Composto Orgânico contra o desperdício e poluição 
Pequenas atitudes podem mudar o ambiente em que vivemos. Hoje, vamos fa...
Minhocas, pode ser pouca, pois elas se reproduzem. Existem espécies ideais, mas não vamos dificultar. Caso haja uma superp...
Cave um buraco de uns 40 centímetros, e divida em três partes – pode ser mentalmente “imagem acima”. Coloque primeiro numa...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Composto Orgânico contra o desperdício e poluição

109 visualizações

Publicada em

Pequenas atitudes podem mudar o ambiente em que vivemos. Hoje, vamos falar de um recurso natural, (gratuito) e que pode reduzir o lixo descartado. Vamos aprender a fazer uma composteira orgânica....

http://pramsopa.blogspot.com.br/2014/09/composto-organico-contra-o-desperdicio.html

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
109
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Composto Orgânico contra o desperdício e poluição

  1. 1. Composto Orgânico contra o desperdício e poluição Pequenas atitudes podem mudar o ambiente em que vivemos. Hoje, vamos falar de um recurso natural, (gratuito) e que pode reduzir o lixo descartado. Vamos aprender a fazer uma composteira orgânica. Caso o método apresentado seja custoso, irei apresentar no final desta postagem uma opção de composteira sem custos, no próprio quintal de casa, além de opcionais no próprio post. Materiais necessários: 3 (três) caixas de plástico ou três latas (O suficiente para durar um mês de compostagem). 1 (uma) torneira, com os materiais necessários para colocá-la na lata. Ou sem torneira, Porém, deverá ter furinhos na parte superior para circular o ar na última caixa de baixo.
  2. 2. Minhocas, pode ser pouca, pois elas se reproduzem. Existem espécies ideais, mas não vamos dificultar. Caso haja uma superpopulação, coloque algumas no seu quintal. Nas duas primeiras caixas, faça furos com um prego quente ou a ponta de uma tesoura/faca na parte de baixo. A espessura deve ser o suficiente que passe o líquido - que é um fertilizante, e pode ser usado na rega das plantas - que ficará armazenado na última caixa/lata. Na primeira caixa, a de cima, coloque uma camada de areia, e as minhocas, coloque o lixo orgânico existente na sua residência, e vá intercalando com folhas, para evitar o mal cheiro. Na segunda caixa, coloque a areia, algumas minhocas, e um pouco de material orgânico para se alimentarem enquanto a de cima é enchida. Quando a primeira caixa estiver cheia, coloque-a na parte de baixo, e coloque a caixa vazia na de cima. Faça o mesmo processo. Quando concluir a caixa, verá que boa parte do material da primeira caixa estará processada (Aquela que você encheu, e colocou na parte de baixo). Peneire o material, e utilize nas suas plantas, o restante e as minhocas, deixe no mesmo, colocando novamente na parte de cima, e reiniciando o processo. O líquido que ficar na primeira caixa, de baixo para cima, pode ser usado na rega das plantas. Caso não consiga colocar uma torneira, terá que retirar o material, levantando as caixas acima dela. Caso tenha a torneira, apenas abra e coloque num regador/balde. Mas não possui dinheiro para adquirir os materiais, ou não os possui em casa. Sem problemas, vamos a segunda opção:
  3. 3. Cave um buraco de uns 40 centímetros, e divida em três partes – pode ser mentalmente “imagem acima”. Coloque primeiro numa parte, intercalando com as folhas para evitar mal cheiro e moscas, quando encher aquela parte, passa pra segunda parte, depois terceira. A retirada do material, deverá seguir a sequência. Não esqueça de peneirar antes de usar. As minhocas, podes colocar, mas no chão, elas aparecem naturalmente. Essa obra é oferecida pela licença: Creative Commns - Attribuition-NonCommercial 4.0 International (CC BY-NC 4.0). Use como bibliografia: BORGES, C. Composto orgânico contra o desperdício e poluição. Içara, Edição do Autor, 2014.

×