Apresentação1

475 visualizações

Publicada em

A edição 2014 da Casa Cor Pará presta homenagem ao Arquiteto e artista plástico Roberto de La Rocque Soares, que exerceu atividade docente no Curso de Arquitetura da UFPA, destacando-se como formador de uma geração de arquitetos e artistas plásticos paraenses. O professor La Rocque foi pioneiro na atividade de restauro, tendo coordenado intervenção realizada nos anos 70 do século XX no Palácio Lauro Sodré, hoje Museu Histórico do Estado do Pará. A seguir, confiram o texto publicado, contando com a consultoria da professora Cybelle Miranda.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
475
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
272
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação1

  1. 1. 'À / l ¡y! ; 'h I. v! '. . QDIÍLIICOS l -
  2. 2. HOMENAGEM ll l| l U Rlll 0 mestre da alma Roberto de La Rocque Soares, arquiteto homenageado da Casa Cor Para 2014, era um homem culto, humilde e, sobretudo, um pioneiro em sua area. Seu nome é associado aos primeiros estudos genuinamente regionais e as artes plasticas - uma paixão que caminhava de mãos dadas com a Arquitetura. 40 ÂU l~l l lUl(x Ill l il. l ll'| ( / l Hl *l l 'l Ill l l Xl Sola o calor de quase 40 graus, apresso o passo na Avenida _lose Bonifacio em busca do endereço . motado no celular. Logo adiante, numa vila escondida no coraçao de Sao Bras, envmeçarei a entender um pouco mais sobre o homem que, nas semanas seguintes, reeonheeerei como uma das tiguras mais hen- quistas da cultura paraense do seculo XX: Roberto de 1.a RUCqUC Soares, ou apenas "hlestrvs l. a Rocque", como preferem os . lmigos e admiradores do homenageado deste ano da (Íasa Cor Para. Engenheiro; .IFqlIIÍCÍOÇ artista pListieo lYCl' materia na pagina (v2 l; prole» sor; pesquisador; defensor do patrunonin) historico: eeologista lquando o tema estava longe da pauta do dial; exigente consigo mesmo na busca ¡wermanente por conhecimento. 1.a Roeque Soares, tleseohri. e personagem laeil de adietivar. mas LllllCll de resumir. lim 'w anos de existencia, mar- cou presença de forma pioneira em tantas _ireas distintas que so o lastro de admiragxit» deixado entre familiares e pupilos [espalhados nas mais alilerentes geraçoes] . unida a eompreeinler a extensao de sua inllLiiL-neia. Iloa taiile. meu lillio Ri que posso . iiiida In* Dona líl/ a e Lima senhora bonita. Apesar do calor, esta vestida de forma elegante, os cabelos curtos bem arniinatlnis, a pele clara maquiada com xliseriçao. líxplict» a ra/ ao de minha presenta e ela sorri. Durante quase duas horas, observo a «leeoraçatw repleta de aquarelas, xilogravuras, esculturas em gesso, lotogralias, memoixlbilias de todos os tipos, 'lodas remetem imediatamente a memoria do marido. responsavel pelo projeto da casa com traços modernisms e que a deixou impregnad. i de saudade no dia 20
  3. 3. Àririi : e no Lanto superior direito I 'iarinha ill) lvlusigi. f; l. , , , we . e uma 'otinha iloiomew ilii , eliiln 'i "iJlJlli o do', l zasarowu em rvriln iii-iii lamii o nas -VFHIU []F'i'l¡"lt ai', do ltiili-'ri ll' , iiauiiila vl . ' lillli de maio de 2001. lÍntre itamoro e casamento. leram 52 anos de parcc'i°i. i. suficientes para que ela . icompanhasse de ¡verto as varias fases do garoto com talento para o desenho que a ¡taquerou na linada Belem dos anos 1940. lingenlteiro estabelecido desde o comisçt» dos anos 1950, Roberto l, a Rocquc* Soares le/ parte, ao lado de ; lc_vi' . leira, Camillo Porto de Oliveira, laicia Daltro de Viveiros, Ruy 'ieira e Milton Monte da primeiiut turma do curso de Arquitetura da Llniversidatle Federal do Para, lt>rl11atlJ em tle/ emhro de Moo. .›pesar da contribuiçat» em obras como a lístratla de l: t.'l'l't1 de Bragança e a Base . 