São Paulo, 10 a 16 de Maio de 2015 www.videirasampa.org.br Ano 3 nº57
Entenda o que é
Gestão de Pessoas
vida profissional
...
2 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br
Nesta ediçÃO
03	 MOMENTO DA VISão
04	 vida profissional
06	 DICAS PARA SUA...
Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 3
	 Para nós, as células são a nossa
maneira de sermos igreja. Não ficamos
p...
4 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br
As organizações são forma-
das por pessoas! Esse discur-
so é clássico. E ...
Agenda
15-17/MAIO	 ENCONTRO VILA MARIANA
5 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br
Está seção é para
VENDAS, COMPRAS...
6 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br
dicas para sua
célula
“Os membros da célula sabem
quando será a próxima mu...
Pr. Aluízio A. Silva
Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 7
A prova da experiência
“Vocês não percebem que estão ...
8 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br
O argumento de Paulo é apresen-
tado na forma de três perguntas:
• Vocês r...
Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 9
do, mas agora acham que precisam
merecer o favor de Deus?”. Não co-
mece n...
10 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br
Viver debaixo de condenação e culpa
não livra ninguém do pecado, pelo
con...
Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 11
Neste capítulo, vamos falar sobre as caracte-
rísticas dos empreendedores...
12 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br
Todos os professores podem ter
acesso ao conteúdo do Trilho do
Vencedor. ...
Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 13
Conhecendo a supervisão do
Pr. Ricardo Bertoldi
Foto - Emporio Quatro
Fot...
14 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br
TRANSFORMADOSPELAGLória
2 Co 3:18 E todos nós, com o rosto
desvendado, co...
Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 15
Que tal...
...você ler
a Bíblia toda
neste ano?
Acompanhe
o plano de
leit...
16 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br
Essa é a imagem que eu e você
devemos refletir e que faz parte do
propósi...
Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 17
Alvos por Igreja
Igrejas	Jun/ 2015
Vila Mariana		 1.100
Vila das Belezas	...
18 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br
Orientações para
Salvar o Casamento
O que fazer para salvar o casa-
mento...
Mãe onde estás
Autora: Norma Penido
Ser mãe não é um simples ato de gerar
É mais que isto, ser mãe é também amar
Por que e...
Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 20
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revista videira na cidade - Maio

1.095 visualizações

Publicada em

Igreja Eleitos na Graça

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.095
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
54
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista videira na cidade - Maio

  1. 1. São Paulo, 10 a 16 de Maio de 2015 www.videirasampa.org.br Ano 3 nº57 Entenda o que é Gestão de Pessoas vida profissional 10 características do Empreendedor empreendedores Estudo do Capítulo 3 gálatas
  2. 2. 2 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br Nesta ediçÃO 03 MOMENTO DA VISão 04 vida profissional 06 DICAS PARA SUA CÉLULA 07 PALAVRA DA CIDADE 11 EMPREENDEDORES DO REINO 12 Conhecendo as superviões 13 transformados pela glória 16 projeto transformados para transformar 18 casais radicais 19 HOMENAGEM DIA DAS MÃES 20 RADICAIS KIDS Expediente Direção Geral Wilson Oliveira, Pr Direção Executiva John Richard, Pr Coordenação Editorial Elenir Campos Diagramação e Arte Reinaldo Peterle Neto Revisão Helen Pereira Contato e Publicidade videiranacidadesp@gmail.com VINHA LIVRARIA Todos os líderes, discipuladores, obreiros e pastores tem 20% de desconto em nossa livraria. Quem Lê… . Sabe mais . Pensa melhor . Compara idéias . Tem o que falar . Tem o que responder . Fundamenta suas opiniões . Aumenta sua compreensão . Melhora o vocabulário . Tem mais chances . Absorve experiências . Sabe o que está acontecendo, POR ISSO TE DIGO CONTINUE LENDO A BIBLIA..... ATENÇÃO
  3. 3. Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 3 Para nós, as células são a nossa maneira de sermos igreja. Não ficamos preocupados em fazer coisas diferentes ou termos programações variadas em nossa igreja. O que fazemos é concentrar- -nos num único objetivo: levar cada célula a se multiplicar ano após ano. A nossa igreja acontece nas células. Ensino, cuidado mútuo, compartilhamen- to, amor, encorajamento, dons, serviço, tudo acontece nas células e através delas. Até algum tempo atrás, isso era um sonho, mas hoje já é uma realidade. Nós podemos ter uma série de ou- tros programas suplementares: programas de televisão, rádio, revista e ministérios sociais. Entretanto, é no trabalho das célu- las que está o fundamento do crescimento constante e consistente. Venha caminhar entre vencedores. Queremos contagiar você com esse sonho de alcançar a nossa geração para Cristo. Este pequeno manual visa dar a você as primeiras direções de como conduzir uma célula e levá-la a se multiplicar uma vez por ano. Nós podemos alcançar a nossa nação com líderes de células que multipli- Nós somos uma igreja em células Líder, você quer que a sua célula se multipli- que no final do ano? Pastor, você quer que sua Igreja cresça e se multiplique no final do ano? Então, fiquem atentos aos fatores que influ- enciam na multiplicação de um grupo de pessoas que colocaremos aqui na revista. cam-nas uma vez por ano. Não estamos convidando você para nos ajudar em um trabalho, esta- mos compartilhando com você o nosso sonho. Venha sonhar co- nosco! Se cada crente for um mi- nistro e cada casa for uma ex- tensão da igreja, seremos uma igreja de vencedores e, conse- qüentemente, conquistaremos a nossa geração para o Senhor! O propósito de Deus somente pode ser atingido pela multiplicação, pela fecundi- dade, pela frutificação, pelo crescimento e pela expansão. As células são apenas um meio. O fim é a edificação e a expansão do Corpo de Cristo nesta geração! O desafio é claro: cada líder deve multiplicar a sua célula uma vez por ano. Esse é um ponto muito importante dentro da nossa visão e por isso nunca será de- mais enfatizá-lo. Nós podemos conquistar a nossa nação nessa geração se tivermos líderes dispostos a multiplicar a sua célula uma vez por ano. Líderes que Multiplicam Fatores que têm influência sobre a multiplicação: Nível de cuidado pastoral: Visitação regular pelo líder aos membros da célula ajuda a consolidar o grupo.
