INICIATIVA GLOBAL PARA A
DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
2006 – INICIATIVA ...
ESTRATÉGIA GLOBAL PARA O DIAGNÓSTICO, CONDUÇÃO E PREVENÇÃO DA
DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (2006 )
COMITÊ EXECUTIVO ...
Jorgen Vestbo, MD (Effective June 2006)
Hvidovre University Hospital
Hvidovre, Denmark
M.W. Elliott, MD
St. James's Univer...
PREFÁCIO
A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) continua sendo um problema de
saúde pública de grande importância. No...
SUMÁRIO
Prefácio ………………………………… ……v
1. Definição
Pontos Fundamentais 1
Definição 1
Limitações do fluxo aéreo na DPOC 1
DPOC...
Estresse Oxidativo 28
Desequilíbrio da Protease-Antiprotease 28
Diferenças em Inflamação Entre DPOC e Asma 29
Fisiopatolog...
Abandono do Hábito de Fumar 49
A função dos profissionais de saúde na cessação do tabagismo 50
Aconselhamento 52
Farmacote...
Componente 4: Conduta nas Exacerbações
Pontos Fundamentais 76
Introdução 77
Diagnóstico e Avaliação da Gravidade 78
Histór...
ESTRATÉGIA GLOBAL PARA O DIAGNÓSTICO,
TRATAMENTO, E PREVENÇÃO DA DPOC.
INTRODUÇÃO
A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DP...
especialistas pulmonares e outros médicos interessados. O documento serve de
recurso para a produção de vários outros modo...
A criação das atualizações anuais começou com uma busca na PubMed
(http://www.nlm.nih.gov) usando campos de busca estabele...
Uma reunião final da Comissão aconteceu em Setembro de 2006, na qual
publicações que apareceram anteriores a 31 de Julho, ...
6. Em todo lugar dá-se ênfase ao fato que tabagismo é o fator de risco da DPOC mais
comumente encontrado e a eliminação de...
Categoria
de
Evidência
Fontes de Evidência Definição
A
Ensaios de controle
aleatório – RCTs. Rico
em dados.
Evidências vêm...
1
CAPÍTULO 1 : DEFINIÇÃO
PONTOS FUNDAMENTAIS :
• Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica é uma doença evitável e tratável com
a...
2
também por processos inflamatórios, leva a uma perda de ligação alveolar com essas
pequenas vias aéreas e diminui a retr...
3
Por isso, a DPOC deve ser tratada com cautela e atenção especial assim como
também as comorbidades e seus efeitos na qua...
4
classificando os 5% mais baixos da população saudável como anormal, encontra-se
uma maneira de minimizar o erro em poten...
5
Estádio I: DPOC Leve – Caracterizado por limitação do fluxo aéreo leve (VEF1/CVF <
0,70; VEF1 ≥ 80% do previsto). Sintom...
6
Asma e DPOC
DPOC pode coexistir com a asma, que é a outra importante doença obstrutiva
das vias aéreas caracterizada por...
7
Referências
1. Soriano JB, Visick GT, Muellerova H, Payvandi N, Hansell AL. Patterns of
comorbidities in newly diagnosed...
8
respiratory illness: pragmatic cluster randomised controlled trial. BMJ
2005;331(7519):750-4.
22. de Valliere S, Barker ...
9
CAPÍTULO 2: IMPACTO DA DPOC
PONTOS FUNDAMENTAIS:
• A DPOC é uma das principais causas de morbidade e mortalidade
mundial...
10
Existem várias fontes de informação sobre o impacto da DPOC: publicações
como o 2003 European Lung White Book 2
, web s...
11
Muitas fontes adicionais de variações podem interferir nas estimativas de
prevalência da DPOC, incluindo métodos de amo...
12
MORBIDADE
Avaliações da morbidade incluem, tradicionalmente, visitas ao médico, visitas ao
pronto socorro e internações...
13
contribuinte de morte ou omitida do atestado de óbito por completo, e a morte ser
atribuída à outra doença como a doenç...
14
Mundialmente, espera-se que os aumentos recentes de mortes por DPOC
continuem. O Estudo Global de Impacto das Doenças 8...
15
National Medical Expenditure Survey (Levantamento Nacional sobre Gastos Médicos)
nos Estados Unidos, as despesas per ca...
16
asthma in the general population. Results and economic consequences of the DIMCA
program. Am J Respir Crit Care Med 199...
17
26. Jemal A, Ward E, Hao Y, Thun M. Trends in the leading causes of death in the
United States, 1970-2002. JAMA 2005;29...
18
CAPÍTULO 3 : FATORES DE RISCO
PONTOS FUNDAMENTAIS
• Mundialmente, o tabagismo é o fator de risco mais comumente encontr...
19
devido ao tempo de vida deles. Os fatores de risco da DPOC podem também estar
relacionados de maneiras mais complexas. ...
20
desenvolvimento de DPOC (alem da deficiência de alfa-1antitripsina) não tem sido
definitivamente identificadas7
.
Expos...
21
Poeiras e Produtos Químicos Ocupacionais: exposição ocupacional é um fator de
risco subavaliado na DPOC 14-16,25
. Essa...
22
poluentes do ar ou fumaça de cigarro. Além disso, oxidantes intracelulares, como
aqueles derivados do transporte de elé...
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Gold report-portugues
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gold report-portugues

3.534 visualizações

Publicada em

gold traduzido

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.534
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
66
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gold report-portugues

  1. 1.  
  2. 2. INICIATIVA GLOBAL PARA A DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA                                             2006 – INICIATIVA GLOBAL PARA A DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA    II 
  3. 3. ESTRATÉGIA GLOBAL PARA O DIAGNÓSTICO, CONDUÇÃO E PREVENÇÃO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (2006 ) COMITÊ EXECUTIVO DO GOLD A. Sonia Buist, MD, Chair Oregon Health & Science University Portland, Oregon, USA Roberto Rodriguez Roisin, MD Hospital Clinic Barcelona, Spain Antonio Anzueto, MD (Representing the American Thoracic Society) University of Texas Health Science Center San Antonio, Texas, USA Thys van der Molen, MD University of Groningen Groningen, The Netherlands Peter Calverley, MD University Hospital Aintree Liverpool, UK Chris van Weel, MD (Representing the World Organization of Family Doctors (WONCA))University of Nijmegen, The Netherlands Teresita S. deGuia, MD Philippine Heart Center Quezon City, Philippines COMITÊ CIENTÍFICO DO GOLD Yoshinosuke Fukuchi, MD (Representing the Asian Pacific Society for Respirology) Tokyo, Japan Klaus F. Rabe, MD, PhD, Chair Leiden University Medical Center Leiden, The Netherlands Christine Jenkins, MD Woolcock Institute of Medical Research Sydney, NSW, Australia A. G. Agusti, MD (Effective June 2006) Hospital Universitari Son Dureta Palma de Mallorca, Spain Nikolai Khaltaev, MD (Representing the World Health Organization) Geneva, Switzerland Antonio Anzueto, MD University of Texas Health Science Center San Antonio, Texas, USA Mará Victorina López, MD (Representing the Latin American Thoracic Society) Montevideo, Uruguay Peter J. Barnes, MD National Heart and Lung Institute London, UK James Kiley, PhD (Representing the National Heart, Lung, and Blood Institute, National Institutes of Health, Department of Health and Human Services) Bethesda, Maryland, USA A. Sonia Buist, MD Oregon Health & Science University Portland, Oregon, USA Ali Kocabas, MD Cukurova University School of Medicine Balcali, Adana, Turkey Peter Calverley, MD University Hospital Aintree Liverpool, UK Ewa Nizankowska-Mogilnicka, MD University School of Medicine Krakow, Poland Marc Decramer, MD (Effective June 2006) University Hospital Leuven, Belgium Yoshinosuke Fukuchi, MD President Asian Pacific Society for Respirology Tokyo, Japan REVISORES Klaus F. Rabe, MD, PhD Leiden University Medical Center Leiden, The Netherlands Bart Celli, MD Caritas St. Elizabeth's Medical Center Brighton, Massachusetts, USA Paul Jones, MD (Effective June 2006) St. George's Hospital Medical School London, UK Roberto Rodriguez Roisin, MD Hospital Clinic Barcelona, Spain III
  4. 4. Jorgen Vestbo, MD (Effective June 2006) Hvidovre University Hospital Hvidovre, Denmark M.W. Elliott, MD St. James's University Hospital West Yorkshire, UK Jan Zielinski, MD Institute of TB and Lung Diseases Warsaw, Poland Sanjay Sethi, MD VA Medical Research Buffalo, New York, USA CONTRIBUIÇÕES EM CAPÍTULOS Leonardo Fabbri, MD University of Modena & Reggio Emilia Modena, Italy Peter Sterk, MD Leiden University Medical Center Leiden, The Netherlands James C. Hogg, MD St. Paul’s Hospital Vancouver, British Columbia, Canada LÍDERES NACIONAIS QUE SUBMETERAM COMENTÁRIOS Christine Jenkins, MD Woolcock Institute of Medical Research Sydney, NSW, Australia Lorenzo Corbetta, MD Università di Firenze Firenze, Italy Sean Sullivan, MD University of Washington Seattle, Washington, USA Maia Gotua, MD, PhD Center of Allergy & Immunology Tbilisi, Georgia Dennis Niewoehner, MD University of Minnesota Minneapolis, Minnesota, USA Gérard Huchon, MD University of Paris Paris, France Jim Reid, MD Dunedin School of Medicine University of Otago Dunedin, New Zealand Prof. E.M. Irusen South Africa Thoracic Society University of Stellenbosch Cape Town, South Africa Ewa Nizankowska – Mogilnicka, MD University School of Medicine Krakow, Poland Yousser Mohammad, MD Tishreen University School of Medicine Lattakia, Syria Thys van der Molen, MD University of Groningen Groningen, The Netherlands Jaromir Musil, PhD Stanislav Kos, MD, PhD F. Salajka, PhD Vladimir Vondra, MD, PhD Czech Association Against COPD Prague, Czech Republic Chris van Weel, MD University of Nijmegen Nijmegen, The Netherlands H.A.M. Kerstjens, MD, PhD University Medical Center Groningen Groningen, The Netherlands Júlio A. Oliveira, MD Fernando Lundgren, MD José R. Jardim, MD Brazil Peter Lange, MD Hvidovre Hospital Hvidovre, Denmark Carlos M. Luna, MD President, ALAT Buenos Aires, Argentina Vesna Petrovic, MD JUDAH Association for Asthma and COPD Serbia                 IV
  5. 5. PREFÁCIO A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) continua sendo um problema de saúde pública de grande importância. Nos Estados Unidos, ela é a quarta principal causa de morbilidade e mortalidade e com projeção de estar em quinto lugar em 2020 entre as doenças de maior impacto mundialmente, de acordo com um estudo publicado pelo Banco Mundial / Organização Mundial de Saúde. Ainda assim, a DPOC permanece relativamente desconhecida ou ignorada pelo publico assim como pelas autoridades de saúde pública dos governos. Em 1998, visando atrair mais atenção para a DPOC, o seu tratamento e sua prevenção, um grupo dedicado de cientistas incentivou o US National Heart, Lung, and Blood Institute e a Organização Mundial da Saúde a formarem a Iniciativa Global para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease - GOLD). Dentre os objetivos principais da GOLD está o de ampliar o conhecimento da DPOC e auxiliar as milhões de pessoas que sofrem com essa doença e com a morte prematura decorrente da doença ou de suas complicações. O primeiro passo no programa dO GOLD foi preparar um relatório de consenso, Global Strategy for the Diagnosis, Management, and Prevention of DPOC (Estratégia Global para o Diagnóstico, Tratamento e Prevenção da DPOC) publicado em 2001. O documento foi escrito por um Painel de Experts comandado pelo Professor Romain Pawels da Bélgica e incluía um distinguido grupo de profissionais da saúde das áreas da medicina respiratória, epidemiologia, sócio-econômica, saúde pública e da educação da saúde. O Painel de Experts reviu os Documentos de Diretrizes sobre DPOC existetentes e as novas informações sobre os mecanismos patogênicos da DPOC, colocando todo este material junto em um documento de consenso. O documento atual, recentemente revisado, segue o mesmo formato do relatório de consenso original, mas foi atualizado para refletir as muitas publicações sobre DPOC que surgiram desde 2001. Dede que o documento original foi publicado em 2001, uma rede de especialistas internacionais conhecidos como Líderes Nacionais GOLD foi formada para implementar as recomendações do relatório. Muito desses experts iniciaram investigações sobres às causas e prevalência da DPOC em seus países, e desenvolveram novas abordagens para a disseminação e implementação das guias de tratamento da DPOC. Apreciamos muito o enorme trabalho que os Líderes Nacionais GOLD têm feito a favor dos seus pacientes com DPOC. Apesar das realizações dos cinco anos desde que o relatório GOLD foi originalmente publicado, um considerável trabalho adicional ainda nos aguarda se formos controlar esse importante problema de saúde pública. A Iniciativa GOLD continuará a trazer a DPOC para a atenção das autoridades de saúde pública, dos governos, dos profissionais da área de saúde e do público em geral, mas um esforço sério de todos os envolvidos com a área de saúde será necessário. Eu gostaria de reconhcer o trabalho dos membros do Comitê Cientifico do GOLD que preparou este relatório revisado.Estamos ansiosos em continuar nosso trabalho com organizações interessadas e os Líderes Nacionais GOLD para alcançar os objetivos dessa iniciativa. Somos muito agradecidos pelas doações educacionais irrestritas da Altana, AstraZeneca, Boehringer Ingelheim, Chiesi, GlaxoSmithKline, Mitsubishi Pharma Corporation, Novartis e Pfizer, que tornaram possível o desenvolvimento desse relatório. A. Sonia Buist, MD Portland, Oregon, Estados Unidos Presidente, GOLD Comitê Executivo V
