0
1
1) PELE ..................................................................................5
1.1 Textura e umidade da pel...
2
2) CRANIO..........................................................................14
2.1) Bossa e cefalohematoma .........
3
6.3 Perda de peso da primeira semana ........................................ 21
7) APARELHO UROGENITAL....................
4
INTRODUÇÃO
Devido às suas características anatômicas e funcionais, o
exame físico do recém nascido (RN) é bem peculiar. ...
5
1) PELE
1.1 Textura e
umidade da pele
A textura da pele
depende muito da
idade gestacional. O
RN pré-termo
extremo possu...
6
sob a forma de uma camada muito fina ou muito espessa.
Varia de bebê para bebê, e não tem nenhum significado
clínico.
1....
7
1.5 Eritema tóxico:
É classificado como um exantema benigno. Aparece nos
primeiros dias de vida sob a forma de lesões er...
8
Podem representar apenas
alterações estéticas. É
extremamente rara a
transformação de um
hemangioma em uma
lesão maligna...
9
Estão presentes em 25% dos adultos.
1.8 Mancha mongólica:
A mancha mongólica é uma
melanose dérmica congênita, que
corre...
10
concentração sérica de
bilirrubina indireta (BI)
maior que 1,3 a 1,5 mg/dL
ou de bilirrubina direta
(BD) superior a 1,5...
11
1.10 Lanugo
Pelo fino, sem medula e
abundante, que recobre a
pele do recém-nascido,
principalmente nas
costas, ombros e...
12
1.12 Hiperplasia sebácea
Essa alteração decorre da
exposição intra-uterina do
neonato aos hormônios
androgênicos da mãe...
13
infecção da pele do bebê. Não necessita de tratamento com
antibióticos.
1.14 Acne neonatal
Acomete 20% dos RN,
ocorrend...
14
roupas e agasalhos assim como febre alta, favorecem o
aparecimento de lesões. Essas surgem, em geral, no tronco,
pescoç...
15
No céfalo-hematoma há
rompimento de vaso
subperiostal secundário ao
traumatismo do parto. O
abaulamento não
ultrapassa ...
16
3.2) Hemorragia Subconjuntival
É um achado comum em neonatos, decorrente da ruptura de
microvasos e capilares subconjun...
17
mediana). Apresentam-
se como estruturas
puntiformes, com 1mm
de diâmetro ou menos,
de base
circular, encontradas na
re...
18
vida da criança. A incidência é de cerca de
1:2.000 nascimentos. Os dentes natais e
neonatais podem não causar queixas,...
19
pesquisar a presença de secreção na base do coto umbilical
ou eritema da pele ao redor da implantação umbilical.
5.2 Fí...
20
esverdeado (cor abacate) e também com grumos brancos no
meio, além de poder ter uma cor mais castanha. Além disso,
bebê...
21
postura ereta facilitando a ação da gravidade e modificação
da consistência alimentar, que deixa de ser líquida
predomi...
22
não-comunicante. Em neonatos,
ocorrem geralmente devido
patência do processo vaginal –
tecido peritoneal que
descendend...
23
7.2 Fimose
Consiste em um estreitamento
congênito ou adquirido da
abertura prepucial,
caracterizada por um prepúcio
não...
24
em cerca de 90% dos meninos aos 3 anos. Desta maneira, a
fimose no recém-nascido é fisiológica. Mesmo nas crianças
maio...
25
condição fisiológica, que não requer tratamento.
7.4 Urina e aspecto avermelhado
As primeiras micções
produzidas por um...
26
8) REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
1. MARCONDES, et al Pediatria Básica, 9. Ed. São Paulo:
SARVIER, reimpressão, 2003.
2. NELS...
27
6. GUIA DO BEBÊ. Disponível
em:<http://guiadobebe.uol.com.br/cuidando-do-
umbiguinho/>. Acesso em: 01 dez. 2014.
7. MED...
28
12. LÓPEZ, S.L.G, et al;Enfermedadherniaria inguinal
de laniñez.PEDIATRIA TOMO VII. Disponível em:
<http://gsdl.bvs.sld...
