1
Arquitetura neoclássica no Rio de Janeiro: um patrimônio cultural do reinado brasileiro
de D. João VI.
Evelyn Furquim We...
2
hoje Paço Imperial. Essa é talvez a mais significativa obra de arquitetura civil do século
XVIII ainda existente na cida...
3
que também promoveu a abertura da Rua dos Inválidos e da rua do Resende, saneando a
região adjacente aos antigos pantana...
4
importantes do Reino, mas muitos aristocratas e comerciantes ricos iniciaram a construção de
chácaras nos atuais bairros...
5
1813 e demolido em 1928. 7
Também ainda antes da chegada da missão, D. João inaugurou o
Horto Real (Jardim Botânico), a ...
6
Ordem de Cristo. No meu entender, o risco inicial denota bem a formação do aluno de Percier
e de Fontaine, primando pela...
7
O prédio funcionou também como Alfândega e como Tribunal do Júri. Recentemente
restaurada, a edificação, de espírito pal...
8
Ao longo de 1817, D. João freqüentou os banhos de mar na Praia do Caju. A família
Tavares Guerra, que bem se relacionava...
9
Com arquitetura assobradada, com detalhes em cantaria, o chafariz apresenta uma sacada
no seu segundo piso, cercada por ...
10
Grandjean de Montigny, oriundo das Beaux-Arts de Paris e filado ao racionalismo
arquitetônico.
A intenção civilizatória...
11
7
Para maiores informações sobre este teatro neoclássico, consultar LIMA, Evelyn Furquim Werneck.
Arquitetura do espetá...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Arquitetura neoclássica no rj ok

207 visualizações

Publicada em

Arquitetura neoclassica

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
207
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arquitetura neoclássica no rj ok

  1. 1. 1 Arquitetura neoclássica no Rio de Janeiro: um patrimônio cultural do reinado brasileiro de D. João VI. Evelyn Furquim Werneck Lima∗ Após a recusa de aceitação do Bloqueio Continental contra a Inglaterra e diante da iminência da invasão de seu território pelas tropas napoleônicas, a Corte portuguesa embarcou para o Brasil em busca de um porto mais seguro para a monarquia. Conforme afirmou Afonso Carlos Marques dos Santos, o Rio de Janeiro foi, a partir de 1808, palco da elaboração do projeto de Império luso-brasileiro e a base do ensaio civilizatório empreendido pela Missão Artística Francesa de 1816 e pelo reinado brasileiro de D. João VI. 1 Esta parece ter sido a verdadeira dimensão política e artística do fato histórico, que teve a vinda da Corte para o Brasil. No que tange às investigações sobre a história urbana e da arquitetura, observa-se a partir da chegada do príncipe regente, o crescimento da documentação sobre o século em curso, pois foi após a vinda de D. João ao Brasil que os artistas e viajantes foram incentivados a retratar e descrever a paisagem contraditória de uma cidade que contava com uma arquitetura religiosa e militar de alta qualidade, com um relevo e vegetação luxuriantes, mas com ruas e becos fétidos onde circulava uma população bastante heterogênea. Uma cidade desordenada Região iminentemente agrícola até os meados dos setecentos, o Rio de Janeiro tinha como principal atividade econômica os engenhos de açúcar. Ao redor das plantações surgiram conventos e igrejas, polarizadores de toda a vida espiritual da pequena população.2 O centro realmente urbanizado limitava-se à área compreendida entre a baía e a rua da Vala - atual Uruguaiana- estendendo-se desde a Prainha, hoje Praça Mauá até o Campo da Ajuda, onde, na segunda década do século XX, surgiria a Praça Floriano- conhecida após os anos 1930 como Cinelândia. Rompendo os estreitos limites do Morro do Castelo, a cidade esparramava-se pela várzea, ocupando os vales. O traçado das primeiras ruas é o que ainda perdura no centro histórico. Ao longo da costa multiplicaram-se os trapiches, pois a cidade cresceu em opulência quando, em 1763, tornou-se a sede do governo, face à importância da cidade como porto escoadouro do ouro e dos diamantes descobertos em Minas Gerais. 3 Com o ciclo do ouro, o Rio de Janeiro se transformou no grande empório por onde circulava este metal, a caminho da metrópole. As mercadorias que abasteciam os campos de mineração e o intenso tráfego de ávidos aventureiros conferiam à cidade uma imagem dinâmica. Dos administradores que teve a cidade colonial, Gomes Freire foi o que mais se destacou, imprimindo ao Rio de Janeiro uma revolução urbanística e arquitetônica, dentro das limitações da época. Dos pântanos e lagos aterrados nasceram conventos, edificações e praças. No exato local onde ficava a Casa da Moeda construiu-se a Casa dos Governadores (Palácio dos Vice-Reis), sob o traço do engenheiro-brigadeiro José Fernandes Pinto Alpoim, e ∗ Arquiteta e Historiadora. Professora Associada da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Centro de Letras e Artes. Pesquisadora do CNPq. Pesquisadora da CAPES em estágio pós-doutoral (Paris X- EHESS). Autora, entre outros livros, de Das Vanguardas à tradição (2006), Arquitetura do Espetáculo (2000), Avenida Presidente Vargas: uma drástica cirurgia (1990 e 1995).