  6. 6. SUMÁRIO Prefácio ………………………………… ……v 1. Definição Pontos Fundamentais 1 Definição 1 Limitações do fluxo aéreo na DPOC 1 DPOC e comorbidades 2 História Natural 3 Classificação Espirométrica de Gravidade 3 Estádios da DPOC 4 Objetivo do Relatório 6 Asma e DPOC 5 Tuberculose Pulmonar e DPOC 6 Referências 7 2. Impacto da DPOC. Pontos Fundamentais 9 Introdução 9 Epidemiologia 9 Prevalência 10 Morbidade 12 Mortalidade 12 Impacto Sócio-econômico da DPOC 14 Impacto Econômico 14 Impactos Sociais 15 Referências 15 3. Fatores de Risco Pontos Fundamentais 18 Introdução 18 Fatores de Risco 18 Genes 19 Exposição por Inalação 19 Fumaça do Tabaco 20 Poeiras e Produtos Químicos Ocupacionais 20 Poluição Intradomiciliar 21 Poluição do Ar Externo 21 Crescimento e Desenvolvimento Pulmonar 21 Estresse Oxidativo 21 Sexo 22 Infecções 22 Estado Socioeconômico 22 Nutrição 22 Asma 23 Referências 23 4. Patologia, Patogênese, e Fisiopatologia. Pontos Fundamentais 25 Introdução 25 Patologia / Patogênese. 26 Células Inflamatórias 27 Mediadores da Inflamação 27
  7. 7. Estresse Oxidativo 28 Desequilíbrio da Protease-Antiprotease 28 Diferenças em Inflamação Entre DPOC e Asma 29 Fisiopatologia 30 Limitações do fluxo aéreo e Aprisionamento do Ar 30 Anormalidades na Troca Gasosa Pulmonar 30 Hipersecreção do Muco 30 Hipertensão Pulmonar 30 Características Sistêmicas. 31 Exacerbações 31 Referências 31 5. Conduta na DPOC Introdução 33 Componente 1: Avaliar e Monitorar Doença Pontos Fundamentais 34 Diagnóstico Inicial 35 Avaliação dos Sintomas 35 Dispnéia 36 Tosse 37 Expectoração 37 Sibilos e Opressão no Peito 37 Características Adicionais na Doença Grave 37 Histórico Medico 38 Exame Físico 38 Inspeção 38 Palpação e Percussão 38 Ausculta 39 Mensuração da Limitação do Fluxo Aéreo (Espirometria) 39 Avaliação da Gravidade da DPOC 41 Investigações Adicionais 42 Testes de Reversibilidade de Broncodilatadores 42 Radiografia Pulmonar 43 Gasometria Arterial. 43 Avaliação da Deficiência alfa 1-Antitripsina 43 Diagnóstico Diferencial 44 Monitoramento e Avaliação Contínuos 44 Monitorar Progresso da Doença e o Desenvolvimento de Complicações: 45 Função Pulmonar 46 Medição dos Gases Sanguíneos Arteriais 46 Avaliação da Hemodinâmica Pulmonar 46 Diagnóstico de Falência Ventricular Direita ou Cor Pulmonale 46 TC e Cintilografia de Ventilação-Perfusão 46 Hematócrito 46 Função Muscular Respiratória 46 Estudos do Sono 47 Teste de Esforço 47 Monitorar Farmacoterapia e Outros Tratamentos Médicos 47 Monitorar Histórico de Exacerbação 47 Monitorar Comorbidades 47 Componente 2: Redução de Fatores de Risco. Pontos Fundamentais 48 Introdução 48 Tabagismo 48 Prevenção do Tabagismo 48
  8. 8. Abandono do Hábito de Fumar 49 A função dos profissionais de saúde na cessação do tabagismo 50 Aconselhamento 52 Farmacoterapia 53 Exposição Ocupacional 54 Poluição do Ar em Ambientes Fechados/Abertos 55 Regulamentos da Qualidade do Ar 55 Passos para Profissionais de Saúde e Pacientes 55 Componente 3: Conduta na DPOC Estável Pontos Fundamentais 57 Introdução 58 Educação 58 Metas e Estratégias Educacionais 59 Componentes de um Programa de Educação 59 Custo Efetividade dos Programas de Educação para Pacientes DPOC 60 Tratamento Farmacológico 61 Vista Geral dos Medicamentos 61 Broncodilatadores 63 B2 –agonistas 64 Anticolinérgicos 64 Metilxantinas 65 Terapia de Combinação de Broncodilatadores 66 Corticóides 66 Corticóide Oral: curto prazo 66 Corticóide Oral: longo prazo 66 Corticóides Inalados 66 Terapia Farmacológica Por Gravidade da Doença 68 Outros Tratamentos Farmacológicos. 68 Vacinas 68 Terapia do reposição de alfa-1 antitripsina 68 Antibióticos 68 Agentes mucolíticos (mucocinéticos, mucoreguladores) 68 Agentes antioxidantes  68 Imunoreguladores (imunoestimuladores e imunomoduladores) 68 Antitussígenos 68 Vasodilatadores 69 Narcóticos (Morfina). 69 Outros 69 Tratamentos Não Farmacológicos. 69 Reabilitação 69 Seleção de Pacientes e Planejamento de Programas 70 Componentes de programas de reabilitação pulmonar 71 Avaliação e Acompanhamento 72 Custo Econômico de Programas de Reabilitação 73 Oxigenoterapia 73 Considerações de Custo 74 Uso do Oxigênio em Viagens Aéreas 74 Suporte Respiratório 75 Tratamentos Cirúrgicos 75 Bulectomia 75 Cirurgia redutora de volume pulmonar (CRVP). 75 Transplante Pulmonar 76 Considerações Especiais. 76 Cirurgia na DPOC 76
  9. 9. Componente 4: Conduta nas Exacerbações Pontos Fundamentais 76 Introdução 77 Diagnóstico e Avaliação da Gravidade 78 História 78 Avaliação da Gravidade 78 Espirometria e PEF 79 Oximetria de pulso e gasometria arterial 79 Radiografia do tórax e ECG 79 Outros Exames Laboratórios 79 Diagnóstico Diferencial 79 Tratamento Domiciliar 80 Broncodilatadores 80 Corticóides 81 Antibióticos 81 Tratamento Hospitalar 81 Departamento de Emergência ou Hospital 82 Oxigenoterapia Controlada 83 Broncodilatadores 83 Corticóides 84 Antibióticos 84 Estimulantes do Sistema Respiratório 85 Suporte Respiratório 86 Outras Medidas. 87 Alta do hospital e Acompanhamento 88 Referências 99 6. Traduzindo As Diretrizes Recomendadas para Contexto de Serviços Básicos de Saúde Pontos Fundamentais 109 Introdução 109 Diagnóstico 110 Sintomas Respiratórios 110 Espirometria 110 Comorbidades. 110 Reduzindo Exposição a Fatores de Risco 111 Implementação das Diretrizes da DPOC 112 Referências 112
  10. 10. ESTRATÉGIA GLOBAL PARA O DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO, E PREVENÇÃO DA DPOC. INTRODUÇÃO A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) eh um problema importante de saúde pública no mundo. Muitas pessoas sofrem dessa doença durante anos e morrem prematuramente decorrentes da própria doença ou de suas complicações. DPOC se classifica como a quarta principal causa de mortalidade no mundo1 , e estima-se que havera aumento em relação à sua prevalência e mortalidade nas próximas décadas2 . O objetivo da Iniciativa Global para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease - GOLD) é o de ampliar o conhecimento da DPOC e diminuir assim a morbidade e mortalidade decorrentes da doença. A GOLD tem como objetivo aperfeiçoar a prevenção e tratamento da DPOC através de um esforço sério mundial de pessoas envolvidas em todos os setores dos cuidados a saúde e política de saúde publica, como também visa estimular um amplo nível de interesse na pesquisa nessa doença altamente prevalente. Uma atitude negativista em relação à DPOC continua entre algumas pessoas que atendem a área de saúde, devido ao sucesso relativamente limitado de prevenção primária e secundária (i.e. prevenção dos fatores que causam DPOC ou seu progresso), devido também à noção predominante que a DPOC é consideravelmente uma doença auto- imposta e à decepção com as opções de tratamentos existentes. Outro objetivo importante da Iniciativa GOLD é de atuar no combate dessa atitude negativista por meio da divulgação de informações sobre os tratamentos acessíveis (tanto farmacológicos como não-farmacológicos), e de trabalhar com uma rede de especialistas – os Líderes Nacionais GOLD – para implementação de programas de tratamento de DPOC eficientes e desenvolvidos conforme as práticas de saúde locais. Tabagismo continua sendo uma das principais causas da DPOC, assim como de muitas outras doenças. Uma diminuição mundial do tabagismo resultaria em benefícios significantes para a saúde e diminuição da taxa de prevalência da DPOC e outras doenças relacionadas ao tabagismo. Há uma necessidade urgente de melhores estratégias para diminuir o consumo de cigarros. Entretanto, tabagismo não é a única causa da DPOC, e talvez nem seja a principal causa em algumas partes do mundo. Além disso, nem todos os fumantes desenvolvem DPOC clinicamente significante, o que sugere que fatores adicionais estão envolvidos na determinação da susceptibilidade do indivíduo. Por isso, pesquisas sobre fatores de risco para a DPOC, maneiras de reduzir exposições a esses riscos e os mecanismos moleculares e celulares envolvidos na patogênese continuam sendo áreas importantes de pesquisas para desenvolver tratamentos mais eficientes que retardem ou interrompam o curso da doença. Uma estratégia para ajudar a alcançar os objetivos da Iniciativa GOLD é fornecer aos profissionais da área de saúde, às autoridades da área de saúde e ao público em geral informações atualizadas sobre DPOC e recomendações específicas sobre esquemas de tratamento e prevenção mais apropriados. O relatório GOLD, Global Strategy for the Diagnosis, Management, and Prevention of DPOC (Estratégia Global para o Diagnóstico, Tratamento e Prevenção da DPOC), é baseado em conceitos atuais e bem validados da patogênese da DPOC e evidências disponíveis do tratamento e esquemas de prevenção mais apropriados. O relatório, desenvolvido por indivíduos peritos na pesquisa da DPOC e na assistência aos pacientes e revisto por vários peritos adicionais, fornece informações atualizadas sobre a DPOC para os
  11. 11. especialistas pulmonares e outros médicos interessados. O documento serve de recurso para a produção de vários outros modos de comunicação para outros públicos, incluindo um Resumo Executivo, um Guia de Bolso para Profissionais de Saúde e um Guia para Pacientes2 . O relatório GOLD não tem a intenção de ser um livro de texto completo sobre a DPOC, mas, ao invés disso, um resumo da situação atual na área. Cada capítulo se inicia com Pontos Fundamentais que sumarizam o conhecimento atual. Os capítulos de Impacto da DPOC e de Fatores de Risco demonstram a importância mundial da DPOC e dos vários fatores causais envolvidos. O capitulo de Patologia, Patogênese e Fisiopatologia documenta o conhecimento atual, levanta os questionamentos importantes e discorre sobre os mecanismos que levam ao desenvolvimento da DPOC, além de discutir as anormalidades estruturais e funcionais do pulmão que são características da doença. Uma importante parte do relatório GOLD é dedicada ao Tratamento Clínico da DPOC e apresenta um plano de tratamento com quatro componentes: (1) Avaliar e Monitorar a Doença; (2) Redução dos Fatores de Risco; (3) Conduta na DPOC Estável; (4) Conduta nas Exacerbações. Recomendações de tratamento são apresentadas de acordo com a gravidade da doença, usando uma classificação simples de gravidade para facilitar a implementação prática das opções de tratamentos accessíveis. Onde for apropriada, informações sobre educação em saúde para pacientes são incluídas. Um novo capítulo no final do documento irá auxiliar os leitores em Traduzindo as Diretrizes Recomendadas para Contexto de Serviços Básicos de Saúde. Um segmento grande da população mundial vive em áreas com instituições de saúde inadequadas e recursos financeiros escassos, e os guias internacionais fixos e protocolos científicos rígidos não funcionarão em muitos locais. Por isso, as recomendações encontradas nesse relatório devem ser adaptadas para amoldar-se a práticas locais e disponibilidade de recursos de assistência médica. A medida que os indivíduos participantes no programa GOLD expandam seu trabalho, todo esforço será feito para interagir com o paciente e grupos de médicos a nível nacional, municipal e local, e com grupos de cuidados multiprofissional de saúde, para continuamente examinar abordagens inovadoras que irão assegurar o melhor cuidado possível aos pacientes com DPOC, e iniciação de programas para detecção precoce e prevenção dessa doença. GOLD é uma organização parceira em um programa lançado em Março de 2006 pela Organização Mundial de Saúde, com a Global Alliance Against Chronic Respiratory Diseases – GARD (Aliança Mundial Contra Doenças Respiratórias Crônicas). Através do trabalho das comissões da GOLD, e em parceria com as iniciativas GARD, avanços no sentido de melhorar os cuidados para todos os pacientes com DPOC serão essenciais na próxima década. METODOLOGIA A. Preparação de Atualizações Anuais: Imediatamente após a publicação do primeiro relatório GOLD em 2001, a Comissão Executiva GOLD indicou uma Comissão de Ciência, encarregada de manter os documentos da Iniciativa GOLD atualizados, revisando as pesquisas publicadas, avaliando o impacto dessas pesquisas nos tratamentos recomendados nos documentos da Iniciativa GOLD, e publicando atualizações anuais desses documentos na website da Iniciativa GOLD. A primeira atualização dos documentos GOLD foi publicada em Julho de 2003, baseado em publicações de Janeiro de 2001 até Dezembro de 2002. Uma segunda atualização apareceu em Julho de 2004, e uma terceira em Julho de 2005, cada uma incluindo as publicações de impacto de Janeiro até Dezembro do ano anterior.