29
<https://bienalneo.wordpress.com/2009/06/04/lesio
nes-dermicas-en-el-recien-nacido-2da-entrega/
18. SILVA, E.A, et e al...
30
24. LÓPEZ, C.G.P.1º Painel Latino-Americano | Cuidados
com a Pele Infantil: Modificações fisiológicas e
patológicas mai...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido

905 visualizações

Publicada em

Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido - Projeto de Intervenção - Internato em Pediatria I (PED I) - Departamento de Pediatria - Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) - Natal/RN - Brasil

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
905
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manual de Alterações Fisiológicas do Recém - Nascido

  1. 1. 0
  2. 2. 1 1) PELE ..................................................................................5 1.1 Textura e umidade da pele.......................................................5 1.2 Vérnix caseoso: ........................................................................5 1.3 Cor de arlequim:.......................................................................6 1.4 Acrocianose..............................................................................6 1.5 Eritema tóxico: .........................................................................7 1.6 Hemangioma:...........................................................................7 1.7 Mancha salmão: .......................................................................8 1.8 Mancha mongólica ...................................................................9 1.9 Icterícia neonatal fisiológica .....................................................9 1.10 Lanugo.................................................................................. 11 1.11 Millium................................................................................. 11 1.12 Hiperplasia sebácea.............................................................. 12 1.13 Melanose pustulosa ............................................................. 13 1.14 Acne neonatal .................................................................... 133 1.15 Miliária................................................................................. 13
  3. 3. 2 2) CRANIO..........................................................................14 2.1) Bossa e cefalohematoma ...................................................... 14 3) OLHOS............................................................................15 3.1) Estrabismo: ........................................................................... 15 3.2) Hemorragia Subconjuntival................................................... 16 4) BOCA ..............................................................................15 4.1 Pérolas de epstein .................................................................. 16 4.2 Aftas de Bednar...................................................................... 17 4.3 Dentes natais e neonatais ...................................................... 17 5) ABDOME........................................................................15 5.1 Coto umbilical ........................................................................ 18 5.2 Fígado..................................................................................... 19 6. HÁBITOS GASTROINTESTINAIS.............................19 6.1 Mecônio e aspecto das fezes .................................................. 19 6.2 Refluxo fisiológico .................................................................. 20
  4. 4. 3 6.3 Perda de peso da primeira semana ........................................ 21 7) APARELHO UROGENITAL........................................21 7.1 Hidrocele................................................................................ 21 7.2 Fimose.................................................................................... 23 7.3 Secreção Vaginal Fisiológica ................................................... 24 7.4 Urina e aspecto avermelhado................................................. 25 REFERÊNCIAS...................................................................26
  5. 5. 4 INTRODUÇÃO Devido às suas características anatômicas e funcionais, o exame físico do recém nascido (RN) é bem peculiar. Muitas dúvidas surgem entre as mães nos primeiros dias de vida dos filhos, alterações fisiológicas que, quando não conhecidas, podem gerar uma série de preocupações. Saber o que é normal ou não é um simples passo para tirar dúvidas e, na maioria das vezes, tranqüilizar a família. Vamos agora conhecer as alterações fisiológicas que podem ser encontradas nos RN sem significado patológico.
  6. 6. 5 1) PELE 1.1 Textura e umidade da pele A textura da pele depende muito da idade gestacional. O RN pré-termo extremo possui pele muito fina e gelatinosa, o RN a termo tem pele lisa, brilhante, úmida e fina, e o RN pós- termo ou com insuficiência placentária, pele seca, enrugada, apergaminada e com descamação acentuada. Por esse motivo a textura da pele é um dos parâmetros utilizados na avaliação da idade gestacional. 1.2 Vérnix caseoso: O vérnix caseoso é um material gorduroso branco, formado pelo acúmulo de secreção das glândulas sebáceas e inclui células epiteliais e lanugem, recobrindo a pele ao nascimento. Pode estar presente
  7. 7. 6 sob a forma de uma camada muito fina ou muito espessa. Varia de bebê para bebê, e não tem nenhum significado clínico. 1.3 Cor de arlequim: É uma alteração transitória da pele, não patológica. Ocorre em neonatos e se caracteriza por uma divisão do corpo em metade vermelha e outra pálida. transitório. 1.4 Acrocianose Caracteriza-se pela cianose das extremidades: mãos e pés. Ocorre devido a uma instabilidade vasomotora e lentificação da circulação periférica inerente ao recém nascido. Manifesta- se geralmente de maneira assimétrica, sendo mais intensa nos pés do que nas mãos. É uma alteração transitória que aparece principalmente no frio.