  2. 2. 2 hoje Paço Imperial. Essa é talvez a mais significativa obra de arquitetura civil do século XVIII ainda existente na cidade, tendo sido inaugurada em 1743. Outra imponente obra de engenharia, que pela arte com que foi concebida tornou-se um marco na paisagem urbana, foi o Aqueduto da Carioca, construído na gestão de Aires Saldanha. Recebeu dupla arcaria no governo de Gomes Freire. Foi também este administrador quem mandou edificar seminários e conventos, destacando-se o Convento de Santa Teresa e o Convento da Ajuda, tendo sido este último projetado por Alpoim, sobre os terrenos hoje ocupados pela Cinelândia. Deduz-se, das leituras realizadas que Alpoim foi uma espécie de Secretário de Obras eficientíssimo, pois entre outros projetos é também autor da Igreja de Nossa Senhora da Conceição e Boa Morte. Destacam-se ainda no cenário da cidade as Igrejas de Nossa Senhora do Carmo, na Rua Direita (atual Primeiro de Março), e a belíssima igreja de São Pedro dos Clérigos, de desenho elaborado sob influência do barroco italiano, infelizmente destruída na ocasião da abertura da Avenida Presidente Vargas. A religiosidade da população impulsionou a construção de igrejas recobertas de talhas douradas. O comércio fervilhava com os muitos aventureiros e viajantes que se instalavam na cidade, a caminho do interior. No Terreiro do Carmo, composto pelo complexo arquitetural da Igreja, o Palácio dos Governadores e o cais – elementos já existentes, Valentim da Fonseca e Silva projetou e construiu em 1789 um chafariz em granito carioca que marcaria para sempre a paisagem da atual Praça XV. (Fig.1) Foi também este autor quem implantou o projeto urbano-paisagístico do Passeio Público - aprazível local de lazer para a elite da cidade. Esta obra foi bastante significativa para a expansão urbana em direção à Praia da Glória, tendo para tal sido aterrada a Lagoa do Boqueirão. Os jardins projetados pelo artista obedeciam à linguagem racionalista dos jardins franceses, havendo em seu traçado uma nítida influência da simbólica maçônica. Nos arrabaldes do núcleo histórico ficavam o Campo de São Domingos, que abrangia o Campo dos Ciganos (atual Praça Tiradentes) e o Campo de Santana, onde eram despejadas as cargas dos “tigres”, barricas repletas de dejetos fecais. Além dos problemas de saneamento havia dificuldades de abastecimento de água potável. Com o crescimento populacional, os poucos chafarizes existentes não davam vazão às necessidades dos habitantes. O asfaltamento da Rua da Vala (atual Uruguaiana) e da Rua do Cano (atual Sete de Setembro), ocorreram antes da chegada de D. João, ainda no governo do Conde de Resende, Fig. 1 – Vista da Praça XV na chegada de D. João. (Aquarela de Debret. In :Voyage Pittoresque et historique au Brésil , 1834) Fig.2 - Planta da cidade em 1808. (Mapoteca do Itamaraty, 1817 )
  3. 3. 3 que também promoveu a abertura da Rua dos Inválidos e da rua do Resende, saneando a região adjacente aos antigos pantanais de Pedro Dias e aterrando o Campo de Santana e o Campo da Lampadosa. Foi somente a partir da chegada do Príncipe Regente que a cidade começou a se expandir de forma mais rápida, conseguindo transpor definitivamente os limites do núcleo urbano colonial. Da Glória a Botafogo havia apenas um caminho, porém a planta da cidade levantada em 1808 permite perceber que grande parte dos brejos da área central já fora aterrada. (Fig. 2) Uma corte nos trópicos: a questão urbana A chegada da família real e da corte, em 1808, transformou o Rio de Janeiro na nova sede do governo português. Este fato imprimiu um novo rumo ao processo de emancipação política do Brasil e trouxe benefícios econômicos, contribuindo para a expansão da cidade. A abertura dos portos às nações amigas e os tratados de comércio entre Portugal e a Inglaterra determinaram a ruptura do pacto colonial e a integração do Brasil ao mercado mundial. 4 2 Cresceram as atividades de importação e exportação, e a cidade passou a desempenhar uma função de importante entreposto comercial nas rotas marítimas internacionais. O comércio prosperou e a população aumentou com a vinda de imigrantes europeus. Parece significativo constatar que, com a corte, desembarcaram no Rio mais de 15 mil pessoas que se somaram aos 50 mil habitantes residentes na cidade colonial, dos quais mais da metade era constituída por escravos. Este fato causou grande impacto na urbanização do Rio de Janeiro, principalmente no que se refere à demanda de habitações e de infra-estrutura básica, sem contar que, em menos de duas décadas, a população praticamente duplicou. A inserção inesperada de tal contingente populacional numa cidade que até então era basicamente um entreposto comercial fortificado provocou complexos problemas de gestão urbana. Sabe-se que o governo português centralizava em Lisboa todos os órgãos que constituíam a burocracia governamental e que foi uma proeza joanina fazer funcionar todo o aparato