Sociabilidade brasileira

1.171 visualizações

Publicada em

Apresentação feita ao Grupo de Planejamento sobre as raízes da sociabilidade no Brasil, ou porque este povo possui uma grande facilidade para se relacionar.

Publicada em: Educação
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Muito bom Camila! Parabéns! Você chegou a publicar artigos com esse conteúdo?
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.171
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sociabilidade brasileira

  1. 1. SOCIABILIZAÇÃO DO BRASILEIRO
  2. 2. Metodologia da Pesquisa  Para  o  presente  estudo  foram  u/lizados  dados  encontrados  na  Internet,   de  Ins/tutos  idôneos  na  área  de  pesquisa,  bem  como  papers,  ar/gos  e   trechos   de   livros   de   autores   renomados   das   áreas   de   Sociologia,   Comunicação  e  História,  além  de  entrevistas  realizadas  por  conhecidos   veículos  de  comunicação  do  país.  
  3. 3. Presença do Brasileiro na Internet  O  Brasil  é  o  país  mais  presente  em  redes   sociais.  De  acordo  com  a  Nielsen,  que  realizou   estudo  durante  o  mês  de  abril,  86%  dos   internautas  brasileiros  estão  presentes  em  sites   do  segmento.  No  total,  mais  de  cinco  horas   foram  gastas  com  sites  como  Orkut,  YouTube  e   TwiNer  no  mês,  somente  no  Brasil.   Fonte:  ADNews  16/06/2010  
  4. 4. Mas por quê o brasileiro è tão sociável?
  5. 5.  Historicamente  e  sociologicamente  existem  3  possíveis   explicações  para  a  alta  sociabilidade  do  brasileiro:   1 Festas 3 Informalidade e Oralidade 2 Personalismo
  6. 6. 1Festas
  7. 7. O estudo das Festas no Brasil  As  FESTAS  consitutem  um  tema  privilegiado  pelos  estudiosos  brasileiros  no  âmbito   da  sociabilização.  Mas  são  poucos  os  textos  que  buscam  uma  apreensão  ideológica   do  tema.    As  festas,  no  período  colonial,  serviam  como   elemento  de  compressão  de  tensões  sociais.    Eram  patrocinadas  pelo  Estado  e  a  Igreja.    Por  muitos  anos,  a  insa/sfação  da  população   que  habitava  a  colônia  foi  abafada  por   inicia/vas  que  visavam  distrair  a  grande  massa.    Romarias,  saraus,  entrudos  (carnavais)  e  até   enterros  públicos  eram  mo/vos  para  celebrar.   Congado  em  São  João  Del  Rei.  
  8. 8. Adaptação das Festas  Através  da  incorporação  de  negros,  mulatos  e  índios,  tais  eventos  tenderam  a   adquirir  uma  cor  local.*   *Termo  extraído  do  texto  de  Caio  Boschi  Espaços  de  sociabilidade  na  América  Portuguesa  e  historiografia  brasileira  contemporânea.    Acréscimos  culturais:  celebrações  como  a   Lavagem  do  Bonfim  e  os  Congados  estão   repletas  de  sincre/smo  religioso  e  mistura  de   culturas  forçada  pelo  contexto  histórico-­‐ geográfico.    A  lavagem  das  escadarias  da  Igreja  do  Senhor   do  Bonfim  em  Salvador  é  feita  por  baianas   adeptas  do  Candomblé,  que  associam  Oxalá  ao   Senhor  do  Bonfim.  
  9. 9. Festas e resistência cultural  Segundo  Silvia  H.  Lara,  em  Campos  da  violência:  escravos  e  senhores  na   capitania  do  Rio  de  Janeiro,  estas  manifestações  populares  representavam   também  uma  forma  de  resistência  cultural,  que  acabava  por  preservar  a   iden/dade  cultural  daquele  grupo.      Acomodação  e  Neogciação  vistas  como  estratégias  de  resistência  na   preservação  de  sua  iden/dade.      
  10. 10. Portanto…  O  brasileiro  possui  uma  tradição  histórica  de  promover  festas  e   integração.      As  festas  podem  aqui  ser  entendidas  como  fator  de  preservação  da   idenNdade  dos  mais  desfavorecidos.      A  submissão  do  índio  e  do  negro  ao  europeu  gerou  um   sincreNsmo  cultural  e  religioso,  o  qual  favoreceu  a  preservação   das  idenNdades  originais  ou  pelo  menos  parte  delas.      
