Orações coordenadas e subordinadas

3.646 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.646
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
396
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
148
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Orações coordenadas e subordinadas

  1. 1. 1   C O L É G I O A M O R D E D E U S – C A S C A I S P o r t u g u ê s A n o L e t i v o 2 0 1 4 - 2 0 1 5 Para  compreender  melhor…   A Frase Complexa Orações coordenadas Não exercem funções sintáticas entre si e não podem ser antepostas Assindéticas construção de coordenação cujos membros não iniciais não são introduzidas por uma conjunção O João foi à escola, a Teresa ficou em casa. A Eva partiu um copo, comprou um prato. Sindéticas construção de coordenação cujos membros não iniciais são introduzidas por uma conjunção Copulativas Relação de adição O João foi à praia e a Maria ficou em casa. Adversativas Relação de contraste face a um pressuposto expresso ou implícito na frase ou oração com que se combina. Estou constipado, mas vou trabalhar. Disjuntivas Relação de alternância Ou o João foi à praia ou a Maria ficou em casa. Conclusivas Relação de conclusão Estou constipado, logo não vou trabalhar. Explicativas Relação de justificação ou explicação O João está com medo, pois estou a vê-lo a tremer. Orações Subordinadas Uma oração subordinada está dependente de outra, a subordinante, e desempenha em relação a esta uma determinada função sintática. Substantivas Quando a subordinada desempenha a função de sujeito ou complemento de um verbo, nome ou adjetivo. Completivas Podem ser introduzidas por uma conjunção subordinativa completiva: que, se, para. Completam o sentido do elemento subordinante. Podem ser finitas ou não finitas. Espanta-me que ele não tenha vindo. – funciona como sujeito A mãe perguntou se queremos jantar já. A professora pediu para sair mais tarde. O Manuel afirmou adorar música chilena. Relativas (sem antecedente) Introduzidas pelas palavras relativas (quem, o que, onde, quanto). Usadas sem nome antecedente ao qual se referem. Podem ser finitas ou não finitas. Quem vai ao mar perde o lugar. Ela compra roupa onde calha. O que fizeste está errado. Emprestei quantos livros tinha. Adjetivas desempenham a função de modificador restritivo e apositivo, própria do adjetivo. São introduzidas pelas palavras relativas (que, quem, o qual (os quais, a qual, as quais), cujo (cujos, cuja, cujas), quanto (quantos, quanta, quantas) e onde) Possui antecedente. Relativas Explicativas São isoladas por vírgulas pois, se retiradas da frase, não alteram o sentido da subordinante: apenas acrescentam uma informação adicional relativamente ao antecedente (exercem a função sintática de modificador apositivo). A literatura, que é imortal, encanta os estudantes. O escritor, que nasceu no Brasil, ganhou o prémio Nobel. O escritor ganhou o prémio Nobel, o que envaideceu a sua família. Relativas Restritivas Não são isoladas por vírgulas e, se retiradas da frase, alteram o sentido da subordinante pois restringem a informação dada sobre o antecedente (exercem a função sintática de modificador restritivo). Os poemas que foram escritos por Neruda são património da humanidade. Os meus alunos que estudam têm boas notas.
  2. 2. 2   Orações Subordinadas Uma oração subordinada está dependente de outra, a subordinante, e desempenha em relação a esta uma determinada função sintática. Adverbiais Quando as orações subordinadas desempenham a função sintática de modificadores da frase ou do grupo verbal. Causais Exprime a razão, o motivo do evento descrito na subordinante ou apresenta uma justificação para o que é expresso na subordinante. Podem ser finitas ou não finitas. Como a Maria estava doente, o João não quis sair. Eles não vêm à festa visto estarem com sarampo. Por perder o comboio, chegou três horas atrasada. Finais Exprime o propósito, a intenção da realização da situação descrita na subordinante. Podem ser finitas ou não finitas. Para que a minha filha ficasse contente, convidei o Pedro. Vieram para ver o filme. Temporais Estabelece uma referência temporal em relação à qual a subordinante é interpretada. Podem ser finitas ou não finitas. A Teresa, assim que acabou o trabalho, foi ao cinema. Batidas as claras, deve juntar-se baunilha. Chegando a casa, cruzei-me com a minha prima. Concessivas Transmite uma ideia de contraste face a um pressuposto expresso ou implícito na subordinante. Podem ser finitas ou não finitas. A Maria, embora tenha fome, não é capaz de comer. Apesar de ter fome, a Maria não é capaz de comer. Mesmo gostando de feijoada, hoje não vou à tua casa. Condicionais Exprime a condição em que se verifica o facto expresso pela proposição contida na subordinante. Podem ser finitas ou não finitas. Se comeste chocolate, tinhas fome. (real/factual – verbo no indicativo) Se comer chocolate, fico com alergia. (hipotética – verbo no futuro ou presente do conjuntivo) Se comesse chocolate, ficaria com alergia. (irreais/contrafactuais – pretérito imperfeito ou mais-que-perfeito do conjuntivo) A acreditar no que ele diz, ela mentiu. (hipotética – verbo no infinitivo) Comparativas Exprime o grau. Na maioria dos casos a construção da subordinada adverbial comparativa é elíptica, isto é, o verbo ou o grupo verbal não aparece expresso. O meu bolo é mais doce do que o teu.(= do que o teu é doce) A Rute comprou mais discos do que livros. Ela dança tão bem como canta. Consecutivas Exprime a consequência de um facto apresentado na subordinante. Frequentemente é anunciada na subordinante pelos elementos: tão, tal, tanto, tamanho (ou equivalente). Podem ser finitas ou não finitas. Correu tão depressa que tropeçou. Comi tanto ao almoço que acho que não vou jantar,
  3. 3. 3   Nota: algumas conjunções coordenativas são correlativas, introduzindo cada um dos elementos coordenados. São exemplos de conjunções correlativas: 1 2 “nem…nem”, 2“ou…ou”, 2“quer…quer”, 2“ora…ora”, 2“seja…seja”. Palavras relativas Introduzem orações subordinadas relativas Pronomes relativos que; quem; o qual; os quais; a qual; as quais Determinantes relativos cujo; cujos; cuja; cujas Quantificadores relativos quanto; quantos; quanta; quantas Advérbio relativo Onde Conjunções Coordenativas Locuções Coordenativas Advérbios conectivos / locução adverbial conectiva Copulativas E, nem1 Não só…mas também Não só…como também ____________ Adversativas Mas ___________________ Porém, todavia, contudo No entanto, não obstante Disjuntivas Ou2 ___________________ _____________ Conclusivas Logo Pois, portanto, por conseguinte Explicativas Pois, que ___________________ _____________ Conjunções Subordinativas Locuções Subordinativas Completivas que; se; para Causais porque; como; porquanto visto que; já que; pois que; uma vez que Finais para para que; a fim de que Temporais quando; mal; apenas; enquanto assim que; logo que; até que; antes que; desde que; depois que; sempre que; cada vez que; todas as vezes que Concessivas embora; conquanto apesar de; ainda que; se bem que; mesmo que; mesmo se Condicionais se; caso Desde que; salvo se; a não ser que; a menos que; contanto que; exceto se; Comparativas como; (mais)…do que; (menos)… do que; assim como; bem como; como se Consecutivas que (antecedido de tal; tanto; tão; de tal maneira; de tal modo)

×