de Estado agora transplantado para os trópicos. De imediato, o vice-rei Conde dos Arcos desocupou as repartições públicas do Paço para cedê-las à família real. Foram preparados para alojá-los também os prédios anexos da Cadeia e do Convento do Carmo. As crônicas revelam a decisão do Príncipe Regente de requisitar as melhores moradias então existentes na cidade para aposentadoria dos que haviam acompanhado a corte portuguesa em seu exílio. Com o confisco das residências abastadas ocorreu uma alta nos aluguéis das poucas casas disponíveis para tal, acrescido do fato de que, inicialmente, alguns moradores da cidade decidiram não mais construir casas com medo de ter que cedê-las aos membros da corte. A crise no abastecimento d’água acabou por ser benéfica para a cidade pois foram construídos muitos chafarizes para o provimento de água potável. Através da iconografia revelada nas aquarelas de Thomas Ender, Richard Bates e das pinturas de Afonso de Taunay e de Debret verifica-se que entre as obras monumentais civis e religiosas, as casas coloniais aparecem ainda em pedra bruta e argamassa de cal, com telhados de barro de grandes beirais. O aumento populacional ocasionado pela vinda da corte, a integração do país ao mercado mundial, a implantação de alguns postulados trazidos pela Missão Francesa modificaram bastante a fisionomia da cidade. Edificações mais sofisticadas foram construídas no centro e nos arredores. As classes dirigentes mais abastadas - compostas basicamente dos membros do governo-, residiam nas imediações do Largo do Paço ou na Lapa, próximo às repartições mais
  4. 4. 4 importantes do Reino, mas muitos aristocratas e comerciantes ricos iniciaram a construção de chácaras nos atuais bairros da Glória, do Catete, Catumbi e São Cristóvão. Cerca de 150 chácaras surgiram nos arredores da cidade. Os trabalhadores livres e os escravos de ganho, que constituíam a população de baixa renda, não tinham outra opção senão adensar a área entre o mar e o mangue do Saco de São Diogo, ocupando também a atual área da Gamboa, Santo Cristo, e Saúde. Nestes espaços também se concentravam as atividades manufatureiras, as casas comerciais, os trapiches e os estaleiros. O Rio de Janeiro experimentou então considerável surto de crescimento urbano. Calçaram-se ruas, repararam-se estradas, foram construídas muralhas a beira-mar. Por outro lado ampliou-se sobremodo a função comercial e portuária da cidade, pois, por essa época as lavouras se expandiram, especialmente a do café, cuja produção seria em sua maior parte exportada pelo porto do Rio de Janeiro. Os arquivos revelam que, entre 1808 e 1818, foram construídos cerca de 600 sobrados na área urbana, onde até então haviam predominado casas térreas. 5 (Fig. 3) A instauração de uma Intendência capitaneada por Paulo Fernandes Viana introduziu uma nova legislação acompanhada de um código de posturas municipais em junho de 1809, com o nítido propósito de transformar a imagem da cidade colonial. 6 A festa e o júbilo que se seguiram à chegada da família real foram substituídos por inúmeros desafios, dentre os quais aquele de implantar rapidamente a burocracia estatal portuguesa na colônia, e de fazer a cidade assumir o novo papel. Em 1815 o Brasil deixa de ser colônia para tornar-se Reino Unido a Portugal e Algarves, o que veio a reforçar a função político-administrativa da cidade do Rio de Janeiro. O Palácio dos Vice-Reis foi transformado em Paço Real e novos prédios foram construídos para os órgãos administrativos da corte portuguesa. Infelizmente, movidos por um desejo equivocado de progresso, muitos de nossos governantes do século XX demoliram a maior parte dos imóveis do início dos oitocentos. Os quatro morros que encerravam o centro urbano joanino, pontificando magistralmente o cenário exuberante da cidade vista do mar, estão hoje reduzidos a dois (e meio, se considerarmos o topo do Morro de Santo Antônio, preservado apenas onde se situa o Convento). O chiado das rocas e as cantigas dos escravos – tão bem registrados nas gravuras de Debret – foram substituídos pelo ruído e pela fumaça produzida por ônibus e automóveis que ocupam os espaços públicos. O legado arquitetural deixado por D. João O legado arquitetural e paisagístico deixado por D. João VI está relacionado à vinda de uma missão de artistas franceses integrada pelo arquiteto Grandjean de Montigny que, dentro de um projeto cultural mais amplo, deveria também desenvolver o estilo neoclássico na arquitetura brasileira. Este estilo já era praticado no Brasil pelos riscos de José Manuel da Costa, arquiteto português que construiu um teatro neoclássico para D. João, inaugurado em Fig. 3 – Sobrados na área central. Os inúmeros sobrados edificados principalmente na rua Direita (Primeiro de Março) e imediações substituíram as casas térreas do período colonial. Ali se localizaram os atacadistas e as casas de câmbio. Aquarela de Richard Bates, s/d. (IHGB).