  8. 8. 7 1.5 Eritema tóxico: É classificado como um exantema benigno. Aparece nos primeiros dias de vida sob a forma de lesões eritematosas multiformes (pápulas, máculas e até algumas vesículas). Possui causa desconhecida e pode ser desencadeado por estímulos mecânicos de atrito ou pressão na pele. Regride espontaneamente, muitas vezes em poucas horas. 1.6 Hemangioma: Os hemangiomas são formações tumorais benignas de vasos sanguíneos. Aparecem na pele como manchas ou tumorações avermelhadas e arroxeadas.
  9. 9. 8 Podem representar apenas alterações estéticas. É extremamente rara a transformação de um hemangioma em uma lesão maligna. Pode estar presente no nascimento ou se desenvolverem até o primeiro ano de vida. Geralmente, aparecem na face ou no couro cabeludo. Crescem de forma rápida, mas costumam desaparecer até o início da puberdade. Na maioria das vezes necessitam apenas de acompanhamento, porém em casos de hemangiomas muito extensos há necessidade de tratamento adequado desde o nascimento. 1.7 Mancha salmão: Manchas róseas ou vermelhas que exacerbam durante o choro e que desaparecem a pressão, presentes na região da nuca, pálpebra superior e fronte, decorrentes de ectasia capilar. São observados em 30-40% dos RNs e desaparecem em alguns meses, as da nuca podem persistir por mais tempo.
  10. 10. 9 Estão presentes em 25% dos adultos. 1.8 Mancha mongólica: A mancha mongólica é uma melanose dérmica congênita, que corre, sobretudo, em RN de raça negra e corresponde a agregados de melanócitos na derme. Apresenta-se como mácula azul- acinzentada, geralmente em região sacral ou nádegas, mas pode manifestar-se em qualquer parte do corpo (manchas mongólicas ectópicas). A patogênese é desconhecida embora pareça residir num defeito na migração das células pigmentadas da crista neural. Geralmente somem após 2 a 3 anos, mas podem persistir por toda a vida. 1.9 Icterícia neonatal fisiológica A icterícia constitui-se em um dos problemas mais frequentes do período neonatal e corresponde à expressão clínica da hiperbilirrubinemia, que é definida como a
  11. 11. 10 concentração sérica de bilirrubina indireta (BI) maior que 1,3 a 1,5 mg/dL ou de bilirrubina direta (BD) superior a 1,5 mg/dL, desde que esta represente mais do que 10% do valor de bilirrubina total (BT). No período neonatal, na maioria das vezes, a icterícia decorre de um aumento da fração indireta da bilirrubina e apresenta uma evolução benigna. Na prática, 98% dos RN apresentam níveis séricos de bilirrubina total acima de 1 mg/dL durante a primeira semana de vida, sendo que cerca de dois terços ou mais desenvolvem icterícia com valores superiores a 5 mg/dL. Várias são as limitações do metabolismo da bilirrubina que explicam a icterícia fisiológica, tais como: a sobrecarga de bilirrubina ao hepatócito e a menor capacidade de captação, conjugação e excreção hepática da bilirrubina. Classicamente, a hiperbilirrubinemia “fisiológica” é definida em recém-nascidos de termo como um nível de BT sérica que aumenta após o nascimento, atinge seu pico médio por volta de 6 mg/dL entre o 3o e 4o dia de vida e então declina em uma semana com um valor máximo que não ultrapassa 12,9 mg/dL.
  12. 12. 11 1.10 Lanugo Pelo fino, sem medula e abundante, que recobre a pele do recém-nascido, principalmente nas costas, ombros e face. Desaparece nas primeiras semanas de vida, com substituição por pelo corporal definitivo. 1.11 Millium São pápulas de cor amarelada ou branca aperolada que medem entre 1 e 2 mm de diâmetro, geralmente múltiplas e agrupadas. Mais frequentemente localizam-se em região de fronte , nasogenianas e asa do nariz. Acomete 40% dos neonatos e não requerem tratamento, desaparecendo espontaneamente. São cistos epidérmicos, como resultado de retenção de queratina e material sebáceo dentro do folículo.