  4. 4. 4 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br As organizações são forma- das por pessoas! Esse discur- so é clássico. E de fato é isso mesmo, apesar de algumas se destacarem por sua tecnologia ou estrutura física. Mas o que faz a organização acontecer e ser realidade são as pessoas. Se as tirarmos, a organização torna-se apenas um grande salão, um amontoado de mó- veis ou de máquinas. Logo, as pessoas devem ser a prioridade de qualquer or- ganização? Sim, porém isso ainda acontece de modo tími- do. Uma gestão voltada para o indivíduo pode soar até como um insulto aos ouvidos de dire- tores e líderes em geral. A ver- dade é chocante! Mas é o que tem acontecido em diferentes organizações, independente do seu porte. Muitas organizações voltam suas estratégias para melho- ria nos processos, nas rotinas operacionais e estrutura física, deixando os investimentos nas pessoas para um dos últimos lugares. Isso quando não cor- tam totalmente esse investi- mento por ser encarado como custo, sem um retorno “men- surável”. ENTENDA O QUE É GESTÃO DE PESSOAS Mas, afinal, o que é Gestão de Pessoas? De maneira bem simples eu diria que é admi- nistrar estrategicamente a or- ganização tendo como princí- pio que as pessoas possuem necessidades específicas que vão interferir no todo. É cuidar de ações desde a admissão até o desligamento do colabo- rador. É capacitar líderes para que além de técnicos, sejam gestores de suas equipes. É atender ao colaborador como cliente interno, para que este possa atender bem ao cliente externo. Nesse conjunto de ações, a Gestão de Pessoas pode con- tribuir com o Recrutamento e Seleção de candidato com o perfil adequado para a vaga. Estabelecimento de um pro- cesso de Integração dessa pessoa na cultura e rotina da organização, transmitindo mis- são e valores ao recém-che- gado. Levantando e aplicando Treinamento e Desenvolvimen- to, tanto em aspectos com- portamentais quanto técnicos. Elaborando Plano de Cargos e Salários para retenção dessa mão-de-obra qualificada, bem como um pacote de Benefícios que atenda ao colaborador e incentive-o a permanecer motivado. Fornecendo As- sistência Socialem questões sócio-familiares que afetam o desempenho e a conduta do colaborador. Em organizações menores, com estrutura enxuta, te- mos visto que a Gestão de Pessoas também tem se en- volvido e conduzido ques- tões ligadas à Segurança no Trabalho,Responsabilidade Social e Comunicação Interna. E por fim, a Gestão de Pessoas dará a atenção necessária no Desligamento do colaborador, fazendo desse um processo transparente e sem traumas. Evitando reclamatórias traba- lhistas e auxiliando-o em uma recolocação no mercado de trabalho. Servir de apoio às demais áre- as da organização nos proces- sos de Seleção, Treinamento, Remuneração, Assistência So- cial e Desligamento, de forma alinhada às demais estratégias da organização, gerando indi- cadores satisfatórios - este é o papel da Gestão de Pessoas.
  5. 5. Agenda 15-17/MAIO ENCONTRO VILA MARIANA 5 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br Está seção é para VENDAS, COMPRAS, EMPREGO, PRECISO DE EMPREGO. Gratuito neste primeiro semestre. Você pode mandar para o e-mail: videiranacidadesp @gmail.com Deve estar dentro das 4 categorias acima. Coloque no assunto do e-mail: Classificados. Juntos percorreremos cada etapa desse processo, enten- dendo os benefícios e as di- ficuldades de implantar cada uma dessas ações. Percebe- remos que, independente do tamanho da organização, prá- ticas que valorizem e reconhe- çam as pessoas podem ser desenvolvidas, melhorando o clima organizacional, retendo os melhores talentos e forman- do equipes de alto desempenho. Convido você a conhecer me- lhor cada ação e avaliar o que pode deixar de ser mito e se transformar em realidade em sua organização, utilizando estratégias e ações que têm como foco o ser humano e o seu potencial, tornando a sua organização cada vez melhor. Pessoas melhores compõem as melhores organizações! Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mailartigos@insti- tutojetro.com Rafael Favil Santos
  6. 6. 6 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br dicas para sua célula “Os membros da célula sabem quando será a próxima multiplica- ção? Trabalhe em função de um alvo! Líderes orientados por alvos são líderes bem-sucedidos”. dica Desembaraço Já fiz muitas vezes nas células e oportunidades. Não requer nenhum material. É uma ótima dinâmica para aqueles momentos que não te- mos ideia do que fazer. É tão divertido que as pessoas querem fazer mais vezes. Tempo: Pode variar conforme a quantidade de pessoas. Participantes: Quanto mais, melhor. Recomendo que seja feito com mais de 6 pessoas. Desenvolvimento: Faça um circulo com as mãos dadas. Peça que cada participante certifique-se de quem é a pessoa que esta segurando a mão direita e a esquerda dela. Diga que é necessário que elas gravem. Peça que soltem as mãos e se misturem entre as outras pes- soas. Após, diga a eles para ficarem parados e darem a mão para aquelas pessoas que estavam a direita e á esquerda (Pode mover-se para alcançar a mão). A partir de então será necessário um jogo de equipe para desembaraçar todos para voltar a ter o circulo sem soltar as mãos. Pode parec- er impossível, mas dá certo se todos darem as mãos corretas (direita e esquerda). Vale tudo, pular ou passar por baixo dos braços, até de- sembaraçarem. Moral: *Unidos como igreja num único propósito, podemos ir além. Fazer oque poderia ser impos- sível aos olhos humanos. *Demonstra que somos um corpo, todos os membros devem funcionar para consigamos se- guir adiante. Não desista de ninguém. *Demonstra que a união é mais que necessária para enfrentar quaisquer tribulações. Me escutas quando clamo Acalma o meu pensar Me levas pelo fogo Curando todo meu ser Confio em Ti, confio em Ti Creio que Tu és a cura Creio que és tudo para mim Creio que tu és a vida Creio que não há outro igual a Ti Jesus, eu preciso de Ti Creio que Tu És a cura Luciano Claw Nada é impossível para Ti Nada é impossível Nada é impossível para Ti Tens o meu mundo em tuas mãos
