Administração de materiais unidade 03 14-06-07 - 108 - ppts 01 slide por folha+

1.011 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.011
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Administração de materiais unidade 03 14-06-07 - 108 - ppts 01 slide por folha+

  1. 1. Revisão de Gestão Ambiental 1
  2. 2. Prof. M.Sc. Alex Casañas +55(61) 8413-0351 - MSN - brulex@hotmail.com - SKYPE - casanasdf Redes Sociais e Parcerias Facebook: Brulex https://www.facebook.com/alex.casanas1 LinkedIn: Brulex http://br.linkedin.com/in/brulex Twitter: @brulex https://twitter.com/#!/brulex Empresa: www.agencialan.com.br – Marketing Digital www.brulex.com.br – Brulex Vantagens – Vantagem mesmo e ter desconto por resto da sua vida. Compre com Segurança Aqui - Parceria entre o Professor Alex com o site Submarino desde 1999 http://www.submarino.com.br/menu/1060/Livros/?franq=131531 2
  3. 3. Administração de Materiais e Patrimônio • Objetivos a serem alcançados: • Gestão de Centros de Distribuição •Classificação e codificação de materiais •Introdução ao código de barras •Movimentação dos materiais •Noções de arranjo físico •Equipamentos de movimentação e armazenagem de materiais 3
  4. 4. Administração de Materiais e Patrimônio • Objetivos a serem alcançados: • Gestão de Centros de Distribuição •Classificação e codificação de materiais •Introdução ao código de barras •Movimentação dos materiais •Noções de arranjo físico •Equipamentos de movimentação e armazenagem de materiais 4
  5. 5. • Conceito de material: – É o nome genérico de um componente, sobressalente, acessório, matéria­prima, materiais em geral, considerados como itens de utilização possível em uma organização. 5 Classificação e Codificação
  6. 6. • Uma classificação de materiais envolve: – Uma identificação – análise e registro padronizado de dados descritivos de todos os itens; – Uma codificação – representação dos dados descritos de um item por meio de um código (numérico, alfanumérico ou alfabético); – Uma catalogação – consolidação e ordenação lógica dos dados de identificação e catalogação dos dados em um banco de dados. 6 Classificação e Codificação
  7. 7. • Objetivos da classificação de materiais: – Desenvolver um método de identificação dos materiais, de forma clara e racional, que padronize as comunicações internas e externas, no âmbito da Empresa. 7 Classificação e Codificação
  8. 8. • Princípios utilizados na classificação dos materiais: – Arbitrário ­ Os materiais são codificados de forma seqüencial, na medida em que são incorporados no sistema de controle. – Simbólico ­ Os materiais são agrupados segundo uma classificação que guarda entre si uma relação de identidade. 8 Classificação e Codificação
  9. 9. • Vantagens do princípio arbitrário: – Facilidade de aplicação. – Código de controle simplificado. – Custos de aplicação reduzidos – Desnecessário pessoal especializado. 9 Classificação e Codificação
  10. 10. Classificação e Codificação • Desvantagem do princípio arbitrário: – Inexistência de relação lógica entre o código aplicado e o tipo de material. – Não permite grupar os materiais em classes. – Dificulta o planejamento de estoques e a movimentação dos materiais e os processos de compras. 10
  11. 11. • Vantagens do princípio simbólico: – Emprega várias modalidades de codificação: • numérica • alfanumérica • alfabética – Permite criar uma estrutura lógica relacional entre o código e o material; – Codifica os materiais segundo grupos que guardam entre si uma relação de identidade; – Facilita uma rápida identificação do material. 11 Classificação e Codificação
  12. 12. • Desvantagens do princípio simbólico: – Necessita de pessoal especializado. – Os custos de implantação são significativos. – Necessita de um estudo detalhado para a sua estruturação na empresa. – É de maior complexidade na sua aplicação. 12 Classificação e Codificação
  13. 13. • O primeiro passo dado para o uso de uma classificação simbólica foi dado por Mervil Dewey, bibliógráfo norte­americano (Adams Center, Nova Iorque) que inventou a classificação decimal usada em bibliotecas, que passou a ser denominada de sistema decimal universal (SDU). 13 Classificação e Codificação