  13. 13. 12 1.12 Hiperplasia sebácea Essa alteração decorre da exposição intra-uterina do neonato aos hormônios androgênicos da mãe. São parecidos com millium, sendo mais amarelados que aquele. É fisiológico e há resolução espontânea dentro de semanas. 1.13 Melanose pustulosa: Presença de lesões com pus na face, pescoço, costas, mãos e pés dos recém- nascidos. Após 2-3 dias essas lesões desaparecem, deixando no local uma região de cor mais escura que permanece por cerca de três meses. Não significa
  14. 14. 13 infecção da pele do bebê. Não necessita de tratamento com antibióticos. 1.14 Acne neonatal Acomete 20% dos RN, ocorrendo a partir de 7 a 14 dias de vida. Surgem comedões (pápulas com centro branco ou preto), pápulas eritematosas e pústulas, localizando-se preferencialmente na face e por vezes também no tronco superior e região proximal dos braços. As lesões desaparecem após semanas. 1.15 Miliária A miliária, popularmente conhecida como brotoeja, é uma dermatite inflamatória causada pela obstrução das glândulas sudoríparas, o que impede a saída do suor. Ambientes quentes e úmidos, o excesso de
  15. 15. 14 roupas e agasalhos assim como febre alta, favorecem o aparecimento de lesões. Essas surgem, em geral, no tronco, pescoço, nas axilas e nas dobras de pele, sob a forma de pequenas bolhas de água. A miliária pode se apresentar nas formas cristalina, rubra ou pustulosa. A miliária cristalina ocorre quando o bloqueio do ducto sudoríparo se dá em ponto mais superficial da epiderme. As bolhas são pequenas, transparentes e sem sinal de inflamação. A forma rubra cursa com pápulas vermelhas e inflamadas, e o bloqueio do ducto é em região intermediária. Quando a interrupção ocorreu na região inicial do ducto, tem- se a miliária profunda ou pustulosa, sendo esta bastante rara no recém-nascido. O controle envolve evitar o calor e o uso de roupas em excesso, banhos refrescantes e adicionar compressas de camomila. 2) CRANIO 2.1) Bossa e cefalohematoma A bossa representa edema das partes moles na área da apresentação, não respeita o limite dos ossos do crânio, é depressível e regride nos primeiros dias pós-parto.
  16. 16. 15 No céfalo-hematoma há rompimento de vaso subperiostal secundário ao traumatismo do parto. O abaulamento não ultrapassa as suturas e não apresenta equimose. Sua consistência é de conteúdo líquido e restringe-se ao limite do osso, geralmente o parietal. Desaparece paulatinamente em duas semanas a três meses. 3) OLHOS 3.1) Estrabismo: Pode ser divergente ou convergente, com caráter transitório: a criança alterna momentos de estrabismo, com posicionamento normal dos olhos. É comum e pode persistir até os 3-6 meses, quando a coordenação dos movimentos oculares se desenvolve.
  17. 17. 16 3.2) Hemorragia Subconjuntival É um achado comum em neonatos, decorrente da ruptura de microvasos e capilares subconjuntivais, havendo um aprisionamento de sangue entre a esclera e a conjuntiva. É consequente ao aumento da pressão venosa na cabeça e pescoço durante trabalho de parto (por contrações vigorosas sobre o tórax). Apresenta-se como área hemorrágica, grande ou pequena, sempre confinada aos limites da esclera. Não causa sintomas ou altera acuidade visual, resolvendo-se espontaneamente ao longo de vários dias. 4) BOCA 4.1 Pérolas de epstein São nódulos císticos que ocorrem ao longo da rafe palatina mediana e não são de origem odontogênica (procedem dos remanescentes epiteliais aprisionados na rafe palatina
  18. 18. 17 mediana). Apresentam- se como estruturas puntiformes, com 1mm de diâmetro ou menos, de base circular, encontradas na região de rafe palatina, entre os palatos duro e mole ou nas margens da gengiva. Tem origem na inclusões do epitélio aprisionado na fase de fusão dos processos palatinos laterais, e aquelas encontradas nas margens gengivais, como remanescentes da lâmina dentária, que persistem como ilhas. 4.2 Aftas de Bednar São lesões erosivas, geralmente em número de uma a duas, com halo avermelhado, decorrentes do atrito provocado durante o procedimento de aspiração da orofaringe na sala de parto, podendo ainda ser, ou não, infectadas. Essas lesões tem resolução espontânea em poucos dias, mas podem atrapalhar a amamentação em alguns casos de aftas mais graves nos primeiros dias. 4.3 Dentes natais e neonatais Dentes natais são aqueles que estão presentes ao nascimento e os neonatais são os que erupcionam no primeiro mês de
