Museu Do Papel

2.085 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Estilo de vida
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.085
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
410
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Museu Do Papel

  1. 4. Inaugurado em 26 de Outubro de 2001, o Museu do Papel Terras de Santa Maria constitui o primeiro espaço museológico dedicado à História do Papel em Portugal, estando instalado numa antiga unidade papeleira do século XIX, situada no lugar de Riomaior, Paços de Brandão. A criação de um museu monográfico dedicado à História do Papel, justifica-se pela importância que, desde indústria do papel teve no concelho de Santa Maria da Feira. Desde o dia 18 de Maio de 2002, este museu integra a Rede Portuguesa de Museus. A principal colecção do Museu do Papel é constituída pelos edifícios que o integram, exemplos de arquitectura tradicional do fabrico de papel, de antigas unidades papeleiras do século XIX; nomeadamente a Fábrica de Custódio Pais e Fábrica dos Azevedos.
  2. 8. O Museu do Papel possui uma exposição permanente dedicada à produção proto-industrial e industrial de papel, localizada numa antiga fábrica de papel, fundada em 1822 e que se manteve em laboração até 1989. A exposição permanente mostra as duas fases mais marcantes da História do Papel em Portugal: a produção folha a folha (1822 - 1916), de carácter proto-industrial, no espaço manufactureiro oitocentista do Engenho da Lourença, e o fabrico industrial (1916 - 1989), no espaço fabril da Casa da Máquina, o qual integra uma máquina contínua de forma redonda.
  3. 15. Esta exposição é composta por peças e maquinaria respeitantes ao processo de fabrico industrial, estando estas colocadas in situ de acordo com as fases deste processo, e também por peças oriundas de diferentes fábricas de papel, não só da região das Terras de Santa Maria, como dos principais pólos papeleiros do país.   Ambos os processos de produção recorrem a equipamentos feitos em madeira de pinho e ferro, como a tesoura de cortar o trapo e, em ambos, a desintegração das fibras da matéria-prima (trapo de algodão / séc. XIX; trapo de algodão e papel velho / século XX) é feita através da pila holandesa, vulgarmente chamada de cilindro, introduzida no concelho de Santa Maria da Feira, nos primeiros anos de 1800, pelo Padre José Pinto de Almeida, da fábrica do Engenho Novo, em Paços de Brandão.
  4. 20. Salienta-se também o moinho de galgas, só introduzido na indústria do papel desta região em finais do século XIX, e os diferentes espaços do processo de fabrico, como a Casa do Espande, destinada à secagem, e a Casa do Lixador, destinada à escolha e embalagem do papel.   Importante também o circuito de água inerente aos dois processos de fabrico (desde o açude, levadas e roda hidráulica), que fornece a energia hidráulica necessária para o moinho de galgas, a pila holandesa e a roda do maxão, sendo a máquina contínua accionada por energia eléctrica.

×