  5. 5. 5 1813 e demolido em 1928. 7 Também ainda antes da chegada da missão, D. João inaugurou o Horto Real (Jardim Botânico), a Biblioteca e o Museu Real, o Banco do Brasil e a Imprensa Régia, instituições que ainda hoje representam a nação brasileira, apesar de terem sido demolidas as primeiras edificações que as abrigaram. Foram analisados neste ensaio alguns dos empreendimentos paisagísticos e arquiteturais – criados ou vivenciados por D. João, que ainda enriquecem o patrimônio cultural de nossa cidade. O Jardim Botânico (criado por decreto 13/06/1808), era na época designado por Real Horto, foi criado para aclimatar e cultivar plantas exóticas oriundas das Índias Orientais e outras regiões asiáticas. No local existira um engenho de cana pertencente a um cidadão luso: Rodrigo de Freitas – o mesmo que deu o nome à lagoa, até então designada Sacopenapã. Na ocasião, já estava ali instalada e em pleno funcionamento a Fábrica de Pólvora, de propriedade do estado. No próprio terreno da Fábrica criou-se o Real Horto e, ainda em 1808, D. João plantou, no jardim da Aclimação, a primeira palmeira cuja semente chegara da Martinica. Atualmente além da cuidadosa restauração de um dos antigos prédios da Fábrica de Pólvora (Casa dos Pilões), o Jardim Botânico apresenta um tesouro de nossa arquitetura neoclássica: o pórtico da antiga Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios, fundada pelo Conde da Barca e cujo projeto foi elaborado pelo arquiteto Grandjean de Montigny (Fig.4). O prédio, construído com várias modificações em relação ao projeto inicial e que ficava em terreno hoje vazio da atual Avenida Passos, foi inaugurado solenemente como Academia Imperial de Belas Artes em 1826 e demolida em 1938. 8 6 O projeto de Grandjean remete às novamente às obras de Percier. Suas proporções obedecem aos estudos sobre a ordem jônica, como se percebe pela presença de seis colunas dessa ordem na parte superior da fachada. A um sexto de sua altura máxima, um imponente frontão com baixos relevos, encima o pórtico, conforme se deduz da fachada aquarelada da autoria de Debret. (Fig. 5) Além de Percier, nota-se a forte influência de Andréa Palladio e dos palácios da Toscana, tema investigado anteriormente pelo arquiteto. Somente em 1882 o prédio ficaria pronto, já então muito modificado e inclusive com mais um pavimento. Mas certamente a obra-prima do legado arquitetural deixado por D. João VI foi a primeira Praça do Comércio (atual Casa França-Brasil), cujo projeto original pode ser apreciado na Biblioteca Nacional. Os trabalhos foram iniciados em 11 de junho de 1919 no terreno situado entre o mar e a Rua do Sabão. 9 O prédio, obra de acurado bom gosto de Grandjean, consiste num monumental salão onde as colunas dóricas sustentam uma enorme cúpula, segundo Paulo Santos, numa alusão explícita às Termas de Caracalla em Roma.10 Na inauguração do prédio em 13 de maio de 1820, Grandjean foi condecorado com a medalha de Cavaleiro da Fig.4 – Foto do Pórtico da Academia Imperial de Belas-Artes em 1882. Hoje apenas o pórtico está no Jardim Botânico. Foto Marc Ferrez. (Coleção Fig. 5 - Desenho em aquarela de Debret da Fachada da Academia Imperial de Belas Artes, projetada por Grandjean (Biblioteca do Jardim Botânico)
  6. 6. 6 Ordem de Cristo. No meu entender, o risco inicial denota bem a formação do aluno de Percier e de Fontaine, primando pela simetria, proporções e ritmo. Analisando o método adotado no curso de Blondel, publicado por Pierre Patte, Joseph afirma que na Escola de Belas–Artes, naquele momento: “The method by which thinking and teaching is to proceed is that architecture must be analized down to its simplest components, which are of three kinds: (i) the nature of materials; (ii) the force of habit; (iii)the repertory of elementary forms –of which the circle and the sphere must have preference.” 11 Sobre os mestres de Grandjean, Charles Percier e Pierre Fontaine, o autor explica que foram eles os criadores do estilo Império para Napoleão Bonaparte, e que eram eles os principais membros da Escola de Arquitetura durante a Revolução.12 Podemos inferir, ao analisar o monumento projetado por Percier e destinado a agrupar as diferentes Academias (Fig. 6), que Grandjean em muito se inspirou na proposta de seu mestre, no projeto para a Praça do Comércio, articulando magistralmente a cúpula, sobre uma proposta de composição centrada com planta em cruz grega. (Fig.7) Atenção especial foi dada aos materiais aplicados. Fig. 6 - Projeto de Percier para reagrupar as diferentes academias de Paris 1786, planta, corte e elevação. (In: MIDDLETON (org.) The Beaux-arts, 1982, p. 14) Fig. 7 - Projeto de Grandjean para a Praça do Comércio 1820, planta, corte e elevação. Desenho de Gradjean. (Biblioteca Nacional) Fig. 9 - Aquarela de Grandjean mostrando a inspiração na arquitetura romana e nos ensinamentos de Percier. (Museu da Cidade FUNARJ/PCRJ) Fig. 10 – Foto atual da edificação que abriga a Casa França-Brasil