  19. 19. 18 vida da criança. A incidência é de cerca de 1:2.000 nascimentos. Os dentes natais e neonatais podem não causar queixas, no entanto, podem ocasionar injúrias traumáticas. A extração do dente deve ser considerada caso haja queixas, mobilidade aumentada do dente, idade do neonato (somente após primeira semana de vida) e consentimento dos pais. 5) ABDOME 5.1 Coto umbilical Inicialmente gelatinoso, seca progressivamente, mumificando-se perto do 3° ou 4° dia de vida e costuma-se desprender- se do corpo por volta do 6° ao 15° dia de vida. Secreção purulenta na base do coto, com edema e hiperemia da parede abdominal indicam onfalite, infecção de alto risco para a criança. Portanto é importante
  20. 20. 19 pesquisar a presença de secreção na base do coto umbilical ou eritema da pele ao redor da implantação umbilical. 5.2 Fígado Geralmente é palpável no recém nascido, algumas vezes até 2cm abaixo do rebordo costal direito. Isso se deve a função de hematopoiese por este órgão na vida intrauterina. 6.HÁBITOS GASTROINTESTINAIS 6.1 Mecônio e aspecto das fezes O Mecônio pode ser de cor muito escura, quase preta. Tende a ser mais escuro do que os outros que virão com a ingestão do leite materno ou fórmulas para recém nascidos. A cor e a textura muda, dando lugar a fezes, que pode diferenciar, se ele mama exclusivamente no peito ou faz uso de fórmulas. Mama exclusivamente no peito: Pode ser mais amarelada, significano que a gordura a qual ele recebe do seio materno está sendo processada de forma correta pelo organismo. Pode ser esverdeada, devido a resto de mecônio. Fezes líquidas significam que o trânsito intestinal do bebê está como deveria e com o passar do tempo vai normalizando. Uso de Fórmulas: Já as fezes dos neonatos que consomem fórmulas artificiais podem ser de cor e aspecto mais
  21. 21. 20 esverdeado (cor abacate) e também com grumos brancos no meio, além de poder ter uma cor mais castanha. Além disso, bebês que tomam fórmulas também tendem a ter um ressecamento das fezes. 6.2 Refluxo fisiológico Pode ocorrer em um lactente saudável, com estado nutricional preservado que inicia um quadro de refluxo entre 1 a 4 meses de vida, com tendência a melhora a partir do 2 trimestre de vida e resolução aos 2 anos. O refluxo ou regurgitação fisiológicos podem ocorrer de 1 a diversas vezes ao dia, geralmente com volumes pequenos (15-30ml). A tendência é a melhora com o passar da idade e adoção da
  22. 22. 21 postura ereta facilitando a ação da gravidade e modificação da consistência alimentar, que deixa de ser líquida predominantemente e torna-se pastosa a sólida. Medidas posturais de adotar o decúbito lateral esquerdo e medidas dietéticas como refeições fracionadas, em pequenos volumes com uso de alimentos engrossados podem ser adotadas para reduzir a freqüência dos episódios. Orienta-se comer devagar, não tomar líquidos durante as refeições e não dormir logo após as refeições. 6.3 Perda de peso da primeira semana Ao nascer, o neonato possui excesso de líquido no organismo. Este líquido vai ser eliminado através da urina e das fezes. Dessa forma, consideram-se normais tanto uma perda de peso de até 10% ao nascer quanto a sua recuperação até o 15º dia de vida. 7) APARELHO UROGENITAL 7.1 Hidrocele É presença de líquido em quantidades anormais (mais de 3ml) dentro da túnica vaginal (membrana mais interna que contem o testículo), podendo ser uni ou bilateral, comunicante ou
  23. 23. 22 não-comunicante. Em neonatos, ocorrem geralmente devido patência do processo vaginal – tecido peritoneal que descendende da cavidade abdominal ao escroto juntamente com o testículo – ou devido a absorção inadequada do líquido na túnica vaginal após o fechamento do processo vaginal. O aumento de volume não doloroso, com dificuldade de palpação dos testículos são os principais sinais diagnósticos, associados ao teste da transluminescência escrotal positivo (vê-se aumento da transparência testicular ao incidir uma fonte de luz diretamente sobre a pele). Em recém-nascidos a maioria das hidroceles desaparece até os 12 meses de vida, após fechamento espontâneo da comunicação anormal. Caso não seja esse o caso, ou haja progressão do volume escrotal ou associação com hérnia, o tratamento cirúrgico deve ser instituído.