  7. 7. Pr. Aluízio A. Silva Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 7 A prova da experiência “Vocês não percebem que estão debaixo de um ataque do maligno?” Essa certamente era a exortação de Paulo aos gálatas. “Resistam a toda influência do diabo!” Afirmo isso porque a palavra “fascinou” usada no verso primeiro também poderia ser traduzida por encanto ou feitiço. Por detrás da atividade dos falsos crentes judaizantes, havia uma obra do próprio inimigo. A gran- de dificuldade que muitos crentes enfrentam para ter revelação da graça de Deus e saírem de debaixo do jugo da lei é justamente o engano do diabo (Jo 8.44). Essa é a razão pela qual Paulo faz sempre a mesma oração em todas as suas epístolas. Ele sempre ora por espírito de revelação (Ef 1.16-18; Fp 1.9 e Cl 1.9). O trabalho do diabo tem sido manter as pessoas cegas para a maravi- lhosa graça do Senhor. Primeiro ele faz isso cegando o entendimento dos in- crédulos, impedindo que neles resplandeça a luz do conhecimento de Cristo (2Co 4.4). Mas depois ele tenta impedir o crente de avançar, mantendo-o preso às obras da lei. A brecha que o diabo usa para agir com o espírito de engano é a própria insensatez dos crentes. A mensagem do evangelho é algo coerente e lógico. Por causa disso, Paulo apresenta seis argumentos para provar que a justi- ficação é unicamente pela fé. O primeiro argumento de Paulo é a própria experiência dos gálatas. Vamos chamar essa primeira prova de a prova da experiência pessoal. A mensagem do evangelho não é algo meramente doutrinário, um simples ensino que recebemos, mas trata-se de uma profunda experiência espiritual. Paulo diz aos gálatas que o Cristo que eles receberam não era meramente uma figura histórica, mas era o Filho de Deus crucificado. A mensagem do evangelho é que o pecador não pode ser justificado diante de Deus por causa de suas boas obras, mas unicamente por causa da obra de Cristo na cruz. Não é uma questão do que o homem pode fazer para Deus, mas a verdade do que Cristo fez pelo homem. A mensagem do evangelho não é um bom conselho para os homens segui- rem e nem é um conjunto de regras para os homens praticarem. O evangelho é uma declaração do que Deus já fez. Não é uma exigência, mas uma oferta. Os gálatas tinham recebido esse evangelho, por isso Paulo disse que eram insen- satos. Como poderiam acrescentar as boas obras à obra de Cristo? Fazendo isso, eles estavam anulando o sacrifício da cruz, dizendo que ele era desnecessário. EstudodeGálatas CAP3.1-5Provasda justificaçãopelafé Paulo começa o seu argumento ape- lando para a experiência que eles tiveram. Eles sabiam pela experiên- cia que somente poderiam desfrutar da bênção de Deus por meio de sua graça. 1. A PROVA DA EXPE- RIÊNCIA – 3.1-5 No verso 2, Paulo apresenta dois princípios de vida opostos e confli- tantes: A pregação da fé e as obras da lei. Nunca pense que a lei é ape- nas um aspecto do evangelho de Cristo. Não é. São duas propostas de vida mutuamente excludentes. Se vivemos pela lei, anulamos a graça; se vivemos pela graça, não estamos mais debaixo da lei. O que são as obras da lei? É toda tentativa humana de ter méritos dian- te de Deus. Sempre que buscamos merecer algo de Deus, estamos agin- do com base nas obras da lei. Mas to- das as vezes que confiamos na graça, estamos aceitando a pregação da fé. Como a lei é baseada nas obras, ela não exige fé, mas aquele que depende da graça precisa crer na obra da cruz. Alei diz “Faça isto”; o evangelho diz: “Cristo já fez tudo”. A lei exige obras humanas; o evangelho exige fé na obra de Cristo. A lei faz exigências; o evange­lho faz promessas. A lei exige obediência; a graça nos desafia a crer. Assim a lei e a graça do evangelho se opõem um ao outro.
  8. 8. 8 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br O argumento de Paulo é apresen- tado na forma de três perguntas: • Vocês receberam o Espírito pela lei ou pela graça? (v. 2) • Vocês começaram na graça e ago- ra estão tentando se aperfeiçoar pela lei? (v. 3) • Vocês receberam os milagres de Deus com base na graça ou na lei? (v. 5) Essas três perguntas nos ajudam a entender como recebemos o Espíri- to e todos os milagres de Deus. E a resposta para todas elas é a mesma: Não “pelas obras da lei”, mas “pe­la pregação da fé”. Deus nos concede o Espírito (v. 2) não porque obede- cemos à lei, mas porque cremos no evangelho. Ninguém jamais rece- beu um milagre de Deus por causa de suas boas obras e bom compor- tamento, todo milagre é segundo a graça para aquele que não tem jus- tiça própria. Nunca devemos estabelecer uma doutrina com base em nossa expe- riência, mas toda experiência genu- ína apenas comprova a verdade do evangelho. É exatamente isso que Paulo está fazendo, ele está mos- trando que a nossa experiência com Deus é uma prova de que o evange- lho é verdadeiro. Os gálatas não podiam negar que eles tinham tido uma experiência poderosa com Deus. Tinham expe- rimentado a salvação pela graça. A experiência deles foi um fato. Paulo lembra-lhes que tinha ido até a Ga- lácia e lhes pregara o evangelho. A maneira como ele pregara o evange- lho foi expondo o Cristo crucificado diante deles. Paulo lhes apresentou um quadro tão claro da obra de Cristo na cruz que eles creram para serem salvos e, por causa disso, re- ceberam o Es­pírito. Para que fossem salvos, não tinha sido necessário que fossem cir- cun- cidados ou guardassem a lei, mas foi requerido unicamente que cres- sem na mensagem do evangelho da gra- ça de Deus. E uma vez que creram, eles receberam o Espírito. Paulo os lembra dessa experiência porque certamente foi um grande mover es- piritual.Assim como no Pentecostes os discípulos foram cheios do Espí- rito falando em línguas, certamente os gálatas tiveram um experiência visível e inquestionável com o Es- pírito de Deus. O Espírito neles era a prova de que não necessitavam de nada mais que o evangelho. Vocês receberam o Espírito pela lei ou pela graça? (v. 2) A pergunta de Paulo não era mera- mente retórica. Ele estava apelando para a experiência dos gálatas e, por extensão, para a experiência de to- dos nós que cremos. O evangelho é uma pessoa e crer no evangelho é receber essa pes- soa dentro de si. O evangelho não é uma doutrina que abraçamos, mas uma pessoa que recebemos. Essa é a grande diferença entre a graça e a lei. A lei foi dada, mas a graça veio. Porque a lei foi dada por intermé- dio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo. Jo 1.17 A graça não é um ensinamento ou uma doutrina, a Graça é o próprio Senhor Jesus. A lei exige obediên- cia e submissão, mas a graça nos oferece um relacionamento com uma pessoa. Isso é o que torna a mensagem do evangelho