  12. 12. A criação das atualizações anuais começou com uma busca na PubMed (http://www.nlm.nih.gov) usando campos de busca estabelecidos pela Comissão de Ciências: 1) DPOC OU bronquite crônica OU enfisema, todos os Campo, Todos Adultos, 19+ anos, somente itens com resumos, Ensaios Clínicos, Humanos, Organizado pelo Autor, and 2) DPOC OU bronquite crônica, OU enfisema, E sistemático, Todos os Campos, todos adultos, 19+ anos, somente itens com resumos, humanos, Organizado pelo Autor. Além disso, publicações em jornais da Comissão de Avaliação de Exercício Profissional, não gravado na PubMed poderiam ser enviados a membros individuais da Comissão de Ciências, contanto que um resumo e o papel completo seja enviado em (ou traduzido para) Inglês. Todos os membros da Comissão receberam um sumário de todas as citações e todos os resumos. Cada resumo era designado a dois membros da comissão (aos membros não era designado papeis escritos por eles), entretanto a todo membro era oferecida a oportunidade de dar uma opinião sobre qualquer resumo. Cada membro avaliou o resumo a ele designado, ou quando julgasse necessária, a publicação completa, através de um pequeno questionário onde respondia por escrito a perguntas específicas, indicando se os dados científicos apresentavam recomendações influenciadas no relatório GOLD. Se este fosse o caso, pedia-se ao membro para identificar especificamente as modificações a serem feitas. A Comissão de Ciências da GOLD se reunia regularmente para discutir cada publicação individual indicado por pelo menos um membro da comissão para influenciar na conduta da DPOC, e para chegar a um consenso nas mudanças necessárias no relatório. Os conflitos eram decididos pelo voto. As publicações que alcançaram o critério de busca para cada atualização anual (entre 100 e 200 artigos por ano), afetaram principalmente o Capitulo 5, Conduta na DPOC. Listas das publicações consideradas pela Comissão de Ciência cada ano, junto com os relatórios anuais atualizados, são publicadas no web site da GOLD, www.goldcopd.org B. Preparação do Novo Relatório 2006: Em Janeiro de 2005, a Comissão de Ciências da GOLD, iniciou seu trabalho de uma versão integral atualizada do relatório GOLD. Durante uma reunião de dois dias, a comissão estabeleceu que a estrutura do relatório deva permanecer a mesma do documento de 2001, mas que cada capítulo seria cuidadosamente revisado e modificado de acordo com novas publicações literárias. A comissão reuniu-se em Maio e Setembro de 2005 para avaliar o progresso e atingir um consenso sobre as mensagens a ser fornecido em cada capítulo. Por todo trabalho, a comissão se comprometeu a desenvolver um documento que alcançaria um público mundial, a ser baseado na mais atual literatura científica, e a ser o mais sucinto possível, enquanto ao mesmo tempo, reconhecendo que um dos valores do relatório GOLD tem sido de fornecer quaisquer informações relativas ao tratamento da DPOC e os princípios científicos em que as recomendações do tratamento são baseadas. Em Janeiro de 2006, a Comissão de Ciência reuniu-se com a Comissão Executiva numa sessão de dois dias durante a qual outra avaliação profunda de cada capítulo foi conduzida. Nessa reunião, membros revisaram a literatura que apareceu em 2005 – usando o mesmo critério desenvolvido para o processo de atualização. A lista de publicações de 2005 que foram consideradas foi publicada no web site da GOLD. Na reunião de Janeiro, ficou claro que trabalho restante iria permitir que o relatório ficasse pronto durante o verão de 2006, e a Comissão de Ciências pediu que, como algumas publicações apareceram durante o começo de 2006, fossem revisadas cuidadosamente para avaliar o seu impacto nas recomendações. Na próxima reunião da Comissão, em Maio de 2006, publicações que alcançaram os critérios de busca foram considerados e incorporados nos relatórios preliminares correntes dos capítulos apropriados.
  13. 13. Uma reunião final da Comissão aconteceu em Setembro de 2006, na qual publicações que apareceram anteriores a 31 de Julho, 2006, foram consideradas por seu impacto no documento. Periodicamente durante a preparação desse relatório (Maio e Setembro de 2005, Maio e Setembro de 2006), representantes da Comissão de Ciências da GOLD reuniram-se com os Lideres Nacionais GOLD para discutir tratamentos da DPOC e questões específicas de cada capítulo. Os Lideres Nacionais da GOLD incluem representantes de mais de 50 países e muitos participaram dessas discussões internas. Além disso, os Lideres Nacionais da GOLD foram convidados a enviar comentários sobre um documento preliminar e seus comentários foram considerados pela comissão. Quando a comissão completou seu trabalho, muitos outros indivíduos foram convidados a enviar seus comentários sobre os documentos como revisores. Os nomes dos revisores e dos Lideres Nacionais da GOLD que enviaram os comentários estão no material da frente. NOVOS TÓPICOS APRESENTADOS NESSE RELATÓRIO 1. Ao longo do documento, foi enfatizado que a DPOC é caracterizada pela limitação crônica do fluxo aéreo e que inúmeras mudanças patológicas pulmonares, alguns efeitos extrapulmonares significantes e comorbidades importantes podem contribuir para o agravamento da doença em certos pacientes. 2. Na definição da DPOC, a frase “evitável e tratável” for incorporada seguindo as recomendações da ATS/ERS a fim de reconhecer a necessidade de apresentar uma perspectiva positiva para os pacientes, de estimular a comunidade da área de saúde a desenvolverem um papel mais ativo em programas de prevenção da DPOC, e de estimular programas de conduta eficientes para o tratamento das pessoas com a doença. 3. A classificação espirométrica de gravidade da DPOC atualmente incluI quatro etapas – Estádio I: Leve; Estádio II: Moderado; Estádio III: Grave; Estádio IV: Muito Grave. Uma quinta categoria – “Estádio 0: Com risco” , - que surgiu no relatório de 2001 não está mais incluído como estádio da DPOC, pois não há evidência completa que os indivíduos que se encaixam na definição de “Com risco” (tosse crônica e produção de muco, espirometria normal) necessariamente progridem para o Estádio I. Contudo, a importância da mensagem de saúde pública de que tosse crônica e produção de muco não são normais, está inalterada. 4. A classificação espirométrica de gravidade continua a recomendar o uso da relação fixa, pós-broncodilatador VEF1/CVF < 0,.7, para definir limitação ao fluxo aéreo. Usar a relação fixa (VEF1/CVF) é particularmente problemático em pacientes mais idosos e com doença leve, pois os processos normais de envelhecimento afetam o volume pulmonar. Valores de referência pós-broncodilatador nessa população, são urgentemente necessários para evitar diagnóstico falso positivo. 5. O Capítulo 2, Impacto da DPOC, fornece referências a dados publicados de pesquisas de prevalência realizados em inúmeros países, usando métodos padronizados e incluindo espirometria, para se chegar a uma estimativa que em torno de um quarto dos adultos com 40 anos ou mais podem ter limitação ao fluxo aéreo classificado como Estádio I: DPOC leve ou mais elevado. Há evidências também que a prevalência da DPOC (Estádio I: DPOC leve e mais alto) é sensivelmente mais elevada em fumantes e ex-fumantes do que em não fumantes, naqueles com mais de 40 anos do que nos abaixo dos 40, e mais elevada em homens do que em mulheres. O capítulo também traz dados novos de morbidade e mortalidade da DPOC.
  14. 14. 6. Em todo lugar dá-se ênfase ao fato que tabagismo é o fator de risco da DPOC mais comumente encontrado e a eliminação desse fator de risco é um passo importante na prevenção e controle da DPOC. Contudo, outros fatores de risco para DPOC devem ser levados em conta, quando possível. Estes incluem exposição a poeiras e substâncias químicas ocupacionais e poluição do ar em ambientes fechados (domésticos) provenientes do ato de cozinhar e de aquecimento pelo uso de biomassa em ambientes mal ventilados – esse último especialmente entre mulheres de países em desenvolvimento. 7. Capítulo 4, Patologia, Patogênese e Fisiopatologia, continua com o tema que fumaça de cigarro inalado e outras partículas nocivas causam inflamação pulmonar, uma resposta normal que parece aumentar em pacientes que desenvolvem DPOC. Esse capítulo foi consideravelmente atualizado e revisado. 8. A conduta na DPOC continua a ser apresentada em quatro componentes:(1) Avaliação e Monitorização da Doença, (2) Redução dos Fatores de Risco; (3) Conduta na DPOC Estável; (4) Conduta nas Exacerbações. Todos os componentes foram atualizados com base em publicações recentes da literatura. Por todo o documento, dá-se ênfase de que a abordagem principal para a conduta na DPOC estável, deve ser individualizada dirigida aos sintomas e melhorar a qualidade de vida. 9. No Componente 4, Conduta nas Exacerbações, a exacerbação da DPOC é definida como: um evento no curso natural da doença caracterizado por uma mudança na dispnéia basal do paciente, tosse, e/ou produção de muco que vai além das variações normais do dia-a-dia, que é de início agudo, e que justifica uma mudança na medicação regular do paciente com DPOC. 10. É amplamente aceito que um número grande de profissionais da área de saúde é necessário para assegurar que a DPOC seja diagnosticada de maneira correta, e que os indivíduos que têm DPOC sejam tratados de maneira eficiente. A identificação de equipes de saúde eficientes vai depender do sistema local de assistência à saúde e ainda resta muito trabalho para identificar como constituir melhor essas equipes de saúde. Um capitulo sobre programas de implementação da DPOC e tópicos para práticas clínicas foi incluído mas permanece uma área que requer considerável atenção. NÍVEIS DE EVIDÊNCIA Níveis de evidência são designados a recomendações na conduta, onde for apropriado no Capítulo 5, Conduta na DPOC. Níveis de evidência estão indicados em negrito entre parênteses após uma afirmação relevante – ex.: (evidência A). As questões metodológicas acerca do uso de evidências de metanálise foram cuidadosamente consideradas3 . Esse esquema de nível de evidência (Tabela A) foi usada em relatórios anteriores da GOLD, e foi usada durante toda a preparação desse documento. Foi recentemente apresentada ao Comitê de Ciência uma nova abordagem sobre níveis de evidências e se pretende revisar e considerar a possível introdução dessa abordagem em futuros relatórios.
  15. 15. Categoria de Evidência Fontes de Evidência Definição A Ensaios de controle aleatório – RCTs. Rico em dados. Evidências vêm de desfechos de RCTs bem elaborados que fornecem padrões consistentes da população para qual a recomendação foi feita. Categoria A requer número substancial de estudos com substancial número de participantes. B RCTs – Corpo de dados limitado Evidências vêm de defechos de estudos de intervenção que incluem apenas um numero limitado de pacientes, de análise poshoc ou de subgrupo de RCTs ou meta- análise de RCTs. Em geral, Categoria B é quando existem pouco ensaios aleatórios, eles são pequenos, eles são colhidos de uma população que difere da população alvo da recomendação, ou os resultados são de um certo modo inconsistentes. C Ensaios não aleatórios. Estudos observacionais. Evidências vêm do resultado de ensaios não controlados ou não aleatórios, ou de estudos observacionais. D Consenso de Julgamento do Painel Essa categoria é usada apenas em casos onde se julga necessário e valioso algum tipo de diretriz ou conselho, mas a literatura clínica dirigida ao assunto foi julgada insuficiente para justificar colocação em uma das outras categorias. O Painel de Consenso é baseado na experiência clínica ou conhecimento que não está de acordo com os critérios listados acima. Referências 1. World Health Report. Geneva: World Health Organization. Available from URL: http://www.who.int/whr/2000/en/statistics.htm; 2000. 2. Lopez AD, Shibuya K, Rao C, Mathers CD, Hansell AL, Held LS, et al. Chronic obstructive pulmonary disease: current burden and future projections. Eur Respir J 2006;27(2):397-412. 3. Jadad AR, Moher M, Browman GP, Booker L, Sigouin C, Fuentes M, et al. Systematic reviews and meta-analyses on treatment of asthma: critical evaluation. BMJ 2000;320(7234):537-40. 4. Guyatt G, Vist G, Falck-Ytter Y, Kunz R, Magrini N, Schunemann H. An emerging consensus on grading recommendations? ACP J Club 2006;144(1):A8-9. Available from URL: http://www.evidence-basedmedicine.com.     
