Anátomo - Clínica

1.518 visualizações

Publicada em

Sessão Anátomo - Clínica: Hospital de Pediatria Prof Heriberto Ferreira Bezerra(HOSPED) / Departamento de Pediatria (DPEDI) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte( UFRN)

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.518
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
865
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Anátomo - Clínica

  1. 1. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Hospital de Pediatria Professor Heriberto Ferreira Bezerra Departamento de Pediatria Residência Médica em Pediatria Sessão Anátomo - ClínicaDia: 26/10/2012 Horário: 07:00Local: Auditório Profº Mariano Coelho, 4º Subsolo do HUOLRelator: Camila Macêdo da Silva - R2 de PediatriaOrientadores: Dras. : Áurea Nogueira, Ana Karina Dantas, Luiza Jales, MônicaFerreira e Mylena Bezerra. CASO CLÍNICO Em maio de 2012, L.T.S.F, sexo feminino, 14 anos e 11 meses de idade,natural e procedente de São Miguel – RN, procurou o serviço médico em queera acompanhada, queixando-se de cefaléia frontotemporal à direita, associadaa náuseas, vômitos, diplopia e borramento visual, há 5 dias da internação.Admitida em BEG, vigil e orientada, com discretas áreas de alopecia epapiledema ao exame físico. Devido a um transplante renal realizado emsetembro de 2010, vinha em uso de Prednisona, Tacrolimus e Micofenolato-mofetil, além de Captopril, Nifedipino, Ácido folinico, Pantoprazol, Clonazepame Sulfametoxazol + Trimetoprim profilático. Durante essa internação, foram realizados exames laboratoriais e deimagem (em anexo), e a partir dos resultados encontrados, foi iniciado umesquema terapêutico. A paciente evolui com melhora clínica na vigência dotratamento instituído, entretanto ao término do mesmo, a adolescente referiuretorno da cefaléia, sendo então realizados novos exames e encaminhada, emjulho do mesmo ano, para outro serviço a fim de uma melhor resolução docaso. Nesse novo serviço, a paciente deu entrada em BEG, vigil, orientada,hidratada, hipocorada (1+/4+), acianótica, anictérica, eupnéica em ar ambiente,afebril ao toque, com lesões acneiformes em face.Peso: 43 kg (P 9 Z escore -1,33); Estatura: 1,34m (P 0 Z escore - 4,37 );IMC: 24 (P 85 Z escore +1); PA: 120x80mmhg: (<P95)ACV: RCR em 2T, BNF sem Sopros; AR: MV+ bilateralmente sem RA;ABD: plano, RHA +, flácido, indolor, sem VMG ou massas palpáveis;
  2. 2. MMII: bem perfundidos, sem edemas; Exame neurológico normal.Exames da admissão (julho/2012):Hb 9,3g/ Htc 29%/ Leuc 8.900 (S 46% B 0% LT48% LA 0% Mon1% E 5%)PLAQ 260.000/ TAP 64% 16,7s/ TTP 30s/ UREIA 72/ CREAT 2,2/ Na 143/ K3,6/ Ca 11,3/ Mg 1,5/ P 2,9/ Ac. Úrico 4,9/ CT 209/ TRG 159/ Alb 4,0/ AST 43/ALT 40/ LDH 621/ EAS – normal/ Anti-HIV 1 e 2 –NR/ EBV –NR/ CMV- IgG eIgM-R.TC CRÂNIO: Imagem ovalada com atenuação de partes moles na regiãofrontal direita associada a edema vasogênico regional (aspecto inespecífico naausência de contraste).Hábitos de vida: Reside com os pais e um irmão saudável no município deSão Miguel – RN, com saneamento básico e água tratada. Não refere contatoscom animais. Cursava o primeiro ano do ensino médio, com bom rendimentoescolar, todavia não se socializava. Alimentação adequada, porém sedentária.Apresentando insônia nos últimos dias.Antecedentes Pessoais: Nascida de parto normal, a termo, AIG. Apresentoubom DNPM, fez uso de leite materno apenas por duas semanas. Calendáriovacinal atualizado. História de pneumonia aos três anos de idade.Recebeu o diagnostico de Síndrome Nefrótica Córtico-resistente em 2006. Em2007 evoluiu com Insuficiência Renal Crônica terminal, sendo necessário iniciardiálise peritoneal (CAPD) como terapia de substituição renal. Em setembro de2010, realizou transplante renal com rim doador cadáver, onde foram prescritosPrednisona, Tacrolimus e Micofenolato-mofetil como esquemaimunossupressor.Em janeiro de 2011 apresentou piora da função renal, em que suspeitaram derejeição aguda do enxerto, sendo confirmado pela biópsia renal, queevidenciou estado de imunoativação incipiente, optando-se por realizarpulsoterapia com metilprednisolona. Em maio do mesmo ano apresentou episódios de melena e hematoquezia comrepercussão hemodinâmica, em que foi realizada transfusão sanguínea ecolonoscopia com hemostasia a base de solução de adrenalina, evidenciandolesões compatíveis com inclusões citomegálicas, e a partir daí, foi iniciadoesquema terapêutico com ganciclovir. Sorologia prévia para CMV em 2009(IgG e IgM positivos).Antecedentes Familiares: HAS (avó) e alergias.
  3. 3. ANEXO: (Exames do internamento de Maio/2012)Laboratório:Hb 11,6g/ Htc 33,7%/ Leuc 8.000 (S 59% B 1% LT30% E 6% MON 4%) PLAQ287.000/ URÉIA 46/ CREAT 1,01/ BT 0,19/ AST 2/ ALT 15/ GGT 23/ AMILASE142/ Na 136/ K 3,8/ GJ 134/ GASO VENOSA (Ph 7, 34/ HCO3 22,2).Imagem:Conclusão: Duas lesões com captação anelar e edema adjacente em regiõesfrontal e parietal à direita.

×