19/9/2011                                                          Estrutura da Pele                                      ...
19/9/2011Proteínas de Adesão                                    Proteases ExógenasStress X Pele                           ...
19/9/2011  Barreira Cutânea                                               Alergia aos cosméticos       Disfunção na barrei...
19/9/2011     Síndrome da Pele Intolerante       Síndrome da Pele IntoleranteAdquirida                           Adquirida...
19/9/2011     Urticária de Contato                                               Urticária de ContatoManifestações Clínica...
19/9/2011  Dermatite de Contato                               Dermatite de ContatoFase Crônica                            ...
19/9/2011Diagnóstico Definitivo               Teste de Contato TESTE DE CONTATO ou PATCH TEST Método mais eficiente Confir...
19/9/2011Teste de Contato                                        Substâncias Alergênicas Resultados:                      ...
19/9/2011Bases                                                    Bases Carreadores ou mediadores usados como solventes ou...
19/9/2011Óleo Mineral                                                            Propilenoglicol Pryce (1989): Prevalência...
19/9/2011   Parabenos                                                                        Dermatite de contato aos cons...
19/9/2011Prevenção de Alergia                                   Importância de Bases Biocompatíveis Regulamentação do uso ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Simpósio Buona Vita 2011 Bases Biocompatíveis

8.094 visualizações

Publicada em

Palestra Bases Biocompatíveis apresentada durante o 11º Simpósio Buona Vita em Curitiba

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.094
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Simpósio Buona Vita 2011 Bases Biocompatíveis