  24. 24. 23 7.2 Fimose Consiste em um estreitamento congênito ou adquirido da abertura prepucial, caracterizada por um prepúcio não retrátil, sem aderências. Em casos extremos, este estreitamento pode se tornar uma obstrução verdadeira, interferindo na micção. Ao nascimento, o prepúcio é quase sempre aderente à glande, firme e não retrátil. Esta aderência resulta de haver uma camada comum de epitélio escamoso entre a glande e a camada interna, mucosa, do prepúcio. Este, continua firme e aderente até que a descamação se desfaça. Estes processos acontecem gradualmente e tornam-se quase completos em torno dos três anos de idade. Assim, o prepúcio cobre completamente a glande durante o período em que a criança ainda não apresenta controle esfincteriano, protegendo a glande ao evitar o contato direto com fraldas ou roupas. A retração completa do prepúcio é possível em menos de 5% dos recém-nascidos, sendo conseguida
  25. 25. 24 em cerca de 90% dos meninos aos 3 anos. Desta maneira, a fimose no recém-nascido é fisiológica. Mesmo nas crianças maiores e adolescentes, a fimose dita fisiológica pode cursar sem problemas como obstrução, dor ou hematúria. A fimose verdadeira ou patológica é menos comum e associada a um anel cicatricial esbranquiçado não retrátil. Os sintomas incluem disúria, sangramento e, ocasionalmente, retenção urinária e enurese. Atualmente, a circuncisão neonatal de rotina não é recomendada. 7.3 Secreção Vaginal Fisiológica No RN de sexo feminino o epitélio vaginal se encontra estimulado pelos estrógenos maternos, é espesso, rico em glicogênio, com um pH entre 4 e 5 e há predomínio dos Lactobacillus spp. Pode existir ao nascer e durante o primeiro mês de vida, um abundante corrimento vaginal fisiológico composto de muco endocervical e células epiteliais cérvico- vaginais descamativas. Com alguma frequência esse material torna-se manchado de sangue após poucos dias do nascimento, em decorrência do decréscimo do estímulo hormonal. Tanto o corrimento como o sangramento desaparecem em cerca de uma semana, constituindo-se em
  26. 26. 25 condição fisiológica, que não requer tratamento. 7.4 Urina e aspecto avermelhado As primeiras micções produzidas por um recém-nascido são concentradas e frequentemente contendo uratos, que podem tingir a fralda de cor-de-rosa. Se um recém-nascido não urina durante as primeiras 24 horas de vida, deve-se investigar a razão. Este atraso é mais frequente nos meninos e pode relacionar-se com um prepúcio tenso ou a uma inflamação temporária do pénis depois da circuncisão.
  27. 27. 26 8) REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 1. MARCONDES, et al Pediatria Básica, 9. Ed. São Paulo: SARVIER, reimpressão, 2003. 2. NELSON, Tratado de Pediatria, 18. ed., Rio de Janeiro: Saunders/Elsevier, 2009. 3. ÁREA DE SEMIOLOGIA E PATOLOGIA. Disponível em: <http://www.fop.unicamp.br/ddo/patologia/downloa ds/db301_un3_Aula29- 30Cistos_desenvolvimento.pdf>. Acesso em: 28 nov 2014. 4. PENIDO, C.V.S.R; FONSECA, M.S.Cistos da cavidade bucal de recém-nascidos. JBP – Rev Ibero- amOdontopediatrOdontol Bebê, 6(34):526-31, 2003. Disponível em: <http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc =s&source=web&cd=15&ved=0CDUQFjAEOAo&url=ht tp%3A%2F%2Fdtscience.com%2Findex.php%2FPediat ric_Dentistry_jbp%2Farticle%2FviewFile%2F503%2F4 70&ei=z3p9VK2TD8argwSxnoGQDA&usg=AFQjCNHRS MDybKkI8Mr-DhyJXZ5l5vZlug>. Acesso: 30 nov 2014. 5. WOO, P. Consultório de pediatria. Disponível em: <http://consultorioped.blogspot.com.br/2013/08/xixi -com-sangue-na-fralda.html>. Acesso em: 01 dez 2014.