  14. 14. • A classificação envolvia 10 grandes classes: – 000 ­ Obras Gerais – 100 ­ Filosofia – 200 ­ Religião – 300 ­ Ciências Sociais – 400 ­ Lingüística – 500 ­ Ciência Pura – 600 ­ Artes Aplicadas – 700 ­ Artes e Recreações – 800 ­ Literatura – 900 ­ História 14 Classificação e Codificação
  15. 15. • Exemplo de utilização do SDU: – 500 – Ciência Pura – 510 ­ Matemática – 520 ­ Astronomia – 530 ­ Física – 540 ­ Química – 550 – Ciência do Solo – 560 ­ Paleontologia – 570 – Ciências Biológicas – 580 ­ Botânica – 590 ­ Zoologia 15 Classificação e Codificação
  16. 16. • Exemplo de utilização do SDU: • Subclasse 540 ­ Química – 541 – Físico­Química – 542 – Laboratórios e Equipamentos – 543 – Química Analítica Geral – 544 – Química Analítica Qualitativa – 545 – Química Analítica Quantitativa – 546 – Química Inorgânica – 547 – Química Orgânica – 548 ­ Cristalografia – 549 ­ Mineralogia 16 Classificação e Codificação
  17. 17. • Com essa classificação fica fácil identificar uma obra: – Por exemplo: suponha uma obra que tenha a classificação: • 5 4 1 17 Análise Química Química Ciência Pura Classificação e Codificação
  18. 18. • Estrutura do Código Decimal Simplificado (UDS): – Chave aglutinadora – Chave simplificadora – Chave descritiva 18 XX - XX - XXX Chave Aglutinadora Chave Individualizadora Chave Descritiva Classificação e Codificação
  19. 19. • Exemplo de aplicação: 19 01 – Pregos 02 – Parafusos 03 – Porcas 04 - Arruelas Classificação e Codificação
  20. 20. • Detalhamento do processo: 20 Código : 01 - 02 - 001 Ferragem Parafuso Cabeça Redonda com Fenda Classificação e Codificação
  21. 21. • Sistema FSC – Federal Supply Classification – Foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, para uniformizar a: • Identificação • Codificação • Catalogação – Para todos os materiais movimentados pelos diversos orgãos do governo americano. 21 Classificação e Codificação
  22. 22. • Estrutura do FSC se baseia no denominado Federal Stock Number (FSN): 22 xx xx - xxx - xxxx Grupo Classe Número de Identificação Classificação e Codificação
  23. 23. • Ficha de identificação do material: – Código do material – Nome do material – Descrição técnica – Referências de fornecedores e origem – Fontes de consultas – Embalagem – Acondicionamento – Permutabilidade – Aplicação 23 Classificação e Codificação
  24. 24. • Bibliografia recomendada: – Dias, Marco Aurélio P. – Administração de Materiais – Edição Compacta – Ed. Atlas – págs. 176 / 179. – Francischini, Paulino G. e Gurgel, Floriano do Amaral – Administração de Materiais e do Patrimônio – Ed, Thopson/Pioneira.­ Págs. 117/140. – Gurgel, Floriano do Amaral – Logística Industrial – Ed. Atlas – págs. 176/185. 24 Classificação e Codificação
  25. 25. • Questões: – Qual o objetivo da classificação de materiais? – Quais procedimentos devem ser considerados na classificação dos materiais? – Quais os princípios utilizados na codificação de materiais? – Quais as vantagens e desvantagens de cada um dos princípios considerados? – Quais as características do sistema de classificação UDS? – Quais as características do sistema de classificação FSC? Em que ele se baseia? 25 Exercícios Recomendados
  26. 26. Código de Barras • Neste tópico você vai identificar e explicar: – Código de Barras • A importância da utilização de um código de barras. • Os diversos tipos de código de barras. • Os custos envolvidos na implantação de sistemas de controle de materiais com código de barras. • Os benefícios da utilização de códigos de barras. • O impacto da automação dos processo com a implantação de códigos de barras. 26
  27. 27. • Por que utilizar um código de barras? – Um supermercado de médio porte realiza, em média, 250 mil operações de digitação por dia. – Vasta capacidade de homens/hora para alimentar um computador. – Grande possibilidade de erros na digitação dos dados. – Foi desenvolvido para automatizar os procedimentos de entradas de dados (data-entry). 27 Código de Barras
