Transposição

3.078 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.078
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
152
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Transposição

  1. 1. Transposição do Rio São Francisco Bruno Sifuentes – 05 Caio Brant - 06 Fernando Moraes – 11 Leonardo Mendonça – Rafael Mathias - 29 Thiago Prates - 33
  2. 2. O Rio São Francisco <ul><li>Possui uma extensão de 2800 km e atravessa os estados de MG, BA, PE, SE e AL. </li></ul><ul><li>O rio São Francisco desemboca no Oceano Atlântico e possui vários rios afluentes em sua bacia hidrográfica: das Velhas, Abaeté, Paraopeba... </li></ul><ul><li>É usado para navegação (em alguns trechos), irrigação de plantações e pesca. </li></ul>
  3. 3. A transposição <ul><li>O plano básico é construir dois imensos canais ligando o rio São Francisco a bacias hidrográficas menores do Nordeste, bem como aos seus açudes. A seguir, seriam construídas adutoras, com o objetivo de efetivar a distribuição da água. O governo também pretende executar um projeto de recuperação do rio São Francisco e de seus afluentes, pois vários desses rios sofrem problemas de assoreamento, decorrentes do desmatamento para agricultura. </li></ul>
  4. 4. A transposição <ul><li>Como ocorrerá? </li></ul><ul><li>Dois canais serão construídos – um na direção Norte, que demandará ao Ceará e o Rio Grande do Norte, outro na direção Leste, que levará água para Pernambuco e Paraíba, beneficiando as áreas mais carentes do agreste e dos sertões desses quatro estados. </li></ul>
  5. 6. A transposição <ul><li>S erá necessário que o Rio seja desviado para que ocorra a transposição? </li></ul><ul><li>Não. Só uma pequena parte do seu volume – ou seja, apenas 1% da água que ele joga no mar – vai ser captada para garantir o consumo humano e animal na região do semi-árido nordestino, onde vivem 12 milhões de pessoas. </li></ul>
  6. 7. A transposição <ul><li>Há disponibilidade de água no Rio São Francisco para utilização no desenvolvimento do Polígono das Secas, assim como se tem feito com a sua energia hidrelétrica. Em segundo lugar, a quantidade de água a ser retirada é muito pequena. A terceira razão é que essa captação vai ocorrer apenas em dois pontos e em locais onde a vazão do rio já está regularizada pelas barragens, não afetando as atividades econômicas nem a navegação </li></ul>
  7. 8. Aspectos positivos <ul><li>A transposição provocará, a longo prazo, um significativo aumento dos números referentes a emprego e renda na região </li></ul><ul><li>Quase 13 milhões de pessoas que vivem em centros urbanos de diferentes proporções passarão a ser abastecidas de água para consumo diário. </li></ul>
  8. 9. Aspectos positivos <ul><li>Áreas abandonadas por falta de irrigação na zona rural voltarão a se tornar produtivas, criando novas fronteiras agrícolas. Até 2025, cerca de 160 mil hectares se tornariam produtivos. </li></ul><ul><li>As águas do São Francisco também melhorariam a qualidade das águas nas chamadas &quot;regiões receptoras&quot;, o que traria inúmeros benefícios em termos de saúde pública, inclusive com uma drástica diminuição no número de óbitos. </li></ul>
  9. 10. Aspectos negativos <ul><li>Ambientalistas dizem que o projeto causará danos à fauna e à flora da região – e que serão desmatados 430 hectares. </li></ul><ul><li>Os responsáveis pelo abastecimento das feiras do sertão – que fazem horticultura no leito dos rios que perdem fluxo durante o ano serão os primeiros a ser prejudicados. Serão os fazendeiros pecuaristas que terão água disponível para o gado, nos cinco ou seis meses que os rios da região não correm. Nesse sentido, os maiores beneficiários serão os proprietários de terra, residentes longe, em apartamentos luxuosos em grandes centros urbanos </li></ul>
  10. 11. Aspectos negativos <ul><li>A área que receberá benefícios abrange dois projetos lineares que somam apenas alguns milhares de quilômetros nas bacias do rio Jaguaribe (Ceará) e Piranhas/Açu, no Rio Grande do Norte. </li></ul>

×