanto poder quanto o do grupo hegemônico. A aplicação edificante consiste em revelar argumentos e tornar legitimo e credível para seu uso. - a aplicação edificante procura e reforça as definições emergentes e alternativas da realidade, para isso deslegitima as formas institucionais e os modos de racionalidade em cada um dos contextos.Por outro lado a aplicação edificante tem nesta fase de transição paradigmática, de partirdos consensos locais para criar mais conflito, em resultado do maior esclarecimento dasrazoes contingentes que sustentam muito do que surge como socialmente necessário.A ciência que se pauta pela aplicação edificante do conhecimento não interessa que atransformação seja moderada ou radical, reformista ou revolucionaria, interessa t asoque ela ocorra pela ampliação da comunicação e da argumentação, oque obviamente,não obsta a intensidade do conflito ou a incondicionalidade do empenho que tantos neleparticipam.A aplicação edificante vigorosa ocorre dentro da própria comunidade cientifica etécnica.Os cientistas e os técnicos apostados nela lutam pelo aumento da comunicação e daargumentação no seio da comunidade cientifica e técnica e lutam, por isso contra asformas institucionais e os mecanismos de poder que nela produzem violência,silenciamento e estranhamento.
  5. 5. Transformação dos saberes locais – transformação do saber cientifico – transformaçãodo sujeito epistêmico (do ser cientista, do ser técnico).O projeto educativo conflitual faz do conflito entre o modelo de aplicação técnica e omodelo de aplicação edificante um dos eixos principais do ensino aprendizagem.-conhecimento como regulação e conhecimento com emancipaçãoCiencia moderna – forma de conhecimento hegemônico – sistema educativo, como foradele – entretanto hegemonia em risco.Dicotomia sujeito-objeto, ou a concepção da natureza como entidade separada dasociedade e da cultura.Transição paradigmática: Paradigma da ciência moderna – será substituído por outro paradigma de conhecimento ainda por definir, mas designado como um paradigma de conhecimento prudente para uma vida descente. Objetivo de reconstruir um conflito epistemológico matricial –conflito: conflito entre o conhecimento como regulação e conhecimento como emancipação.Paradigma da modernidade comporta as duas formas de conhecimento: C. R.: trajetória entre um ponto de ignorância designado por caos e um ponto de conhecimento, designado por ordem. C. E.: trajetória entre um ponto de ignorância denominado colonialismo e um ponto de conhecimento chamado solidariedade.Sendo que no ultimo século o C. R. ganhou primazia.... com isso a ordem passou a ser aforma hegemônica de conhecimento e o caos, a forma hegemônica de ignorância.Conflito pedagógico: reconstruir o conflito entre o C.R. e o C.E.-imperialismo cultural e multiculturalismo.Transborda os limites da modernidade eurocêntrica, para além de ser um conflitoepistemológico, é acima de tudo um conflito cultural.Sistemas educativos da modernidade – mapa projeção de Mercator(coloca o continenteeuropeu no centro do mapa) – cultura eurocêntrica ocupa todo o tamanho do mapa –mapa do imperialismo cultural do ocidente.No sistema educativo hegemônico as outras culturas ou estão ausentes ou estãomerecidamente vencidas, marginalizadas ou suprimidas.
  6. 6. A globalização da economia, por um lado proclamou globalmente a hegemonia dofundamentalismo neoliberal.A africa foi integrada neste modelo da maneira mais cruel pela exclusão total, pelafome, pelas epidemias e pela guerra.Os processos de globalização ocorreram de par com os processos de localização, com aadoção de politicas de identidade por parte de grupos sociais vitimizados direta ouindiretamente, pela globalização hegemônica.Vitimizados pelo fundamentalismo neoliberal –tendo visto o fracasso de outrasestratégias de desenvolvimento de raiz ocidental (nacionalismo, socialismo) – gerou aadoção de politicas afirmativas de identidade.Duas tendências contraditórias: uma que vai no sentido de agravamento dos conflitosculturais no final do século, outra que vai no sentido oposto, o do fim de tais conflitos.Agravamento dos conflitos: surge sob duas formas: hegemônica e contra hegemônica.Comum as formas hegemônicas e contra hegemônicas é a ideia de que os modelossociais de desenvolvimento, e portanto também a luta contra eles, não se sustentamapenas no plano econômico.Turbulência cultural contemporânea, é de sentido oposto a primeira e defende que quenas condições globais geradas, tanto pela sociedade do consumo, como pela sociedadeda informação, os conflitos culturais terão cada vez mais menos acutilância. Essatendência assume duas formas diferentes, ambas hegemônicas: - uma consiste na versão ultraliberal do relativismo cultural, na idéia de que todas as culturas e todas as versões da mesma cultura tem uma singularidade original que não permite nem comparações, nem diálogos profundos entre elas. - a outra consiste na forma de ver a tendência para atenuação dos conflitos culturais faz uma leitura da situação cultural parcialmente contraditória com a anterior. No lugar de culturas singulares estão a surgir culturas hibridas, produtos de fertilizações e contaminações cruzadas entre culturas.O fenômeno da hibridização torna mesmo difícil falar de culturas dominantes e culturasdominadas já que todas estão sujeitas ao mesmo processo de diluição da especificidade.Ainda temos a ideia de que por sobre as culturas existentes, todas elas especificas eparcelares, esta a emergir um cultural global, uma cultura global, uma cultura sem raízesnem lealdades locais, que é partilhada por gente em toda a parte do mundo, uma culturacosmopolita que subjaz ao que é globalmente comum a toda humanidade.Turbulência a que estão submetidos os mapas culturais que serviram como base aossistemas educativos modernos.
