Regulação interna das escolas

1.240 visualizações

Publicada em

lógicas e actores

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.240
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Regulação interna das escolas

  1. 1. “A REGULAÇÃO INTERNA DAS ESCOLAS: lógicas e actores” Carla Vieira Licenciatura em Ciências da Marisa Patrícia Educação Martins Garcia 2º ano 1º semestre Politica da Educação Docente: Professor Doutor Natércio Afonso Análise do capítulo V do livro «A regulação das políticas públicas de educação» 1
  2. 2. Atractividade “ a capacidade que a escola demonstra ter de suscitar a vontade dos alunos em querer frequentá-la” • Indicadores de atractividade: • evolução do n.º de alunos • base de recrutamento • imagem pública das escolas
  3. 3. Regulação interna • Factores de atractividade: • Localização e estado de conservação dos edifícios • Estabilidade corpo docente e sua mobilização nos projectos da escola • Existência de projectos educativos e planos de actividade
  4. 4. Escola Azul População escolar da Escola Azul • Maioria dos alunos são de classes sociais mais altas • Escola com elevada percentagem de frequência • Bons resultados escolares • Sem problemas disciplinares
  5. 5. Escola rosa Liderança assegurada pelo mesmo professor Equipa constante Informalidade no contacto com os outros actores escolares Liberdade de acção (admitir que outros têm mais competências na produção de algumas tarefas) A Informalidade e a Proximidade A Falta de oposição interna entre os actores da escola Liderança “Sintomas Contacto Proximidade Atendimento directo com entre o PCE individualizado forte e bem de com os alunos os docentes e os colegas vincada desacordo”
  6. 6. Lógicas de acção (conceito) “… existência de racionalidades próprias dos actores que orientam e dão sentido às suas escolhas e ás suas práticas, no contexto de uma acção individual ou colectiva.” “conteúdos de sentido, relativamente estáveis e consolidados, com que os actores sociais interpretam e monitorizam a acção nas organizações, ordenando, ainda que de forma precária e provisória, a realidade organizacional aparentemente fragmentária e dispersa”
  7. 7. Lógicas de acção na escola azul “UMA ESCOLA DE ELITE” A gestão do número de turmas e da elevada procura Desporto Escolar Os quadros de excelência
  8. 8. Lógicas de acção na escola rosa • “Escola de integração” • Aceitar todos os alunos • Gabinete de gestão de conflitos (quando os alunos são “expulsos” da sala de aula) • O projecto de integração dos alunos de origem africana (actividades de aproximação entre culturas, teatro, música, danças e exposições)
  9. 9. Explicação das lógicas de acção • Determinantes externas • Determinantes internas (princípios, normas e • A “identidade da escola” processos que sustentam e sua cultura a regulação externa) organizacional dominante • A procura social da escola • As formas de gestão no seu espaço local de • As micropolíticas pertença organizacionais • A pressão exercida pelo jogo das interdependências entre escolas da mesma área
  10. 10. Conclusões • Escolas rosa e azul atractivas no seu território, atitude pró-activa ao nível pedagógico e educativo, mas contrastam ao nível dos modos de regulação interna e das lógicas de acção dominante • Liderança forte e marcante dentro do estilo de cada escola(autonomia relativa, muitas vezes informal e clandestina) • Eficiência vs Democratização - uma está organizada para ser uma “escola de elite” – população homogénea (classe média-alta, escola eficiente, boa imagem exterior, valores adequados aos grupos sociais dominantes, rigor das aprendizagens e qualidade dos resultados), a outra para ser uma “escola de integração” – população heterogénea (sensibilidade aos problemas sociais, respeito pelas diferenças e pela multiculturalidade na relação educativa, flexibilização dos conteúdos e processos de aprendizagem) • Profissionalismo vs Militância pedagógica – tanto ao nível dos presidentes do conselho executivo de cada escola, um privilegia as relações informais (perfil de administrador) e o outro as relações informais (perfil de profissional docente), como ao nível do corpo docente

×