  11. 11. Aplicando às Redes Sociais  A  iden/dade  con/nua  a  ser  construída  em  espaços  públicos,  mas  agora   digitais,  e  o  testemunho/interação  com  o  “outro”  mantém-­‐se  essencial.      As  festas  ainda  são  locais  de  integração  e  interação,  mas  a  rede  possibilitou   extender  as  relações  para  os  momentos  que  precedem    (Data,  local  e  hora   da  festa  podem  ser  discu/dos  com  todos  os  convidados,  independente  do   número)  e  sucedem  o  evento  (registros  da  festa:  comentários  verbais  e   fotos).        
  12. 12. 2Personalismo
  13. 13. O Sistema de Dádivas Marcel   Mauss   aprofunda   a   idéia   de   Durkheim   acerca   da   existência   de   uma   obrigação   social   coleFva   que   se   impõe   sobre   as   diferenças   individuais,   para   assegurar  a  reprodução  social,  mas  supera  o  «  pai  fundador  »  ao  reconhecer  que   tais  diferenças  individuais  contêm  em  si  o  germe  da  totalidade  e,  por  isso,  essas   partes  (os  indivíduos  ou  grupos  de  indivíduos)  contêm,  igualmente,  as  sementes  da   autonomia  e  da  liberdade.   Trecho  extraído  da  pág.  6    do  texto  de  Leonardo  MoNa:  Dádiva  e  Sociabilidade  no  Brasil,  publicado  na  Revista  ANTHROPOLÓGICAS,  ano  6,  volume  13.   “
  14. 14. Dádiva = Dar, Receber e Retribuir
  15. 15. O Sistema de Dádivas A   dádiva   é   comum     em   países   de   3°   Mundo,   em   que   sendo   o   Estado   ineficiente   e   a   racionalidade   econômica   caó/ca,  os  grupos  tendem  a  organizar-­‐se   de   forma   a   suprir   suas   necessidades   básicas  usando  sistemas  de  reciprocidade,   como  os  mu/rões.   Mu/rão  de  voluntários  do  Projeto  um  Teto  para  o   Meu  País    contrói  casas  em  periferia  no  Brasil.  
  16. 16. O Sistema de Dádivas no Brasil No  país,  o  estudo  foi  incialmente  associado  ao  clientelismo  políNco.   Noção  de  permanente  endividamento  do  doador   face  ao  donatário.     O  mais  importante  é  não  ferir  o  código  moral   vigente:  a  lealdade  do  eleitor  e  o  bem  material   visto  sob  o  prisma  emocional.  
  17. 17. Uma troca… Amizade,  carinho  e   reconhecimento   Favores  pessoais,   profissionais  e   polí/cos   Lealdade  do   eleitor   Doação  Material   Visão  do   donatário     Visão  do   doador   ANtude  do   donatário   ANtude  do   doador  
  18. 18. O Sistema de Dádivas no Brasil Muito  u/lizado  no  Coronelismo  Nordes/no,  em   que  havia  frequentemente  uma  relação  de   “apadrinhamento.”     Segundo  Sérgio  Buarque  de  Holanda,  a  sociedade   brasileira  tende  ao  personalismo,  o  uso  de   contatos  pessoais  para  assuntos  profissionais  e   vice-­‐versa.  Tal  caracterís/ca  teria  sido  uma  herança   lusitana.  