única. To- das as religiões do mundo possuem códigos morais, regras e leis, mas o cristianismo tem a ver com o re- lacionamento afetuoso com o Deus Todo-Poderoso. A maior expressão da graça de Deus é o fato de o próprio Deus vir ha- bitar dentro de nós. A lei somente era capaz de nos condenar, ela não podia nos levar a ter tal intimidade com o Pai, mas a graça veio e cum- priu todas as exigências justas de Deus e abriu o caminho para sermos unidos a Ele num só espírito. O que Paulo estava dizendo era que os gálatas tinham recebido o Espí- rito pelo simples fato de que todos os pecados deles tinham sido per- doados e todo impedimento para a comunhão com Deus tinha sido des- truído. Eles tinham sido justificados e todo aquele que é justo pode agora receber o Espírito. Se eles tivessem crido por meio da lei da justiça pró- pria e do merecimento, então o Es- pírito nunca poderia ter vindo sobre eles, porque a lei não tem poder para perdoar pecados, e se os pecados não são perdoados não podemos ter comunhão com Deus. A única condição para recebermos de Deus é crermos na sua graça. Crer na graça significa que reconhe- ço que não possuo nenhum mérito e confio unicamente na obra perfeita do Senhor Jesus na cruz. Ninguém nunca receberá o Espírito por causa de suas boas obras e bom compor- tamento. Ele nos é dado pela graça. Vocês começaram na graça e ago- ra estão tentando se aperfeiçoar pela lei? (v. 3) Os gálatas não estavam se voltando real e completamente para a lei, a verdade é que eles queriam mistu- rar a graça com a lei. É exatamen- te o que acontece hoje. Não existe igreja que ensine que se deve seguir somente a lei, elas ainda creem na graça. Esses cristãos creem que somos salvos pela graça, mas que devemos nos santificar pela lei do esforço próprio e do merecimento. Eles dizem que a salvação é pela graça, mas todas as outras bênçãos de Deus dependem de nosso mere- cimento. Paulo estava dizendo: “Vocês co- meçaram crendo na graça; por que estão agora dependendo das obras? Antes vocês criam no favor imereci-
  9. 9. Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 9 do, mas agora acham que precisam merecer o favor de Deus?”. Não co- mece na graça e termine na lei. Os gálatas criam que tinham sido justi- ficados pela graça, mas passaram a pensar que precisavam se santificar pela lei. Contudo, tanto a justifi- cação como a santificação provêm da nossa fé exclusivamente na obra consumada do Senhor Jesus. É muito fácil você perceber se está tentando se santificar pela lei ou pela graça. Basta observar se aqui- lo em que você crê enfatiza o que você precisa fazer ou o que Jesus já fez. Você vive introspectivo, sem- pre olhando para si mesmo, para seu desempenho e suas falhas? Ou você tem tirado os seus olhos de si mesmo e os tem colocado em Cristo Jesus? Quando você está firmado na gra- ça, você experimenta uma grande sensação de segurança e confiança em Cristo. Quando a sua confiança estiver no favor imerecido de Deus, e não em seu desempenho, você terá fé para vencer todo pecado. O problema é que as pessoas acredi- tam mais na lei do que na graça para levar o crente a vencer o pecado. Na verdade, sempre que falamos da graça, elas ficam atemorizadas de que isso leve os outros ao pecado, mas isso é um absurdo. A graça não estimula o pecado, mas a lei sim. Paulo disse que a força do pecado é a lei (1Co 15.56). Quanto mais você tenta guardar a lei e não pecar, mais você peca. O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. 1Co 15.56 Mas como a graça pode nos aju- dar a vencer o pecado? De muitas formas. Em primeiro lugar porque, quando sabemos que fomos perdoa- dos, somos conquistados pelo amor de Deus e isso nos afasta do pecado. Quanto mais nos sentimos amados, mais nos afastamos do pecado e procuramos agradar a Deus. É um fato da vida que filhos que se sen- tem amados serão mais obedientes que filhos que não se sentem ama- dos. Mas a graça também significa que não somos nós que vencemos o pe- cado, mas o poder de Deus em nós. Isso significa que a vitória nos é dada, e não conquistada pelo nosso esforço. Se eu vencesse o pecado pela minha força, eu teria do que me gloriar diante de Deus, mas se tudo é por meio dEle, então Ele terá toda a glória. RELIGIÕES NO BRASIL Rank Religião Seguidores % 2003-2009 1° Igreja Católica Apostólica Romana 129,2 milhões -0,20% 2° Sem religião 12,8 milhões 42,00% 3° Igreja Evangélica Assembleia de Deus 11,0 milhões 30,00% 4° Igreja Evangélica sem vínculo institucional 5,4 milhões 329,00% 5° Igreja Evangélica Batista 3,9 milhões 21,00% 6° Espírita, Kardecista 3,0 milhões 20,00% 7° Igreja Congregacional Cristã do Brasil 2,8 milhões -11,00% 8° Outras igrejas evangélicas pentecostais 2,4 milhões 31,00% 9° Igreja Universal do Reino de Deus 2,0 milhões -24,00% 10° Religião mal determinada ou não definida 1,9 milhões 681,00% Religião % Católicos 68,2 Evangélicos 20,4 Sem religião 6,7 Outras Religiões 3,1 Espíritas, Kardecistas 1,6 Religião % Católicos 68,2 Evangélicos 20,4 Sem religião 6,7 Outras Religiões 3,1 Espíritas, Kardecistas 1,6 Segundo o IBGE (2009) as dez maiores igrejas ou grupos de seguidores do Brasil são, pela ordem (número de seguidores e crescimento no período 2003-2009): Fonte: IBGE - Pesquisa de Orçamentos Familiares, 2011
  10. 10. 10 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br Viver debaixo de condenação e culpa não livra ninguém do pecado, pelo contrário. A lei somente incita a car- ne a ser mais consciente do pecado. E quando se sente condenado, você acaba pecando mais ainda. No entanto, se você se coloca sob a graça, no momento em que for tenta- do você recebe uma dose renovada do perdão e da graça de Deus. Você se vê como sendo justo em Cristo e isso lhe dá o poder para se levantar acima da tentação. Quando você crê que é justo, ainda que peque, seus pensamentos ficarão alinhados com a sua crença. A vitória sobre o pecado vem somente quando as pessoas experimentam a supera- bundante graça de Deus. Tendo começado pelo Espírito, é ridí- culo tentar se aperfeiçoar pela carne. Devemos seguir a Cristo pelo mesmo princípio de como o recebemos: Pela fé. Vocês receberam os milagres de Deus com base na graça ou na lei? (v. 5) A terceira pergunta de Paulo apela para as experiências miraculosas que os irmãos gálatas tinham experimen- tado. Ele questiona se eles tinham re- cebido os milagres pela graça ou pelo merecimento