  28. 28. • Foram desenvolvidos dois métodos de entradas de dados: – Código magnético­ onde as informações são gravadas em material magnético. Esse sistema requer o contato físico entre a leitora do código e o código e necessita de material especial. – Código de barras – onde as informações são gravadas oticamente em materiais e tintas variadas. Esse sistema é de baixo custo, fácil de ser implantado e vem sendo largamente utilizado. 28 Código de Barras
  29. 29. • Existem vários códigos de barra: – Código 39 – é alfanumérico e tem sua aplicação na indústria mecânica, pois se adapta bem à baixa qualidade de impressão. – Código IITF – é numérico, também se adapta bem à baixa qualidade de impressão e é muito utilizado na codificação de embalagens de embarque. – Códigos UPS e EAN – são numéricos, têm a mesma estrutura de codificação, utilizados principalmente no comércio de mercadorias e são compatíveis entre si. 29 Código de Barras
  30. 30. • Existem vários códigos de barra: – EAN/DUN 14 – é um código destinado à marcação de caixas, fardos e unidades de despacho que contêm várias unidades de consumo. – EAN 13 ­ é um código destinado à identificação de produtos em suas embalagens de venda ao consumidor final. Tem 13 dígitos. Os três primeiros dígitos identificam o país de origem, no caso do Brasil, os dígitos são: 789. – EAN 8 – código de oito dígitos também destinado à identificação de produtos de consumo. Aplicado nos casos de embalagens de pouco espaço útil. 30 Código de Barras
  31. 31. • Alguns siglas utilizadas: – EAN – European Article Numbering – entidade que administra o sistema padrão de numeração de produtos, serviços e locais. No Brasil é a EAN/Brasil – cujo site poderá ser acessado pelo endereço www.eanbrasil.gov.br. – EDI – Electronic Data Interchage – ferramenta de comunicação que possibilita a transmissão entre computadores de empresas, de documentos de negócios pré­formatados segundo um padrão comum. – PDV – equipamento que, além de registrar a venda ao cliente, funciona como a principal estação de captação de dados dentro da loja (scanner, leitores de cartão, etc). 31 Código de Barras
  32. 32. • Sistema de identificação 32 (Fonte : www.eanbrasil.org.br) Código de Barras
  33. 33. • Estrutura dos códigos de barras – exemplo: 33 (Fonte : www.eanbrasil.org.br) Código de Barras
  34. 34. • Na estrutura do código, o sistema de identificação inclui um dígito adicional, denominado variante logística: 34 (Fonte : www.eanbrasil.org.br) VL – XXX – XXXXX – XXXXX - XX Prefixo Indica o País de Origem Código da Empresa Código do Produto Dígito de Controle Variante logística { 1 ... 8} Código: EAN/DUN 14 Código de Barras
  35. 35. • Estrutura da variante logística no código de barras: 35 (Fonte : www.eanbrasil.org.br) Código de Barras
  36. 36. • Etiqueta de identificação – um exemplo: 36 (Fonte : www.eanbrasil.org.br) Código de Barras
  37. 37. • Custo: – Investimentos: • Equipamentos e aplicativos (softwares). • Rede de comunicação de dados. – Treinamento de pessoal • Na implantação do sistema. • Na manutenção do sistema. – Capacidade técnica: • Atualização permanente • Manter equipe mínima 37 Código de Barras
  38. 38. • Benefícios: – Produtividade: • Melhores serviços e melhores vendas. • Redução dos custos. • Eliminação da papelada. • Agilidade. – Qualidade: • Melhoria no atendimento. • Redução de erros. • Aumento da segurança 38 Código de Barras
  39. 39. • Automação: custos x benefícios: 39 ATENDIMENTO OPERAÇÃO GESTÃO INVESTIMENTO PROCESSOS RETORNOS Equipamentos Aplicativos Recursos Humanos Satisfação do Cliente Produtividade Lucratividade Parte. no Mercado Código de Barras
  40. 40. • Bibliografia recomendada: – Homepage: www.eanbrasil.org.br – Grossman, Fábio e Zyngier, M.Luiz ­ Código de barras – Da teoria à prática – ed. Novel 2a. Edição. – Francischini, Paulino G. e Gurgel, Floriano do Amaral – Administração de Materiais e do Patrimônio – Ed, Thopson/Pioneira.­ Págs. 117/140. – Gurgel, Floriano do Amaral – Logística Industrial – Ed. Atlas – págs. 176/185. 40 Código de Barras