  1. 1. 19/9/2011 Estrutura da Pele Barreira Cutânea da Pele Manifestações Alérgicas na Pele Substâncias Alergênicas Importância das Bases Biocompatíveis Dra Loraine Landgraf Médica Especialista em Alergia e ImunologiaFunções da Pele Estrutura da Pele Importante órgão de defesa contra agentes agressores: Epiderme Ação Mecânica de Proteção Derme Mecanismos Imunológicos de Defesa HipodermeEpiderme Barreira Cutânea Junções 1
  2. 2. 19/9/2011Proteínas de Adesão Proteases ExógenasStress X Pele Analogia Muro de TijolosMatriz Extracelular (Cimento) Matriz Extracelular: Composição Manutenção da integridade da célula Hidratação Envelope lipídico Nutrição Ceramidas Regulação da diferenciação e renovação celular Ácidos Graxos Proteção contra perda de água Colesterol Proteção contra substâncias externas hidrossolúveis Ésteres de Colesterol Elasticidade à pele Proteínas, peptídeos, aminoácidos livres NMF ( Natural Moisturizing Factor) 2
  3. 3. 19/9/2011 Barreira Cutânea Alergia aos cosméticos Disfunção na barreira cutânea: Síndrome da Pele Intolerante Perda transepidérmica de água Constitucional Menor retenção hídrica Adquirida Redução da elasticidade e resistência Facilita sensibilização aos alérgenos Urticária de Contato Facilita penetração dos alérgenos Dermatite de Contato INFLAMAÇÃO ALÉRGICA Irritativa Alérgica Cosmético Suscetibilidade Todo produto aplicado sobre a superfície do corpo com a finalidade de limpar, embelezar ou modificar sua aparência. Maior contato com diferentes substâncias nas diversas formulações Incidência: 10% população reação adversa Maioria das reações são leves Síndrome da Pele Intolerante Síndrome da Pele IntoleranteIntolerância Constitucional Intolerância Constitucional“Pele Sensível” “Pele Sensível”Reação sensorial: Reação sensorial:Ardor, queimação, coceira Ardor, queimação, coceiraEx: Pele com telangiectasias, Ex: Pele com telangiectasias,eritrodermia eritrodermiaResposta não Inflamatória Resposta não InflamatóriaRestringe-se à face Restringe-se à face 3
  4. 4. 19/9/2011 Síndrome da Pele Intolerante Síndrome da Pele IntoleranteAdquirida AdquiridaIntolerância Patológica Intolerância PatológicaDoenças prévias de pele Doenças prévias de pelecom disfunção da barreira com disfunção da barreiracutânea: cutânea: Dermatite Atópica Dermatite Atópica Psoríse Psoríse Síndrome da Pele Intolerante Síndrome da Pele IntoleranteAdquiridaIntolerância PatológicaDoenças prévias de pelecom disfunção da barreiracutânea: Dermatite Atópica Psoríse Urticária de Contato Urticária de ContatoReação Alérgica Imediata Manifestações Clínicas: URTICÁRIAInicia-se menos de 1 hora após o Pápulas elevadas eritematosascontato Prurido intenso Calor localAtivação dos mastócitos Vermelhidão localLiberação de Histamina Suspender o cosmético imediatamente 4
  5. 5. 19/9/2011 Urticária de Contato Urticária de ContatoManifestações Clínicas:URTICÁRIA Manifestações Clínicas:Pápulas elevadas eritematosas ANGIOEDEMAPrurido intensoCalor local Edema (Inchaço)Vermelhidão local PálpebrasANGIOEDEMA LábiosEdema / InchaçoPálpebras, lábios Suspender o cosméticoSuspender o cosmético imediatamenteimediatamente Dermatite de Contato Dermatite de Contato Alérgica Resposta inflamatória da pele à ação de substâncias Reação Tipo IV externas. Irritativa (80%) Reação tardia > 48 horas Substâncias alcalinas, cáusticas ou ácidas Participação de Linfócitos T Sabões, detergentes, cimento, ácidos Alérgica (20%) Não ocorre no primeiro Substâncias alergênicas penetram na pele e estimulam o contato sistema imunológico a desenvolver a inflamação alérgica Período de sensibilização Fotoalérgica Dermatite de Contato Alérgica Dermatite de Contato Alérgica Fase Aguda Fase Aguda Vermelhidão Vermelhidão Edema Edema Vesículas Vesículas Bolhas Bolhas Úlceras Úlceras 5
  6. 6. 19/9/2011 Dermatite de Contato Dermatite de ContatoFase Crônica Fase Crônica Crostas Crostas Descamação Descamação Ressecamento Ressecamento Espessamento Espessamento Dermatite de Contato Dermatite de ContatoFase Crônica Fase Crônica Crostas Crostas Descamação Descamação Ressecamento Ressecamento Espessamento EspessamentoDiagnóstico Clínico: Anamnese Exame Físico Localização (Nexo causal) Localização das lesões Tempo de evolução Frequência Características das lesões Duração Aguda: Eritematosas, edemaciadas, exudadas, Presença de prurido, ardência, queimação vesiculosas, bolhosas Uso de cosméticos Atividades domésticas e de lazer (Hobbies) Crônica: Eritematosas, descamativas, ressecadas, Profissão liquenificadas 6
  7. 7. 19/9/2011Diagnóstico Definitivo Teste de Contato TESTE DE CONTATO ou PATCH TEST Método mais eficiente Confirma o diagnóstico Identifica a substância que causaTeste de Contato Teste de ContatoTeste de Contato Teste de Contato Resultados 7
