Parte08

283 visualizações

Publicada em

Parte08 da web Makeyourdie . com originalmente postada na comunidade só webs.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
283
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Parte08

  1. 1. @ — Eu não acredito que posso mudar diretor, não desta forma — Disse Tom — Você está sendo irracional! — Gritou ele. — O pai dele vai te matar de processos, se liga! — Eu vou tentar. — Vá agora para casa, por favor. Eu quero que você venha aqui as cinco da tarde, nós iremos resolver isso. Sentada naquele banco, Mellany se sentia desolada, aquela coisa sobrenatural que acontecera com seu ex-namorado... tinha que ser coisa do makeyourdie. Por um lado, ela queria acreditar que Tom era o assassino, a pessoa mal. Mas o que fazer? Como acreditar nisso se seu coração dizia que ele era o anjo? Afinal, era por ele que seu coração batia, era por ele que ela ainda estava viva. Tom seguiu para casa, entristecido, destruído. Ele se sentia na verdade um assassino, e penalizara Peter Rowman 'Pai', de um método ou de outro. Ele sabia que hoje, as cinco da tarde, ele estaria lá, ele sabia. Seria massacrado. O mundo parecia que ia desabar, e era verdade, iria desabar daqui a 2 meses. @ Tom chegou em casa, tomou um banho e foi dormir, preparando-se mentalmente para o que iria acontecer de tarde. Quando ele acordou, viu que o relógio marcava 4:50 da tarde! Tomou outro banho rápido e correu para se vestir. Arrumou o seu cabelo e partiu. Correu pelas ruas e chegou na escola somente cinco minutos atrasado. Foi até a diretoria e surpresa, encontrou Peter Rowman e o diretor por lá, o homem corpulento, chamado Peter Rowman se levantou, derrubando sua cadeira no chão, ele foi até Tom e o pegou pelo pescoço, levantando-o. Peter foi então jogado ao chão e ele sentiu sua cabeça doer. — Você matou meu filho! — Disse Peter. — Meu filho. Tom sabia como usar o emocional dos outros, e em um ato manipulador, ele repetiu com palavras claras: — Não fui eu! — Ele falou Peter olhou para ele com desconfiança, o diretor Patrick se levantou. — Peter, Tom não poderia fazer isso com seu filho. E eu temo que o makeyourdie está realmente surtindo total efeito. Tom se pôs de pé. — Meu pai morreu com o MakeYourDie. — Eu não quero saber de seu pai garoto idiota... se você não tivesse brigado, o meu filho não estaria assim! Morto! — Quem te garante? — Perguntou Tom friamente. @ — Calem a boca! — Gritou o diretor Patrick — Vamos resolver isto sem indiretras. Ouviu Tom? — A culpa não é minha — Murmurou Tom. Patrick sentou-se em sua mesa e virou-se para os dois.
  2. 2. — Eu vou mover um processo contra este garoto. — Não, você não vai — Tom tinha convicção na voz. — Quem te garante isso meu amigo? — Os peritos. Aqueles que eu vou contratar para investigar a sua vida, e descobrir se foi você ou não que realmente matou meu pai. Foram eles que me garantiram isso. Mas sabe, eu tenho uma gravação do meu pai falando que você brigou com ele, em timing perfeito... curioso não? — Chantageou Tom, olhando para Peter com um sorriso brincando em seus lábios. Patrick tussiu. — Isso é um exagero, esse garoto tem 16 anos, você não tem capacidade para isso. — Ah! — Comentou Tom. — Me subestimando! Nossa, você vai se dar mal quando eu fizer realmente isso. Eu não tenho medo de você Peter. — Nem eu de você, Tom. — Mas você deveria ter, eu tenho você na palma da minha mão. E eu também tenho a minha justa-alegação, eu confiei em seu depoimento, quando falou para mim que não matou meu pai, você não vai confiar no meu? @ — Você... — Arquejou Peter. — Você é maldito garoto! Você não é um ser - humano, é uma máquina voltada para o mal! — Eu te deixei sem saída, eu sei. Volte para sua casa, arrume o funeral de seu filho, ouça os meus pêsames, e esqueça que eu existo. Patrick olhou para Tom assustado ao ver com que autoridade o garoto falava aquilo. E o pior, Peter iria obedecer. Seguiu-se um silêncio desconfortável, quebrado pelo barulho das lágrimas de Peter. — Me desculpe por isso. — Disse Tom abaixando a cabeça. — Então encerramos por aqui? — Perguntou Patrick. — Creio que sim — Murmurou Tom. — Terá processo, Peter? — Não. Tom se levantou e caminhou até a porta, ele segurou na maçaneta, mas uma voz o fez parar, era Peter. — Tom, espere, venha aqui. Tom caminhou até ele desconfiado. Ele se levantou e proferiu um chute no peito de Tom fortíssimo, o garoto tombou para trás e foi atirado até uma prateleira próxima, derrubando medalhas e troféus. Ele sorveu o ar mais rapidamente, e se levantou sem querer mostrar abatimento. Somente meneou a cabeça e saiu da sala. Agora todos tinham sua confirmação de que um grande chute no peito, não matava ninguém. @ Tom faltou a escola por uma semana inteira, não queria ver Mellany. Isso significava que a garota tinha 1 mês e três semanas de vida, e isso era ruim, o tempo estava correndo rápido demais. Quando voltou na escola segunda, Brad
  3. 3. veio falar com ele. — Você viu a Mellany por aí? — Perguntou Brad. — O que você quer com ela? — Perguntou Tom. — Bom, agora eu sou o novo parceiro de trigonometria dela, e temos que marcar de fazer um trabalho. — Você me dá nojo Brad. — Murmurou Tom, e saiu andando. Ele não contara, mas sabia aonde Mellany estava, aquele banco próximo ao estacionamento, quase ninguém ia lá. Ele acertara, caminhou até ela e se sentou ao seu lado. Engoliu em seco, sem falar nada, com medo de suas palavras. Mellany se levantou e foi embora. @ Tom sentiu suas pernas formigarem e então ele correu até Mellany, ele logo ficou de frente a ela, impedindo sua passagem. — Mellany, você precisa me ouvir. Não chore! Ele passou a mão pelo rosto ensopado de lágrimas dela. — Não me faça sofrer desta maneira. — Tom, porque por um minuto, você não para de pensar só em você. Acredita em mim, eu não quero ficar com você agora. Saia da minha frente por favor. Me deixe ir falar com o Brad. Ela empurrou Tom para o lado e foi falar com Brad, que assistia a cena acanhado no canto. Tom bateu o pé, o que ele teria que fazer para ter o amor dela denovo? O que seria necessário? — Mellany, eu te amo. — Gritou ele, Mellany pareceu não ouvir. — EU TE AMO! Ela se virou e olhou fixamente nos olhos de Tom, caminhou até ele com o rosto furioso e deu um tapa na cara dele. — Porque você faz isso comigo Tom? Porque você só me faz sofrer. — Eu não quero te ver sofrer, eu te quero bem! Eu te amo! Mellany, você agora é a razão da minha vida. Eu quero ser a sua.

×