  41. 41. • Questões: – Qual a importância da utilização de um código de barra? – Qual a organização responsável, no Brasil, pela gestão da utilização de códigos de barras em produtos? – O que é variante logística em um código de barras? – Quais são os principais custos que são incorridos com a implantação de um sistema de código de barras? – Quais os benefícios da utilização de um código de barras? – Quais são os impactos organizacionais da implantação de um código de barras em uma empresa? 41 Exercícios Recomendados
  42. 42. • Neste tópico você vai identificar e explicar: – As atividades que envolvem a movimentação dos materiais. – As responsabilidades de um centro de distribuição de materiais. – A importância da realização de inventários físicos dos materiais. – Alguns métodos para realização de inventários físicos dos materiais. 42 Movimentação de Estoques
  43. 43. • Movimentação dos Estoques – Um Centro de Distribuição possui as seguintes funções básicas: 43 Centro de Distribuição RECEPÇÃO MOVIMENTAÇÃO EXPEDIÇÃO Movimentação de Estoques
  44. 44. • A movimentação de Materiais é: – A atividade ou função da Administração de Materiais responsável pela geração de dados e/ou informações relativas ao fluxo contínuo das operações relacionadas com as entradas e saídas dos materiais dos Centros de Distribuição 44 Centro de Distribuição Entradas Saídas Movimentação de Estoques
  45. 45. • As atividades relacionadas a um centro de distribuição envolvem: – Receber os materiais. – Identificar os materiais. – Despachar os materiais para as áreas de armazenagem. – Armazenar os materiais. – Escolher os materiais. – Preparar o despacho. – Despachar. – Operar equipamentos de movimentação/transporte e outros. 45 Movimentação de Estoques
  46. 46. • As entradas nos Centros de Distribuição ocorrem por: – Novas aquisições – Beneficiamento, reparo ou canibalização; – Devolução interna; – Devolução externa; – Cessão de Terceiros; – Devolução de Empréstimo; – Transferência entre almoxarifados; – Alienação; – Ajustes contábeis ( Sobra ). 46 Movimentação de Estoques
  47. 47. • As saídas dos Centros de Distribuição ocorrem por: – Consumo interno; – Venda; – Beneficiamento, reparo ou canibalização; – Produção interna; – Alienação; – Terceiros; – Devolução a terceiros – Cessão a terceiros; – Transferência entre almoxarifados; – Ajustes contábeis (faltas). 47 Movimentação de Estoques
  48. 48. • As operações de movimentação dos estoques de entradas e saídas envolve: – Usuários; – Controle de Estoques; – Produção; – Almoxarifados; – Contabilidade; – Vendas; – etc. 48 Movimentação de Estoques
  49. 49. • Essa movimentação implica na necessidade de se verificar que o estoque físico confere com o estoque existente nos livros contábeis. • Esse procedimento de verificação dos estoques denomina­se inventário físico. 49 Movimentação de Estoques
  50. 50. • Quatro critérios básicos são utilizados para elaboração dos inventários: – Inventário anual. – Inventário rotativo. – Inventário automático. – Inventário programado. 50 Movimentação de Estoques
  51. 51. • Inventário anual: – Esforço concentrado, produzindo pico de custo. – Gera impacto nas atividades da empresa, com almoxarifados de portas fechadas. – Produtividade de mão­de­obra decrescente, ocorrendo falhas durante o processo. 51 Movimentação de Estoques
  52. 52. • Inventário anual: – Almoxarifes “reaprendem” ano após ano; – As causas das divergências não são identificadas; – A confiabilidade não melhora. 52 Movimentação de Estoques
  53. 53. • Inventário rotativo: – Sem grandes esforços, os custos do inventário são  distribuídos. – É possível a continuidade do atendimento, com  almoxarifados de portas abertas. – Incremento de produtividade com ações  preventivas que, em conseqüência, reduzem as  falhas. 53 Movimentação de Estoques
  54. 54. • Inventário rotativo: – Almoxarifes tornam­se especialistas no processo e  nos ajustes; – O feedback imediato eleva a qualidade, havendo  motivação e participação geral, assim, as causas  das divergências são rapidamente identificadas – Aprimoramento contínuo da confiabilidade 54 Movimentação de Estoques
  55. 55. • Inventário automático: – É gerado automaticamente pelo sistema de  controle dos estoques, que envolve: • Entradas • Saídas • Saldos 55 Movimentação de Estoques