  16. 16. 1 CAPÍTULO 1 : DEFINIÇÃO PONTOS FUNDAMENTAIS : • Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica é uma doença evitável e tratável com alguns efeitos extrapulmonares significantes que podem contribuir para o agravamento em alguns pacientes. O componente pulmonar é caracterizado pela limitação do fluxo aéreo que não é completamente reversível. A limitação do fluxo aéreo geralmente é progressiva e associada a uma resposta inflamatória anormal do pulmão, a partículas ou gases nocivos. • A limitação crônica pulmonar característica da DPOC é causada pela combinação de doença das pequenas vias aéreas (bronquiolite obstrutiva) e destruição do parênquima (enfisema), com a contribuçao de cada uma variando de pessoa a pessoa. • DPOC tem uma história natural variável e nem todos os indivíduos seguem o mesmo curso. Contudo, a DPOC é geralmente uma doença progressiva, especialmente se a exposição do paciente aos agentes nocivos continua. • O impacto da DPOC em um determinado paciente depende da gravidade dos sintomas (especialmente falta de ar e diminuição da capacidade para exercícios), dos efeitos sistêmicos e de qualquer comorbidade que o paciente possa ter – e não apenas do grau de limitação do fluxo aéreo. DEFINIÇÃO Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é caracterizada pela limitação crônica do fluxo aéreo e uma série de mudanças patológicas no pulmão, alguns efeitos extrapulmonares significantes e comorbidades importantes podem contribuir para a gravidade da doença dos pacientes. Portanto, a DPOC deve ser considerada uma doença pulmonar, mas essas comorbidades devem ser levadas em conta na análise integral do diagnóstico da gravidade e para determinar o tratamento adequado. Baseado no conhecimento atual, a definição operacional é: Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é uma doença evitável e tratável, com alguns efeitos extrapulmonares importantes que podem contribuir para um agravamento em alguns pacientes. Seu componente pulmonar é caracterizado pela limitação do fluxo aéreo que não é totalmente reversível. A limitação do fluxo aéreo geralmente é progressiva e associada a uma resposta inflamatória anormal do pulmão, a partículas ou gases nocivos. Mundialmente, o tabagismo é o fator de risco mais comumente encontrado para a DPOC, porém em muitos países, a poluição do ar resultante de queima de lenha e outros combustíveis e biomassas também têm sido identificados como fatores de risco para a DPOC. LIMITAÇÃO DO FLUXO AÉREO NA DPOC A característica da limitação crônica do fluxo aéreo da DPOC é causada pela combinação de doença das pequenas vias aéreas (bronquiolite obstrutiva) com destruição do parênquima (enfisema), com a contribuição de cada um deles variando de pessoa a pessoa (Figura 1-1). Inflamação crônica causa alterações estruturais e estreitamento das pequenas vias aéreas. A destruição do parênquima pulmonar,
  17. 17. 2 também por processos inflamatórios, leva a uma perda de ligação alveolar com essas pequenas vias aéreas e diminui a retração elástica pulmonar; por sua vez, essas alterações diminuem a capacidade das vias aéreas de permanecerem abertas durante a expiração. A melhor maneira de medir a limitação do fluxo aéreo é pela espirometria, pois esse é o teste de função pulmonar mais largamente acessível e reprodutível . Figura 1-1. Mecanismos Fundamentais na Limitação do Fluxo Aéreo na DPOC Muitas definições anteriores da DPOC têm enfatizado os termos “enfisema” e “bronquite crônica”, que não estão incluídos na definição usada nesse e em relatórios anteriores do GOLD. Enfisema, ou destruição da superfície da troca de gás do pulmão (alvéolos), é um termo patológico que é clinicamente (mas incorretamente) usado com freqüência e que descreve apenas uma das muitas anormalidades estruturais presentes em pacientes com DPOC. Bronquite crônica, ou a presença de tosse e produção de muco por no mínimo 3 meses por ano, considerando dois anos consecutivos, permanece como um termo útil clinica e epidemiologicamentel. Entretanto, ele não reflete o grande impacto da limitação do fluxo aéreo na morbidade e mortalidade nos pacientes com DPOC. É também importante reconhecer que a tosse e a produção de muco pode preceder o desenvolvimento de limitação do fluxo aéreo; de modo inverso, alguns pacientes desenvolvem limitação do fluxo aéreo significante com ausência da tosse crônica e produção de muco. DPOC e Comorbidades Pelo fato da DPOC freqüentemente se desenvolver em fumantes de meia idade que já fumam há bastante tempo, pacientes muitas vezes têm uma variedade de outras doenças relacionadas ao tabagismo ou envelhecimento1 . A DPOC em si também tem efeitos extra-pulmonares (sistêmicos) importantes que levam a condições de comorbidade2 . Dados da Holanda mostram que 25% da população de 65 anos ou mais, sofrem duas condições de comorbidade e quase 17% têm três3 . Anormalidades nutricionais, perda de peso e disfunção do músculo esquelético são efeitos extra- pulmonares bem reconhecidos da DPOC e os pacientes tem alto risco para infarto do miocárdio , angina, osteoporose, infecção respiratória, fraturas ósseas, depressão, distúrbio do sono, anemia, e glaucoma4 . A existência da DPOC pode de fato elevar o risco para outras doenças; isto é particularmente importante para DPOC e câncer do pulmão-8 . Se esta ligação é devido aos fatores de risco em comum (e.g. tabagismo), envolvimento de genes suscetíveis ou a deficiência da depuração de carcinógenos não está claro. Inflamação Doença das pequenas vias aéreas Inflamação das vias aéreas Remodelamento das vias aéreas Destruição do parênquima Perda das ligações alveolares Diminuição da contração elástica LIMITAÇÃO AO FLUXO AÉREO
  18. 18. 3 Por isso, a DPOC deve ser tratada com cautela e atenção especial assim como também as comorbidades e seus efeitos na qualidade de vida do paciente. Um diagnóstico diferencial cuidadoso e uma avaliação integral da gravidade da comorbidade devem ser realizados em cada paciente com limitação crônica do fluxo aéreo. HISTÓRIA NATURAL A DPOC tem uma história natural variável e nem todos os indivíduos seguem o mesmo curso. Entretanto, a DPOC é geralmente uma doença progressiva, especialmente se a exposição do paciente a agentes nocivos continua. Cessando a exposição a estes agentes, mesmo quando uma limitação significante do fluxo aéreo está presente, pode resultar em alguma melhora na função pulmonar e retardar ou mesmo interromper a progressão da doença. Entretanto, uma vez desenvolvida, a DPOC e suas comorbidades não podem ser curadas e, portanto, devem ser tratadas continuamente. O tratamento da DPOC pode reduzir os sintomas, melhorar a qualidade de vida, reduzir as exacerbações, e, possivelmente, reduzir a mortalidade. Classificação Espirométrica de Gravidade Por razões educacionais, recomenda-se uma classificação espirométrica simples de gravidade da doença em quatro estádios (Figura 1 – 2 ). Espirometria é essencial para o diagnóstico e fornece uma descrição útil da gravidade das mudanças patológicas na DPOC. São usados pontos de corte espirométicos específicos (ex.: a relação pós-broncodilatador VEF1/CVF < 0,70 ou VEF1 < 80, 50 ou 30% do previsto) para fins de simplicidade: esses pontos de corte não foram clinicamente validados. Um estudo em uma amostra aleatória da população verificou que a relação VEF1/CVF pós- broncodilatador excedia 0,70 em todas as faixas etárias, apoiando o uso dessa relação fixa9 . Figura 1-2. Classificação Espirométrica da Gravidade da DPOC Baseada em VEF1 Pós- Broncodilatador Estádio I: Leve VEF1/CVF < 0,70 VEF1 ≥ 80% do previsto Estádio II: Moderado VEF1/CVF < 0,70 50% ≤ VEF1 < 80% do previsto Estádio III: Grave VEF1/CVF < 0,70 30% ≤ VEF1 < 50% do previsto Estádio IV: Muito Grave VEF1/CVF < 0,70 VEF1< 30% do previsto VEF1< 50% do previsto mais insuficiência respiratória crônica VEF1: Volume expiratório forçado no 1° segundo; CVF: Capacidade vital forçada forçada); Insuficiência respiratória:pressão parcial arterial de oxigênio (PaO2) menor que 8,0 kPa (60 mmHg) com ou sem pressão parcial arterial de CO2 (PaCO2) maior que 6,7 kPa (50mmHg) respirando ar ao nível do mar. Entretanto, uma vez que o processo de envelhecimento afeta o volume dos pulmões, o uso dessa relação fixa pode resultar em diagnóstico falso positivo da DPOC em pessoas idosas, especialmente com doença leve. Usando os limites inferiores da normalidade (LLN) para VEF1/CVF, que são baseados na distribuição normal e
  19. 19. 4 classificando os 5% mais baixos da população saudável como anormal, encontra-se uma maneira de minimizar o erro em potencial da classificação. Como regra geral, todos espirômetros programáveis podem fazer esse cálculo se as equações de referência para o limite inferior da normalidade forem accessíveis. No entanto, precisa- se urgentemente de equações de referências usando VEF1 pós-broncodilatador e estudos longitudinais para confirmar o uso de limite inferior da normalidade (LLN). A espirometria deve ser feita após administração de uma dose adequada de um broncodilatador inalado (ex.: 400µg de salbutamol)10 para que se possa minimizar a variabilidade. Em um estudo de população aleatório para determinar valores de referencia de espirometria, valores pós-broncodilatador diferiam claramente dos valores pré-broncodilatador9 . Além disso, testes de função pulmonar pós-broncodilatador em um cenário de comunidade mostrou-se um método eficiente para identificar indivíduos com DPOC11 . Enquanto que as medidas VEF1/CVF e VEF1 pós-broncodilatador são recomendadas para o diagnóstico e avaliação da gravidade da DPOC, o grau de reversibilidade da obstrução pulmonar (ex.:∆ VEF1 após broncodilatador ou corticóides) não é mais recomendado para diagnóstico, diagnóstico diferencial com asma, ou prognóstico da resposta ao tratamento de longo prazo com broncodilatadores ou corticóides. Estádios da DPOC O impacto da DPOC em qualquer paciente depende não apenas do grau da limitação do fluxo aéreo, mas também da gravidade dos sintomas (especialmente falta de ar e diminuição da capacidade de exercício físico). Existe uma relação imperfeita entre o grau da limitação do fluxo aéreo e a presença de sintomas. Classificar os estádios da espirometria, portanto, é uma abordagem pragmática direcionada a uma implementação prática e deve apenas ser considerada como uma ferramenta educacional e indicador geral para a abordagem inicial do tratamento. Os sintomas característicos da DPOC são dispnéia crônica e progressiva, tosse, e produção de muco. Tosse crônica e produção de muco pode anteceder, em muitos anos, o desenvolvimento da limitação do fluxo aéreo. Esse esquema oferece uma oportunidade exclusiva de identificar fumantes e outros com risco de DPOC (Figura 1- 3), e intervir quando a doença ainda não é um problema importante de saúdel. Figura 1-3. “Em Risco para DPOC” O objetivo principal do GOLD é o de aumentar a conscientização entre os profissionais da área da saúde e o público em geral sobre os sintomas da DPOC. A classificação de gravidade da DPOC agora inclui quatro estádios, classificados pela espirometria – Estagio I: DPOC Leve; Estádio II: DPOC Moderada; Estádio III: DPOC Grave; Estádio IV: DPOC Muito Grave. Um quinta categoria – “Estádio 0 : Em Risco”, - que surgiu no relatório de 2001 não está mais incluído como estádio da DPOC, pois há evidências incompletas que os indivíduos que se enquadram como “Em Risco”, (tosse crônica e produção de muco, espirometria normal) necessariamente progridem para o Estádio I: DPOC Leve. Todavia, a importância da mensagem de saúde pública, de que tosse crônica e muco não são normais, continua inalterada, e sua presença deve estimular uma busca pela(s) sua(s) etiologia(s). Em contrapartida, limitações do fluxo aéreo importantes podem se desenvolver sem que haja tosse ou produção de muco. Ainda que a DPOC seja definida com base na limitação do fluxo aéreo, na prática a decisão de procurar ajuda médica (e assim permitir que o diagnóstico seja feito) é geralmente determinado pelo impacto de um sintoma em particular no estilo de vida do paciente. Por isso, a DPOC pode ser diagnosticada em qualquer estádio da doença.