  19. 19. Geração do Dito Popular Vale  mais  um  amigo  na  praça   do  que  dinheiro  no  bolso.   Trecho  extraído  da  pág.  8    o  texto  de  Leonardo  MoNa  Dádiva  e  Sociabilidade  no  Brasil,  publicado  na  Revista  ANTHROPOLÓGICAS,  ano  6,  volume  13.   “ ”
  20. 20. O Jeitinho Brasileiro O  jeiFnho  brasileiro  surge  como  vetor  através  do  qual  a  sociedade  brasileira   estabelece  uma  igualdade  e  uma  jusFça  social  que  se  consubstanciam,  não   através  de  um  acesso  justo  de  todos  aos  bens  materiais  e  nem  mesmo  pelo   tratamento   igualitário   dispensado   a   todos   por   parte   das   diferentes   insFtuições  sociais  e  do  Estado  brasileiro.  Ele  se  expressa  através  de  uma   hierarquia   de   necessidades   que   desconhece   desigualdades   sociais   e   igualdades   legais   e   se   volta,   exclusivamente,   para   as   desigualdades   situacionais  num  claro  indício  de  que  o  indivíduo,  tomado  como  referência,   não  é  o  cidadão  brasileiro  definido  pelo  nosso  sistema  legal,  mas  o  cidadão   brasileiro  definido  por  um  sistema  moral,  e  parte  de  uma  totalidade  mais   ampla  que  a  sociedade:  a  humanidade.   Trecho  extraído  de  Barbosa  1992:134  apud  MoNa  2002:115   “
  21. 21. O Jeitinho Brasileiro  Foi  a  deixa  para  a  criação  de  expressões  autoritárias  do   /po:  “Você  sabe  com  quem  está  falando?”      Intenção  de  subs/tuir  o  indivíuo  por  pessoa,  deixando  de   lado  as  formalidades  em  favor  da  construção  de  um  laço   social  direto.      Segundo  Barbosa  (1992),  o  jeito  é  diferente  do  favor,   uma  vez  que,  enquanto  se  pode  dar  um  “jei/nho”  com   qualquer  pessoa,  ao  se  pedir  um  favor  deve-­‐se  saber   com  quem  se  está  tratando.    Conhecido  como  o  modo  que  os  brasileiros  têm  de  driblar  trâmites   burocráNcos.  
  22. 22. O Jeitinho na visão do estrangeiro  Exagero  na  in/midade,  burocracia,  falta  de   planejamento  e  impontualidade.      Mas  também  um  ambiente  de  trabalho  mais  informal   e  descontraído:  maior  facilidade  na  convivência.      Um  bom  trabalho  em  equipe,  melhor  do  que  em   outras  nações.  Os  brasileiros  possuem  jogo  de  cintura   para  enfrentar  problemas  que  aparecem  sem  aviso   prévio.    Desde  a  invenção  de  Zé  Carioca  pelos  Estúdios  Disney,  o  JeiNnho  Brasileiro   tornou-­‐se  estereóNpo  de  todo  brasileiro:  malandro  e  mau  trabalhador.  Mas   quem  vem  para  o  país  a  trabalho  passa  a  ter  uma  outra  visão.  O  JeiNnho   provocaria:  
  23. 23. O Jeitinho na visão do estrangeiro  Excesso  de  improviso  pode  deixar  a   impressão  de  desleixo.      Mistura  de  assuntos  públicos  e  par/culares,   sendo  estes  muito  u/lizados  como  gancho  no   início  de  negociações.      Es/lo  mais  personalizado  de  liderar  muitas   vezes  faz  com  que  a  hierarquia  seja  temida.  Embalagem  de  batata  frita    usada  como  subs/tuta  de  cano   em  sistema  automo/vo.  
  24. 24. Portanto…  O  Sistema  de  Dádivas  ou  Jei;nho  Brasileiro  possui  uma  origem   histórica,  que  remonta  o  desenvolvimento  da  nossa  sociedade  e  a   forma  hierárquica  de  organização  polí/ca  e  social.        O  Jei;nho  Brasileiro  pode  ser  traduzido  como  uma  maior   informalidade  e  personalismo,  mesmo  em  ambiente  de  trabalho,   principalmente  se  feita  uma  comparação  com  outros  países.  
  25. 25. Aplicando às Redes Sociais  Aumento  no  uso  das  Redes  Sociais  para  manter  contatos  de  trabalho,  sendo   o  LinkedIn  um  exemplo  autên/co,  por  se  declarar  Rede  de  Contatos   Profissionais.  Contribui  para  enfa/zar  o  personalismo  no  ambiente  de   trabalho.      Em  sites  como  o  Orkut,  comunidades  de  “categoria”,  como  dos   “Publicitários”,  “Médicos”  e  “Advogados”  também  formam  grupos  que   discutem  o  mercado  de  trabalho  e  até  oportunidades  efe/vas  de  emprego.      No  TwiNer  encontra-­‐se  em  ascensão  perfis  que  divulgam  vagas  de  estágio  e   trabalho.  Como  exemplo,  tem-­‐se  o  @trampos,  com  mais  de  28.000   seguidores.      