próprio vindo da lei. Ninguém pode receber coisa alguma de Deus com base em sua justiça pró- pria, seu merecimento pessoal. Este é o motivo pelo qual muitos não rece- bem, porque estão tentando merecer a bênção de Deus. A bênção de Deus é somente para aqueles que reconhe- cem que nada merecem e por isso de- pendem completamente da graça de Deus. Aqueles que andam pela lei, ou seja, que buscam merecer a bênção de Deus, não conseguem ter fé para re- ceber coisa alguma. Isso acontece porque quanto mais eles olham para si mesmos, para os seus esforços pró- prios a fim de receberem de Deus, menos fé conseguem ter. Os gálatas não poderiam ter recebido nenhum milagre se tivessem confiado no me- recimento da lei.Aprova de que a jus- tificação é unicamente pela graça foi o fato de terem recebido milagres de Deus sem merecerem. O segredo para recebermos o milagre não é tentarmos merecê-lo seguindo as normas da lei, mas é simplesmente reconhecendo e crendo que por meio da cruz de Cristo todos os tesouros do céu nos foram liberados. Olhe para todas as pessoas que rece- beram o milagre de Jesus du- rante o seu ministério na terra. Nenhuma delas o mereceu. Elas não fizeram nada para receberem o milagre além de crerem. Elas receberam o mila- gre por causa da graça de Deus. Do lado oposto, os fariseus tenta- vam de todos os meios merecer a bênção de Deus, mas não há registro que ne- nhum deles tenha recebido sequer um milagre de Deus. Se você olhar para a graça de Deus, Ele olhará para a sua fé. Toda a nos- sa fé é uma fé na graça. Se tivermos fé que merecemos algo, então nada recebemos, mas se tivermos fé que a graça é maior que o nosso pecado, então veremos os milagres. A verdade é que tentamos exercer fé ignorando a graça. Quando você está diante de um desafio muito grande, qual a sua atitude? Primeiro você se pergunta se tem condição de receber aquela bênção. Você presume que até merece receber uma bênção pequena, mas para receber algo tão grande é preciso ser muito santo e justo diante de Deus. Logo a sua fé fica condicio- nada ao seu merecimento. Como você pensa que é um pouquinho justo, en- tão está apto para receber uma peque- na bênção.Aqueles que recebem uma grande bênção, você conclui, é por- que são muito mais santos que você. A nossa fé depende completamen- te de conhecermos a graça de Deus. Nossa fé será maior na medida em que tivermos maior revelação do fa- vor imerecido de Deus. Se pensamos que somos pouco amados ou que Deus nos ama por causa de nosso bom comportamento, então teremos pouca fé para receber o milagre. Mas se descansamos completamente em seu amor sem limites e confiamos que nada receberemos por merecimento, então teremos uma grande fé. É interessante que há duas pessoas nos evangelhos a respeito das quais o Senhor disse que possuíam uma gran- de fé. A primeira delas foi o centurião romano. Leia Mt 8.5-10 Podemos pensar que o Senhor elogiou aquele homem porque ele entendia de autoridade e percebeu que Jesus tinha autoridade sobre a enfermidade. Mas essa certamente não foi a razão por que o Senhor disse que a mulher siro- fenícia também tinha uma grande fé e ela nada falou de autoridade. Leia Mt 15.21-28 O que esses indivíduos tinham em co- mum? Ambos eram gentios, um era romano e a outra cananeia. Em outras palavras, estavam fora da aliança de Deus com Israel. Eles não tinham di- reito a receber coisa alguma de Deus, mas se chegaram ao Senhor somente confiados na graça. Ninguém pode ter fé se anda pela lei. A lei o condena o tempo todo e sua fé é assim anulada. Paulo diz, em Roma- nos 4.14, que se os da lei é que são os herdeiros, anula-se a fé e cancela-se a promessa. A bênção de Deus provém da fé, para que seja segundo a graça. Enquanto estamos tentando merecer, nada recebemos de Deus, pois Ele jamais abençoa o homem que possui alguma justiça própria. A bênção é sempre para aquele que não merece, pois somente esse pode experimentar graça. Graça é favor imerecido; se o favor é merecido então é lei, e como ninguém jamais pode cumprir a lei, também ninguém jamais receberá mi- lagre algum se não for pela graça. Pr. Aluizio A. Silva
  11. 11. Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 11 Neste capítulo, vamos falar sobre as caracte- rísticas dos empreendedores. Estudando os homens que se tornaram empreendedores de sucesso, é possível perceber várias carac- terísticas comuns entre eles. É importante saber que ninguém nasce em- preendedor. Para tornar-se um empreende- dor, é necessária a junção de várias caracte- rísticas. Logo, uma única característica não faz de uma pessoa um empreendedor, da mesma forma que uma única característica, também, não torna uma pessoa pastor, líder de célula ou qualquer outro líder com posição de sucesso. Quero repetir que o empreendedor não é uma pessoa que nasceu predestinado a ser um empreendedor. Também ninguém se torna empreendedor por acaso. Existem pessoas que, mesmo sem treinamento, se tornam em- preendedoras, mas, com certeza, a criação, a formação e as circunstâncias em suas vi- das colaboraram para o desenvolvimento de seu DNA empreendedor. Às vezes, você pode pensar que nada em sua vida colaborou ou contribuiu para tornar-se um empreendedor e, por isso, você não é alguém de sucesso. Lembre-se de que a Bíblia diz que “o próprio Deus escolheu as coisas loucas deste mun- do para confundir as sábias e escolheu as coisas que não eram para confundir as que eram” (I Co 1:26-29). Se você olhar quem são os maiores líderes da igreja em nosso País e de onde eles vieram, compreenderá muito bem essa passagem bíblica. Então saiba que ainda que você seja um improvável, você é o alvo de Deus para trazer o reino dEle à exis- tência nesta terra. Antes de entrar nas características de um empreendedor, vamos falar um pouco sobre Pr. Isaías Sardinha empreendedorismo. A palavra empreender surgiu na França, por volta do século XVII, e foi utilizada para designar pessoas que ti- nham ousadia de criar e estimular o progres- so econômico em qualquer instância do país. Empreender = entreprendre Empreendedor = entrepreneur Empreededorismo = l’esprit d’entreprise E o que é empreendedorismo? Empreende- dorismo é definido como o principal fator promotor do desenvolvimento econômico e social de um país. Como abordado no capítulo anterior, atual- mente existem vários tipos de empreendedo- res. Hoje não podemos mais atribuir a palavra empreendedor apenas aos empresários. Há três tipos de empreendedores: • empreendedores tradicionais; • intraempreendedores; • empreendedores Sociais. Empreendedores: Empresários, profissionais autônomos e outros. São pessoas que por necessidade ou idealismo criaram e torna- ram-se proprietários de seus próprios negó- cios. Intraempreendedores: Gerentes de projetos, gerentes de departamentos, funcionários al- tamente envolvidos nos resultados das em- presas, CEO (Chief_executive_officer ou Dire- tor Executivo) de grandes companhias. São aqueles que trabalham dentro de uma orga- nização e são empreendedores dentro dela. Ainda que como funcionário ou colaborador, em um cargo de confiança, como gerente, como um líder ou como qualquer outra função 10 Características de um Empreendedor