  20. 20. 5 Estádio I: DPOC Leve – Caracterizado por limitação do fluxo aéreo leve (VEF1/CVF < 0,70; VEF1 ≥ 80% do previsto). Sintomas de tosse crônica e produção de muco podem estar presentes, mas nem sempre. Nesse estádio, o indivíduo geralmente não tem consciência de que sua função pulmonar está anormal. Estádio II: DPOC Moderada – Caracterizada por uma piora na limitação do fluxo aéreo (VEF1/ CVF < 0,70; 50% ≤ VEF1 < 80% do previsto), com falta de ar desenvolvendo de maneira típica durante esforço físico e tosse e produção de muco algumas vezes presentes também. Esse é o estádio em que os pacientes tipicamente procuram atenção médica por cause dos sintomas respiratórios crônicos ou uma exacerbação de sua doença. Estádio III: DPOC Grave - Caracterizado por piora adicional da limitação do fluxo aéreo (VEF1/ CVF < 0,70; 30% ≤ VEF1 < 50% do previsto), aumento da falta de ar, redução da capacidade de exercício físico, fadiga e exacerbações repetidas que quase sempre têm um impacto na qualidade de vida dos pacientes. Estádio IV: DPOC Muito Grave – Caracterizado por intensa limitação do fluxo aéreo ((VEF1/ CVF < 0,70; VEF1 < 30% do previsto ou VEF1 < 50% do previsto e mais a presença de insuficiência respiratória crônica). Insuficilência respiratória é definida como pressão parcial arterial de oxigênio (PaO2) menor que 8,0 kPa (60 mmHg) com ou sem pressão parcial arterial de CO2 (PaCO2) maior que 6,7 kPa (50mmHg) respirando ar ao nível do mar. Insuficiência respiratória também pode levar a conseqüências no coração como cor pulmonale (insuficiência cardíaca direita). Sinais clínicos de cor pulmonale incluem aumento da pressão venosa jugular e edema de tornozelo. Pacientes podem ser classificados como Estádio IV: DPOC Muito Grave mesmo se o VEF1 > 30% do previsto, desde que essas complicações estejam presentes. Nesse estádio, a qualidade de vida é consideravelmente alterada e as exacerbações podem apresentar ameaça à vida. O pensamento comum de que apenas 15 a 20% dos fumantes desenvolvem DPOC significantes é enganoso12 . Uma proporção muito mais elevada pode desenvolver uma função pulmonar anormal em algum momento da evoçlução se continuarem a fumar. Nem todos os indivíduos com DPOC seguem o padrão linear clássico como descrito no diagrama de Fletcher e Peto, que é na verdade a média de muitos padrões individuais14 . Óbitos em pacientes com DPOC são principalmente por causa de doenças cardiovasculares, câncer pulmonar, e, naqueles com DPOC avançado, insuficiência respiratória15 . O OBJETIVO DO RELATÓRIO O objetivo desse relatório não é o de fornecer uma discussão completa da história natural das comorbidades associadas com a DPOC, mas sim o de focar principalmente na limitação crônica do fluxo aéreo causada por partículas e gases inalados, sendo a fumaça de cigarro o mais comum mundialmente. Entretanto, a limitação crônica do fluxo aéreo pode se desenvolver também em não-fumantes que apresentam sintomas similares e podem ser associados a outras doenças, ex.: asma, insuficiência cardíaca congestiva, carcinoma pulmonar, bronquiectasia, tuberculose pulmonar, bronquiolite obliterante e doenças intersticiais pulmonares. A pouca reversibilidade da limitação do fluxo aéreo associada a esses estados não será discutido a não ser que esses estados sobreponham-se à DPOC.
  21. 21. 6 Asma e DPOC DPOC pode coexistir com a asma, que é a outra importante doença obstrutiva das vias aéreas caracterizada por inflamação das vias aéreas. A inflamação crônica das vias aéreas é muito diferente nessas duas doenças (Figura 1.4). Entretanto, indivíduos com asma que são expostos a agentes nocivos, principalmente fumaça de cigarro16 , podem desenvolver também limitação do fluxo aéreo estável e uma combinação de inflamação “tipo-asma” e “tipo-DPOC”. Além disso, há evidências epidemiológicas que asma prolongada, por si só, pode levar a um quadro de limitação fixa do fluxo aéreo17 . Outros pacientes com DPOC podem apresentar características de asma como um quadro inflamatório misto com aumento de eosinófilos18 . Por isso, enquanto a asma pode ser distinguida da DPOC, em alguns indivíduos com sintomas respiratórios crônicos e limitação fixa do fluxo aéreo estável, fica difícil distinguir as duas doenças. Estudos feitos na população19,20 têm mostrado que a limitação crônica do fluxo aéreo pode ocorrer em até 10% dos indivíduos que nunca fumaram, com 40 anos ou mais; as causas da limitação do fluxo aéreo em não-fumantes necessitam de mais pesquisas . Figura 1-4. Asma e DPOC Tuberculose Pulmonar e DPOC Em muitos países em desenvolvimento tanto tuberculose pulmonar como a DPOC são comuns21 . Em países onde a tuberculose é bastante comum, anormalidades respiratórias podem ser muito facilmente atribuídas a essa doença22 . Por outro lado, onde a incidência de tuberculose é bastante diminuída, o possível diagnóstico dessa doença é algumas vezes negligenciado. Portanto, em todos os pacientes com sintomas de DPOC, o diagnóstico de tuberculose deve ser considerado, especialmente em áreas onde a doença é pevalente23 . LLiimmiittaaççããoo ddoo fflluuxxoo aaéérreeooReversível Não totalmente reversível AASSMMAA AAggeenntteess sseennssiibbiilliizzaanntteess AASSMMAA AAggeenntteess nnoocciivvooss IInnffllaammaaççããoo ddaa DDPPOOCC •• LLiinnffóócciittooss TTCCDD88 •• MMaaccrrooffaaggooss •• NNeeuuttrróóffiillooss IInnffllaammaaççããoo ddaa DDPPOOCC •• LLiinnffóócciittooss TTCCDD44 •• LLiinnffóócciittooss •• EEoossiinnóóffiillooss
  22. 22. 7 Referências 1. Soriano JB, Visick GT, Muellerova H, Payvandi N, Hansell AL. Patterns of comorbidities in newly diagnosed COPD and asthma in primary care. Chest 2005;128(4):2099-107. 2. Agusti AG. Systemic effects of chronic obstructive pulmonary disease. Proc Am Thorac Soc 2005;2(4):367-70. 3. van Weel C. Chronic diseases in general practice: the longitudinal dimension. Eur J Gen Pract 1996;2:17-21. 4. van Weel C, Schellevis FG. Comorbidity and guidelines: conflicting interests. Lancet 2006;367(9510):550-1. 5. Stavem K, Aaser E, Sandvik L, Bjornholt JV, Erikssen G, Thaulow E, et al. Lung function, smoking and mortality in a 26-year follow-up of healthy middle-aged males. Eur Respir J 2005;25(4):618-25. 6. Skillrud DM, Offord KP, Miller RD. Higher risk of lung cancer in chronic obstructive pulmonary disease. A prospective, matched, controlled study. Ann Intern Med 1986; 105(4):503-7. 7. Tockman MS, Anthonisen NR, Wright EC, Donithan MG. Airways obstruction and the risk for lung cancer. Ann Intern Med 1987;106(4):512-8. 8. Lange P, Nyboe J, Appleyard M, Jensen G, Schnohr P. Ventilatory function and chronic mucus hypersecretion as predictors of death from lung cancer. Am Rev Respir Dis 1990;141(3):613-7. 9. Johannessen A, Lehmann S, Omenaas ER, Eide GE, Bakke PS, Gulsvik A. Post- bronchodilator spirometry reference values in adults and implications for disease mnagement. Am J Respir Crit Care Med 2006;173(12):1316-25. 10. Pellegrino R, Viegi G, Brusasco V, Crapo RO, Burgos F, Casaburi R, et al. nterpretative strategies for lung function tests. Eur Respir J 2005;26(5):948-68. 11. Johannessen A, Omenaas ER, Bakke PS, Gulsvik A. Implications of reversibility testing on prevalence and risk factors for chronic obstructive pulmonary disease: a community study. Thorax 2005;60(10):842-7. 12. Rennard S, Vestbo J. COPD: the dangerous underestimate of 15%. Lancet 2006;367:1216-9. 13. Lokke A, Lange P, Scharling H, Fabricius P, Vestbo J. Developing COPD - a 25 years follow-up study of the general population. Thorax 2006;61:935-9. 14. Fletcher C, Peto R. The natural history of chronic airflow obstruction. BMJ 1977;1(6077):1645-8. 15. Mannino DM, Doherty DE, Sonia Buist A. Global Initiative on Obstructive Lung Disease (GOLD) classification of lung disease and mortality: findings from the Atherosclerosis Risk in Communities (ARIC) study. Respir Med 2006;100(1):115-22. 16. Thomson NC, Chaudhuri R, Livingston E. Asthma and cigarette smoking. Eur Respir J 2004;24(5):822-33. 17. Lange P, Parner J, Vestbo J, Schnohr P, Jensen G. A 15-year follow-up study of ventilatory function in adults with asthma. N Engl J Med 1998;339(17):1194-200. 18. Chanez P, Vignola AM, O'Shaugnessy T, Enander I, Li D, Jeffery PK, et al. Corticosteroid reversibility in COPD is related to features of asthma. Am J Respir Crit Care Med 1997;155(5):1529-34. 19. Menezes AM, Perez-Padilla R, Jardim JR, Muino A, Lopez MV, Valdivia G, et al. Chronic obstructive pulmonary disease in five Latin American cities (the PLATINO study): a prevalence study. Lancet 2005;366(9500):1875-81. 20. Centers for Disease Control and Prevention. Surveillance Summaries. MMWR 2002:51(No. SS-6). 21. Fairall LR, Zwarenstein M, Bateman ED, Bachmann M, Lombard C, Majara BP, et al. Effect of educational outreach to nurses on tuberculosis case detection and primary care of
  23. 23. 8 respiratory illness: pragmatic cluster randomised controlled trial. BMJ 2005;331(7519):750-4. 22. de Valliere S, Barker RD. Residual lung damage after completion of treatment for multidrug-resistant tuberculosis. Int J Tuberc Lung Dis 2004;8(6):767-71. 23. Bateman ED, Feldman C, O'Brien J, Plit M, Joubert JR. Guideline for the management of chronic obstructive pulmonary disease (COPD): 2004 revision. S Afr Med J 2004;94(7 Pt 2):559-75.
  24. 24. 9 CAPÍTULO 2: IMPACTO DA DPOC PONTOS FUNDAMENTAIS: • A DPOC é uma das principais causas de morbidade e mortalidade mundial e resulta em um impacto econômico e social substancial e crescente. • A prevalência, morbidade e mortalidade da DPOC variam de acordo com os países e grupos diferentes em cada país mas, em geral, estão relacionados diretamente com a prevalência do tabagismo, apesar de que, em alguns países, a poluição do ar resultante da combustão de biomassas (lenha, carvão, etc.) tem sido também apontados com fator de risco da DPOC. • O aumento da prevalência e do impacto da DPOC está previsto para as próximas décadas, devido à exposição continuada aos fatores de risco e à mudança de estrutura da idade populacional mundial. • A DPOC é uma doença cara, que possui custos diretos (valor dos recursos de assistência médica voltado ao diagnostico e controle médico) e indiretos (conseqüências financeiras da deficiência física, falta no trabalho, morte prematura e outras despesas familiares resultantes da doença). INTRODUÇÃO A DPOC é uma das principais causas mundiais de morbidade e mortalidade e resulta em impacto social e econômico substancial e crescente. A prevalência, morbidade e mortalidade da DPOC variam de acordo com os países e diferentes grupos em cada país, mas, em geral, estão relacionados diretamente com a prevalência do tabagismo, apesar de que, em alguns países, a poluição do ar resultante da combustão de biomassas (lenha, carvão, etc.) tem sido também apontados com fator de risco da DPOC. O aumento da prevalência e do impacto da DPOC está previsto para as próximas décadas, devido à exposição continuada aos fatores de risco e à mudança de estrutura da idade populacional mundial (com mais pessoas vivendo por mais tempo, e por isso atingindo a idade em que a DPOC normalmente se desenvolve.) EPIDEMIOLOGIA No passado, definições imprecisas e variadas de DPOC tornaram difícil quantificar a prevalência, morbidade e mortalidade. Além disso, a DPOC continua a não ser devidamente reconhecida e tratada e isso leva a um número impreciso de casos relatados. A extensão do subdiagnóstico varia de acordo com o país e depende do nível de conscientização e conhecimento da DPOC dos profissionais de saúde, da capacidade das organizações de assistência a saúde de lidar com doenças crônicas, e da disponibilidade de medicamentos para o tratamento da DPOC1 .