  26. 26. Twitter – Personalismo nas Redes Perfil  de  Trampos  no  TwiNer.  
  27. 27. 3Informalidade e Oralidade
  28. 28. Informalidade e Oralidade  A  própria  cons/tuição  histórica  do  país  mostra  um  desenvolvimento  de   improviso,  centrado  sempre  nos  produtos  de  exportação,  esquecendo-­‐se   a  metrópole  colonizadora  de  construir  uma  estrutura  decente  ao  bom   funcionamento  do  país.  O  Brasil  era  apenas  uma  grande  mina  de  extração   de  riquezas.  Com  sua  grande  extensão,  as  leis  nem  sempre  se  faziam   cumprir  e  a  linguagem  informal  era  apenas  reflexo  da  desordem  e  do   personalismo  reinantes.      E  se  a  colônia  era  vista  exclusivamente  como  fonte  de  riquezas,  os   portugueses  pouco  interesse  /nham  em  ensinar  a  gente  daqui  a  escrever.   Na  verdade,  /nham  interesse  no  analfabeNsmo  como  forma  de  controle   social,  da  mesma  forma  como  u/lizavam  as  fes/vidades.    
  29. 29. Uma cultura oral De   Portugal,   foram   trazidos   apenas   religiosos   e   parte   da   elite   como   representates   dos   letrados.   Assim,   apenas   documentos   religiosos   e   de   Estado   eram  escritos.     O   Catolicismo   imposto   aos   na/vos   lhes   era   repassado   através   da   própria   cultura   oral.   Alguns   jesuítas  aprendiam  canções  em  tupi  e  subs/tuíam   as  letras  por  ensinamentos  cristãos  no  próprio  tupi,   a  fim  de  gerar  conversões  mais  eficientes.     Fonte:  Jancsó,  István  eKanton,  Iris,  Cultura  e  Sociabilidade  na  América  Portuguesa    Ao  povoar  o  Brasil,  os  portugueses  tomaram  uma  série  de  medidas  que   reforçaram  a  oralidade  do  país.  
  30. 30. Uma cultura oral Apesar   da   diminuição   do   analfabe/smo,   é   grande   o   número   de   pessoas   que   não   compreendem   integralmente   aquilo   que   lêem.   Segundo   pesquisa   do   IBOPE,   o   analfabe/smo  funcional  a/ngia  64%  da  população,  em  2005.   Fonte:  Censo  de  2000  -­‐  IBGE   Diminuição  do   Analfabe/smo  de  56%   para  13%  em  60  anos.  
  31. 31. Uma cultura oral Sociedades  baseadas  na  cultura  escrita   tendem  a  conseguir  informações  sem  a   necessidade   de   conversar/interagir   com  o  outro.     A  absorção  de  cultura  è  independente   dos  relacionamentos.   Contudo,  no  Brasil  há  um  costume  de  as  pessoas  pedirem  informações.  Até  mesmo   no   caso   de   se   precisar   ler   um   manual,   boa   parte   dos   indivíduos   tenderá   a   pedir   ajuda  a  alguém.    
  32. 32. Para  Maffesoli  (2004),  a  comunicação  é  o  que  liga  um   indivíduo  ao  outro,  é  o  cimento  social  e  a  cola  do  mundo   pós-­‐moderno.  E  quanto  maior  é  a  troca  entre  indivíduos,   mais  se  intensifica  a  relação.     A  cultura  oral  no  Brasil  reforça  tais  pontos  e  traz  à  luz   uma  forte  caracterísNca  do  brasileiro:  a  sociabilidade.  
  33. 33. Traços da Informalidade linguística Como   já   citado,   o   informalismo   linguís/co   reforça  o  personalismo  nas  relações  que  seriam   supostamente  formais.     A  diminuição  do  Analfabe/smo  no  Brasil  se  deu   de   fato   apenas   no   século   XX,   com   o   país   passando   por   uma   forte   industrialização.   Foi   o   tempo  da  modernização,  com  intensificação  das   migrações   campo-­‐cidade   e   a   eleição   de   um   governo   democrá/co   populista,   mais   assistencialista.   Até   então,   o   oral   era   esmagadoramente  a  linguagem  predominante.  