  56. 56. • Inventário automático: – Sempre que um item de estoque: • Tiver saldo zero no sistema de controle. • A solicitação desse item for atendida parcialmente. • A solicitação desse item não for atendida. – O sistema vai gerar uma ordem para a realização  do inventário físico desse item de estoque! 56 Movimentação de Estoques
  57. 57. • Inventário automático: – Sempre que um item de estoque: • Um item de material crítico é requisitado; • Um item de material crítico é recebido; • Ocorre uma transferência de localização do item de  estoque. – O sistema vai gerar uma ordem para a realização  do inventário físico desse item de estoque ! 57 Movimentação de Estoques
  58. 58. • Inventário programado: – É aquele em que os itens sofrem uma contagem física, que é então comparada com os saldos existentes nos registros contábeis, por meio de uma programação de trabalho, onde os itens são inventários de acordo com um critério estabelecido em função de sua importância financeira (curva ABC). – Os empregados que trabalham nos inventários dos estoques são normalmente denominados de “conferentes de estoques”. 58 Movimentação de Estoques
  59. 59. • Exemplo de programação de inventário físico: 59 Programa de Inventário Classe do item Amostragem Freqüência A1 100% Mensal A A2 100% Bimestral A3 100% Trimestral B1 100% Mensal B B2 20% Semestral B3 20% Anual C1 5% Semestral C C2 5% Anual C3 5% Anual Movimentação de Estoques
  60. 60. • Bibliografia recomendada: – Dias, P. Marco Aurélio – Administração de Materiais – Edição Compacta – Ed. Atlas ­ págs. 180 / 184 – Arnold, J.R.Tony – Administração de Materiais – Ed. Atlas ­págs. 361 / 369 60 Movimentação de Estoques
  61. 61. • Exercícios: – Dias, P. Marco Aurélio – Administração de Materiais – Edição Compacta – Ed. Atlas. • Pág. 185 – questões: 1 / 12. 61 Exercícios Recomendados
  62. 62. Unidade 3 • Neste tópico você vai identificar e explicar: – Noções de Arranjo Físico • As atribuições dos centros de distribuição. • Os três tipos de centros de distribuição. • A importância do planejamento da armazenagem. • A importância da unificação das cargas. • A importância da elaboração de um bom arranjo físico para a armazenagem e movimentação dos materiais nos centros de distribuição. • A importância da utilização de softwares para o projeto de arranjos físicos de centros de distribuição. 62
  63. 63. Noções de Arranjo Físico • Os centros de distribuição de materiais destinam­se a: – Recebimento de cargas; – Armazenamento dos materiais; – Expedição dos materiais. • Os centros de distribuição transformam­se em pólos geradores de cargas. • Os centros de distribuição devem ficar em locais de fácil acesso, permitindo utilização de diversos meios de transporte (rodoviário, ferroviário, etc.). 63
  64. 64. Noções de Arranjo Físico • Os objetivos da administração de centros de distribuição de materiais envolvem: – Oferecer atendimento adequado aos clientes. – Manter controle dos itens armazenados. – Minimizar os custos totais de movimentação dos materiais. – Otimizar o espaço disponível para armazenamento e manuseios dos materiais. – Utilizar um sistema ágil de localização de um item de estoque existente na área do almoxarifado. 64
  65. 65. Noções de Arranjo Físico • Uma importante função de um centro de distribuição refere­se à separação dos pedidos e sua entrega ao cliente. • Para melhor atender aos clientes, os centros de distribuição vêm disponibilizando operações de separação e entrega de pedidos por meio da modulação das cargas 65
  66. 66. Noções de Arranjo Físico • A modulação das cargas é um sistema estruturado (modal) baseado no conceito de UNIMOV (unidade de movimentação) que envolve: – Embalagem de contenção – embalagem em contato direto com o produto. – Embalagem de apresentação – embalagem na qual o produto é apresentado ao usuário no ponto­de­venda. – Embalagem de comercialização – embalagem que contém um múltiplo da embalagem de apresentação. – Embalagem de movimentação – embalagem para ser movimentada racionalmente por equipamentos especiais. 66
