Uma torrada com manteiga e mel
353
A transferência
Ao longe ouvia-se o bater abafado e repetitivo de uma
motobomba que com...
augusto brilhante ribeiro
354
cesso de fumo que lhe conspurca a garganta e os pulmões.
Habitualmente estes amigos reservav...
Uma torrada com manteiga e mel
355
tratorista logo os acalmou, pois que só demorara um pouco
mais do que o habitual, porqu...
augusto brilhante ribeiro
356
Terminou por ali o assunto e cada um empoleirou-se no
trator e atravessaram a aldeia que pac...
Uma torrada com manteiga e mel
357
Na hora da despedida houve muito choro e muita de-
monstração de carinho do rebanho par...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A transferência pág 353 a 357

95 visualizações

Publicada em

Uma luta de poderes na igreja

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
95
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A transferência pág 353 a 357

  1. 1. Uma torrada com manteiga e mel 353 A transferência Ao longe ouvia-se o bater abafado e repetitivo de uma motobomba que começara cedo a matraquear. Zé Manel colocou o resto da carga no atrelado e meteu-se a caminho de casa. O trator que conduzia já não era novo, mas suficiente- mente afinado para o levar por caminhos de terra batida com sulcos cavados pelos rodados e pelas enxurradas que os fize- ram ainda mais fundos. ´Tranquilamente lá foi ele, mas sempre preocupado com o atrelado pois receava que ficasse preso em algum buraco, que já estavam muito fundos. Tinha de falar com o presidente da freguesia para que mandasse fazer um arranjo, antes que fos- se maior a despesa, pensava e falava com os seus botões. Uma ou outra vez gingou os braços com repentinos desvios de direção até que ao chegar ao cimo da encosta, finalmente en- controu terra plana e depois asfalto na estrada principal. Um pouco mais devagar do que o habitual subiu a encos- ta até ao planalto onde o esperavam os companheiros do jogo das cartas. Estes amigos tinham acabado o serviço deles e entretanto souberam novidades bem desagradáveis. Estavam à espera do Zé Manel para lhe contar o que sabiam e entretan- to consumiam mais cigarros do que até àquela hora estaria previsto. Zé Manel, ao ver os amigos ao longe envoltos numa nu- vem de fumo branco, comentou para si ─ O Tó Zé ainda não se convenceu de que aquele constante pigarro se deve ao ex-
  2. 2. augusto brilhante ribeiro 354 cesso de fumo que lhe conspurca a garganta e os pulmões. Habitualmente estes amigos reservavam alguns dias da semana para se juntarem na taberna com o intuito de jogarem as cartas. Umas vezes jogavam a "bisca", outras a "sueca" e diziam que andavam a aprender uma outra modalidade, que nem se sabia bem o nome. Justificaram que fora um antigo co- lega deles que emigrara e agora estava a viver na capital, que lhes ensinara. Ele tinha passado as férias do verão por lá e re- solveu dizer-lhes como se jogava, só que aquilo era muito complicado e precisavam de alguns esclarecimentos. “Sueca” que se preze tem de ter quatro jogadores e de todos, se houver fumador ele aguentará o cigarro no canto da boca até que não seja mais do que cinza. As mãos ficam ocupadas; uma a segurar nas cartas dis- tribuídas e a outra a batê-las com sonoridade para alertar o parceiro de que há ou não há carta boa com ele. Outras vezes é uma indicação para o parceiro “puxar o trunfo”. Esta lingua- gem de sinais camuflados, que são conhecidos por todos, dá uma mística sensação de que se consegue enganar os adver- sários. No final de cada jogada fazem cruzes em papéis para registarem os pontos ganhos e discutem sempre que “aquela” carta foi “deitada” porque já tinha saído outra e assim ficam em grandes dissertações sobre as sábias regras do bater da carta na mesa. Pois é, estes que passam o dia na “sueca” ou na “bisca”, só o fazem porque o tempo lhes permite e também é uma for- ma de se distraírem após a labuta diária, quase de sol a sol. Trabalham assim porque são patrões deles próprios. O bom tempo é que lhes permite ir para o trabalho no campo. Por isso é que aproveitam o mais que podem a luz do dia. Quando o Zé Manel chegou ao cimo, cumprimentou os três colegas que o aguardavam, notando-lhes impaciência. O