  34. 34. Traços da Informalidade linguística A   oralidade   reforçou   o   uso   das   formas  coloquiais,  com  criação  de   expressões  e  ditos  populares.     O  uso  frequente  de  alguns  termos   no   coloquial   também   provocou   mudanças   na   gramá/ca,   que   passou  a  absorver  algumas  formas   de  uso  corrente.  
  35. 35. Portanto…  O  desenvolvimento  tardio  do  Brasil  como  país  e  a  tendência  ao   personalismo  fizeram  da  linguagem  oral  e  da  informalidade  as   formas  predominantes  de  comunicação,  até  mesmo  na  obtenção  de   cultura  e  informação.      Mesmo  com  a  diminuição  das  taxas  de  analfabeNsmo,  muitos   brasileiros  ainda  não  conseguem  compreender  o  sen/do  real  dos  textos,   mostrando  que  no  país  ainda  predomina  a  cultura  oral.      A  comunicação  é  o  cimento  social  que  une  o  brasileiro  e  o  torna   um  povo  altamente  sociável.  
  36. 36. Aplicando às Redes Sociais  Há  uma  frequente  reprodução  da  fala  oral  no  meio  digital,  com  estruturas   que  fogem  à  gramá/ca,  como  abreviações  inexistentes,  vírgulas  fora  de  lugar   e  períodos  escritos  pela  metade.      Uso  das  redes  sociais  como  forma  de  manter  contatos  e  cul/var   relacionamentos,  que  antes  demandavam  presença  para  con/nuar.      Troca  de  mensagens  leves,  entendidas  como  fofocas,  que  segundo  Wilson   (2007)  se  cons/tuem  em  “Uma  conversa  entre  duas  pessoas  cujo  tema  é   uma  3ª  pessoa  que  não  está  presente”.  O  quê  remete  diretamente  à   reprodução  da  informalidade  em  âmbito  digital.  Tal  /po  de  troca  têm   dominado  as  conversas  brasileiras,  refle/ndo  a  dificuldade  e  pouco  interesse   da  população  em  questões  de  cunho  técnico-­‐cien~fico  ou  até  mesmo   problemá/cas  sociais.      
  37. 37. Informalidade: Fofocas no Orkut
  38. 38. Informalidade: Fofocas no Orkut  Grande  adesão  a  temas  de  fofoca  (em  amarelo)  em  contraste  com  temas  mais  sérios  (em  vermelho),  como  a   problemá/ca  dos  trotes.  
  39. 39. Revisão Bibliográfica -­‐  Aguiar,  Narla.  Retratos  da  Leitura  do  Brasil.  Ar/go  do  site  do  Ministério  da  Cultura  (28/05/2008).   -­‐  BOSCHI,  Caio.  Espaços  de  Sociabilidade  na  América  Portuguesa  e  Historiografia  Brasileira   Contemporânea.   -­‐  Corrêa,  Cynthia  H.  W.  Uma  Abordagem  Teórica  sobre  a  Formação  de  Tribos  Virtuais:  do  Banal  ao   Intelectual.   -­‐  Mar/ns,  Paulo  H.  As  Redes  Sociais,  o  Sistema  da  Dádiva  e  o  Paradoxo  Sociológico.   -­‐  Mota,  Leonardo  de  A.  Dádiva  e  sociabilidade  no  Brasil,  Revista  ANTHROPOLÓGICAS,  ano  6,  volume   13(2):  107-­‐123  (2002).   -­‐  Pavarin,  Guilherme.  Acesso  à  internet  cresce  8,2%  no  Brasil.  Ar/go  do  site  INFO  (31/03/2010).   -­‐  Sigollo,  Rafael.  O  “jeiFnho  brasileiro”  na  visão  dos  gringos.  Ar/go  do  Jornal  Valor  Econômico   (04/01/2010).   -­‐  Soban,  Liv.  Um  olhar  de  Estrangeiro.  Entrevista  do  site  Canal  do  RH  (05/2006).   -­‐  Wilson,  Tracy.  Como  funciona  a  fofoca.  Ar/go  do  Site  Como  Tudo  Funciona.  (Possui  referências   bibliográficas).  
  40. 40. Contatos Camila  Kawachiya  Silveira   camila.kawachiya@gmail.com   TwiNer:  @camiks  

×