  7. 7. 7 O prédio funcionou também como Alfândega e como Tribunal do Júri. Recentemente restaurada, a edificação, de espírito palladiano, abriga hoje as instalações da Casa França- Brasil, instituição vinculada à Secretaria de Cultura do Estado. Outra obra do arquiteto francês que ainda subsiste é o Solar Grandjean de Montigny , edificado por volta de 1823, um belo casarão neoclássico, de dois andares, parcialmente circundados por galerias porticadas. (Fig. 11) O acesso ao primeiro andar se faz por uma elegante escadaria. Na parte posterior da casa há dois salões cilíndricos. Situada em bairro ainda agreste naquela época, foi adaptada ao modelo de casa rural com alpendres e é hoje um Centro Cultural da Pontifícia Universidade Católica do Rio, na Gávea, restaurado por Augusto daSilva Telles. (Fig. 12) . Mas o patrimônio cultural deixado por D. João inclui outros bens além dos projetos de Grandjean. Segundo Antônio Gonçalves Pereira da Silva (o padre Perereca) em Memória Histórica da Ilha de Paquetá, surpreendido por forte temporal, o galeão de D. João foi obrigado a atracar na ilha de Paquetá, onde o príncipe regente se encantou com a paisagem. 13 O oficial de milícias Francisco Gonçalves da Fonseca, comerciante e industrial conhecido no Reino, era proprietário do solar que abrigou o Príncipe Regente, cedendo-lhe posteriormente a propriedade como residência de verão. É hoje conhecido como o Solar d’el Rei. Do prédio original, edificado no início do século XIX com tipologia de casa de chácara, permanece a lembrança do estilo singelo e austero, a caiação das fachadas, os vãos em quadro de madeira, vergas em arco de círculo rebaixado, cercaduras de massa e telhado em quatro águas coberto por telhas canal. Sendo a casa implantada em terreno amplo de topografia acidentada, o acesso faz-se por longa estrada sustentada por muros de arrimo. Analisando-se a planta da construção verifica-se que o corpo principal - dispondo de pavimento duplo - articula-se aos outros, de um só pavimento, perfeitamente integrados aos acidentes topográficos e às curvas de níveis, vencidos por rampas ou escadas. 14 (Fig. 13) A casa abriga hoje a Biblioteca Popular de Paquetá, um museu e uma oficina de artes. Fig. 11 – Desenho de Debret (c1823). Solar Grandjean de Montigny Fig. 12 – Foto atual da casa, que abriga o Centro Cultural da PUC-Solar Grandjean de Montigny. (2008) Fig. 14 - A casa de Banhos de D. João VI, no Caju - hoje Museu da COMLURB.( SEDREPAC) Fig. 13- Solar d´el Rei em Paquetá, com tipologia de casa de Chácara. (SEDREPAC)
  8. 8. 8 Ao longo de 1817, D. João freqüentou os banhos de mar na Praia do Caju. A família Tavares Guerra, que bem se relacionava com a família real portuguesa devido aos negócios de exportação e importação, tinha ali uma propriedade que foi oferecida como apoio aos banhos de mar de D. João. O soberano, segundo alguns autores, teria comprado a propriedade a qual denominou Quinta Real do Caju. (atual Praia do Caju n. 385). O prédio hoje remanescente apresenta a planta quadrada típica de habitação rural brasileira de fins de época colonial. Constata-se ser a construção bastante simples, de alvenaria e pedra com cornijas e esquadrias de madeira, apresentando telhado em quatro águas, pilastras com cunhais e vergas em arco rebaixado sobre as janelas. Pode-se considerá-la uma construção de transição entre o urbano e o rural. A diferença de espessura entre a parede externa frontal à rua com 60 cm e as demais, com 40 cm, sugere que a primeira teria sido erguida em 1817, quando um decreto mandava edificar compulsoriamente nos terrenos próximos às praias, com graves penas para os proprietários que não o fizessem. Somente em 1837 o imóvel aparece nos registros de impostos prediais.15 Hoje, completamente restaurada, a casa funciona