Tema 1 o que é história

852 visualizações

Publicada em

Aula de introdução ao estudo histórico para Ensino Médio

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
852
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Cultura Material: conjunto de objetos que, apreensão de seu uso e finalidade, permite recriar o ambiente social de um povo.
  • Exemplo de influência nacional: criação do Martír Tiradentes
  • Tema 1 o que é história

    1. 1. O que é História? Prof. Bruno Bragança
    2. 2. O que é História?  O estudo do ser humano e suas ações no tempo  Começou a ser estudada como disciplina acadêmica no século XIX na Europa  Visão eurocêntrica: Pré-história; História Antiga; História Medieval; História Moderna e História Comtemporânea
    3. 3. HERÓDOTO: O PAI DA HISTÓRIA  Heródoto foi um importante historiador da antiguidade. Conhecido como o “pai da História”, nasceu na cidade de Helicarnasso (atual Bodrum na Turquia) por volta de 485 a.C. e morreu em 430 a.C.  Principal obra: Histórias  As Guerras Médicas, entre gregos e persas, é o tema de destaque em suas obras. No livro II (Euterpe), Heródoto faz um importante relato histórico sobre o Egito Antigo, destacando a Geografia, História, Religião e vida dos faraós.
    4. 4. CARACTERÍSTICAS DO ESTUDO HISTÓRICO NO TEMPO  Pré-história: Termo muito criticado, pois foi criado através da afirmação de que a história começou a existir somente a partir do momento que o ser humano passou a escrever.  Idade Média: A produção histórica ficou submetida à Igreja, onde o ser humano seria um mero reprodutor das vontades de Deus. Com a ascensão da burguesia isso começou a mudar, ricos e nobres passaram a enaltecer seu passado, ressaltando heróis de batalhas, fundadores de burgos, etc.  Renascimento: A História ganha um caráter mais racional, procurando garantir a fidelidade de um documento. Estudo da cultura material na “pré-história”
    5. 5. O Ofício do Historiador  “O historiador, ao escolher a profissão, deve esquecer o amor aos amigos e o ódio aos inimigos” Políbio, séc. II a.C.  “Sem fatos não tem história, mas sem historiador os fatos não fazem sentido.” José Honório Rodrigues  “O dom de despertar no passado as centelhas da esperança é privilégio exclusivo do historiador” Walter Benjamin  “O passado é, por definição, um dado que coisa alguma pode modificar. Mas o conhecimento do passado é coisa em progresso, que ininterruptamente se transforma e se aperfeiçoa” Marc Bloch
    6. 6. CORRENTES DE ANÁLISE HISTÓRICA  Positivismo: a proposta era a reprodução fiel dos acontecimentos  Priorizar grandes acontecimentos e valorizar heróis, ou seja os sujeitos históricos eram apenas os grandes políticos, militares, etc.  Criação de uma identidade nacional  O historiador era apenas um reprodutor de informações, ou seja, ele deveria ser neutro. August Comte (1798-1857), idealizador do Positivismo.
    7. 7. CORRENTES DA ANÁLISE HISTÓRICA Karl Marx (1818-1883), criador do materialismo histórico  Materialismo dialético e histórico:  A História pode ser analisada através da luta de classes  A história da humanidade estava sendo conduzida por essas lutas Ex.: patrícios x plebeus; servos x senhores; burgueses operários
    8. 8. Correntes da análise histórica  Escola dos Annales:  Documentos não oficiais passaram a ser considerados  Preocupação com pequenos eventos e com pessoas comuns  O cotidiano, a vida privada, os sentimentos, tornaram-se objetos de estudo.  A história oriental e Marc Bloch (1886-1944) e Lucian Febvre (1878-1956) criadores do movimento Escola dos Annales.
    9. 9. QUESTÃO: Leia o texto a seguir: "Desde os tempos de Heródoto e Tucídides, a história tem sido escrita sob variada forma de gêneros: crônica monástica, memória política, tratados de antiquário, e assim por diante. A forma dominante, porém, tem sido a narrativa dos acontecimentos políticos e militares, apresentada como a história dos grandes feitos de grandes - chefes militares, reis. Foi durante o Iluminismo que ocorreu, pela primeira vez, uma contestação a esse tipo de narrativa histórica." Fonte: BURKE, P. "A escola dos Annales 1929- 1989: A revolução francesa da historiografia". Tradução de Nilo Odália. São Paulo: Unesp, 1991, p.18. Com base no texto e nos conhecimentos sobre o tema, é correto afirmar: a) A mudança do gênero de narrativa histórica, iniciada com o movimento Iluminista, questionará uma história dos grandes heróis. b) A produção historiográfica dos gregos e romanos antigos foi deixada de lado pelos pensadores iluministas, pois a Revolução Francesa queimou, como na Inquisição, os textos heréticos. c) Os monges buscaram perpetuar, por meio de suas crônicas monásticas, as realizações consagradas do cotidiano de Heródoto e Tucídides produzindo, assim, um gênero de escrita histórica. d) A narrativa histórica foi revolucionada durante o Iluminismo pelos sábios laicos que buscavam, por meio de seus estudos, alcançar o sentido histórico-religioso da humanidade. e) A história, entendida como um dos principais campos do conhecimento humano, esteve, durante o período antigo, despreocupada com a preservação da memória política dos reis.

    ×