  25. 25. 10 Existem várias fontes de informação sobre o impacto da DPOC: publicações como o 2003 European Lung White Book 2 , web sites internacionais como World Health Organization (http://www.who.int) e World Bank/WHO Global Burlem of Desase Stud (http://www.who.int/topics/global_burden_of_disease), e web sites de países específicos como US Sentir for Desase Controle and Prevention (http://www.cdc.gov) e UK Health Sorveu for England (http://www.doh.gov.uk). PREVALÊNCIA Dados sobre a prevalência de DPOC existentes mostram variações notáveis nos resultados devido aos diferentes métodos do levantamento, critério de diagnóstico, e abordagens analíticas3, 4 . Entre os métodos de coleta de dados, incluem-se: • Relato próprio do médico sobre o diagnóstico de DPOC, ou condição equivalente • Espirometria com ou sem broncodilatador • Questionários com perguntas sobre presença de sintomas respiratórios As menores estimativas de prevalência são geralmente aquelas baseadas em relatos próprios de médicos sobre o diagnóstico de DPOC ou quadro equivalente. Por exemplo, a maioria dos dados mundiais mostra que a menos que 6% da população foi dito que ela têm DPOC3 . Isso com certeza reflete o fato mundial de que a DPOC está sendo subreconhecida e subdiagnosticada5 , como também o fato que os indivíduos com o Estádio I: DPOC Leve podem não ter sintomas, ou apresentarem sintomas (como tosse crônica ou expectoração) que não são percebidos como anormais ou indicativos de DPOC precoce5 , por eles próprios ou seus profissionais de saúde. Essas estimativas podem ter valor, entretanto, já que elas podem refletir, com melhor acurácia, o impacto clinicamente significante da doença, que é de gravidade suficiente para requerer serviços médicos, e, portanto poder gerar significantes custos diretos e indiretos. Em contraste, dados de estudos de prevalência conduzidos em vários países, usando métodos padronizados e incluindo espirometria, estimam que até um quarto dos adultos com idade 40 anos ou mais podem ter limitação do fluxo aéreo classificada como Estádio I: DPOC Leve ou mais alta6-9 . Por causa da enorme dierençao entre o valor da prevalência de DPOC definida apenas pela presença de limitação do fluxo aéreo e o valor da prevalência da DPOC definida pela doença clinicamente significante, o debate continua para saber qual destas definições seria mais precisa para avaliar o impacto da DPOC. Diagnóstico e intervenção precoces podem ajudar a identificar o número de indivíduos que progridem a um estádio clinicamente significante da doença, mas não há evidências suficientes no momento para se recomendar testes espirométricos na comunidade para rastreamento de DPOC10 . Diferentes critérios de diagnóstico também contribuem para estimativas diferentes e há muito pouco consenso acerca do critério mais apropriado para cenários diferentes (ex.: levantamentos epidemiológicos, diagnósticos clínicos) ou relativo aos pontos fracos e fortes de cada critério. É reconhecido que definir obstrução do fluxo aéreo irreversível como uma relação fixa do VEF1/CVF menor que 0,70 pós- broncodilatadortem um potencial de levar a uma classificação errônea significante, com um subdiagnóstico (falso negativo) em jovens adultos e um aumento do diagnóstico (falso positivo) acima dos 50 anos11-13 . Isso tem levado à recomendação do uso do limite inferior da normalidade (LIN) da relação VEF1/CVF pós-broncodilatodor, ao invés de usar relação fixa para definir obstrução do fluxo aéreo irreversível 14,15 . Entretanto, ainda é preciso obter mais informações com estudos longitudinais de base populacional para determinar o desfecho de indivíduos que foram classificados usando uma ou outra definição.
  26. 26. 11 Muitas fontes adicionais de variações podem interferir nas estimativas de prevalência da DPOC, incluindo métodos de amostragem, percentual de perdas dos estudos, controle de qualidade da espirometria, e se a espirometria foi feita pré ou pós- broncodilatador. Amostras que não são de base populacional e com alto percentual de perdas durante os estudos podem levar a estimativas inadequadas de prevalência devido a vieses difíceis de serem interpretados. Esvaziamento inadequado dos pulmões durante a realização da espirometria é comum e leva a uma relação VEF1/CVF artificialmente alta e, portanto, a uma estimativa baixa da prevalência da DPOC. O erro em utilizar valores pré-broncodilatador ao invés de pós-broncodilatador leva a um excesso de diagnóstico de limitação do fluxo aéreo irreversível. Em pesquisas futuras de prevalência, a espirometria com valor pós-broncodilatador deve ser usada para confirmar o diagnóstico da DPOC16 . Apesar dessas complexidades, dados que possibilitam chegar a algumas conclusões sobre a prevalência da DPOC têm surgido. Uma revisão sistemática e meta-análise de estudos realizados em 28 países entre 1990 e 20043 , e um estudo adicional do Japão17 , fornecem evidências que a prevalência da DPOC (Estádio I: DPOC Leve e mais alto) é consideravelmente maior em fumantes e ex-fumantes do que em não-fumantes, nos com mais de 40 anos do que nos abaixo dos 40, e em homens mais que mulheres. O Projeto Latino Americano para a Investigação de Doença Obstrutiva Pulmonar (PLATINO) examinou a prevalência da limitação ao fluxo aéreo na espirometria pós- broncodilatador (Estagio I: DPOC Leve em diante) entre pessoas acima dos 40 anos em cinco importantes cidades da América Latina, cada uma em um país diferente – Brasil, Chile, México, Uruguai, e Venezuela. Em cada país, a prevalência do Estádio I: DPOC Leve em diante aumentava consideravelmente com a idade (Figura 2-1), com a maior prevalência entre os indivíduos acima de 60 anos, indo de um percentual de 18,4% na Cidade do México, México a um percentual de 32,1% em Montevidéo, Uruguai. Em todas as cidades/países a prevalência era consideravelmente mais alta em homens do que em mulheres. Os motivos para a diferença em prevalências nas cinco cidades Latino Americanas estão ainda sob investigação6 . Em 12 países e regiões da Ásia estudos baseados em um modelo de prevalência estimada indicaram uma proporção de prevalência média de DPOC moderada a grave entre indivíduos acima dos 30 anos de 6,3% para a região. As proporções variavam entre os 12 países asiáticos de um mínimo de 3,5% (Hong Kong e Singapura) a um máximo de 6,7% (Vietnam)18 . % Figura 2-1. Prevalência da DPOC por idade em cinco cidades Latino Americanas6 Idade em anos
  27. 27. 12 MORBIDADE Avaliações da morbidade incluem, tradicionalmente, visitas ao médico, visitas ao pronto socorro e internações hospitalares. Apesar dos bancos de dados da DPOC para esses resultados e parâmetros serem menos acessíveis e geralmente menos confiáveis que os bancos de dados de mortalidade, os dados limitados indicam que a morbidade devida a DPOC aumenta com a idade e é maior em homens do que em mulheres19-21 . Nesses banco de dados, entretanto, a DPOC nos seus estádios iniciais (Estádio I: DPOC Leve e Estádio II: DPOC Moderada) geralmente não é reconhecida, diagnosticada ou tratada, e, portanto, pode não ser incluída como diagnóstico no registro médico do paciente. Morbidade na DPOC pode ser influenciada por outras comorbidades crônicas22 (ex.: doenças musculoesqueléticas, diabetes mellitus) que não estão diretamente relacionadas à DPOC, mas mesmo assim podem ter um impacto no estado de saúde do paciente, ou pode interferir negativamente com o controle da DPOC. Em pacientes com a doença mais avançada (Estádio III: DPOC Grave e Estádio IV: DPOC Muito Grave), a morbidade por DPOC pode ser atribuída erroneamente à outra condição de comorbidade. Dados de morbidade são muito afetados pela acessibilidade de recursos (ex.: taxas de internações são altamente dependentes das vagas disponíveis nos hospitais) e, portanto, precisam cuidados nas interpretações e uma clara compreensão dos possíveis vieses inerentes ao banco de dados. Apesar das limitações de dados para DPOC, o European White Book oferece bons dados da média de consultas para doenças respiratórias importantes em 19 países da Comunidade Econômica Européia2 . Na maioria dos países, consultas para DPOC são em maior número que as consultas para asma, pneumonia, câncer pulmonar e da traquéia, e tuberculose. Nos Estados Unidos, em 2000, ocorreram 8 milhões de visitas para DPOC ao consultório médico e/ou hospitais, 1,5 milhões de visitas às unidades de emergências e 673.000 internações23 . Outro modo de se estimar o impacto da morbidade da doença é de calcular anos vividos com disfunção (do inglês: years living with disability – YLD). O Global Burden of Disease Study (Estudo Global do Impacto das Doenças) calcula que a DPOC resulta em 1,68 YLD numa população de 1.000, representando 1.8% de todos os YLDs, com custo maior em homens do que mulheres (1,93% vs. 1,42%)8, 24,25 . MORTALIDADE A Organização Mundial de Saúde publica anualmente estatísticas de mortalidade para causas selecionadas de óbitos para todas as regiões da OMS; informações adicionais estão acessíveis na página da OMS (World Health Organization, Evidence for Health Policy Department – http:// www.who.int/evidence). Os dados devem ser interpretados cautelosamente, entretanto, por causa do uso inconsistente do termo para a DPOC. Antes de 1968 e da oitava revisão da Classificação Internacional de Doenças – CID, os termos “bronquite crônica” e “enfisema” eram usados extensivamente. Nos anos 70, o termo “DPOC” rapidamente substituiu esses termos em alguns países, mas não em todos,, tornando comparações de mortalidade por DPOC em diferentes países muito difíceis. Entretanto, a situação melhorou com a nona e a décima revisões da CID, em que óbitos por DPOC ou obstruções crônicas das vias aéreas foram incluídos em uma ampla categoria de “DPOC e doenças associadas” (CID-9 códigos 490-496 e CID-10 códigos J42-46) Portanto, o problema de como rotular a doença está parcialmente resolvido, mas o problema da DPOC não estar sendo devidamente reconhecida e tratada ainda influencia na precisão dos dados de mortalidade. Apesar da DPOC freqüentemente ser uma causa primária de morte, é bem comum que seja considerada uma causa
  28. 28. 13 contribuinte de morte ou omitida do atestado de óbito por completo, e a morte ser atribuída à outra doença como a doença cardiovascular. Apesar dos problemas com a precisão dos dados de mortalidade da DPOC, está claro que a DPOC é uma das causas mais importantes de morte na maioria dos países. No Estudo Global de Impacto das Doenças (Global Burden Disease Study)8,24,25 projetou-se que a DPOC, que estava em sexto lugar como causa de morte em 1990, deverá ficar em terceiro lugar no mundo entre as causas de mortalidade em 2020. Essa mortalidade elevada é devido à epidemia crescente do tabagismo e às mudanças demográficas na maioria dos países, com a maioria da população vivendo mais. Dessas duas forças, a demográfica é a mais forte causadora dessa tendência. Tendências na taxa de mortalidade em relação ao tempo fornecem informações adicionais importantes, mas essas estatísticas sobre o diagnóstico são grandemente afetadas pelo termo utilizado, conhecimento da doença e o potencial viés em ralação ao sexo. As tendências para mortalidade da DPOC geralmente estão várias décadas atrás das tendências do tabagismo. Tendências da mortalidade em relação à idade ajustadas das seis maiores causas de morte nos Estados Unidos de 1970 até 200226 indicam que enquanto a mortalidade devida a muitas dessas doenças diminuíram neste período, a mortalidade por DPOC aumentou (Figura 2-2). Índices de mortalidade para DPOC no Canadá, em homens e mulheres, também estão aumentando desde 1997. Na Europa, entretanto, as tendências são diferentes, com a diminuição da mortalidade por DPOC já sendo percebida em muitos países7 . Não existe nenhuma razão óbvia para a diferença das tendências na América do Norte e Europa, embora existam supostos fatores como conhecimento da doença, mudanças nos termos e viés no diagnóstico que possam contribuir para essas diferenças. Figura 2-2. Tendências no Índice de Mortalidade Segundo Idades-Padronizadas nos Estados Unidos, 1970-2002 Índice de mortalidade por população de 100.000 vs. Ano das mortes A tendência de mortalidade por DPOC tem sido especialmente alarmante para mulheres. No Canadá, o índice de mortalidade por DPOC entre as mulheres acelerou nos anos 90 e se espera que em breve ultrapasse o índice entre os homens21 . Nos Estados Unidos, mortes por DPOC entre as mulheres têm aumentado de forma rápida desde os anos 70. Em 2000, o número de mortes por DPOC nos Estados Unidos foi maior entre as mulheres do que entre os homens (59.936 contra 59.118), no entanto o índice de mortalidade entre as mulheres permanece ligeiramente abaixo dos homens. 27 .