'aval de Átl de (ans. foi como . trquiteto tlesde sempre ¡vreocupatlo com .1Pt'L'L'l''. tçÃtt e restauraçat» do ¡vatrimonita historico paraense, que ele conquistou o status de itotavel que o . tcompa nhou pelo resto da vida. A' l Mirante o curso de . irquitetura, entre P964 e 196o, ele conheceu o PTUfCNNUI' Donato ilc'lltt_lllltlttl'. vindo do Rio a Belem para ministrar' a tlisciplina Arquitetura no Brasil. líle . icabou virando nesse periodo um grande amigo e influencia decisiva no trabalho posterior do professor' l. a Rocque Soares. l¡oi ele quem o inceittivou a pesquisar a arquitetura local, o que resultou no trabalho de pesquisa sobre as rocinhas paraenses". me di¡ CIVbellL' Miranda, isx-aluita e hoje coordenadora do laboratorio de Àlemoria e Patrimonio (Íultural da litcultladc- de Arquitetura e Llrbanismtw da L'l¡l': . As rocinhas as quais (abc-Ile se refere pertencem a Lima Belem perdida no tempo. Apelido caboclo dos casaroes em estilo neoclassico localizados nas . treas entao perilericas da cidade l Nazare e arredores, eram o refúgio de linal de semanapreferido das lamilias . ibastadas da capital paraense. Çonstruçoes . tvaiaiiclaclas, rue-direito alto e muito espaçosas, li/ .eram parte do cenario beleneitse ate perderem gradativantente espaço para a espe culaçao intobiliai'ia e a falta de memori. t, traitslormando-se em intridatles ou meros escombros com o passar das décadas. Nos anos l 960, no entanto, quando La Rocque Soares começou a pesquisar a historia da arquitetura residencial paraense. a realidade . ainda era outra, o que i'c-ll›i'ç. i a imagem de um estudioso a frente do seu tempo cunhada por ex-colegas de trabalho. A partir do incentivo de Donato ilello_lt'inior, trabalhou durante quase tres décadas na busca por inloi'in.1çoes sobre a contribuiçati das rocinhas a arquitetura histórica do Para, esforço que culminou na publicaçao do livro "Vivendas" Rurais do Para Rocinhas CASA › : lt
  4. 4. e Outras (Do Século XIX ao XX)", lançado em 1996 sob a chancela da Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel). Com a palavra, Flávio Nassar, também ex-aluno, arquiteto e fundador do Fórum Landi. "O professor La Rocque formou sua identidade numa época em que o Brasil começava a se perguntar pelas próprias raízes, no período pós-Revolução de 1930. O estudo sobre as rocinhas, nascido dessa busca, foi o primeiro esforço real de caracterização da casa colonial paraense. Como ele era muito ligado aos conceitos de eficiência e planejamento do modernismo, mas não abria mão da brasilidade, transpôs muito da concepção dos casarões paraenses aos novos tempos e uniu o melhor dos dois mundos em seus projetos: a estética e o modo de vida perdidos pelo contemporâneo com as novas tecnologias, responsáveis por oferecer mais facilidades e conforto. " lauro odre Na metade dos anos 1970, La Roque Soares se tornou o primeiro arquiteto paraense a participar do curso de Especialização em Conservação e Res- tauro de Monumentos Históricos e Artísticos da Faculdade de Arquitetura da USP, no qual conviveu, durante um ano, com figuras eminentes da arquitetura nacional do seculo passado, como Nestor Goulart Reis Filho e o francês Hugues de Varine-Bohan. Durante o tempo de curso, travou contato com o que havia de mais atualizado nos estudos sobre restauro de monumentos históricos no Brasil, o que coincidiu com O COHVÍÍC do governador Fernando Cuilhon para que integrasse o grupo que culdaria da força-tarefa para a restauração do entao Palácio Lauro Sodré. Entre 1972 e 1975, o homenageado da Casa Cor Pará 2014 comandou a equipe multidisciplinar - que contava com a colaboração de personagens como o historiador Augusto Meira Filho - responsável pelo resgate do projeto original do italiano Antonio Land¡ para o antigo Palácio dos Go- vernadores, mais tarde Palácio Lauro Sodré e onde hoje funciona o Museu Histórico do Estado do Para, no bairro da Cidade Velha. "Foi a primeira grande reforma em pelo menos SO anos de um prédio histórico em Bell-em. O Palacio Lauro Sodré havia sofrido algumas reformas e intervenções ruins no começo do século XX e o trabalho feito resgatou a dignidade do projeto original desenhado por Landi. A antiga capela do Palácio, por exemplo, que já nao existia, foi reconstruída a partir das muitas pesquisas realizadas pelo grupo", aponta Flávio Nassar. Um ano após a entrega do Palácio Lauro Sodré para reinauguração, La Rocque Soares organizou e encaminhou ao Instituto do Património Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) uma lista de documentos com informações sobre prédios históricos paraenses. A pesquisa, intitulada 44 cAsAcoiz PARÁ
  5. 5. Roberto de La Rm que em raro registro_ em fronte ao Palatio Lauro Sodré O arquiteto assinou o pnrojeto de reforma do predm TR l [1 - "V. P" mas r».