  7. 7. O imperialismo cultural longe de ter acabado apenas mudou de forma – assume ora aforma de choques culturais, ora a da hibridização e da cultura global.A existência de culturas dominantes e culturas dominadas, enquanto a cultura globalnão é mais que a globalização de certas características especifica da culturaeurocêntrica.Essa discussão acerca das culturas tem estado ausente dos sistemas educativos – Umprojeto educativo emancipatório tem de colocar o conflito cultural no centro do seuconflito.Mesmo algumas politicas contra hegemônicas como, por exemplo, da afirmação daidentidade nacional, étnica, sexual, cultural têm em suas versões mais extremas,contribuído para o separatismo e para a criação de guetos culturais mutuamenteincomunicáveis.Projeto educativo emancipatório: - definir corretamente a natureza do conflito cultural - investigar dispositivos que facilitem a comunicação. - conflito seja definido como conflito entre o imperialismo cultural e o multiculturalismo.Multiculturalismo como modelo emergente de interculturalidade.O modelo dominante do imperialismo cultural, não reconhece outro tipo de relaçõesentre culturas senão a hierarquização segundo critérios que são tidos como universaisainda que sejam específicos de um só universo cultural, a cultura ocidental.Superioridade cultural própria das culturas dominantes – justifica a existência deculturas dominadas – essa forma de superioridade pode se afirmar de várias formas,inclusive através de formas que aparentemente negam a ideia de hierarquia como ahibridização da cultura e a cultura global.Compete ao campo pedagógico emancipatório, criar imagens desestabilizadoras destetipo de relacionamento entre culturas. Estas imagens desestabilizadoras ajudarão a criaro espaço pedagógico para um modelo alternativo de relações interculturais – omulticulturalismo.Hermenêutica diatópica – dispositivo de comunicação multicultural. - baseado na ideia de que todas as culturas são incompletas - objetivo: maximizar a consciência de incompletude reciproca das culturas, através de um dialogo com um pé numa cultura e o outro pé noutra (dai seu caráter diatópico). - é um exercício de reciprocidade entre culturas que consiste em transformar as premissas de argumentação de uma dada cultura em argumentos inteligíveis e credíveis noutra cultura.
  8. 8. - dispositivo privilegiado do multiculturalismo enquanto modelo emergente de interculturalidade. - com um forte conteúdo utópico, a energia para a por em pratica advém-lhe de uma imagem desestabilizadora que designo por epistemicídio (o assassínio do conhecimento).Direitos humanos duas tradições ocidentais: a) liberal que da prioridade aos direitos cívicos e políticos, negligenciando os direitos econômicos e sociais. b) tradição marxista que sem perder de vista os direitos cívicos e políticos, da prioridade aos direitos econômicos e sociais.Conflito deve ocupar o centro de toda experiência pedagógica emancipatória.O conflito serve antes de mais, para vulnerabilizar e desestabilizar os modelosepistemológicos dominantes e para olhar para o passado através do sofrimento humanoque, por via deles e da iniciativa humana a eles referida, foi indesculpavelmentecausado.Esse olhar produzira imagens desestabilizadoras susceptíveis de desenvolver nosestudantes e professores a capacidade de espanto e de indignação e a vontade derebeldia e de inconformismo.Aprender o mundo de modo edificante, emancipatório, e multicultural.

×