  29. 29. 14 Mundialmente, espera-se que os aumentos recentes de mortes por DPOC continuem. O Estudo Global de Impacto das Doenças 8, 24,25 projetou modelos básicos, otimistas e pessimistas para mortalidades por DPOC de 1990 a 2020 que levam em consideração o envelhecimento esperado da população mundial, aumento projetado do índice de tabagismo e diminuição projetada de outras causas de morte como doenças relacionadas à diarréia e HIV. IMPACTO ECONÔMICO E SOCIAL DA DPOC Impacto Econômico A DPOC é uma doença dispendiosa com custos diretos (valor dos cuidados clínicos dedicados ao tratamento diagnóstico e manejo médico) e custos indiretos (conseqüências financeiras do tratamento, absenteísmo no trabalho, morte prematura, e despesas da família ou do cuidador resultantes da doença)2 . Em países desenvolvidos, exacerbações da DPOC respondem pelo maior impacto no sistema de saúde. Na União Européia, o custo direto total com doenças respiratórias é em torno de 6% do orçamento total com saúde, com a DPOC respondendo por 56% (Є$38,6 bilhões de Euros) das doenças respiratórias2 . Nos Estados Unidos em 2002, o custo direto com DPOC foi de 18 bilhões de dólares e os custos indiretos totalizaram $14,1 bilhões28 . Custos por paciente variam de acordo com o país, pois esses custos dependem de como o sistema de saúde é disponibilizado e custeado7 . Como poderia se esperar, existe uma relação direta marcante entre a gravidade da DPOC e os custos com cuidados médicos29 , além de que a distribuição das despesas muda com o avanço da doença. Por exemplo, os custos com internação e oxigênio ambulatorial disparam de acordo com o aumento da gravidade da DPOC, como mostra a ilustração pelos dados da Suécia na Figura 2-3. A presença da DPOC eleva consideravelmente o custo total com cuidados dos pacientes, especialmente quando considerados os pacientes internados. Em um estudo sobre custos das doenças relacionadas com DPOC, baseado em pesquisa de 1987 Figura 2-3. Distribuição dos Custos Diretos com DPOC por Gravidade29 Publicado com permissão. Copyright 2002 American College of Chest Physicians
  30. 30. 15 National Medical Expenditure Survey (Levantamento Nacional sobre Gastos Médicos) nos Estados Unidos, as despesas per capita por internações de pacientes com DPOC foram 2,7 vezes maiores que as despesas com internações de pacientes que não sofriam de DPOC (US$5.409 contra US$2.001)30 . Em um estudo de 1992 do Medicare, programa de seguro saúde do governo norte-americano para indivíduos acima de 65 anos, as despesas anuais per capita para pessoas com DPOC (US$8.482) eram praticamente 2,5 vezes maiores que as despesas com pessoas que não tinham DPOC (US$3.511)31 . Indivíduos com DPOC freqüentemente recebem cuidados médicos profissionais domiciliares. Em alguns países, planos de saúde nacionais providenciam cobertura para oxigenoterapia, serviços de enfermagem, reabilitação e até ventilação mecânica no lar, apesar de que coberturas para serviços específicos variam de país para país32 . Qualquer estimativa dos custos médicos diretos para serviços domiciliares pode sub- representar o valor real do serviço domiciliar para a sociedade, porque ignora o valor econômico dos cuidados fornecidos àqueles com DPOC, pelos membros da família. Em países em desenvolvimento, custos médicos diretos podem ser menos importantes do que o impacto da DPOC na produtividade no trabalho e em casa. Como o setor da saúde pode não oferecer cuidados e serviços de apoio a longo prazo para indivíduos gravemente deficientes, a DPOC pode forçar dois indivíduos a deixar seu emprego – o individuo afetado pela doença e um membro da família que agora deve ficar em casa para cuidar do parente deficiente. Como o capital humano é geralmente a aquisição nacional mais importante para países em desenvolvimento, os custos indiretos da DPOC podem representar sérias ameaças a suas economias. Impactos Sociais Como a mortalidade oferece uma perspectiva limitada do impacto humano da doença, é desejável que se encontre outras medidas de impacto da doença que sejam consistentes e mensuráveis em todos os países. Os autores do Estudo Global de Impacto das Doenças delinearam um modelo para a estimativa da fração de mortalidade e deficiência atribuíveis às doenças e lesões principais usando uma medida composta do impacto de cada problema de saúde, chamada Disability-Adjusted Life Year – DALY8, 24,25 (Anos Potenciais de Vidas Perdidos ou Vividos com Incapacidade). O DALY para uma doença específica é a soma dos anos perdidos por mortalidade prematura e anos de vida vividos com deficiência, ajustados para a gravidade da deficiência. Em 1990, a DPOC estava em décimo segundo lugar nas perdas dos DALYs no mundo, responsável por 2,1% do total. De acordo com as projeções, a DPOC estará em quinto lugar de DALYs perdidos mundialmente em 2020, perdendo apenas para isquemia miocárdica, depressão, acidentes no tráfego e doenças cerebrovasculares. Esse aumento substancial no impacto global da DPOC projetado para os próximos 20 anos reflete, em grande parte, o alto uso continuado de tabaco em vários países e as mudanças na estruturas etárias das populações dos países em desenvolvimento. Referências 1. Tirimanna PR, van Schayck CP, den Otter JJ, van Weel C, van Herwaarden CL, van den Boom G, et al. Prevalence of asthma and COPD in general practice in 1992: has it changed since 1977? Br J Gen Pract 1996;46(406):277-81. 2. European Respiratory Society. European Lung White Book: Huddersfield, European Respiratory Society Journals, Ltd; 2003. 3. Halbert RJ, Natoli JL, Gano A, Badamgarav E, Buist AS, Mannino DM. Global burden of COPD: systematic review and meta-analysis. Eur Respir J 2006. 4. Halbert RJ, Isonaka S, George D, Iqbal A. Interpreting COPD prevalence estimates: what is the true burden of disease? Chest 2003;123(5):1684-92. 5. van den Boom G, van Schayck CP, van Mollen MP, Tirimanna PR, den Otter JJ, van Grunsven PM, et al. Active detection of chronic obstructive pulmonary disease and
  31. 31. 16 asthma in the general population. Results and economic consequences of the DIMCA program. Am J Respir Crit Care Med 1998;158(6):1730-8. 6. Menezes AM, Perez-Padilla R, Jardim JR, Muino A, Lopez MV, Valdivia G, et al. Chronic obstructive pulmonary disease in five Latin American cities (the PLATINO study): a prevalence study. Lancet 2005;366(9500):1875-81. 7. Chapman KR, Mannino DM, Soriano JB, Vermeire PA, Buist AS, Thun MJ, et al. Epidemiology and costs of chronic obstructive pulmonary disease. Eur Respir J 2006;27(1):188-207. 8. Lopez AD, Shibuya K, Rao C, Mathers CD, Hansell AL, Held LS, et al. Chronic obstructive pulmonary disease: current burden and future projections. Eur Respir J 2006;27(2):397-412. 9. Buist AS, Vollmer WM, Sullivan SD, Weiss KB, Lee TA, Menezes AM, et al. The burden of obstructive lung disease initiative (BOLD): Rationale and Design. J COPD 2005;2:277-83. 10. Wilt TJ, Niewoehner D, Kim C, Kane RL, Linabery A, Tacklind J, et al. Use of spirometry for case finding, diagnosis, and management of chronic obstructive pulmonary disease (COPD). Evid Rep Technol Assess (Summ) 2005(121):1-7. 11. Hnizdo E, Glindmeyer HW, Petsonk EL, Enright P, Buist AS. Case Definitions for Chronic Obstructive Pulmonary Disease. J COPD 2006;3:1-6. 12. Roberts SD, Farber MO, Knox KS, Phillips GS, Bhatt NY, Mastronarde JG, et al. VEF1/FVC ratio of 70% misclassifies patients with obstructin at the extremes of age. Chest 2006;130:200-6. 13. Celli BR, Halbert RJ, Isonaka S, Schau B. Population impact of different definitions of airway obstruction. Eur Respir J 2003;22(2):268-73. 14. Pellegrino R, Viegi G, Brusasco V, Crapo RO, Burgos F, Casaburi R, et al. Interpretative strategies for lung function tests. Eur Respir J 2005;26(5):948-68. 15. Hankinson JL, Odencrantz JR, Fedan KB. Spirometric reference values from a sample of the general US population. Am J Respir Crit Care Med 1999;159:179-87. 16. Sterk PJ. Let's not forget: the GOLD criteria for COPD are based on post- bronchodilator VEF1. Eur Respir J 2004;23:497-8. 17. Fukuchi Y, Nishimura M, Ichinose M, Adachi M, Nagai A, Kuriyama T, et al. COPD in Japan: the Nippon COPD Epidemiology study. Respirology 2004;9(4):458-65. 18. COPD Prevalence in 12 Asia-Pacific Countries and regions: Projections based on the COPD prevalence estimation model. Regional COPD Working Group. Respirology 2003;8:192-8. 19. National Heart, Lung, and Blood Institute. Morbidity & Mortality: Chartbook on Cardiovascular, Lung, and Blood Diseases. Bethesda, MD: US Department. of Health and Human Services, Public Health Service, National Institutes of Health; 1998. 20. Soriano JR, Maier WC, Egger P, Visick G, Thakrar B, Sykes J, et al. Recent trends in physician diagnosed COPD in women and men in the UK. Thorax 2000;55:789-94. 21. Chapman KR. Chronic obstructive pulmonary disease: are women more susceptible than men? Clin Chest Med 2004;25(2):331-41. 22. Schellevis FG, Van de Lisdonk EH, Van der Velden J, Hoogbergen SH, Van Eijk JT, Van Weel C. Consultation rates and incidence of intercurrent morbidity among patients with chronic disease in general practice. Br J Gen Pract 1994;44(383):259-62. 23. Centers for Disease Control and Prevention. Surveillance Summaries. MMWR 2002:51(No. SS-6). 24. Murray CJL, Lopez AD, editors. In: The global burden of disease: a comprehensive assessment of mortality and disability from diseases, injuries and risk factors in 1990 and projected to 2020. Cambridge, MA: Harvard University Press; 1996. 25. Murray CJ, Lopez AD. Alternative projections of mortality and disability by cause 1990-2020: Global Burden of Disease Study. Lancet 1997;349(9064):1498-504.
  32. 32. 17 26. Jemal A, Ward E, Hao Y, Thun M. Trends in the leading causes of death in the United States, 1970-2002. JAMA 2005;294(10):1255-9. 27. Mannino DM, Homa DM, Akinbami LJ, Ford ES, Redd SC. Chronic obstructive pulmonary disease surveillance—United States, 1971-2000. MMWR Surveill Summ 2002;51(6):1-16. 28. National Heart, Lung, and Blood Institute. Morbidity and mortality chartbook on cardiovascular, lung and blood diseases. Bethesda, Maryland: US Department of Health and Human Services, Public Health Service, National Institutes of Health. Accessed at: http://www.nhlbi.nih.gov/resources/docs/cht-book.htm; 2004. 29. Jansson SA, Andersson F, Borg S, Ericsson A, Jonsson E, Lundback B. Costs of COPD in Sweden according to disease severity. Chest 2002;122(6):1994-2002. 30. Sullivan SD, Strassels S, Smith DH. Characterization of the incidence and cost of COPD in the US. Eur Respir J 1996;9(Supplement 23):S421. 31. Grasso ME, Weller WE, Shaffer TJ, Diette GB, Anderson GF. Capitation, managed care, and chronic obstructive pulmonary disease. Am J Respir Crit Care Med 1998;158:133-8. 32. Fauroux B, Howard P, Muir JF. Home treatment for chronic respiratory insufficiency: the situation in Europe in 1992. The European Working Group on Home Treatment for Chronic Respiratory Insufficiency. Eur Respir J 1994;7:1721-6.
