Tarefa 14

396 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
396
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
59
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tarefa 14

  1. 1. Quem é você? Seus múltiplos níveis de identidades Uma visão geral das suas capacidades e das oportunidades de expandir sua inteligência Ao ler a pergunta do título acima, talvez você já tenha, mesmo que sem querer, pensado em uma possível resposta. “Sou o Fulano ou a Fulana”, pode ter sido. Se eu continuasse perguntando “Quem é você?”, que outras respostas você teria? Vejamos alguns exemplos de respostas típicas: - Eu sou a mãe do Fulano ou da Fulana (pai, irmão, tia, esposa). - Eu sou bancário (programador, professor, estudante). - Eu sou alguém que busca a paz de espírito (tem um sonho). - Eu sou alguém que quer fazer diferença no mundo. - Eu sou uma pessoa tímida (insegura, corajosa, preocupada, feliz). - Eu sou o dono de um carro (apartamento, fazenda) O verbo ser, para esse fim, costuma ser usado de diversas maneiras: papel social (mãe, profissão), estado (timidez, felicidade), propósito (paz). Mas esse verbo traz em seu significado uma noção de permanência. Se eu sou, fui, estou e serei. Quando dizemos que uma criança é “malcriada”, podemos esperar que ela vá cometer malcriações no futuro, correto? Claro, há exceções; se eu mudo de profissão, deixo de ser algo para ser outra coisa. Só que, se há possibilidade de mudança, o verbo ser pode não ser o mais apropriado. Considerando esse verbo na sua acepção de permanência, quem somos na verdade? O que temos de mais permanente que papéis sociais, características pessoais e posses? O que fomos, somos e seremos independentemente de qualquer coisa? Pense em um computador. O que o define como um computador? Não é o sistema operacional; este pode ser o Windows, o Linux e outros. Também não são outros programas instalados, que podem ser muito diferentes de um computador para o outro. O que define um computador é ter um processador, memória, periféricos de entrada e saída como teclado e monitor e outros dispositivos, organizados de uma certa maneira. Mesmo sem executar programas, mesmo desligado, um computador continua sendo um computador, esta é a sua natureza. O que define o computador na verdade é o hardware. E uma bicicleta, o que a caracteriza? Chassi, guidom, rodas, catracas, pedais, banco e outros componentes, também dispostos em uma certa configuração. Se alguém anda na bicicleta ou não, isso é irrelevante para percebermos que é uma bicicleta. Novamente, é a estrutura de componentes (desenho, materiais) e sua organização (como os componentes se relacionam e interagem) que determinam o que ela é. Portanto, uma definição mais precisa daquilo que é e que espelhe a noção de permanência, é dada pelo “hardware”, que por sua vez determina uma “capacidade instalada” ou potencial de utilização. Computadores processam informação, bicicletas conduzem uma pessoa, carros também, de uma forma diferente. Lápis servem para escrever. Alguns “hardware” têm mais aplicações, como o clipes (mais de 20 mil já descobertas). Mesmo que ninguém use ou se beneficie da capacidade instalada, o objeto continua sendo o que é. Suas capacidades Então, voltando a nós, antes de sermos pais, profissionais e outras coisas, somos a “capacidade instalada” com que viemos ao mundo. Mesmo que não usemos essas capacidades, o fato de dispormos delas faz com que sejamos o que somos. Um conjunto de habilidades e hábitos forma uma competência. Um jornalista competente é hábil em várias coisas: escrever e comunicar idéias. Um professor também. Um músico pode ser extremamente hábil na execução e pouco hábil na criação. De maneira geral, uma competência envolve vários tipos de habilidades, incluindo relacionamento e comunicação. Afinal, quem é você? Quem é você? De uma forma mais profunda do que ser algo na sociedade ou ser algo relacionado às suas características pessoais, você é de fato um ser humano que já nasceu capaz de perceber, memorizar, prestar atenção, pensar, escolher, agir, falar e sentir. O fato de podermos ser tão diferentes uns dos outros, seja em propósitos, em opiniões, forma de pensar e o que consideramos importante, além de nos expressarmos de formas diferentes, não contradiz o fato de que somos iguais na “capacidade instalada”, apenas fazemos escolhas diferentes, conforme as experiências que tivemos e o que se tornou