abrigando o Museu da Limpeza Urbana da Comlurb. (Fig. 14) Quanto à residência real, o Paço de São Cristóvão, somente ganhou o estatuto de neoclássico com após inúmeras reformas 16 . As feições atuais do imóvel seguem o traço de Manoel de Araújo Porto Alegre, ex-aluno de Debret, cuja adaptação data de 1841. Outro bem cultural joanino é o Chafariz de Paulo Fernandes, situado à Rua do Riachuelo, antiga Rua de Mata-Porcos e construído por ordem do intendente Paulo Fernandes Viana, foi inaugurado em 1818, em terreno cedido pelo tenente-coronel Claudio José Pereira da Silva, proprietário de vasta chácara na região.17 A obra, em alvenaria de tijolos e cantaria constitui um dos primeiros chafarizes de uma série resultante da canalização das águas do rio Maracanã até o Campo de Sant’Ana. (fig.15) Luiz Gonçalves dos Santos - o Padre Perereca, assim descreve o chafariz em publicação de 1825: “pouco adiante da casa de Pedro Dias se levantou na estrada de Mata-Porcos uma caixa com o feitio de torre, para receber a água tomada por ora, do rio Comprido: esta obra é muito sólida e de cantaria. Forma dois corpos, sobre a cimalha do primeiro corre por três lados uma varanda de ferro; embaixo, na sua base, tem um tanque com três bicas que dão água ao povo circunvizinho. Esta torre está encostada ao monte , por onde vem o encanamento da referida água e daqui segue o aqueduto , por canos subterrâneos até o chafariz do Campo de Sant’Ana. El –Rei Nosso senhor mandou vir de Lisboa uma porção considerável de canos de pedra broqueados, para fazer perdurável esta grande obra, os quais ainda não se encanaram.” 18 13 Fig.15 - Chafariz Paulo Fernandes, na Rua do Riachuelo. Foto de 2007.
  9. 9. 9 Com arquitetura assobradada, com detalhes em cantaria, o chafariz apresenta uma sacada no seu segundo piso, cercada por gradil de ferro fundido. Os acessos e ventilações são feitos através de pesadas esquadrias de madeira. Tombado pelo IPHAN em 11/05/38, é até hoje admirado por suas linhas sóbrias e neoclássicas. Porém é o Solar Visconde do Rio Seco, a residência do juiz de fora e presidente do Senado, Antônio Petra de Bittencourt, que ainda se delineia com forte legibilidade na fisionomia da Praça Tiradentes. Ao proprietário da mansão cabia a difícil tarefa de requisitar aposentos para os representantes da corte portuguesa. Situada na esquina do Largo do Rossio com a Rua Nova do Conde, (atual Visconde do Rio Branco), é caracterizada por Paulo Santos como uma residência de partido tradicional com beiral de telhas de canal à vista. (Fig.16) Transferido para a Bahia, o magistrado vendeu o imóvel ao Visconde do Rio Seco, em 1812. Anos mais tarde, seus descendentes alienaram a propriedade ao Barão de Taquara, que a alugou ao Clube Fluminense. Inicialmente denominado Arcádia Fluminense, o Clube era freqüentado por políticos e membros da aristocracia que ali se dirigiam para tomar chá e ler os jornais. Em 1876, tendo o governo imperial adquirido o primeiro pavimento, instala-se no prédio a sede da Secretaria de Justiça e dos Negócios do Interior, adaptada e reformada pelo engenheiro Pereira Passos cuja atuação na engenharia pública começava a se fazer notar. 14 Hoje, em péssimo estado de conservação, o imóvel - de características bastante clássicas – que serviu por longos anos como sede do Departamento de Trânsito, integra o Projeto Tiradentes, que visa à recuperação e revitalização daquela área central. Foi nesta área, na qual D. João já havia investido desde 1808, quando ali permitiu edificar um dos teatros mais significativos da história da cidade. Este teatro, demolido em 1928, participou intensamente da vida política e cultural do Rio de Janeiro, atuando como um pólo de atração para os demais teatros que foram sendo edificados em seus arredores, inclusive de um teatrinho (do Plácido), atribuído à Grandjean. Consideramos aqui este legado como uma verdadeira herança simbólica joanina para um espaço que se transformaria num dos pólos da cultura nacional. Alguns bens culturais edificados entre 1808 e 1821que ainda existem na cidade, especialmente prédios de arquitetura laica, situam-se entre a arquitetura clássica portuguesa (arquitetura chã) 19 e o estilo neoclássico propriamente dito. Este último foi adotado nas obras do arquiteto José da Costa e Silva, que havia estudado em Roma e, após 1817, nas de Fig. 17 – O solar já bastante alterado com características neoclássicas, quando foi ocupado pela Secretaria da Justiça, ex- Arcádia Fluminense. 1922 (AGCRJ) Fig.16 – O Solar Visconde do Rio Seco, ainda como residência colonial. (acervo da Biblioteca Nacional)