  8. 8. 19/9/2011Teste de Contato Substâncias Alergênicas Resultados: 2004: Grupo Brasileiro de Estudos em Dermatite de Primeira Leitura 48 horas Contato (GBDEC) Segunda leitura 96 horas Bateria Padrão Brasileira: Análise Estatística do conjunto - Negativo de substâncias alergênicas com maior prevalência no + Discreto eritema com algumas pápulas Brasil ++ Eritema, pápulas e vesículas +++ Intenso eritema, pápulas, vesículas e bolhas 40 Substâncias AlergênicasDetetive Substâncias Alergênicas Formaldeído Irgasan Kathon CG Parabenos Parafenilenodiamina Propilenoglicol Quartenium ClorhexidineSubstâncias Alergênicas Substâncias Alergênicas Germal 115 (Imidazolidinil urea) Butil hidroxi tolueno (BHT) Onde estão presentes: Tonsilamida / Formaldeído (Tolueno) Cosméticos Bronopol Bases ou veículos Cloracetamida Ácido Sórbico Tioglicolato de amônia Amerchol 8
  9. 9. 19/9/2011Bases Bases Carreadores ou mediadores usados como solventes ou Possuem papel fundamental nos produtos: diluentes nos quais os ativos medicinais são Absorção formulados ou administrados Tolerância Biodisponibilidade Devem garantir a entrega de ativo no local de ação em Ação quantidade adequada e pelo tempo necessário. PotênciaBases Bases Aperfeiçoamento: Influência na ação e absorção dos ativos Otimizar a absorção dos ativos Características do local a ser aplicado Liberação dos ativos em alvos específicos (derme) Integridade da barreira cutânea Promover a retenção do ativo nos tecidos Hidratação do local da aplicação Sucesso no tratamento escolhido Maior permeabilidade Otimizando os resultados Solubilidade dos ativos Minimizando os efeitos adversos Tamanho das moléculas dos ativos Lipofilia / hidrofiliaBases Óleo Mineral Parafina Líquida, Petrolato Líquido, Óleo Branco, Vaselina Líquida.As bases devem ser biocompatíveis não devem Derivado da destilação do petróleo conter as substâncias alergênicas Cosméticos: Hidratante, emoliente Aumenta sensibilidade cutânea: Risco de Alergia!! Impede absorção dos ativos Obstrução dos poros: Comedogênico e acneico Aumenta oleosidade da pele Reduz a perda de vapor pela pele: fator oclusivo 9
  10. 10. 19/9/2011Óleo Mineral Propilenoglicol Pryce (1989): Prevalência de dermatite de contato ao É um álcool fluido, incolor, higroscópico. óleo mineral: 30% Solvente Prevenção do desenvolvimento de dermatite alérgica: Hidratante, umectante substituição do óleo mineral Conservante, estabilizante Antisséptico Potencial irritativo e alergênico Warshaw F.M., Dermatitis, 2009, 20(1): 14-20 Pryce M. et al, J Soc Occup Med, 1989, 39:93-98Propilenoglicol Alergia ao Propilenoglicol Solvente de fácil absorção, altera a estrutura de pele, permitindo que outros agentes químicos penetrem North American Contact Dermatitis Group mais profundamente na pele, aumentando a Estudo 1996-2006 quantidade que chega a corrente sanguínea: toxicidade Pacientes 23.359 Teste de contato positivo propilenoglicol: 810 (3,5%) Retira lipídeos da camada córnea: cria falha na barreira cutânea Fontes: Cosméticos: 53,8% Medicamentos tópicos: 18,3% Warshaw F.M. Dermatitis, 2009, 20 (1): 14-20Alergia ao Propilenoglicol Alergia ao Propilenoglicol Lessmann (2005) Potencial irritativo para a pele Concentração do produto Disfunção da barreira cutânea Coloe e Zirwas (2008): sete bases de medicamentos de uso tópico, propilenoglicol maior potencial alergênico Andersen (2010): 12/84 pacientes com alergia ao propilenoglicol, cerca de 14% 10
  11. 11. 19/9/2011 Parabenos Dermatite de contato aos conservantesMetil, Propil, Butil e Etil, Benzil Período de 1996-2009Ésteres ácido p-hidroxibenzóico Pacientes 80.000 Testes de contato positivos:Inibir o crescimento bacteriano e 10 Formaldeídoprolongar durabilidade do 20 Parabenosproduto 30 BronopolAlto risco de reações alérgicas Schnuch A, et al, Br J Dermatol, 2011, 164(6): 1316-2133 Formaldeído Formaldeído e Liberadores de Formol É um aldeído N= 836 pacientes Matéria prima para diversos produtos químicos Sexo feminino: 94% Agente esterilizante Dermatite crônica (>4 meses): 88% Preservante de cosméticos e produtos de limpeza Face: 47% Teste Contato Positivo Formaldeído: 148/836 (17,7%) Carcinogênico humano (pulmão, nariz, cérebro, Resina Tonsilamida/formaldeído: 78% leucemia) Formaldeído: 10% Quartenium: 11% Bronopol: 3% Imidazolinidil Urea: 1% Lazzarini R. Tese de Mestrado, 2006 Formaldeído e Liberadores Bases Biocompatíveis Reação Alérgica formaldeído e liberadores: 15-40% Alergia ao formaldeído associada com maior Na escolha de cosméticos de uso tópico cutâneo, deve- probabilidade de alergia aos liberadores de se ir além da preocupação com os ativos. formaldeído Recomenda-se aos alérgicos ao formaldeído evitar: A escolha da base adequada para o ativo desejado leva Quartenium a um tratamento mais confortável, efetivo e Diazolinidil urea principalmente mais seguro com relação ao Imidazolinidil urea desenvolvimento de alergias. DMDM hidantoin Groot A.C., Contact Dermatitis, 2010, 18-31 11
  12. 12. 19/9/2011Prevenção de Alergia Importância de Bases Biocompatíveis Regulamentação do uso de substâncias alergênicas Cosméticos ecologicamente corretos Cosmetovigilância efetiva Componentes biodegradáveis Documentação dos casos Substituição do óleo mineral pelo óleo vegetal Investigação dos casos Eliminação de produtos sensibilizantes e alergênicos: Análise de todas as ocorrências de reações adversas Óleo Mineral e Parafina Parabenos Tornar a utilização de cosméticos mais segura Formaldeído e Liberadores de formaldeído Propilenoglicol dra.loraine@uol.com.br 12

×