  12. 12. 12 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br Todos os professores podem ter acesso ao conteúdo do Trilho do Vencedor. Temos todas as aulas de todas as matérias do Ceifeiros, Maturidade e Ctl. Está tudo pronto para os professores se dedicarem ao estudo e à oração para minis- trarem com excelência. Se você ainda não tem acesso a todo esse material entre em contato com a secretaria da Videira Armênia: 3313-6724 empreendedora. É uma tendência cada vez maior nas empresas a adoção da distribuição de lucros, pois isso faz com que seus funcio- nários se portem como pequenos empreen- dedores, cada vez mais comprometidos com os resultados. Empreendedores sociais: Criadores de Ongs, pastores, pessoas que criam empresas com o objetivo de melhorar e transformar a so- ciedade. Estes empreendedores criam em- presas ou organizações sem fins lucrativos. Toda a renda que arrecadam é voltada para a manutenção e crescimento da própria organi- zação. Exs.: hospitais, escolas, institutos, or- fanatos, igrejas e outros. O objetivo final des- ses empreendimentos é melhorar a vida da sociedade, sem que os donos das empresas lucrem ou obtenham vantagens financeiras com o negócio. Os principais fatores que fazem de alguém um empreendedor são: a disposição, treina- mento e disciplina. Ser um empreendedor exige tomada de decisão, iniciativa e muito foco. Pr. Isaías Sardinha EMPREENDEDOR ANUNCIECOMAGENTEETENHAMUITOMAIS EXPOSIÇÃOPARASUAMARCA. Nossa revista multi-plataforma pode ser acessada de qualquer lugar do mundo em celulares, tablets e computadores. Proporcionando assim, mais visibilidade para sua marca. Entre em contato e conheça nossa PROMOÇÃO: videiranacidadesp@gmail.com /VINHASP /VINHASP WWW.videirasampa.org.br /VideiraSampa SIGA-NOS
  13. 13. Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 13 Conhecendo a supervisão do Pr. Ricardo Bertoldi Foto - Emporio Quatro Foto - Estudio Revelação
  14. 14. 14 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br TRANSFORMADOSPELAGLória 2 Co 3:18 E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito. O propósito principal do Senhor em nossa vida é alcançarmos a es- tatura do varão perfeito - Ef 4:13 Para que isso aconteça, estamos em um processo de transformação constante de nossas vidas. E em cada circunstância, sem exceção, Deus nos dá a oportunidade para que isso aconteça, neste semestre temos focado muito neste assunto. Só existe uma pessoa que pode atrapalhar ou acelerar esse pro- cesso, somos nós mesmos através de nossas escolhas. Todos Nós ... A palavra esta se referindo a toda a igreja que se reunia em Corinto, mas também a todos nós, não ape- nas a um grupo especifico, mas a “todos nós”. Isso inclui eu e você, e a todos que estão no processo de serem trans- formados na imagem de Cristo, in- clusive o apóstolo Paulo, a tempo e fora de tempo. Muitas vezes achamos que não é com a gente: “já conheço muita coisa”, “já sei o que ele vai falar”, “não é nada diferente do que já tenho ouvido ou experimentado”. Talvez o fato de já ter caminhado algum tempo com o Senhor, ou até mesmo ter nascido dentro de um lar cristão, ou por qualquer outra circunstância você pode ter acos- tumado com a presença e a Glória de Deus – Como foi a vida de Uzá levando a arca. – 1 Cr 13:7 a 14 A todo tempo Deus está nos di- zendo que nosso alvo é nos torna- mos como Cristo. Se precisamos nos tornar como Ele é, é porque ainda não temos sua imagem por completo refletin- do em nós e através de nós. Se Jesus voltasse hoje como es- taria sua imagem? Não despreze os detalhes e cada situação por mais pequena e simples que seja do trabalhar de Deus. Deus nos chamou para sermos imagem e semelhança Dele : Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, con- forme nossa semelhança, tenha ele domínio sobre peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra sobre todos os répteis que rastejam pela terra. Foi dessa forma que Deus criou todos os homens, e esse é o seu propósito para mim e você! Com o rosto desvendado... Existe apenas uma parte do nos- so corpo que tem a capacidade de perceber nossos 5 sentidos e esse é nosso rosto. 1. Visão 2. Olfato 3. Tato 4. Paladar 5. Audição Quando estamos com nossos ros- tos vendados, estamos impedidos de fluir em nossos sentidos e perce- ber, ouvir, contemplar, enxergar, nos alimentar, desfrutar e ter percepção da realidade em nossa volta. Pr. Ricardo Bertoldi Você já se perguntou se alguma coisa tem vendado o seu rosto? Talvez nossa imagem não esta clara ou talvez ainda não entende- mos o porquê de não reflertirmos a imagem de Deus, talvez porque nossos rostos tem estado cober- tos. Antes de nos convertemos a palavra diz que : 2 Co 4:4 nos quais o deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que lhes não res- plandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus. A questão é que Paulo esta falan- do a Igreja nesta carta e pelo fato de mencionar que o rosto precisa ser desvendado é porque de algu- ma forma existia um bloqueio ou uma venda. a) A venda impede de nosso rosto estar desvendado, para que nos olhem como realmente somos, como se estivessemos usando máscaras. Quando usamos máscaras? •Quando não somos autênticos. •Vivemos de uma falsa aparência. •Quando parecemos com algo di- ferente de Cristo. b) A venda impede de nosso ros- to estar desvendado, para enxer- garmos da forma correta quando olhamos. Como perceber isso: •Visão distorcida (não enxergar a realidade ou a verdade). •Cegueira (não enxergar nada, não percebe). •Visão parcial (enxerga só o que quer ver). •Visão errada (esta olhando para outro lugar e não para Cristo).