  67. 67. Noções de Arranjo Físico • Os centros de distribuição podem ser classificados em três modalidades: – Armazéns primários – destinados a armazenamento de unidades de movimentação (UNIMOV). – Armazéns secundários – destinados a armazenamento de unidades de comercialização. – Armazéns terciários – destinados a armazenamento de unidades de apresentação (exemplo: supermercados). 67
  68. 68. Noções de Arranjo Físico • Uma armazenagem bem planejada permitirá: – Redução de perdas por quebra. – Diminuição dos acidentes de trabalho. – Menor tempo de movimentação das cargas. – Melhor aproveitamento do espaço disponível. 68
  69. 69. Noções de Arranjo Físico • Um importante fator para redução dos custos de movimentação dos materiais é o projeto do arranjo físico, que deverá levar em conta: – A rotatividade dos materiais. – O volume e peso dos itens estocados. – O fluxo de entrada e saída. – A similaridade entre os materiais. 69
  70. 70. Noções de Arranjo Físico • Um importante fator para redução dos custos de movimentação dos materiais é o projeto do arranjo físico, que deverá levar em conta: – O armazenamento de materiais de valor (ouro, metais preciosos, etc) em áreas apropriadas. – O projeto de cargas unitárias (unit load). – O projeto de unidades de fornecimento (SKU – stock keep unit). – O acondicionamento e a embalagem de cada material. – Normas para a conservação dos materiais. 70
  71. 71. Noções de Arranjo Físico • O arranjo físico é uma das chaves para a eficiência operacional de longo prazo. • Um layout eficaz pode auxiliar a organização em obter vantagens competitivas por meio da diferenciação : baixos custos ou respostas rápidas. • O objetivo da estratégia de layout é desenvolver um arranjo físico de forma econômica dentro da estratégia competitiva da organização. 71
  72. 72. Noções de Arranjo Físico • Desenvolvimento de um arranjo físico econômico envolve os seguintes pontos: – Projeto de produtos e volume (estratégia de produto). – Equipamentos e capacidades (estratégia de processo). – Qualidade de vida no trabalho (estratégia de recursos humanos). – Construções e restrições de localização (estratégia de localização). 72
  73. 73. Noções de Arranjo Físico • Arranjos físicos adequados permitem: – Alta utilização do espaço, equipamentos e pessoal. – Melhora no fluxo de informação, materiais e pessoal. – Melhorar a satisfação dos empregados e a segurança no trabalho. – Melhorar a interação entre clientes/consumidores. – Flexibilidade operacional. – Agilidade na expedição dos materiais. 73
  74. 74. Noções de Arranjo Físico • Requisitos para elaboração de um bom arranjo físico: – Uma exata compreensão da capacidade e do espaço necessário; – Uma seleção apropriada dos equipamentos de movimentação; – Decisões com respeito ao ambiente e na estética; – Identificação e entendimento das necessidades de fluxo das informações; – Identificação dos custos de movimentação das várias áreas de trabalho. 74
  75. 75. Noções de Arranjo Físico • Alguns softwares são utilizados para auxiliar o projeto de um bom arranjo físico, dentre eles: – CRAFT ­ alocação relativa computadorizada das instalações. – ALDEP ­ programas automatizados de projeto de arranjos físicos. – CRAFT 3­D. – CORELAP ­ planejamento computadorizado do arranjo físico. – ARENA ­ (www.paragon.com.br) – PROMODEL ­ (www.promodel.com) 75
  76. 76. Noções de Arranjo Físico • www.paragon.com.br 76
  77. 77. Noções de Arranjo Físico • www.promodel.com 77
  78. 78. Noções de Arranjo Físico • Exemplo de arranjo físico: 78 Zonas Transportador Expedição Carri nho (Fonte: Heizer & Render Operation Management - Printice Hall)
  79. 79. Noções de Arranjo Físico • Bibliografia recomendada: – Dias, Marco Aurélio P – Administração de Materiais – Ed. Atlas – 4a. Edição ­ Págs. 297/306. – Arnold, J.R. Tony – Administração de Materiais – Ed. Atlas – Págs. 218/221 – Gurgel, Floriano do Amaral – Logística Industrial – Ed. Atlas – Págs. 131/152 79