  10. 10. 10 Grandjean de Montigny, oriundo das Beaux-Arts de Paris e filado ao racionalismo arquitetônico. A intenção civilizatória de D. João, convocando para a cidade artistas e artífices das Academias européias não pode ser negada. O apoio concedido à arte em geral e ao teatro e à música em particular, é objeto de inúmeras teses. Mas os estudiosos polemizam sobre o fracasso da Missão Francesa de 1816. Apesar das inúmeras obras, herdamos um patrimônio de pedra e cal muito dilapidado durante a República. Vale lembrar que grande parte da produção arquitetônica de Grandjean de Montigny não foi edificada ou foram arquiteturas efêmeras, criadas para comemorações. Arcos do Triunfo, templo à Minerva, estádio elíptico e um obelisco em falso granito, entre outras, não constituem um legado material, mas a análise iconográfica permite afirmar que D. João estava bastante interessado em reinventar a cidade, utilizando meios mais rápidos do que aqueles permitidos pela arquitetura convencional. Os cenários identificados na iconografia – profícua pelo incentivo de D. João aos artistas e viajantes que visitaram a cidade-, permitem perceber que as práticas políticas estavam respaldadas por representações de forte apelo popular, nas quais o simbólico e o imaginário dos habitantes seriam despertados como no teatro, porém exaltando o poder real. 20 Os vários projetos urbanísticos Grandjean existentes nos arquivos ficaram no papel. Porém, seu plano pretendendo ligar o Rocio ao Campo da Ajuda e ao mar despertou o desejo de abrir grandes avenidas no centro histórico, fato que seria concretizado - sob um diferente traçado - pelo Prefeito Pereira Passos, já no século XX. Por outro lado, o famoso Caminho do Aterrado - ligando o Largo do Paço ao Palácio de São Cristóvão-, de certa forma conduziu aos estudos que desaguaram no projeto da Avenida Presidente Vargas. 21 Considero que o maior patrimônio deixado D. João VI não se constitui apenas dos prédios de feições neoclássicas, ainda hoje existentes, mas sim da ampla abertura cultural deixada na antiga colônia e que traçou novos rumos para este país através dos ensinamentos da Missão Francesa e dos trabalhos realizados por discípulos de Grandjean. Jacinto Rabelo, Araujo Porto Alegre, Bettencourt da Silva, entre outros que construíram o Rio de Janeiro no Império, deixaram suas marcas e a de seus mestres na história da arquitetura carioca. Hábitos e costumes cortesãos e inúmeras instituições culturais passaram a fazer parte do cotidiano da cidade. Pode-se afirmar que a história cultural brasileira passou a incluir práticas e representações até então inéditas e que aceleraram a inclusão do Brasil no mundo das artes e das ciências. E, provavelmente, esta história seria diferente se D. João não tivesse idealizado a proposta de um novo Brasil quando convocou - para construir mais do que uma nova capital nos trópicos - os artistas que haviam trabalhado para Napoleão Bonaparte. NOTAS 1 SANTOS, Afonso Carlos Marques dos. Apresentação. In: Rio de Janeiro uma cidade no tempo. LIMA, Evelyn F.W. et al (org) Rio de Janeiro. PCRJ/ SMCT,1992, p. 1. 2 Até hoje subsiste, bastante modificada, a edificação do Antigo Convento dos Jesuítas, transformada ainda durante a estada de D. João, em Paço Imperial de Santa Cruz, residência de verão do soberano. 3 Sobre o desenvolvimento urbano e cultural das Minas Gerais nos século XVIII e princípio do XIX, consultar LIMA, Evelyn F. W. e LACROIX, Nicole. Théâtre et Société dans la région du Minas au Brésil. Un public métis pour les salles de spectacle. Canadian Journal of History, Canadá, spring 2007, Vol XLII n. 1, pp. 24-51. 4 Cf. COUSTET, Robert. Grandjean de Montigny, urbanista. In: Uma cidade em questão: Grandjean de Montigny e o Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: PUC/FUNARTE/Fund. Roberto Marinho, 1979, pp 65-72, p. 66 5 SANTOS, Paulo. Quatro séculos de arquitetura. Barra do Piraí: Fund. Educacional Rosimar Pimentel, 1977, p. 42. 6 As posturas de Paulo Fernandes Viana incluíram, além de calçamentos e abastecimento de água, substituição das austeras rótulas de madeira das janelas com muxarabis, por esquadrias envidraçadas.