  6. 6. "Relação de Unidades Arquitetónicas e Paisagísticas existentes no Estado do Para a serem objeto de estudos para definir a conveniência de seu tombamento" somou-se ao conjunto da obra, onde figuram restaurações de um sem-número de igrejas e a construçao de projetos arquitetônicos espalhados pela capital e interior, para que o arquiteto fosse homenageado. em 1987, com a Medalha Rodrigo Mello Franco de Andrade, comenda concedida pelo governo brasileiro a personalidades que se destacam na defesa e no resgate do património histórico e cultural nacional. Preula-suor' ou pai/ ao? Aurélio Meira chega atrasado para o encontro que marcamos em um café bem refrigerado no centro da cidade. Alto, de cabelos e bigode grisalhos, olhar sério, me cumprimenta com a voz grave e um aperto de mão formal ao mesmo tempo em que pede a garçonete um copo de uísque com gelo. Basta, no entanto, a primeira menção ao nome de Roberto de La Rocque Soares para que o arquiteto abandone a pose, abra um sorriso largo e comece a desatar, entre memórias pontuadas por elogios, detalhes de sua experiência com o "Mestre La Rocque", com quem conviveu Llesdc cedo pela proximidade de La Rocque com o pai, Alcyr Meira, alem de ter sido seu aluno no curso de Arquitetura da Universidade Federal do Paira, já nos anos 1970. A cena já nao é nova pra mim. Em todos os interlocutores com quem tive n u u u a oportunidade de conversar, palavras como "paizão , afável , sensível", "inquieto", "culto", "humilde" e "pioneiro" fluem como se fossem a reprise de um programa guardado com carinho nos escaninhos da memória de uma criança. Professor da UFPA nos cursos de Arquitetura e Educaçao Artística (hoje Artes Visuais) por mais de 20 anos, em disciplinas que iam do Desenho à Mao Livre à Historia da Arquitetura, Roberto de La Rocque Soares soube cultivar, com seu vasto conhecimento, o afeto e a gratidão de personagens que nos anos seguintes escreveriam parte da história cultural do Estado, como Dina Oliveira, Paulo Chaves, Emanuel Nassar, Valdir Sarubbi, Alexandre Sequeira, Haroldo Baleixe, entre centenas de outros. "Cansei de ver meu pai trazer alunos com dificuldades nas disciplinas para 46 cAsAcoie PARÁ
  7. 7. Dona Elza Soares, tão tímida quanto o marido "Sinto saudades dele todos os dias" If 5 . 48 CASACO? PARÁ cá pra casa para dar aulas extras sem cobrar absolutamente nada por isso' conta jose Fernando Lobo Soares, um dos quatro filhos de La Rocque, - Soares com dona Elza, enquanto aponta, ao lado da mae, o espaço em. frente à casa da família onde muitas das aulas informais eram realizadas. ' "Era um professor que tinha uma profundidade enorme, mas que conseguia repassar seus conhecimentos deforma simples e eficaz", acrescenta Cybelle t Miranda, uma das frequentadoras da residencia dos La Rocque Soares e em São Bras. Flavio Nassar, aluno nas disciplinas Desenho e Plástica l e ll, aponta a inquietude intelectual como um dos traços distintivos mais fortes do mestre. "Eu era sofrível com outros jarofessores, mas com ele tive excelentes resultados. As disciplinas nessa epoca eram dominadas pelo conservadorismo, mas ele permitia que buscássemos o novo. Fiz varios experimentos de cores influenciados pelo expressionismo, por exemplo, todos incentivados por ele. " "O professor era alto, tinha um nariz grande, usava aqueles óculos de aro grosso e a primeira vista parecia ser serio demais, mas era uma figura divertida e generosa. Tinha muito cuidado em (lCSCObTlf qual era o ta- lento de cada aluno e investia nisso. Alem disso, se preocupava muito em chamar a atençao para a necessidade de socializar os projetos para que a comunidade como um todo pudesse usufruir do que fazíamos", enfatiza Aurélio Meira, que sobe o tom da voz sempre que pretende reforçar alguma característica positiva do antigo professorjá no final da conversa, entre as despedidas de praxe, pergunto como ele gostaria de ser identificado no texto. Mal completo a frase, ele emenda, junto ao último gole de uísque: "Faz um favor? Não me coloca como arquiteto, nao. Diz lá que sou, que somos todos, aoma de tudo, grandes admiradores do nosso grande_ ctcmo e ¡nesquecívelmestre La Rocque Soares". Que fique regstrado então. D

×