  80. 80. Exercícios Recomendados • Questões: – Quais as principais funções de um centro de distribuição? – Que importante atividade se desenvolve em um centro de distribuição? – Quais são os principais objetivos de um arranjo físico? – O que é uma UNIMOV e como ela se apresenta? – Quais são os principais requisitos para elaboração de um bom arranjo físico? – Cite alguns softwares que são utilizados para os estudos dos arranjos físicos. – Visite os sites indicados (slides 15 e 16) e faça um pequeno relatório do conteúdo de cada um deles. 80
  81. 81. • Neste tópico 5 você vai identificar e explicar: – Equipamentos de movimentação e armazenagem; – O uso de equipamentos para o armazenamento dos materiais. • Os diversos tipos e modelos de equipamentos de movimentação e transporte de materiais. • Os critérios para utilização de cada equipamento destinado a armazenamento e à movimentação dos materiais. 81 Unidade 3
  82. 82. • A movimentação e armazenamento de materiais envolve: – Análise das cargas a serem transportadas. – Tipos de embalagens utilizadas. – Modais de transporte (aéreo, ferroviário, rodoviário, etc). – Unidades de carga (recipiente onde a carga vai estar contida). – Critério de armazenamento (empilhamento, uso de prateleiras, etc.). 82 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  83. 83. • No armazenamento dos materiais são utilizados: – Paletes – estrados de madeira, metal ou plástico, que facilitam a carga, descarga e o empilhamento dos materiais. – Contentores – caixas metálicas ou de madeira, para o acondicionamento do material, que permitem o seu empilhamento. – Estanterias – estruturas de metal que permitem a utilização máxima do espaço vertical do armazém. – Estruturas porta-paletes – estruturas de metal que permitem o armazenamento de paletes que não podem ser empilhados. 83 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  84. 84. • No armazenamento dos materiais são utilizadas: – Estruturas dinâmicas – também conhecidas como drive-in – que facilitam a rotação do estoque uma vez que elas são abastecidas de um lado e o material é retirado do outro lado, por meio da utilização de um sistema de plano inclinado. – Estruturas cantilver – especialmente projetadas para o armazenamento de cargas compridas, como barras de ferro, tubos de aço, tubos de plástico, etc. 84 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  85. 85. • Os equipamentos de movimentação têm a seguinte classificação: 85 (Fonte : Novaes & Alvarenga in Logística Aplicada – Pioneira) Equipamentos de movimentação e armazenagem EQUIP. MOVIMENTAÇÃO MOVIMENTO HORIZONTAL MOVIMENTO HORIZONTAL E VERTICAL MANUAL MOTORIZADO CARRINHOS PALETEIRA COM OPERADOR AUTOMÁTICO A PÉ EM PÉ SENTADO ACIONADO COM TIMÃO REBOCADORES AUTOCARRINHOS TRATORES TRANSPORTES AUTOGUINDASTES REBOCADORES CONTROLADOS POR INSTRUÇÃO DESLOCAMENTO MANUAL MOTORIZADO GUINDASTES SOBRE RODAS CARRINHOS EMPILHADORAS EMPILHADEIRAS GUINDASTES OPERADOR A PÉ EM PÉ SENTADO GUINCHO ESCAVA- DEIRAS TIMÃO CONTRABA- LANCEADA PATOLA PATOLA MASTRO RETRÁTIL LONGO ALCANCE E CORREDOR ESTREITO CONTRABA- LANCEADO PATOLA LATERAL MULTIDI- RECIONAIS CONTROLE NA PLATAFORMA ELEVATÓRIA (ORDER-PICKING)
  86. 86. • Palete de madeira padrão (1,00 m x 1,20 m x 0,80 m): 86 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  87. 87. • Exemplos de estruturas porta­paletes: 87 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  88. 88. • Exemplos de estanterias: 88 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  89. 89. • Exemplo de estrutura especial para movimentação de materiais, normalmente utilizada em áreas de recebimento/expedição: 89 Transportador de roletes Correia transportadora Equipamentos de movimentação e armazenagem
  90. 90. • Exemplo da utilização de mezanino para aumenta a utilização dos espaços na armazenagem de materiais: 90 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  91. 91. • Exemplo da utilização de carrinhos para transporte de materiais: 91 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  92. 92. • Exemplo da utilização de sistemas de trans­ elevadores para aumentar o espaço vertical: 92 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  93. 93. • Exemplo de modelagem de espaços para expedição de materiais com uso de softwares especiais: 93 (Fonte: www.nrm.com) Equipamentos de movimentação e armazenagem