  15. 15. Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 15 Que tal... ...você ler a Bíblia toda neste ano? Acompanhe o plano de leitura por aqui: ABRIL 10 1Cr 5-6 11 1Cr 7-9 12 1Cr 10-12 13 1Cr 13-16 14 1Cr 17-19 15 1Cr 20-23 16 1Cr 24-26 •Visão com foco errado (olhos es- tão em Cristo, mas apenas para re- ceber benefícios, bênçãos). Nestes dias o Senhor quer tirar tudo o que nos tem mantido ven- dados. Contemplamos... Olhar fixamente; olhar com muita admiração Observar com muita atenção e cui- dado; analisar: Atribuir consideração e reconheci- mento a; considerar: O que temos contemplado? Contemplamos aquilo que valori- zamos. O que você tem valorizado? Coisas eternas ou terrenas. Mt 6:21 porque onde está o teu te- souro, aí estará também o teu co- ração. O que você admira? Ou quem você admira? Como por espelho.... Quando olhamos para um espelho do outro lado somos nós mesmos. Mas a palavra diz que quando nos- sos olhos estão desvendados nós contemplamos a Glória do Senhor. Mas quando nossos olhos estão vendados não enxergamos real- mente o quê precisamos ver. Qual o reflexo que você esta ven- do? • Nosso reflexos, na maioria das vezes tem a ver com os pa- drões e marcas recebidas em nos- sa formação. • Padrões mundanos (refle- xos do diabo). • Ou talvez você se sinta muito bonito, auto capaz, ao ponto de se achar superior e melhor que os outros que estão a sua volta. • Talvez você esta muito preocupado com sua imagem ao ponto de ficar se comparando com os outros. • Ex.: Seu físico, sua inteli- gência, sua condição financeira. Quero desafiar você a parar de olhar o reflexo do seu irmão e o seu próprio. Glória do Senhor.... O padrão de Deus é Cristo e o re- flexo que Deus vê quando olha para você e para mim. Os nossos olhos não podem sair de Cristo, o centro do cristianismo é Cristo e não nós mesmos. Pedro tirou os olhos de Cristo e afundou, talvez você nunca saiu do buraco porque você fica olhan- do para você mesmo e suas limi- tações, suas fraquezas e circuns- tâncias. O Senhor nos manda contemplar a “SUA GLÓRIA”. Muitos não são transformados por- que não conseguem contemplar a Glória de Deus, isso acontece atra- vés de uma experiência poderosa com o Senhor! Quando Deus manifesta sua Gló- ria é impossível ficar da mesma forma. Se você refletir a Glória do Senhor aqueles que te conhecem não serão da mesma forma. Somos transformados.... Nossa transformação acontece quando contemplamos o Senhor, através da palavra, da oração, de alguma forma tocando no Senhor. Porque nosso olhar precisa estar no Senhor!! Quando contemplamos, admira- mos e queremos ser iguais. Nessa transformação tem que ha- ver, o deixar de se enxergar e pen- sar pequeno, de se sentir inferior e ter uma mentalidade de alguém normal e que foi alcançado pela graça de Deus. Transformação tem a ver em olhar para Cristo e perceber o quanto Ele já nos mudou, mas não perder o foco e ver o quanto Ele ainda precisa nos transformar . Glória em Glória... A Transformação é um processo, quando finaliza uma etapa começa outra. Não tem como pular de ano. Para começar algo novo, a Glória que se manifestou em nossas vi- das precisa concluir o que Senhor começou nesta etapa, após isso virá algo novo neste processo de transformação, até que sejamos como Ele. Não pense que é igual a um san- duiche do McDonalds que sai em 60 segundos, às vezes leva tempo. Tenha paciência, confie e espere no Senhor! Em sua própria imagem.... E quando as pessoas olharem para nós transformados, não verão o na- tural, mas nós refletindo a Cristo.
  16. 16. 16 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br Essa é a imagem que eu e você devemos refletir e que faz parte do propósito de Deus para nossas vi- das. Deus trabalha em nossas vidas para que reflitamos a SUA imagem, por isso devemos diminuir para que Ele cresça. Somos transformados para trans- formar. Como Pelo Senhor, O Espírito .... E tudo isso acontecerá não por nossas forças, pois é o Senhor que opera tudo em todos. O Espírito Santo é que convence do pecado, da justiça e do juízo e nos leva a sermos transformados. Talvez por muitas vezes você já tentou pela sua própria força, mas talvez ainda não chegou no limite de você dizer eu não consigo, eu me rendo ao Senhor, a partir dai é o começo. Torne-se totalmente dependente do Senhor e descanse Nele! Quando, porém, vier o que é per- feito, então, o que é em parte será aniquilado. Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, de- sisti das coisas próprias de meni- no. Porque, agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, ve- remos face a face. Agora, conheço em parte; então, conhecerei como também sou conhecido. 1 Co 13:10-12 Fases do Projeto Tema do semestre Sentimentos 1ª Fase – Definição de Alvos e Apresentação – Fevereiro/15. 2ª Fase – Jejum de 21 dias – Mar/15 – Sentimentos 3ª Fase – Conferência dos Vencedores- Abril/15 4ª Fase – Projeto Evangelístico Abril a Junho/15 Reunião geral mobilização - 08/Abril Reuniões de Células foco evangelístico Casa de Transformação – 30/Maio Encontros / Consolidação / Batismos – Até final de Festa da Colheita. 1ª Fase Definição de Alvos juntamente com cada equipe – Janeiro/2015 Jejum 40 horas - 31 de Janeiro, 01 e 02 de Fevereiro Ministração focadas em emprendedorismo no reino. Definições e distribuição da Agenda do semestre Apresentação do projeto do semestre Cofrinhos para Conferência dos Vencedores 2ª Fase Jejum de 21 dias – Sentimentos Março/15 Foco em cada membro da Igreja. Distribuição para que cada um tenha o seu livro Mobilização de cada célula para reuniões diárias Oração duas vezes ao dia no prédio 3ª Fase Jejum de 21 dias – Transformai-vos Março/15 Levar 100% dos membros da Supervisão. Mobilizando liderança Levantando recursos financeiros através dos cofrinhos e outros
  17. 17. Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 17 Alvos por Igreja Igrejas Jun/ 2015 Vila Mariana 1.100 Vila das Belezas 500 Diadema 233 São B. do Campo 118 São Caetano do Sul 60 Jd. São Carlos 110 Cursino 65 Mooca 50 Dorotéia 30 Ass. de Deus Vide 100 Loucos por Cristo 90 Nova Geração de A. 50 Total Geral 2.506 4ª Fase Projeto Evangelístico Abril a Junho/15 Reunião Geral de Mobilização Data - 08 / Abril Reunião das Células Data - 08 / Abril a 29/Maio Cada membro definirá no míni- mo 5 vidas que irá orar neste período Cartão de Oração. A célula irá orar junto por cada vida. Durante esse período cada pessoa do cartão deverá ser visitada. Cada membro testemunhará e convidará suas vidas para as atividades da célula e para a “Casa de Transformação” Todas as células neste período focarão no evangelismo Célula rodízio / Evento Ponte / Visita individual /Reunião de testemunho / Outros Reunião dos Cultos Oração com o cartão das vidas da Ficha de Oração período dentro do culto. Testemunho das visitas realiza- das durante a semana. Jejum de 25 a 29 de maio. Reuniões de Check point por igreja Data – 22/04 e 13/05 Reunião com a liderança para avaliação do andamento. Gerar fé, Orar juntos, avaliar relação das vidas , avaliar a visitas já executadas dentro do discipulado. Planejamento de cada equipe da “Casa de Transformação” Casa de Transformação Data - 30 / Maio Será feito um convite específico para convidar a pessoa para o evento. Cada discipulado reunirá suas células e realizará o evento evangelístico. Serão ministradas palavras com foco em arrependimen- to/ salvação e Sentimentos. (Palavras de no máximo 30 minutos seguidas de teste- munho). Será gravado teste- munho (dvd). Cada membro irá passar e pegar os seus convidados em casa e levá-los ao evento Cada discipulado definirá a comunhão no final do evento. Consolidação Na quarta-feira dia 01/06 – 48 horas após a Casa de trans- formação - Prédio das Igrejas – Reunir todas as vidas que foram a Casa de transforma- ção – entregar uma lembran- ça e convite para o encontro, fazer um coquetel. Efetivar a inscrição de cada vida para o ultimo encontro do semestre no sítio. Ministrar Meus primeiros pas- sos / Reunião de Testemunhos Batismo Realizar um grande festa de batismo até dia 04/07.