  2. 2. importante para nós. Assim, podemos dizer que você é um “percebedor” do mundo, um pensador, um quot;sentidor”, um tomador de decisões, um desenvolvedor de hábitos e habilidades, um agente de intervenção no mundo através das suas ações e da sua comunicação. Tudo isto caracteriza sua identidade mais central e mais profunda como a de um ser inteligente. Você ou outros podem não gostar ou estar gostando de algumas coisas que percebe, pensa, faz, ou sente, mas todas as suas capacidades inatas estão aí disponíveis. A analogia com o computador também vale aqui: ele pode não estar fazendo algo útil ou que nos agrade, mas, se não tiver defeitos no hardware, está funcionando perfeitamente, executando com perfeição o que está programado. E como um ser inteligente, suas ações estão essencialmente relacionadas a usar as suas capacidades inatas para ter experiências, aprender com elas, definir objetivos e agir para alcançá-los. Uma inteligência não se contenta em meramente observar as coisas acontecerem; ela define o que quer que seja diferente e age para concretizar sua intenções, seja para mudar a si mesma (como por exemplo estudar), gerar e influenciar outras pessoas (como ser mãe, casar e ensinar) ou modificar o meio ambiente (como construir). Mas uma inteligência tem um grau de liberdade; se o quot;supercomputadorquot; será usado para jogos, navegar na internet, mudar o mundo ou vai ficar encostado, isso é o dono que escolhe. Ser social: seu segundo nível de identidade Uma vez que é um ser inteligente, pode sair por aí. alterando o fluxo que as coisas teriam sem você. Agora sim, neste nível você é ou pode ser aquelas coisas que mencionamos. Você não surgiu do nada, tem uma mãe, o que o caracteriza como um filho. Se sua mãe teve outros filhos, você é um irmão. Quando arruma um emprego ou atividade, se torna um profissional. Seu segundo nível de identidade o caracteriza como um ser social, o que quer dizer que você depende de outras pessoas para existir, sobreviver e fazer o que quer. Exceto se você estiver vivendo em uma ilha deserta, você depende de sua sociedade; se esta deixar de existir, você também deixa. E sua sociedade andar mal como um todo, você também sofrerá conseqüências. Há uma interdependência tão forte entre os integrantes de uma sociedade que mesmo uma função social não muito valorizada como a coleta de lixo, se não for executada, pode provocar o caos. Em síntese Seu equilíbrio, bem-estar e realizações, portanto, dependem do equilíbrio e do bem-estar daquilo do qual você depende, a sua sociedade e seu meio ambiente. Como as outras sociedades também se afetam mutuamente e ao meio ambiente, no fundo somos todos afetados pelas escolhas que muitos seres inteligentes do mundo todo estão fazendo. Veja no mapa mental abaixo as idéias essenciais de cada nível de identidade, com alguns dos exemplos. Cada capacidade que você tem abre oportunidades de sua utilização para algum propósito. Você é capaz de ler, então usamos um meio escrito. Você é capaz de pensar, portanto sugerimos estratégias de pensamento. Você é capaz de imaginar e o que imagina pode lhe afetar, portanto sugerimos formas úteis de usar a imaginação. Você pode aprender conceitos e usá-los depois para lhe inspirar em suas decisões, portanto temos conceitos juntamente com idéias para sua aplicação. Você é capaz de definir objetivos e tomar decisões, portanto sugerimos formas de fazê-lo melhor. Você é capaz de criar, portanto sugerimos estratégias para você usar essa possibilidade, se for algo que você queira. Várias dessas capacidades estão detalhadas nesta seção. Cada capacidade que reconhecemos ter abre as portas para sua utillização para algum propósito. E é por isso que um requisito básico para se beneficiar mais deste site é... querer algo, seja para si ou para outros. E uma vez que você também é um ser social, se relaciona, se comunica e às vezes lidera. Isto requer habilidades apropriadas. Você vai encontrar inspirações variadas para relacionamento, comunicação e liderança na forma de conceitos, estratégias e casos. Para concluir, tem uma coisa para a qual não é preciso habilidade. É a conscientização dos nossos três níveis de identidade, porque temos as oportunidades para isso a cada momento: quando temos consciência de nós mesmos ou de algo em nós, quando estamos e interagimos com outras pessoas e quando vemos o verde e o azul, sentimos o calor do sol ou a água da chuva na pele e a cada vez que respiramos. (Virgílio Vasconcelos Vilela - adaptado)
  3. 3. Proposta de Redação Após ler o texto acima, reflita sobre o tema interdisciplinar SER e redija uma dissertação que discuta o tema “Ser jovem: o desafio de ser um filho e um amigo melhor na era da tecnologia”.

×