  3. 3. Uma torrada com manteiga e mel 355 tratorista logo os acalmou, pois que só demorara um pouco mais do que o habitual, porque a carga era muita e os trilhos obrigaram-no a desvios imprevistos. ─ Nada disso, Zé Manel. Estamos aqui com uma imperti- nência dos diabos. O Tó Zé não continuou a frase e deixou o tratorista intri- gado. Olhou para os outros e reparou que só bufavam, metiam as mãos nos bolsos, rodopiavam e colocavam-nas na cabeça, esfregando-as pela testa. ─ Alguém me diz o que se passa?! ─ quis saber o Zé Manel. O Tó Zé, homem experiente, aproximou-se dele e num gesto de como quem vai contar um segredo, sussurrou-lhe. ─ Querem mandar embora o nosso padre. ─ Mandar embora? ─ gritou Zé Manel em tom de desa- grado ─ Quem? ─ perguntou com ar de zangado. ─ O Bispo! ─ acrescentou o Tó Zé. ─ E o que é que o padre fez? Tó Zé, que já sabia de outras situações com outros pa- dres que lá estiveram, não teve papas na língua e vai de calu- niar. ─ Se calhar andam por aí “saias”. Já não é o primeiro ca- so. Raios partam as mulheres, logo têm que se meter com aquelas pobres criaturas. ─ Não sei a razão, mas não deve ser nada disso. ─ ri- postou o Zé Manel, acrescentando: ─ O padreco até me pare- ce doente, sempre com aquele ar de quem não apanha sol. É certo que convive muito com a população, e especialmente com os jovens e isso até lhe agradecemos, porque leva-os pa- ra o bom caminho. É preciso tirar a limpo essa história que me parece mal contada, e se for preciso não o deixamos sair da- qui.
  4. 4. augusto brilhante ribeiro 356 Terminou por ali o assunto e cada um empoleirou-se no trator e atravessaram a aldeia que pacatamente começava a dar os primeiros sinais de preparativos para o almoço. Era um dia de Inverno. O frio congelava as carnes e eles sentiam-no nos ossos. Todos ajudaram o Zé Manel a fazer a descarga, quanto mais não fosse para dar movimento ao cor- po, pois que assim, sempre se sentiam mais quentes. Depois ele levou-os até à adega, sem que antes tivesse dado ordens à empregada para levar presunto e enchido de lombo, com fer- ramenta adequada para os cortar, e também lhe falou para não se esquecer de trazer o pão de centeio. ─ Com que então, querem tirar daqui o padre!? ─ Pois é, Zé Manel, não sei que raio aconteceu, mas pa- rece que assim é. ─ E o padre quer sair? ─ Não! Ouvi dizer que até queria trazer para aqui os pais. ─ Mas que raio de coisa! Porque é que querem que ele vá embora? Ficaram a resmungar o assunto uns com os outros até que o tempo foi passando. Uns dias mais tarde, depois de confirmada a imposição da transferência, gerou-se um alvoroço de indignação, pela aldeia fora. Os habitantes devotos à igreja fizeram reuniões secretas e falaram em não deixar sair o padre. Outros cristãos, especi- almente os mais jovens, reclamaram a sua devoção e fé à Igre- ja após a vinda deste novo e muito ativo seguidor da doutrina de Cristo. Não se chegou a saber o que mais aconteceu para que a ordem fosse cumprida. O padre aceitou e transmitiu aos seus fiéis, que se o amavam, então deixassem-no partir para cumprir ordens superiores.
  5. 5. Uma torrada com manteiga e mel 357 Na hora da despedida houve muito choro e muita de- monstração de carinho do rebanho para com o “pastor”. Houve até, que nem “Madalena”, sinais de paixão vistos em gestos singelos de uma mulher que o acariciou e lhe limpou com o polegar lágrimas que lhe saltaram dos olhos encovados por mal dormidos. Depois abraçou-o e beijou-o como se a cruz em breve o esperasse. Foram cenas como esta que empalideceu outros acontecimentos de menor importância. Soluços e choro. Que havemos de dizer de tudo isto? A carência afetiva de algumas mulheres daquela aldeia estava espelhada em gestos carinhosos para um jovem padre. Daquilo faltava-lhes a elas mais do que os seus homens as sustentavam. Alguns dias depois o mistério começou a ser desvendado, sem que, como mistério que era, todos dissessem uns aos ou- tros que nada dissessem, porque mistério é coisa para não se dizer nem falar dele. Ou porque era verdadeiro ou invenção, o que acabou por ser divulgado foi que houve uma quezília entre padres para disputa de lugares, e como no reino da Igreja ainda não impera a democracia, o mexilhão uma vez mais é que se “lixou”.

×