  18. 18. 18 | Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br Orientações para Salvar o Casamento O que fazer para salvar o casa- mento? Quais são as orientações da palavra de Deus? Texto: Salmo-127.1 Existem três razões que destroem o ca- samento: Não insista em mudar o seu cônjuge. Um casal recém casado em lua de mel. O marido pergunta a esposa: -Querida você se importa se eu lhe falar sobre alguns peque- nos defeitos seus? Esposa:De modo algum, pois foram esses defeitinhos que me impediram de conseguir um marido melhor, querido. Muitas vezes queremos ser como Deus. Queremos criar na outra pessoa nossa imagem e semelhança e se esquecemos que somos falhos também. Toda vez que tentamos mudar um ao outro geramos conflitos, aí vem a hostilidade, o ressen- timento e a reação. Não pode- mos nunca esquecer que cada um é diferente do outro. Um fala muito, outro não fala nada, um é alegre, outro é serio, um é pontual outro não é. Vejamos o que a bíblia diz: A Bíblia ensina que devemos acolher um ao outro, como cris- to nos acolheu. Lembre-se que quem muda as pessoas é Cristo. Se somos salvos e temos cris- to em nossos corações o que podemos fazer é:Suportar uns aos outros. “Ora nós que somos fortes de- vemos suportar as debilidades dos fracos e não agradar a nos mesmos” Portanto cada um de nos agrade o seu próximo no que é bom para a edificação. Porque também cristo não agradou a si mesmo, antes, como estas escrito: As injurias dos que te ultrajavam caíram sobre mim.(Romanos 15:1.2.3) Nossa tarefa não é mudar, mas amar e aceitar o nosso cônjuge. B – Elogie mais e critique menos. Concentrar-se nos pontos ne- gativos não leva a nada, ao contrario, é desanimador e não produzem nada de bom, cor- rói insidiosamente a harmonia conjugal. Como já vimos nes- se estudo que muitas pessoas que sofrem com o casamento insípido, ou seja, desagradá- vel, monotono, deprimentes ou melancólicos. São casamentos controlados por erros, decep- ções e derrotas do passado. Precisamos ter uma valoriza- ção mutua em nossa vida intima conjugal. Valorizar é um fator bá- sico. A valorização e as palavras de louvor fazem o amor flores- cer, assim como a água refresca uma bela flor. Provérbios 15:1 “A palavra branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” Provérbios 15:23 “O homem se alegra em dar res- postas adequadas, e a palavra a seu tempo quão boa é”. Provérbios 16:24 “Palavras agradáveis são como favo de mel, doces para a alma, e medicina para o corpo. Qual foi a ultima vez que você elogiou seu cônjuge? Seja honesto(a). O segredo de um bom relacionamento não é um contrato entre duas pessoas, mas uma aliança sagrada entre três:Deus, a esposa e o marido. Se não nos dedicarmos a dar honra a Deus, não há muito que possamos fazer para resistir a crescente degradação e des- truição ao laço conjugal hoje em dia. Deixe Deus fazer parte de verdade do seu casamento. Eclesiastes 4:12 “O coração de três dobras não se rebenta com facilidade.” Conclusão: Muitos casais têm sofrido em seus relacionamentos, estão cansados e desanimados. O que estudamos hoje é preciso analisar e tratar, caso contra- rio, não teremos um casamen- to feliz. Coloque a restauração do seu lar como seu maior ide- al de vida. Não desista facil- mente. Vá em frente, continue procurando um método, um meio, um bênção para seu lar ser aquilo que Jesus deseja que seja. Agora, lembre-se: O envolvi- mento serio com Jesus ilumina nossa vida, nossa casa, nosso casamento.Isto é o básico para tornar o nosso casamento numa caminhada que vale a pena.
  19. 19. Mãe onde estás Autora: Norma Penido Ser mãe não é um simples ato de gerar É mais que isto, ser mãe é também amar Por que existe quem gera, mas não ama E existe quem ama sem gerar… O amor é uma prova eficaz da maternidade Através do amor, reconheceu o rei Salomão Entre duas mulheres, qual era a mãe de verdade Ser mãe é gerar um filho dentro do coração Independente das circunstâncias ou situação Às vezes anônimas, ocultas, ou não reconhecidas Ou quem sabe se como as violetas, escondidas Mas sempre perfumando a vida que não gerou Mãe, onde estás? Que lindo coração é o teu! Que sublime missão o Senhor te concedeu! A missão de se tornar mãe, através do amor De amar sem limites, como nos ama o Senhor Teu amor se expressa nas lágrimas de emoção Quando clama por teu filho através da oração Está na tua mão estendida, pronta para abençoar E nas noites indormidas que passas a acalentar Nas renúncias, no sonho que não tornou realidade Pois o trocaste pelo sonho maior da maternidade Tu és mãe, não apenas porque geraste um filho És mãe, porque não podes ofuscar o brilho Que nos teus olhos reflete o teu grande amor És bem aventurada, és virtuosa e agraciada Como foi Maria, a mãe do meu Senhor…
  20. 20. Videira Na Cidade | www.videirasampa.org.br | 20

×