  94. 94. • Exemplo da utilização de plataformas e correias transportadoras na movimentação de materiais: 94 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  95. 95. • Empilhadeiras são classificadas em: – Empilhadeiras frontais – utilizadas por proporcionar flexibilidade operacional e permitir melhor aproveitamento dos espaços de armazenagem. – Empilhadeiras laterais – equipamento versátil e flexível destinado a manobra em pequenos espaços, de cargas pesadas, compridas e desajeitadas. – Empilhadeiras manuais – equipamento intermediário entre o carrinho manual e a empilhadeira motorizada. Utilizadas normalmente para cargas entre 300 / 1.500 kg. 95 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  96. 96. • Exemplo da utilização de empilhadeiras para o armazenamento, movimentação e expedição dos materiais: 96 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  97. 97. • Vantagens e desvantagens do uso de carrinhos para o transporte de materiais: – Vantagens: • Baixo custo • Versatilidade • Baixíssimo custo de manutenção – Desvantagens: • Baixa velocidade de operação • Baixa produção • Capacidade de carga e raio de ação limitados. 97 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  98. 98. • Exemplos de carrinhos para o transporte de materiais: 98 Carrinho elétrico Carrinho manualGuincho manual Equipamentos de movimentação e armazenagem
  99. 99. • Exemplo da utilização de caminhões tipo plataforma para o transporte de materiais: 99 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  100. 100. • Exemplos da utilização de contendores no transporte : 100 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  101. 101. • Exemplo de armazenamento de contendores com uso de guindastes especiais : 101 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  102. 102. • Movimentação de contendores para embarque marítimo: 102 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  103. 103. • Exemplo da área de expedição de materiais : 103 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  104. 104. • Bibliografia recomendada: – Dias, Marco Aurelio P. – Administração de Materiais – Ed. Atlas ­ 4ª edição – págs. 204/ 257. – Paulino G. Francischini e Gurgel, Floriano do Amaral – Administração de Materiais e Patrimônio – Ed. Thomson/Pioneira – págs. 213/259. – Gurgel, Floriano do Amaral – Logística Industrial – Ed. Atlas – págs. 345/357. 104 Equipamentos de movimentação e armazenagem
  105. 105. • Questões: – Indique os principais fatores que devem ser levados em conta no estudo da movimentação e armazenamento dos materiais. – Quais são os principais equipamentos destinados ao acondicionamento dos materiais? – Como são classificados os diversos equipamentos de movimentação dos materiais? – O que são estruturas cantilever? Qual a sua utilização no armazenamento dos materiais? 105 Exercícios Recomendados
  106. 106. • Questões: – O que são sistemas de transelevadores? Como são utilizados para o armazenamento de materiais? – Qual a aplicação das empilhadeiras no armazenamento e manuseio de materiais? – Visite as homepages abaixo indicadas e faça uma pequena análise dos equipamentos oferecidos para armazenamento e manuseio dos materiais: • www.mitforklift.com • www.paletessantacruz.com.br 106 Exercícios Recomendados
  107. 107. 107 Administração de Materiais e Patrimônio • Ao término desta Unidade você deverá ser capaz de: •Gestão de Centros de Distribuição •Classificação e codificação de materiais •Introdução ao código de barras •Movimentação dos materiais •Noções de arranjo físico •Equipamentos de movimentação e armazenagem de materiais
  108. 108. 108 Administração de Materiais e Patrimônio • Ao término desta Unidade você deverá ser capaz de: •Gestão de Centros de Distribuição •Classificação e codificação de materiais •Introdução ao código de barras •Movimentação dos materiais •Noções de arranjo físico •Equipamentos de movimentação e armazenagem de materiais
  109. 109. ��������������������������������������������������������������������������� ��������������������������������������������������������������������������������� �����������������������������������������������������

×