  28. 28. 27 6. GUIA DO BEBÊ. Disponível em:<http://guiadobebe.uol.com.br/cuidando-do- umbiguinho/>. Acesso em: 01 dez. 2014. 7. MED FOCO: nosso foco é a sua saúde. Disponível em: <http://medfoco.com.br/alteracoes-na-pele-do-recem- nascido/>. Acesso em: 30 nov. 2014. 8. ALEX, F. Beleza e saúde. Disponível em: <http://portalbraganca.com.br/belezaesaude/dro-fabio- alex-fala-sobre-as-marcas-vasculares-de-nascenca.html>. Acesso em: 29 nov. 2014. 9. SOU MÃE. Disponível em: <http://soumae.net/tag/estrabismo/>. Acesso em: 29 nov 2014. 10. SILVA, M. T. Sessão “Meu médico responde...”. Disponível em: <http://drtorrente.site.med.br/fmfiles/index.asp/::XP R231::/Artigos/Hidrocele%20congênita.pdf>. Acesso em: 30 nov 2014. 11. TRICARICO, A. et al .Nipple trauma in infants? Bednar aphtae.;Am J Otolaryngol. 2012 Nov-Dec;33(6):756-7. doi: 10.1016/j.amjoto.2012.06.009. Epub 2012 Aug9. Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22884485>. Acesso em: 27 nov 2014
  29. 29. 28 12. LÓPEZ, S.L.G, et al;Enfermedadherniaria inguinal de laniñez.PEDIATRIA TOMO VII. Disponível em: <http://gsdl.bvs.sld.cu/cgi-bin/library?e=d-00000-00-- -off-0pediatra--00-0----0-10-0---0---0direct-10---4------- 0-0l--11-hu-50---20-about---00-0-1-00-0-0-11-1-0gbk- 00&a=d&c=pediatra&cl=CL1>. Acesso em: 01 dez 2014. 13. LOPES, L.D., et al.Dente neonatal: relato de caso clínico; RevInstCiênc Saúde; 26(1):130-4, 2008. disponível em: <http://www.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/e dicoes/2008/01_jan_mar/V26_N1_2008_p130- 134.pdf>. Acesso em: 28 nov 2014. 14. DENTES NATAIS. Disponível em: <http://www.lookfordiagnosis.com/mesh_info.php?t erm=Dentes+Natais&lang=3>. Acesso em: 29 nov 2014. 15. STANFORD SCHOOL OF MEDICINE: Natal teeth. Disponível em:< http://newborns.stanford.edu/PhotoGallery/Teeth1.h tml>. Acesso em: 29 nov 2014. 16. STANFORD SCHOOL OF MEDICINE: Subconjuntival hemorrage. Disponível em:< http://newborns.stanford.edu/PhotoGallery/Teeth1.h tml>. Acesso em: 29 nov 2014. 17. CURSO BIENAL DE NEONATOLOGIA. Disponível em:
  30. 30. 29 <https://bienalneo.wordpress.com/2009/06/04/lesio nes-dermicas-en-el-recien-nacido-2da-entrega/ 18. SILVA, E.A, et e al.Cirurgia Peniana: Fimose e Hipospádia. Projeto diretrizes. Disponível em: <http://projetodiretrizes.org.br/6_volume/14- CirurgiaPFimoHipo.pdf>. Acesso em: 28 nov 2014. 19. MAKSOUD,J.G.CIRURGIA PEDIÁTRICA. 2ª edição. 2003. 20. PERCHES, K.M. Fimose. Disponível em: <https://cirurgiapediatricacuritiba.wordpress.com/du vidasfrequentes/doenca-do-penis-e- testiculos/fimose/>. Acesso em: 30 nov 2014. 21. NEVES, N.A. Corrimento Vaginal na Infância: como abordá-lo. J Bras Doenças Sex Transm. 10 (5): 15-19, 1998. 22. PORTAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA: Brotoeja. Disponível em: <http://www.sbd.org.br/doencas/brotoeja/>. Acesso em: 28 nov 2014. 23. LIMA, R.B. Dermatologia.net: doenças da pele. Disponível em: <http://www.dermatologia.net/novo/base/doencas/ miliaria.shtml> Acesso em: 27 nov 2014.
  31. 31. 30 24. LÓPEZ, C.G.P.1º Painel Latino-Americano | Cuidados com a Pele Infantil: Modificações fisiológicas e patológicas mais comuns da pele na infância. Disponível em:<http://www.sbp.com.br/pdfs/painel- JJ-Fasciculo-6.pdf>. Acesso em: 30 nov 2014.

×