  33. 33. 18 CAPÍTULO 3 : FATORES DE RISCO PONTOS FUNDAMENTAIS • Mundialmente, o tabagismo é o fator de risco mais comumente encontrado para a DPOC. • O fator de risco genético que está mais bem documentado é uma deficiência hereditária grave de alfa 1– antitripsina. Além disto, fornece um modelo para se saber como outros fatores de risco genéticos possivelmente possam contribuir para DPOC. • Das muitas exposições inaladas que se experimenta durante uma vida inteira, sabe-se que apenas a fumaça de cigarro e poeiras e químicos domésticos (vapores, irritantes e fumaças químicas) são capazes de causar DPOC por si só. Mais dados são necessários para que se possa explorar o papel causativo de outros fatores de risco. • Poluição de ambientes domésticos fechados, proveniente da combustão de biomassa (lenha) em ambientes pequenos, está associado ao risco elevado da DPOC em países em desenvolvimento, especialmente entre mulheres. INTRODUÇÃO A identificação dos fatores de risco é um passo importante para se desenvolver estratégias de prevenção e tratamento de qualquer doença. Identificação do tabagismo como sendo o fator de risco da DPOC mais comumente encontrado tem levado à incorporação de programas de cessação do fumo como elemento chave da prevenção da DPOC, assim como uma intervenção importante para pacientes que já estão com a doença. Entretanto, apesar do tabagismo ser o fator de risco de DPOC mais estudado, não é o único e existem evidências consistentes de estudos epidemiológicos de que não-fumantes podem desenvolver obstrução crônica do fluxo aéreo 1, 2 . Muitas das evidências relacionadas com fatores de riscos para DPOC vêm de estudos transversais epidemiológicos que identificam associações ao invés de relações de causa-e-efeito. Apesar de vários estudos transversais (que são capazes de revelar relações causais) sobre DPOC terem acompanhado grupos e populações durante 20 anos, nenhum monitorou o progresso da doença até o fim, ou incluíram os períodos pré e perinatal que podem ser importantes na definição de um risco futuro de DPOC para o indivíduo. Portanto, conhecimentos vigentes dos fatores de risco da DPOC estão, em vários aspectos, incompletos. FATORES DE RISCO A medida que a compreensão da importância dos fatores de risco (Figura 3-1) da DPOC tem aumentado, também cresceu o reconhecimento que essencialmente todos os fatores de risco da DPOC resultam de uma interação gene-ambiente. Então, de duas pessoas com o mesmo histórico de tabagismo, apenas uma poderá desenvolver DPOC devido às diferenças nas predisposições genéticas à doença, ou
  34. 34. 19 devido ao tempo de vida deles. Os fatores de risco da DPOC podem também estar relacionados de maneiras mais complexas. Por exemplo, o sexo do indivíduo pode influenciar no fato dele começar a fumar ou experimentar certas exposições ocupacionais ou ambientais; o estado socioeconômico pode estar ligado ao peso da criança ao nascer (pois tem impacto no crescimento e desenvolvimento pulmonar); e esperança de vida mais longa irá permitir maior de exposições ao longo da vida aos fatores de risco. A compreensão entre as relações e interações dentre os fatores de risco requer mais pesquisas. Figura 3-1. Fatores de Risco para DPOC Genes Exposição a partículas • Fumaça de cigarro • Poeiras ocupacionais, orgânicas e inorgânicas • Poluição do ar intradomiciliar proveniente da combustão de biomassa (lenha) utilizada para cozinhar e aquecer residências pouco ventiladas. • Poluição do ar exterior Crescimento e desenvolvimento pulmonar Estresse oxidativo Sexo Idade Infecções respiratórias Status socioeconômicos Nutrição Comorbidades Genes DPOC é uma doença poligênica e um clássico exemplo de interação gene- ambiente. O fator de risco genético que está mais bem documento é uma deficiência hereditária grave de alfa-1 antitripsina4 , um importante inibidor de protease sérica. Esse traço recessivo raro é mais facilmente encontrado em indivíduos de origem Norte Européia5 . O desenvolvimento prematuro e acelerado de enfisema panlobular associado à diminuição da função pulmonar ocorre tanto em fumantes quanto em não- fumantes com deficiência grave, embora o tabagismo aumente o risco de maneira significante. Existe uma variação considerável entre indivíduos na extensão e gravidade da enfisema e na proporção da diminuição da função pulmonar. Apesar da deficiência da alfa-1 antitripsina ser relevante a apenas uma pequena parte da população mundial, isso ilustra a interação entre genes e exposição ambiental que leva a DPOC. Assim, ela fornece um modelo de como outros fatores de risco genéticos podem contribuir para DPOC. Um fator de risco familiar significante de obstrução do fluxo aéreo tem sido observado em irmãos de pacientes com grave DPOC6 , sugerindo que fatores genéticos podem influenciar essa suscetibilidade. Pela análise da ligação genética, várias regiões do genoma foram identificadas que possivelmente contém genes suscetíveis a DPOC, incluindo o cromossoma 2q7 . Estudos de associações genéticas tem sugerido que uma variedade de genes possam estar relacionados à patogênese da DPOC, incluindo o fator transformador de crescimento beta 1 (em inglês – transforming growth factor beta 1 ou TGF–β1)8 , microsomal epoxide hydrolase 1 (mEPHX1)9 , e fator de necrose tumoral alfa (TNFα)10 . Entretanto, os resultados desses estudos genéticos tem sido bastante inconsistentes e variantes genéticas funcionais influenciando o
  35. 35. 20 desenvolvimento de DPOC (alem da deficiência de alfa-1antitripsina) não tem sido definitivamente identificadas7 . Exposição por Inalação Considerando que um indivíduo pode ser exposto a uma variedade de tipos diferentes de partículas inaladas ao longo de sua vida, é conveniente pensar em termos de carga total de partículas inaladas. Cada tipo de partícula, dependendo de seu tamanho e composição, pode contribuir com um peso diferente ao risco, e o risco total vai depender do total de exposições inaladas (Figura 3-2). Das muitas exposições inaladas que podem ser encontradas ao longo da vida, somente fumaça de cigarro11, 12 e poeiras e produtos químicos ocupacionais (vapores, irritantes e poluentes industriais)13-16 são fatores conhecidas como causadores de DPOC por si só. A fumaça de cigarro e exposições ocupacionais também parecem atuar como fatores aditivos ao aumento do risco em desenvolver DPOC. Entretanto, isso pode refletir uma base inadequada de dados de populações que estão expostas a outros fatores de risco, como exposições intensas a fumaça proveniente da cozinha domiciliar e do gás de aquecimento em lugares pouco ventilados. Fumaça do Tabaco: o tabagismo é de longe o mais comum dos fatores de risco encontrados para DPOC. Fumantes de cigarro têm uma prevalência mais alta de sintomas respiratórios e de anormalidade da função pulmonar, com uma maior diminuição anual de VEF1 e maior índice de mortalidade por DPOC que os não- fumantes. Fumantes de cachimbos e charutos têm índices de morbidade e mortalidade maiores que não-fumantes, apesar desses índices serem menores que os dos fumantes de cigarros11 . Outras formas de uso do tabaco, populares em vários países, também são fatores de risco para DPOC17, 18 , mas esse risco comparado com o do cigarro ainda não foi documentado. O risco para DPOC em fumantes tem efeito dose- resposta12 . A idade que começa a fumar, total de anos/maço e o estado tabagístico atual, são peditores de mortalidade da DPOC. Nem todos os fumantes desenvolvem DPOC clinicamente significante, o que sugere que fatores genéticos devem modificar o risco de cada individuo9 . Exposições passivas à fumaça de cigarro (também conhecida como fumaça de tabaco ambiental, ou, em inglês, environmental tobacco smoke – ETS) também podem contribuir para sintomas respiratórios19 e DPOC 20 aumentando o impacto total sobre os pulmões das partículas e gases inalados21, 22 . O tabagismo durante a gravidez pode também oferecer um risco ao feto, afetando o crescimento e desenvolvimento pulmonar in utero e possivelmente o sistema imunológico23, 24 . Figura 3-2. Risco da DPOC está Relacionado à Carga Total de Partículas inaladas Fumaça de cigarro Poeira e gases Tabagismo passivo Poluição ambiental
  36. 36. 21 Poeiras e Produtos Químicos Ocupacionais: exposição ocupacional é um fator de risco subavaliado na DPOC 14-16,25 . Essas exposições incluem poeiras químicas orgânicas e agentes químicos e fumos. Uma análise da pesquisa norte americana de base populacional - estudo NHANES III (National Health and Nutrition Examination Survey) que avaliou quase 10.000 adultos com idade de 30 a 75 anos e que incluía testes de função pulmonar, estimou que a fração de DPOC atribuível à exposição ocupacional seria de 19,2% no geral e 31,1% entre os nunca fumantes16 . Estas taxas são coerentes com a declaração publicada pela American Thoracic Society (Sociedade Torácica Americana) que concluiu que as exposições ocupacionais respondem por 10- 20% das disfunções funcionais e/ou sintomas pertinentes à DPOC 26 . Poluição Intradomiciliar: lenha, excremento animal, resíduos de colheita e carvão incinerados em locais abertos ou em fogões com mau funcionamento, podem levar a níveis muito altos de poluição intradomiciliar. A evidência que a poluição intradomiciliar pela fumaça proveniente da cozinha domiciliar (combustão de biomassa) e do gás de aquecimento em lugares pouco ventilados é um fator de risco da DPOC importante (especialmente entre mulheres de países em desenvolvimento) continua a crescer27-33 , tanto com estudos de casos e controles32. 33 quanto com outros estudos solidamente planejados, que agora estão accessíveis. Quase 3 bilhões de pessoas no mundo usam biomassa e carvão como recurso principal de energia na cozinha, aquecimento e outras necessidades domésticas, o que faz que a população mundial em risco seja muito grande. Nessas comunidades, a poluição intradomiciliar é responsável por uma maior fração de risco para DPOC do que SO2 ou partículas de emissões de veículos motorizados, mesmo em cidades com alta densidade de habitadas e carros. Poluentes de biomassa usada por mulheres na cozinha respondem pela prevalência alta da DPOC entre as mulheres não-fumantes em parte do Oriente Médio, África, e Ásia34, 35 . É estimado que ocorram dois milhões de óbitos de mulheres e crianças a cada ano devido à poluição intradomiciliar resultante de combustão de lenha e outras biomassas 36 . Poluição do Ar Externo: altos níveis de poluição do ar urbano são perigosos para indivíduos com doenças cardíacas e pulmonares. O papel da poluição do ar extradomiciliar em causar DPOC não está claro, mas parece ser pequeno quando comparado com o do tabagismo. É difícil avaliar os efeitos de um único poluente em exposições de longo prazo à poluição atmosférica. No entanto, poluição do ar resultante de combustíveis fósseis, principalmente vindos dos veículos nas cidades, está associada ao decréscimo da função respiratória37 . Os efeitos relativos as exposições de curto-prazo com alto pico de concentração e as exposições de longo- prazo com de nível baixo de concentração, ainda não têm o seu papel exatamente definido na literatura. Crescimento e Desenvolvimento Pulmonar O crescimento dos pulmões está relacionado a processos que ocorrem durante a gestação, nascimento e exposições durante a infância38-40 . A redução máxima da função pulmonar obtida (medida pelo espirômetro) pode identificar indivíduos que estão em risco elevado de desenvolver DPOC 41 . Qualquer fator que afete o crescimento pulmonar durante a gestação e infância tem o potencial para elevar o risco do indivíduo de desenvolver DPOC. Por exemplo, um extenso estudo e uma meta-análise confirmaram a associação positiva entre o peso ao nascer e VEF1 na fase adulta42 . Estresse Oxidativo Os pulmões são continuamente expostos a oxidantes gerados de maneira endógena por fagócitos e outros tipos de células ou por maneira exógena a partir de
  37. 37. 22 poluentes do ar ou fumaça de cigarro. Além disso, oxidantes intracelulares, como aqueles derivados do transporte de elétrons na mitocôndria, estão envolvidos em muitas vias de sinalizações celulares. As células do pulmão são protegidas contra esta sobrecarga oxidativa por sistemas enzimáticos e não-enzimáticos bem desenvolvidos. Quando o equilíbrio entre oxidantes e antioxidantes se desloca a favor dos oxidantes – i.e. um excesso de oxidantes e/ou um esgotamento de antioxidantes – ocorre o estresse oxidativo. O estresse oxidativo, além de produzir efeitos prejudiciais diretos nos pulmões, também ativa mecanismos moleculares que iniciam as inflamações pulmonares. Assim, um desequilíbrio entre oxidantes e antioxidantes é considerado um fator na patogênese da DPOC 43 . Sexo do Paciente O papel do sexo em determinar o risco de DPOC continua indefinido44 . No passado, a maioria dos estudos mostrou que a prevalência e mortalidade da DPOC eram maiores em homens do que em mulheres. Estudos realizados em países desenvolvidos45, 46 mostram que atualmente a prevalência da DPOC é quase igual em homens e mulheres, o que provavelmente reflete mudanças nos padrões do tabagismo. Algumas pesquisas sugerem que as mulheres são mais suscetíveis aos efeitos do tabaco que os homens44, 47,48 . Essa é uma questão importante considerando o crescente índice de tabagismo entre as mulheres tanto em países desenvolvidos quanto em desenvolvimento. Infecções Infecções (virais e bacterianas) podem contribuir para a patogênese e progressão da DPOC 49 , e a colonização bacteriana associada à inflamação50 das vias aérea pode também representar um papel importante nas exacerbações51 . Uma história de grave infecção respiratória na infância tem sido associada com redução da função pulmonar e aumento de sintomas respiratórios no adulto38, 41,52 . Existem várias explicações possíveis para essa associação (as quais não são mutuamnte excludentes). Pode haver um aumento no diagnóstico de infecções graves em crianças que têm hiperresponsividade das vias aéreas, que, por si, já é considerado um fator de risco para DPOC. A suscetibilidade a infecções virais pode estar relacionada a outro fator, como baixo peso ao nascer, que está relacionado à DPOC. Infecção por HIV parece acelerar o início do enfisema relacionado ao tabagismo; a inflamação pulmonar induzida pelo HIV pode ter um papel neste processo53 . Estado Socioeconômico Existem evidências que o risco de desenvolver a DPOC é inversamente relacionada ao estado socioeconômico54 . Não está claro, entretanto, se esse padrão reflete as exposições a poluentes do ar intradomiciliar e externo, multidões, nutrição pobre ou outros fatores que estão relacionados a uma baixa condição socioeconômica55, 56 . Nutrição O papel da nutrição como fator de risco independente no desenvolvimento da DPOC não está claro. A desnutrição e perda de peso podem diminuir a força e resistência muscular respiratória, aparentemente reduzindo tanto a massa muscular respiratória quanto a força das fibras musculares restantes57 . A associação da inanição e o estado anabólico/catabólico com o desenvolvimento do enfisema foi demonstrado em pesquisas experimentais em animais58 . Tomografias computadorizadas do pulmão

×