  11. 11. 11 7 Para maiores informações sobre este teatro neoclássico, consultar LIMA, Evelyn Furquim Werneck. Arquitetura do espetáculo: Teatros e cinemas na formação das praças Tiradentes e Cinelândia. Rio de Janeiro: 1813-1950. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2000, p. 33-60. 8 O Decreto Real de 12 de agosto de 1816 criou a Escola Imperial de Belas-Artes, designando alguns estrangeiros beneméritos como professores com pensão anual de 800.000 réis. 9 Cf MORALES DE LOS RIOS, Adolpho. Subsídios para a história de São Sebastião do Rio de Janeiro. In Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, setembro 1914, p. 243. 10 Cf. SANTOS, Paulo. (op. cit.) p. 54. 11 RYKWERT, Joseph. The École des Beaux-Arts and the classical tradition. In: The Beaux-Arts and Nineteenth Century French Architecture, London, Thames and Hudson, 1982: pp. 9-17, p. 16. 12 Ibidem, p. 13. 13 SILVA, Antônio Gonçalves Pereira da. Memória Histórica da Ilha de Paquetá. Rio de Janeiro, s/ed, 1911. 14 CHIAVARI, Maria Pace. Rio de Janeiro: Preservação e modernidade. Rio de Janeiro: Sextante, 1998, p. 78. 15 Ibidem. 16 A mansão colonial de Elias Antonio Lopes, cedida ao Príncipe Regente em 1808, por volta de 1816 apresentava o estilo neo-gótico, projetado pelo arquiteto Johnson. Em 1822, o pavilhão gótico foi reformado pelo arquiteto Manuel da Costa que lhe conferiu detalhes mouriscos e, entre 1828 e 1829, o arquiteto francês Pézérat edificou um segundo pavilhão neoclássico. A análise das litografias e gravuras de Debret permite afirmar que a volumetria neoclássica do palácio só começou a assemelhar-se à atual a partir das reformas de 1831. 17 SANTOS, Luís Gonçalves dos. (Padre Perereca) Memórias para servir à história do reino do Brasil. Rio de Janeiro: Zelio Valverde,1943, p. 58.(1a edição em 1825). 18 SANTOS Noronha. Fontes e Chafarizes do Rio de Janeiro. In: Arquitetura Oficial I. São Paulo: FAU-USP/ MEC-IPHAN, 1978, pp 09-110. p. 80 e 8I. 19 Cf. George Kubler. Portuguese Plain Architecture (1521-1706). Middleton: Weslean University Press. O prefaciador da edição portuguesa José Eduardo Horta Correia traduziu Plain Architecture por “arquitectura chã”, ou seja, edificações que se exprimem de forma vernacular com ordem e clareza, porém nem sempre obedecem às regras clássicas ou às normas acadêmicas. (Prefácio à edição portuguesa. Lisboa: Ed. Veja, 1988. p. VIII.) 20 Cf. CHARTIER, Roger. A História Cultural entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990. 21 Este tema foi desenvolvido em meu livro Avenida Presidente Vargas: uma drástica cirurgia. Rio de Janeiro: SMCTE/DGDI, Biblioteca Carioca, Vol 12. BIBLIOGRAFIA CHARTIER, Roger. A História Cultural entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990. CHIAVARI, Maria Pace. Rio de Janeiro: Preservação e modernidade. Rio de Janeiro: Sextante, 1998. COUSTET, Robert. Grandjean de Montigny, urbanista. In: Uma cidade em questão: Grandjean de Montigny e o Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: PUC/FUNARTE/Fund. Roberto Marinho, 1979, pp 65-72KUBLER, George. Portuguese Plain Architecture (1521-1706). Middleton: Weslean University Press LIMA, Evelyn Furquim Werneck. Arquitetura do espetáculo: Teatros e cinemas na formação das praças Tiradentes e Cinelândia. Rio de Janeiro: 1813-1950. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2000. __________________Avenida Presidente Vargas: uma drástica cirurgia. Rio de Janeiro: SMCTE/DGDI Biblioteca Carioca, Vol 12. LIMA, Evelyn F. W. e LACROIX, Nicole. Théâtre et Société dans le Minas au XVIIIe siècle. Un public métis pour les salles de spectacle. Canadian Journal of History, Canadá, Spring 2007, pp. 24-51. SANTOS, Afonso Carlos Marques dos. Apresentação. In: LIMA, Evelyn F.W. et al (org) Rio de Janeiro. PCRJ/ SMCT,1992, p. 1-3. MORALES DE LOS RIOS, Adolpho. Subsídios para a história de São Sebastião do Rio de Janeiro. In Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, setembro 1914. RYKWERT, Joseph. The École des Beaux-Arts and the classical tradition. In: The Beaux-Arts and Nineteenth Century French Architecture, London, Thames and Hudson, 1982: pp. 9-17. SANTOS, Luís Gonçalves dos. (Padre Perereca) Memórias para servir à história do reino do Brasil. Rio de Janeiro: Zelio Valverde,1943.(1a edição em 1825). SANTOS Noronha. Fontes e Chafarizes do Rio de Janeiro. In: Arquitetura Oficial I. São Paulo: FAU-USP/ MEC-IPHAN, 1978, pp 09-110. SANTOS, Paulo. Quatro séculos de arquitetura. Barra do Piraí: Fund. Educacional Rosimar Pimentel, 1977 SILVA, Antônio Gonçalves Pereira da. Memória Histórica da Ilha de Paquetá. Rio de Janeiro, s/ed, 1911.

×